COLUNA "DE CARRO POR AÍ"




End. eletrônico: edita@rnasser.com.br                Fax: +55.61.3225.5511                Coluna 2813  10.julho.2013

New Fiesta sedan. Ford ajusta pontaria
Esqueça as linhas, a boa administração de espaço interno, os cuidados, a qualidade da decoração, o extenso pacote eletrônico de segurança e confortos, o motor 1,6 atual, e o câmbio de cinco marchas manuais, feito em Taubaté, SP. Se com meia dúzia, tem duas embreagens, vem da alemã Getrag, joint venture da Ford, e trabalha como se fosse automático, com o ganho operacional da ausência de um conversor de torque, gastador de energia, filtro entre o motor e as reações do automóvel.
Melhor rótulo para o New Fiesta sedan é a pontaria fina no mercado: quer ser o topo do segmento dos pequenos, com refinamento de construção; do motor superior – não há opção do 1.5, mais barato, disponível no Fiesta hatch –, e do preço elevado em versões SE e Titanium para suprir, exatamente, a pretensão e a disponibilidade da fábrica mexicana para enviar máximas 1.000 unidades mensais. Poucas vendas – uns 10% do que faz o hatch produzido em São Bernardo do Campo, SP. Mercados norte-americanos – México, EUA e Canadá – reduzem a cota de fornecimento ao Brasil.
Como é
Automóvel bem acertado. Linhas frontais absorvidas do inglês Aston Martin nos últimos dias de controle Ford, perfil instiga a dúvida se sedã ou cupê, motor em estado de arte: todo em alumínio, duplo comando nas 16 válvulas, aberturas variáveis de acordo com a demanda, 1.600 cm3 gerando com álcool 130 cv – dirigi o carro em condições desfavoráveis: uns 250 kg de ocupantes e altitude entre 1.000 e 1.500m, com evidente prejuízo de performance pela redução da pressão atmosférica. Porém a relação entre a cilindrada e a potência – 130 cv por álcool e 125 cv a gasálcool bem indica a atualização do projeto e perspectivas de ganhos. Gira alto, potência máxima a 6.500 rpm, na contramão dos atuais apelos por redução de consumo, freando e baixando a faixa de giros para a potência máxima. Torque de respectivos 16 e 15,4 m·kgf.
Porta ganhos interessantes, como peculiar bomba de óleo do motor que varia a pressão de acordo com o uso, para reduzir consumo. Os ajustes e folgas entre as partes móveis no motor permitem óleo lubrificante fino, 5W20, e o alternador é governado para repor apenas a demanda. Para reduzir consumo e emissões, a engenharia junta tostões de economia.
Nas diferenças, e agora item de orgulho ao proprietário, a partida a frio, com uso de álcool dispensa o tal de tanquinho. Resistências elétricas aquecem o sistema a partir do quando se abre a porta do motorista. Após pisar na embreagem e virar a chave para acionar o arranque, este continua virando até o motor pegar – como o era o Mercedes Classe A.
Para estar no estreito nicho de refinamento, preços proporcionais. P’rá barato não serve. Sai dos R$ 50 mil e supera R$ 59 mil na versão Titanium, de topo, com a caixa Powershift 6-marchas, manual automatizada e com duas embreagens – para aclarar, o carro não tem dois pedais de embreagem. Aliás dispensa tal controle. O câmbio as possui internamente. As marchas mudam automaticamente ou por demanda.
Tem o DNA da Ford no acerto do acionamento do automatizador do câmbio manual, na direção e na calibração da suspensão. O carro é grudado ao solo. Para reduzir consumo o auxiliar de direção é elétrico e isto se traduz em bons resultados, levando-o ao nível A na tabela do Inmetro.
Nos confortos, a Ford o obriga a falar português para se entender pelo sistema multimídia, para acionar o telefone por Bluetooth e navegar em rotas brasileiras. O sistema tem habilidades como pré-programar velocidade máxima – para emprestar o carro a algum motorista com pouca prática, por exemplo.
No pacote de confortos, estabilizador eletrônico, sistema para arrancar na subida, mantendo o carro imóvel por 3 s, acionamento do pisca-alerta em freadas viris. Charme universal, o piscar 3x ao mexer na alavanca. Bom pacote de segurança sete bolsas de ar, fixação Isofix para cadeirinhas infantis, cintos de três pontos e apoio de cabeça para os três passageiros do banco posterior – não é benesse: a Ford não quis investir para retirar o 3º. cinto e o 3º. apoio apenas porque um mercado sub-equatorial não obriga a portá-los.
Agora não se cogita fazê-lo no Brasil. Hoje a Ford mantém a geração atrasada do Fiesta em Camaçari, BA, e o hatch, duas gerações posteriores, em São Bernardo do Campo, SP. Apenas o declínio de vendas motivará a mudança. Em mercado, é o anti-Honda City.

New Fiesta sedã, Premium, caro
---------------------------------------------------------------------------------------------------
O novo Golf, o Audi e o guarda-chuva
Seqüência de reuniões na Alemanha tecem condições industriais, de mercado, cálculos e projeções de crescimento, capacidade de consumo interno e externo para definir ampliação de atividades da Volkswagen no Brasil. Há anos vem-se estruturando, reequipando, atualizando o parque produtivo e ampliando a capacidade industrial de suas fábricas em São Bernardo do Campo, Taubaté, SP, São José dos Pinhais, PR, da fábrica de motores em São Carlos, SP, e de câmbios em Córdoba, na Argentina, sob o comando da unidade brasileira. Elas têm operação regionalizada, e o termo na geopolítica comercial e industrial dos dias atuais significa atuação no bloco econômico do Mercosul.
Na prática, as reuniões buscam definir o futuro olhando o mercado europeu cair em vendas, claudicar na recuperação e, somente no distante 2017 imagina voltar às vendas iguais a 2009. Idem para o estadunidense. Nesta década perdida os novos mercados emergentes instigam decisões e investimentos em fábricas novas ou ampliação de capacidade industrial para colher bons resultados na China, Rússia, Brasil, Índia, África do Sul e México.
Golf, Audi
O que busca a Volkswagen do Brasil, aclamada pelo governo federal, é voltar ao clima de atualização de produtos fugazmente desfrutado em 1998 quando inaugurou a fábrica de Pinhais e dela extraía atualizados Golf e Audi. O Golf lá continua em homeopática produção, mas o Audi e seu modelo A3 se foram pela baixa escala de vendas.
Agora, mudadas condições e mercados mundiais, os níveis de lucratividade brasileira são tão volumosos quanto desejados, a disputa local permitiu chegada de fabricantes japonesas, coreanas e, até, quem diria, chinesas. Resultado, as pioneiras, antes detentoras de mais de 80% do mercado, caíram a menos de 70% – e o descenso as empurra para abrir espaço às chegantes.
Os encontros advém de decisão maior, como a Coluna contou em outubro passado: a VW do Brasil acabará com a carreira solo, de produtos exclusivos e peculiares, como Gol e Fox, frutos de seu rentável isolacionismo, e falará a linguagem industrial e comercial da empresa no mundo: produtos com mecânica padrão e eventuais diferenças estéticas, formando o mandatório tecido da marca, juntando seus produtos para atuar globalmente.
A decisão a ser efetivada é o varejo da filosofia e significará, por questão industrial e demanda comercial, a construção de dois produtos. No Golf sairá a Geração 4, substituída pela atual a 7ª. A reboque, pela disponibilidade da nova plataforma, voltará o Audi.
Guarda-chuva
Onde entra simplório Guarda-Chuva numa operação de automóveis?
A imagem explica. É instrumento de agregação e proteção, e exibe como será a operação da Volkswagen do Brasil pós-decisão. Havendo, a empresa tomará ares de holding, face de grupo, com todas as marcas por ela controladas – e a VW é poderosa no pedaço –, terá sob a mesma condução, liderança e proteção todas as operações industriais e comerciais de veículos diversos como caminhões Scania, produção e importações da Volkswagen no Mercosul e distribuição sul-americana, Audi, as importações de Porsche, Lamborghini, Bentley e, até, em outro extremo, produção manauara e distribuição pela América Latina das motos Ducati.
Raciocínio é, com controle central e direção apontada, acabarão as distorções pontuais que refreiam a operação da marca como grupo: a pífia presença da Audi e a criticada operação Porsche, com desmesurados lucros ao importador em lugar de preços menores, lucros proporcionais – e vendas maiores, interesse da VW.
Exceto por fator externo – como ocorreu há alguns anos e a VW mundial criou agradável cargo na Argentina para um ex-premiê da Áustria –, o líder da holding deve ser o alemão nacionalizado, administrador, 49, presidente da VW na América Latina Thomas Schmall.

Golf 7. VW do Brasil se nivelará à operação mundial
 --------------------------------------------------------------------------------------------------- 
Anfavea quer Brasil híbrido e ligado
Melíflua, exercendo poder sem se exibir, a associação dos fabricantes de veículos, por seu novo presidente Luiz Moan, protocolou proposta no Governo Federal: reconhecimento de novas tecnologias – motor flex + elétrico; elétrico autocarregável por motor flex; totalmente elétrico; por célula de combustível.
O documento, consenso entre as 40 associadas da entidade, visa iniciar convívio com novos produtos e caminhos, permitindo importar veículos, absorver tecnologia e aplicá-la em futuros nacionais. Parametriza o negócio com os conceitos e prazos do projeto Inovar-Auto, que vai até 2017 e barra, por inviabilidade tributária, importações às marcas sem operação industrial local.
Ponto fulcral do negócio é a parte tributária, tipo Interessa ao país facilitar ou barrar a presença? Pagarão imposto de importação? Terão reduzido ou isento o Imposto sobre Produtos Industrializados? Haverá consenso dos estados e DF para mesmo tratamento com ICMS? Poderão ser objeto de leasing, como aviões, barcos e navios registrados em outros países e por aqui em uso durante o período contratual?
Hoje o elétrico mais disseminado no mundo é o Renault-Nissan, aqui restrito. Em concessionários, disponíveis, híbridos Ford Fusion, Mercedes e BMW.
Respostas pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, enfeixando interesses de várias áreas.
 
Volt, Chevrolet elétrico
------------------------------------------------------------------------------------------------
Roda-a-Roda
Crescendo – Fiat exercitou direito e adquiriu mais 3,3% das ações da Chrysler, nas mãos do fundo VEBA, de seguridade dos funcionários da marca, ligado ao sindicato dos metalúrgicos de lá. Soma agora 68,5%. A empresa italiana tem opção de compra e ofereceu antecipar a adquirir os 6,5% de ações faltantes para completar 75% da Chrysler.
Quanto – Valor em apuração judicial, pelas variáveis que incluem compromissos de possível – mas pouco provável – aquisição, quando a Fiat assumiu a gestão da falida norte-americana. A Fiat quer os ¾ da Chrysler porquanto o percentual lhe dá poderes de gestão sem consultar os detentores das cotas restantes. Seu projeto é fundi-la com a Fiat sob única razão social, misturar os caixas, deslocar e investir onde e no que quiser. Tornar-se-á, então, competidora global.
Mais – A joint venture entre a inglesa Caterham e a Renault, para construir automóvel esportivo, se desdobra. Tony Fernandes, fundador da empresa aérea AirAsia comprou a Caterham para associar-se à secular francesa. No negócio adquiriu 50% da fábrica de Dieppe, onde era feito o mítico Alpine.
E mais - Propôs à Renault ampliar a produção do esportivo de projeto comum; desenvolver subcompacto e utilitário esportivo sobre plataformas Renault e, por custos e mercado, com finalizá-los na Ásia e emblema Caterham.
Adiamento – A Fiat desacelerou planos de retornar com a marca Alfa ao Brasil. “Há muito interesse, mas não há definição”, disse-me executivo grado que transita pelo corredor da diretoria.
Quando - Alfa deverá ser um dos produtos da nova fábrica em Pernambuco, e a presunção é importar para aumentar a circulação da marca, pré-produção. Oficiosamente outubro seria mês de anúncio. Agora, etéreo depois.
Quem? – informação na internet garante, a Caltabiano, rede multimarca, incluindo Chrysler, estaria organizando pré-lista de interessados em adquirir Alfa Romeo. Os italianos serão distribuídos pela ex-norte americana e agora controlada pela Fiat.
Estou fora - Contatada, a empresa declinou da informação. Anota o nome de possíveis compradores, para possível contato em possível volta.
A Fiat confirma: não há operação em curso, e se a Caltabiano importar, será operação independente. A Caltabiano se exclui da coragem.
Começa o Up! - Volkswagen iniciou fabricar o motor de três cilindros e 1.000 cm³ para o Up!, novo primeiro degrau da marca, com produção em outubro. Inicia equipando o Fox, e é da fábrica em São Carlos, SP. Bloco em alumínio, arquitetura eletrônica mundial, novos processos e mudança nas instalações. A expansão em 20% consolida a unidade como 3ª produtora de motores do grupo VW no mundo.
Detalhes - Novos tempos: iluminação por teto translúcido, máquinas consumindo 100 ml/h de óleo refrigerante, muito reduzido em relação aos processos usuais, testes de todos os motores dispensando uso de combustível. Prédio tem ventilação positiva, bloqueando a entrada de poeira. Pessoas e veículos passam por câmaras de limpeza, evitando contaminar o processo.
Mais um Fábrica Nissan em construção em Resende, RJ, tem segundo produto anunciado: o Versa. O sedã utiliza a plataforma do pioneiro produto da instalação, o March.
Continua - Outros usuários da base comum poderão estar na mesma cadeia industrial, como o novo Renault Clio. Cronograma 2014 indica March no primeiro semestre e Versa no segundo. Empreendimento para 200 mil unidades/ano. Nissan pretende 5% do mercado em 2016.
Enfim – Coisas do Brasil, 16 anos após prevista no Código de Trânsito Brasileiro, o Contran, Conselho Nacional de Trânsito, fez valer o texto legal permitindo aos motoristas sem multas no ano anterior, transformar eventual multas leves ou médias em advertência por escrito.
Perdeu - Vale desde o 1º. de julho pela Resolução 404/2012 e o multado deve recorrer ao diretor do Detran, a quem cabe decidir. Óbvia a força da exclusiva filosofia arrecadadora dos Detrans, postergando a regulamentação da medida pró contribuinte. Quem pagou, pagou, e fica por isto mesmo. A omissão beneficia os governos.
Fim – Acabou o picape Ford Courier. Baixa demanda por feição de trabalho, necessidade de espaço na linha de produção e uso de plataforma solitária.
Cinquentão – Líder mundial em tintas, a PPG festeja 50 anos do processo e-coat. Hoje a sétima geração de tecnologia empregando a corrente elétrica para promover a deposição da tinta em superfícies, é livre de chumbo, com grande resistência à corrosão. Diz, o processo já pintou mais de 700 milhões de veículos.
Antigos – Novo episódio de Mundo Museu será exibido pelo canal +Globosat, terça, 23, às 21h. Mostrará o portentoso e didático Museu Mercedes-Benz, em Stuttgart, Alemanha, onde exibe toda a evolução das marcas criadas pelos pioneiros Gottlieb Daimler e Carl Benz. No Museu está o Daimler especificado por Emil Jellinek, e que se transformou na marca Mercedes. Mundo Museu é co produção do +Globosat, que do ramo também exibe o programa Oficina Motor.

Museu Mercedes no +Globosat
 ---------------------------------------------------------------------------------------------------
Gente  João Vicente Faria, engenheiro com MBA, promoção. OOOO Ex-presidente do grupo hidráulico da Eaton nos EUA, volta ao Brasil como presidente corporativo e vice do setor elétrico para a América Latina. OOOO Herbert Demel, austríaco, engenheiro, 60, ex-presidente da Volkswagen do Brasil, análise. OOOO De férias no litoral nordestino, considera ser autônomo fiscal da natureza. OOOO

RN
A coluna "De Carro Por Aí" é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

9 comentários :

  1. Achei meio estranho a Ford apostar na dianteira Aston Martin para quase(ou todos)os seus carros ,não sei se foi uma boa estrategia, e... que venha o incrível Golf 7.

    ResponderExcluir
  2. De Aston a única coisa nesse Fiesta é a grade em formato de trapézio... e nem isso consegue direito. Já o Fusion ficou a cara e focinho, de frente, de lado e de traseira.

    ResponderExcluir
  3. Interessante essa das multas que podem ser transformadas em advertência.

    Pior é que levei multa em um desses tais de radares fixos discretos.

    Irei pagá-la, porque a dita cuja é grave e não posso transformá-la em advertência, mas a considero injusta principalmente pelo local e a velocidade em que transitava.

    Mas eu tenho como ressarci-la que é sonegando o leão. Nunca fiz isso, porque minhas declarações sempre foram corretas. Mas quando nossos governantes se tornam bestas, às vezes precisamos mudar nossos conceitos.

    Tucaneiro.

    ResponderExcluir
  4. Enfim chegamos a era da difusão do comando de válvulas com abertura variável. Ao meu ver o mais notável avanço comercial depois da adoção da injeção eletrônica de combustível. Espero ver o VVL em todos os carros num futuro próximo. E como sempre, tudo surge no japão.

    ResponderExcluir
  5. A respeito do programa "Oficina Motor", é coisa de leigo para leigo. É tudo bonitinho, legalzinho e gostei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O pessoal nao é do ramo....
      Muito ruim mesmo .
      O Autoesporte da Globo , pelo menos é mais dinamico e mais curto.
      Ja falei o pessoal aqui do blog se tivesse a oportunidade de estar na TV iria fazer barba cabelo e bigode.
      E nos iriamos adorar!

      Excluir
  6. Já avistei o Alfa MiTo em versão esportiva algumas vezes, nos arredores de Betim, camuflado e com placas de teste.

    ResponderExcluir
  7. No aguardo do Golf VII... E olhando de perto como se sai esse "Novo New" Fiesta. São dois candidatos fortes à minha garagem em 2014, se meu Polo deixar (cada vez que ando nele desanimo de trocar de carro... O bichinho tá tão bom de dirigir...)

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.