NAZCA: BMW E ITALDESIGN JUNTAS DÁ NISSO

Fotos: carscoop.net, Supercars.net, TopSpeed.com


Um dos carros mais sensacionais da história

O ano de 1991 foi incrível para os entusiastas da marca BMW. Desde 1978 sem colocarem os olhos em um esportivo ou supercarro da marca, a Italdesign, empresa de Giorgetto Giugiaro, mostrou o Nazca, uma criação que só pode ser classificada como fabulosa, ainda hoje. O esportivo anterior havia sido o M1, outro grande projeto.

A Italdesign nunca deu ponto sem nó, e fez um carro totalmente funcional, já que é uma empresa também de engenharia, capaz de conceber veículos e outros tipos de produtos visando a fabricação industrial, desde os primeiros rascunhos dos estilistas até a construção de protótipos totalmente funcionais. Muito mais que apenas  uma casa ou estúdio de estilo.

Esse carro é sem dúvida um dos conceitos mais legais de todos os tempos. Pelas especificações, fotos e filme, ele é incrível, para dizer pouco, e foi sempre bem divulgado pela marca, o que faz mais fácil a vida de quem tem interesse nesse tipo de pesquisa sobre história dos automóveis.

M12: já imaginaram isso sendo produzido em série?

O motor do M12, a primeira forma do Nazca, é o V-12 de 5 litros do BMW 750, o maior do fabricante na época,  aqui com 304 cv. Chegava a pouco mais de 280 km/h e foram construídos apenas três carros.

O criador dessa maravilha de carroceria para acomodar uma mecânica de nobreza comprovada foi o filho de Giorgetto, Fabrizio,  que desenhou o Nazca aos 26 anos de idade, a partir de rascunhos que seu pai fizera, mostrando a idéia para o carro. O quanto o carro tem dele ou de seu pai, só eles sabem, mas o resultado foi ótimo de qualquer forma. 

Giugiaro é terrível, no bom sentido. O artista desenhou o primeiro Golf, o primeiro Passat, o Lancia Delta, o Lotus Esprit, o Uno original, e por aí vai. Deve ser o estilista/estúdio, de maior aprovação pelos trabalhos realizados, e não teve muitas obras onde tenha se perdido. Alguns de seus antigos clientes é que se perderam, como a Lancia, que resolveu fazer carros grandes e gordos depois do sucesso do Delta, ou a Volkswagen, que tem todos os carros iguais hoje, em tamanhos  P, M , G e GG. O mundo ficou mais chato mesmo....Mas desde o final de 2011 a Italdesign é 80% da Volkswagen e Fabrizio, o executivo que toca o dia a dia lá.

Para transformar idéias em realidade, porém, são necessários engenheiros, e Marco Mantovani, filho de Aldo, o sócio de Giorgetto, foi a mão com a calculadora nesse impressionante automóvel.

Diferente do anterior M1 e suas linhas quase retas e cheias de vincos, as curvaturas generosas do Nazca levaram a uma cobertura transparente, de vidro reflexivo,  para evitar o cozimento dos ocupantes, fato que ocorre mesmo com um bom ar-condicionado, já que o calor por radiação solar nada tem a ver com o de transmissão pelo ar interno à cabine. Insolação pode ocorrer também em temperaturas baixas, basta ver as agruras de alpinistas de grandes altitudes.

A visibilidade é muito boa para fora, parecendo que o carro é aberto, mas pouco se vê do interior para quem está de fora.

A bela e aerodinâmica carroceria é de compósito de fibra de carbono, com um coeficente de arrasto divulgado pela BMW de 0,26 no M12.

O Sultão de Brunei, notório colecionador (ou acumulador, dada a extrema intoxicação financeira), pediu um carro para ele, e a Italdesign o fez, dessa vez com motor alterado pela Alpina, o S70B56, com 355 cv, com limite de rotações subindo de 6.200 para 7.000 rpm.  Esse carro é o azul das fotos abaixo.



Em 1992, algumas alterações no projeto original resultaram no C2, que teve versão fechada e sem capota, este último com o motor do 850 CSi, de 5,7 litros e 385 cv, que além da maior potência tinha 100 kg a menos que o M12.

C2: não é fácil encontrar defeitos num desenho desses

Forma pura e que parece cada dia mais atual
  
 
Os bancos são assimétricos, com os apoios laterais menores do lado de fora, para facilitar aos ocupantes entrar e sair. Instrumentos, volante e comandos elétricos são todos de produção normal da BMW, garantia de funcionalidade e de qualidade.

Suspensões muito próximas de carros de corrida do Grupo C fazem o carro bastante duro, mas a estabilidade está na mesma medida. Nâo havia sub ou sobreesterço, o carro era colado ao solo, tirando de letra estradas de serra com curvas fechadas. O curso, porém, é muito pequeno, e o conforto, limitado.

A direção é rápida demais, e mesmo pequenos movimentos das mãos e desvios para comandar algo como os espelhos, por exemplo, fazem o carro se mover. Ponto que deveria ser corrigido numa eventual produção em maior quantidade.

O C2 era muito rápido para 1992, e ainda é atualmente. De zero a 100 km/h em 4,2 segundos e 297 km/h são muito respeitáveis. Em viagem feita por jornalista da revista Autocar, o carro marcou 11 km/l andando a média de 150 km/h. Mesmo com o aumento do coeficiente de arrasto (Cx) para 0,295.




Se fosse produzido, o Nazca teria algumas alterações para ser mais fácil de ser dirigido e atender às normas legais de vários países. Para isso, os faróis passariam a ser escamoteáveis, já que eram muito próximos do solo, pneus e rodas teriam que ser um pouco mais estreitos para diminui as caixas de rodas e a largura total do carro, que chegava a 1.990 mm, praticamente  um Landau ! O painel e alavanca de câmbio iriam 50 mm para frente, trazendo mais espaço, assistência de direção teria que ser adicionada, bem como isoladores de ruídos e vibrações no assoalho e caixas de rodas, local notório na geração do ruído de rolagem de pneus, um problema de muitos carros até hoje. O teto seria mais alto 25 mm para afastar as cabeças, sempre ótimo do ponto de vista de segurança e acesso ao interior. Isso não seria problema para o estilo do carro, pois era realmente muito baixo, com 1.105 mm, apenas 3,5 polegadas acima das 40 do famoso GT40, uma referência quando se fala de carro esportivo baixo de verdade.

No ano de 1992, a Italdesign queria anunciar no salão de Turim que o carro seria produzido a um ritmo de cinquenta unidades por ano, Com preço entre 185 e 225 mil libras esterlinas, mais ou menos a metade do McLaren F1, mas ficou apenas em poucas unidades.

Dada a raridade e as ótimas características, além de um estilo autêntico, quando aparece algum sendo negociado, os preços giram ao redor de um milhão de dólares.

Um modelo M12 na exposição e concurso de Pebble Beach

O C2 na frente, com o M12 ao fundo


JJ

23 comentários :

  1. Os faróis eram escamoteáveis por causa de alguma lei que determinava sua altura em ralação ao chão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os faróis provavelmente seriam escamoteáveis, caso o carro entrassem em produção.

      Citação do texto do JJ:

      "Se fosse produzido, o Nazca teria algumas alterações para ser mais fácil de ser dirigido e atender às normas legais de vários países. Para isso, os faróis passariam a ser escamoteáveis, já que eram muito próximos do solo ..."

      Excluir
    2. Perguntando de outra forma: A lei que obrigaria o farol ser escamoteável? As Ferraris tinham escamoteáveis por causa de alguma lei?

      Excluir
    3. A lei específica eu não sei, mas farós muito baixos deviam ser escamoteáveis pela altura relativa ao solo.

      Abaixo segue um texto traduzido da wikipédia sobre o tema:

      "Numerosos fabricantes de automóveis usavam faróis escamoteáveis para contornar a regulagem de altura dos faróis. Nos Estados Unidos, por exemplo, a Toyota exportou sua versão de farol retrátil do AE86, conhecido como Sprinter Tureno, no lugar do Corolla Levin. Como o primeiro teve maior altura dos faróis, suficiente para satisfazer as regulamentações dos EUA, em vez de elevar a altura do corpo que afetaria o manuseio do carro.

      Leis norte-americanas permitem agora faróis aerodinâmicos, em detrimento aos faróis escamoteáveis, que representam custo adicional, peso e complexidade, bem como preocupações com a confiabilidade com a idade dos carros.

      Normas internacionais de segurança automotiva, como a ECE, também têm incorporado recentemente proteção aos pedestres restringindo protuberâncias de carrocerias de automóveis, tornando-se mais difícil e caro para projetar tais faróis.

      A última vez que faróis escamoteáveis apareceram em um carro de produção foi em 2004, quando o Lotus Esprit e o Corvette C5 terminaram sua produção. Desenvolvimento de eficientes e brilhantes faróis de LED, de tamanho pequeno, provavelmente evitaria a necessidade de faróis escamoteáveis completamente".

      Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Hidden_headlamps

      Alguns dos problemas com os farós escamoteáveis: no inverno as tampas dos farós se congelam quando fechada, além de normalmente não se lavar um farol deste tipo. Como o mecanismo escamoteável do farol falha, os proprietários iriam deixá-las abertas o tempo todo, o que não é uma boa ideia. Alguém atingido por um carro com faróis escamoteváveis abertos pode ficar gravemente ferido. Para os padrões globais de segurança isso não é nada bom.

      Excluir
  2. Quando vejo esses projetos, de mais que 20 anos e ainda tão atuais, me pergunto o que aconteceu, para piorarmos tanto...
    Ari Rocha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Professor Ari Rocha,

      muito fácil responder, e o senhor sabe a resposta: projetam-se carros para agradar à maioria e vender. Carro para quem gosta de carro de verdade é cada vez mais raro.
      Um grande abraço !

      Excluir
    2. Falou tudo, JJ!

      Aurélio.

      Excluir
  3. Simplesmente um dos carros com o desenho mais incrível já criado.

    ResponderExcluir
  4. É impressionante que mesmo com a atual mania de se fazer carros com cada vez mais vincos, o M12 e os C2 conseguem parecer cada vez mais belos e atuais. É um desenho atemporal, assim como um ótimo exemplo que beleza e funcionalidade podem andar juntos.

    Mas queria mesmo saber era se alguém muito endinheirado poderia encomendar um novo em folha para a Italdesign, mesmo que com outros componetes mecânicos, como o V10 que equipava o M5.

    ResponderExcluir
  5. Fabio, Os Porsche/Dauer de rua tinham os faróis mais altos por força de lei na Alemanha. SNME existe lei pra este item em quase todos os países.
    Eu tenho um Poster de uma Quatro Rodas com o C2, um belíssimo carro.

    ResponderExcluir
  6. Excelente post, mas poderia ter sido dito algo sobre outro filho do mesmo projeto, o Volkswagen Nardo.

    ResponderExcluir
  7. Me fez lembrar o poster que eu tinha no meu quarto... veio na "Quatro Rodas", acho que a maioria sabe do que estou dizendo.

    ResponderExcluir
  8. Eu tenho o poster e a miniatura montada da Revell , na qual eu modifiquei a grade para o modelo BMW. escala 1:24.

    ResponderExcluir
  9. Não sei quem copiou de quem mas a GM tinha um protótipo muito parecido em 1990 chamado CERV III. Me lembrei por causa de um joguinho de PC antigo que eu jogava...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não era tão parecido, não, as proporções eram bem diferentes, principalmente na metade posterior.
      http://www.supercars.net/Pics?v=y&s=c&id=316&p=1990_Chevrolet_CorvetteCERVIIIConcept2.jpg

      Excluir
    2. Need for Speed II SE - Eu tenho original até hoje guardado...kkk

      Excluir
  10. Grande sultão do Brunei: pediu o carro como eu pediria, ou seja, com um interior que não o feio, soturno, e claustrofóbico pretinho básico. Ô praga dos infernos! Viva os interiores claros!

    ResponderExcluir
  11. Lorenzo Frigerio26/01/13 19:16

    Estava esperando por esse post...
    O motor S70 da M12 do Sultão não é o mesmo utilizado na MacLaren F1?
    Essa traseira lembra bastante a do Acura NSX - outro carro que merece um post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio,
      quando você pediu, eu anotei, por isso está aqui. O Cizeta Moroder ainda vai demorar um pouquinho, aguente aí.

      O motor do F1 era o S70/2, com o duplo VANOS, diferente desse do Nazca.

      Excluir
  12. Beltrano, o mais fulano dos sicranos.26/01/13 22:24

    ... e para quem é fã do Giugiaro, vai haver uma exposição dedicada a ele, no Museu da Casa Brasileira, aqui em São Paulo, a partir de 07/02.

    www.mcb.org.br

    ResponderExcluir
  13. Que carro lindo!

    É o carro mais lindo que já vi. O Sultão tem muito bom gosto.

    ResponderExcluir
  14. Muito louca essa matéria! Seria interesante ver uma matéria sobre o Italdesign (ou Lamborghini) Calà, sou muito fã deste carro. Aproveitando, gostaria de parabenizar-lhes pelo ótimo conteudo do site!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos Barbosa28/01/13 16:15

      Também gosto do Nazca C2, mas o Calà é incrível, realmente seria legal uma matéria sobre ele. Ótimo site!

      Excluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.