O RECALL DO STILO

Foto: eBay


Vínhamos pensando em falar nesse recall, ou convocação, da Fiat relativamente ao Stilo, por rodas que se soltam, mas o pedido recente do leitor Célio Miranda de Oliveira acelerou o processo.

O alvo da ação é a peça da foto, o cubo de roda traseira. Há 30 casos de clientes que reclamam de uma das rodas traseiras ter-se soltado, muitos resultando em algum tipo de acidente. Há oito fatalidades conhecidas. 

A fábrica diz ter provas irrefutáveis de que a soltura da roda decorreu de batida lateral da roda ontra  algum obstáculo, por exemplo, uma guia de calçada (também chamada de meio-fio).

Os clientes afirmam ter sido ao contrário, isto é, soltou-se a roda, houve perda de controle e o acidente.


Num comunicado à imprensa de sexta-feira 12/3, a Fiat informa ter iniciado a convocação por ordem do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) que, após investigação, determinou a troca do cubo de roda traseira pelo tipo fabricado em aço. O órgão também impôs multa de R$ 3 milhões à fabricante pela falha apresentada. A Fiat diz que recorrerá da multa, com base nas suas próprias conclusões.

Em conversa com o assessor técnico da fábrica para assuntos de imprensa, engenheiro Carlos Henrique Ferreira, foi confirmado que todas as solturas de roda só ocorreram depois que, em 2004, o cubo de roda, que era de aço e importado, foi nacionalizado e feito de ferro fundido (o Stilo foi lançado em setembro de 2002). Já haviam sido produzidos 5.720 veículos.

De lá para cá, de 13 de abril de 2004 a 9 de março de 2010, 52.474 unidades foram fabricadas e seus proprietários estão convocados a levar o veículo a uma concessionária para  a troca dos dois cubos traseiros.

Explica a Fiat que quando há o golpe e se produz uma flexão no cubo, parte que aloja os rolamentos (o anel da foto) se deforma seriamente ou se rompe, passando pelos rolamentos – como se a casca de uma laranja saísse pelo seu miolo – levando junto o cubo e a roda nele aparafusada.

O assessor técnico diz que a força lateral  de flexão máxima sobre o cubo em condições de rodagem, sobre piso da maior aderência encontrada, que tem coeficiente de atrito máximo de 0,8, é de 550 kg. Se o coeficiente hipoteticamente fosse 1,0, essa força chegaria a 770 kg. A peça é calculada, segundo a Fiat, com coeficiente de segurança 2, significando que suportaria 1.540 de força lateral. sem problema "Ensaios de resistência de materiais na fábrica indicam que a ruptura só ocorre com 2.300 kg. Isso nos dá certeza de que o problema tem necessariamente de ser causado por impacto lateral contra alguma coisa, nunca por si só."

Todo esse arrazoado provêm de um fabricante que tem engenharia no Brasil e não se pode ter dúvidas de suas conclusões. Inclusive, a Fiat tem declarado que não há risco para o usuário e que só fez a convocação por ter sido obrigada. Note o leitor que esta é uma afirmação muito séria e que envolve uma alta dose de responsabilidade. Nunca vimos um fabricante dizer que algo não pode acontecer.

Por outro lado, não pode o AUTOentusiastas simplesmente ignorar o que disseram 30 proprietários de Stilo. Por isso, pelo sim, pelo não, não seremos árbitros nessa questão, limitando-nos a mostrar os fatos. Inclusive por não termos acesso às investigações levadas a efeito pelo renomado Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi) Brasil a pedido do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), o que levou o DPDC a determinar a troca do cubo de roda traseira de todos os Stilo com a peça fabricada  em ferro fundido.

Se a memória não nos falha, este seria o primeiro caso de convocação determinada por um órgão de governo, pois é característica comum a todas as conovacações serem voluntárias.

AE

99 comentários :

  1. Arthur Costa20/03/10 21:13

    Realmente era necessário saber o que diz o Cesvi.

    30 casos em tantos carros vendidos é muito pouco, e podem envolver outras variáveis. Era também interessante saber se destes 30 o conjunto roda/pneu eram os indicados pelo fabricante, pois mudança sem critério é com "nóis memo". Balanceamentos desnecessários a cada 5 mil km, tira e põe de rodas sem parar, com aperto excessivo que deformam até o tambor e geram vibração, que pode comprometer material.

    Enquanto não se tomar uma atitude de se exigir somente substituições homologadas pelos fabricantes - como é na europa, e vc não tem o carro aporvado na inspeção anual -; parar com serviços desnecessários e sem critério em suspensão e rodas/pneus, fica muito difícil analisar estes casos práticos de problemas envolvendo estes componentes.

    ResponderExcluir
  2. Na minha opinião, isso tem tudo a ver com aquele texto daqui mesmo sobre o efeito big mac: pra reduzir os custos de produção do carro, a fiat colocou esse cubo de ferro, que deve ser muitas vezes mais fraco que o original projetado pro stilo. Ele deve sofrer muito mais fadiga e microfissuras ao longo do tempo do que o original sofreria. Equipe de depenação atuando, não só no que se vê de imediato, como os acabamentos do veículo. O detalhe é que a redução de custos é apenas pra eles, porque pra nós os carros ficam cada vez mais caros. E piores. Efeito big mac mesmo, paga-se mais por menos. E nem a segurança importa mais, só o que vale é a fábrica deixar de gastar uns trocados em cada unidade.

    ResponderExcluir
  3. Não tem nada a se discutir, a peça original era de aço e foi substituída por ferro fundido, material muito menos maleável.
    A Fiat além de cometer uma ciganagem foi de uma incompetência de engenharia ímpar, nada de novo, a engenharia brasileira automobilística só tem desenhistas copistas e tradutores, quando se mete a fazer alguma coisa só faz merda como agora.
    É sabido até por quem nem é do ramo que os carros ao serem vendidos no brasil tem que ser tropicalizados, notadamente na parte de suspensão. Sempre reforçam a supensão para que possam enfrentar as condições brasileiras. Quem não se lembra dos primeiros hondas civics importados que tinham buchas ao inés de rolamentos, acabaram todos.
    A engenharia da Fiat ao invés de reforçar ou manter o aço, substituiu por ferro fundido, um material muito menos resistente ao choque e quebradiço e depois quer explicar, bando de burros.
    Bater de lado faz parte do cotidiano de nossas ruas, nem precisa ser em guias, basta buracos abundantes.
    O pior é alguém perder a vida graças a gênios como esses da engenharia da Fiat, um bando de burros.

    ResponderExcluir
  4. Se outros carros usam ferro fundido e não tem problemas, a questão não é de troca de materiais.

    ResponderExcluir
  5. Outros carros são outros carros, foram projetados assim.
    O projeto original do Stillo foi feito na Itália e previa cubos de aço, mas como sabemos os italianos devem ser burros e desperdiçadores.

    Aí vem os gênios da engenharia brazuca que só sabem abaixar a cabeça e acabam mostrando a bunda e fazendo merda para dar mais lucros à montadora, afinal, aqui só tem idiota de consumidor mesmo.

    Os gênios trocaram o material e as merdas aconteceram. Isso já mostra o chamado nexo causal, bando de burros e pior assassinos.

    Tomara que percam todas as ações e aprendam a não brincar com a vida dos outros para agradar patrão.

    ResponderExcluir
  6. O diálogo na fábrica foi mais ou menos assim:

    "-Fazer esses cubos de aço caríssimo para os brasileiros? Pode fazer isso aí até de bosta que não dá nada não!"

    O Basil, terra de buracos com alguns trechos com estrada, e os caras me fazem o cubo de ferro fundido com rodas de 17" e penus de perfil baixo. Eles estão certos, por que ninguém vai olhar para os cubos na rua, já as rodas de 17" é o que há.

    ResponderExcluir
  7. Acho um desrespeito da Fiat em afirmar que está fazendo o recall, mas que não há nada errado. E as 8 pessoas que morreram? E os 30 acidentes?

    Parece aquelas histórias sinistras de antigamente: se o custo do recall for mais caro do que pagar indenizações por mortes e acidentes, melhor não fazer recall. Parece que era a vontade da Dona Fiat.

    ResponderExcluir
  8. Pode até ser que 30 carros sejam pouca coisa, mas são todos stilo...

    ResponderExcluir
  9. Supostamente (infelizmente não possuo dados precisos, estou "vendendo o peixe que comprei") acontece com frequência muito maior nos Stilos que possuem roda de 17", que causa esforço maior no cubo.

    ResponderExcluir
  10. A Nissan anunciou um recall, se não me engano da frontier, pela possibilidade de quebra da caixa de direção. Não houve NENHUM acidente. Há muito tempo que eu venho escutando histórias de problema com o Stilo e só agora a Fiat agiu e ainda assim porque foi obrigada. 30 acidentes pode não ser muita coisa, mas a ação nesses caso deve ser preventiva. Afinal há oito mortes potencialmente relacionadas com esse defeito. Será que oito mortos é pouco? Para que é parente ou amigo das vítimas eu aposto que não.

    ResponderExcluir
  11. Mesmo que a peça seja indestrutível, a justiça determinou o recall e este terá de ser cumprido. Graças a Deus e pela justiça das famílias que foram dilaceradas pelos acidentes. Mas acho que a FIAT anda se queimando muito no Brasil, sempre tem um trauma envolvido com seus modelos mais elegantes... Tipo e fogo (mangueira de DH), Marea e 20.000km para trocar óleo = borra e motor fu(n)dido, Stilo 2.4 e preço abusivo (detalhe, pra esse ninguém ligava pro fato do motor ser um dos do Marea né?), agora Stilo quebrando cubo de roda... o que será que vem pela frente? Eu curto muito FIAT (tenho 2, inclusive um é Marea) mas cai entre nós, esse recall aí deveria ter sido feito a tempos já, fidelizando assim o consumidor, aumentando a confiabilidade da marca que anda tão cabisbaixa no segmento mais caro.

    ResponderExcluir
  12. A tensão provocada pelo atrito lateral como falou o engenheiro porta-voz, ainda que com coeficiente de segurança 2, e a pela superando amplamente o calculo, nos testes de ruptura, CERTAMENTE não levou em conta o estado de conservação das nossas ruas e rodovias.

    SE o carro cai num CRATERA como é comum nos nossos pavimentos, e se acontecer em um curva. essa tensao poderá atingir valores muito mais altos, como num choque lateral

    Esta semana cai numa CRATERA no meio de uma curva, que fez saltar fora as duas tampas (mini-calotas) do furo central da roda de aluminio do Focus !

    Embora 30 acidentes seja um grupo de amostras pequeno, é sintomatico que só tenha acontecido com os carros equipados com cubo de ferro fundido.

    O Zullino tem toda razão em ser veemente.

    Antonio Seabra

    ResponderExcluir
  13. Engraçado outros carros caírem em CRATERAS e nada acontecer, enquanto os Stilos perdem as rodas... vamos usar a cabeça pessoal...

    ResponderExcluir
  14. O problema não é o Ferro fundido, que poderia substituir sem problemas o aço original, acontece que a peça tinha que ser redimensionada para isso, receber alguns reforços extras, alívio de tensão e por aí vai. Quem conhece peças fundidas sabe que o processo não é 100% a prova de falhas, se olharmos a qtd de peças produzidas, e qtd de peças defeituosas deve estar dentro do índice de falha inerente ao processo. Pegar como exemplo o meu Vw Gol, o cubo é bem maior e tem bem menos usinagem que o da Fiat. Nunca vi nenhum Vw perdendo rodas, é mau dimensionamento mesmo da Fiat.

    ResponderExcluir
  15. Isso me lembrou realmente o Ford Pinto... MAS

    É muito normal se cair em crateras no meio de estradas, a velocidade razoável e ai...

    Vamos aos fatos

    NENHUM carro com cubo importado esta dentre os 30(e sabe-se que lá o esforço por conta de condições de rodagem ridículas é MUITO menor que aqui)

    Os carros com aro 17(e perfil baixo) que sofrem com maior esforço no conjunto são os mais "perigosos"

    Normalmente esse conjunto de roda vem nos modelos mais equipados(por isso mais pesados)


    Acho que isso diz muito...

    ResponderExcluir
  16. A todos:
    A questão é difícil e por isso o AE disse que não será árbitro dela, faltam-nos elementos. Mas alguns pontos podem ser levados em consideração numa breve análise. Um problema de resistência no cubo de ferro fundido deveria levar a um número impressionante, quase epidêmico, de casos de rodas se soltando, mas não é o que tem acontecido. E, de novo, um fabricante afirmar que um problema não ocorrerá é algo inusitado e nos leva a acreditar que a Fiat tenha razão quando diz que a roda soltar é consequência e não causa de acidente. Mas o leitor tem o direito de fazer o julgamento que quiser.

    ResponderExcluir
  17. Muito bom o AutoEntusiastas abordar isso dessa maneira

    Fiquei surpreso quando vi no caderno de veículos do jornal " O Estado de Minas", um dos principais colunistas criticando a decisão judicial , eu como leitor tive uma suposta(ahaha) impressão de defesa da Fiat por parte dele.

    Justo lá, que estão batendo firme no caso dos aceleradores da Toyota no Brasil, já colocionaram 9 ou 10 casos, sem vítimas e todo caderno de veículo que sai fala do assunto.

    Aí a gente fica confuso...

    ResponderExcluir
  18. So o fato de ter envolvido mortes, todas em Stilo, e todas em pecas de ferro fundido, eh o suficiente para a FIAT ser obrigada a fazer o recall.
    Nao interessa se sao poucos casos. A FIAT esta tentando reverter nao por defender a sua engenharia, mas por economia (burra e porca) de dinheiro.

    Pra mim, esta bem claro.

    ResponderExcluir
  19. É perfeitamente possível fazer cubos resistentes com ferro fundido, há vários exemplos no mundo automotivo. O que ficou estranho é voltarem a fazer o de aço para o recall.

    ResponderExcluir
  20. Como o Chico falou, tem que ver a questão dos aros 17, um absurdo para um carro desses com motor 1.8 8v na casa dos 110cv.
    Eu li um tempo atras uma matéria no noticiasautomotivas se não me engano sobre esse caso, tinha umas 10 fotos de acidentes diferentes e todos tinham aros 17.
    Cubo mais fraco com aro maior do que o usado na Europa não podia dar certo...

    ResponderExcluir
  21. Eu vou colocar aqui um fato acontecido em 1996,uma pickup 1.6 MPI ELX com 12000km soltou a roda traseira na linha vermelha ,o carro bateu na mureta e deu perda total,pois bem, eu fui o perito da ação , o cubo simplesmente rachou,aumentou o diametro ,passou por cima dos roletes e liberou a roda, a mesma não tinha sinal de choque ,apenas o arranhado provocado pela soltura ,o carro era de passeio,não usava carga,como eu nunca mais vi isso, eu acredito que possa ser lote de peças com defeito no caso do Stilo,ou não?

    ResponderExcluir
  22. Já vi pessoalmente um Stilo fora da pista e sua roda traseira 17'' há uns bons metros do carro.
    A pista era reta e o meio fio baixo, pelo rastro do pequeno acidente me pareceu que o carro saiu pela tangente arrastando -talvez numa frenagem (se ele perdeu a roda antes ou depois disso eu não sei).
    Dentre inúmeras colisões vistas não me esqueci desta justamente por ter visto a roda fora do carro próxima à pista.

    ResponderExcluir
  23. O Maluhy já acertou duas, lá do meio de campo, em poucos dias.

    a outra foi do uso do conversor de torque de modo a melhorar a pressão de fluido.

    Então a questão é : quem fabricou/fabricava esses cubos de roda para a Fiat,se era terceirizado ou fabricado lá dentro.

    quem lá na Fiat liberou para montagem os lotes de cubos dos 30 carros que sofreram acidentes.

    como era a condição de estradas que os 30 carros trafegavam normalmente e no momento da suposta soltura da roda.

    ResponderExcluir
  24. como disserama cima, dá oara fazer cubos de ferro fundido, basta saber.
    a nossa engenharia brazuca foi inventar a roda que os italianos inventaram e tirou o aço e colocou ferro fundido projetado e feito nas coxas.
    30 acidentes e 8 mortes e ainda querem defender a montadora ou ficar no poleiro.
    Nunca vi post mais tucano que esse, cheio de dedinhos e não me toques só porque envolve montadora. Fizeram merda sim, que paguem por ela, com prisão se possível para que sirva de exemplo.

    ResponderExcluir
  25. "Em conversa com o assessor técnico da fábrica para assuntos de imprensa, engenheiro Carlos Henrique Ferreira, foi confirmado que todas as solturas de roda só ocorreram depois que, em 2004, o cubo de roda, que era de aço e importado, foi nacionalizado e feito de ferro fundido (...)"

    Precisa dizer algo mais? Palavra da Fiat: os 10% de carros com cubos importados NÃO SOFRERAM NENHUM DOS ACIDENTES. Ou seja, seja lá qual for o motivo, os cubos nacionais em ferro fundido mostraram-se inadequados.

    Mais: em uma truculência sem precedentes, a Fiat conseguiu, mediante medida cautelar, proibir que um dos infelizes consumidores do Stilo se manifestasse a respeito de acidente sofrido por conta de perda da roda.

    Talvez desde o Ford Pinto não tenha havido uma administração de crise tão ruim dentro de uma fábrica de automóveis. Não duvido que os italianos decidam trocar a chefia da empresa aqui no Brasil, por conta de semelhante barbeiragem.

    No mais, cumpre notar (até com um certo assombro) que os nossos governates aos poucos mostram-se mais preocupados com a questão da proteção ao consumidor.

    ResponderExcluir
  26. Zullino,acho que você pode estar certo.

    Mas leia no blog de um dos mais influentes jornalistas do Brasil, do Estadominas e Portal-programa tv Vrum, a coluna com a opinião dele, falo do Bóris Feldman,ok?

    ResponderExcluir
  27. Alexei,
    não preciso ler nada, ainda mais vindo de jornalistas, a maioria não fala mal das montadoras para não perder os favores de receberem carros de graça para andar, viagens para ver lançamentos, essas coisas, a imprensa automotiva no brasil não é independente, se faz de independente. Quem patrocina ou patricinará os programas de TV como o do que você indica?
    Você é o primeiro da saber disso, inclusive pelas suas atividades automobilísticas, se não paga ninguem fala bem do piloto, não é?
    A coisa é simples, foram engenheirar e fizeram merda. Os Stillos italianos não quebram, esse é o fato.

    ResponderExcluir
  28. Roberto Zullino
    52.444 Stilos/104.888 cubos de roda de ferro fundido não quebraram, portanto não podem estar tão errados como voce quer fazer crer. Condenar a Fiat neste caso seria julgamento precipitado. Não tem nada a ver com "ficar cheio de dedinhos", como você infantilmente disse.

    ResponderExcluir
  29. 104.888 cubos, 30 quebraram e eram de ferro fundido com 8 mortes.
    Dos de aço nenhum quebrou. A culpa é de quem? Sua? minha? dos clientes?
    Sua estatística não resiste a uma análise primária, independente do universo de 104.888, 30 quebraram. Do universo desconhecido dos Stillos italianos que deve ser pelo menos duas vezes maior, nenhum quebrou, me refiro a todos os Stilos italianos, de lá e de cá. Digamos que sejam 220 mil cubos de aço. Se o universo de aço é o dobro, por exemplo, deveriam ter quebrado 60.
    Infantil é quem acusa golpe e passa recibo como você que já saiu querendo me intimidar me chamando de infantil. Acabou apanhando de uma criança como eu na matemática.
    Você que é tão veemente está no poleiro, não vai aceitar Stillo emprestado que quebram.

    ResponderExcluir
  30. Segue-se link com a matéria da opinião do Bóris Feldman sobre o assunto.

    http://www.dzai.com.br/blogdoboris/blog/borisfeldman

    Na matéria, ele cita que o IPT e a Universidade Federal( sic) de Campinas-Unicamp examinaram os cubos e se declararam incapazes de emitir um parecer conclusivo ao Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor(DPDC).

    Que o DPDC então foi ao DENATRAN que recorreu ao Cesvi- Centro de Experimentação e Segurança Viária -cujo laudo foi conclusivo: a Fiat deveria fazer o recall.

    e segue com o texto.

    Acho interessante ler, tem o link aí.

    ResponderExcluir
  31. Mais um Link interessante sobre o assunto, a opinião do Samahá, do BCWS

    http://www2.uol.com.br/bestcars/editorial/323-recall-fiat-stilo.htm

    ResponderExcluir
  32. Tenho a dizer o seguinte, façamos uma comparação: e os outros carros brasileiros, da própria FIAT incluídos?
    Qual esforço para quebrar um cubo, seja aço, Fofu, ou outro material? Qual o mais frágil em pancadas laterais?
    Não desejo condenar ninguém, mas me é estranho que só os do Stilo estejam envolvidos nesse problema.
    Para itens de segurança, o índice de defeitos deve ser nunca superior a zero PPM, falemos em PPB.

    CZ

    ResponderExcluir
  33. No link, o Samahá cita os incêndios do Tipo e o que os consumidores e fabricante fizeram sobre o assunto.

    Tive a oportunidade de , na época, analisar o Tipo de minha mana, que já tinha passado pela solução da Fiat para o assunto : uma bandeja de metal foi colocada acima do coletor de escape.

    Como o Tipo ,modelo 1.6, cheirava forte gasolina mesmo parado e com o motor desligado, fomos analisar e ficamos surpresos ao ver que o cheiro de gasolina vinha de dois problemas que agiam em conjunto : as mangueiras que chegavam com a gasolina ao sistema injetor se encontravam inchadas( talvez pela ação do álcool presenta na gasolina) e as braçadeiras que fixavam as mangueiras agora dilatadas eram de um modelo extremamente simples, se fossem mais elaboradas não haveria vazamento-não de monta- mesmo com as mangueiras já ruins,pedindo troca.

    O carro era seminovo,de kmtragem e de ano.

    ResponderExcluir
  34. Acho que o Zilvetti encerrou o assunto, é no mínimo estranho que apenas aconteça com os cubos de ferro do Stillo.

    O meu post respondendo ao paladino da moral e dos bons costumes e professor de Deus e que está em seu poleiro neste caso, já demonstrou que o universo de cubos de aço deve ser muito maior do que o universo de cubos de ferro informado por ele, 104.888 + 30, 30 são os que quebraram.
    Se as coisas fossem iguais deveríamos ter muito mais cubos de aço quebrando. E por que não quebram? simples, são mais fortes, simples assim, a engenheirada burra da Fiat colocou uma peça fraca.

    Onde já se viu no ano de 2010 quebrar cubo de roda? Isso é coisa dos anos 50 quando aquelas porcarias importadas, notadamente as inglesas, deixavam rodas na rua.

    Fez bem o poder público em aplicar a chibata, mas é pouco, tem que colocar na cadeia os responsáveis pelas mortes. Ou cadeia só serve para pobre?

    ResponderExcluir
  35. Ta certo o RZ.
    A peca foi substituida e quebrou, causando perdas irreparaveis como mortes.
    Nao interessa se foram 2, 30, ou 100 mil. Existe o problema, ele eh real, e foi comprovado por orgao competente.
    O que esta acontencendo eh a Fiat querendo economizar uns tostoes.

    ResponderExcluir
  36. Roberto Zullino,
    Sua infantilidada prossegue firme, lamentável. Que erro estatístico? Dei um número absoluto de cubos que não quebraram. Qual a sua dúvida? E só responda: por que será que ninguém reclamou soltura de roda de Stilo em 2009 e nesse começo de 2010, hein?

    ResponderExcluir
  37. Bob,
    Não tente consertar que fica pior. Entendi direitinho o que você quis dizer nas entrelinhas.
    Sequer uma conclusão estatística clara você foi capaz de fazer, simplesmente colocou um número grande dando a entender que milhares não quebraram. Isso é lá conclusão estatísitca? Devia ter citado a população da China, ia ser a mesmíssima bobagem, nda tem com o problema .

    Mas isso não te interessa não é? Interessa defender a montadora.

    Do que adianta dizer os que não quebraram? O que interessa são os que quebraram. Quebraram 30 em 188 mil, isso os de ferro causando 8 mortes e mais um tanto de feridos.
    Em um universo maior de aço nenhum quebrou.
    Posso ser infantil, mas não sou burro e nem desonesto em raciocínios.
    Não te respondo nada, você já deve saber tudo.
    Desça do poleiro, ó paladino das causas nobres como bater em quem não seja montadora. Cuidado com carros de fábrica, Stillos quebram a roda.

    ResponderExcluir
  38. Vamos lá. Meu pai é engenheiro mecânico, com uma enorme experiência no setor de reparação automotiva e a convite da montadora foi até a FIAT e acompanhou todos os testes feitos dentro da fábrica com os cubos usados até então. Emitiu um laudo comprovando que não existe falha alguma nos cubos, como já foi dito aqui. Há algum tempo atras, recebeu uma ligação da promotoria responsável pelo caso pedindo que ele reavaliasse o ponto de vista, pois tal laudo estaria impedindo a finalização do caso como sabemos. Obviamente ele se negou e ignorou o pedido. É triste ver que ainda assim a decisão final foi tomada de forma tão arbitrária, como que em uma caça as bruxas em uma era de toyotas descontrolados etc. Sinto que a justiça deu um salto pra tras.

    ResponderExcluir
  39. Se existe a possibilidade, mínima que seja, de causar acidente e tirar a vida de alguém, o fabricante deve sim ser responsabilizado. É como a famosa Navalha de Occam: "Se em tudo o mais forem idênticas as várias explicações de um fenômeno, a mais simples é a melhor". Nesse caso, a explicação mais simples, ao que parece, é que pode ter havido falha em algum lote ou em determinadas peças durante a fabricação. O fato, e isso não é apenas eu quem afirmo, é que as montadoras, no Brasil, não respeitam o consumidor. Ponto. Um segundo item a se considerar é que outras montadoras, como já citado anteriormente, já fizeram recall pela simples "possibilidade" da peça causar qualquer tipo de acidente. No caso do Recall da Honda, uma criança morreu devido ao curto do botão de acionamento do vidro elétrico. Apenas uma. Quem está certo e quem está errado? Não sei, mas certamente quem sai perdendo somos sempre nós.

    ResponderExcluir
  40. Anônimo,
    Não dá para acreditar em quem não se identifica e conta uma história.
    O que importa é que 30 cubos de ferro quebraram e nenhum de aço quebrou. O projeto original previa aço, substituiram por ferro e deu merda. 8 morreram, o que não é pouco, principalmente se for amigo ou parente de um dos 8.
    Existe um nexo causal claríssimo, arbitrariedade foi o que a Fiat fez ao fazer mudanças para economizar tostões e assassinar gente.

    ResponderExcluir
  41. Roberto,
    Não pedi que ninguém acreditasse ou não no que escrevi. Falei o meu lado da história, não ganho ou perco nada com isso, apenas uso da oportunidade pra desabafar o que penso. Respeito sua opinião e voce tem todo direito de como eu, expor o que acha.

    ResponderExcluir
  42. Augusto Amaral21/03/10 23:39

    Se algum órgão possuir dados estatísticos de acidentes, é possível provar que há algum erro de projeto ou no processo de fabricação mesmo sem sequer olhar a peça afetada. Basta ver se o índice de acidentes causados pelo mesmo problema (soltura da roda por falha no cubo) é o mesmo em outros modelos de carros, comparem com os índices dos modelos mais vendidos, gol, classic, celta, ka, uno, 30 em 100mil pode parecer pouco, mas se nos outros modelos é de 0 ou 0,5 em 100mil, não é difícil a qualquer matemático mostrar que essa diferença não é acaso e que não são só os motoristas de Stilo que dirigem pior que os outros e batem em guias, esse índice de barbeiragem é igual a qualquer carro.

    ResponderExcluir
  43. eu não acreditei, lamento, mas quem me garante que você não é alguém da montadora postando historinhas da carochinha aqui para enganar incautos.

    o preço da liberdade é a eterna vigilância já dizia o brigadeiro eduardo gomes cujo mote na eleição contra o getúlio em 50 era: vote no brigadeiro que é moço e é solteiro.

    foi derrotado porque o getulismo espalhou que ele era contra os marmiteiros, coisa que ele nunca falou, embora devia ser.

    como se vê a manipulação aqui é velha.

    fora que sua história é estranha, para dizer o mínimo:

    ser convidado para um teste dentro da montadora?

    fazer um laudo? cobrando evidentemente.

    quem garante a isenção do teste com o lobo tomando conta do galinheiro?

    quem garante que os cubos eram os mesmos e não foram manipulados?

    como foi feito o teste?

    testes tem que ser feitos em entidades independentes, o que é difícil hoje em dia, uma das citadas pelo feldman abriga o Badan Palhares e a outra fica no muro desde que eu era criança, basta ver o laudo do buraco do metrô, um primor de poleiro.

    testes dentro de montadora tem o mesmo valor que poesia de filho de cinco anos, só pai acredita e aguenta.

    estão fazendo de tudo para provar que as vítimas foram culpadas ao invés de colocarem os burros dos engenheiros da Fiat na cadeia.

    não me entenda mal, sou fã da Fiat, tenho Alfa e Palio e adoro, mas assassinato é assassinato.

    antes que algum engenheiro venha me criticar já vou esclarecendo, sou formado em estruturas pela escola politécnica e tenho mestrado em ciências por stanford university, portanto, bacharéis em engenharia fiquem quietos que bacharel em engenharia não dá pitaco em opinião em mestre em engenharia. se surgir um doutor em engenharia fico quieto, sou muito respeitoso aos superiores.

    do alto de meus títulos acadêmicos minha opinião é que os bacharéis da Fiat fizeram merda. eles que arrumem um doutor para dizer o contrário. até que vai ser fácil. o duro será acreditar.

    ResponderExcluir
  44. Roberto Zullino,
    Essa sua raiva contra a Fiat não tem nada a ver, desculpe. É coisa de quem tem complexo de inferioridade e essa sua postura não condiz com sua cultura e formação.
    Em casos como esse temos que ser frios e não procurar julgar. Eu disse isso no texto. Esse caso com certeza irá para os tribunais e talvez no decorrer do processo se possa apurar mais alguma coisa.

    ResponderExcluir
  45. Não tenho nada contra a Fiat, muito ao contrário, tenho Alfa, Palio, já tive Tempra, Uno e acho que a Fiat fabrica excelentes carros. Acho a Fiat a melhor e mais vitoriosa montadora do país, tenho Fiats desde o 147 e nenhuma queixa.
    Uma coisa não tem nada a ver com a outra.
    Por favor, não dê uma de psiquiatra ao falar de complexo de inferioridade, você simplesmente não tem credenciais para isso, portanto fique quieto.
    Eu poderia falar que você vive do passado, mas prefiro me calar, além de você ser um ranzinza com quem pode bater, bate em alguma montadora que eu quero ver.
    Não me qualifique de nada que não lhe dei esse direito, portanto seja educado e me respeite, do contrário vou qualificá-lo também e você não irá gostar.
    Os tribunais são os tribunais, sempre vence o mais forte e que tem melhores advogados, esperar alguma coisa deles é acreditar em papai noel. A Fiat está com a imprensa toda e os melhores advogados, vai se virar e sair dessa. Pagará umas merrecas para as famílias dos mortos e acabou-se.

    ResponderExcluir
  46. Como os Fiat´s que temos em casa estão originais, ou seja, considerando o assunto, rodas 14, fico um pouco despreocupado em perder uma roda, mas se fizeram essa "bambiarra" num Stilo, imaginem numa Strada Working, que como o próprio nome diz, é usada para trabalho???
    Confesso que vou pensar 10 vezes antes de entrar numa revenda da Fiat.

    Hatch de luxo deles?
    Nem pensar, primeiro foi o "Tipo Flamejante", agora é o "Stilo Perneta", o que acontecerá com o Punto????

    Abraços e calma pessoal, somos todos amigos aqui e todo mundo quando morrer vai virar a mesma coisa, adubo, com ou sem diploma! :)

    ResponderExcluir
  47. Na minha humilde opinião, não há como desconsiderar o fato de quem o problema acontece, até onde sabemos, apenas nos veículos equipados com o cubo de ferro. Isto é um fato!

    Depois, vale lembrar o seguinte. Já vi acontecer de pessoas que instalam as rodas em aftermarketing no Stilo, ou seja, eles vieram com aros menores, o cara vai e instala 17 polegadas com os mesmos parafusos da roda original, não sei, mas pode haver alguma influência pelo material ou comprimento dos parafusos.

    Sobre o recall imposto pela Justiça, vejo dois lados:

    O primeiro, é a preocupação com a integridade do consumir, e o Estado, ao saber que cubos de aço não demonstraram a tendência de quebrar, obrigou o recall. Façamos um paralelo: Você colocaria um cubo de aço ou ferro no SEU Stilo com rodas 17?

    O segundo lado seria o ideal. Caso o consumidor estivesse realmente preocupado com a questão e se informasse antes de comprar um veículo, naturalmente as vendas do modelo reduziriam drásticamente, então de forma natural a FIAT se preocuparia com isso. Ou fazendo um recall, ou adiantando o lançamento do Bravo, sei lá! Mas acho o consumidor brasileiro ainda despreparado pra algo assim.

    ResponderExcluir
  48. Sêo RZ, baixa a bola que o Bob já esqueceu mais do qeu você algum dia vai aprender de carros...pode saber muito de prédios e estruturas, mas é cego de automóvel...quem não sabe a diferença de Stovebolt para Opala não se mete a sabichão...menos,RZ, menos...

    ResponderExcluir
  49. Acho sensato não darem nenhuma conclusão apressada. O fato é que trocaram uma peça melhor por uma pior. Economia porca que gera prejuízo incalculável à imagem da Fiat.

    Hoje mesmo vi o comercial do Felipe Massa falando dos pneus Bridgestone e sua seguraça. Pena que o carro da propaganda era um Stilo. Ah, mas o Felipe não anda de carroça, né?


    A mulher que foi à justiça disse que a maioria dos casos ocorrem aos 15.000 km rodados. Muito pouco pra um erro tão grave. Não vai ser uma encostadinha na guia ao estacionar que vai trazer essa deformação na peça a ponto de soltar a roda. Senão todos os carros fariam isso, porque é muito comum ver pneu com cal de guia.

    Já ouvi falar que esse cubo é o mesmo usado no Uno e por isso não foi bem dimensionado para o porte do Stilo. A verdade é que a Fiat errou ao não aceitar a possibilidade do erro e ainda tripudiar do consumidor ao dar a sua nota, dizem que era uma sentença 'inusitada'.

    Pessoas morreram e desejo que a Fiat pague bem caro para deixar como exemplo às outras montadoras. Aliás, o caso do Fox Guilhotina não foi uma obrigação imposta pelo DPDC?

    ResponderExcluir
  50. Roberto Zullino,
    Vê-se com frequëncia esse tipo de donquixotismo contra as fábricas de automóveis. Não é preciso ser psiquiatra para observar isso. Procure ler numa Autoesporte de 1996 a minha crítica à Fiat na questão dos incêndios em Tipo e depois comente.

    ResponderExcluir
  51. Anônimo,
    No recall do Fox houve um acordo com o DPDC. Nesse do Stilo foi decisão unilateral pura e simples.

    ResponderExcluir
  52. Reporter Vesgo22/03/10 08:27

    Sandalias da humildade pra esse tal de roberto zulino, eta sujeito mais tosco, grande M que é mestre....

    ResponderExcluir
  53. Anônimo,
    Primeiro assine e não fique dando uma de clak do bob. só falta o blog ter linha auxiliar secreta.

    bob,
    não coleciono autoesporte, se tiver link melhor, do contrário por favor faça um resumo se é assim relevante para o asssunto.

    mais don quixote que você não conheço ninguém, sequer chego perto, mas nunca é contra montadora.

    ResponderExcluir
  54. Master 2000022/03/10 09:58

    Zullino, que mestre duka, deve ser o mestre dos magos, somente ele tem razão...deus da sabedoria, aceite a opinião dos outros, cada um tem a sua...

    ResponderExcluir
  55. O problema começou quando a FIAT enfiou rodas grandes demais no Stilo.

    Uma coisa que passou desapercebida por todos aqui.

    Todos os casos ocorreram em veículos com freio traseiro a tambor. NENHUM caso foi em carros equipados com ABS que possuem freio a disco na traseira.

    Todos os casos são de carros na sua maioria com rodas aro 17 e alguns com 16. Nenhum Stilo com roda 15 teve esse problema.

    Baixem o catálogo da SKF de rolamentos e vcs vão ver que o rolamento traseiro do Stilo vem junto com o cubo e existem 2 modelos. Um utilizado por Tipo, Marea e Brava e outro utilizado pela família Palio.

    A Fiat resolveu o problema quando colocou ABS de série nos Stilo com roda 17.

    É só ligar os pontos que vcs chegam ao culpado.

    ResponderExcluir
  56. Se fosse apenas 1 ou 2 acidentes, seria muito fácil usar a história da falha humana. Mas eu como engenheiro não acredito que num universo pequeno, como é o caso do Stilo e principamente veículos equipados com rodas aro 17, 30 acidentes ocorram da mesma forma e por falha humana. É como se o raio caísse 30 vezes no mesmo lugar. E também supondo que a roda tenha saído após o acidente, não me parece de muito bom tom achar isso "normal". Vemos inumeros veículos acidentados e não me lembro de ser "normal" vê-los sem alguma roda. O mais correto na minha opinião seria fazer o recall e depois discutir de quem é a culpa. Afinal são vidas em jogo.
    Bob, respeito teu trabalho, gosto de coisas que escreve ou defende, mas desta vez eu discordo da tua opinião. 30 cubos é muito. Mesmo que fosse num universo de 1.000.000 de VW Gol. É a mesma coisa de achar normal que 1 avião perca a asa num universo de 3.500.
    Carlos Dav

    ResponderExcluir
  57. Roberto Zullino,
    Um amigo tem a coleção completa da Autoesporte. Vou digitalizar a matéria e passá-la.
    Já fiz severas críticas à VW do Brasil por nunca ter lançado aqui a carroceria do Fusca com vidros maiores surgida na Alemanha como o ano-modelo 1965. Sua impressão de que não critico fábricas é infundada. Apenas não pratico a imprensa marrom.

    ResponderExcluir
  58. Mas em agosto de 2008, a Fiat anunciou, na Europa, um recall do Bravo envolvendo o cubo de roda traseira. Na época, dizia ainda que havia risco de soltura da roda, com riscos de perda de controle do veículo e da estabilidade.

    http://www.autodiario.com.br/conteudo/anunciados-varios-recalls-na-europa

    Soa estranho tudo isso. Sinceramente, pode ser até que outro componente tenha avariado o cubo da roda. Mas é difícil acreditar que não haja nada. Afinal, isso só aconteceu, em massa, com Stilo...

    ResponderExcluir
  59. Marcelo R.22/03/10 10:30

    Leiam a página inteira deste link, e a seguinte também. Acho pertinente ao caso discutido aqui:

    http://www.clubestilobrasil.com/forum/index.php?/topic/21612-ministerio-da-justica-determina-recall-do-stilo-e-multa-fiat-em-r-3-milhoes/page__st__160

    Depois dessa, eu desisti de esperar pelo Bravo...

    ResponderExcluir
  60. Li o comentário do link do VRUM e achei estranho o que diz o Boris em que ele cita o fato da roda poder ter se soltado durante o acidente, se isso ocorreu, pra mim demonstra definitivamente a falta de qualidade da roda do cubo. Sabe porque digo isso? simples, um conhecido capotou um Audi A3 com rodas 17'' na Fernão Dias, o teto na sua parte traseira amassou até encostar no assento, a roda traseira direita ficou torcida em 90 graus, pois o braço da suspensão torceu completamente e nem parafusos, cubo ou roda se partiram , será que um Audi aguenta isso e um Stilo, carro que tem um enorme aparato tecnológico, teto Sky lindo, direção elétrica, não suporta tomar um encosto numa guia de meio fio? Há.... e olha que o Audi nem vinha com as rodas 17'' de fábrica.

    ResponderExcluir
  61. Na europa a cadeia, aqui a recursos judiciais que se arrastam até caducarem nos tribunais e outra, na europa a Fiat concorre com mais montadoras do que aqui e lá a imprensa deve bater mais forte, pois atua a muito mais anos que aqui provávelmente.
    No Brasil muitos acham bonito quando um advogado diz: consegui prorrogar a audiência, consegui que paga-se-mos apenas uma multinha, depois ele com sua equipe ainda deve dizer: como sou foda.Pra Fiat três mião não e nada.
    Se não me engano o Stilo teve vida curta na europa, será porque? ai trazem ele pra cá, tentam economizar no que funciona perfeitamente e bomba! Concordo que e difícil julgar as causas, mas também dizer que e barbeiragem de motorista ai e demais, quanto anos vemos carros com marcas de guia e nunca se ouviu falar desse tipo de acidente por causa dessa causa.

    ResponderExcluir
  62. Pois é, a Toyota que se dizia a maior do mundo, mal, mal tomou o posto da GM e vai se lascar nas mãos do governo americano, parece que foi até sabotagem, pois as vendas estavam em alta e o lucro nem se fala, e pra complicar o texto diz que eles escondiam informações a sete anos!quem garante que aqui não está acontecendo o mesmo.

    ResponderExcluir
  63. Vou contar uma que fiquei sabendo a respeito de um problema que até agora não vi ninguém da imprensa especializada comentar da Fiat que e a respeito da númeração do motor que fica gravada no bloco do motor.TODOS os carros FIAT tem problemas para-se retirar o número do bloco quando por exemplo se vai fazer uma vistoria para transferência do veiculo.O coletor e o escapamento impedem que se tenha acesso a esse número visualmente e até para retira-lo para arquivamento nos Detrans principalmente quando o carro acabou de chegar para uma vistoria e emplacamento pois este está quente.
    Em BH dizem que a FIAT fez um acordo com o Detran em que eles tiram fotos (dizem que e foda de tirar essa foto)pois o carro chega pegando fogo, mas isso tem um tempo determinado e que depois a FIAT vai começar a sofre multa já que o número do motor aqui em BH deve constar no documento do veiculo.Realmente eu vi o local e é complicado uma solução rápida e de baixo custo como eles estão buscando para sanar esse problema.

    ResponderExcluir
  64. Roberto Zurrilho22/03/10 12:22

    Sou o dono da verdade! tiro minhas proprias conclusões sem nenhuma prova cientifica

    ResponderExcluir
  65. esse Roberto Zulino, não canta de galo em casa e vem querer dar uma de machão sabichão por aqui... vai lá lustrar teu chapéu de touro, velhaco!

    ResponderExcluir
  66. Filósofo Aloprado22/03/10 13:07

    mestrado na Uniban, dá nisso aí que vcs estão lendo.. um idiota histérico e fanfarrão, esbraveja protegido atrás de um teclado e monitor, peida pra muzenga ao vivo no mano a mano

    ResponderExcluir
  67. Esse Zullino ...(Com certeza foi criado pela avó e brincava de boneca..) é um gênio!!

    Ou ele deve ter um laboratório metalográfico com ensaios de raios-x em casa !! Adivinanha a resistência dos materiais por telepatia!!!


    Bob , não perca tempo respondendo a esse babaca ..

    A matéria está 100% !!!

    ResponderExcluir
  68. Passos Dias Aguiar - taxista22/03/10 13:59

    ô Zulino do pau-fino!
    teu pai tem Fiat?

    ResponderExcluir
  69. A culpa é do Roberto Zullino. Ele quebrou de propósito os cubos das rodas dos 30 carros pra depois falar mal da Fiat aqui no blog e ficar batendo boca com o Bob Sharp.

    ResponderExcluir
  70. Ainda não terminei de ler todos os comentários aqui do blog, mas vamos ser francos?

    Quantas pessoas morreram por causa do bancos traseiros do Fox?

    Quantos perderam os dedos?

    A VW teve de fazer o recall do carro por causa das pessoas que não leram o manual e faziam errado, então porque a Fiat não pode fazer um recall do carro que perde a roda e mata os proprietários e passageiros?

    Quantos Stillos foram reparados pelos proprietários antes de acontecer um acidente? Quantos foram reparados pelas concessionárias na surdina (como sabemos que acontece) antes de uma solução abrangente da montadora?

    Acordem, não dá pra defender as montadoras, principalmente a FIAT e a HONDA como fazem aqui constantemente.

    ResponderExcluir
  71. CAMPANHA " FORA ZULLINO", JÁ !!!

    ResponderExcluir
  72. Queria saber porque sempre que é um problema com carros da FIAT aparece um monte de gente pra criticar e quando é problema com GM ou VW só aparece gente defendendo...

    ResponderExcluir
  73. Apzeiro, meta-se com as rachaduras do monobloco do teu quadrado e não nos encha os pacovás

    ResponderExcluir
  74. Roberto Zulino, só tenho uma queixa contra seu ponto de vista.

    Comece a chamar a Fiat de fabricante e não montadora, que vc será mais respeitado aqui! rsrsrsrs

    No mais, não defendo fábrica alguma de automóveis, apesar é claro de ter minhas preferências, mas eu não sou pessoa pública, não sou formador de opinião, mas mesmo assim tomo cuidado para não emitir conclusões apressadas.

    A VW fez cagada com o FOX e com a demora em resolver o problema, mesmo que ninguém tenha morrido com o caso, pq que a Fiat não pode fazer o mesmo com algo tão mais grave?

    Alías, tenho um Idea ELX entre outros "brinquedos" na garagem, antes que falem que sou pagapau da VW.

    ResponderExcluir
  75. Rafael Palacio22/03/10 15:47

    Para quem quiser ler o laudo do Denatran:


    http://www.idec.org.br/pdf/parecer-denatran-stilo.pdf


    Abraço,

    Rafael Palacio

    ResponderExcluir
  76. A todos:

    Conforme o relato da Fiat, foi utilizado coeficiente de segurança igual a 2. ISSO É MUITO POUCO!!! Só isso já mostra que a Fiat está completamente equivocada em afirmar que é impossível a ruptura da peça.

    Outro erro: afirmar que houve algum acidente, com impacto lateral da roda. Pode ocorrer, mas NÃO INTERESSA! O carro tem que tolerar esse tipo de "abuso".

    Um parente meu, dirigindo um Vectra CD, bateu violentamente a roda traseira direita numa guia (meio-fio). Resultado: a roda se partiu, o pneu rasgou, mas o cubo continuou intacto. Até o disco de freio manteve-se íntegro! Isso sim é que é projeto.

    O carro tem que ser projetado e construido prevendo-se que esforços extremamente maiores do que os normais surjam. Em se tratando de suspensão, cubos e freios, o coeficiente de segurança tradicionalmente adequado é 10 (isso mesmo, tolerar esforços DEZ vezes maiores do que os previstos).

    O carro TEM que tolerar impactos verticais, laterais, e TEM que tolerar o emprego de rodas aro 20" ou maiores, e também TEM que tolerar offset incorreto.

    Ao RZ:

    Voce tem toda razão na sua análise estatística, e as 30 falhas com o material nacional vs 0 falhas com material importado (independente de quais materiais se tratem) explicam tudo. Porém, o Bob tem muitas credenciais que comprovam que não puxa sardinha nem é pago por nenhum fabricante. Ele optou por preferir obter mais detalhes quanto às análises técnicas do problema. Nada contra. Voce e eu concluímos que os fatos relatados bastam. Nada contra também. Eu seria totalmente contra caso alguém dissesse que os números atestam a favor da Fiat, o que seria um absurdo. Ninguém disse isso.

    A todos de novo:

    Não se trata de emitir opinião, e sim de Física Aplicada. Claramente este veículo (Fiat Stilo) não tolera esforços comumentes tolerados por muitos outros veículos, o que caracteriza erro de projeto ou de fabricação. Agiu corretamente o DPDC, mas sabemos que o processo ainda vai correr em várias outras instâncias, e portanto o resultado final ainda encontra-se temporalmente distante.

    Voltando ao RZ:

    Sabemos que a maioria dos carros que "vem pra cá" são aqueles que chegarem em fim de vida em seus países de origem. Se isso for realmente ruim, cabe a nós rejeitarmos tais carros. Eu faço a minha parte rejeitando todos eles. Mas a maioria não faz. Então, de que adianta?

    ResponderExcluir
  77. ENfiat, vc leu e entendeu o que eu escrevi?

    ResponderExcluir
  78. Só essa turma dos trocadalhos para quebrar o gelo aqui... kkkk... me divirto com os caras...

    Pessoal... eeeaasy! calmaê! POW! gosto de ler o que os dois escrevem... pessoas inteligentes como vocês não podem deixar a emoção tomar conta assim...

    Quanto a essa história de sair/cair roda do carro... como que ninguém aqui lembrou do C3... que ironizaram como C3rodas... Alguém sabe se rolou uma investigação mais séria sobre os casos que aconteceram com este carro da Citroen? Não houve nenhum acidente sério relacionado com o C3? ou é mentira, sabotagem à marca?

    ResponderExcluir
  79. Bussoranga...

    Na minha opinião... rodas gigantes, offset incorreto e alterações na suspensão também...
    Tendo em vista que é uma prática comum no mundo inteiro, principalmente pelos mais jovens...

    Esta história tá esquisita mesmo... mesmo fazendo tudo isso a maioria dos carros aguentam.
    Fala aí Apzeiro? hehehe

    ResponderExcluir
  80. Tenho uma idéia pra saber se os carros com os cubos de ferro fundido são realmente seguros, e simples e só pegar alguns veículos bem avaliados por algum orgão, tipo os que atestaram não serem capazes de dar parecer contra ou a favor (os que ficaram em cima do muro)em bom estado de conservação que usem este componente e pedir que os diretores e engeheiros da FIAT rodem com suas familia, filho esposa, netos, vamos ver se eles tem coragem de usar o produto que eles desenvolveram e fabricaram para o nosso mercado que hoje está entre os maiores do mundo em termo de vendas, aliás acabei de ler no jornal o Tempo de BH que a Hyundai já e lider no segmento de hatch no Brasil, passou Focus(grande carro), Vectra GT, Golf.
    Acho que assim vamos tirar todas as nossas dúvidas e poder chegar a um parecer claro sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  81. É muita bobagem escrita .Deveriam deixar apenas os entendidos dar opinião.Assim os leitores teriam opiniões sérias e isentas, baseadas em fatos.Os mais ignorantes desfilam títulos e diplomas na falta de argumentos e fatos.Pessoal vamos com calma, vamos apurar as causas.Se todas as peças fossem indestrutíveis não haveria danos em acidentes. Se as rodas e os cubos não deveriam quebrar em acidentes , todos os veículos deveriam ser objetos de recall.A situação é mais profunda e não pode ser analisada se não tecnicamente. Se ferro fundido fosse a causa do problema deveriam proibir o uso em todas as peças fundidas.Uma coisa é estranha ,inédita e absurda. O DNPC exigir o recall e indicar a solução. Afinal o que eles são?
    fabricantes? Engenheiros especializados? Outra questão importante:Basear a decisão em, apenas um laudo? De empresa especializada em prevenção e segurança no trânsito e recuperção de veículos acidentados? No mínimo o processo esta cheio de falhas.

    ResponderExcluir
  82. Tenho uma idéia pra saber se os carros com os cubos de ferro fundido são realmente seguros, e simples e só pegar alguns veículos bem avaliados por algum orgão, tipo os que atestaram não serem capazes de dar parecer contra ou a favor (os que ficaram em cima do muro)em bom estado de conservação que usem este componente e pedir que os diretores e engeheiros da FIAT rodem com suas familia, filho esposa, netos, vamos ver se eles tem coragem de usar o produto que eles desenvolveram e fabricaram para o nosso mercado que hoje está entre os maiores do mundo em termo de vendas, aliás acabei de ler no jornal o Tempo de BH que a Hyundai já e lider no segmento de hatch no Brasil, passou Focus(grande carro), Vectra GT, Golf.
    Acho que assim vamos tirar todas as nossas dúvidas e poder chegar a um parecer claro sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  83. erlanbiker, até pouco tempo atrás era comum ver os diretores lá em Betim rodando com Stilo Abarth (cubo de ferro fundido + aro 17 como sabemos, com o agravante de peso excessivo causado pelo motor 2.4 fivetech, sky window e parafernália tecnológica). Hoje esses carros estão saindo para leilão interno, muitos já estão no mercado fora de lá, e nenhum até agora com defeitos ou acidentes. Não estou querendo defender eles, mas também não estou querendo atacar eles. Entende?

    ResponderExcluir
  84. Dentre os vários acidentes que ocorrem diariamente no Brasil, parte deles são por causa de peças inadequadas.

    Na ganância pelo lucro e para diminuir custos os espertinhos arrogantes colocam peças de qualidade inferior.

    Em 2004 comprei um Fiat Uno zero Km. Após alguns meses de uso andando no perímetro urbano, devagar, o motor arriou fazendo um enorme barulho. A causa foi a quebra de um parafuso do calço do motor que simplesmente partiu-se.
    E se estive numa rodovia em alta velocidade? Quantos acidentes devem acontecer com outros modelos do Uno devido a esse parafuso que certamente é confeccionado de material de qualidade inferior?

    Certamente foi o que aconteceu também no caso Stilo, ou seja, emprego de peças confecionadas com materias de baixa qualidade que não resistem a qualquer impacto

    ResponderExcluir
  85. Discordo com a opinião do Bob Sharp e do Bóris Feldman. Concordo com a maioria dos argumentos do Roberto Zullino. Mas é somente a minha humilde opinião.

    Uma discussão amigável e civilizada entre duas (ou mais) pessoas inteligentes, letradas, experientes, ponderadas e de opiniões bem diferentes provavelmente chegaria a uma conclusão consensual bem próxima da verdade. Uma pena que a arrogância, agressividade, deselegância e deseducação do sr. Zullino tenha criado antipatia nos presentes e feito com que as partes mais civilizadas se resignassem de participar.

    Parabéns, Sr. Zullino, por conseguir a façanha de causar o término e o desvio de uma discussão tão promissora, mesmo tendo muitos bons argumentos.

    ResponderExcluir
  86. Tá Magno, todo mundo já entendeu.

    ResponderExcluir
  87. Anônimo até pouco tempo atrás não, todos os dia vejo esses diretores com os lançamentos da FIAT e inclusive moro perto da fábrica e como vou de bike quase todos os dias para o trabalho eu tenho que passar na Av. Amazonas que da saída para A Fernão Dias, recentemente vi um carro que se parace com o Linea (acho que se chama CROMA e é uma perua)parece ser extremamente luxuosa e de desenho muito bonito, 500 ABARTH, fora os T-JET,LINEA, todos indo sentido BETIM todos os dias, esperemos que esses não deem problemas, pois são muito bonitos e devem ter mérito a quem disso.

    ResponderExcluir
  88. Puxa, estou até emocionado com a preocupação de muitos com a minha pessoa, com minha saúde mental, sexual, mas ninguém mostrou preocupação com minha saúde financeira, o que é decepcionante. Consegui de graça algumas consultas psiquiatricas, embora não por credenciados, mas já é alguma coisa, foi o que deu para arrumar.

    Só que minha pessoa não está em discussão, nem tampouco minha arrogância, não sou importante assim para esse problema e pouco me importa escribas atrás de uma tela anônima.

    O que importa são os fatos aprendidos:

    -em um universo apenas brasileiro de Stillos com pouco mais de 100 mil cubos de ferro, 30 quebraram.

    -No universo mundial muito maior de Stillos, nenhum cubo quebrou são todos de aço, excluindo-se os brasileiros evidentemente.

    -no universo mundial de todos os carros com cubo de ferro não se tem notícia de quebras, portanto, o ferro fundido não é necessariamente culpado, desde que seja bem projetado e bem feito.

    A culpa da engenharia da Fiat é clara, só resta saber se o cubo foi mal projetado ou mal feito. Para os 8 mortos não adianta muito, fez bem o poder público em parar com esse espetáculo antes que os mortos aumentassem.

    De novo, a Fiat acabou com um bom carro, antes acabou com o Tipo, agora acabou com o Stillo.

    ResponderExcluir
  89. H. Romeu Pinto (Garoto de programa)23/03/10 12:18

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  90. ApzeiroFiteiro23/03/10 13:00

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  91. Zullino,

    ENQUANTO VOSSA SENHORIA (ENTIDADE DE SAPIÊNCIA DESCOMUNAL ALÉM DA COMPREENSÃO HUMANA, PORÉM DURO DE GRANA. ) INSISTIR EM PARTICIPAR DESTA DISCUSSÃO ( que iniciou-se como um bate-papo informativo e produtivo aos respeitados leitores deste Blog e foi DESTRUÍDO por sua prepotência ), continuaremos a pedir :

    " FORA ZULLINO, FORA !!! "

    ResponderExcluir
  92. Marion 'Cobra' Cobretti23/03/10 13:19

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  93. Romeu Pinto,
    não sou aposentado e fui checar na sua financeira e também não reúno as condições, lá eles só aceitam grosso. Fica para a próxima.

    Apezeiro,
    Coloquei os universos só para você virar meu fã, estou enviando foto autografada.

    Marion,
    Ainda bem que você achou alguma coisa para fazer, me odiar.
    Folgo em ser útil em alguma coisa, é ódio virtual, mas melhor que nada e diferente do sexo virtual que é mais encontradiço.

    Bozo,
    Obrigado pela campanha, mas não é assim tão fácil.

    ResponderExcluir
  94. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  95. Havia prometido a mim mesmo que não me envolveria nesta discussão a respeito do recall do Fiat Stilo mas, baseado na quantidade enorme de besteiras ditas por alguns, não dá para ficar "no gelo".

    Não sei aonde alguns aqui encontram argumentos para dizer que o AUTOentusiastas ficou em cima do muro. No texto do post está CLARO que a intenção era somente apresentar os fatos a respeito do problema, dos dois lados (fábrica e vítimas).

    Creio que muitos se esqueceram que o correto posicionamento da imprensa séria é exatamente esse: fornecer informações imparciais, sem apresentar conclusão própria, justamente para não criar uma notícia tendenciosa. Cada um que lê que tire suas conclusões, baseado na experiência e conhecimento pessoais. Eu, particularmente, nesse tipo de texto investigativo, não gosto de notícias onde o autor termina o texto apresentando conclusão própria, a não ser que existam provas incontestáveis que suportem, sem a menor dúvida, a postura do autor.

    Se analisar falhas e encontrar as soluções infalíveis fosse tão simples assim, nós estaríamos a décadas sem ver acidentes aéreos de qualquer tipo...

    Ficam aí meus 2 cents.

    ResponderExcluir
  96. Road Runner
    Essa sua definição de imprensa é apenas o que a imprensa quer que pensemos. Vende a imagem de uma coisa pura, isenta e ideal. Nunca foi assim, imprensa sempre teve lado, desde os panfletos contra reis e imperadores. Não há um jornal no mundo sem lado.
    No caso, o que se está discutindo são pelo menos 8 casos fatais e não vi como se deu voz às vítimas. Portanto, não é o caso de se fazer um post apenas informativo, muito ao contrário. Além disso, aqui é um blog e não imprensa tradicional. É no mínimo estranho esse silêncio e a posição de poleiro em relação ao caso, que convenhamos é simples, tão simples que o poder público não teve a menor dúvida em dar uma porretada em uma empresa poderosa como a Fiat.

    O dono da concessionaria aí de cima deve estar encalhado de Stillos, um carro já morto pelo caso. Mesmo se trocando os cubos, a molecada não vai comprar o carro para colocar rodas aro 17 que é o que querem. Vão comprar outro. ainda bem que não se identificou, acho que ninguém compraria um carro usado dele.

    Informo aos navegantes que não crio nicks e nem posto como anônimo, estou pouco ligando para o que pensam, podem xingar a vontade, falo o que quero e na lata, quem não gosta não leia.

    ResponderExcluir
  97. fabricio sou eu...

    o original, conhecido como El loco, companheiro de equipe do Carlos Takuma Sato...

    Continuo achando o post um lixo, os comentários pachecos, ignorantes, enfim, normais para a média nacional, ou seja, abaixo de 3,5.

    ResponderExcluir
  98. H. Ramos (lutador de jiu-jitsu)24/03/10 11:54

    "Desde 1979, os chineses crescem a 11%, 12% ou 13%, e livraram da pobreza 300 milhões de pessoas."

    Zullino, você acaba de ganhar uma passagem só de ida para a China!

    ResponderExcluir
  99. O Autoentusiastas estimula que sejam feitos comentarios sobre os posts.

    Mas infelizmente alguns acabam saido do assunto e são agressivos sem a menor necessidade.

    Diante disso alguns comentários foram removidos pelo administrador do blog (PK) e os comentários para este post estão encerrados.

    Caso algum leitor queira deixar algum comentário a respeito do post, favor enviá-lo para autoentusiastas@gmail.com.

    Pedimos desculpas aos leitores.

    Atenciosamente,
    AUTOentusiastas
    PK

    ResponderExcluir