MOTORISTA DO TUCSON: ALCOOLEMIA ELEVADA

Foto.estadao.com.br


Saiu esta semana o resultado do exame de alcoolemia da motorista do Hyundai Tucson que perdeu a vida na colisão com um Porsche 911 na esquina das ruas Tabapuã e Bandeira Paulista, em São Paulo, na madrugada de 9 de julho último: 2,1 gramas de álcool por litro de sangue. Representa 250% mais que o limite estabelecido pelo Código de Trânsito Brasileiro e 11.500% sobre o permitido pela lei seca.

O triste fato apenas corrobora o que venho dizendo há mais de três anos, desde que a lei foi promulgada. Quem causa ou sofre acidente relacionado a ingestão de bebida alcoólica não é quem bebe comedidamente, dentro do limite de 0,6 g/L que o CTB autorizava e que estava alinhado com a vasta maioria dos países, e que baixou para 0,2 g/L com a lei, mas quem está efetivamente bêbado, de porre. E isso significa alcoolemia 1,0 g/L, no mínimo.

Todos os acidentes graves têm o denominador comum de motorista completamente bêbado. Quem está com até 0,6 g/L não causa acidente devido a esse fato isolado.  Mas parece que a maioria das pessoas não entende isso, a julgar pelos comentários que chegam aqui quando toco nesse assunto.

Portanto, de novo, essa lei seca é uma autêntica palhaçada, medida totalmente inócua que só serviu para incomodar o cidadão de bem, prejudicar seus merecidos momentos de lazer e, claro, engordar os cofres de prefeituras e governos estaduais com a multa de R$ 957,70 para quem soprou no etilômetro e foi ultrapassado o limite de 0,1 mg por litro de ar alveolar (exalado pelos pulmões).

Toda a intensidade e aparato de fiscalização que se desencadeou após a lei seca entrar em vigor já deveria existir há anos - tivéssemos autoridades policiais sérias e responsáveis, e não dadas a pirotecnias, a dar show - desse modo evitando a perda de dezenas de milhares de vidas e um número incontável de feridos, muitos com seqüelas permanentes.

Para encerrar, reforço o que eu disse em Se beber, dirija devagar, especialmente o que falei sobre observar fielmente a sinalização de trânsito e fazer disso um hábito. Comigo acontece muito de parar diante de uma placa "Pare" mesmo que não venha nada e quem está me acompanhando no banco direito se espantar e dizer "não precisa".

O mesmo para os semáforos: não se avança o sinal vermelho. Deve-se usar o nosso "automático" e parar sempre. Mesmo com 2,1 gramas de álcool por litro de sangue como a jovem de 28 anos que dirigia o Tucson.

Dirigir e sobreviver é mais fácil do que se imagina.

BS

85 comentários :

  1. Duro que isso gerou uma notícia quase de rodapé dos jornais e ainda escrevem que o Porsche matou a moça.

    Continua sendo o Porsche o vilão, seu motorista é quase um coadjuvante, assim como na reportagem num jornal hoje falando de uma operação da PF que apreendeu vários carros "de luxo" importados ilegalmente.

    Este "de luxo" foi falado várias vezes na reportagem e com bastante ênfase.

    Voltando..
    O Advogado do rapaz que dirigia o Porsche agora vai ter um trabalho mais fácil ainda..

    ResponderExcluir
  2. Concordo com você, Bob. Duas latas de cerveja ou um taça de vinho não fazem grande diferença na minha condução. O problema é que maioria da população dirige muito mal e isso aliado à ingestão de álcool, vira acidente facilmente.
    Quase todos os problemas do Brasil começam na falta de educação, seja de berço ou acadêmica.

    ResponderExcluir
  3. É, Bob, quero ver agora como a mídia que condenou o motorista do Porsche desde o início vai tratar essa novidade sobre o caso.

    Inclusive a TV Globo com seu dominical "Fantástico", que insistiu na situação da velocidade do Porsche, convocando inclusive um perito para avaliar (através de imagens de circuitos internos de TV) a aceleração do germânico em um quarteirão.

    Tenho dito desde o início que o problema não foi a velocidade do Porsche, sendo este apenas mais um fator para o acidente, mas não o determinante na morte da jovem.

    http://raphaelhagi.wordpress.com/2011/07/13/o-acidente-entre-o-porsche-e-tucson/

    ResponderExcluir
  4. Desde sempre saio com minha família pra ir a algum restaurante ou barzinho. Comemos lanche ou alguma porção, tomamos refrigerantes e sucos e eu tomo 1 ou 2 chops.

    Pronto, com a lei nova, me tornei criminoso de uma hora pra outra.

    Mais uma palhaçada governamental dentre várias. Parece que nesse país se faz questão de não pensar.

    ResponderExcluir
  5. Agora eu no lugar do ADV. do dono do Porsche exigiria retratação publica dos meios de comunicação e posteriormente indenização bem gorda de todas elas !!!!

    Cambada de falso moralista e burros !

    ResponderExcluir
  6. Jesiel: Na verdade, pensam, mas somente em arrecadar.

    ResponderExcluir
  7. A maior lenda a respeito de acidentes automotivos é a que diz que o ponteiro trava na velocidade em que o carro estava no momento do impacto.

    ResponderExcluir
  8. Tudo isso serve para comprovar, mais uma vez, que um acidente é sempre causado por pelo menos dois fatores, digamos, anormais. Neste caso houve três:

    1. Pelo menos um motorista comprovadamente embriagado, muito acima do permitido por leis internacionais inclusive

    2. Avanço do sinal vermelho

    3. Velocidade muito acima do compatível com a via, independente de se estar a 160 km/h ou não

    Os três fatores acima se "encontraram" e o resultado foi trágico, com mais uma vida perdida de forma totalmente evitável. Tudo isso é, no mínimo, de se fazer pensar.

    Não concordo que o motorista do Porsche peça uma retratação pública, afinal ele teve sua parcela de culpa. Pode não ser o vilão que a imprensa pintou, mas ele tem que assumir a responsabilidade pelo seu modo de direção naquela madrugada.

    ResponderExcluir
  9. Mister Fórmula Finesse10/10/11 17:10

    Penso de forma semelhante ao Road Runner; foi uma conjunção de erros infantis e fatais...

    E se fosse um motoboy entregando a pizza que atingisse a Tucson? Mesmo riscando o asfalto a velocidades incompatíveis com a via, o "fator mais caro" ($$$ do veículo) teria mais peso na balança jornalística.

    ResponderExcluir
  10. O fato novo não atenua a situação do motorista do Porshe, creio eu. Quanto à moça, esta já pagou pela besteira que fêz da pior forma possível: Com a própria vida.

    ResponderExcluir
  11. Pelo contrário, essa moça sumiu sem pagar e deixou a conta pra quem ficou.

    ResponderExcluir
  12. Mais uma boa recomendação: Se estiver bêbado não ultrapasse o sinal vermelho.

    ResponderExcluir
  13. Acho difícil alguém concordar com essa idéia de beber e dirigir devagar.

    Temos que levar em conta que as pessoas não são sensatas e bebem quando tem que dirigir. Quando bebem ficam menos sensatas ainda.

    Mas até entendo essa afirmação de beber e dirigir devagar pois sabemos que o ser humano é hipócrita e poucos irão respeitar a lei.

    O rapaz que estava saindo da faculdade, acho que Uninove. Estava embriagado, porém estava andando devagar, mas atropelou várias pessoas. Como ficou com medo de ser linchado, resolveu acelerar e parou no poste.

    Sabemos bem como é saída de faculdade de sexta-feira. Cheia de bares, pessoas nas calçadas e em parte da rua.

    No meu caso, faço diferente. Se eu bebo, ou passo a direção pra quem não está bêbado ou eu espero algumas horas sem beber pra me recuperar. Muitas vezes isso demora, mas fico mais consciente e tranquilo.

    Outro ponto é que o nível de alcoolemia é baixo simplesmente porque as pessoas reagem diferente à bebida. Alguns são mais resistentes e outros menos. Então o limite baixo garante que a lei atenderá seus objetivos.

    A melhor coisa a se fazer é que se não tiver condições, que você saiba que não pode ou se insistir, que os amigos vão a pé.

    ResponderExcluir
  14. Eu sempre soube que o motorista do Porsche era inocente. Quero ver agora o juiz de m**** que decretou a fiança milionária devolver o $.

    Pelas fotos divulgadas nos jornais dava pra perceber que o Porsche entrou na lateral do Tucson, e já havia sido informado que o semáforo estava aberto ao Porsche.

    Faz total sentido o cara nem sequer ter prestado socorro à imbecil que dirigia o Tucson e simplesmente exigir seu Porsche de volta, afinal, o acidente não foi provado por ele.

    Gostaria que fosse possível que a família dessa idiota que dirigia o Tucson fosse obrigada a indenizar o rapaz do Porsche por todos os danos possíveis e imagináveis. Porsche é sempre um patrimônio da humanidade.

    ResponderExcluir
  15. O fato de eu beber meus gorós não significa que vou sair por aí dizendo: olha, se for beber, faça como eu: dirija devagar.
    A lei existe e o problema é que ela não é cumprida em sua íntegra, ou seja, pra tudo há uma brechinha, um jeitinho.

    João Paulo

    ResponderExcluir
  16. Bussoranga, você é um maluco!

    ResponderExcluir
  17. O Bussoranga viajou na maionese.... Não é assim também.

    A Culpa é dos dois e pronto!
    Isso só alivia um pouco o lado do motorista do porsche.

    ResponderExcluir
  18. Perfeito, Bob!

    Apesar disso, não bebo quando vou dirigir. Um pouco de bebida já me deixa desatento, cansado e acaba prejudicando um pouco.

    Mas a direção defensiva também está automatizada no meu comportamento. Inclusive isso me causa alguns transtornos, como uma vez que um senhor em um Logus reclamou por eu ter parado em uma placa de "Pare", sendo que não vinha ninguém. Falei que a placa estava ali e era vermelha por alguma razão.

    No mais, um comportamento que tenho percebido muito em minha cidade são motoristas e, principalmente, motoqueiros que avançam o sinal pouco tempo antes de ele mudar para a cor verde. Inclusive dia desses um ônibus passou em cima de dois motoqueiros por essa razão.

    Bob, aproveitando a deixa... você teria o contato de alguém do setor de pós-venda da Nissan do Brasil? Estou precisando de uma informação simples, mas necessária, entretanto ficam me jogando de mão em mão: a concessionária pede pra eu procurar o fornecedor, o fornecedor pede para eu procurar a fábrica, a fábrica pede para eu procurar a concessionária.

    ResponderExcluir
  19. Anderson,
    Alivia "um pouco"? Se a mulher não tivesse atravessado o sinal vermelho, nada disso teria acontecido. Se o motorista do porsche estivesse mais lento, TALVEZ não ocorresse uma batida. O risco continuaria ocorrendo. Eu quase arrebento um palio no meio, pois a mulher furou o sinal vermelho. Errado eu, também?

    Além disso, se ela não tivesse com o nível de alcool tão elevado, teria tido a atenção necessária para ver que vinha um carro na via que ela queria cruzar.
    Não é porque a mulher morreu que agora virou santa e correta. Ela errou, infelizmente pagou caro pelo erro.

    ResponderExcluir
  20. Por isso que não bebo, pois od eio bebida alcoólica. Desse mal vindo de mim não sofro.

    Sempre tem a merda da cachaça no meio de acidentes de transito, e vem uns e ainda diz que sabem beber, mesmo dirigindo...E foda !

    Me desculpem os palavrões a todos os colegas.

    ResponderExcluir
  21. Antonio Filho,

    É difícil Tribunal deferir retratação, e quando defere ela é feita por meio de nota minúscula, nunca com a mesma visibilidade da ofensa.

    Eu, se fosse o dono do Porsche, ou se estivesse defendendo-o, ficaria tranquilo. Já é difíl enquadrar o caso no tipo do homicídio culposo (por causa da conduta da moça, que foi determinante, e por causa da prova escassa e pouco crível), e o Promotor denunciou o sobrevivente por homicídio doloso, ou seja, só o tempo que será gasto para desclassificar o crime será suficiente para o reconhecimento da prescrição intercorrente, absolvição pela prescrição do jus puniendi.

    ResponderExcluir
  22. Antonio Filho
    Está desculpado pelos palavrões, mas, por favor evite-os no futuro.
    Ao conrário do você pensa e diz, pode-se dirigir sim com total segurança com alcoolemias baixas. De novo, que causa acidentes são os realmente bêbados, não quem bebeu comedidamente, dentro dos limites legais.

    ResponderExcluir
  23. Bob,

    Deixa ver se entendi.

    Se dois emriagados colidem o carro e o que tem teor alcólico maior morre, então o outro é automaticamente o culpado?

    Tem alguma explicação lógica para isso?

    A menina por dirigir embriagada, morrer e colocar outras pessoas em risco também não tinha que pagar fiança? Nem que seja para o Estado?

    Até mesmo porque, qualquer carro que desse uma pancada lateral a 60 km/h ela ia ter no mínimo uma fratura cervical e com sorte sairia com vida.

    Sabe lá o que aconteceria com os demais envolvidos nesse acidente.

    Não me parece justo.

    Um abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  24. luizborgmann10/10/11 19:39

    Olá amigos,
    Considerem minha ignorância quando pergunto: na euforia proporcionada por outras drogas, p.ex., cocaina. Supondo que um motorista envolvido em grave acidente esteja sob esse efeito, quer me parecer que, no ato, a constatação é somente via exame clínico (reações a estímulos determinados) ou, mais tarde via coleta de sangue. Mas na maioria das vezes, só visualizando o indivíduo, é imperceptivel fisicamente. Sabemos que esse tipo de caso é de frequencia alarmante, ou ninmguém ouviu falar?
    luiz borgmann

    ResponderExcluir
  25. O bussoranga estava com mais 0,6 g/L de álcool no sangue quando postou...

    ResponderExcluir
  26. Bob
    Voce para o seu carro numa placa de PARE,olha e entra na via,quantos segundos a 120 por hora voce acha que o Porsche leva entre aparecer no seu compo de visão e bater? sera uns 3 segundos?
    Pois então,podia ser voce ou eu,voce pararia e entraria com cuidado,pronto,o cara ia bater e voce nem ia ficar sabendo

    Devia fazer essa lei então,o policial para o motorista embriagado e fala,ola amigo,vejo que voce bebeu,esta alcoolizado,pois bem,dirija devagar então,va com Deus,só não durma ao volante

    Acha mesmo isso algo positivo?

    SE BEBER N-Ã-O DIRIJA e PRONTO!

    Valew!

    ResponderExcluir
  27. Daniel San10/10/11 20:02

    Tudo bem que não se deve dirigir a 140 numa rua,mas a hipocrisia da imprensa é de chorar (de raiva). O camarada já é culpado de antemão por ter um Porsche,mas tivesse a moça bebido moderadamente e guiado dentro prudentemente,ela estaria viva.
    Como diz meu velho pai: Viver todo mundo vive,saber viver é que é pra poucos.

    ResponderExcluir
  28. Alexandre - BH -10/10/11 20:05

    Pra não dizerem que só boyzinho de carro importado está matando, o cidadão que atropelou 21 pessoas e matou uma aqui em Minas é homem de meia-idade e estava num singelo Fiat Palio 1.0. A população se encarregou de destruir o carro e quase linchar o sujeito – reação cada vez mais comum diante da impunidade (de todos). O exame de alcoolemia deu abaixo do limite, mas foi realizado 7 horas depois do acidente.

    http://www.alterosa.com.br/html/noticia_interna,id_sessao=7&id_noticia=62439/noticia_interna.shtml

    ResponderExcluir
  29. Papel aceita tudo.
    Dinheiro compra quase tudo.

    Sem +

    ResponderExcluir
  30. Bem, é de calar a boca de muita gente.
    Deixei de tomar meu cálice diário de vinho por causa da lei e vejo motoristas se embriagar nos bares da vida totalmente impunes.

    ResponderExcluir
  31. Luiz Borgmann,

    Por isso a fiscalização por blitz é ineficiente. Qualquer droga fora o álcool passa batido. Uma amiga já chegou a derrubar os cones da blitz da lei seca, motivo? Ela estava morrendo de sono. Ela poderia ter provocado um acidente devido ao sono, mas a blitz era só para o álcool.

    A fiscalização deveria ser por patrulhamento. Com patrulhamento um bêbado comportado poderia voltar para casa sem problemas, e uma pessoa dirigindo no estado de ira (sem qualquer droga) poderia ser detido.

    Mas o brasileiro é burro e não está acostumado a essas sutilezas da civilização...

    ResponderExcluir
  32. As perícias estão constatando que o Porsche estava mais devagar do que era suposto (pelo menos 150 km/h) e a motorista da Tucson furou o sinal. Sem querer defender o motorista do Porsche, mas ele não estava tão errado assim. Endemonizaram o cara porque ele tinha esse carro.

    ResponderExcluir
  33. Eu já falei aqui 143 vezes:

    A culpa é da parenta do Jaques Wagner. Se ela não furasse o sinal mesmo que o indivíduo estivesse num ônibus, carreta, trem, carrinho de compras, dragster ... a 50, 100, 200, 500, 1200 km/h não aconteceria nada.

    Parem de ver Sônia Abraão, Datena e Fantástico e pensem um pouco pelo amor de Chessús!

    ResponderExcluir
  34. Mas Bob, essa regra não existe exceção. Isso não serve para todos, nem serve para a minoria.

    A frase é perfeita: Se beber, não dirija, se dirigir, não beba. Simples

    Abraço e me desculpe novamente.

    ResponderExcluir
  35. >mesmo que o indivíduo estivesse num ônibus, carreta, trem, carrinho de compras, dragster
    >ônibus, carreta, trem, carrinho de compras, dragster
    >carrinho de compras, dragster
    >dragster
    >O.o

    ResponderExcluir
  36. O problema aqui no Brasil é cultural, certeza da impunidade.

    Na Austrália o limite de alcoolemia é bem mais alto e você não vê ninguém bêbado pelas ruas, muito menos dirigindo.

    Lá, inclusive, eles testam o motorista para todos os tipos de drogas. Bafômetro e teste de saliva. E não existe o "produzir provas contra si mesmo".

    Outrossim, já dirigi e muitoooo de cara cheia! Conheço os meus limites e ninguém dirige melhor do que eu! :D

    ResponderExcluir
  37. Agora o autoentusiasta do carro esporte vai se safar e continuar andando rápido demais para situações erradas.

    Aposto e ganho que esse mesmo idiota anda a 120 na esquerda em plena autoestrada de limite 120 e não dá passagem pra ninguém.

    Quando chega numa rua de bairro vira piloto. Belo entusiasta!

    ResponderExcluir
  38. Bebado, tenta olhar pelo vidro com filme irregular, fura sinal e comete suicidio.

    Que diabos o porsche tem a ver com o assunto?

    ResponderExcluir
  39. Bob, parabens!
    Posto pouco, mas sempre acompanho. Penso mto parecido com relação a isso e a histeria carbônica, que vc sempre coloca mto bem!

    ResponderExcluir
  40. Mibson Fuly10/10/11 23:24

    Caro Sr. Bob,

    Hoje estou comemorando meu aniversário lendo este ótimo blog (meu favorito). Aproveito para sugerir que unam seus poderes para montar uma instituição de ensino: A Escola do Automóvel. Onde ocorreriam cursos técnicos e superiores voltados à mobilidade a motor, além de cursos de condução e operação, pilotagem, sendo um antro de auto entusiasmo.

    Atenciosamente,

    Mibson Lopes Fuly

    ResponderExcluir
  41. Sr. Mibson Fuly
    Parabéns pelo aniversário, quw tenha tido um dia especial. Agradeço a leitura do blog e considero sua sugestão perfeita. Vou pensar em algo nesse sentido junto com os colegas.

    ResponderExcluir
  42. Antonio Filho
    Não tão simples. Você está desprezando a experiência de países que convivem com o automóvel há bem mais de 100 anos. Pode-se ingerir um pouco de álcool e dirigir com total segurança. Ou será que as autoridades de trânsito desses países são irresponsáveis, como deixar um alemão saír de uma choperia com 0,5 g/L e andar numa Autobahn a 300 km/h?

    ResponderExcluir
  43. O feitiço virou contra o feiticeiro. A lei seca no braZil falhou. Aumentou a sensação de impunidade dos bacanas. É uma forma de segregação etílica. O cara bebe e ri de quem não pode. Depois da lei seca, o direito de dirigir bêbado e fazer bobagem ficou proporcional ao grau de parentesco com um político e/ou a capacidade de bancar um bom advogado. Relembrem os últimos acontecimentos...

    ResponderExcluir
  44. Bob, pode até ser que o Alemão ou outro povo mais evoluído que nós, respeite melhor e trate este tema com mais respeito. Acontece que, bem...Estamos no Brasil e infelizmente o Brasileiro não é educado a estes pontos, sempre quer levar vantagem (apesar que tudo mostra o contrario) e respeitar nossas leis é algo que nunca foi nosso forte.

    É melhor continuar e passar a régua mesmo como nossas leis são feitas, manter a linha dura (até irracional e pouco prática) do que dar sempre margem ao jeitinho brasileiro de viver que bem conhecemos...

    ResponderExcluir
  45. Mas não era a película?

    ResponderExcluir
  46. Bom, entendo que cada qual já pagou pelo que fez.

    A moça ao beber muito e passar farol vermelho, assumiu um grande risco de morrer e morreu.

    O cara que ficou já manchou o próprio nome pro resto da vida, já perdeu o Porsche de 500 paus e já pagou mais 300!

    Ainda poderia pegar mais uns 3 anos de serviço comunitário obrigatório e sem poder sair do país.

    É uma pena e tanto já, por ter 50% da culpa ao meu ver. Certamente ficar atrás das grades não vai penalizá-lo mais.

    Esse aí certamente já não fará isso de novo. Não é tão burro.

    ResponderExcluir
  47. @ Pedro Henrique

    "Inclusive isso me causa alguns transtornos, como uma vez que um senhor em um Logus reclamou por eu ter parado em uma placa de "Pare", sendo que não vinha ninguém. Falei que a placa estava ali e era vermelha por alguma razão."

    Em boa parte das placas PARE há, efetivamente, uma razão: favorecer o fabricante de placas...

    Nunca é demais rever o post do Bob: http://autoentusiastas.blogspot.com/2010/09/cet-tem-alguns-significados.html

    ResponderExcluir
  48. Amigos, sabe o que eu não entendo?

    Bêbado ou sóbrio, farol fechado ou aberto pra você.... Em plena madrugada, você simplesmente passa e pronto? Não é normal da prudência, além de muito lógico, você diminuir ou mesmo parar o movimento e com certeza da segurança avançar o cruzamento?
    Pois bem, acho que na madrugada nunca sabemos o que vem pela frente, seja o motoboy, o Palio, o Tucson ou um Dragster.

    Eu cuido da minha vida e segurança.

    ResponderExcluir
  49. Antonio Filho
    O alemão trata melhor esse tema não por ser mais evoluído, mas porque há fiscalização e punição severa para quem é flagrado dirigindo com alcoolemia superior a 0,5 g/L. Tanto que há etilômetro nos bares e choperias. Educação do motorista não tem nada a ver com isso. Mas a das nossas autoridades de trânsito, aí é outra história.

    ResponderExcluir
  50. Jesiel
    Exatamente, parece que neste país se faz questão de não pensar. Ou, como sempre digo, o Brasil luta contra ele mesmo.

    ResponderExcluir
  51. Dois pontos:

    1) Será que devemos acreditar totalmente em uma perícia dessas, em que se discute a responsabilidade de um milionário, tendo como outro lado alguém que já morreu?

    2) Se o Porsche estivesse a 60 km/h como manda a lei, alguma dúvida de que teria freado com facilidade e evitado a tragédia? Não é o colunista que defende que todo cruzamento é perigoso e deve ser transposto em velocidade que permita parar?

    FS

    ResponderExcluir
  52. Tá cada vez mais difícil ler esse blog sem rir. Uma risada triste. Pra começar, o Bob defende o "se beber, dirija devagar", o que é um desserviço, deseducação, isso vindo de um formador de opinião. Oras, o certo é "se for dirigir, não beba". Estou CANSADO de ir a festas e ser o ÚNICO que fica no refrigerante por estar ao volante. Mas enfim, f***-se. Eu estou fazendo a minha parte. E, no mais, ficar uma, duas ou várias noites sem álcool não é um grande sacrifício para qualquer pessoa normal.

    Com o artigo de hoje, comentários de uma claque de boçais - aos montes. Chega-se ao ponto de sugerir que o motorista do Porsche peça retratação da imprensa! Ora, é fato AMBOS os motoristas erraram. O que sobreviveu que se entenda com a lei. Aliás, é uma pena que o irresponsável do Porsche tenha sobrevivido pra fazer mais caca por aí.

    Bob, apresente pra mim um único estudo que mostre que níveis baixos de álcool em NADA (nada, nada, nada) interferem em condução e reflexos. É fato: níveis baixos de álcool provocam alterações discretas - que, em situações extremas, podem ser a diferença entre a vida e a morte. Eu sei que você é teimoso, mas ainda tenho esperança que reveja seus conceitos...

    ResponderExcluir
  53. Tenho somente uma pergunta:

    Como que o Porsche, que é menor, deixou seu motorista ileso enquanto o gigante SUV Tucson desmanchou-se, não ficando 1 cm inteiro?

    ResponderExcluir
  54. Rafael Bruno11/10/11 09:32

    Duro que isso gerou uma notícia quase de rodapé dos jornais e ainda escrevem que o Porsche matou a moça.

    Continua sendo o Porsche o vilão, seu motorista é quase um coadjuvante, assim como na reportagem num jornal hoje falando de uma operação da PF que apreendeu vários carros "de luxo" importados ilegalmente.

    Este "de luxo" foi falado várias vezes na reportagem e com bastante ênfase.

    Voltando..
    O Advogado do rapaz que dirigia o Porsche agora vai ter um trabalho mais fácil ainda..

    Agora eu no lugar do ADV. do dono do Porsche exigiria retratação publica dos meios de comunicação e posteriormente indenização bem gorda de todas elas !!!!

    Cambada de falso moralista e burros !


    Nem precisei escrever...faço as palavras dos amigos aqui, as minhas!

    ResponderExcluir
  55. O fato de que a menina estava bêbada não muda absolutamente nada, ela cometeu uma infração de trânsito grave, cruzou o sinal vermelho e pagou com a vida, se ela tivesse sobrevivido isto seria um agravante para punição. O motorista do Porsche estava a velocidade muito acima do permitido, se era 90 km/h ou 200 km/h não interessa, era pelo menos o dobro da velocidade permitida e ele assumiu um risco por causa disso. Tem "Autoentusista" tentando justificar o injustificavel, se o cara tem um carro esportivo caro ou um popular e fizer porcaria tem que assumir o risco dos seus atos, não tem que ter retratação nenhuma por parte da justiça. Outra coisa, analisando o estado que ficou o Tucson, dá para acreditar que a batida não foi a uma velocidade absurdamente acima do permitido???

    ResponderExcluir
  56. galera querendo agora tentando justificar o motorista do porsche, a cagada foi dele sim, por mais q a mina tivesse bebido, hj em dia é extremamente perigoso ficar parado em semáforos a noite, a questão é, não era ela q estava a 150km/h em uma via com velocidade de 60km/h

    ResponderExcluir
  57. se o Bob encontra uma maluca dessas bêbada, queria saber se a experiência dele no volante ajuda alguma coisa... já que ele diz que quem é bom motorista não sofre acidente.

    ResponderExcluir
  58. FS,
    Não vou nem comentar o primeiro ponto, visto que você tá querendo criar uma "teoria de conspiração", e que todo rico que bate carro deve ser linchado. Sendo que pra cada Porsche/BMW/Ferrar que bate, tem outros 50 Celta/Palio/Ka que batem e esses ninguém fala nada.
    Sobre o ponto 2, se a mulher não tivesse furado o sinal vermelho, como também manda a lei, nada teria acontecido. Ou será que o motorista do Porsche iria desviar o caminho dele só pra acertar quem tava parado?

    Anônimo 9:27,
    Carro tem mais área deformável para a frente do que para os lados, principalmente do lado do motorista. Além do mais, quer comparar a segurança de um esportivo caríssimo com um carro de 60 mil reais?

    ResponderExcluir
  59. Anônimo das 9:48, veja alguns vídeos de crash tests laterais no youtube. Vais ver que a 60 km/h o dano lateral é beeem grande.

    Para o anônimo que falou que em 3 segundos o porsche entraria no campo de visão da motorista do tucson: Bom, a 120 km/h ele anda 33.33 m/s. Em 3 segundos, ele anda 100 metros. Olhando pelo street view no google, tem um onibus parado no sinal quando se olha da rua em que ela estava, mas indo para o meio da rua tabapuã da pra ver que a rua é longa e retilínea o suficiente para se enxergar longe, em período sem movimento. Se a criatura do Tucson tivesse "embicado" o carro para olhar, e de fato tivesse olhado, enxergaria o porsche e mais ainda, o ouviria, pq com aquele monte de prédio ali e o volume do escape de um porsche "esmerilhando" da pra ouvir de longe. Se ela estivesse sã, teria evitado o acidente. Mas como estava MUITO bêbada (com 2,1 g/l de álcool no sangue a criatura não consegue nem parar em pé), simplesmente ligou o "foda-se" e entrou bem bela na rua. O resto todos já conhecem.

    E vejam, não estou defendendo ninguém. Mas todo o estardalhaço que fizeram em cima do cara do porsche é desmedido e sensacionalista, para ganhar visibilidade, por parte de quem publicou matérias do tipo "Carro de luxo anda a 150 km/h e mata 1".

    Desculpem o palavreado, mas é que tem certas coisas que uns trolls dizem aqui que me deixam realmente irritado.

    ResponderExcluir
  60. Caro Bob! A idéia da Escola do Automóvel é perfeita e fantástica, pois as auto-escolas ñ ensinam nada, nem o respeito no trânsito para com o outro. Ainda ontem, na auto estrada, vinha a uns 110/120 km/h d moto e simplesmente um Fusion deu o sinal e tirou para a pista da esquerda sendo q ñ havia ninguem para ele ultrapassar e eu tive de aliviar aguardar e como ele ñ iria sair para a outra pista, ultrapassa-lo pela pista central, o q ñ gosto de fazer, pois c falta motor e tem outro carro tem q aliviar etc, pode até causar um acidente, mas vá explicar pro kra do Fusion. Teoricamente é uma pessoa q tem um certo nível cultural, contudo ñ respeita uma regra básica. Caso ñ se eduque o motorista d amanhã a coisa vai ficar muito pior, pois assim acontece todos os dias, cada um só quer saber de si e os outros q c danem. Quanto ao fato de beber e dirigir, concordo plenamente com vc Bob, pela experiência de já ter bebido e dirigido. No entanto, uma vez encontrei um amigo das antigas fomos a um bar das antigas e bebemos muito mesmo, um dos maiores porre q já tomei e quando cheguei no carro, pela primeira vez na vida, ñ sabia se teria condições de dirigir. Ñ havia a opção de deixar meu amigo dirigir, o kra guia muito mal. Fui embora a 1 Km/h, engatei a primeira e segunda e assim fui, m arrastando. Ñ recomendo, mas c beber dirija devagar com certeza.

    Abração

    Tazio Nuvolari

    ResponderExcluir
  61. Anônimo (11/10/11 09:17)

    Ultimamente está mesmo muito difícil de ler OS COMENTÁRIOS deixados aqui no AE. Uma enchente de comentários de donos da verdade, sendo estes de apelo moral e político principalmente.

    Se você não guenta beber uma cerveja e dirigir normalmente, não beba mesmo!

    Situações extremas? Ninguém deveria se colocar em "situações extremas" em via pública.

    ResponderExcluir
  62. Pois terei de pedir vênia ao mestre Bob Sharp. Moça bonita e rica num carro de 60k, dirigindo sozinha à noite, numa rua de SP? Tem mais é que olhar p/ os dois lados avançar o sinal vermelho, sim senhor!

    ResponderExcluir
  63. No caso parece que não olhou para os dois lados...

    ResponderExcluir
  64. Não sei porque é difícil entender que o artigo do Bob, tanto o outro quanto este, não defende nenhum dos dois infratores, mas condena o sensacionalismo da mídia em mostrar um Porsche como uma máquina assassina incontrolável e questiona os limites e meios de aplicação da chamada 'lei seca'. Só isso.

    ResponderExcluir
  65. Anônimo 12:03,
    bonita, rica, bêbada e sem atenção.
    Atravessar o sinal vermelho de madrugada? Ok, não dá pra marcar bobeira. Mas infelizmente não dá pra alterar a lei da física de que dois corpos não ocupam o mesmo espaço ao mesmo tempo. Ela esperasse o carro que tinha a preferência passar (o que não ia demorar, visto sua velocidade), e ela seguia a vida.

    ResponderExcluir
  66. Não vou discutir "culpas" no referido acidente, ambos foram culpados e devem ser punidos - como apenas um está vivo, ele será. Não sei onde está a dificuldade em se entender isso.
    No restante, essa postagem (com a máxima "se beber dirija devagar"!!) é tão incoerente que parece mesmo conversa de bêbado. Sugiro "se beber, nem escreva".

    ResponderExcluir
  67. Este "se beber, dirija devagar" me fez lembrar do Dr. Paulo que certa fez falou "estupra, mas não mata". Adoro o Maluf, adoro o AUTOentusiastas; meu candidato de todas as eleições, minha leitura diária.

    ResponderExcluir
  68. Com pena do azarado11/10/11 13:37

    A grande conclusão dessa história é que o cara do 911 é um tremendo azarado.

    A 120 km/h (se não fossem 200) o carro percorria 33,33 metros em um segundo, ou seja, levava muito menos de 1 s para cruzar a rua por onde vinha o Tucson.

    O carro tem discos de freio do tamanho de uma pizza, ABS da enésima geração, pneus mais largos que 2 do meu carro juntos, e ele não conseguiu frear.

    Se batesse num carro que parou na transversal, vá lá. Mas a moça deve ter passado a 30, talvez 50 km/h, e ele ainda acertou em cheio.

    Vá ser azarado assim lá longe!!!

    Recomendo que, quando chegar seu novo 911, ele coloque um trevo de 4 folhas e um pé de coelho pendurado no retrovisor, para ver se essas madames bêbadas param de cruzar seu caminho!

    ResponderExcluir
  69. Caro Bob,
    Discordo de várias opiniões tuas, mas mesmo assim continuo lendo-as. É sempre interessante conhecer várias opiniões acerca de um assunto. Não vou comentar o acidente, mas tenho que concordar com a sua posição sobre a lei seca. Não possuo estatísticas nem dados precisos, mas creio que quase a totalidade de acidentes graves que envolvem álcool, os motoristas estavam completamente bêbados, sem condição nenhuma de dirigir. O cidadão que enche a cara pra valer e faz besteiras no trânsito, vai continuar fazendo isso com ou sei Lei Seca. Enquanto isso, o cidadão correto que sai pra tomar um ou dois chopps e dirige corretamente se torna um fora-da-lei tanto quanto o que enche a cara sem limites.

    ResponderExcluir
  70. Se os dois envolvidos vivessem no fantástico mundo de bob, onde se pode fazer tudo, desde que obedecendo a requisitos ridículos, isso não teria acontecido.

    ResponderExcluir
  71. Esses comentários me dão medo.

    O cara tava em alta velocidade com sinais de embriaguez e aparentemente virou a vítima na história.

    Descobrir que a menina que furou o farol vermelho estava bêbada, não o torna inocente.

    Ele arriscou a vida de bêbados e sóbrios com a sua conduta.

    Falaram que se ela não estivesse alcoolizada ela não teria morrido. Verdade. Mas se ele não estivesse acima da velocidade e também alcoolizado ele não teria matado.

    ResponderExcluir
  72. Nunca ninguém cogitou como é errado essa coisa de sinal vermelho e placa pare? São sinalizações que fogem a lógica!
    Um placa pare ou um sinal vermelho ensinam ao motorista, que se não tiver placa ou sinal ele pode passar!
    O sistema deveria ter sido pensado de maneira contrária! Se não tem sinalização alguma, TEM que parar SEMPRE! Só deveria existir a placa SIGA! Caso você estivesse andando e visse uma placa SIGA, poderia seguir, pois é sua a preferência!
    Assim como os sinaleiros só deveriam ter a luz VERDE! Não ta vendo placa alguma, nem nenhuma luz acesa, TEM que PARAR! Olhar pros lados e ver se pode passar!
    Caso veja a luz VERDE, pode seguir em frente, pois a preferência é sua!

    ResponderExcluir
  73. Caracoles!!! Tira o copo do Sr. Olisses!

    Quanta bobagem que se escreve aqui... Qualquer um que tem um mínimo de noção sabe que a moça varou o semáforo sem olhar nada e o rapaz que vinha com seu Porsche (em alta velocidade) não teve nem tempo de frear.

    Se eu estivesse com um Porsche na madrugada de São Paulo também não ficaria dando sopa pro azar... Iria colocar o bólido pra urrar! Mas lógico! Respeitando a sinalização!!! POR FAVOR!

    ResponderExcluir
  74. Vitor Alves11/10/11 15:00

    Felipe Sentinger falou tudo, comentário perfeito na minha opinião; o Porsche claramente não teve chances de frear ou seja o Tucson furou o sinal em uma velocidade consideravel... como ja disse o colega aqui em cima. E agora que foi confirmado que a motorista do Tucson estava bêbada, aposto que os jornais nem vão falar nada, culpar unica e exclusivamente o dono do Porsche deu muito certo, não tem porque mudar isso.

    ResponderExcluir
  75. Engraçado que se a mulher não tivesse morrido, de quem é a mesma culpa ?

    Ha sim, e se viesse um caminhão trasportando aço com 30ton de peso a 50km/h e matasse o mesmo jeito o caminhão iria ser errado tambem ?

    O se o Porsche viesse a 60km/h iria ser culpado tambem ?

    Isso não tem discussão ! O erro foi da moça com agravante para variar somado a cachaça agora !

    Foi-se a vida da moça e um belo 911 Turbo por causa de irresponsabilidade e bebida.

    ResponderExcluir
  76. O Dr. Paulo também disse: "Anônimo bom é anônimo..." deixa pra lá, vai. É inútil...

    ResponderExcluir
  77. Entendo o Bob quando ele diz "se for beber, dirija devagar". Isso não é um estímulo, mas um aviso de cuidado. Claro que a melhor máxima é e continua sendo "se beber não dirija". O problema é que é muito difícil fazer que ela valha na prática para tudo e para todos, basta ver os inúmeros casos de acidentes na madrugada envolvendo pessoas completamente bêbadas. Neste cenário, o conselho do Bob faz algum sentido.

    Vou contar meu caso pessoal: Quando eu fazia faculdade, com certeza ia a festinhas. E nessas festinhas sempre rolam bebidas, que a "convenção social" faz com que tenhamos que consumi-las para nos enturmarmos. Numa situação dessas, o correto mesmo é se programar pra voltar de táxi. Só que aí entram os complicômetros: Como estudante, eu não tinha dinheiro pra táxi, andava num velho Del Rey comprado (bem) usado. Eram os anos 90, ainda antes do novo CTB, mas já se dizia "Se vai beber, não dirija". Desnecessário dizer que isso era ignorado na época tanto quanto hoje.

    Porém eu sempre gostei de carros, era leitor assíduo de 4 Rodas e já havia lido reportagens sobre os efeitos do álcool no organismo. Sabia que os reflexos são muito diminuídos, assim como sabia da falsa sensação de segurança e aumento da autoconfiança que o álcool proporciona. Pois, sabendo disso, o que eu fazia para voltar para casa? Voltava absolutamente D E V A G A R, a ponto de trafegar a 40 km/h de madrugada na Av. Rebouças. Como eu sabia que meus reflexos estavam muito prejudicados, eu tentava compensar um pouco isso trafegando a velocidades que exigiam menos dos meus reflexos. E procurava ter atenção redobrada, a ponto de ficar tenso dirigindo, mantendo o máximo de distância dos outros carros e evitando mudar de faixa.

    É esta CONSCIÊNCIA que o Bob quis passar aos que insistem em dirigir depois de uns gorós: Que depois de beber você não vira ás no volante, muito pelo contrário, que como sua capacidade de dirigir está reduzida, você deve trafegar numa velocidade compatível com seus reflexos embotados.

    CLARO E ÓBVIO que o melhor é sempre não beber nada se vai dirigir. Mas se mesmo assim o sujeito vai insistir na cagada de dirigir depois de beber, que pelo menos minimize o risco deste ato dirigindo o mais devagar possível.

    ResponderExcluir
  78. E se invertêssemos a situação? O Porsche vem a 50 e passa no sinal fechado e o Tucson o atinge a 120? Os dois estavam errados, a menina por sair sem condições de dirigir e o cara por estar em velocidade acima do permitido. Concordo com o anônimo de 11/10 01:33: Esse vai pensar umas dez vezes antes de fazer caca novamente, depois do prejuízo moral e de 700 mil reais. Concordo também com o Bob, se beber e não tiver jeito de não assumir o volante, dirija devagar. A questão da lei seca não ter "pegado" vai de cultural a fiscalização, passando pela brecha legal de "provas contra si", que não existem em nenhum lugar do mundo. Cultural: a moça do Tucson, advogada, plena conhecedora dos seus direitos, deve ter pensado: vou beber, e daí? se me pegarem, é só me recusar a soprar o bafômetro. Ela assumiu o risco e pagou com a vida. O cara do Porsche: vou esmerilhar, e daí? Sou rico, posso tudo no Brasil. Ele também assumiu o risco e pagou caro. Enquanto este for o país dos direitos e as pessoas não derem valor à vida, vai continuar assim. Pra encerrar, se ele estivesse em velocidade compatível com certeza teria conseguido frear a tempo e o prejuízo só ficaria no material, e ainda com a possibilidade de processar a moça pra pagar o conserto do seu Porsche...

    ResponderExcluir
  79. Embriaguez ao volante é parte do meu trabalho diário: a alcoolemia, a embriaguez, e os acidentes decorrentes destas. E eu concordo com o Bob em gênero, número e grau.
    É como quando abaixam a velocidade de uma via de 80 para 60 km/h para reduzir os acidentes. A modança pune os que obedecem a lei, que são obrigados a se arrastar a morosos 60 km/h, quando na verdade os causadores dos acidentes são so que andavam bem acima do limite anterior, e continuarão andando acima do novo limite...

    ResponderExcluir
  80. Nilton Lopes13/10/11 15:15

    Acredito que não vá mudar muita coisa, sem o maniqueismo usual de muitos aqui, acredito que por mais que a jovem tenha avançado o sinal, (e de madrugada em SP quem não avança?) e tenha bebido também, ela assumiu alguma risco da e teve sua pena paga ali mesmo, infelizmente (ninguém deve pagar dessa forma). O rapaz também assumiu o dolo eventual de atingir alguém a partir do momento em que trafegou acima da velocidade permitida na via, como, felizmente, não pagou com a vida, paga na forma da lei e cada um teve a sua cota para seus riscos assumidos. O que pega para o rapaz é a omissão de socorro, não sei com a rege a Lei mas creio que no caso não interessa quem causou o acidente, se uma das partes está bem, há de se prestar socorro. Quanto à velocidade do jovem, a asa traseira do 911 sobe a 120km/h e só abaixa a menos de 80km/h, nos destroços do carro ela estava levantada, se é que ajuda a elucidar alguma coisa.

    ResponderExcluir
  81. Nilton Lopes13/10/11 16:05

    Pelo menos há consistência nos argumentos de grande maioria deste blog: Um erro anula o outro quando compartilho a opinião ou erros desse outro. A corrupção de um partido anula a de outro desde que o outro seja o partido que me agrada, portanto não é corrupto, e o desrespeito às leis só é crime quando eu não dou uma flexibilizada na lei por conta própria, como a justificativa de que dar uma esticadinha acima do limite não tem problema ou vou dirigir devagarzinho depois de um goro.
    Antes que venham os chingamentos, coisa padrão aqui, entendam o que escrevi como um exercício de pensamento. Logico que já dei minhas esticadas, que tomei umas e usei o argumento do Bob de trafegar que nem véia, mas tenho a consciência que que em ambas as situações EU estava errado e não há espaço para discussão estando errado! E também não se pode cobrar os outros por seus erros quando nós mesmos não somos retos em algumas de nossas condutas. Afinal, qual a diferência em andar acima do limite e receber unzinho numa licitação? Qual a diferênça em arriscar beber e passar o sinal vermelho ou beber e ultrapassar o limite da via? Em maior ou menor grau todos estão errados.
    Concordo com o argumento de se conduzir devagar, mas cada um tem um limite que aguenta de álcool, cada um tem seu nível de consciência e responsabilidade. Seria genial existisse um discernimento comum ideal, mas não tem, então essa flexibilização é impraticável, não chegamos nesse nível por aqui.
    Nosso grande mal é a falta de fiscalização, sabe como é, dá trabalho fiscalizar, e há o outro lado que se aproveita disso ao invés das alternativas cabíveis, pegar um taxi, motorista da vez por exemplo. Sinto, mas o erro é geral, e para começarmos a consertar o erro, pelo menos no que tange trânsito e automóveis, nós que nos julgamos auto entusiastas temos que dar o exemplo e esse exemplo é seguirmos a risca o que tange a lei e replicarmos esse respeito. O que não achamos direito ou justo vamos cobrar do jeito certo. Vamos entrar em contato com nossos parlamentares, e não há argumento para não fazê-lo, afinal os nossos, o que cada um votou e achou que é bom, é quem nos representa e podemos cobrá-los pelas melhorias e mudanças que achamos adequadas, é só botar no Google o nome do sujeito em quem votou e achar o contato. O teu não te atende, não é bom? Sem essa de que político é tudo farinha do mesmo saco, mude na próxima e não reclame do dos outros, veja o seu. Ah, antes de alguém pensar em malhar, neste caso, não confunda executivo com legistativo, ok?

    ResponderExcluir
  82. Não há inocentes nesta história. Ambos os motoristas foram imprudentes e não apoio nenhum dos dois. Ficaria indiferente se ambos morressem (nada mais natural esperar a morte de quem brinca com a morte. Quem procura, acha). A moça deu azar e pagou seus delitos de trânsito com a vida. E o motorista do Porsche devia estar "mamado" também, deu o azar de sobreviver e virar o bode expiatório da história.

    SE BEBER, NÃO DIRIJA.

    ResponderExcluir
  83. Concordo, plenamente com vc, alias já se percebe que toda a lei serve só para quem segue a lei, temos outros exemplos com antitabajismo (e falta de educação fumar em lugares publicos nao motivo para fazer lei e aplicar multa). Nao conheço nenhuma lei eficaz contra prostituiçao (principalmente infantil), trafico de drogas, e que palhaçada o desarmamento, todo o homem honesto hoje em dia esta indefeso.

    ResponderExcluir
  84. Antigamente 90% dos motoristas de carros eram:
    1-Senhores (experientes, cautelosos e inteligentes);
    2-Autoentusiastas.

    Portanto, normalmente os acidentes eram causados por 10% da população. Com a neo-democratização, como chamo nosso período atual, qualquer besta pode comprar um carro, dirigir, beber, sair, atravessar sinal vermelho, etc. Lembro-me muito bem, antigamente, dizia-se:
    -Fui dirigindo por 1.000km!
    Todos:
    -Nossa, você é louco!
    Hoje qualquer besta tira a sua CNHzinha, vergonhosa, crua e sem qualquer tipo de credibilidade à autoentusiastas e já com uma semana de carta vai ao litoral, faz suas barbeiragens e às vezes não volta.

    Ps.: Dados estatísticos de arquivo pessoal.
    Ps2.: Tão fidedignos quanto qualquer dado estatístico.

    ResponderExcluir
  85. Adoraria postar um video mas...

    enfim, quem tiver coragem de aceitar que não é invencível, pode vê-lo mesmo assim:

    http://www.youtube.com/watch?v=Z2mf8DtWWd8&feature=g-like&context=G17818ALTsazkgAAAA

    Frações de segundos podem ser tudo.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.