MINI DESTRUÍDOS, MAXI DESPERDÍCIO




Um vídeo no YouTube contém cenas de indignar quem gosta de automobilismo, mas que também deixam pasmo qualquer ser humano dotado de alguma racionalidade. São os Mini-Cooper JCW usados na Mini Challenge, competição monomarca que freqüentou as pistas do Brasil nos três últimos anos, sendo destruídos.

Provas da Mini Challenge, sempre muito disputadas

Os carrinhos, que entraram no Brasil pelo expediente da importação temporária, tinham "prazo de validade" para permanecer no país, já que neste tipo de importação as nossas salgadas taxas não são pagas. E sendo assim, findo o período "X" (que possivelmente no caso dos Mini foi renovado uma ou duas vezes), qualquer bem – carro, moto, lancha ou outra coisa que  tenha ingressado no país nestas condições, deve ser devolvido a sua origem ou... ficar! Mas desde que se paguem os impostos, claro.

Uma cena de chocar

Consta que os organizadores do torneio, a JL Racing da família Giaffone, donos do lote de preparadíssimos Mini, tentaram exportá-los para outros países, sem sucesso porém (saiba mais). Quanto ao custo do acerto com a Receita, este foi considerado inviável. Fracassadas as tratativas, nada mais restou do que cumprir o que manda a lei, destruí-los.

Isso não é novidade: cansei de ver, nos anos entre 1976 e 1990, quando a importação de veículos era absolutamente proibida no Brasil, motos de competição serem picotadas e destinadas ao ferro-velho: Hondas CR, Yamahas YZ, Kawasakis KX, lindas, perfeitas, trazidas em regime de importação temporária, serradas em pedacinhos para que nada pudesse ser aproveitado – a não ser a matéria-prima – diante de um agente da Receita Federal.

Agora foi a vez dos Mini que, pelo que li, chegaram em um caminhão cegonha ao "campo de extermínio", desembarcados em pleno funcionamento e, sem apelo, seguiram para o fim de sua existência. Oh, dor.


Lei é lei, se cumpre, não se discute. Este dito encerra a (triste....) realidade de que se a regra do jogo da importação temporária é sabida desde o início, o que ocorre ao final pode ser lamentável quanto for, mas está previsto.

Todavia isso tudo não me desce: eu, criado por pais que sofreram na carne as agruras da Segunda Guerra Mundial in loco, aprendi com eles que até um prego torto que encontro na rua serve para guardar, e ser usado quando necessário. É exagero? Claro, mas a questão não é o prego, mas a filosfia encerrada na guerra ao desperdício.

Ver bens de qualquer tipo que estejam em pleno funcionamento sendo destruídos é para mim inadmissível sob qualquer ótica. Coisa de ignorantes perdulários, de quem não dá valor ao trabalho por trás de qualquer coisa criada e construída por seres humanos, com alguma inventividade e sempre muito (mais) sacrifício.

Se quem importou não quer ou pode pagar as taxas, que o lote vá a leilão. Mas melhor mesmo seria se a entidade responsável pelo esporte a motor no Brasil fizesse o que dela se espera, usando sua suposta credibilidade para ser a "fiel depositária" dos carros, e tratasse de criar uma categoria para novatos, onde o "custo" dos impostos não pagos fosse negociado em Brasília com a justificativa nobre de "apoio ao esporte a motor de base".

Delirei forte agora, não? CBA e o alto comissariado instalado no Planalto apoiando o esporte a motor... É de rolar de rir, não é mesmo?  Imagine só se aqueles que aleijaram Jacarepaguá, instalando dentro dele um Velódromo caro e fora de padrão e um parque aquático que ninguém usa ou cuida, e terminaram sua "colheita" agorinha, aniquilando o que restava do autódromo sob a nobre justificativa olímpica vão se dignar a zelar pelo esporte a motor. E a CBA? O que é isso? Companhia Brasileira de Alumínio, ou de Alimentos?

Minis sendo triturados, uma cena que não gostei de ver. Temo que do jeito que vão as coisas, ainda vou ver coisa pior.

RA    

92 comentários :

  1. Não dava para vender os bichinhos, mesmo 'alienados' ?

    ResponderExcluir
  2. Realmente triste, dói aos olhos de qualquer autoentusiasta.

    ResponderExcluir
  3. Chorei... e me lembrei das CR´s, YZ´s, RM´s, KX´s... e chorei de novo....

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho paixão pelo mini cooper. compraria um sem pensar 2 vezes, estou querendo comprar o modelo antigo entre 1959 e 1967.
    Abraço
    Coronel Anônimo

    ResponderExcluir
  5. Absurdo e ridículo.

    ResponderExcluir
  6. Daniel San25/01/13 12:29

    Sem falar que para as cabeças coroadas do pt (com minúsculas,mesmo),o automobilismo deve ser um "esporte de burguês",que não deve ser estimulado em nosso país. Uma cena de dar nó na garganta,tanto pelo ponto de vista do autoentusiasta como pela estupidez do desperdício e da destruição pela destruição.
    Parem o mundo que eu quero descer...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Daniel, isso é fácil resolver. É só argumentar com a baba que o Chavez gasta para manter o Pastor Maldonado na Williams, que é capaz deles mudarem de ideia ;-)

      Excluir
    2. Verdade verdadeira todo esporte profissional é de burgues, já viu quanto treinamento tem que fazer desde pequeno? Trabalhar não dá também

      Isso não é desculpa para desvalorizar qualquer esporte, mas pode ter certeza que muitos desses que falam que é esporte de burgues colocam amigos e parentes seus pra mamar do governo e poder praticar esse esporte, o Chavez é um bom exemplo

      Excluir
    3. Anônimo 25/01/13 15:35,

      Pastor Maldonado é um piloto competente, está lá por mérito próprio. Tudo bem que ele não chega aos pés de Ayrton Senna, mas venceu uma corrida, o que mostra que ele é competitivo, não está lá no esquema pay-per-race.

      Para vencer uma corrida na F1 são necessários ANOS de preparação, e Maldonado vinha preparando-se bem antes de Chavez assumir o poder...

      Excluir
  7. Isso é reflexo da preguiça que impera na administração do país.

    ResponderExcluir
  8. Pois é... Parece ser tão simples solucionar questões como essa. E você deu boas sugestões.
    Melhor seria espalhar esses Minis pelo Brasilzão, "plantá-los" em praças públicas como objeto de decoração..... Sei lá.... Tudo, menos a destruição.

    ResponderExcluir
  9. Realmente, bem tipico da banania...

    ResponderExcluir
  10. Putzzzz, ir a leilão seria o mais lógico, assim encontrariam compradores que paggasem a receita federal e o imbróglio estaria desfeito, mas destruir???

    Alguém sabe como tratam essas situações em um país como os EUA ou países Europeus?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente eles pagariam as taxas, que são bem menores que aqui na impostolândia. Só um palpite.

      Excluir
  11. Quer dizer que se importarem temporariamente um avião terão que destruí-lo também? Num caso desses os bens deveriam ter sua propriedade transferida à União, que depois poderia leiloá-los.

    Também considero inaceitável destruir coisas que ainda estão em bom estado! Ou mesmo coisas cujo reparo seja simples. E o estranho é que boa parte da geração mais nova, tão ligada no "ecologicamente correto", parece não se importar muito com casos como esse, que representam um grande desperdício de trabalho, recursos e energia... Talvez porque a obsolescência programada, ou forçada, das coisas, já esteja muito enraizada em suas vidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. cara, eu tenho 22 anos e posso listar inúmeros jovens que ficam indignados com este caso, entre fóruns, eventos e etc que participo e faço parte. chega a ser revoltante o caso acima, o governo bem que poderia dar um jeito e vender esses carros, nem que fossem em leilões, ja arrecadariam uma grana absurda que acaba de ser jogada no lixo.

      Excluir
  12. É realmente lamentável, num pais onde há tanto desperdicio em outras esferas poderiam poupar os mini.

    ResponderExcluir
  13. Este caso, o daquele programa norte-americano visando a renovação da frota, o de carros "inteirões" apodrecendo e sendo saqueados nos nossos depósitos públicos, aqueles abomináveis derbys de demolição, carros bons abandonados nas ruas e que não podem ser "adotados" por quem os queira, enfim, tudo isto é uma estocada no coração de quem ama essas coisas sobre quatro rodas. Uma que particularmente me deixou doido, foi aquele crash-test entre um Chevrolet Bel-Air 59, e um Malibu 2009. Ver aquele Bel-Air em totais condições de restauração a ponto de colocá-lo "0km" ser destruído daquela forma, doeu na alma, tanto mais por serem as "barcas" americanas dos anos 50, os carros que mais me fascinam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo menos aquele velhote (o Chevy Bel-Air) deu sua vida por algo útil: provar os avanços na área de segurança passiva...

      Excluir
    2. Mr. Car e anônimo logo a seguir
      Procurem ver de novo e constatem: o Bel-Air foi preparado para "implodir", ou teria demolido o Malibu. o que pegaria muito mal.

      Excluir
    3. Bob, preparado ou não, o fato é que ele acabou. Snif, snif...plinc! Mas a verdade é que também achei o Bel-Air de uma fragilidade além da esperada. Aquilo foi uma fraude, então? Só vi o vídeo, não li nada mais abrangente sobre o teste.
      Abraço.

      Excluir
    4. Mr. Car
      O Bel-Air literalmente implodiu, observe bem. Naquele tempo era ao contrário, o carro ficava mais inteiro e quem estava dentro se machucava bem, pois não havia absorção da enegia do impacto.

      Excluir
    5. O Bob esqueceu que além disso a estrutura dos carros hoje é muito mais forte apesar das partes de estética serem muito mais finas e frágeis, assim o Bel Air pode sim sair como saiu daquele teste contra o Malibu, é fácil ver acidentes com esses carros tipo Bel Air com a cabine invadida enquanto é cada vez mais difícil isso num carro atual

      Não seria bom pra indústria americana defender carrinhos pequenos e frágeis no lugar das barcas, não teriam pego um carro como o Bel Air pra fazer aquilo e ainda menos teriam usado um Malibu (carro nacional e grande) como vencedor

      Excluir
    6. Os carros antigos não tinham chapas encruadas, era tudo aço mole de baixíssima resistência, a resistência vinha da espessura da chapa e não qualidade do aço. Mas o mais importante é que a carroceria não era estrutural... O comportamento até hoje é igual para pick-ups com "lader frame". É só comparar o crash-test de uma Ranger com da Amarok, e ver como o comportamento é parecido com o Malibu contra o Bel-Air:

      http://www.youtube.com/watch?v=xdvEIMq6vGI
      http://www.youtube.com/watch?v=7yyiS8jc_D8

      Mas o crash test que eu mais gosto de ver é esse aqui:
      http://www.youtube.com/watch?v=NpsVqW-4pwU

      Excluir
  14. Bob. E o M3 GTS V8 do teste de dias atrás? Terá esse fim também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 25/1/13 12:52
      Nesse caso não, pois é carro emplacado e para isso é preciso ser internado (pagar todos os impostos) antes.

      Excluir
  15. Lei se discute sim. Direito não se resume à lei, é bem mais amplo que ela. Cabe ao Judiciário (e somente a ele) adequá-lo aos fins sociais a que se destina, aos bons costumes, e, principalmente, ao preceituado na Constituição Federal. Ou então ao Congresso Nacional, revogando-a ou alterando-a. Cabe aos cidadãos interessados e aos que se sentirem prejudicados buscar quaisquer dos dois Poderes (Judiciário e Legislativo). Afinal, isto é democracia, e não uma ditadura legal: vivemos num estado democrático de direito, e não apenas num estado de direito. É como diria à música: "quantos menos sabemos, mais ficamos sentados em silêncio / the less we know, the more we sit still" (Science of Fear, The Temper Trap). E complemento: quanto mais ficamos em silêncio, mais o sistema se perpetua. O direito tem que se adequar à sociedade que o criou, e não ao contrário, a sociedade não pode ser "serva" das normas legais já estabelecidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mais fácil reclamar no Facebook e em Blogs...

      ____
      42

      Excluir
    2. Luis Tiago, sua colocação foi perfeita. Esse mantra eternamente repetido de que lei não se discute, se cumpre, e se for o caso se altera, é uma vergonha derivada da ditadura da maioria e da ditadura legal que as democracias ocidentais se transformaram, sob o argumento de se garantir a estabilidade social.

      Lei se discute, lei se debate, e em nome da justiça, lei se combate e contras as lei devemos nos insurgir.

      Que a história prossiga e mostre ao idiota do Fukuyama sua estupidez!

      Excluir
  16. "Ver bens de qualquer tipo que estejam em pleno funcionamento sendo destruídos é para mim inadmissível sob qualquer ótica. Coisa de ignorantes perdulários, de quem não dá valor ao trabalho por trás de qualquer coisa criada e construída por seres humanos, com alguma inventividade e sempre muito (mais) sacrifício."

    É exatamente o meu pensamento. E pior é que tem um monte de gente que ainda me critica, por causa disso, me chamando de pão-duro. Brasileiro deve se achar um povo milionário para desperdiçar tanto "neste país".
    Para mim não faz nenhum sentido descartar algo que ainda cumpre seu papel e bem para comprar algo novo só por ser novo.
    Já está mais que na hora de acabar com essa lei anacronica da importação temporária, resquício de uma época de importações proibídas.

    ResponderExcluir
  17. Agresti, ao contrário do que escreveu, eu não enfrentei guerras nem passei fome, sempre tive um teto para dormir e sempre tive pelo menos o arroz e feijão na mesa. Porém, desde pequeno, nunca aceitei esta cultura do desperdício, é lamentável. Infelizmente, como disses, não será a última vez que vemos isso...

    Cultura do desperdício = desperdício de bens, máquinas, vidas, tempo, mão-de-obra, espaço, etc...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante25/01/13 13:42

      Bom, estou no mesmo barco que vc, mas devo isso à meus pais que sempre me ensinaram o valor das coisas, e não o preço delas. Infelizmente pais educando filhos hoje em dia virou um artigo bem raro.

      Excluir
  18. Absurda situação, Agresti.

    Tinham que ter pensado na destinação final ANTES de importar. Mas acho que, para ir a leilão, a empresa já teria a dívida inscrita, o que geraria restrições cadastrais. Depois, se o valor arrecadado no leilão fosse inferior ao débito (o que costuma acontecer), haveria o resíduo a ser pago pela importadora. Não sou advogado, mas tenho quase certeza disso.

    Esse fato só reforça aquele preconceito de que "automobilismo é esporte de burguês". Infelizmente...


    ResponderExcluir
  19. Até onde eu sei, quando a Receita ou a Polícia Federal apreende algo importado ilegalmente (descaminho ou contrabando), nada é destruído. É dado perdimento daquilo em favor da União e depois doado para órgãos públicos ou leiloado. Só é destruído o que for ilegal importar, como drogas, remédios, agrotóxicos e etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só complementando a informação, a destruição vale também para produtos falsificados, piratas, coisas assim, visando preservar direitos autorais, patentes, marcas etc.

      Excluir
    2. Eu também. Até onde sei tanto a PF quanto a Receita só destroi algo se for agrotóxicos, remédios, produtos piratas/falsificados e drogas.

      Excluir
    3. Isso é no caso de importação ilegal, muamba mesmo. Se for essa aberração de importação temporária é preciso despachar o bem para outro país, pagar as taxas e deixá-lo aqui ou simplesmente destruí-lo de forma a não sobrar nada.

      Excluir
    4. Neste caso os bens fora importados legalmente.

      Mas pra esse caso o "Mineirim" matou a charada. Se a importadora quisesse, tentaria de verdade arrumar alguma empresa que ficasse com os carros no exterior. Nem que fosse o caso de fazer uma "doação", ficando a empresa lá fora responsável por pagar apenas os custos de transporte e de aduana no país de destino.

      Se eles tentaram fazer isso e ninguém topou, é porque provavelmente ficaria tão ou mais caro fazer isso a comprar um carro de corrida idêntico 0km lá.

      Fora que, se eles também quisessem, poderiam ter tentado a via judicial. Entra com o processo e já pede uma liminar pra embargar a destruição dos carros até que ocorra o trânsito em julgado.

      É triste? É! Porém, nesse caso, não adianta pichar o PT, a Dilma, o Gilmar Mendes, o Sarney, o Obama, o calendário Maia ou quem quer que seja. Quem importou os carros tinha meios de impedir isso e, aparentemente, não se esforçou para utilizar de todos eles.

      Excluir
    5. Isso só evidencia a aberração disso. Para produtos de importação permitida, mas nacionalizado de forma irregular, doa-se ou leiloa-se. Agora um produto regular, importado de forma regular, mesmo q nesse esquema temporário, ser destruído no caso de algum problema no processo. Fim da picada!! Ele deveria recair na mesma situação da importação irregular e ser tratado da mesma forma, perdimento do bem, doação ou leilão.

      Excluir
    6. Concordo plenamente!

      Esses carros seriam muito mais úteis num laboratório de engenharia mecânica de uma universidade federal do que numa montanha de aço e alumínio para reciclagem.

      Mas aí entra outra questão também. Uma montanha de aço e alumínio ainda rende algum dinheiro ao dono, só vender o kg pra alguma metalúrgica; uma doação para uma universidade rende 0 reais. O que eles preferem?

      Excluir
  20. Puxa vida...

    Vamos fazer alguma coisa. Vamos nos unir. Sr. Bob, torne-se o presidente da CBA. Está apoiado. Ou faça parte do Contran. Apoio também. É muito triste ver estas coisas acontecerem. Vamos ajudar a organizar estas coisas neste país.

    Atenciosamente,

    Mibson Lopes Fuly.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mibson
      Para a CBA, cheguei a pensar em me candidatar, a eleição é agora em março, mas a sede é no Rio de Janeiro, onde eu teria de ir constantemente, e minha atividade atual não permitiria isso. Já o Contran é cargo Q.I., sem chance.

      Excluir
    2. Ah Bob, mude a sede. O Rio não tem nem autódromo mais.

      Excluir
    3. Tuhu
      Se não fosse uma suntuosa sede, em imóvel próprio...

      Excluir
    4. O BOB sabe de longo tempo que para ser presidente da CBA ou de qualquer outro clube de automóvel, precisa ser igual aos nossos políticos, ou até pior.

      E ele não faz parte dese tipo de gente.

      Excluir
    5. Tendo tudo em vista acho que o Bob consegue

      Excluir
  21. Corsário Viajante25/01/13 13:40

    Tudo isso é reflexo de um dos maiores problema do brasilzinho: carga tibutária irracional.
    Se o imposto de importação fosse normal, isso nunca aconteceria.
    Aliás, o Brasil - e o brasileiro em geral - é o pobre mais rico do mundo. Não tem nada e vive desperdiçando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou muito muito bem.

      Isso é a pura verdade.

      Excluir
  22. Engraçado mesmo. Se o "bagulho" atravessa a fronteira sem pagar nada, sendo pego na fiscalização vai a leilão. Mas se ele entra corretamente não tem essa opção. Eu sou meio burro e não entendo essas coisas.

    ResponderExcluir
  23. Bob, já que você sempre fala das coisas tresloucadas que a CET faz com a cidade, não seria uma boa hoje, que é dia de aniversário da cidade, escrever algo que aborde compreensivamente os problemas de trânsito da cidade e o quanto que as medidas da referida entidade afetaram as coisas por aqui?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 25/01/13 13:43
      Será? Hoje é dia de festejar o aniversário da cidade, deixemos para outra ocasião.

      Excluir
    2. Corsário Viajante25/01/13 14:48

      BOb, falando nisso, vocÊ está acompanhando aquela idéia do Estadão de "idéias para melhorar SP" que tanto celebridades quando pessoas comuns enviam? Seria interessante analisar as respostas mais bem votadas no quesito mobilidade em um post... Fica a sugestão! Abs!

      Excluir
    3. Corsário
      Não estou; vou passar a acompanhar, boa idéia.

      Excluir
  24. Outra coisa triste são carros apodrecendo esperando o leilão ,ou carros apreendidos que ficam no tempo também estragando ,abraço.

    ResponderExcluir
  25. Como é algo que não está pagando impostos então é fácil ir atrás e fazer valer a lei, destruindo sem dó nem piedade. Mas fazer cumprir com igual eficiência as outras leis é algo que só ocorre em sonho mesmo.
    Aliás, de tempos em tempos aparecem propagandas da receita dizendo como eles atuam e que precisam do apoio dos cidadãos para ajudar a coibir o contrabando e ajudar na arrecadação. Não sei porquê, mas desconfio que eles não tem muito desse apoio por aí...

    Não tem jeito, não entra na minha cabeça a ideia de destruir algo que funciona perfeitamente por causa de malditos impostos. É burrice extrema ou babaquice extrema - ou ambos.

    ResponderExcluir
  26. Leis feitas à época do regime militar e do protecionismo econômico...

    Aurélio Folle

    ResponderExcluir
  27. Somos entusiastas de automóvel. Temos paixão por eles. Mas as vezes esquecemos que são objetos, produtos, e sujeitos a legislação tributária.
    O erro foi de quem importou, aproveitando o regime de importação temporária para benefício próprio. Esses carros jamais seriam registrados, pois são depenados ao extremo, e servem apenas pra correr. Serviram ao seu propósito com galhardia. Uma hora acaba a glória.
    Como objeto, teriam sim que pagar seus impostos, o que certamente nunca esteve nos planos de quem os importou. Do ponto de vista legal e tributário, a atitude da empresa está correta. É o acordo feito a 3 anos.
    Apesar de toda comoção que causa uma notícia dessas, não vejo nada de extraordinário no ocorrido.
    Afinal, o que é combinado não é caro. Iria acontecer de qualquer jeito...

    ResponderExcluir
  28. O que entra no Brasil sob regime de importacao tempora'ria nao pode ser leiloado pq da' margem a fraudes. Sai mais barato trazer como importacao temporaria e depois arrematar no leilao do que pagar todas as taxas. Pelo que li a respeito, o custo para regularizar esses minis seria cerca de 70 mil por carro.
    A lei tem sua razao de ser, mas deveria haver excecoes em casos especi'ficos, como bens destinados a pratica esportiva.

    Frank Oliveira.

    ResponderExcluir
  29. Que insanidade....não seria melhor encontrar compradores dispostos a comprar e regularizar cada um deles?

    ResponderExcluir
  30. São os Petralhas agindo....... sequer sabem pronunciar os nomes dos carros, e estes estão a frente de ministérios fazendo a colheita de dinheiro dos superfaturamentos, desvios, inventando obras e gastos para ganhar o seu.....
    Sobre autódromos, ha ha ha..... história já tinha sido contada bem antes deles idealizarem o plano, para agora dar o golpe final e lá foi Jacarepaguá.
    Vcs estão pensando que é só isso? nada, esperem que logo verão a sentença de morte do autódromo de Caruaru em Pernambuco, em conversas de corredor foi dito que a exploração imobiliária e o crescimento da cidade e de Pernambuco está fazendo com que a área do autódromo seja super valorizada, e já possuem propostas de construtoras, logo vamos ver a morte de mais um autódromo, apesar de que lá não é feito nada mesmo, somente existe a formula truck, que é um evento somente para ser televisionado, justificando o dinheiro captado nos bancos através da lei Pelé, Ganha prefeito secretário etc. Fortaleza vai logo entrar no mesmo rítmo, esperem p/ ver. CBA??? que é isso? Centro Brasileiro de Ladrões.....

    ResponderExcluir
  31. Muito estranho.
    Até produtos apreendidos com sacoleiros atualmente não são mais destruídos, fora cigarros e outras drogas. Eu já participei de um leilão deste tipo de mercadoria e vi também uma doação, feita a uma universidade federal.
    Acredito que tem o dedo da própria importadora / montadora. Pensem, se o lote for leiloado, muitos compradores potenciais vão deixar de adquirir estes veículos dando lucro ao importador / montadora. Logo, é melhor destruí-los!!!

    ResponderExcluir
  32. Dura lex, sed lex. Mas isso aqui é Brasil. Nunca seguimos este preceito à risca. Uma pena mesmo destruir veículos que poderiam ser encampados pelo Estado e terem serventia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui o preceito legal é dura lex, sed latex. A lei é dura, mas estica...

      Excluir
    2. Anônimo 25/01/13 19:44
      Se tivéssemos eleição para melhor comentário do dia, esse seu levaria a taça! Parabéns!

      Excluir
    3. Nada disso: barda lex, sed lex. A lei é imbecil, não faz o menor sentido, é estúpida, mas nós a cumprimos mesmo assim.

      Excluir
  33. Poderiam doar os carros ao Senai ou outras escolas, pelo enos seriam desmontados e/ou destruídos em prol do aprendizado.

    Newton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ArkAngel
      Idéia perfeita a sua. Parabéns!

      Excluir
    2. Perfeitissima ideia mesmo!

      Pelo menos eles seria uteis, uma vez que o Governo não tem o que fazer com eles e quem os abandonou não está nem ai para aquilo que para eles representa "um monte de lata"

      Excluir
    3. Até os fabricantes pensam mais nisso que o próprio governo, só ver a quantidade de carros interessantes que as unidades do Senai que ficam perto de alguma fábrica possuem, todos oriundos de doações.

      Excluir
    4. Todo Senai onde se ensina mecânica possui carrocerias didáticas. Hoje quem mais usa essas escolas pra treinamento é a Fiat. Envia veículos completos, motores, transmissões, material didático completo e ainda atualiza os Instrutores.
      Assim são formados o pessoal das Concessionárias e os outros alunos destes cursos.
      Um detalhe é que essas carrocerias didáticas não podem ser licenciadas, logo os carros se acabam no pátio dos Senais...

      Excluir
  34. Lorenzo Frigerio25/01/13 18:27

    Lembram-se do bizarro "Salão do Automóvel Importado"?
    Lá por 1985, uns empresários promoveram no Anhembi um salão com automóveis estrangeiros. Detalhe: as importações nessa época estavam fechadas, e os carros só entraram sob condição de que seriam reexportados ao término do evento. A exibição encheu de gente, pois a maioria dos importados nas ruas ainda era dos anos 60 e muitos não faziam a menor idéia do que era um carro estrangeiro. Levaria ainda uns 5 anos para o Collor abrir as importações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo,
      O Caio de Alcântara Machado realizou esse salão (em 1986 mesmo) porque a indústria boicotou, niguém participaria. Fo iniciativa dele e de mais ninguém. Teve peito.

      Excluir
  35. Acho que isso não aconteceria se no lugar de importar carros para competição, utilizarmos o que temos disponível no Brasil.
    Isso com certeza divulgaria a marca e o modelo que rodam dentro do pais.
    Dinheiro não deve ter sido perdido pois só a propaganda que gerou a BMW foi muito grande, alem do aluguel deles para os pilotos.

    ResponderExcluir
  36. Depois da instituição da "democracia" o que vemos é isso gente incompetente mas como é "cumpanheiro" assume ministérios e outros cargos menores sem saber o nome do local que "trabalham". O Sr Luis Ignácio teve seu último emprego na Equipamentos Villares, Av. Senador Vergueiro,2.000, São Bernardo do Campo, quando ele foi demitido por promover arruaças dia 13 de março de 1969.
    Isso é o novo Brasil.
    Coronel Anônimo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viúva e com saudade da "dita dura".

      Excluir
  37. Por que esses Mini não foram encampados pela polícia (que usa hoje Logan e Gol)?

    Ou, por que ninguém mandou esses Mini para o Haiti ou para o Timor Leste (já que o Brasil diz que ajuda aqueles países...)?

    Desperdício, seja para filhos da guerra ou para filhos da miséria, é de doer... Por isso que esse país não vai para frente.

    ResponderExcluir
  38. A MINI challenge era bem interessante e poderia partir como uma categoria de acesso, já que grande parte do automobilismo brasileiro está concentrado em categorias de turismo.

    Como foi mencionado no texto, bem que a CBA (ou a VICAR, eu adiciono) poderiam ter feito algo, mas nada foi feito. Paciência.

    Porém, tenho a impressão que nada foi feito para "ajudar" outra categoria que deve surgir este ano, o Brasileiro de Turismo. Aparentemente segue a mesma "receita técnica" da Stock Car, logo de Touring Car não tem nada. O noticiário informa que é para substituir a Copa Montana.

    Pode ser exagero de minha parte, mas é muita coincidência.

    ResponderExcluir
  39. Daniel San25/01/13 20:03

    Mr Car,você tocou em um ponto pouco notado. Esses derbys de demolição me dão náuseas só de vê-los. Não vejo a mínima graça em destruir qualquer coisa por pura diversão,quanto mais carros.

    ResponderExcluir
  40. Realmente é uma pena.

    Uma idéia seria doá-los para alguma instituição de ensino para menores carentes mostrando que, com estudo, há futuro e progresso.
    Como parece que periodicamente existem lotes para serem destruídos, provavelmente haveria uma constante renovação de matéria prima.
    Pode parecer utópico e até acho que é, mas um menino futucando em um "carro de corrida" aqui no Brasil é privilégio de poucos e sonho de muitos.
    Talles

    ResponderExcluir
  41. Esse é uma triste realidade, trabalhei por um tempo em uma montadora e alguns vezes via carros importados impecáveis que foram trazidos para teste aqui no brasil serem destruídos devido a classificação de importação temporária... quem já trabalhou ou trabalha em alguma montadora sabe do que estou falando... e sendo um autoentusiasta ficava indignado com a cena , mas como foi dito no testo , lei é lei e deve ser cumprida !
    Espero que um dia revisem essa lei , pois é de doer o coração de quem é apaixonado por carros ver isso acontecer.

    Thauã de Azevedo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio26/01/13 07:53

      Será que a VW já não destruiu alguns Sciroccos? Isso sim, seria de chorar.

      Excluir
  42. Carros sendo picados são a alegria dos "cicloativistas".
    Gostei muito do 7º parágrafo. Se todo mundo pensasse assim, nem precisaríamos dessas discussões bobocas sobre "sustentabilidade".

    João Paulo

    ResponderExcluir
  43. Complicado pensar numa forma de reaproveitar esses carros legalmente mantendo a tributação atual - para cada sugestão dada, já comecei a imaginar forma de alguns tirarem benefício próprio. Acho que o mais simples e melhor para todos seriam os impostos em geral serem menos pesados e viabilizar a revenda desses (e outros) carros. Que dá uma pena ver isso acontecer, com certeza dá!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas dos Santos26/01/13 09:14

      "(...) para cada sugestão dada, já comecei a imaginar forma de alguns tirarem benefício próprio".

      Infelizmente o desperdício não é exclusividade da área automobilística. Devido a má-fé de algumas pessoas muitos recursos são desperdiçados em vários outros setores.

      Um exemplo de desperdício para evitar que pessoas tirem benefício próprio era o que ocorria diariamente em um supermercado em que eu trabalhava. Lá, se aparecesse algum produto com a embalagem danificada, ele era enviado diretamente para a troca. No caso de bebidas como sucos, refrigerantes e iogurtes, por exemplo, era ainda pior. Se um desses produtos fosse encontrado sem rótulo, o seu conteúdo, mesmo em boas condições de consumo, era simplesmente despejado na pia e a embalagem era enviada para a troca. Era uma atitude reprovável, mas infelizmente necessária, pois, na possibilidade do produto ser reaproveitado, muitos funcionários começariam a arrancar os rótulos e danificar as embalagens de propósito, só para consumir de graça os produtos.

      Excluir
  44. Depois que um certo apresentador de programa esportivo encerrou uma reportagem sobre competição ciclística com essa frase: "agora vamos falar sobre esporte de verdade"... E engatou uma das inúmeras reportagens (inúteis) de futebol, nada mais me surpreende...

    ResponderExcluir
  45. erlanbiker26/01/13 11:27

    Do jeito que as coisas vão,daqui á pouco nossos carros terão validade!!!
    Sabe o que ta parecendo, que o Brasil da noite pro dia passou de país de 4º mundo para o 1º mundo, onde eu (só) estou imaginado que as coisas devam ser bem diferentes.Gosto muito de carros e muito, mas muito de bicicletas, quando falaram essa do velódromo aí do RIO foi de doer, esse irresponsáveis deveriam ser presos por gastarem o dinheiro público de maneira errônea. Cadê os engenheiros que projetaram esse velódromo? Deveriam saber que a UCI assim como a FIFA ditam medidas especificas para construção de tais obras.
    Depois a classe politica do Brasil não consegue responder por que o país foi tão mal em determinados esportes, onde em qualquer lugar do mundo se investe muito para se ter sucesso !!!

    ResponderExcluir
  46. Prezados autoentusiastas, os quais estão tão indignados como eu estou ao ver estas imagens e relatos: A nosso legislação além de ser "esticável" enquanto "dura", sofre de um problema crônico que é tentar descrever o que pode ser feito ( o que leva a infidáveis descrições e interpretações! ) ao invés de simplesmente descrever suscintamente o que não pode sê-lo...Logo, as aberrações dos fatos agridem nossos olhos enquanto inflam os bolsos daqueles dela se servem para os seus interesses ou para defenderem ou acusar os interesses de outros...Como já dizia alguém muito antigo de um passado ainda não muito distante : "O problema do Brasil não é a Saúva ( formiga ) mas o excesso de bachareis..."

    ResponderExcluir
  47. Pera pera pera. Pelo que entendi os caras trouxeram os MINIs com suspensao total dos tributos, para serem utilizados nas competicoes, blz. Ao final do prazo, eles tinham a opcao de devolver pro exterior (e revender), doar pra Receita Federal, pagar todos os tributos nacionalizando, podendo revender pra qualquer um, ou destruir.
    Parece que tentaram devolver pro exterior, mas o valor do frete nao compensava.
    Nacionalizar tambem nao dava, pq o valor dos tributos ficariam maior que o valor de revenda.
    Doar pra Receita? Aqui os organizadores nao falaram nada se tentaram doar ou nao.
    Escolheram destruir.
    Acho que a decisao ficou entre: A) Dar de graca pro Governo Brasileiro e B) Destruir (pagando por isso) E escolheram a B.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato!

      Esse é o ponto.

      Picham o governo mas se esquecem da ganância do particular. Destroem o equipamento e vendem as toneladas de aço e alumínio pra reciclagem. Ou seja, obtêm lucro, já que os pilotos que corriam nesses carros pagavam pelo aluguel deles.

      Na boa, é péssimo ver a destruição, mas eu não me compadeço da dor dos Giaffone não. Pra mim é tudo bravata! Eles podiam ter vendido os minis a 1 dólar cada e o comprador que arcasse com frete e aduana. Afinal, para sair daqui esses carros também não pagariam impostos.

      Excluir
  48. Caro Roberto,
    indignação total mesmo, mas perfeitamente entendível: a gloriosa Receita Federal nada produz, apenas toma. É uma doença fatal do povo trabalhador e consumidor. Para eles, destruir é lucro também. Como fazem com meu salário, todos os meses.
    Arderão no fogo de Azmodeu. Assim espero.

    ResponderExcluir
  49. Achei essa foto antiga aqui. Está na linha do post. É de chorar...

    http://carrosantigos.files.wordpress.com/2009/09/carros_rio_id1.jpg

    ResponderExcluir
  50. Sabe gente, não sei voces, mas eu acho que uma belíssima saída para as centenas de milhares de carros que estão em pátios pelo nosso Brasil, seria renovar a frota das queridas Polícias Militares Estaduais...
    Ali tem Porsches, Lambos e Ferraris que poderiam ser destinadas às Polícias Rodoviárias e outros que poderiam ser usados nas cidades... É só dar uma breve olhadinha lá... Carros em perfeito estado e muitos de grande qualidade para o referido destino... Seria bom um vagabundo depois de roubar qualquer coisa aí pela rua, de repente olhar no retrovisor e ver uma BMW cinza com o giroflex ligado meio que dizendo: "Nem tenta porque tu não aguenta"... KKKKKKKKKKKK... Eu ia adorar ver isso...

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.