SAI CARRO, ENTRA CAVALETE

Foto: Autor
Esse é um cavalete da CET para uso em caso de carro guinchado, para o que o proprietário saiba que foi a autoridade que levou seu possante, não um amigo do alheio.

Como se pode ver, o cavalete da foto está sobre a calçada porque alguém fez essa boa ação. Como assim, boa ação?


É que a Companhia de Engenharia (?) de Tráfego da cidade de São Paulo coloca a peça informativa onde o carro se encontrava. Assim, o objetivo maior de guinchar, que é deixar a via livre para oferecer maior vazão de tráfego - por isso é que é proibido estacionar ali - perde todo o sentido, restando apenas a intenção de faturar em cima do cidadão com a própria remoção e estadia no depósito, que é cobrada por dia.

Com seis habitantes por veículo, o Brasil não pode mais prescindir de uma real engenharia de tráfego e de amplo entendimento do Código de Trânsito Brasileiro pela autoridades responsáveis.

Estive na quarta-feira passada em Ribeirão Preto, majestosa cidade do interior paulista de quase 600 mil habitantes e localizada a 320 quilômetros a noroeste da capital. Veja a foto abaixo:
Se você clicar nela e ampliá-la, verá nas duas entradas principais desta rotatóriia linhas de retenção. Isso significa que nelas existe sinalização de parada obrigatória, com placa "Pare", quando a regra da rotatória é dar preferência para quem já está circulando nela.

Do ponto de vista de segurança no trânsito, é totalmente condenável regras diferentes para a mesma situação. A autoridade de trânsito de Ribeirão Preto errou flagrantemente nesse caso.

Em Pindamonhangaba, a 130 quilômetros a leste de São Paulo, outro erro de rotatória: quem está circularndo é que tem que parar. A foto disponível no Google Earth não permite ver, mas há placas de parada obrigatória onde jamais deveria.

A impressão que dá é que as autoridades de trânsito brasileiras não têm noção de sua responsabilidade, o que é totalmente lamentável.

BS

(Atualização de texto às 18:30 de 15/10/2010: o leitor Fabrício Samahá, editor do site Best Cars Web Site e morador de Pindamonhangaba, informa que na citada rotatória já houve correção quanto a dar preferência quem esteja nela circulando, o que merece aplausos. Mas informa também que em cada entrada da rotatória foram aplicadas placas de parada obrigatória ("PARE") em vez de "Dê a Preferência", como determina o Código de Trânsito Brasileiro. Portanto, essa rotatória de Pindamonhangaba continua irregular.).

23 comentários :

  1. Marcelo Augusto03/10/10 13:40

    Eu imaginava que esta prática já havia mudado.

    Numa via de duas faixas, rebocar o carro e deixar o cavalete na faixa vai obstruí-la do mesmo modo.

    Paece piada de lusitano essa atitude da CET!

    ResponderExcluir
  2. Bob,
    aqui em Porto Alegre, a EPTC deixa um adesivo na calçada com os dados de carro e horário em que foi guinchado, ponto pra eles! Mas por outro lado, eles ficam escondidos com o radar móvel pra pegar os "assassinos" que andam um pouco acima de 60 km/h...

    Fogo!

    ResponderExcluir
  3. A regra de preferência em rotatória só vale quando não existe sinalização.

    Existindo sinalização vertical de regulamentação (placa pare ou dê a preferência), vale o preceito da placa e não a regra do CTB.

    No mesmo sentido, a famosa regra da direita.

    Mas de fato é mutio difícil achar uma rotatória com boa circulação no nosso país.

    Essa de Ribeirão Preto é terrível, muito difícil conseguir entrar com tranquilidade e segurança.

    ResponderExcluir
  4. Artur Y
    É claro que vale a sinalização sempre, mas ela está errada. Rotatória é "Dê a preferência" para quem está rodando.
    O que você quis dizer com "no mesmo sentido"? Há sentido diferente?

    ResponderExcluir
  5. Felipe
    Ponto para a EPTC mesmo. Isso se chama usar a cabeça.

    ResponderExcluir
  6. "Existindo sinalização, vale a placa e não a regra do CTB."
    Essa possibilidade de exceção me parece trapalhada do legislador: basta que um vândalo ou um barbeiro derrube a placa, e cria-se uma situação perigosa. Além disso, por que as nossas rótulas têm que ser diferentes das do resto do mundo?

    Quanto às placas "pare", elas servem para tentar compensar a má formação dos motoristas. Já aconteceu de eu estar de carona com um motorista habilitado havia mais de cinco anos e, ao chegar em uma rotatória, ele ficar em dúvida quanto à preferência. A princípio, fiquei meio chocado por ver alguém em dúvida com relação a algo tão óbvio, mas depois me ocorreu que isso deve ser comum. Concordo que pôr placa "pare" onde não se deve necessariamente parar serve para deseducar os motoristas, mas é um paliativo para não aumentar a desordem num trânsito que é desorganizado por completo.

    ResponderExcluir
  7. Felipe, realmente o adesivo na calçada é a melhor solução. Coisa que, por sinal, certas prefeituras do interior do RS desconhecem: em algumas cidades, o dono do carro guinchado tem que se virar para descobrir que o carro não foi roubado, já que não é deixado nenhum aviso (embora conste expressamente no CTB que o órgão autuador DEVE informar que o veículo foi guinchado).

    Quanto aos radares, pelo menos a EPTC informa em que ruas o radar móvel vai ser usado a cada dia, embora eu ache que há coisas mais urgentes para serem fiscalizadas em certos pontos da cidade do que excesso de velocidade.

    ResponderExcluir
  8. Olá Bob.

    Quando usei a expressão "mesmo sentido", era para dizer que na regra da direita só vale quando não existe sinalização. Não era no intuito de falar de mão de direção.

    Aqui em Londrina temos muitas rotatórias sinalizadas com semáforo, que funcionam em locais pouco movimentados. Basta um pouco de trânsito para começar o caos.

    Rotatória é algo que se presta a direcionar pequenos fluxos de veículos.

    FCardoso, realmente se alguém furtar a placa (cuja destinação mais comum é enfeitar quarto ou montar uma churrasqueira, acredite! risos) teremos um problema enorme no trânsito.

    Para isso que existe a sinalização horizontal, linha de retenção e escrito "Pare" pintados no chão. Porém, é muito comum ninguém pintar essas linhas ou a tinta sair com facilidade.

    Daí entra o bom motorista, algo tão raro quanto o uso correto das sinalizações pelos órgãos de trânsito.

    E os motoristas mais experientes tem o hábito de não imobilizar totalmente o veículo numa parada obrigatória, fazendo a famosa "saída de segunda".

    Olha, a coisa é mais feia do que eu imaginava! risos.

    ResponderExcluir
  9. Artur.Y e demais
    Rotatória só tem UMA regra: quem está nela tem preferência e quem vai entrar tem que dá-la, para isso existindo a placa "Dê preferência".

    ResponderExcluir
  10. Em Belo Horizonte a BHTrans também cola um adesivo no meio-fio com a placa do carro.
    Muito idiota esse cavalete da CET. Sem contar que vários devem ser alvo de roubo ou vandalismo.

    ResponderExcluir
  11. Eu também não vejo lógica alguma em uma rotatória/rótula ser sinalizada diferentemente do que manda a regra básica.

    Eu já fiquei parado em rotatória pois o transito não andava, por que simplesmente onde os veículos saíam estava "obstruído" por veículos que "tinham preferência".

    O que fazer neste caso?

    Makes no sense esta regra do "onde não houver sinalização"...

    E a nossa "Ceetê" dá até vergonha. Só falta oficializar e deixar em público que ela presta-se somente como (mais um) instrumento de arrecadação da prefeitura paulistana...

    Lamentável.

    :(

    ResponderExcluir
  12. Valdeson J. Amaro03/10/10 23:01

    Bob, já havia comentado aqui no blog antes e reforço o comentário: aqui em Goiânia TODAS as rotatórias (e olha que são mtas) tem a sinalização de parada obrigatória. Nenhuma delas tem a sinalização de dar a preferencia. Sou totalmente a favor da sinalização de parada obrigatória, pois é uma medida de mais cautela do órgão de transito que ajuda a evitar acidentes. Ele nivela os motoristas por baixo para evitar acidentes.
    Até imagino o inferno que seria o transito aqui com a sinalização de dar a preferencia, todos iriam entrar de uma vez na rótula, cabendo a quem já está nela frear para não colidir.

    a propósito, dei uma lida por alto aqui no CTB e não achei o artigo que indica que o certo é a sinalização de dar preferencia em rotatórias. teria como vc me dizer onde tá escrito isso?

    ResponderExcluir
  13. Valdeson,

    Transcrevendo partes do Art. 29 da CTB:

    O trânsito de veículos nas vias terrestres abertas à circulação obedecerá às seguintes normas:

    ...

    III - quando veículos, transitando por fluxos que se cruzem, se aproximarem de local não sinalizado, terá preferência de passagem:

    ...

    b) no caso de rotatória, aquele que estiver circulando por ela;

    Agora vai da interpretação, né...

    URL para o CTB: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9503.htm

    ;)

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Bob, quando voltar a Ribeirão Preto me ligue, tenho mais coisas pra te mostrar aqui... (16) 9123-4921 abração.

    ResponderExcluir
  17. Bob,
    a propósito das rotatórias, proponho que você analise também as mini-rotatórias, das quais a CET muito se orgulha. Elas costumam estar sinalizadas corretamente ("dê a preferência" em todos acessos), mas os próprios motoristas estabelecem uma preferencial informal. Ou seja: se você ousar circular na rotatória pensando que está correto, corre sério risco de ser abalroado por aqueles que vêm da via preferencial informal. (Como exemplo, a rotatória da Av. Ceci com Al. Guainumbis, no Planalto Paulista). A CET só coloca a rotatória, sem jamais fiscalizar se os motoristas a usam corretamente.

    ResponderExcluir
  18. Franklin,
    Bem lembrado, sou inimigo n° 1 das mini-rotatórias. Vou escrever um post a respeito. As mini-rotatórias têm dois problemas graves. Um, num cruzamento inverte-se a preferência, não é mais do carro que vem da direita e sim da esquerda, o que está rodando. O segundo problema é que com a mini-rotatória não existe a faixa de segurança para pedestres, que ainda por cima tropeçam nos tachões separadores de pista. Há uma agravante, caminhões não caberem na mini-rotatória e serem autorizados a passar por cima dela, num dos maiores exemplos de bagunça que se conhece.

    ResponderExcluir
  19. Songa,
    Claro que ligo, com o maior prazer. Você deve mesmo conhecer outros erros aí.

    ResponderExcluir
  20. De fato, um cavalete ocupa o mesmo espaço de uma Hilux, e os fiscais realmente o deixariam no meio da rua, fosse esse o caso...

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. Bob, podia ser pior, veja por exemplo como agem os "colegas" da CET-Rio:

    Uma vez (única aliás) tive o carro rebocado - porém sem qualquer aviso ou indicação.

    Fui descobrir quando estava prestes a registrar FURTO na delegacia!

    Você reclama da CET-SP, mas a carioca ainda consegue ser pior, acredite.

    ResponderExcluir
  23. Transeunte,
    Complicada mesmo, a CET-Rio. Certo faz Porto Alegre, deixam um adesivo no asfalfo.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.