RIVALIDADE ENTRE MARCAS: NÃO MAIS



Inerente ao ser humano, um sentimento, se é que podemos chamá-lo assim, perdura por toda a história das nossas civilizações, e este é a rivalidade. Uma diferença de idéias, de crenças, de costumes, ou mesmo de gostos, gera rivalidade, que pode ou não ser transformada em outros sentimentos. 

A rivalidade pode ser produtiva, como um incentivo à competição e ao desenvolvimento, ou pode ser destrutiva, como acontece no caso das guerras entre povos, que nada mais é que uma rivalidade, ou por diferenças de crenças ou por questões políticas, mas sempre por uma rivalidade entre interesses distintos.

Se no tempo dos gregos e troianos, palestinos e isralenses, a rivalidade acabou em guerra, no mundo automobilístico a rivalidade costuma gerar um acirrado desenvolvimento pela autopreservação. Não apenas a rivalidade existe entre os fabricantes, obviamente cada um tenta preservar seu mercado e ser líder de vendas e dominar o mundo, mas entre os clientes também há esta rivalidade. Ou pelo menos havia.

Pergunte para uma pessoa de mais idade, de preferência um autoentusiasta, se na mocidade não havia uma preferência marcante por um determinado fabricante. Por aqui, geralmente a "briga" era entre os do time da Ford com os do time da Chevrolet, com alguns outros amantes de Dodge. Eram estes os principais nomes do mercado nacional, e normalmente caía na conversa Maverick x Opala x Dart/Charger. Claro, sem esquecer os amantes de Fusca, que também são inúmeros.

Nos Estados Unidos, esta rivalidade entre as marcas sempre foi muito mais forte, até hoje é visivel no gosto dos compradores. Fortalecida ainda mais pela Nascar, a disputa Ford x GM x Chrysler leva o público a ser fiel à marca. Piadinhas entre os apaixonados por cada marca são comuns, com muitos tipos de adesivos de pára-choque tirando sarro um do outro.


Até certo ponto, é saudável esse tipo de brincadeira, pois cada um defende "sua" marca, trata bem de seus carros, tanto antigos quanto novos, e sempre são clientes em potencial dos novos lançamentos, o que os fabricantes adoram.

Mas hoje em dia não temos mais isso. Acabou. Pessoas mais novas muito raramente são adeptos de uma marca, e mesmo quem cria os carros não está tão interessado, do ponto de vista emocional, na conquista do cliente. Antigamente um fabricante poderia fazer um carro com tantos opcionais, geralmente de desempenho, como no caso dos americanos, que mal era viável economicamente para a companhia, mas a conquista do cliente e a superação do concorrente em uma competição já valia todo o esforço e custo.

Assim nasceram carros históricos, como o lendário Corvette ZL-1 dos anos sessenta, custando mais que o dobro de um Corvette comum. Também eram fabricados os carros prontos para competição, os lightweights (leves) com os pacotes de desempenho, como motores preparados, suspensão reforçada, carroceria mais leve e poucos itens de conforto, tudo isso para que o cliente comprasse o carro da marca que gostava para disputar com os rivais nas pistas de arrancada.




Voltando um pouco no paralelo com o futebol, as torcidas defendem seus times até o final. Não precisamos entrar nos fatos de violência entre torcidas, uma barbaridade sem tamanho, mas que teve seu equivalente já no mundo das corridas. Na Austrália, no campeonato de turismo (atual Supercar V8) a rivalidade entre Holden (GM) e Ford era tão grande que os torcedores também saíam no braço, como no futebol, mas é um caso isolado daquela ilha bem estranha.

Claro que tudo isto foi dito de uma forma bem generalista, ainda há quem seja fã de carteirinha de uma marca e que a defenda a todo custo em um debate, mas o que vemos é mesmo que cada vez mais, as marcas perdem o atrativo de serem adoradas, uma vez que o automóvel também está cada vez mais sendo tratado como mero meio de locomoção.

Nada é motivo para brigas ou violência, muito menos algo como automóveis, mas era bem interessante ver o público que vestia a camisa do seu fabricante. Ainda temos um pouco desta paixão nos clubes que carros antigos, mas não é a mesma coisa.

As novas gerações estão bem mais ligadas em atributos diferentes dos que eram tidos como impotantes no passado, agora como os sistemas multimídia e as personalizações, o que não gera exatamente uma legião de fãs como um bom pacote de desemepenho extra como um motor maior ou um diferencial autobloqueante.

Quem sabe ainda não há uma esperança e os fabricantes encontrem novamente uma forma de chamar os clientes fiéis de volta? Tudo uma questão de adaptação aos tempos modernos, pelo menos assim o carro pode ser menos tratado como um mero meio de locomoção de A para B.


MB

102 comentários :

  1. A DTM é um bom exemplo também. Faz muito falta um campeonato de marcas verdadeiro aqui no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A DTM já foi um bom exemplo - e que exemplo - até o início dos anos 90. Hoje mais parece uma versão de alta tecnologia da nossa "stock".

      Excluir
    2. A nossa "stock" é piada pronta.

      Excluir
  2. Ótimo post! Sempre fui fã de Chevrolet, tanto que fui um dos fundadores do Omega Clube... No entanto, hoje dirijo um Ford Focus, e sou muito feliz. Mas assim que der, arremato novamente um Chevrolet mais antigo (Diga-se Opala ou Omega) para ter como xodó...

    ResponderExcluir
  3. Corsário Viajante15/01/13 12:12

    Por um lado, menos "torcida" quer dizer menos gente defendendo coisa ruim só por causa de um logotipo, acho isso muito bom.
    E de forma geral, acho que as próprias fabricantes tinham mais apego à seus valores e costumes, mesmo que isso significasse perder vendas. Hoje elas preferem deixar de lado alguns traços de seu DNA se isso significar mais vendas.
    Uma marca que vem conseguindo conciliar bem seu passado com necessidades atuais, a meu ver, é a Porsche, que ampliou sua linha de produtos sem se perder.
    E, lógico, acho que as pessoas se interessavam mais por carros do que agora. Talvez hoje o pessoal não discuta se GM é melhor que Ford, mas se Apple é melhor que Samsung, etc etc. Basta ver que o "adesivo de parachoque" atualmente que mais vejo é a tal da maçazinha branca...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fato, o mercado de tecnologia anda bem assim mesmo. Pessoal do Linux x Windows x Mac, Android x iPhone, e por aí vai... Até dentro das marcas há rivalidade, tem gente até hoje que se recusa a sair do Windows 2000 e discute fervorosamente com os adeptos de versões mais novas!

      Excluir
  4. Péricles Leite15/01/13 12:22

    Há casos (recentes inclusive) de brigas entre os torcedores da Turismo Carretera argentina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, na Argentina a briga ainda é boa!

      Excluir
    2. Que se batam entre eles eternamente... :-)

      Excluir
  5. Entre a geração do meu pai e tios, isso era claro. Uns eram GM, outros Ford, outros VW. E apesar de ter crescido ouvindo do meu pai que "carro é VW" (3 Fuscas, 1 TL, 3 Variant, 1 Passat, e 1 Gol), não fui contaminado por preferência de marca. Tive seis carros até agora, todos de marcas diferentes. Em tempo: depois de muitos VW, meu pai virou a casaca: 3 Chevettes, e 3 Monzas, he, he!

    ResponderExcluir
  6. Victor Gomes15/01/13 12:28

    Creio que um motivo para essa queda geral pela paixão de uma determinada marca tenha relação com o fato de que os carros estão cada vez mais parecidos uns com os outros. Tanto visualmente como em comportamento dinâmico. Hoje em dia um Honda Civic não é muito diferente de um Corolla ou de um Elantra como era no início da década de 1990. Para quem não é autoentusiasta, antes achavam que os carros eram todos parecidos. Agora, para estes, carros são todos iguais. O que decidirá a compra é saber se ele virá com tela de LCD no painel ou estepe preso na tampa do porta-malas...

    ResponderExcluir
  7. Será que arrumará?
    O capitalismo atual tem a característica de preservar por muito pouco tempo um segredo industrial. Muito do que fazia as marcas serem única eram suas características que estão cada vez mais difundidas e compartilhadas por todos. Ainda há os que defendem marcas com unhas e dentes apegando-se, muitas vezes ao passado. Imagine o absurdo que é você defender um Palio achando que está levando para casa "uma alma de Alfa Romeo". Ou comprar um Celtinha pensando que está levando um "pedaço de Camaro ZL1"
    A cegueira de marcas é irritante. Conheço em particular um fanático por GM que defende cada carro da marca como o melhor de sua categoria. Só aceita outra marca de for de carros exóticos como Porsche, Ferrari etc. Este rapaz soa até irracional. Defende porque defende e ponto.
    Outro que conheço, apaixonado pela Ford, que ainda apoia-se no argumento de suas suspensões boas de curva, que está presente desde o simples Ka até o Focus. Mesmo assim, a cegueira por marca é como um cabresto. Tolhe a possibilidade de novas e boas experiências.

    ResponderExcluir
  8. Quero perguntar ao Bob se a garotada troca o oleo do próprio carro. Eu, por exemplo, só vejo nas comunidades ou bairros boca quente em que o pessoal não tem dinheiro nem pra trocar o oleo do Corcel II.
    Os jovens olham os mecânicos como salários baixos, oficina suja de óleo.
    Como não sou rico, e trabalho com manutenção de máquinas industriais, defendo que o motor AP ou 251 como de fácil reparação caseira, dá para fazer muitos reparos e é muito facil trocar o óleo com uma simples chave Allen de 6 mm.
    Quando eu abro o capô os vizinhos vivem tirando sarro, que não tem marca, tem que ser novo para não ter que abrir o capô.
    A garotada prefere gastar 2 mil com celular do que num Fusca, num Monza para passear, a moda mudou, os jovens também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aléssio Marinho15/01/13 13:04

      Infelizmente mecânica de autos em nosso país ainda é vista como uma atividade de segunda classe, coisa de quem tem tem pouca instrução formal.
      No passado poderia até ser, mas hoje, com o desenvolvimento tecnológico, poucas pessoas são capazes de compreender o funcionamento total dos vários sistemas que compõem um automóvel atual.
      Quando faço algum conserto nos meus carros, sempre aparece um vizinho espantado com a minha capacidade (e coragem) de mexer neles, como se fosse a coisa mais complicada do mundo...

      Excluir
    2. A moda mudou e os jovens também.

      Claro, como sempre. Ainda bem.

      Excluir
    3. Então mudaram pra píor.
      :(

      Excluir
    4. Andre Scudeller15/01/13 16:51

      Fora que os condomínios ainda ajudam a acabar com a vontade de qualquer entusiasta, proibindo o dono de lavar o próprio carro, de fazer qualquer tipo de manutenção e não disponibiliza nenhuma área comum para isso.

      Excluir
    5. Eu tenho esta "mania" de fazer as trocas de óleo e filtro em casa. Dá bastante trabalho, mas eu gosto e ainda acabo economizando pois compro óleo em caixa fechada, bem mais barato.
      Faço eu mesmo também outros serviços símples como trocar outros filtros, velas, lâmpadas, etc.

      Excluir
    6. Passear de Monza? Aí você pegou pesado.

      Excluir
    7. Porque? Comprei um Monza 89 estes dias, carrão.. 3700 reais, pintura e motor bons..

      Excluir
    8. Os jovens? A sociedade olha os mecanicos como sujos e baratos e querem que seja assim, mecanico limpinho e caro poucos querem levar, mesmo desses que "entendem" e que "botam a mão na massa" na hora de ir no mecanico levam no mais baratinho, e esses "entendidos" são os que mais fazem isso. São também os que falam mais perolas como precisar ser rico para manter um motor diferente ou que acham que trocar óleo é difícil e que só é fácil se for num AP

      Além disso acho que se for pra ter carro só pra se mostrar e ficar dando passeio "com as mina" é melhor os jovens gastarem num celular, já que celular não vai precisar dar manutenção e nem saber dirigir (coisas que os jovens geralmente não sabem fazer e que os que compram carro só pra se mostrar, caro ou barato, também não sabem). Menos risco pros outros no transito e menos transito com gente que nem devia estar dirigindo, carro é coisa séria e não um brinquedo. Vai fazer mais pose com a mulherada o celular de 2 mil que um Fusca, pode apostar

      Outro conto do vigário é essa de achar Monza bom de motor e pintura por 3700 reais

      Excluir
    9. Carrão não, Monza.

      Excluir
    10. Desde criança fazia os pequenos reparos na parte eletrica do passat do meu pai, das duas ou três vezes que foi para funilaria não funcionava nada e lá ficava eu fuçando pra fazer funcionar.
      Troca de velas, correia do alternador também fazia, da parte mecânica comecei trocando, lubrificando dos rolamentos dos cubos traseiros.
      O que dificulta é a falta das ferramentas especificas, mas com aparelho de solda, serra e um monte de sucata de ferro e roscas eu vou fazendo as ferramentas e agora já consigo coisas mais complicas como troca de amortecedores, rolamentos, coxins, pivos, reparos dos cilindro de freio. Já troco correia dentada e o rolamento esticador.
      óleo e filtro também já faz anos que tenho feito.

      Quando chegar a hora e se chegar quero vês se terei peito pra encarar a reforma do motor, no caso agora a familia têm uma parati 92 1.8 e uma pampa 1.8, tinha uns 10, 12 anos quando comecei a fuçar nessas coisas basicas fusiveis e lampadas e hoje aos 26 já consigo o básico em termos de mecânica nesses dois modelos.
      Minha area de atuaça é eletrecista industrial e como nessa atividade sempre cai na mão uma maquina eletromecanica que ninguém teve peito de meter a mão na graxa sempre se têm certa noção.
      Aqui na city têm uma retificadora de motores e lá têm peso de maquinas geralmente lá do leste europeu dos anos 60/70. Uma vez estava no interior do municipio e não poderia atender naquele dia e indiquei um cara pra ir lá,KKK o cara entro na oficina e saiu disparando...e assim foi com outros 2... no fim o cara teve que me esparar no outro dia com a maquina parada. Hoje em dia cara querem serviço limpo...

      Excluir
  9. Lorenzo Frigerio15/01/13 12:39

    Realmente, no Brasil as pessoas não se importam com marcas de carro. Pudera, os carros são todos parecidos e a variedade é pequena. A variedade de preços, idem. É a tal "faixa de mercado".
    As pessoas têm que se contentar com "o que tem à venda".
    Quando vão a Miami, ficam chocadas com a quantidade de marcas e procedências, e opções de acabamento. E preços, e ofertas, e leasing.
    Vou deixar as razões de por que o Brasil é assim para os colegas deduzirem como quiserem.

    ResponderExcluir
  10. JONATHAN ALMEIDA15/01/13 12:40

    Concordo, eles mudaram a frente e mantiveram a traSeira do antigo, deve ser pra aproveitar a linha de montagem antiga. JÁ que irriam mudar o design, utiliza-se o modelo europeu completo e não transformar o clio em um Frankenstein.

    ResponderExcluir
  11. Lorenzo Frigerio15/01/13 12:41

    "Nem Gordini nem Ford, o bom era o Simca Chambord."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que na verdade usava um motor Ford.

      Excluir
  12. Aléssio Marinho15/01/13 12:56

    Acho que cada um forma a sua opinião com o passar dos anos, de acordo com as suas experiências.
    Já dirigi carros de várias marcas, anos e estados de conservação diferentes. Isso enriqueceu minhas percepções sobre automóvel.
    A ponto de saber quais eram o meu número, os que combinam com meu jeito de guiar e o que expectativas sobre um carro.
    Algumas me encantam, seja pelas características e detalhes de cada projeto, outras me afastam, pelos mesmos motivos.
    Diferente da turma "radical" só falo sobre o que conheço...

    ResponderExcluir
  13. Sou jovem (tenho 26) e não tenho cegueira por marca, mas tenho uma leve (não tão leve) pelos VW.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jovem e inteligente. Está no caminho certo filho. Que seu flerte vire paixão.

      Excluir
    2. Vire paixão cega e ache que Gol é o melhor carro do mundo...
      Que Golf ainda é carrão...
      Que Fox tem qualidade...

      Piadas à parte.
      Se for se apaixonar, que seja por qualquer um com 2.0 TSI.
      A VW está com o mesmo complexo de GM - Fabricando no Brasil carros feios e velhos e movidos à paixão de outrora e não à tecnologia.

      Excluir
  14. Sempre fui fã dos Dodges e da GM. Mas hoje, e especialmente após a crise do petróleo e a questão ecológica, o automóvel passou a ser visto como vilão. Não tenho mais qualquer preferência.

    ResponderExcluir
  15. Variedade pequena? Tem mais de 300 modelos à venda. O problema que quem vive dentro da caixinha só consegue ver o quarteto GM-Ford-Fiat-VW.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante15/01/13 14:33

      Só da Fiat deve ter uns 200 modelos... rs A gente entra no configurador da marca e fica até perdido!
      Me lembra um comentário de meus pais "antigamente era fácil comprar carro, hoje tem tantos modelos que é impossível saber qual vc quer".

      Excluir
    2. Fácil de resolver. É só ir a uma CSS e falar com o vendedor/tirador de pedidos. Você acaba comprando o que ele te empurrar, até porque mais da metade das opções do configurador simplesmente não existem nos estoques.

      Excluir
    3. Disse tudo anonimo das 15:50

      Excluir
    4. Não existe em estoque por que a fábrica não produz ou o que o revendedor recebe vende rápido? Sou o primeiro da fila a meter o pau em fabricantes e revendedores, mas precisamos ser honestos em fazer a crítica correta.
      Outra coisa, o termo usado pelo senhor para falar de vendedores de automóveis deve ser aplicado apenas ao seu meio porque há inúmeros vendedores de carros da mais alta competência e honestidade.
      E se quer um carro específico, encomende.

      Excluir
    5. Já tentou encomendar um carro? O vendedor te olha feio, o gerente te despreza, te falam um monte de mentiras e se vc ainda conseguir a encomenda vai receber aquele atendimento, não vai conseguir negociar nem o tapetinho, etc. A realidade é que a maioria dos vendedores empurra o que tem no estoque e as fábricas fazem opcionais só pra fazer marketing que depois não vendem

      Excluir
    6. vendedorzin de 15/01 as 22:38

      Fica bravo não meu filho. É assim mesmo, vendedor de carro é tirador de pedido mesmo. Esses aí que você citou são mais difíceis de se encontrar que uma agulha no palheiro. E se for te contar o que eu faço a sua cabecinha vai dar um nó. No meu meio não existe espaço pra gente tosca e medíocre.

      Excluir
    7. Não fico bravo não, muito pelo contrário. E tem mais: quando compro um carro novo, vou direto ao km 23,5. É de lá para a minha garagem.

      Excluir
    8. Km 23,5, é? Pode parar, você já me disse tudo. Sem mais comentários, hehehe...

      Excluir
    9. O que você faz dá um nó na minha cabeça? Caramba, você é neurocirugião, que legal! Realmente dá mesmo, não entendo nada disto.

      Excluir
  16. Na minha adolescência fui fã da Ford, mas só consegui comprar um usado dessa marca e há muito tempo. Parece que seus vendedores não simpatizavam comigo, hehe...

    Aí então, fui fã da VW por certo tempo, mas ao adquirir um veículo que não me agradou, mudei para a GM há 17 anos, embora tenha intercalado um Renault nesse período.

    Atualmente tenho dois carros da GM, adquiridos novos, mas quero mudar. Ainda não tenho ideia qual será nova a marca, mas a certeza de mudança de marca é concreta.

    Mas tem algo que sempre me pergunto: Será que a Toyota é líder por acaso, ou será que seus produtos são mesmo os melhores?


    ResponderExcluir
  17. O automobilismo ajuda e muito a criar essas paixões. Um bom exemplo é o antigo Marcas e Pilotos e a Stock Car. Além da rivalidade dentro do próprio Marcas também havia entre o povo da Stock e o Marcas, mesmo sendo campeonatos diferentes com propostas diferentes. E o mais engraçado é que muitas piadinhas duram até hoje.

    ResponderExcluir
  18. Se esse tipo de rivalidade estúpida e infantil acabou, sinal que evoluímos um pouco. Que bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito, Luis.

      Ass: Zé do Galo

      Excluir
    2. Fecha a conta e passa a régua!

      Excluir
  19. Em tempos em que a Ferrari é da Fiat e a Jaguar e Land Rover pertencem à Tata é difícil se apegar a uma marca. Ou a Autolatina não foi uma heresia? Ou não é estranho um motor 1.8GM num Fiat?

    Já pensou se o Corinthians comprasse o Palmeiras e lançasse uma camiseta Branca preta e verde?

    Eduardo Trevisan

    ResponderExcluir
  20. ainda vejo uma boa rivalidade Ford vs vw. por aqui.
    eu mesmo já defendi chevrolet e ford, mas hj tá tudo mais tranquilo mesmo.

    ResponderExcluir
  21. Me lembro bem da rivalidade que existia entre Corcel II e Passat. A turma da Ford gostava de conforto, maciez, acabamento e economia. A turma da Volks, desempenho, estabilidade, esportividade.

    Eu "torcia" para a Volks. Nos comparativos das revistas sempre ia direto na "velocidade máxima" e no "0 a 100" e adorava ver o chocolate do Passat no Corcel, nem me importava as outras qualidades.
    Hoje me lembro disso e acho graça, pois teria tranquilamente tanto um Passat quanto um Corcel. Ambos carros excelentes.

    ps Mas ainda sou doido num Passat Pointer. Um dia compro um.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me lembro exatamente disso que disse, Jesiel, e curtia muito esse chocolate. E tbm terei meu Passat Pointer, quer dizer, outro, pois já tive um há uns 15 anos.

      Excluir
  22. Caros senhores,

    Minha lista para os 03 melhores:

    1º) Ford Galaxie
    2º) Alfa Romeo Ti4
    3º) Chevrolet Suprema

    Atenciosamente,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante.
      Todos carros excelentes em suas épocas.

      Excluir
  23. As próprias sinergias entre fabricantes que nunca tiveram nenhuma relação compartilhando plataformas (Mercedes/Chrysler) ou simplesmente renomeando veículos (Fiat/Chrysler, de novo) faz com que a defesa de uma ou outra marca seja hoje em dia uma grande bobagem. Acho que por isso admiro tanto a BMW, que nos seus carros (exceto pelo compartilhamento de motores do Mini) ainda não compartilha plataforma com outros fabricantes.
    O desprezo ao passado também é algo que desestimula a paixão por uma marca, como acontece com a Chevrolet brasileira, que continua vendendo bem obrigado, mas perdeu uma legião de fãs nos últimos 15 anos.

    ResponderExcluir
  24. Hoje tudo virou uma grande salada. Vejam o Chrysler 300c coomo é vendido na Itália:

    http://www.lancia.it/it/#/cars/lancia-new-thema/

    Aliás, a FIAT nos faria feliz se trouxesse essa jóia pra cá (a preço justo, of course).


    Ass: Zé do Galo

    ResponderExcluir
  25. Meu foco é mais nos carros do que nas marcas ,se um carro me decepciona procuro outro que acho melhor independente da marca ,não vejo graça em falar que tal marca não presta que tal carro também ,ou falar isto ou aquilo,muitos nem conhece os carros e falam por puro preconceito, e até porque se não tem concorrência, o consumidor só perde .Abraço.

    ResponderExcluir
  26. Hoje tem uma grande rivalidade entre VW e FIAT nas arrancadas, especialmente entre o Golf GTI e o Marea Turbo, mas a rivalidade é bacana só enquanto tá na base da brincadeira, que acaba levando ao desenvolvimento das preparações e consequente diversão :)

    ResponderExcluir
  27. Até poucos anos eu era apaixonado pela Chevrolet do Brasil, mas devido a essa mudança radical que ela tem feito em matar os seus tradicionais e bem sucedidos modelos e lançar carros feios e remendados, perdi completamente o interesse por ela e ao olhar a nossa industria automobilística atual, que sim, tem bem mais opções, só que ao mesmo tempo está sem graça, com cópias descaradas entre os carros, com compartilhamentos de motores entre marcas, perdi também um pouco da paixão por automobilismo.

    ResponderExcluir
  28. Motos Antigas15/01/13 17:24

    OLá,
    Primeiramente, lei é lei, mesmo não sendo fiscalizada, o cidadão deve cumprir, assim lembro meu velho pai:
    "Quando eu estiver olhando faça corretamente, pois estou olhando
    Quando eu não estiver olhando, faça corretamente porquê Vc sabe o que fazer
    É assim que se diferencia Um homem verdaderio de um cabra safado, o Quê Vc quer ser?"

    Meus votos são:
    1- Kombi- Por tudo que representou ao desenvolvimento de uma sociedade brasileira e continuaará por longos anos, mesmo fora de linha.
    2- Uno- Pela possibilidade em um segmento da população poder comprar
    3- OPALA- Pelo luxo, mecânica simples

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que você comentou no post errado.

      Excluir
  29. Não é mais comum aquele negócio de fidelidade com uma determinada fábrica um tanto por culpa das próprias fábricas, que não mantem um padrão para o mesmo carro (vide o Chevrolet Corsa 4300, quanta diferença de acabamento e tratamento com o passar dos anos), ou revisões com preços abusivos que sempre estão ligadas a manutenção da garantia de fábrica de "n" anos; se perder uma das revisões, perde a garantia, ou até mesmo a forma que o usado da mesma fábrica é "bem" avaliado nas concessionarias quando se pretende comprar um modelo novo.

    Mas também acho que a não-fidelidade é resultado da diversidade que temos atualmente; OK não é como nos EUA e outros países da América Latina como o Chile, mas é bem mais diversificado do que na década de 1990, por exemplo.

    Onde existe uma oferta boa, o cliente vai.

    Enxergo alguma rivalidade entre Honda e Toyota. Da impressão que sempre estão se marcando; se uma lança uma melhoria, vai a outra e lança uma outra coisa. Mas, nada muito "intenso".

    ResponderExcluir
  30. Uma pena que a maioria das pessoas hoje trate o automóvel como eletrodoméstico ou como foi dito: mero equipamento para levar de A a B... Creio até que nosso trânsito e seus inábeis motoristas reflitam um pouco essa frieza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O automóvel é o equipamento da família para levar de A para B, C, D, E... e retornar para A. Assim como a geladeira refrigera, o fogão esquenta...

      Excluir
    2. Bruno Hoelz15/01/13 18:37 Penso como você ,a maioria não analisa um carro quando vai comprar.
      Anônimo15/01/13 22:48 Não é bem assim ,tem geladeira maior que gela mais e é degelo ,fogão como mais bocas autolimpante ,e assim os carros ,mais equipados ,menos equipados ,etc...

      Excluir
    3. Lembrando ainda que a geladeira não convive no mesmo espaço com as outras geladeiras, não tem de ceder a vez no cruzamento, não te ultrapassa em pista simples e, principalmente, não colocamos nossa família dentro e rodamos a 100km/h. Minha (tentativa de) analogia foi apenas para ilustrar que o carro não é um eletrodoméstico inofensivo. Além, é claro, de despertar paixões nos entusiastas!

      Excluir
  31. Meu pai até hoje fala que "carro é Chevrolet". Foi dono de um Chevrolet 47 e de um Bel Air 51 nos anos 60.

    Na década de 1970 só teve Fusca(3), Variant e Brasília. Enquanto isso, os parentes apostavam nos Opalas. Mas havia um tio torto que trocava de carro toda a hora, de Fusca a Dojão. Ele mesmo brincava: "Sujou o cinzeiro, troco de carro"... rsrs

    Hoje, cada um tem carro de marca diferente e nenhum defende qualquer fabricante. Por ironia do destino, nunca tive um Chevrolet: ou faltava dinheiro, ou faltava vontade de comprar os modelos disponíveis.

    O que importa atualmente é o produto e a assistência técnica.

    Sobre as competições, temos Stock Car brasileira só com bolhas imitando carros de linha, mas com a mesma mecânica. No Exterior, observo que existem tantas regras nivelando as máquinas, que sinto não existir uma real competição. Se eu pudesse mudar isso, deixava o pau quebrar!

    ResponderExcluir
  32. Sou um apaixonado por 2 marcas.
    FORD e FIAT, tenho na garagem um xr3 92 , Focus ghia 06 , e 147 78 , mas o focus vai dar lugar a um Punto ou Brava, os Fords novos saõ nota 10 , mas a manutenção é absurda.

    ResponderExcluir
  33. Eu sou BMW desde criancinha. M Power!

    E entre os mortais tenho uma queda pela Honda, mas não doentia.

    Abs

    ResponderExcluir
  34. Sou Fordista desde meu primeiro carro... Um Escort Hobby e já foram Focus Sedan, Ecosport e Focus Hatch agora... A meta agora é um Fusion.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O dia em que você andar de carro, muda de ideia. Te garanto.

      Excluir
    2. Fala aí Anônimo 22:19, que carrão voce tem? Deixa o cara gostar de Ford, pelo menos está evoluindo dentro do fabricante.
      O lance da afetividade por um determinado fabricante era comum pois tinha relação com o fato de haver poucas opções de compra, uma rede de assistencia ainda precária e de ser incomum a troca constante do carro da família, dando espaço para criação de laços emocionais.

      Excluir
    3. Anônimo das 22:19, se pra você Focus não é carro, o que sugere? O que é carro pra vc? Estou curioso, conte-me mais champs.

      Excluir
    4. Champs? Caramba, é o Supla!

      Excluir
  35. desculpe, mas tenho que registrar MOPAR OR NO CAR!
    abs Gian
    www.v8nfun.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz sentido. Levando em conta que o Dodge é o carro do pobre norte-americano, é bem por aí: ou aquilo ou nada.

      Excluir
    2. Registremos também que há o adesivo "Mopar IS no car"...

      Excluir
    3. Êita pobraiada de sorte!

      Excluir
    4. Nossa!! Que mortadela com cheiro de caviar é essa?

      Excluir
  36. Quando moleque morava no interior e torcia pela Ford (F100 x C14). Algumas vezes ao ir a cidade ia com meu primo assistir a uma corrida de 6 horas, mas não tinha Ford e sim Fusca, Gordini, DKW (que eu achava esquisito porque alguns não usavam a grade), JK e Simca. Aí eu torcia pelo Simca e seu ronco maravilhoso. Depois acabaram as 6 horas e veio o km de arranda. E num deles um Maverick Super V8 deu laço legal num Dart SE e depois num Charger. Pronto voltei a torcer pela Ford. No entanto, adulto, só tive um Ford, um Del Rey que comprei quase que obrigado. Tive oito VW, de Fusca a Polo Sedan, um Chevette e uma Marajó. Hoje tenho um Megane, mas a paixão por uma marca ficou trás, provavelmente devido ao pós venda de todas elas. Cesar

    ResponderExcluir
  37. Rafael Pinto16/01/13 10:18

    Coincidência ou não, meu pai teve 95% de GM..até hoje..rs

    ResponderExcluir
  38. Eu me considero jovem (30 anos) e sou apaixonado por carros alemães em especial do grupo VAG, tenho até tatuagem no braço de uma marca do grupo. Mas isso não quer dizer que eu seja "cego" por ela, tem carros de outras marcas que acho até melhor mesmo. Mas como amante do grupo (em especial a vw), meus carros sempre foram dela, e quando não é da marca é do grupo. Já dirigi outros carros obviamente, mas muitos deles são sem graça, um exemplo é o corolla que meus pais tem. Na minha opinião, é o típico meio de locomoção confortável, mas pelo menos pra mim, prazer nenhum ao dirigir. Apesar de não gostar considero um excelente carro para um compra racional, carro econômico e praticamente não da manutenção nenhuma.
    Enfim, acredito que ainda há uma rivalidade entre algumas marcas como VW x Fiat aqui no Brasil, mas não deve ser como antigamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já presenciei mais de uma vez discussões Corolla X Civic (os pró Civic um tanto mais apaixonados...)

      Excluir
  39. Muito legal esse post sobre rivalidade entre marcas (principalmente as americanas)Milton ! Eu e meu primo mantemos uma saudável rivalidade entre Chevrolet (Eu) e Ford (ele), mas em termos de Brasil, está difícil eu defender a marca de meu gosto... A Chevrolet que eu gosto MORREU por aqui !!! E a Ford que eu sempre admirei como rival vem vindo com tudo ...

    Abraço

    Rafael F.

    ResponderExcluir
  40. Muito bom o texto! Mudando de saco pra mala, lembrei de uma série de vídeos da Disney com o Pateta, já bem antiga, e um deles ele mostra a transformação da pessoa em posse da direção. Vi em http://www.youtube.com/watch?v=RMZ3bsrtJZ0&list=PL0660BD53781BDAF0&index=1. Gostaria que o Bob Sharp falasse mais sob a mudança (ou a revelação) do comportamento áspero e vil das pessoas ao assumirem o controle de veículos automotores. Autoentusiastas, seu seu time de colaboradores é fantástico, parabéns!

    Jonas Jorge

    ResponderExcluir
  41. Torcia mesmo era pela Gurgel, não sei se por patriotismo ou pela simplicidade e acessibilidade que a mecânica (e a história) proporcionava. Há um ano e meio comprei um Tocantins 91 e ganhei de brinde o prazer de mexer eu mesmo no motor vw a ar. Agora eu entendo vocês autoentusiastas!

    ResponderExcluir
  42. Eu sempre fui VW, sempre fui apaixonado por carros e principalmente pela marca (e pela escola alemã em geral), não sosseguei enquanto não realizei um sonho de criança, trabalhar na VW... passava qdo. pequeno em frente à fábrica da anchieta e pensava: um dia eu quero trabalhar aí.... e aí está!
    Só tive VW, 05 no total e no casamento não é que veio um Ford postiço! rs... me surpreendi com o carrinho, um Fiesta Street 2005... e não é que o carro é acanhado e apertado, mas muito bom?! Só as manutenções na autorizada são salgadas e não se acha peças com a mesma facilidade no mercado paralelo como de um Gol ou Palio....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vicio de marca, achar peça de Rocam é super fácil, só que como é menos fácil que achar peça de Gol (que se acha até no açougue) dá essa impressão

      Excluir
    2. Também gosto muito de Volkswagen. O único problema são as pessoas que trabalham lá. Experimentem ligar no atendimento ao cliente e comprovem. A gente chega a conclusão de que o funcionário Volkswagen é um robozinho que fala, fala, fala e não resolve p**** nenhuma.

      Excluir
    3. Fiesta street era um carro super honesto.
      Rocam foi um grande motor em sua época, que venha os Ecoboost,Sigmas e Duratecs melhorados.

      Excluir
  43. Sou apaixonado pelos Chevrolet de até 10 anos atrás, é uma coisa irracional mesmo, eu simplesmente não tenho coragem de comprar um carro de outra marca.
    Hoje em dia eu não teria um zero km nem ganhando um, os chevrolet viraram m**** e outra marca não serve.
    Mas realmente o que mais vejo são meus amigos com a mesma idade simplesmente ignorando a marca, o modelo, o motor, cambio... pra maioria se anda e não faz barulhos estranhos está bom.
    É difícil ser entusiasta de automóveis nos dias de hoje, ainda mais um entusiasta da Chevrolet, que viu sua paixão morrer em detrimento de remendos cheios de tecnologia dispensável.
    É triste ver uma marca que conseguia vender carros de luxo e sedans grandes em grande quantidade (emplacando um médio como carro mais vendido por um tempo) apostando tanto em um hatch popular cheio de modernidade mas sem nenhum apelo, cade os Gsi? Cade os 6 cilindros?
    Só tenho 19 anos, então vou ter que viver muito em um mundo dominado por computadores e ecochatos, onde um aplicativo para celular é mais interessante que o ronco grosso de um V8 ou um L6.
    Desculpem se não fizer muito sentido, fui escrevendo pra aliviar e não prestei muita atenção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou mais velho mas tenho essa mesma sensação, que logo o sonho das pessoas vai ser como dos moradores de Tóquio, ter milhares de gadgets e achar isso mais legal que um carro ou uma viagem, além de condenarem quem não viva assim e levarem uma vidinha de ficar preso num centro urbano jogando joguinhos como se fosse a melhor coisa que poderia acontecer

      Excluir
    2. Eu adoro os Chevrolets atuais. O Spin é fofo, o Onix lindo!

      Excluir
  44. Não existe mais rivalidades automotivas?
    A rivalidade entre marcas está mais forte do que nunca!
    APzeiros x Fieteiros, Opaleiros x Moparzeiros etc, etc.



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só entre esses grupos alienados continua essas rivalidades toscas

      Excluir
    2. Ou seja, só entre a turma da vila vida loka - que fique claro que isso é um estado de espírito, não uma questão de dinheiro.

      Excluir
    3. Grupos alienados q constituem 80% do mercado de preparação de motores.

      Logo, numa competição de verdade são estes mesmos "alienados" q mantém as rivalidades ativas.

      Link de uma matéria sobre o assunto:

      http://www.jalopnik.com.br/as-dez-maiores-rivalidades-do-mundo-automotivo/

      Excluir
    4. Grupos de apaixonados por automovel. Grupos de pessoas que compram carros por gostar deles, e que se identificam com o que cada um em particular tem a oferecer.
      E que nao compram carros como quem compra liquidificadores.

      Excluir
    5. Se identificar é uma coisa, ser doente de ficar com preconceito de marca e defendendo irracionalmente fabricante x ou y é outra, na preparação não é novidade que a maioria é abestado. O que falar de gente que prepara um carro só pra falar que é melhor que o da outra marca, no lugar de preparar porque quer

      Excluir
    6. Se voce torce para algum time de futebol, voce defende algo com a mesma irracionalidade. Ou voce troca de time quando o seu começa a perder?
      Isso é baseado em paixao. Nao se discute.
      E ninguem prepara um carro so pra mostrar que é melhor que outro. Isso exige tempo, muito dinheiro e dedicação. Quem investe tudo isso é porque quer.

      Excluir
    7. É difícil entender que gostar de uma marca e torcer como torcedor de futebol que sai brigando e acha que o time é sempre o melhor mesmo que perca de 9x0 de todo mundo é diferente?

      Ademais, vc precisa saber mais sobre preparação, a maioria mexe pra mostrar que é melhor que outra marca, que anda mais que o seu carro, etc

      Excluir
    8. Todo torcedor de futebol briga? E os que nao brigam, mudam de camisa? Ou continuam fieis aos seus times, mesmo que percam, mesmo que sejam rebaixados?
      E qual a diferença entre um clube e outro, sendo que todos trocam de jogadores e técnicos entre si regularmente? Como isso pode ser racional ao invés de emocional?
      Realmente existe uma diferença. Por mais acaloradas que tenham sido as discussoes sobre marcas de carros que vi, nunca vi ninguem bater em ninguem por causa disso. No futebol acontece. Nunca vi ninguem tatuar logotipo de industria automobilistica no corpo. No futebol acontece.

      E porque vc assume que eu nao conheço preparaçao, que nunca tive ou tenho carro preparado, e que nao conheço pessoas que tem carros preparados?
      Voce ja viu carros com mecanicas de marcas diferentes? Que tal Fordinhos com motor 318, Chevette com AP, Opala com cambio Dodge, Simca com 4.1, Fusca com 302 e por ai vai. Ja vi até Maverick com motor 4.1 e Opala com 302.

      Se voce acha que todos são irracionais, que o motivo de toda pessoa que investe uma grande quantia de dinheiro em um carro é para mostrar a superioridade de uma marca e arranjar briga voce esta sendo o preconceituoso, e deveria conhecer mais pessoas do meio pra entender como elas são

      Excluir
    9. Já ia dizer isso. Apesar que a briga é mais pelo ódio ao "adversário" do que o amor à própria marca.

      Excluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.