ASTROS DE HOLLYWOOD AUTOENTUSIASTAS




— Cara! Você não pode imaginar o sucesso que fazia esse carro —  me dizia o Fábio diante de um Chevrolet Bel Air 1957, conversível, branco e vermelho, aquele discreto rabinho de peixe, interior vermelho e branco.
—  Imagino, sim — respondi. Ele nunca deixou de fazer um tremendo sucesso. Tudo continua parando pra ele passar.

Pois é, num dado momento, as nuvens no céu se abriram e um facho de luz iluminou o sujeito que o desenhou. Uma inspiração só possível dentro de determinada conjunção de fatores. Uma janela no tempo. Algo aconteceu que nunca voltará a acontecer.

No mesmo dia calhou de eu começar a ler o livro de memórias do Marcello Mastroianni, grande ator italiano – cuja maior glória, a meu ver, foi ter sido amante da Catherine Deneuve – e lá ele cita que lembrava perfeitamente do silêncio que tomou conta do restaurante Chez Maxim’s de Paris quando o Gary Cooper entrou de summer branco. Também tudo parou, inclusive o Mastroianni. E tinha mesmo que parar. Classe é classe. Tira-se o chapéu e deixa passar, e boa.

Gary Cooper
O glamour de Hollywood teve seu auge, sua janela no tempo, entre as décadas de 1920 e 1950 e nesse período alguns artistas reinaram como semideuses: Gary Cooper, Clark Gable, Errol Flynn, Glenn Ford, entre os homens; Ava Gardner, Joan Crawford, Greta Garbo, Rita Hayworth, Marilyn Monroe, entre as mulheres, só para citar alguns. Esse pessoal era da pesada mesmo. O Brad Pitt só entraria em cena para carregar os tacos de golfe dessa turma e o George Clooney só chegaria perto dessas divas quando, como porteiro de hotel, lhes abrisse as portas das limousines. Vou poupar as atuais atrizes da comparação, já que sou um otimista e não quero me indispor com elas – para os otimistas sempre resta uma chance...

Entre os galãs havia os autênticos car guys, os caras que gostavam mesmo da máquina carro. O Gary Cooper e o Clark Gable, apesar da rivalidade sobre quem era o dono da cocada, o reizão da área, eram amigos e notórios descedores de lenha. E não me venham lembrando do James Dean, que esse, apesar de car guy também, já que morreu dando cacetada de Porsche 550, era outro frangote problemático que só atraía as mulheres apelando para seu instinto maternal, uma técnica que até que funcionava ontem, funciona hoje e funcionará amanhã, desde que você seja frangote.

Esses dois citados astros car guys, Gable e Cooper, tinham que ter o máximo em carros. Em 1932 a Duesenberg lançou o modelo SJ, um modelo de quatro lugares, cujo motor tinha compressor e rendia 320 cv, o que o fazia alcançar 200 km/h. Foram os carros mais caros fabricados na América, coisa de US$ 25.000 na época, o que dava para comprar uns dez Cadillac V-8. Esse foi o primeiro "Dusey" do Gary Cooper, esse de quatro lugares aqui das fotos.


Na foto acima, onde ele aparece ao lado do William Powell, o carro ainda estava inteiro, mas na segunda foto, abaixo, já se vê que ele o tinha aliviado de todo peso extra, sacando pára-lamas, estepe, que ficava sobre o pára-lama, e mais um monte de firulas. O carro ficou “stripped”, virou uma espécie de Carretera-Dusey. Como se vê, grana não era problema. Fazer isso com o carro mais caro da América é pra quem podia.


E já que a dupla citada queria carro andador mesmo, a Duesenberg fez especialmente para eles dois SSJ, com entre-eixos mais curto (de 4.070 mm encurtou para 3.620 mm), para ter mais leveza e agilidade, e assim mais curtos tinham só dois lugares. Conversíveis, claro.

O de cima é um Auburn igual ao do Errol Flynn. O de baixo é o próprio Duesenberg SSJ do Cooper

Certamente aos astros não custou nada, já que só uma foto dos caras ao lado do carro valia mais que qualquer campanha publicitária. A Toyota andou tentando a fórmula anos atrás, só que de um jeito mais capenga: numa propaganda colocou o Brad Pitt pra dirigir um Corolla. E ele com os bracinhos saradinhos bem esticadinhos, bem estilo boy e faltou o boné virado. Êta nóis!

Em meados dos anos 1930 na América só havia três modelos fabricados que poderiam ser considerados esportivos: Cord, Duesenberg e Auburn. Curiosamente, as três fábricas faziam parte do mesmo grupo, portanto, os carros dividiam as atenções dos mesmos engenheiros.

O Errol Flynn foi um pouco mais modesto e em 1935 preferiu um Auburn 851 Speedster Supercharged (compressor da Schwitzer-Cummings). Esse tinha 150 cv e atingia 170 km/h, o suficiente para uma boa correria de luta de capa e espada. Ele estava certo de querer correr um pouco menos, já que era um tremendo pau-d’água, bebia todas. Além de pau-d’água era um tremendo quebrador de pau. Uma dessas suas conhecidas brigas foi quando se pegou a socos com o diretor de cinema John Houston, outro pau-d’água, que na juventude pobre havia sido lutador profissional de boxe; seu nariz amassado veio dessa fase. Numa festa em bebedeira pintou uma discussão e os dois saíram na surdina para o jardim e a pancadaria comeu. Ninguém ali para apartar, e eles ficaram por mais de hora um tentando matar o outro. Diz o Houston em sua autobiografia que o Flynn tinha uma baita de uma pegada e deu empate e hospital.

Auburn 851 Speedster Supercharged de Errol Flynn

Já no início dos anos 1950, o carro que arrebatou os astros foi o Jaguar XK120, e não era pra menos, era o esportivo mais bacana da época. O Clark Gable teve um e nas fotos ele aparece recebendo seu roadster diretamente das mãos de Sir Williams Lions, o dono da Jaguar. Como essa entrega aí foi feita em Los Angeles, presume-se que Sir Lions foi até lá para entregá-lo de presente. O caro leitor pode crer que valeu a pena, a melhor propaganda imaginável.


Clark Gable e Sir Williams Lyons

Outros que tiveram o XK120 foram o Robert Stack e o Tyrone Power, como se vê nas fotos. O do Stack (foto abaixo, esquerda) era um cupê e do Power (à direita), um conversível.



Para clima frio o cupê é melhor. Apesar dessa roupagem justinha do Tyrone hoje nos parecer bichisse, ele era normal e tem mulher que acha sexy esse lance de calça justinha.  A enlouquecedora Rita Hayworth gostava de cara com calça justinha, tanto que no filme "Sangue e Areia", de 1941, gamou no toureiro de calça justinha, personagem do Tyrone Power. Ela tinha um Lincoln, o carro dos presidentes americanos, como se vê na foto.

Rita Hayworth e seu Lincoln

Ia de motorista, pra não estragar a estonteante beleza. Acho que eu seria um ótimo motorista pra ela. Iria guiar suave como nunca, um tapete mágico. Êta nóis!

A Joan Crawford também tinha um Lincoln, só que mais esportivo, conversível e dois lugares, um modelo K de 1938, e branco, a cor de suas luvas, luvas para que não engrossasse suas delicadas mãos na direção, que não era hidráulica, portanto, na certa direção mais pesada que a de um leve Uno Mille que não a tem e hoje tem macho que chia só por causa disso.


Não reparei direito nesse carro da foto. Só vi o narizinho arrebitado da Joan. E que narizinho! Como seriam os deliciosos ares que dalí saíam? Só perfume.

Outra rainha do narizinho foi a Ingrid Bergmann. Além do lindo narizinho ela era uma autêntica autoentusiata, tanto que em 1954, a protagonista do filme Casablanca (A kiss is just a kiss, a smile is just a smile...), de 1942, ganhou do marido – o diretor Roberto Rosselinni, um fã dos Ferrari – um Ferrari 375 MM (Mille Miglia). Multiplique aí 375 cm³ por 12 cilindros e verá a cilindrada total do V-12: 4,5-litros. A potência devia girar em torno dos 400 cv, por aí, e o carro não deveria pesar mais que 1.100 kg.


E tinha um algozinho a mais, o cupê era exemplar único, só dela, carroceria de alumínio desenhada e feita por Scaglietti. Um outro algozinho a mais, a cor: o prata criado para ela, lindo a ponto de em seguida entrar no catálogo da Ferrari como Grigio Ingrid, uma cor que continua no catálogo e seria bom que quem o escolhesse soubesse de onde ele vem, coisa hoje difícil de acontecer.

Já o Steve McQueen merece um post só dos carros dele, ou melhor, merece um livro dos seus carros e motos. Por enquanto só coloco fotos de três de seus carros mais bacanas, o Ferrari GT Lusso, o Jaguar XKSS e o Porsche 917 que ele comprou quando da filmagem de "24 Horas de Le Mans", de 1971.

Essa cara tinha bom-gosto e sabia guiar. Merecia os carros, opa se merecia!
Mas nem só de galãs vivia Hollywood. O hilariante Buster Keaton tinha um American Austin 1931 para combinar com a sua figura, como se vê na foto dele com os filhos, numa cena hoje considerada perigosíssima e politicamente incorreta, especialidade do Keaton.

Buster Keaton e o Austin 1931, com seus filhos

O carrinho foi fabricado nos EUA entre 1931 e 1932. Tinha 4 cilindros, 750 cm³ e 15 cv. E era bom que seus carros não corressem, já que ele não cuidava muito bem de sua manutenção, como se vê nesta cena que prova o que digo:




O Gordo e o Magro, Laurel and Hardy, também tinham lá seus problemas com carros, principalmente os Ford Modelo T, que costumavam sair do controle quando era para eles os controlarem.




Outros que faziam miséria com os Modelos T eram os Comedy Capers, da Keystone.

Comedy Capers, inigualáveis, completamente malucos, adoráveis


 Mas talvez o Al Jolson – o ator-cantor do primeiro longa falado: The Jazz Singer, de 1927 – tenha tido o carro “mais mais” de todos, o Mercedes S Tourer 1928, um projeto do Prof. Ing. Ferdinand Porsche.

Al Jolson e seu Mercedes S Tourer 1928

Na verdade ele comprou dois, um para ele e outro para a esposa. O motor 6,8-litros com compressor rendia 180 cv. O compressor podia ser ligado ou desligado manualmente, de dentro da cabine. 

Mas o mais mais autoentusiasta, ao que parece, foi o Jackie Cooper – aquele que era o chefe da redação do "Planeta Diário" do primeiro dos modernos Super-Homem.




Ele moleque consertando o seu "carro", pneu apoiado num vaso, martelo. Essa é a melhor foto, esse é o cara, Jackie Cooper!




AK

78 comentários :

  1. Ótimo texto como sempre Arnaldo!
    Parabéns! É muito legal relembrar o passado. E que Jaguar lindo esse XKSS do McQueen. Simplesmente apaixonante o desenho desse carro! Belíssimo!

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Zé da Silva20/07/12 12:22

    Estou em transe com o texto, maravilhoso, merecedor de uma vaga na ABL, obrigado AK, meu dia já está ganho.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. McQueen também colecionava caminhões. Um de seus hábitos era acordar em plena madrugada para brincar com eles, e atazanar a vida de sua esposa.

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente, hoje em dia, como disse J Mays, presidente de design da Ford, não se compõem mais músicas sobre carros. A moçada está mais interessada no último iPhone do que no último modelo. Tudo aquilo que um carro traz, mobilidade e emoção, tem sido cada vez mais sufocado, seja pela infraestrutura saturada, sejam por leis draconianas. Recentemente Bob Lutz disse que nós, auto-entusiastas, não estamos muito longe de saber como os equino-entusiasas se sentiram um século atrás.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compor até compõem... mas não coisa que preste! (Camaro amarelo...)

      Excluir
    2. Essa música do Camaro Amarelo mostra bem claro porque a Ford não traz o Mustang para o Brasil...

      Excluir
  6. hoje o pessoal gosta de carros meigos e delicados, foram se os tempos e opalas , santanas, monzas e gols que rodavam com oleos velhos... kkkk hoje qualquer encostada amassa e o brasileiro gosta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodar com óleo velho = coisa de burro fudido folgado e carro que aguenta isso é lixo. Monza nem Santana aguenta, aposto que nenhum desses carros do artigo também aguentava

      Excluir
    2. Gol é carro pequeno e que amassa com qualquer encostada

      Excluir
    3. o anonimo em questao deve ter uns 15 anos de vida

      Excluir
    4. Mais um traste idolatrador de trastes!
      Cara que acha que o carro ser uma droga é um sinal de virilidade!
      FAz assim: compra um Opala, Santana, Monza ou Gol (sic) e seja feliz!

      Excluir
    5. Carro de antigamente era melhor mesmo. Enferrujava em 2 anos, desregulava o carburador, baixa potência específica...e a lista continua, mas só tem um esperto no mundo que gosta, o resto é tudo trouxa...
      Saudosista estúpido

      Excluir
    6. Garganta de Biela20/07/12 21:11

      Gostaria de saber se essa turma que vive idolatrando Opala e cia., dizendo que são melhores que os carros atuais, usa estes veículos como carros do dia a dia.

      Excluir
  7. eu tinha um dart 78 e o pessoal nem ficava na frente...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Medo de pegar tétano

      Excluir
    2. Parabens para voce e seu Dart.
      O que voce quer? Uma salva de palmas? Confete? Um premio?
      Esse pessoal não se enxerga mesmo...

      Excluir
  8. moteis eram caros e a quantum com colchão de solteiro era uma festa com minha namorada, hoje não dá mais pra namorar, só tem carro pequeno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "hoje não dá mais pra namorar, só tem carro pequeno". E bandidos também.

      Excluir
    2. Pra namorar tem motel, quem acha legal namorar em carro é idiota

      Excluir
    3. "hoje não dá mais pra namorar, só tem carro pequeno"
      o que torna tudo melhor, não?... hehehehe

      Excluir
    4. O inferno são os outros
      O cara não tinha dinheiro na época para pagar motel, hoje não tem dinheiro para comprar um carro grande.

      Excluir
    5. Anônimo20/07/12 19:03: Resumiste a questão de forma clara e objetiva!

      Excluir
  9. Milton Rubinho20/07/12 13:00

    Texto PERFEITO! BRAVO AK!

    Só um adendo: Lendo um vivro da carreira de Stirling Moss, descobri que certa feita, ele competiu na mesma equipe que o McQueen em uma prova preliminar das 12 Hrs de Sebring, em 1961. Era uma prova para carros de até 1000 cm3, e tinha 4 goras, sem troca de piloto. Ambos andaram de Austin Healey Sprite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Milton Rubinho20/07/12 13:02

      ops, *livros e *horas...

      Excluir
  10. Arnaldo, muito bom!

    Hoje em dia o bom para os famosos é ser visto andando de Prius politicamente correto.

    abs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem que não é ator, mas vi um programa onde o Anthony Kiedis do Red Hot Chilli Peppers compra um Camaro 67 surrado e coloca um motor elétrico no lugar do V8.

      http://www.youtube.com/watch?v=LkOgLFm0kqI

      Excluir
    2. Ei, legal esse vídeo do Camaro do Kiedis.

      Acho que esse é o futuro, motores elétricos plug and play para nossos carros velhos!
      Pena que eles não fornecem mais dados à respeito do motor elétrico utilizado, falta potência e autonomia, eles só ficam tentando dar borrachão com o carro.
      E a dublagem em Alemão atrapalha pra caramba!

      Tallwang

      Excluir
    3. Tallwang

      Eu tinha assistido na TV com legendas em português. Mas na internet só achei essa versão. Aliás, dizem que na Alemanha os filmes são todos dublados. Se for verdade só confirma que ninguém (ou nenhum povo) é perfeito. rs

      Excluir
    4. E só falta um sintetizador pra escolher o barulho do motor:
      350, 454, quadrijet, tunnel-run, straght-six ...
      Se enjoar do barulho, muda pra outro.
      E se quiser, dá até pra colocar VW a ar, ou Ferrari V12.

      The end is near...

      Excluir
  11. Ótima matéria, porém seria legal também falar de astros autoentusiastas contemporâneos, como o Eric Bana. Fora ele não sei de mais nenhum.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eric Clapton...

      Excluir
    2. Nick Mason do Pink Floyd

      Jamiroquai

      Mr Bean

      Excluir
    3. Seria legal um post falando sobre esses outros famosos autoentusiastas, alguns deles são realmente fissurados no assunto

      Excluir
  12. PÔ MEU!!!! Excelente post mas tem que continuar... adorei ao começar com o Chevy 57! Tive um 4 portas com coluna, teto rígido e 6 cilindros com 3 marchas. Na verdade era o "pé-de-boi" deste modelo maravilhoso. Tenho um painel (cluster), e relógi de horas guardado até hoje!!!Certa vez tive em mãos um catálogo com as combinações originais possíveis e fiquei boqiaberto com o numero de motores, câmbios, cores de caroceria, vidros, estofamento e até acessórios elétricos como vidros, bancos e, pasmem, quebra-ventos elétrioco!!!! Sem contar com mimos impensáveis hoje como o dispensador de lenços de papel!!!! Um luxo!!! Este carro com certeza merece um post só dele!!! Parabéns pelo texto...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um post só para o Chevy 57? Apoiadííííííííííííííííííííííííííssimo!!!

      Excluir
    2. Lorenzo Frigerio20/07/12 17:46

      Existe uma empresa chamada Danchuck, que só trabalha com peças para Bel Air 55 a 57. Eles têm tudo. Se bobear, você monta uma 0km. O número desses carros ainda em circulação também é considerável.

      Excluir
    3. Outro que merece um post de respeito são, tanto o piloto/ator Steve McQueen como tambem o insuperável Porsche 917 que jantou com batata tudo que passou pela frente!!!! Um canhão infernal, nervoso e com 12 cilindros gritando às costas!!! Pensem com carinho neste pedido... eles merecem!!!

      Excluir
  13. Ótimo texto ,interessante ponto de vista ,e lógico belos carros .

    ResponderExcluir
  14. lindo texto, Arnaldo. tempos que não voltam, em glamour e em desenhos limpos.

    só faltou a foto do Marcello Mastroianni em seu Lancia Flaminia conversível, versão Carrozzeria Touring;

    http://palandi.files.wordpress.com/2012/06/flamm.jpg

    ResponderExcluir
  15. "O mundo, de certa forma, acabou nos anos 50" (Paulo Francis). Concordo absolutamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas acho que nao acabou nao ,
      Se transformou .... e a meu ver foi para pior..
      Havia glamour e acho que aproveitavam mais a vida..
      Hoje é tudo pasteurizado, "placebento" e sem-graça..
      Hoje em dia: Carro, Cartao do Bradesco e Bunda todo mundo tem .. e no fundo sao todos iguais.
      O vidinha sem sal!

      Excluir
    2. Nunca tive cartão do bradesco, então me inclua fora dessa!

      Excluir
    3. "O vidinha sem sal!": só se for a sua mermão!

      Excluir
    4. Sempre tem saudosista dizendo coisas do tipo, através dos tempos. E pra essas pessoas, de certa forma o mundo acabou mesmo, já que "vivem" no passado.

      Excluir
    5. Mr. Car e Anonimo das 16:29, se a vida está tão ruim, se matem então. Só não fiquem de choramingo por ai.
      Ou tratem de virar homem

      Excluir
    6. Virar "homem" como quem? Você??? He, he, he, he, he, he, he, he, he, he, he, he, he, he, he!!!!!

      Excluir
  16. Que post espetacular!

    Finalmente alguém deu nas canelas do James Dean, o "rebelde sem causa"....(um esquizóide de carteirinha);

    Os cabra eram madeira de lei mesmo, bom gosto para carros e para mulheres; outros tempos!

    MFF

    ResponderExcluir
  17. Nossa! Maravilhoso esse XKSS do McQueen!

    ResponderExcluir
  18. Muito legal sua matéria. "Para variar"...
    Meu pai sempre me falava que o Glark Gable teve um Duesmberg e um XK120 entre outros carroes...
    Para mim o mais "cool" em materia de filmes e carros sempre foi o Steve McQueem. A 250Lusso dele, marrom metalica , era simplesmente linda!

    ResponderExcluir
  19. Essa calça justinha do Tyrone Power era totalmente "gay"...
    Mas se a Rita Hayworth gostava ... hummm valia a pena usar uma dessas todos os dias! O muié linda que era!
    Agora, nao ia deixar de lado meu jeitao "brucutu" , mal-educado, e mal-acabado de lado.
    Jorjao!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio20/07/12 17:49

      Ao contrário do que afirmou o Arnaldo, a sexualidade de Tyrone Power é vastamente disputada.

      Excluir
    2. Cara, o Arnaldo escreveu que essa roupa era normal para a época. Lê novamente o texto.

      Excluir
    3. Salvo engano era uma roupa típica de Lorde Inglês.

      Excluir
    4. Tallwang

      O Tyrone Power estava num set de filmagem, daí a roupa do personagem, um filme de época.

      Excluir
    5. Ronaldo Nazário24/07/12 13:04

      Eu chupo ele todo!

      Só para sentir o Power do Tyrone!

      Excluir
  20. Concordo plenamente com a última frase, Jackie Cooper menino, esse é O cara!

    ResponderExcluir
  21. Arnaldo, belo texto. Concordo contigo - Gary Cooper, Clark Gable, entre outros, realmente tinham muita classe, é indiscutível. Já Steve McQueen, esse era o "Cara". Carros, motos, etc, etc, também tinha um bom gosto indiscutível. Faça um post sobre ele, não é possível? Grande abraço.
    PS. Falando no McQueen, faz pouco tempo venderam o rancho que foi dele em Santa Paula, Califòrnia, por US$ 660.000,00!!Se não for cascata, foi uma barbada, vi as fotos da propriedade, precisam de um cuidado, mas se pude$$e, compraria.

    ResponderExcluir
  22. Lorenzo Frigerio20/07/12 17:53

    Parabéns pelo artigo, Arnaldo. E belas fotos. Estilo era tudo.

    ResponderExcluir
  23. Faltou o Paul Newman, mais autoentusiasta que todos os citados nos comentários...

    ResponderExcluir
  24. ASTROS DA REDE GLOBO AUTOENTUSIASTAS20/07/12 23:44

    André Marques - 911
    Ana Maria Braga - 911

    ResponderExcluir
  25. Lorenzo Frigerio21/07/12 00:23

    Arnaldo, sugiro um "spinoff" desse artigo para carros desse nível em mãos de colecionadores brasileiros; acredito que você e o Bob tenham um bom trânsito entre eles.
    Aliás, acredito que a própria figura de Roberto Eduardo Lee mereça um artigo. Para quem não sabe, ele foi talvez o maior brasileiro colecionador de carros antigos. Ele foi assassinado pela ex-amante em 1975, na casa dela, enquanto discutiam o status da filha recém nascida - segundo a assassina, ele "ameaçara não reconhecer a filha", explicação pouco convincente.
    Com sua morte, a coleção caiu nas mãos dos "autodepreciastas" tutores da criança, sua única herdeira, e foi pro saco.
    Mas vocês devem saber melhor o destino desses carros.

    ResponderExcluir
  26. Puxa, Arnaldo. Dessa vez você extrapolou! Parabéns!

    Abraço

    Lucas CRF

    ResponderExcluir
  27. Vale lembrar a Carmem Miranda e seu Cord 812.

    ResponderExcluir
  28. Eurico Jr.21/07/12 13:34

    Mais um artigo antológico do Arnaldo.

    Outro dia, li um texto do decano Robert Cumberford, na revista Automobile Magazine.

    Quando o Jaguar XK 120 foi lançado, ele era moleque de calça curta. Aí pegou não sei quantos ônibus em direção à concessionária mais próxima. Chegando lá, se deparou com o carro, mas foi devidamente espantado pelo vendedor.

    Nisso, apareceu o dono do Jaguar, um certo Clark Gable. Deixou o pequeno Robert se esbaldar, fuçou no carro à vontade.

    Fico imaginando se os astros de hoje têm esse desprendimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal saber disso, Eurico. Confirmou a impressão que eu tinha do cara.

      Excluir
  29. Classe é classe...unindo bom gosto então, nem se fala! Arnaldo, acho que tem histórias muito interessantes para escutar-mos de você das velhas ( hoje! ) Bel air dos anos 50 e sua belas proprietárias e atrizes desta época...belo Post!

    ResponderExcluir
  30. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  31. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  32. Muito bom texto. Escreva logo o do McQueen. Vai ser legal saber dos carros dele.

    ResponderExcluir
  33. Caramba! O McQueen tinha um turbo panzer na garagem! Ainda bem que inveja não mata.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.