NÃO SABEM MAIS FAZER RUAS

Fotos: autor




Tenho certeza: não se sabe mais fazer ruas no Brasil. Há coisa de dois meses terminaram recapeamento de uma importante rua no meu bairro, a alameda dos Nhambiquaras, e a curvatura transversal, ou câmber da rua, é impressionante, forte demais. 

A foto acima foi tirada a uns 50 centímetros do chão e não dá para se ver o meio-fio do outro lado, tal o exagero da curvatura, apesar de ser uma rua estreita. E o que tem isso, muitos podem perguntar. Muita coisa.

Um veículo que esteja trafegando nas faixas laterais, ao frear forte, travando roda, pode desviar para o lado do caimento, uma simples questão da força de gravidade. Esse tipo de erro existe também em vários trechos da marginal do rio Pinheiros, na capital paulista e constitui ameaça para todo tipo de veículo, os de duas rodas principalmente.

Existe norma técnica para curvatura transversal, que é pequena e destinada apenas a escoamento das águas pluviais para os lados. Não há por que haver curvaturas com as encontradas em inúmeras ruas.



A foto acima foi tirada do meio da rua, no mesmo ponto da foto anterior, mas não transmite a idéia da curvatura, infelizmente. Porém ali, de pé, têm-se idéia exata do exagero.

Por que incrível que pareça, o excesso de curvatura transversal implica outros problemas. Como o carro tende a desviar para o lado do caimento, instintivamente se corrige a tendência esterçando ao contrário. Quando fazemos isso, ocorre um arrasto dos pneus dianteiros, o que logicamente ocasiona desgaste maior do que se a curvatura fosse correta. E também aumenta a resistência à rolagem, o que acaba resultando em maior consumo de combustível. Para os carbono-histéricos, mais emissões de CO2.

Motoristas que dirigem em grandes planícies nas viagens longas sabem que vento lateral obriga a neutralizá-lo esterçando contra e que, dependendo da sua intensidade, o desgaste dos pneus dianteiros é significativo.

Há muitos anos um amigo veio de Santiago do Chile ao Rio de Janeiro e os pneus dianteiros de seu Fiat 125, que estavam com meia vida, acabaram no lado argentino por esse motivo. Teve que comprar um par novo assim que entrou no Brasil para poder seguir viagem.



Aproveitei e fui até o próximo cruzamento para fazer a foto acima. Decorridos cerca de dois meses do recapeamento, a rua continua em grande parte sem faixa de pedestres. Que irresponsabilidade da prefeitura da cidade!

Como venho dizendo aqui, aqui o assunto trânsito não é encarado com a seriedade necessária. A preocupação é arrecadar, arrecadar e arrecadar - com multas. Está até no orçamento.

BS

45 comentários :

  1. Parabéns a todos esses "engenheiros" brasileiros responsáveis por essas e outras obradas-primas nesse Brasil.

    Gostaria de mandar isso para os japoneses, alemães, americanos... para ver a surpresa deles com isso e com o preço cobrado por essas artes.

    ResponderExcluir
  2. É que é mais fácil botar a culpa nos motoristas e nos pedestres, rua fazem de qualquer jeito (do mais barato) pra poder embolsar um bocadinho.

    ResponderExcluir
  3. Bob, recapeamento com problemas é regra. Faltou citar, Bob, que as tampas de bueiro ficam lá embaixo, criando verdadeiros buracos.

    Mas pior que isso é quando a rua já nasce ruim. Fico espantado com isso. Há alguns exemplos aqui em BSB que são inacreditáveis. Partiu-se do zero e o piso já é irregular. Reparem: são poucas as ruas em que o carro realmente fica quieto, a suspensão trabalha o tempo todo. Posso estar enganado, mas creio que antes havia ruas de fato lisas. E pergunto aos especialistas: é tão mais caro fazer um rua conforme o padrão? Creio que não.

    Mas ainda há o fator mais grave. Sabemos que todas essas obras são licitadas, e a lei que define as regras gerais das licitações em todas as esferas, a 8666/93,não é brincadeira, é rígida mesmo. Teoricamente, o executor só recebe depois do OK da Administração Pública. Ou seja, fez porcaria? Não recebe. Fez ok? Recebe.
    O problema é que o agente que dá o aceite muitas vezes é corrompido, infelizmente.
    Lembremos que a corrupção exige DOIS lados: corruptor e corrupto, empreiteiras e funcionário da prefeitura, no caso em questão. Punição severa aos DOIS.

    Abraço

    Lucas CRF

    ResponderExcluir
  4. Eduardo Vieira09/10/11 16:22

    Bob, uma dúvida:
    Quando existe a necessidade de umma obra em que se vai quebrar o asfalto, também existem normas para a altura do remendo (infernal em nossas ruas), quando a obra termina, quem fica a cargo da execução do remendo? A empresa responsável contrata uma empreiteira para fazê-lo ou entra em contato com a prefeitura, e esta é que faz a contratação? Pergunto porque a absurda quantidade de remendos nas ruas, totalmente incoerentes com qualquer norma, deveria ser monitorada pela prefeitura, e se forem a cargo das empresas, essas deveriam ser cobradas pelo recapeamento das ruas, não o bolso do cidadão...

    ResponderExcluir
  5. Bob, de fato os chapéus-chineses das ruas paulistanas estão excessivos. E não duvidarei que muita gente esteja andando por aí com a direção do carro desalinhada simplesmente porque não há uma rua de perfil plano o suficiente para que se solte o volante por um pouco de tempo para ver se ele se mantém no prumo em velocidade constante.
    O duro é que já fui a outras cidades cujas ruas são de perfil mais plano do que as paulistanas e, ao que me consta, escoam as águas pluviais melhor do que as daqui, que tanto alagam em seus meios-fios.

    Fora isso, esses chapéus-chineses exagerados também são um desestímulo daqueles para que idosos andem nas ruas, ainda mais se pensarmos que é preciso escalar um "morrinho artilheiro" a cada travessia de rua.

    ResponderExcluir
  6. E esse é só o menor dos problemas das nossas vias. A lista é longa: lombadas (pior ainda, quase todas fora das medidas legais), valetas, buracos, ondulações, remendos porcos, falta de sinalização de solo, ruas de terra e de paralelepípedos (desalinhados, muitas vezes) ainda em muitas cidades, etc...

    ResponderExcluir
  7. Isto não é nada... Pior são as curvas em estradas sem a mínima inclinação para dentro da curva, quando não tem o contrário...para fora.

    ResponderExcluir
  8. Aqui em Londrina nao temos mais ruas temos crateras buracos, recapeamento... O que e isto? Apesar de dinheiro ter sido destinado mim fazer para eu fazer tal, aqui balanceamento e alinhamento nao adianta fazer e igual rasgar dinheiro e rodas tortas entao, mim fazer para eu fazer sair da cidade ou viajar dai sim compensa fazer o servico. Um absurdo.

    ResponderExcluir
  9. E também ocorre o contrário, ruas sem abaulamento transversal nenhum!
    Em minha cidade, há ruas que viram rios nas épocas de chuva, pois as águas não escorrem para as sarjetas.

    ResponderExcluir
  10. E aproveitando o assunto sobre resistência à rolagem e consumo de combustível. Fico imaginando quanto combustível economizaríamos e emissões de poluentes seriam reduzidas se nossas ruas fossem alisadas, pois assim os carros não desperdiçariam energia pulando em vez de somente andando.
    Cadê os ecochatos que não veem isso?!

    ResponderExcluir
  11. Lendo isso lembrei que uma parte do trecho que frequento até Florianópolis semanalmente tinha uma inclinação lateral exagerada e pro lado contrário das curvas... pensei sinceramente que tinham errado o projeto, ou sei lá.

    Mas lembrando agora, a inclinação se desfez, não lembro mais daquela caída escrota pro lado de fora da reta/leve curva...
    Será que pensaram um pouco antes de construir e a pista foi pro lugar o qual deveria ir?
    Ou recapearam de forma a qual corrigiu o problema?

    ResponderExcluir
  12. Antes uma rua abaluada do que uma rua "reta", sem inclinação. Pelo menos não fica água empoçada.

    João Paulo

    ResponderExcluir
  13. Quando estive no Canadá, aluguei um carro e rodei mais ou menos uns 450km em auto-estradas.

    As pistas lá pareciam uma colcha de retalhos mas....podia se soltar a direção do veiculo (um Chevrolet Cavallier 2.4L 150cv) que em nenhuma variação de asfalto implicava alteração da trajetoria do veiculo.

    Igualzinho aqui....

    PS: Mesmo sendo automático, tendo 150cv e motor 2,4L, o Chevrolet fazia brincando 10,5km/L....Sem se preocupar com economia....

    ResponderExcluir
  14. Dá cada vez mais vergonha ver o que se faz nas ruas...

    Se não me engano, a inclinação padrão para fazer escoar água é por volta de 2% para cada lado, a partir do eixo central. Nas fotos é claramente bem mais que isso.

    Fico cada vez mais convencido de que quem projeta (ou constroi) ruas não tem a menor noção sobre comportamento dinâmico de veículos.

    Outro dia mesmo, na Cidade Universitária, fui surpreendido por haver uma lombada logo após uma rotatória, em um trecho antes do fim da curva de saída da mesma (ou seja, o traçado da via não é mais uma curva, mas a trajetória do veículo ainda é). Fico imaginando o desastre que poderia ser em um um dia de chuva.

    ResponderExcluir
  15. Luiz Dranger09/10/11 19:07

    Bob,
    Verdade, mas você não mencionou a qualidade do asfalto. Não sou conhecedor do assunto, mas tenho a certeza que é péssimo. Provavelmente as especificações sejam corretas, mas o desvio na obra deve ser grande, além do superfaturamento etc... Além de bueiros não nivelados, a rapidez da degradação do asfalto é impressionante.
    Abração

    ResponderExcluir
  16. Carlos Cwb09/10/11 19:08

    O problema não está nos cálculos dos engenheiros, está na execução. E ninguém vai lá fiscalizar. Quanto ao custo, individualmente o motorista desgasta pneus, sistema de direção e suspensão. Mas como pelo trecho deve passar milhares de carros, o desgaste do asfalto também é grande, o que vai exigir, logo, um novo recapeamento. E o contribuinte paga...

    ResponderExcluir
  17. Não se sabe mesmo, o trecho da av. das américas em frente a cidade da música alem de ondulado é todo torto, o novo viaduto do recreio tambem... custava fazer tudo retinho como era antigamente.

    ResponderExcluir
  18. é pra ficar na curvatura do globo , igual a pista de gavião peixoto, hehehe. Só rindo pra não chorar

    ResponderExcluir
  19. Também fico irritado com ruas mal projetadas ou recapeadas.

    Quanto à curvatura, ou é excessiva que te obriga a andar nas faixas centrais para evitar andar "de lado" ou não há curvatura alguma que qualquer chuvinha torna a pista uma piscina.

    Sem contar os bueiros, que ficam um nível abaixo do asfalto.

    Adicione aí o asfalto não poroso, que levanta uma nevoa faz com que uma chuva moderada pareça uma tempestade.

    Quanto à degradação do asfalto, não acho nem que seja tanto pela qualidade ou sua falta, mas quanto vão recapear uma rua prestem atenção na camada de asfalto que é aplicada. Mais ou menos uns 3 centímetros. Lógico que isso não dura nada...

    As ruas de paralelepípedo de Paris são mais niveladas que as asfaltadas de São Paulo...dose!


    Marco

    ResponderExcluir
  20. Se isso é exagero de curvatura, o que dizer das ruas de paralelepípedos em Três Cachoeiras/RS... num cruzamento parece mais uma lombada gigantesca, sem falar que as ruas tem pedras muito irregulares.

    ResponderExcluir
  21. Até em rua chique fazem serviço de porco. Não duvido nada se demorar alguns meses pra pintarem as faixas.

    ResponderExcluir
  22. Bob,
    vejo 3 problemas crônicos da engenharia viária brasileira aí:

    1. Muitas ruas (acho que a Nhambiquaras também) têm calçamento original em paralelepípedo. Como não se deram ao trabalho de tirar, ficou a curvatura original. De qualquer forma, colocar asfalto em cima de paralelepípedo é uma gambiarra.
    2. Dar preferência à drenagem pluvial que à geometria correta (daí também as muitas curvas com ângulo negativo)
    3. A sinalização horizontal parece ser um luxo, um opcional. Leva muito tempo para fazer (o que vai contra a lei, que impede liberação ao tráfego sem sinalização) e, em caso de ruas secundárias, nunca é feito - no máximo, uma faixa dupla 5 próximo aos cruzamentos.

    ResponderExcluir
  23. Bob,
    vejo 3 problemas crônicos da engenharia viária brasileira aí:

    1. Muitas ruas (acho que a Nhambiquaras também) têm calçamento original em paralelepípedo. Como não se deram ao trabalho de tirar, ficou a curvatura original. De qualquer forma, colocar asfalto em cima de paralelepípedo é uma gambiarra.
    2. Dar preferência à drenagem pluvial que à geometria correta (daí também as muitas curvas com ângulo negativo)
    3. A sinalização horizontal parece ser um luxo, um opcional. Leva muito tempo para fazer (o que vai contra a lei, que impede liberação ao tráfego sem sinalização) e, em caso de ruas secundárias, nunca é feito - no máximo, uma faixa dupla próxima aos cruzamentos.

    ResponderExcluir
  24. Venha conhecer as ruas de Natal e compará-las com essa "autoban", você jamais voltará a reclamar.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  25. Venha conhecer as ruas recapeadas de Santa Bárbara d'Oeste/SP..

    Aqui as ruas recapeadas, ficaram com valetas enormes nos cruzamentos, na qual você tem de torcer seu carro para passar, passando de lado, pois se passar com o carro alinhado, você bate protetor de cárter, até o para-choque você bate, é impressionante, e o pior é que a prefeitura tem a cara de pau de colocar placas escrito "Depressão", mas não arruma a bendita valeta.
    O que me deixa mais raiva ainda, é que essas obras porcas foram realizadas por empreiteiras "especializadas" em asfalto.

    ResponderExcluir
  26. vocês reclamam de barriga cheia…

    o maior problema das ruas brasileiras não está no leito carroçavel, mas nas calçadas. As calçadas e passeios são executados pensando não nos pedestres, mas no acesso dos carros às residências. Isto ocorre nos bairros mais ricos e nas periferias mais pobres. Ao invés de passeio para pedestre, a calçada se transforma em uma infernal sequência de rampas transversais.

    Os proprietários de veículos que produzem tais rampas deveriam ter o IPVA multiplicado em várias vezes enquanto suas calçadas permanecessem causando acidentes aos pedestres.

    (aliás, a ideologia do automóvel é tão violentamente presente no espaço urbano que as pessoas consideram como "rua" apenas o leito carrocável… a calçada parece um mero apêndice desnecessário)

    ResponderExcluir
  27. Caro Bob, você está reclamando de barriga bem cheia, olhe a desgraça que são as ruas do centro de Atibaia:

    https://picasaweb.google.com/alanfaivic/Paralelepipedos

    Detalhe que os paralelepípedos são patrimônio histórico. 12 anos de PV, que beleza.

    ResponderExcluir
  28. Já vi gente de mais idade perdendo o equilíbrio e caindo em ruas com inclinação lateral exagerada, como esta das fotos...

    Sinalização de asfalto também é uma vergonha, quando reformam uma rua em SP, demoram meses para refazer.

    ResponderExcluir
  29. Aqui onde moro, em Sapucaia do Sul/RS tem ruas que precisam de reparo urgente, crateras enormes e remendos absurdamente altos e sabe o que a prefeitura fez? Colocou milhares daqueles sonorizadores e ainda por cima em linha dupla e em zig-zag!!!! Pra passar só em primeira marcha!! Redutores de velocidade em ruas que não se pode andar a 30km/h tamanha a buraqueira.

    ResponderExcluir
  30. Bob, mas não foi apenas um recapeamento?!
    Mudaram radicalmente a curvatura transversal da rua com CBUQ?
    Não seria obvio o desperdício de material?
    Estranho...

    ResponderExcluir
  31. faivic
    Conheço bem esse centro de Atibaia, ia muito aí visitar um grande amigo. É o descaso total, ninguém quer nada.

    ResponderExcluir
  32. É um absurdo: os últimos petralhas da prefeitura de SP (Kassab e Serra) não sabem nem recapear uma rua!

    ResponderExcluir
  33. JGL
    Se antes do recapeamento não tinha essa curvatura toda, obviamente há excesso de material. Não sabem mesmo mais como fazer ruas ou refazê-las.

    ResponderExcluir
  34. Nunca havia pensado nas resultantes curvatura da rua X desgaste pneus e vento lateral X desgaste pneus. Mais uma que aprendi.

    ResponderExcluir
  35. jackie chan10/10/11 10:18

    Anonimo das 09/10/11 16:49, realmente, aqui quase todas as curvas de estrada são com inclinação ao contrário, que joga o carro para fora da curva, na faixa externa a ela. Pois mantêm a curvatura de drenagem, não importando se o trecho é curva ou não...

    ResponderExcluir
  36. E sabe o que mais me espanta ao ver o descaso com as vias brasileiras? É saber que não é caro nem complicado manter vias em condições decentes de tráfego.

    Outro dia assisti um documentário sobre a região do lago Titicaca no Peru, a mais de 4000 m de altitude, podemos dizer que longe de tudo e todos. A estradinha que passa pela região é um tapetão, muito melhor que a maioria das vias brasileiras...

    É muito descaso o que se vê nestas terras tupiniquins!

    ResponderExcluir
  37. Aqui em Recife, fazem o recapeamento por cima do asfalto antigo, quando o correto seria retirar o material antigo para, então, aplicar o asfalto novo. Aqui onde moro, no Bairro de Casa Forte, a avenida principal (Dezessete de Agosto) está com o asfalto mais alto que a calçada, criando valas profundas no canteiro, um risco grande para quem anda de bicicleta. Certa vez, vi uma reportagem mostrando que nos EUA, utilizam uma máquina que retira o asfalto velho, tritura, aquece e o recoloca, tudo na mesma máquina, que anda sobre rodas e rapidamente faz todo o serviço!

    ResponderExcluir
  38. Rafael Bruno10/10/11 15:12

    Bob, passo praticamente todos os dias na Nhambiquaras.
    O que mais me surpreende é que além dessa coisa nojenta que fizeram, esperaram ficar pronto o "asfalto" novo para DEPOIS fazer obra da Sabesp.

    Não seria mais fácil (e menos custoso) fazer os 2 ao mesmo tempo?

    Outra coisa é na esquina com a Aratãs...você já viu o hidrante da farmácia como está?

    http://maps.google.com.br/maps?q=nhambiquaras&hl=pt-BR&ll=-23.609973,-46.662149&spn=0.002126,0.003484&sll=-23.609438,-46.660577&sspn=0.004252,0.006968&safe=off&t=m&vpsrc=6&fll=-23.607801,-46.656296&fspn=0.017007,0.027874&radius=0.26&hq=nhambiquaras&z=19&layer=c&cbll=-23.609973,-46.662149&panoid=vA466AwHpuhrDdY2gSTLDQ&cbp=12,85.34,,0,0

    ResponderExcluir
  39. Bob, já saiu até carta minha no Estadão questionando o cinismo da Prefeitura em fazer sua campanha "em defesa da vida" e não pintar faixas de pedestres nem dar condições, o exemplo era exatamente estas ruas mal-recapeadas e sem pintura, o quem aliás, é ilegal: naõ se pode abrir uma rua ao tráfego sem sinalização adequada.
    Infelizmente a prefeitura não tem para consigo própria a mesma severidade que tem para com os cidadãos.
    E, mais triste ainda, os cidadãos não tem para com a prefeitura severidade nenhuma.
    E vivemos com estas aberrações!

    ResponderExcluir
  40. Bob,

    Aqui no Rio, com a "operação" Asfalto Liso, também estão fazendo essa coisa...

    O pior é que na maioria das ruas, a calçada está mais baixa do que a rua.
    Com isso ocorrem dois problemas:
    1- Caso algum acidente aconteça o carro simplesmente vai avançar sobre a calçada sem nenhum obstáculo, que seria a função do meio fio;
    2- Quando as chuvas de verão chegarem, as pessoas terão que andar no meio da rua, pelo mesmo motivo anterior, calçada mais baixa do que a rua.

    Talles

    ResponderExcluir
  41. Bob,

    Também tem outra consequência:

    Os caminhões com carga bem alta se chocam com as passarelas e/ou arrebentam os fios dos postes.

    Talles

    ResponderExcluir
  42. Problemas, todos temos, mas em macaé, criaram um especialmente estúpido! Em alguns cruzamentos no bairro Imbetiba e no bairro Mirante da Lagoa, a interseção das curvas foi levantada, pelo menos uns 10cm, como se fosse uma lombada gigante com dimensões 7 x 7 metros quadrados. É uma coisa abominável, causa acidentes feios, como um indivíduo num gol, que não conseguiu frear, teve seu carro "levantado" pela "lombadona" e bateu quase na altura do vidro de um classic. A batida seria bem mais leve sem a tal lombada, sem contar que tenho de passar em primeira marcha para não destruir minha suspensão dianteira. Tenho pena de quem tem um carro importado, baixinho, só passa de lado.

    ResponderExcluir
  43. Pôe o Bob lá pra fazer a rua.Já que ele fala que ninguém sabe fazer, as dele devem ficar iguais às autobahns.

    ResponderExcluir
  44. Vitor Alves13/10/11 00:28

    Serviço mal feito mesmo. Bob, se algum dia você vier a Brasília, pegue um carro e dirija algum tempo na via EPTG, pra ter uma noção do serviço porco que foi feito na "reforma" e alargamento da pista. Asfalto desnivelado, sinalização horizontal inexistente ou pobre, e ja tem um ano que a obra ficou "pronta".

    ResponderExcluir
  45. Como vc bem citou Bob, na marginal pinheiros há um ângulo horrível na faixa da direita. Os ônibus que lá passam parecem que vão tombar, ficam todos tortos e andar dentro desses ônibus então, parece que vc está caindo para o lado!

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.