BMW 328i TOURING E36: MORTE E RESSURREIÇÃO

Fotos: Bill Egan, Rafael Tedesco, PK e MAO (AE)



Eu estava realmente me divertindo. Em qualquer marcha que estivesse, era só pisar para ouvir aquele sofisticado, discreto, mas rasgante berro do pequeno seis em linha, acompanhado de um empurrão gostoso nas costas. Com aquele câmbio de relações longas, a aceleração é comprida, esticada, um longo passeio até a faixa vermelha que é demais de bom, e extremamente viciante. E quase completamente livre de vibrações indesejadas, apenas o suficiente para se sentir aquela gostosa impressão de algo vivo, pulsante e real que só um motor de combustão interna nos dá. O oposto completo do tão falado motor elétrico, que de tão perfeito chega a ser inerte, insosso e virtual como um videogame.

O tráfego não deixava atingirmos as altas velocidades de cruzeiro nas quais a peruinha está feliz e em casa; mas mesmo assim, era uma delícia o modo com que, em qualquer marcha que estivesse, a resposta  satisfazia. O carro na estrada é simplesmente sensacional; a direção, pesada a baixas velocidades, fica perfeita, a estabilidade direcional é incrível, a aerodinâmica bem cuidada mantendo baixo ruído interno. O incrivelmente preciso e multifuncional computador de bordo, apelidado por meu amigo RT de HAL9000 (o computador inteligente que dizia "bom dia, Dave" mas secretamente plotava seu assassinato no famoso filme de Stanley Kubrick "2001, uma odisséia no espaço"), marcava bem razoáveis 10 l/100km, e agradáveis 24 graus Celsius de temperatura lá fora. A minha peruinha BMW 328i pode já ter passado dos 15 anos de idade (aos 17, está bem perto dos 20 na realidade), mas ainda tem uma saúde de ferro, e me deixa feliz como nenhum outro veículo que tive.  


O dia também, até ali, fora sensacional. Saímos bem cedo de São Paulo, eu e mais três amigos que são conhecidos de quem acompanha o AE: Os ex-colaboradores e grandes amigos Bill Egan e Marco Molazzano, e o meu fiel companheiro retratista Rafael Tedesco, o “RT”. Uma viagem tranqüila sem muito movimento num dia limpo e claro, chegamos em Lindóia às sete da manhã, fazendo que já às nove meus companheiros inaugurassem a banca da praça pedindo três magníficos copos de chope escuro Germânia. Tomei só um golinho, que desceu redondo e gostoso naquela manhã quente e seca, e xinguei com vontade a hipocrisia da lei que me impedia de compartilhar algo tão legal como aquilo: um belo copo de chope debaixo do sol já forte no meio da praça em Lindóia. Mas mesmo assim o dia foi perfeito: encontrei meu tio vendendo suas bicicletas antigas reformadas, passeamos bastante, e consegui não comprar nada para entulhar ainda mais a minha vida. Como sempre, um dia em Lindóia com os amigos é um evento memorável.

Lindóia 2013, nem uma nuvem , perfeito

Neste ano as coisas começaram a desandar na volta. Não sei exatamente por que, mas atrasamos um bocado a saída, e acabamos pegando trânsito, na cidade e na estrada. Saindo de Lindóia, ficamos quase uma hora seguindo um horrível modelo de carro antigo nacional, que para manter os comentários civilizados, chamaremos doravante de “X”. O exemplar de “X” em questão, para piorar as coisas, estava em estado deplorável. O eixo traseiro estava visivelmente torto, fazendo que se movesse chacoalhando os quadris feito uma rumbeira frenética (copyright Motor 3 1981). O carro sofria para carregar uma quantidade incrível de massa plástica, que aparecia nos cantos quebrados da carroceria. Sim, quebrados e não amassados, eu não errei. No vidro, uma placa de vende-se e um telefone. Todo mundo quer vender seu lixo em Lindóia.

É sabido por todos que o “X”, mesmo em bom estado, é o verdadeiro anti-carro, algo que tal qual a anti-matéria e a matéria, se entrar em contato com um carro de verdade causará uma reação em cadeia tão violenta que certamente criaria um buraco negro, engolindo consigo toda a existência. Por via das dúvidas, logo que pude o ultrapassei, para que tal catástrofe não acontecesse num dia tão bonito...  Mas o trânsito pelas estradinhas saindo de Lindóia estavam terríveis mesmo. Como são de mão dupla, muita gente estressada ultrapassando, como de praxe, mas eu permanecia relativamente tranquilo, a não ser, como já disse, quando toda a criação se encontrava em perigo de extinção.




Numa longa descida um Mercedes-Benz S55 AMG (W220) passa por nós à esquerda, berrando violentamente do alto dos seus 500 cv superalimentados por um compressor Lysholm de parafuso duplo. É uma visão que faz qualquer um se recolher a sua insignificância e entender que sempre há peixes bem maiores nesse marzão aí fora... Mas de qualquer forma, naquele trânsito, acabamos, sem tentar acompanhar ou exagerar na velocidade, nos encontrando de novo perto de um pedágio, quando a pista já era dupla. Vendo que o carro ia entrar na faixa de cobrança automática como eu, deixei de propósito ele entrar bem a minha frente, vindo com muito mais pressa que eu como ele vinha. Pensei em voz alta: vamos acelerar junto com ele na saída do pedágio? Ver se é bravo mesmo o bicho?  Só da saída do pedágio até os 120?



Egan quase saltou do banco traseiro e ficou gritando lá de trás: põe segunda, põe segunda seu m..., não vai acelerar na marcha errada! Eu, já em segunda e a velocidade diminuindo até os 40 km/h regulamentares, falei: "segunda nada, vai é primeira!" E num urro até a linha vermelha, passei a Mercedona saindo do pedágio! A glória! A honra de Munique está salva!

Quando passei ao seu lado, vi o motorista da Mercedes olhar assustado (certamente não esperava a manobra) e apenas cravar o pé. Antes de chegar na terceira marcha, o Mercedes já tinha nos passado facilmente, e continuava a acelerar lá na frente. Uma lição de humildade, realmente. O berro que ela deu ao nos passar foi algo divino, mas literalmente botou as coisas nos devidos lugares. O pessoal riu muito, mas eu não entendi a graça... Pela segunda vez, os malditos suábes me ensinam a mesma lição. Será que há uma mensagem aí?




Mas ainda estava pesado o trânsito, e assim continuaria até São Paulo, o que fez que voltasse a um cansativo e constante 110 km/h no meio da multidão. E foi aí, nesse momento, que aconteceu a minha pequena tragédia pessoal.





Mas antes de contá-la, vale parar um pouco e falar do carro primeiro. No último ano quase todos meus amigos acabaram comprando BMW’s E36, e portanto vale falar um pouco da espécie e do meu carro em particular para colocar as coisas em perspectiva. A gente anda tão doente com esses carros que desenvolvemos um apurado radar que nos avisa quando uma é posta a venda num raio de 100 km de São Paulo... Tem mais de um da turma que já tem duas E36, e continua com radar apurado.

foto: net car show


A BMW série 3 de terceira geração, código interno E36 (1991-1999), é um marco para a empresa bávara. Até ali, as duas gerações anteriores do menor sedã da marca (E21, de 1975-1983 e a E30, de 1983 a 1991) apenas avançaram o conceito do primeiro sedã BMW moderno, o 1600 neue klasse de 1962. O E36, desenvolvido debaixo das asas do genial e ambicioso diretor de desenvolvimento Wolfgang Rietzle, mudou tudo. As proporções básicas do carro, a relação de altura, largura, comprimento, entre-eixos e balanços, mudou completamente, e é repetida até os dias de hoje nas gerações subsequentes da série 3.



Bem mais baixa e aerodinâmica, o novo carro inaugurava inédito empacotamento na indústria, com pouquíssimo espaço desperdiçado, fazendo um carro extremamente denso. E a qualidade geral, o desempenho, consumo e estabilidade subiram um grande degrau em relação ao carro anterior.


O seis em linha inclinado da E36, chamado de M50 (foto:BMW)


O motor de seis cilindros em linha M50 era uma das grandes novidades: em bloco de Ferro fundido e cabeçote de alumínio, tinha agora duplo comando de válvulas e quatro válvulas por cilindro, variador de fase do comando de admissão, e injeção eletrônica com coletor de plástico. O motor, bem como o resto do carro, era anunciado como tendo manutenção “quase-zero”. A suspensão traseira abandonava os tradicionais braços arrastados em favor de complexa e engenhosa suspensão multi-link, chamada de “eixo-Z” pela empresa. Freios a disco com ABS completam o conjunto mecânico de primeira linha.

O eixo traseiro da E36. (foto:BMW)


Os pneus são de uma medida extremamente conservadora para os dias de hoje: 205/60 R15. Mas funcionam perfeitamente em aderência e conforto, provando que a sanha moderna por pneus cada vez maiores tem fundo mais estilístico que técnico.



O M50 original das 325i deslocava 2494 cm3 a partir de um diâmetro e curso de pistão de 84x75mm, taxa de compressão de 10:1, 192 cv a 5900 rpm, e 24,5 mKgf de torque máximo a 4700 rpm. Em carroceria sedan ou cupê (que incrivelmente não tem uma peça de chapa externa sequer igual a sedan), chegava aos 240 km/h, e acelerava de zero a cem por hora em pouco mais de sete segundos.

Em corte, o M52 (BMW)

Já a minha perua é do primeiro ano (1996) da evolução deste motor, chamada M52. Além de um novo coletor de admissão para maior torque em baixas rotações, vinha com mais 300 cm3 de deslocamento, perfazendo exatos 2793 cm3 (aumento no curso, para um quadrado perfeito de 84x84 mm). Na Europa, tinha também bloco de alumínio e pesava algo em torno de 20 kg a menos, mas aqui no Brasil e nos EUA, permanecia o bloco de ferro fundido. A potência era quase que exatamente a mesma do 2,5 litros (193cv a 5300 rpm), mas a curva de torque era mais plana e o torque máximo era maior e aparecia mais cedo: 28 mKgf a 3950 rpm. A mais perceptível diferença aparece na aceleração, o zero a cem sendo feito em algo que vai de 6,7 a 7,2 segundos, dependendo da publicação que realizou o teste na época.


O cupê do RT em primeiro plano mostra como o paralama é diferente. Na verdade, não há chapa externa comum entre o sedã e o cupê.
Meu carro, comprado em março deste ano, tem uma característica que se repete em todo E36 que conheci: é extremamente sólido e íntegro, mesmo com mais de 15 anos nas costas. É realmente um produto de qualidade, daqueles que foram feitos para durar, por gente que obviamente tinha orgulho do que fazia para ganhar a vida. Não é ágil como um Mille, por exemplo, a baixas velocidades dando a impressão de peso e letargia, mas é uma delícia a altas velocidades e para quem realmente gosta de dirigir, e admira precisão mecânica, aparente em todo carro. Como bônus, é tão econômica quanto meu Cruze, e é muito confortável.

Em ótima companhia!
Mas voltando a minha pequena tragédia pessoal que prometi contar, por mais que me doa lembrar.  Aconteceu de uma forma besta, idiota. Estávamos a coisa de 80 km/h na pista do meio de uma estrada de três faixas. De repente o trânsito se abriu e resolvi fazer algo que tinha feito repetidas vezes naquele dia: dar uma esticada nas canelas da Bimmer, para desanuviar e limpar a garganta da coitada. Segunda marcha até o limite de giro, terceira marcha idem, aí RRRRRZAAAAAAAMMMMMRRRRRRR!

Meninos, foi tudo culpa minha. Não sei o porquê, nem muito menos como eu consegui realizar a façanha, mas o fato é que ao invés de colocar a esperada quarta marcha, eu voltei para a segunda. Imediatamente as rodas traseiras travaram, não sem antes levar o motor até, sei lá, 325 mil rpm. Na hora dei embreagem, mas é claro que o estrago já tinha sido feito.




Consegui chegar em casa, o carro ainda andava, ainda que mal. Parei ele na garagem dei a má notícia para a patroa e fui dormir, arrasado. Nem dois meses completos com a perua e eu a tinha matado. Sim, na minha cabeça ela tinha morrido, não tinha como voltar a ser aquele carro novo e imaculado que ela era, pensei. E por culpa única e exclusiva deste que vos escreve. Mea culpa, mea maxima culpa. Como fui fazer aquilo? Em quase 30 anos de direção, nunca tinha cometido um erro assim. Sim, até pilotos de F-1 erravam marcha quando tinham pedal de embreagem, mas tal coisa era incapaz de me consolar. Tinha acabado de matar um carro que tinha passado os seus primeiros 17 anos de vida completamente imaculado e bem cuidado, rodando apenas 46 mil km com apenas um dono extremamente cuidadoso. Cometi um crime para os de nossa fé. Poucas vezes na vida me senti tão mal, e certamente foi a pior causada por um carro. Eu tinha matado meu primeiro BMW. Por acidente, sim, mas ainda assim, por minha mão.


Numa velha R&T, uma charge que explica bem a minha situação
Egan tentou me consolar dizendo que pelo menos ele tinha morrido defendendo a honra da Bavária bravamente, mas não consegui nem rir da boa piada. Por umas boas duas semanas deixei o carro na garagem e nada fiz, a não ser amargar um luto bravo.

Mas outros eventos na vida me obrigaram a me mexer. Tinha acabado de ser transferido para o interior do Estado de São Paulo, uma velha vontade minha finalmente atendida, mas que trazia consigo um sem-fim de necessidades novas e muito trabalho, incluindo aí a mudança com toda a família. Não ia morar mais tão perto do trabalho, o que fazia a falta do carro agravar as coisas. Por sorte, a empresa me emprestou um carro para usar por três meses, porque senão seria impossível fazer tudo que precisava fazer. Mas ia precisar de um carro meu quando acabasse o prazo.

Foi então que, por meio do meu amigo VR, conheci o Matheus. Dono de uma oficina especializadíssima em BMW na cidade de Jacareí, a 100 km de São Paulo (KolberCrank.com), o Matheus é uma pessoa incrível. Mais que um mecânico, é um entusiasta da marca e de automóveis, e uma conversa lascada de boa. Fora que literalmente conhece mais do assunto do que qualquer pessoa que conheço. Gostei dele de cara, e acabei por deixar o carro lá com ele para o diagnóstico.

O Matheus mediu a compressão dos cilindros e encontrou quase zero em um deles, e todos os outros abaixo do especificado. Ele então desmontou o cabeçote e viu a catástrofe: todas as 24 válvulas tinham entortado. A parte de baixo, pistões medidos em PMS com relógio comparador, parecia intacta. Pelo menos não precisaria tirar o bloco do carro.

As de admissão parecem retinhas (apesar de não estarem), mas as de exaustão...

Mas ainda assim, isto significava retífica nas sedes de válvulas, 24 válvulas novas com seus tuchos, pratinhos e travas, um jogo novo de juntas, e mais um monte de briquebraques sortidos. Fora mão de obra, óleo, aditivo de radiador etc. Feitas as contas, coisa de 1/3 do que valia o carro. E pior: um dinheiro que eu simplesmente não tinha.


Ando pensando em colocar todas elas numa base de madeira, com uma plaquinha dizendo: Lindóia 2013

Desolado, sem saber o que fazer, fiquei por um tempo pensando nas minhas opções. Tomando um chope com o amigo RT, ele me mandou uma proposta: se quisesse, ele me dava o sedan 325i Dunkelgrün (verde escuro) que acabara de comprar, e eu dava a perua para ele. O conserto, aí, ficaria por conta dele.


O BMW 325i automático 1993 do RT

Parêntese para falar do sedã verde do RT: comprado para fazer par com o cupê de câmbio manual que já apareceu por aqui no blog, o sedã está para todos os efeitos em estado tão bom quanto o da minha perua. O carro é de 1993, e seria perfeito se não fosse um detalhe: é automático. Mas parecia a única forma de continuar com um BMW depois desse imbróglio. E me dar um carro para usar imediatamente, o que naquele momento me parecia uma vantagem imensa. Falei que ia pensar, mas que estava interessado sim, agradeci ao amigo, e prometi responder em breve.

Mais do sedã que quase peguei. A cor verde escuro sólido "Dunkelgrün" é sensacional

Mas foi aí que as mulheres da minha vida apareceram para salvar o dia. Minha esposa, para minha completa surpresa (até ali, não tinha me poupado da minha responsabilidade no acontecido), me proibiu de fazer a troca. “A gente dá um jeito, conserta o carro”, foi o que ela me disse. Depois ainda falou com minha mãe, que apareceu com um empréstimo providencial.  "Você estava tão feliz com o carro, vamos consertar". Não é a toa que me casei com ela. A coisa mais inteligente que já fiz em minha vida, e por uma boa margem!

Peças então foram encomendadas em sites americanos e ingleses, e depois de três semanas de espera, chegaram já na minha nova casa perto de Campinas. As válvulas, para minha surpresa, eram fabricadas na Suíça! Nem queijo suíço deve ser feito na Suíça hoje em dia, mas minhas válvulas vieram de lá. E que coisas lindas elas eram, novinhas e pequenas como peças de relógio! Imaginei logo que foram usinadas por louras nuas de seios fartos num chalé pitoresco perdido lá no meio dos Alpes. Pelo preço que paguei por elas, não me parece impossível...


O primeiro lote de peças chega em casa. A nota as descrevia como "Vintage auto parts".  
O Matheus fez um trabalho impecável, e sem atraso: como tinha prometido, uma semana depois de receber as peças (que levei no dia que chegaram até Jacareí, com o Cruze, à noite depois do expediente) o carro estava pronto. Nem cheguei a andar de ônibus! Bem, fui buscar o carro em Jacareí de ônibus, mas foi numa ensolarada manhã de sábado e aproveitei para ler o novo livro do Bob Lutz, então não conta.

E como ficou o carro? Perfeito como antes. Na verdade, até melhor. Apesar de pouca coisa ter mudado (velas Denso Iridium Power, filtro de ar K&N, e óleo Motul 6100), a perua parece que ficou até melhor do que era, mais solta e lisa de motor. E para minha felicidade, tem permanecido assim até hoje, 4.000 km depois de findo o reparo.


A 328i volta para casa, nova de novo: felicidade!
Então, meninos e meninas, essa é a história da morte e ressurreição da minha peruinha. A boa notícia é que, hoje, não podia estar mais feliz com ela. Sabem, eu ainda hoje tenho dificuldade de acreditar que tenho um BMW 328i. Sei que é uma besteira, que o carro nem é mais tão caro, que qualquer um pode tê-los hoje se quiser. Mas em 1992, quando lia em revistas americanas sobre o novo e maravilhoso BMW série 3 E36, aquilo era tão distante de mim quanto Marte. Me lembro bem de sonhar em rodar com um deles, um sonho daqueles que se sonha sem muita esperança de realizar, mais pela alegria de imaginar e só.

Eu era um cara criado em Opalas e Chevettes, e aqueles BMWs sofisticados, com desempenho de carro esporte, sofisticadas suspensões independentes nas quatro rodas, e aqueles seis em linha DOHC, eram um sonho inalcançável. Lembro que seu desempenho era similar ao de um Ferrari 308 GTB de dez anos antes, o que era para mim quase inimaginável. Quando entro na minha 328i mais de vinte anos depois, ainda me sinto meio besta, meio que desacreditando. É como se eu acordasse na cama com a Luiza Brunet hoje, mais de vinte anos depois de vê-la na capa da Playboy



Mas não é sonho, hoje ela é minha, e depois dessa história toda, provavelmente nunca a venderei. Ainda parece um carro novo, cumprindo a profecia de seu criador Wolfgang Rietzle, que dizia que um BMW de vinte anos ainda deve trazer clientes fiéis para a marca. Sua manutenção é quase nula, nada precisa de atenção além do normal e corriqueiro como óleo e pressão de pneus. Seu desempenho, embora hoje bem menos impressionante do que em 1996, ainda é um degrau acima de carros de marcas menos ambiciosas, tanto em velocidade e estabilidade quanto em economia de combustível.




O Matheus me ensinou também que é relativamente fácil transformar este motor em um monstrinho de 3,2 litros e 300 cv. O RT modificou sutilmente as suspensões de seu cupê 325i, e me mostrou outro dia em uma estradinha fechada outra dimensão em diversão com esses BMWs E36. Então, o que é incrivelmente legal pode, com tempo e paciência, e um fluxo não debilitante mas constante de dinheiro, se tornar ainda mais legal. Agora que sei que vamos ficar juntos por um bom tempo, tudo é possível.

É só não esquecer de prestar a devida atenção ao trocar as marchas...

MAO







193 comentários :

  1. Parabéns pela decisão e pela esposa que tem, MAO!
    Trocar por uma manual ia te deixar com a sensação de castraçao toda vez que o conversor de Torque atuasse, creio.

    Passei por aquisição parecida com a sua recentemente, comprando uma CB 500, com custo-beneficio semelhante e prazer autoentusiástico idem. Espero não causar dano parecido nas minhas andanças.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos,

      Grato! Sim, auto ninguém merece, kkkkk

      Abraço!
      MAO

      Excluir
    2. Dizem que esse problema era comum nas BMW desse tempo (mesmo as 5 e as M). Em alta RPM o trambulador fica tinhoso e engana o motorista, podendo dar acidente pela travada nas rodas. Sugerem verificar cambio, carda e diferencial quando isso acontece pois seria comum danificar eles em conjunto com o motor.

      Pesquise que se encontram dicas e mesmo alguns truques que se pode fazer pra melhorar isso.

      Excluir
    3. Anonimo,

      Sim, é comum o desgaste, mas não é o caso da minha...Fui eu que errei feio mesmo.
      MAO

      Excluir
    4. Não sabia que um carro com injeção eletrônica sofria com flutuação de valvulas, pensei que isso tinha ficado no passado, junto dos carburadores.

      Excluir
    5. Marcos Alvarenga, parabéns pela CB. Sonho com uma pretinha pouco rodada e com dono desesperado pra vender (pra ver se o disgramado vende por menos de 12k). Um dia desses um cara "ofereceu" uma com 8 mil km, único dono 2003 por 25 mil. Pô... 25 mil pratas já é uma GSX 600F! Fora de cogitação...

      Augusto

      Excluir
    6. Paulo Freire, mas veja o q aconteceu: ele esticou a terceira até o talo e, sem querer, reduziu para segunda!! Acredito que não há mecanismo capaz de impedir o excesso de RPMs nesse caso......

      Excluir
  2. Queria eu poder comprar esse automático....hehe
    Excelente texto! Como é de praxe no AE!

    ResponderExcluir
  3. Marco, também sou apaixonado pelas E36, há um ano atrás quase comprei uma 328i coupé vermelha, mas infelizmente o seu câmbio era automático. Hoje ainda procuro uma, e por isso pergunto, onde encontro uma 328i manual? Pode ser qualquer carroceria, coupé, sedan ou perua. E para não dificultar muito uma 323ti, a "compact" também habita os meus sonhos! Muito obrigado pela história e qualquer ajuda. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael,

      Tem que ficar de olho, mas 325i ou 328i manuais são raras mesmo.
      Sempre alerta!
      MAO

      Excluir
    2. Rafael, tem uma loja chamada Rizol Car na avenida Padroeira do Brasil, em Aparecida-SP, a 2km de Guaratinguetá-SP que tem uma 325i, sedan, prata, manual, ano 1994. Tá lá desde 2011 pra vender. Antes de pegar meu 80 Avant quase peguei ela, só não o fiz porque o dono tá pedindo um preço meio salgado: 32.000,00. O carro tá impecável, você precisa ver. Tenho certeza que vai adorar. Só não vendeu ainda porque esse tipo de carro em cidade pequena de interior você sabe como é que é: não tem muito valor! Esse carro em São Paulo já teria ido faz tempo!

      Espero que tenha ajudado.

      Qualquer dúvida de como chegar lá aqui está meu email: andre_luis_db@yahoo.com.br

      Excluir
  4. Victor Gomes26/09/13 12:34

    Esses alemães de tração traseira são carros que não merecem ficar jogados ao tempo. Aqui na minha cidade, tem uma jogada dentro do terreno de uma loja de material de construção. Só dá pra ver um pedacinho da frente dela, adormecida lá no fundo do terreno, ao lado da carcaça de um caminhão Chevrolet. É branca, mas não dá pra ver se é coupé, Touring ou sedan.

    Não conheço absolutamente nada sobre mecânica bávara, não sei se o carro em questão está batido. Não sei de seus problemas e não sei se é viável economicamente colocá-la pra rodar novamente. Mas bem que queria trazer ela para minha casa e, com a paciência de um monge budista, desmontar, limpar e reformar com todo o esmero que esse carro recebeu ao sair da linha de produção. Quem sabe um dia...

    ResponderExcluir
  5. MAO,
    belo estória. A maioria esconderia o fato, para não dizer que o carro quebrou e foi consertado. Voc~e transformou o problema em um belo texto para todos lermos. Parabéns.

    Só um detalhe: Luiza Brunet hoje, 20 anos depois da Playboy ? uhmmmm acho que não é tudo aquilo não.
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. JJ,

      Grato, velho amigo.

      Mesmo hoje, 20 anos depois. Envelheceu bem pacas, bem melhor que eu, camarada!
      MAO

      Excluir
    2. Concordo com o MAO, a Luiza hoje, não é tudo aquilo não... é tudo que foi e muito mais...
      Será que tb. tem o código E36 no DNA ou o tipo sanguíneo é BM+ ?
      Abrs.

      Excluir
  6. MAO, fantástica história! Mas o quê realmente aconteceu para atropelar válvulas, a correia dentada pulou quebrou dentes? Você ja a havia trocado depois de comprar o carro?
    Imagino como deve ter se sentido, ja aconteceu algo parecido comigo...
    Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parceiro, a transmissão do comando é por corrente (a 12ª foto é uma vista pornográfica do motor, observe bem), o que deve ter acontecido foi a flutuação das válvulas por excesso de rotação. Isso é bem comum de acontecer na fominhagem de cambiar rápido (fominhagem mesmo, MAO, nem vem!). Puxa-se a alavanca com mais força que o normal e ela acaba se deslocando um pouco pro lado do cotovelo. Como os engates são juntinhos, tá armada a confusão.

      No mais, parabéns pela pelo carro, pela perseverança, pela boa escolha de esposa e pela sorte em ter uma mãe como a sua!

      Excluir
    2. Excesso de rotação. Flutuação de válvulas. Foi o que aconteceu.

      Excluir
    3. Daniel,

      Grato!
      É como o anônimo aí em cima disse, flutuação.

      Abraço!
      MAO

      Excluir
    4. Adlei,

      Não sei se entendi o significado de fominhagem, mas deve ter sido isso aí mesmo, kkkkk

      Grato e comente sempre!
      MAO

      Excluir
    5. Lorenzo Frigerio26/09/13 22:54

      Antes de ler que só a parte de cima foi afetada, imaginei que a súbita aplicação de uma rotação extrema houvesse desbielado o motor. De qualquer maneira, você deu sorte que as válvulas não danificaram as cabeças dos pistões. Existem motores com projeto de "não-interferência", em que isso é impossível de acontecer. Pelo visto, não é o caso desse.
      O mais famoso motor de "interferência" no Brasil foi o FIASA do Fiat 147 1977 (me disseram na concessionária que, a partir de 1978, a fábrica colocou cavas de válvula nos pistões)... o que, aliado ao mau projeto do sistema da correia dentada, destruía as válvulas sempre que esta estourava, o que era freqüente.

      Excluir
  7. Imagino a frustração ao perceber o erro! Mas nossa esse sedan 1993 tá lindo eim, quanto seu amigo quer nele?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hugo,

      Linda, sim, e nova. Não está a venda, ele quer é a minha perua, rsrsrsrsr
      MAO

      Excluir
    2. Hugo, a sedan ainda nao esta a venda... mas era a moeda de troca que eu tinha na epoca para comprar essa 328, e de quebra ia ajudar o MAO a nao errar mais as marchas, rsrsrs.... entre em contato com o MAO pelo email do Fale Conosco, e podemos negociar se for de seu interesse. Um abraco, RT

      Excluir
  8. Ótimo post MAO!
    Eu mesmo tenho pensado muito a respeito de talvez pegar uma M3 E46 mecanica pelo amor de deus!
    Você sabe me dizer se as E46 continuam sendo como um "bom vinho" como as e36?
    Se puder, gostaria de saber quanto ficou em custos as peças garimpadas no exterior (mais impostos se houve) e quanto ficaria tudo pegando aqui no Brasil msmo, só para termos idéia da diferença..
    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felipe,

      Obrigado!

      Olha, nunca andei numa E46, mas acho difícil não ser bom também.

      Ficou tudo 1/3 do valor do carro, como disse. Não me obrigue a dar detalhes, já esqueci todos eles, kkkkkkkkk
      Abraço!
      MAO

      Excluir
    2. MAO,
      Em 2005, consegui pôr as mãos numa E46. Mais precisamente, uma 328i automática, ano 99, com 72000 km no odômetro e magnificamente preta por dentro e por fora. Assim como você, eu mal conseguia acreditar que, depois de anos andando de Chevette, Monza e Vectra, eu estava ao volante de um dos melhores - se não do melhor - sedã médio do mundo.
      Pena que minha experiência com ela não tenha sido das mais felizes. Apesar de ter sido comprada numa concessionária da marca, ela deu uma série de probleminhas chatos, principalmente no sistema de arrefecimento (quase todo de plástico).
      Em compensação, quando ela resolvia se comportar direito...

      Excluir
  9. Rafael Ribeiro26/09/13 12:58

    Muito legal seu texto MAO, entendo perfeitamente seu relato. Meu pai teve um E36 com câmbio manual por sete anos, comprado 0km, e o trocou por um E46, também 0km, que já está com ele há onze. São carros excepcionais que, quando bem cuidados, tem durabilidade indefinida...

    Também passamos por um susto com o E46 dois anos atrás, o carro já com cerca de 120.000 km. Eu estava ao volante e de repente um espesso "rolo" de fumaça começou a sair pelo escapamento. Parei rapidamente, pensando: "F... tudo". Um mecânico especialista na marca Bávara nos tranquilizou, era apenas uma válvula que regula a passagem de óleo que estragara, sendo substituída em poucas horas de trabalho, que incluiu uma revisão minuciosa de outras partes do motor, e veio o veredito: tudo certo, e melhor, barato de resolver. Fora isso, sempre foi só manutenção básica preventiva.

    Agora, sua mulher é alguém muito especial mesmo, ou então não lê o blog: depois dessa força que te deu você dar o exemplo da Luiza Brunet...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael,

      Grato!

      Ora, é só uma figura de linguagem, ela sabe que não a troco por brunet nenhuma!

      Forte abraço!
      MAO

      Excluir
  10. Caro, as válvulas danificadas estavam bem carbonizadas para um carro tão pouco rodado, não?
    No mais, bela postagem. Valeu!

    Assina: Zé do Galo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estariam os velhos seis em linha do E36 padecendo de problema de retentores de válvula assemelhado àquele que vem praguejando os E90 com motor N46 (2.0 de quatro cilindros)?

      Excluir
    2. Gasolina Brazilis

      Excluir
  11. Fiquei sem palavras ao ler essa história MAO, e tenho certeza que AUTOentusiasta de verdade também se coloca no seu lugar ao acompanhar sua narrativa.

    E o mais bacana da história é que além de uma bela perua que sua serie 3 que você tem em sua garagem, você ainda tem uma bela esposa que compreende seu entusiasmo e sua mãe que... bem, mãe é mãe né? não tem muito o que explicar. heheheh

    Fantástica a sua postagem!

    Mendes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mendes,

      Muito obrigado, e comente sempre!
      MAO

      Excluir
  12. Sandoval Quaresma26/09/13 13:07

    tu é um cara legal MAO, com o perdão da rasa rima. ainda lendo teu texto no parágrafo da tragédia, já estava na torcida para um desfecho como o que veio na continuidade da narrativa.
    em tempo, já aprontei uma igual a tua, com carro do meu velho, mas por ser mais comum, tive a sorte de aparentemente nada acontecer à viatura. era um reles polo classic, mas que fazia sucesso com minha turma por ser metido a ligeiro. na mesma troca, de terceira "no corte" para quarta, meti a segunda, que sensação desagradável, o motor gemer como gato que deve a cauda decepada e ver a agulha do conta-giros apontar para as seis horas. Mas não sei como, muita sorte talvez, o bicho aguentou e não demonstrou sintomas colaterais, ao menos enquanto permaneceu na nossa família.
    Grande texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandoval,

      Pô, obrigado!
      Comente mais, sempre!

      Forte abraço!
      MAO

      Excluir
  13. MAO, mais uma vez você consegue verbalizar o puro sentimento autoentusiasta!
    E, embora eu seja seu fã, me permita dizer onde você pecou: foi ao insultar uma MB W220 AMG com seu M113 (acho que devia ser o 113, modificado)! Com essa heresia você despertou um pouco da ira dos deuses, que decidiram aplicar-lhe este pequeno castigo.

    Como desejo saúde, alegria e vida longa para você, não faça mais isso, rapaz!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkk muito boa a sua avaliação!!
      Eu mesmo com meu humilde Escort Zetec levemente aspirado já dei uns sustos em uma 325 e uma 328 desta geração, inclusive arrancando lado a lado com esta última. Não preciso dizer que depois do feito eu tremia de tanta emoção. Ainda bem que " Os Deuses" deixaram esta passar...

      Excluir
    2. Rodrigo,

      Obrigado! É, vai ver foi isso, rsrsrsrsr.

      Abraço!
      MAO

      Excluir
  14. Excelente história! Creio que poucos conseguem transformar incidentes deste tipo em belas crônicas. Me diverti a valer lendo e torcendo pelo final feliz da perua, que devagarzinho vai virando sonho de consumo para mim também!

    ResponderExcluir
  15. Hoje não vou dormir, imaginando que tal carro antigo nacional (no post chamado de "X"), será este tão execrável, que já o seria mesmo em bom estado. E exceto nesse caso (estar em estado deplorável), e salvo um modelo que me fuja completamente à lembrança (acho difícil), devo discordar veementemente: não existe carro execrável. Qualquer um, por maior fracasso comercial ou deficiências de projeto/construção que apresentassem em sua época de oferta no mercado de novos, hoje, como antigo, merece ter preservada sua memória e será sempre um prazer ver um exemplar, desde que em admirável estado de conservação e originalidade. Pronto, desabafei. Meu coração antigomobilista está aliviado, he, he! E outra: estou com o Juvenal Jorge: muitas daquelas que foram as musas da minha geração (tal qual a Luiza), hoje podem até continuar ainda bonitas ou muito bonitas, mas quando as vejo como eram (em fotos ou vídeos do "Youtube") 30 anos atrás, fico plenamente convencido de que NADA substitui o frescor da juventude, e que o tempo, além de não parar, como dizia Cazuza), é uma grande, enorme, gigantesca m***********rda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se o MAO vai dizer qual era o tal carro "X". Mas acho que todos nós temos um carro "x" ou "y" que detestávamos e que agora alguns incautos querem chamar de clássicos... Eu estou ruminando no meu "X" agora e penso com raiva que o mesmo jamais deveria ter passado do ano de 1974, quanto mais durar o que durou, pra ser a mais cabal prova de nosso atraso automobilístico. GRRRRR.
      (ps: não é a Kombi)

      Excluir
    2. Ô Mr Car; larga de chatura, né? O carro era execrável por diversas razões. O texto tá demais de bom!

      Excluir
    3. Anônimo 26/09/13 16:19hs: Mesmo um carro "X" que em sua época de produção não me dizia nada (VW Brasilia, por exemplo), e que eu jamais compraria então, hoje, se absolutamente conservada e original, me encanta a ponto de dizer que seria uma enorme satisfação e orgulho ter uma. E nem acho que um carro precise ter se tornado um "clássico" para merecer ser admirado e ter exemplares preservados. Carros esquecidos e desprezados pelos colecionadores de antigos como um Fiat Oggi, entre outros, se impecáveis, me fascinam como os clássicos queridinhos de todos também me fascinam.

      Excluir
    4. Pessoal,

      Sem comentários!

      Foi uma piada! Por isso a omissão do nome, kkkkkk

      MAO

      Excluir
  16. A E36 ao meu ver é a BMW mais emblemática já feita. Cresci também babando nelas, não precisava nem ser uma M3 não, uma normal já me satisfaria. Sei exatamente como é essa sensação "besta" que ficamos quando entramos nesses carros... Depois de muitas economias, quase comprei uma 328i manual 96 preta, sedã, impecável. Depois de meses pesquisando (e tendo um amigo dono de duas E36..) vi que era ela mesma e ponto. Eis que meu padrinho colocou a venda sua W126 280S que conheci ainda quando era criança. Exatamente o oposto da 328i em termos de comportamento, mas... Primeira Mercedes que andei, que desencadeou um carinho e admiração enorme pela marca e modelo. A E36 ficou pra depois... Depois esse que espero ser em breve.

    ResponderExcluir
  17. Murilo Figueiredo26/09/13 13:51

    Obrigado MAO. Eu estava ansioso para ler um texto sobre ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Murilo,

      De nada, eu que agradeço a visita!
      Abraço!
      MAO

      Excluir
  18. Boa história, apenas falou um "r" na "ressurreição".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristiano,
      Correto! Já acertei. Obrigado.

      Excluir
  19. Agora que as peças chegaram e o carro foi montado é que você fala em loiras nuas hein? heheh

    Bom, já disse e repito, que carro magnífico - não sou exatamente partidário das Bmws (prefiro as alfas), mas esse teu carro é lindo e em uma configuração que é ideal: perua, caixa manual e com o torcudo e girador 2800cm3.

    Parabéns pela decisão conjunta da família, vocês se merecem (que coisa, a gente quase sempre escuta isso como sendo pejorativo)..

    E cuidado nas cambiadas!

    MFF

    ResponderExcluir
  20. Sensacional. Estou a procura de um E34 ou um E36 e agora estou ainda mais animado na minha empreitada... Desejem-me sorte hahaha

    ResponderExcluir
  21. Esse E36 foi o primeiro BMW que achei realmente bonito, os outros não me chamavam muito a atenção, talvez ofuscados pelo incomparável desenho dos Mercedes das décadas de 70/80. Acho-o tão ou mais bonito quanto seu sucessor, também uma obra prima de estilo e bom gosto.

    E entendo perfeitamente o que é ferir algo que gostamos muito, por distração. Mesmo não sedo seres vivos, nos apegamos tanto à eles que parece o remorso é comparável à batemos na mãe.

    Que bom que você teve o privilégio de recupera-la. Não se esqueça de fazer um gesto de agradecimento àqueles que te ajudaram. Uma volta dirigindo o carro (com vc do lado, óbvio) já é grande coisa, já que pode mostrar o fruto de seus esforços.

    ResponderExcluir
  22. Dá uma vontade de pegar uma alemãzinha dessas...Como sempre, um prazer de ler. Tuas sumidas deixam um buraco no AE. Abraço

    ResponderExcluir
  23. MAO,
    parabéns pelo belíssimo veiculo, também sou fã dos E36 com preferencia pelo cupê de cambio mecânico seja ele qual for M3 , 325 ou 328. Desejo que o seu lhe dê muitas alegrias e que fiquem muito tempo juntos sem nenhum tipo de problema.

    Bem que poderia ter mais textos como o seu aquí no AE , com os colunistas contanto suas peripécias nas viagens.

    PS: não acha que seria melhor um automático para você ??? (brincadeira ).

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Obrigado!

      Essa do automático foi cutucar a ferida, rsrsrsrs, sacanagem!

      Abraço!
      MAO

      Excluir
  24. MAO,
    sua descrição de amor pela BMW E36, seus sonhos em ter uma
    poderia ser eu descrevendo, sou assim, apx pelo BMW E36 e tbm por BMW,
    eu vivo BMW, e sonho em comprar um E36, outro dia quase comprei um mas infelizmente nao deu,
    sua Touring eh perfeita, parabens pelo carro e pelo carinho que tem dado a ela,
    me senti na sua pele quando voce errou a marcha e teve que deixa-la na garagem,
    esses carros sao incriveis,
    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leonardo,

      Grato! Elas não são caras agora, procure que acha coisa boa!

      Abraço!
      MAO

      Excluir
  25. Poxa MAO senti muito por essa infeliz troca de marcha. Já perdi uma correia de A/C + alternador numa reduzida cavalar (Monza), mas eu estava reduzindo...o seu susto deve ter sido muito maior! A maior grosseria que eu vi foi um caminhão de teste que andava "cambado" (puxado por outro) para fazer freio, o motorista conseguiu enfiar um LoLo a uns 30 Km/h, o disco da embreagem explodiu, desapareceu no mato, a caixa seca foi fatiada e a transmissão foi parar no chão!

    Você fez a coisa certa, esperou o calor da situação passar, as pessoas certas te apoiaram, você acabou conhecendo um bom mecânico e tudo se resolveu. Agora já dá até para fazer piada. Imaginei o cenário das louras suíças e a comparação da sua BMW com a Luiza foi perfeita...se pudesse eu daria uma volta com as duas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HM,

      Pois é, foi complicado. Mas passou, e podia ser pior né?

      Abraço!
      MAO

      Excluir
  26. Parabéns MAO, belíssimo texto! E parabéns também pela BMW, que perua linda.

    FAF

    ResponderExcluir
  27. João Celidonio26/09/13 14:42

    Cara, esse é meu sonho... Não importa, posso andar de patinete, onibus, velocípede, não comprarei nenhum carro até poder comprar uma dessa manual, sedan ou wagon, e fim de papo, não está em discussão!
    Linda perua, incrível como me emociono ao ver alguém tão feliz por um carro velho como esse quanto eu, talvez até mais que eu já que o sonho se realizou, parabéns, espero em breve poder realizar esse sonho e entrar para esse clube, espero que ela me aceite, sou fiel nessa relação por hora platônica!
    parabéns!

    ResponderExcluir
  28. Raríssimas vezes eu vi uma perua dessas... nem sabia que haviam vendido perua BMW no Brasil.

    Linda, como toda germânica deve ser.

    ResponderExcluir
  29. Cara! Sou fã de carteirinha deste carro...tive uma cupê com cambio mecânico que devido as agruras da vida precisei vender...Hoje, se vejo alguma disponível é um lixo de dar dó...No teu relato, imaginei tua dor com a errada do câmbio...doeu até em mim!

    ResponderExcluir
  30. Só 2 curiosidades: I - quanto ficou o custo total dos reparos na máquina? II - E tem jeito de fazer seguro nessa peruinha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anonimo,
      tenho seguro Sul America, o preco é aprox 15% do valor do carro... so fiz porque uso o carro todo santo dia. Mas foi realmente dificil conseguir um seguro, só a Sul America aceitou
      abracos,
      RT

      Excluir
    2. Anonimo,

      1- 1/3 do valor do carro
      2- Sim

      MAO

      Excluir
    3. A brincadeira deve ter sido alta...
      Esse carro deve valer pelo menos de R$15.000 a R$20.000
      Assim o reparo deve ter saido de R$6.000 a R$10.000
      Mas valeu a pena por ser um carro tao novinho e bem conservado!
      Se eu pudesse ter uma dessas acho que ia guir bem devagar mesmo...

      Excluir
    4. Anonimo,

      Quando vc achar uma perua como a minha por 20 mil, eu compro.
      E a matemática tá ruim aí ein? 1/3 de 15000 é cinco mil, e de vinte é 6666,67.....
      MAO

      Excluir
  31. Como sempre um texto fantástico, MAO.
    Me identifiquei muito com ele, pois estou em lua de mel com uma macchina. Também é difícil pra mim acreditar que aquela jóia está aos meus cuidados, mas a cada vez que a vejo na garagem, abro um sorriso, como também bate uma tristeza ao sair para trabalhar e deixá-la na garagem.
    Porém, desde o dia 13, ela se recusa a dar a partida, como não dependo do carro para o trabalho, deixei ela repousando por uns dias e hoje mandei pra oficina, Felizmente o conserto não alcançou a cifra dos 4 dígitos, mas foi triste passar os últimos dias olhando aquela bela fera hibernando na garagem sob uma capa.
    O problema foi no motor de arranque, e devo ter o carro de volta até sábado. Como boa menina que é, após me dar um sinal de que não estava bem, ela ainda me levou para assistir a estreia de "Rush - No Limite da Emoção" e na volta me proporcionou o seu passeio mais emocionante sob minha guarda, até que no dia seguinte, ela entrou em coma.
    Agora, não vejo a hora de voltar a acelerar minha Alfa Romeo 155 e sentir o ronco maravilhoso daquele Cuore.
    Comprei o carro influenciado por vários amigos que tem Alfa e digo que é muito bom quando a gente encontra pessoas com o mesmo gosto, nosso grupo é formado por pessoas de níveis sociais e profissões diferentes, mas quando a gente se junta, parece que fomos criados juntos. Com relação aos mecânicos, é incrível como quando além de profissional, a pessoa é entusiasta da marca, na Alfa Romeo, temos um análogo do Matheus, em Curitiba. É o tipo de pessoa que a gente pode mandar o carro e ficar despreocupado.
    Enfim, vida longa às nossas máquinas e que nos tragam muitos quilometros de emoção.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Delfino,

      Sim, longa vida a elas!

      Obrigado pelo comentário, forte abraço!
      MAO

      Excluir
    2. Delfino!

      É muito bom ver que vc esteve aqui antes de mim, e principalmente por saber que pessoas de bom gosto como vc e muitas outras gostam e elogiam demais a E36 Touring! Agora então que fechei meu negócio e já rodei alguns bons 600km me sinto muito mais seguro de ter feito uma boa compra!

      Abraço!

      Excluir
  32. Bem mais baixa e aerodinâmica, o novo carro inaugurava inédito empacotamento na indústria, com pouquíssimo espaço desperdiçado, fazendo um carro extremamente denso.

    Essa era a BMW que queríamos que continuasse. Se aplicassem a tônica básica do E36 e a aprimorassem nessas duas décadas, em vez de fazerem carros que são mais inchados (ainda que em média abaixo do que ocorre em seus segmentos) do que racionais, não veríamos a bobagem que será em breve o lançamento de Bimmers de tração dianteira, que serão na prática o que foi o X-Type para a Jaguar (exemplo feito e acabado feito por terceiros que a marca de Munique sobre o que não fazer com uma marca de luxo, mas fingiu não ter aprendido).
    Túnel alto? Daria para ter tração traseira com túnel baixo, mudando-se por exemplo o ponto de acoplamento do diferencial (em vez de no centro da bola, na parte de baixo dela, ainda mais que é diferencial fixo à carroceria). Transmissão muito invasiva? Que se esforçassem com suas fornecedoras Getrag e ZF para criar opções com muitas marchas que fossem tão compactas quanto as de menos marchas e com eixo de saída para trás que não fosse no nível da saída de força do motor (seria questão de reposicionar os três eixos básicos de uma transmissão para tração traseira). E isso são só dois exemplos simples de como ela poderia continuar a tal boa ideia apresentada no começo dos anos 1990.

    O bom número de E36 sobreviventes que ainda rodam regularmente em nossas ruas serão para sempre um testemunho incômodo de que daria para a BMW fazer as coisas diferentes e de uma maneira melhor.

    ResponderExcluir
  33. Maravilhoso texto MAO e parabéns pelo belo carro;

    Entendo perfeitamente a tristeza que sentiu mas não penitencie-se mais;

    Dentre os muitos sonhos automotivos que ainda tenho, o que me faz sentir tão distante quanto Marte é um RX-7, sonho.

    Rafael

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael,

      Obrigado!

      To tranquilo agora, passou!
      MAO

      Excluir
  34. A referência às louras nuas, suadas do calor da usinagem de válvulas BMW, dentro de um chalé nos alpes quase me fez parar de ler o artigo e ir visitar outros sites...he he. Mas a história estava tão boa que permaneci na UTI com a perua 328i.
    DouglasPR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Douglas,

      Que mente suja! rsrsrsrsr

      Forte abraço!
      MAO

      Excluir
  35. MAO, a pergunta que não quer calar: Já esticou terceira até o limite de novo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Arruda,

      Claro, meu, todo dia! A gente aprende, mas nem por isso deixa de viver!

      Abraço!
      MAO

      Excluir
    2. Pois eu manteria a calma e evitaria esticar ate dar uma boa amaciada.
      Motor depois de aberto nunca e a mesma coisa.

      Excluir
    3. Anonimo,

      Não é necessário amaciar cabeçote.

      Não é a mesma coisa mesmo. O meu ficou melhor! rsrsrsr
      MAO

      Excluir
  36. Carro X = puma GTB S/1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dodge Polara, suponho...

      Excluir
    2. Puma GTB S1? Never man. It's a classic!

      Excluir
    3. Polara?

      Excluir
    4. muito pior pessoal, muito pior... algo ruim de motor, ruim de carroceria, ruim de desempenho, feio pacas... continuem tentando....

      Excluir
    5. Maverick 4 portas e 6 cilindros!

      Excluir
    6. ta esquentando!! tanto o palpite quanto o maverick-ferverick!!

      Excluir
    7. RT, and all,

      Gostei da piada e repeti, o carro não importa gente....
      MAO

      Excluir
    8. até melhor que ele não diga qual é o "abominável carro X"... assim podemos ficar destilando veneno contra os carros que "adoramos odiar", em que cada um tem seus eleitos.
      DouglasPR

      Excluir
  37. Essa troca doeu direto na alma hein? Deve ter sido de devastar até o canto mais obscuro de nós, mas fazer o que, erros acontecem não é? É ótimo ver que a história tem um final feliz, mais do que merecido, com certeza! Muito bela essa BMW, e o que mais importa nela (e em outros carros desse mesmo estilo) não é o quanto anda, mas sim como anda. É nessas horas que se separa as máquinas de verdade dos carros de brinquedo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Davi,

      é duro, mas como tudo na vida, passa!

      Abraço!
      MAO

      Excluir
  38. Caramba, MAO! Esta é uma história boa de ler! E que coerência! Temos o direito de ter um carro, gostar do bicho e poder rodar com ele, incrementar, fazer planos, arrumar, gostar com luxo e cuidado! Seja de que ano for! Se nos dá prazer é o que importa! Outro dia mesmo tava aqui no post comentando de uma BMW XYZ, duplo turbo ou turbo de dupla voluta, samambaia na janela, tecnologia embarcada capaz de mandar homem na lua, desempenho pantagruélico, preço astronômicos sob todos os aspectos e virtualmente inconsertável quando vier a quebrar! Seja porque o conserto vai custar uns 100 mil ( claro, o carro custa 350 mil!) ou porque ninguém nesta terra Brasilis será capaz de decifrar sua tecnologia. Falava hoje da geladeira General Eletric da minha avó que está funcionando perfeitamente bem até hoje, gelando que é uma belezura, 50 anos de idade e que, por azar, foi minha e tive que passar para o meu tio por estar sem lugar a uns 25 anos atrás! Nossa geladeira nova, XYZ, que canta, dança, tem computador na porta, rodas de aro 30, motor turbo Frost Free, suspensão tridimensional, QUEBROU! Um ano e meio de uso e quebrou. Sabendo da sacanagem, fiz uma garantia estendida de 3 anos que me poupou de morrer em uma placa transistorizada capaz de gerir foguetes lunares de uns 2 mil, segundo o técnico que veio aqui. Geladeiras a parte, mesma coisa meu Galant V6. Adoro o carro. Até gosto mais que meu Omega novo que também só comprei porque mesmo com todo tecnomodernismo deverá fluir por muitos anos sem problemas, haja vista a comparação com seus irmãos pouco problemáticos. Esta BMW E 36 está na minha lista faz tempo. Já estou na fase que se comprar mais um carro vou ser despejado!! Com 5, fora o da mulher e mais duas motas, meu fuca 72 foi parar na garagem alheia. Quem está chegando perto da minha alça de mira é a 330 i. O que me diz da bichinha? Tem uns 200 e poucos equinos e parece ser da mesma linhagem, embora eu ainda goste mais quando uma destas 91 a 99 faz o que a gente precisa com todo o charme dos anos 90. Pensei também na 540, 545, mas estas mais pesadas talvez não sejam tão gostosas como a sua para pilotar. Abs e tudo de bom. Parabéns pela matéria e pela sua peruinha gostosa, charmosa, peituda, linda de abandonar mulher na maternidade! MAC.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MAC,

      Grato, que bom que gostou!

      forte abraço, e tudo de bom para ti também!
      MAO

      Excluir
  39. Tá, mas e o carro "X"?
    Pô MAO, diz aí pelo menos a primeira letra do nome dele para nós (que não seja X).
    Gostei do post, abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Que bom que gostou, obrigado.

      Sobre o carro X, não vou falar, foi uma piada que inventamos na hora, não quero ofender ninguém...
      MAO

      Excluir
  40. Um comentário p/ o autor: esses dias entrei embaixo do meu E36 MT pra confirmar uma coisa que vinha me incomodando desde um tempo depois que peguei o carro (3 anos atrás): folga excessiva na alavanca de câmbio. Descobri que as buchas do mecanismo que segura a alavanca de câmbio estão todas um pouco folgadas, isso numa troca rápida de marchas eventualmente leva a "miss shifts". Descobri que na pelican vendem o kit completo por um preço até que razoável: http://bit.ly/16CPFtG
    (Obs: Não participo (mais) do bimmerbr graças a arrogância de alguns por lá que gostam de mandar no carro dos outros)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Sim, muitos desenvolvem folga, mas o meu está perfeito.

      Culpa minha mesmo, está justinho.

      Origado pela dica!
      MAO

      Excluir
  41. Para você ver como os gostos divergem, MAO.
    O sócio do meu pai teve um 325 "Dunkelgrün" (eu até então nunca tinha visto outro, só aquele) e o achava horrível.
    Tive no meu antigo Omega um celular bem similar ao seu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CSS,

      Achei do grande casquete!
      Eu queria tirar o cel, não funciona, mas os meus amigos não deixam, rsrsrsr

      MAO

      Excluir
    2. Eu guardei o celular, está aqui em casa. Só que é um modelo analógico sem chip.
      Tem um amigo que tem um Mercedes 280 SL ano 80, que quer que eu venda o tal celular para ele a todo custo, para "enfeitar" o interior do Mercedes.
      Mas já disse que não, é minha relíquia. Um raro remanescente dos tempos em que utilizar celular ao volante não dava multa...

      Excluir
    3. CSS,
      voce precisa ver a sedan Dunkelgrun ao vivo nessa configuracao da minha, as fotos nao mostram muito bem: cor solida, parachoques cinza fosco, espelhos pretos, e agora consegui encontrar as rodas de aço e calotas originalissimas (nas fotos estava com rodas de liga BMW, colocadas na concessionaria na epoca). Ficou igual BMW de catalogo, bem tipica da Alemanha dos anos 90, é divertido andar em algo que se move a 230kmh com calotas! Concordo que ela nao se encaixa no padrao brasil dos 50 tons de cinza, mas esbanja personalidade e charme!!

      Cuide do celular, minha coupe tambem teve, mas so sobrou a antena e a base no console, o telefone infelizmente foi removido pelo primeiro dono do carro.

      Excluir
  42. Ahhh eu também tenho o sonho de ter uma dessas, das nova gerações não serve.

    ResponderExcluir
  43. MAO,

    Fiquei feliz que deu tudo certo.
    Parabéns por ter uma esposa sensível que te apóia e por ter conseguido recuperar o motor com tanto sucesso.
    Entendo seu sentimento pelo carro, mas poderia ter dispensado o exemplo da Luiza, nâo? kkk
    Parabéns pelo carro e principalmente p

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sergio,

      Obrigado!

      Ora, achei uma comparação bem legal, a da Luisa...

      Comente Sempre,
      MAO

      Excluir
  44. Excelente texto, MAO!! Creio que a década de 90 realmente foi o ápice da BMW, tanto o Série 3 como o Série 5 da época são maravilhosos e muito mais bonitos e classudos que os seus sucessores.
    Quanto aos pneus, calculo que hoje em dia aqui no Brasil esteja meio complicado de achar com as especificações originais. Meu Camry 93 tem pneus 205/65R15, por desgraça a mesma medida do Ecosport e Adventure Locker... como os pneus estão chegando na hora de trocar, nas pesquisas que faço usando a medida deles a primeira referência que aparece são os de uso misto para esses "aventureiros" citados. Que dureza...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bianchini,

      Obrigado!

      Olha, a gente tem achado opções de pneus sim. Tão diminuindo, mas ainda tem.

      MAO

      Excluir
    2. Compra correndo o melhor pneu que existe: um Goodyear 205/60/15, NCT5. A altura de 60 no lugar de 65 ( diferença de 10 mm) não vai problema que vc venha notar e a maciez do Goodyear vai compensar a menor altura. Vc não vai perder em conforto de jeito nenhum, vai ganhar um pouco mais de estabilidade em curvas, arrancada ligeiramente maior e velocidade de cruzeiro com giro levemente mais alto, com consequente aumento( mínimo) de combustível.

      Excluir
    3. Bianchini, sugestao por experiencia propria em 205/60 R15 91V (supostamente voce tera reacoes semelhantes no 205/65): Michelin para mais performance (muito grip, e rodagem firme, precisao milimetrica, modelo Pilot Primacy), Kumho para conforto (tambem com grip fantastico, mas rodagem macia, muito suave mesmo, porem menos precisao, modelo Solus KH17), sao os que eu uso nas minhas E36. Se voce puder pagar um pouco mais, vá de Yokohama C-Drive ou A-Drive, duram menos porem entregam mais desempenho, tem conforto e tem precisao de direcao, impressionante. Mas custam o dobro...

      Anonimo, recomendo manter a medida original, sempre!! mudar a medida do pneu é loteria, pode melhorar ou piorar o desempenho do carro, depende de cada carro, de como foi desenhada a geometria da suspensao, nao temos como saber.... Voce tera a sensacao de arrancada mais rapida, claro, mas perdeu a calibracao do velocimetro e odometro, seu carro marcará mais kilometragem do que a real.

      Excluir
    4. Bianchini, acho que tenho a resposta para seu Camry 1993 e na medida original de fábrica: Barum Bravuris 2. Ainda dentro do grupo Continental, mas indo para a marca principal, temos o ContiPowerContact, bem como o ContiPremiumContact 2 (em índices H e V). Logo, nenhum problema para equipar seu veículo com pneus de tal medida que não sejam de uso misto.
      De experiência própria, usei Barum em meu carro anterior. Eram pneus bons (era o primeiro Bravuris, que tinha um desenho bem interessante de banda, com um V acentuado e uma depressão no ângulo do V), de rodar silencioso e boa aderência em curvas e que me pareciam escoar bem a água.

      Excluir
    5. Srs: a sugestão do pneu de perfil mais baixo, 60 no lugar de 65, é para a opção de não se encontrar a medida do pneu, claro. Todos sabemos dos ônus e bônus, tais como as diferenças de velocímetro,km, desempenho, consumo,possível menos conforto,melhoria ou até redução de desempenho nas curvas, etc. Quanto aos pneus sugeridos, o Yokohama sem dúvida é o mais legal( Eu não conhecia o Yokohama em uso, mas veio de Fábrica no meu Omega Fitti e é muito confortável, super grip, tudo de bom). Quanto aos Michelin, tenho experiência diversa do Tedesco acima. Não gostei de jeito nenhum dos Michelin e não recomendo mesmo. Usei no Accord e eles se mostraram duros, desconfortáveis, prejudicam o carro na curva, pouquíssimo grip. Quando troquei e coloquei os Goodyear, parecia outro carro! Impressionante. Mesma coisa no meu Galant. Tinham Michelin, troquei pelos Goodyear e o carro melhorou em tudo. Curva, Grip, conforto, precisão de direção, etc. Possivelmente só trocaria os Goodyear pelos Yokohama, assim mesmo se não achasse os Goodyear NCT5, pois são excelentes e com um custo muito bom. Não conheço nada da Continental e não posso opinar pois nunca tive ou usei bem como as outras marcas citadas. Bôa sorte!

      Excluir
    6. Em tempo: a diferença de diâmetro dos pneus 205 com altura 60 e 65 é de 20 mm ou 3,1%, ( 627 e 647 mm respectivamente). Já troquei uma vez um pneu de altura 65, recomendado para o meu carro, um monza na época, por um de altura 70 e senti diferença em curva, embora tenha ganho em maciez e conforto de rodagem. Sair de um 65 e ir para um 60 não deveria, em teoria, piorar sua performance em curva e se tratando do Goodyear NCT5, muito macio e esportivo, é bastante provável que não haja diferença no quesito conforto também. E segundo o site da Goodyear, existe este pneu na altura 65! Pode por e ser feliz!

      Excluir
    7. Srs.,

      Eu atualmente também possuo um Galant e acabei colocando os pneus coreanos Nexen! E não é que são excelentes? A Kia tem usado com sucesso nos seus modelos médios e resolvi apostar no tal borrachudo, não me arrependi!

      Excluir
  45. MAO,
    Bem que estava estranhando não ver mais nenhum relato do seu BMW. Fico feliz que tudo acabou bem. A sensação que vc sentiu deve ser terrível: depois de conseguir realizar um sonho, ser o responsável por abreviar a experiência... Eu por exemplo tenho a vontade de enfiar a cabeça na parede só de cair em algum buraco maior... Passar pelo que vc passou então...

    Bom saber que esses carros estão em boas mãos. Quando quiser um, sei quem procurar.

    Uma dúvida meio cretina, não recordo de ter lido sobre em nenhum lugar, nem (ainda bem) ter passado pela experiência: no caso de errar uma marcha para baixo em câmbio manual, o limitador de giros do motor nada pode fazer para salvaguardá-lo?

    Assim como outros, queria saber quanto salgada saiu a brincadeira.

    Gostei da indicação da oficina no texto. Sei que é complicado esse tipo de menção, mas na medida do possível incentivo vcs a adotarem essa prática.

    Um grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caio,

      Obrigado!

      Não tinha como não agradecer o Matheus!!!
      MAO

      Excluir
    2. Caio,
      Limitador de giros só funciona quando voce esta acelerando, e o motor sobe ate o limite, e o sistema eletronico corta a injecao de combustivel e ignicao para o motor nao subir mais de giro. Pode fazer isso no seu carro com injecao eletronica, em ponto morto mesmo, pe embaixo e o motor nao passará do limite (claro, evite fazer isso...)

      Nesse caso de errada de marcha, quem fez o motor girar nao foi o acelerador, e sim o conjunto mecanico em movimento, nesta sequencia: pneu-cambio-embreagem, que mecanicamente fez o motor girar a 10 mil rpm (ou mais nesse fatidico dia, o carro estava perto de 150kmh no fim de giro da 3a marcha...), nao tem eletronica que consiga impedir isso num carro de transmissao mecanica.

      Excluir
  46. Filipe_Santa Catarina26/09/13 18:06

    Senhor MAO,
    Parabéns pela perseverança em consertar o carro depois do acontecido. Deve ter sido muito difícil.
    Quando eu comprei meu primeiro carro zero-quilômetro, eu o bati com menos de 2.000km rodados. Foi lamentável... O primeiro carro imaculado que tive, ainda com cheiro de novo, na funilaria da concessionária para fazer o conserto. Sério, aquilo foi muito triste. A despeito disso, arrumei o carro e ficou bom. Claro, pintura da porta e do paralama direitos não era mais original e eu podia notar aquilo toda vez que olhava pro carro, mas aprendi a controlar meus sentimentos e superei aquele fracasso.
    Teve uma outra vez que um amigo meu, logo após adquirir um Astra GSI, deu-me o carro para experimentar. Amigo de infância. Ele no carona eu na direção. Dizia ele: pisa! Estica a marcha! Vai! E eu, numa arrancada forte, levo a primeira até o corte, meto segunda, leve destracionada, estico até uns 4,500RPM e (num instinto sobrenatural não levei a segunda até o corte) quando vou colcar terceira meto a primeira de novo... Aquele baita soco e mais uma destracionada. Na hora pisei na embreagem e meu amigo com cara "ânus". Paramos o carro, avaliamos, não deu nada. A despeito disso, e quase me ocorre uma gota de suor masculino aos meus olhos nesse momento, esse mesmo amigo adquiriu recentemente um Civic SI e, no mesmo dia da compra, confiou o carro a mim para testá-lo. Sim, isso é confiança e amizade de verdade. E essa vez eu não decepcionei, sentei a bota no carro com gosto. Arrependo-me um pouco, porque não consigo mais enxergar tanto prazer quanto enxergava no meu LXS '09 1.8 16v MT depois de provar o SI 2.0.
    Aquele carro zero, que foi batido, também está aos meus cuidados até hoje. Foi uma pancada que afetou a estética, por erro meu, mas tive compadecimento com o pobre carro e passei a cuidar mais bem dele do que cuidaria se ainda estivesse "imaculado".
    Parabéns pela BM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Filipe,

      Que história a sua! Mas todo mundo erra, até o Senna!

      Grato pelo comentário e os parabéns!
      MAO

      Excluir
    2. Filipe_Santa Catarina
      Eu como seu amigo nao confiaria o carro a voce nem da primeira vez .
      Muito menos depois que voce quase estourou o motor colocando primeira.
      O ideal e nao dirigir carro de ninguem , eu nao gosto.
      Esse seu amigo deve ser um cara bacana e muito legal , mas para tudo tem um limite.
      Abracos

      Excluir
    3. Filipe_Santa Catarina
      Caramba voce é um perigo na direcao , nao é mesmo?
      Em vez de sair por ai debulhando o carro dos outros deveria providenciar umas aulinhas na auto-escola.
      Seu amigo e totalmente imprudente em confiar um carro a voce.
      Talvez nao goste do meu comentario mas faco para o seu proprio bem .

      Excluir
  47. MAO, ainda bem que você salvou a pátria com um relato a altura do lapso temporal desde a postagem da compra da 328i Touring naquele post dos 10 melhores carros que ... em 2013. Estava com muita curiosidade e ávido para saber notícias da bimmer. Novamente, parabéns por mais um excelente texto, dramático e informativo ao mesmo tempo. Delícia de ler.

    Eu entendi o seu desapontamento quando a tragédia aconteceu. Mas é assim mesmo. Sempre pode aparecer um obstáculo para tirar o rio de seu curso. Ainda bem que você tem pessoas admiráveis ao seu lado que consideram muito você e estão para te ajudar. A ressurreição da perua é a prova disso.

    Sua Touring é belíssima. Você deve tá aproveitando muito! Eu fico por enquanto só na vontade de ter uma e36. Gosto muito do coupé, mas o sedan não fica atrás. E se for aquele da foto 8... minha nossa! E tem que ser um 3-2-8-i!

    OBS1: O interior da perua tá um brinco. Dá gosto ficar admirando a foto. O MAO não podia se desfazer dela de jeito algum.

    OBS2: Na foto 14, aquela E30 é uma M3?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KzR,

      Obrigado!

      Tava enrolado, como expliquei, por isso a longa ausência.

      Ela tá muito boa mesmo, dá até dó de usar....

      É uma M3 sim. Andei nela nesse dia, qquer hora conto aqui. Pirei!
      MAO

      Excluir
    2. Espero mesmo um relato bem autoentusiasta da M3 E30. Se conseguirem também da M3 e36 e da M3 e46 vai ser show de bola!


      KzR (modo anônimo)

      Excluir
  48. Essa sensação de matar o carro é uma das piores possíveis, exatamente porque não é apenas um carro. E, guardadas as proporções, sei muito bem como é isso, só que no meu caso foi quando capotei o GTS e todos falaram para eu me livrar dele. E pior que apenas levar em conta a parte financeira, é quando começavam a falar de mau agouro e coisas do tipo...
    Bom, uns quatro meses depois e minha poupança zerada, ele estava de volta às ruas.
    Hoje já não está mecanicamente original como antes, mas anda comigo para quase todos os lugares e sempre que posso dou umas voltas com ele no autódromo. Pode não ser o mais rápido ou o mais caro de lá, mas com certeza é o que possui uma das histórias mais tortuosas e afetivas.
    E com esse texto, só posso desejar que continue com a perua e, caso possível, a transforme em algo capaz de dar bastante trabalho àquele S55.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos,

      Pois, é, não é fácil, mas é algo que acontece. Quem sai na chuva, se molha.

      Grato pelo desejo!
      MAO

      Excluir
  49. 1. A foto não é de Lindóia, mas de Águas de Lindóia...
    2. "Apostar corrida" com outro carro em rodovia é deplorável.
    3. Se estivesse dirigindo corretamente na rodovia, o carro não teria sido danificado.
    4. Ser auto entusiasta é fazer isso ???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tinha que aparecer um XAROPE. !!!!!!!!!!!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Anônimo 26/09/13 19:41
      Vc certamente é O exemplo de virtudes e qualidades numa única pessoa, né?? É o ser humano a ser copiado, irrepreensível em tudo o que faz, sem defeitos e certamente ainda é bonito, não é mesmo?? Ora, vá caximbar formiga, seu invejoso......

      Excluir
    4. Anonimo,

      Desculpe se lhe ofendi, e por não ser um exemplo de virtude completo.
      Mas ainda assim, errar acontece com todo mundo, a não ser que se fique em casa e deitado na cama.
      Melhor não falar muito alto esse tipo de coisa, depois acontece contigo numa bobeira qualquer, já pensou? Deus nos livre.

      Grato por compartilhar suas impressões sinceras.
      MAO

      Excluir
    5. Anônimo das 26/09/13 19:41

      Certinho você e sexo só após o casamento, correto?

      Excluir
    6. Só pode ser daquele Partido ou eco...alguma coisa....

      Excluir
    7. Anônimo26/09/13 19:41
      Deixe de ser o politicamente correto e militante do PT
      Estamos fartos!

      Excluir
  50. E esse celular aí no console? Funciona?

    ResponderExcluir
  51. O carro X só pode ser um Gurgel.
    Xef, Xavante, X12, X15...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muito pior, acredite!!!

      Excluir
    2. Ufa, já estava pensando que o exemplo era um Gurgel mesmo... Logo o "meu" antigo... Opa, peraí, pior? (hehehehe)

      Excluir
  52. Parabéns pelo texto, retrato fiel de que para homens adultos apenas o tamanho do brinquedo é que muda. Sempre sonhei com as M3 desta série, mas no meu colo caiu, há menos de um mês, uma W124 coupé com um delicioso 6 em linha e 24 válvulas (300CE - 24). É impressionante como esses carros não envelhecem e são atuais em comportamento. Enfim, minha estrela, que era para ser o carro de final de semana, fez o coringa ir pro fundo da garagem e cada dia mais me apego à ela. Abraço, Alexandre.

    ResponderExcluir
  53. Um carrão mesmo, MAO. E que painel bonito!

    ResponderExcluir
  54. José Manoel26/09/13 22:23

    Parabéns MAO! Também realizei há 1 ano compra de um sonho: uma MB 124 E320 1994. Rodou quase nada (500 km mês), mas me encanto todos os dias quando vejo aquela beleza na garagem. Estes sonhos não têm preço!

    ResponderExcluir
  55. MAO, já estava estranhando a ausência de textos sobre a perua .. Confesso que ao ler seu relato sobre o falecimento da mesma fiquei triste pelo ocorrido, ainda mais depois de suas declarações de amor eterno a ela, hahah. Fiquei aliviado ao ver que tudo deu certo no final. Como dito acima, o AE não é o mesmo sem seus textos.

    Forte abraço, e aproveite bem essa beleza alemã ..

    Eduardo Schmeing

    ResponderExcluir
  56. Caro MAO,

    Belo texto. Tipo de "gente como a gente". Lendo sua 'relação' com a 328, acabará me forçando a abandonar a 'busca' por um Subaru Outback, ano 90 e poucos, em bom estado, por uma igual a sua! :)

    Abraços!

    Leo-RJ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha o efeito zelig. Se o MAO comprar um Gurgel vai ter gente falando que vai ter um.

      Excluir
    2. Verdade....
      Mas pelo menos no Gurgel a manutencao e mais barata ! E o prazer de dirigir quase o mesmo!

      Excluir
  57. "Em todos esses anos nessa indústria vital..." eu NUNCA tinha notado a diferença nos para-lamas dianteiros, que feio.
    Mais uma história saborosa MAO, Que tua 3er ainda te dê muitas alegrias.

    ResponderExcluir
  58. 1- Aqui na Ilha o pai emprestou pro filho uma 300E 24V com cambio Dog Leg, o filho tb meteu a marcha errada e mandou a usina pro espaço,apareceu a primeira biela dentro do suporte do compressor do a/c...
    2- Eu que sempre fui chevroletmaníaco depois que comecei a andar de MB não teve retorno,os alemães fazem o chassi mais rápido que o motor....
    3- Eu na minha vida pregressa nunca tinha imaginado ter uma Mercedes..., hoje tenho 4,inclusive uma rara 190E Cosworth ,que por incrível que pareça é da esposa,que a apelidou de "nervosinha", vcs podem imaginar pq....

    ResponderExcluir
  59. Leo,Subaru é um carro asiático bem injustiçado aqui no Brasil,é muito bem feito,mas peças para ele complica, Bimmer e MB é mais fácil....

    ResponderExcluir
  60. Alexandre,tb tenho uma 300CE 91 ,só que com o M103 12v, excelente carro,no fim de julho rodei 3370km (Rio-Gramado-Rio) , só qdo vc vai para estrada reconhece a capacidade dinamica desses carros....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maluhy
      Belos carros !
      Realmente voce e um entusiasta . Parabens.

      Excluir
    2. Caro Maluhy,

      Também acho que os carros da Subaru são bem injustiçados no Brasil. Tive contato com eles nos EUA e em Portugal, e aqui no Brasil, por motivos vários, não teve o sucesso merecido.

      A Subaru é uma marca japonesa, o braço automobilístico do conglomerado Fuji Heavy Industries Co., Ltd., que goza de grande prestígio nos EUA, Japão, Austrália e por toda a Europa.

      Tenho procurado um Outback, com câmbio manual, ano entre 1998 e 2002, mas só encontro modelos muito mal cuidados. Mas o carro é ótimo e tem bom preço.

      Abç!

      Leo-RJ

      Excluir
  61. Como fã inveterado de wagons que sou, estou, recentemente, trocando meu sonho de ter um Renault 19 16S 1995 por uma linda Bimmer 328i Touring. E seu relato apenas solidificou essa decisão! Espero que até o primeiro trimestre do ano que chega, eu possa estar em um bom papo contigo, sobre nossas lindas peruas!

    Uma excelente noite a todos.

    Pedro Reithler Marroquim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa troca !
      Eu tambem acho o alemao muito mais carro!

      Excluir
  62. MAO, que beleza! Tenho todas as mesmas sensações de satisfação que você tem, ao dirigir o meu A4. Os sonhos de infância, as vontades realizadas... Sei que é um concorrente, que é 04 cilindros, que é 1/2 VW, mas a satisfação é altíssima! Parabéns e NUNCA venda a peruona. E saiba que, um dos motivos que me levaram a comprar o A4 foi o seu post, de quando comprou a perua! Abs,

    ResponderExcluir
  63. Marco,

    No caso da peças, chegou a ver aqui no Brasil se elas existem? Se sim, onde (Auto peças, importadoras, concessionária,etc.)?
    A importação via eBay e afins foi vantajosa pelos valores e/ou qualidade das mesmas? Foi taxado pela receita?

    Se precisasse resolver rapidamente, com as peças a pronta entrega, seria possível, mesmo pagando caro?

    Para peças de desgaste normal, como filtros, pastilhas, velas, etc., você compra pela internet também?

    Não precisa citar valores, só gostaria de ter idéia do trabalho de reparar um carro desses.

    Obrigado.

    Excelente história e belo carro, erros acontecem, infelizmente.

    Continue cuidando bem dela.

    Carlos Torres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marco,

      Pede no site, enviam, vc vai no correio, paga 60% de imposto, leva para casa.
      Fácil.
      Não usei ebay, e sim o site Pelican Parts.com, que recomendo, é ótimo.
      Eu precisava do carro rapidamente, mas já vi peça nacional demorar mais e sair mais cara.

      Obrigado!
      MAO

      Excluir
  64. apenas uma curiosidade: o citado computador se chama HAL no filme por serem as iniciais imediatamente anteriores a IBM.

    abraço

    Guilherme

    ResponderExcluir
  65. Essas BMW´s são demais. Um amigo meu tinha um sedã 93 manual lá em meados de 2000. Na época andava junto de saída com os AP´s turbos da cidade e humilhava na pista.
    Lembro de uma história boa: Apareceu um cara com um Ômega 3.0 com uma preparação bem leve (mas eficiente) que acabou se tornando o "Papa AP" da cidade (interior, diga-se de passagem). O cara era mala e ficava zuando todo mundo. Até certo dia, encontramos o cidadão (a gente sem a BMW) e dissemos: "temos um 6 cilindros pra brincar com você". Com toda a arrogância o cara disse: "Pode vir qualquer coisa".
    Fomos buscar a caranga. Quando chegamos, o cara: "Pô, aí vcs apelaram" Ele nem queria acelerar, mas fizemos uma bela pressão e fomos pra pista. O resultado não precisa ser dito. Mesmo sendo apenas o co-piloto dessas mulecagens, foi uma época muito boa.

    Parabéns pelo texto MAO! Mais uma vez, espetacular!

    ResponderExcluir
  66. Texto excelente e de quebra aprendi um pouquinho mais sobre as BMW. Imagino o quanto interessante deverá ser um roda de conversa com você e o Rafael Tedesco, por exemplo.
    Sempre que puder traga notícias da "BM" pra nós!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Henrique,

      O JJ acha um saco, só BMW, kkkkkk

      Grato, e prometo que sempre que puder apareço, forte abraço!
      MAO

      Excluir
  67. MAO,

    Sempre um prazer ler os seus textos e histórias!
    Atualmente dirijo um Mitsubishi Galant 8th que um dia foi chamado de BMW japonês, salvo as gritantes diferenças ele também mantém a solidez de rodagem, conforto, economia e beleza após os 14 anos de uso! Eu digo sempre que só o troco por um Galant mais novo ou um alemão de estirpe!
    Se achar um BMW bom dando sopa avise-nos aqui no AE! Hahaha...

    Um abraço, saúde pra família e pra Bimmer!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael,

      Obrigado, abraço para você e os seus também!
      MAO

      Excluir
  68. Bacana, MAO, bacana. Estou com outros olhos nesses alemães. Passei um pequena temporada com uma C 200 2009, e o carro e apaixonante. E já tem 4 aninhos...

    Alguns aspectos do texto. Que bacana sua mulher, hein! Mande a ela um abraço deste ilustre desconhecido, com todo o respeito.

    Carro para CURTIR e manual. Cada dia gosto menos dos automáticos. Prevejo que num futuro não muito distante disputaremos a tapa os carros bons que sejam manuais. A propósito, nojo, verdadeiro nojo das fábricas só excluir versões manuais. Veja o novo Focus. 2 litros, só automático.

    Claro que o nível da BMW e mais alto, o que se reflete obviamente em suas peças. Mas confesso que me assustei com o valor do reparo! Armaria!!!

    Estou numa fase parecida com a sua, curtindo muito um Escortinho Zetec
    que caiu no meu colo.

    Mas, MAO, essa não precisa de responder, mas tu deve ter pirraçado o cara da MB muito mais que o relatado, hein ?!?! Também gosto, hehehe...

    Ri demais do "automático ninguém merece".

    Escreva mais, poxa! Todos se divertem!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas,

      Manual cada vez mais raro mesmo. E46, que veio depois da E36, já é quase impossível.

      Grato pelos elogios, e forte abraço!
      MAO

      Excluir
  69. Desde d q li a matéria da qual escolheu a 328i eu fico doido pra ter uma... sempre admirei carros da BMW.. quem não né?! ainda pretendo ter uma...
    Carro de verdade.. tenho um amigo que tem uma, se não me engano 94, e ainda se assusta do tanto que o carro é incrivel...

    Image uma novinha... que maquina!

    Parabens MAO! Você poderia chamar sua BMW de Fênix....kkk..

    ResponderExcluir
  70. Post desses, me encoraja a vender meu focus 2012 e comprar uma E46, ou até mesmo alguma coisa até 2010. Longe de ser rico, mas tenho certeza que ter uma dessas seria puro prazer. Falta um especialista em BMW no RJ pra cuidar dela, e ver a questão do seguro.
    MArk

    ResponderExcluir
  71. Não que o MAO esteja mentindo, mas custo a acreditar que esse motorzão 2.8 L consome tanto quanto um Cruze 1.8 L. Como pode?

    Em relação ao carro, que bom que deu tudo certo! Fico doido pra, no futuro, ter um carrão alemão desses. Vi umas ofertas bem legais esses dias e já fiquei todo animado!

    Parabéns pelo carro!

    ResponderExcluir
  72. Lucas, é simples: de cara o carro não é flex e consome uns 30% a menos, mesmo com a nossa gasoalcool!!! Veja mais uns exemplos: O Galant, 2,5 V6, 163 Cvs consome cerca de 6 a 8 na cidade e 11 a 12 na estrada! Omega, 3,6 L, V6, 292 cvs, faz fácil 7 na cidade e os mesmos 10 a 12 na estrada conforme o pé. Accord, 2,3 L, 4 em linha,150 cvs, 6 a 8 na cidade e 11 a 12 na estrada. sempre de ar ligado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, esqueci desse detalhe. Mas se for assim, o Cruze é um pouco beberrão, hein?
      Talvez ache isso porque moro em Brasília e estou acostumado com consumo de 12 km/l na cidade. Hehe

      Excluir
  73. Cara esse tal de Matheus precisa ser divulgado para a galera que realmente conhece e aprecia carro de verdade. O caro é um verdade conhecedor da matéria. Alguns outros colegas já haviam comentado sobre ele. Já foi apelidado de Mago dos Motores. Tem loja especializada que manda carro para ele quando não sabe o que fazer.

    ResponderExcluir
  74. Tenho uma peruinha germanica também: Audi 80 Avant 2.6 automática, tração dianteira, 1996 e 124.000km originais. Sou o terceiro dono dela que tem chave reserva, manual e notas fiscais de tudo quanto é manutenção que ela já passou. To muito feliz, funciona tudo inclusive ar condicionado além de ABS, rádio toca-ficas original, alarme, todas as luzes internas inclusive do espelho do carona e comandos do banco do motorista. Adoro aquele cheiro de couro velho quando abro a porta. O único "defeito" é ter câmbio automático - que funciona perfeitamente, como de carro zero. O motor V6 de 2.592cc OHC 12v não rende muito: 150cv a 5.750rpm mas é muuuito elástico, puxa muito a partir da marcha lenta. Acelera 0-100km/h em 9,00s e máxima de 210km/h reais (desempenho de Punto T-Jet!). Gostoso demais é o ronco do V6 90º. Um ronco alto, muito grave e lento, que quase até dá pra contar os tempos, parecido com um V8 americano e diferente dos V6 a 60º, mais agudo e rápido. Nunca passei de 140km/h (a 3.800rpm com velocímetro na vertical), velocidade atingida com pé relado. O consumo é alto, 6-7km/l, culpa do câmbio automático e do peso de 1.400kg, mas como é gostoso demais poder andar por aí tracionado por um motor de 6 cilindros!

    ResponderExcluir
  75. Mao Linda sua BM,excelnte texto.
    Quanto ao carro X tenho certeza que é um AERO WILLYS...rsrsrsr
    Abraço MQ

    ResponderExcluir
  76. Tirando a parte das válvulas até parece a minha história com a peruinha carinhosamente apelidada de PATTY !!!! Sonhava com uma desde 97, quando ví um parada em uma agência de veículos em BSB... Hoje estou a 3 meses com a minha primeira Bimmer e NUNCA MAIS fico sem uma E36 3er Touring na garagem !!!! A sensação de dirigir o carro é inexplicável !!!! Único defeito da minha é ser automática mas mesmo assim a empurrada é forte... rsrs

    ResponderExcluir
  77. Bela história MAO, como sempre fazendo uma tragédia virar uma história interessante e memorável. Analisando seu modo de apresentar os fatos, me parece muito o Steve Jobs.

    Estou na mesma situação trágica, só que diferentemente, o motor do meu Vw Santana, vai ter que ser retificado inteiro, com os seus 65.000 quilômetros rodados. Junta do cabeçote queimou, e entrou água....
    - 1 minuto de silêncio

    Sabe o que ficaria muito legal na sua garagem, esta linda bimmer e o morcegão. Que imagem em, dois 6 cilindros um do lado do outro, os seus amores.
    Escreva sempre que tiver oportunidade, é um prazer ler seus textos, e faz falta quando você se ausenta deste blog.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  78. MUITO BOA GOSTEI ESSA VAI PASSAR DE PAI PARA FILHO PARABÉNS.... GOSTARIA DE FAZER UMA PERGUNTA AQUI EM BRASILIA ALGUÉM CONHECE UMA OFICINA QUE O MECÂNICO CONHEÇA DE BMW E 36 TENHO UMA 323 I....

    ResponderExcluir
  79. "aquilo era tão distante de mim quanto Marte. Me lembro bem de sonhar em rodar com um deles, um sonho daqueles que se sonha sem muita esperança de realizar, mais pela alegria de imaginar e só"

    Tinha exatamente o mesmo sonho... Graças a Deus e muito trabalho consegui ter 2 exemplares do modelo E36... Acabei de vender a minha E36 que ficou comigo por 7 anos fotos no link (http://bmw323imotorsport.blogspot.com.br/) com dor no coração... mais a vida continua e estou a procura de uma 330i E90 Motorsport... Parabéns pelo carro... Abraços...

    ResponderExcluir
  80. Ótimo texto Marco e que história!!!
    As vezes na empolgação acontece este tipo de erro, que mutas vezes é fatal!!! Eu mesmo "quase"
    destruir as válvulas de um Golf de uma amigo, mas na hora de soltar a embreagem, soltei de
    vagar e confirmar o meu erro antes que a rotação aumentasse demais!!!
    Trabalhava na Honda como técnico, e uma vez chegou um Civic Si batendo até alma, resultado: vauvulas tortas. Além disso, o dono veio com a historia que a esposa tinha feito isso para, suponho, levar na concessionária.
    Parabéns pelo seu lindo exemplar e perseverança em mate-lo saudável!!
    Estou a procura de um 328i E36 no momento, na verdade começando agora!
    Abraço...

    ResponderExcluir
  81. Olá amigo.
    Gostaria de saber que tipo de modificações foram realizadas na 325i para esse ganho de performance ( e diversão, claro). Obrigado.

    ResponderExcluir
  82. Srs como faco para falar com esse matheus tentei por email mas ele n resp tive um problwma igual na minha e36 preciso de ajuda desse sr

    ResponderExcluir
  83. Olá meu amigo... estou com insônia. Sim, e para piorar encontrei sua matéria e resolvi ler já que são 3:05am e estou sem sono. Agora é que perco totalmente minha vontade de dormir, que será substituída pela ânsia de acordar. Ou seria despertar!? Talvez eu esteja ansioso em ver o nascer do sol, assim chega a hora fatídica. A hora especial em que me aproximo de realizar um sonho não planejado. Sim, estou indo em busca de uma BMW 328 Touring mecânica, muito similar a sua que aparece nas fotos, apenas um tom mais escuro do cinza/chumbo. Hoje fiz o primeiro test drive. Não sei o que pensar.

    Me deseje sorte!

    Volto aqui para contar depois.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  84. Olá Marco
    Muito boa sua aventura e o desfecho melhor ainda. Tb tenho uma BM 328i touring 1997, da cor da sua, com 86 mil rodados. É show de bola!!! Depois que comprei a minha, faz 03 anos, meus amigos se contaminaram. Um trocou um A3 turbo por uma 130i, o outro comprou uma Z4 e outro trocou uma ML350 por uma X6.
    Este vírus é poderoso e contamina quem anda em uma BM.
    Abs.
    Paulo

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.