MARKETING AGRESSIVO INFLA PREÇOS

Foto: solteagravata.com




Vendo os recentes lançamentos da Hyundai, achei seus preços um tanto salgados. Como eu já havia apontado em um post anterior aqui no AE, parece-me que falta referência ao mercado brasileiro no que diz respeito a quanto vale um carro.

Porém, se na década de 80 era difícil termos acesso ao que havia fora do Brasil (apenas acessível a uma pequena classe abastada que podia viajar ao exterior e comprar revistas automobilísticas importadas, que também eram raras por aqui) e assim achávamos que Del Rey Ouro, Landau e Diplomata eram o supra-sumo do que poderia haver, hoje com o mundo da internet as coisas são bem diferentes.

Com um pouco de conhecimento de inglês e sabendo onde procurar, é possível se ter uma clara noção do que acontece no resto do mundo e assim comparar o mercado daqui com os mercados fora daqui.

É difícil de se fazer comparações diretas de preços de carros aqui no Brasil com os preços externos por conta da pesada carga tributária e do tão falado "lucro brasil" que infla as margens dos fabricantes daqui. Porém, é possível se fazer comparações relativas às posições que os carros ocupam nos mercados externos, para que comparemos se eles estão caros ou baratos aqui.

Escolhi o mercado americano, pois muitos dos veículos asiáticos importados hoje também são vendidos por lá, além de outros importados pelos grandes fabricantes daqui, para que possamos ter uma base de preço.

Esta comparação relativa é válida para que possamos situar as posições em que os carros ocupam dentro de um mercado maduro e muito mais competitivo como o americano, onde não se consegue vender um carro por um preço maior sem um forte argumento que faça o público perceber que ele realmente tem um valor superior.

Procurei comparar os preços de versões americanas similares às vendidas aqui. Infelizmente tive que tirar o Corolla da comparação, pois nos EUA ele só é vendido em versões muito mais simples que aqui, pois lá ele é um carro de entrada, não é um carro médio luxuoso, como aqui (se bem que, mesmo básico, tem todos os acessórios de segurança que estão presentes no nosso Corolla mais completo – lá segurança não é luxo, é pré-requisito em muitos casos legal).

Tomei como exemplo 7 modelos, além dos lançamentos Veloster e Elantra. São eles: Ford Fiesta e Fusion, Chevrolet Malibu, Honda Fit e Civic e, para ficar dentro da "família", os Hyundai Azera e Sonata. Além disso, pesquisei apenas preços de tabela, sem descontos, para poderem ser comparados aos preços de tabela daqui.

Os seus preços nos EUA, em dólares, são:

Fiesta Sedan (novo) - 14.500
Fusion - 25.300
Malibu - 27.000
Fit - 15.200
Civic - 20.500
Sonata - 26.000
Azera - 25.500
Veloster - 17.300
Elantra - 16.500

Aqui no Brasil, o que os respectivos carros custam, em reais. Os preços foram tirados dos sites dos fabricantes, exceto no caso da Hyundai, que não publica seus preços de tabela no site, então tive que encontrar uma tabela na internet no site de uma empresa que tem "parceria" com a Hyundai. No caso do Veloster, o preço na tabela ainda é mais baixo do que o praticado no mercado, na faixa dos 80.000 reais.

Fiesta - 52.50
Fusion - 83.700
Malibu - 89.900
Fit - 61.700
Civic - 72.200
Sonata - 105.000
Azera - 85.000
Veloster - 75.900
Elantra - 68.700

A seguir, fiz uma tabela de correspondência de "reais por dólar de preço nos EUA" para compararmos o quanto o preço aumenta aqui:

Fiesta - 3,62
Fusion - 3,31
Malibu - 3,33
Fit - 4,06
Civic - 3,52
Sonata - 4,04
Azera - 3,33
Veloster - 4,39
Elantra - 4,16

Por esta tabela, vê-se que Fusion, Malibu e Azera têm preço muito bom, Fiesta e Civic um pouco menos e que os outros estão bem mais caros.

Tomando-se arbitrariamente o valor de 3,50 por dólar para tentar uniformizar os preços em real, mantendo o posicionamento de preços no mercado americano, os valores seriam:

Fiesta - 50.750
Fusion - 88.550
Malibu - 94.500
Fit - 53.200
Civic - 71.750
Sonata - 91.000
Azera - 89.250
Veloster - 60.550
Elantra - 57.750

Reparem que alguns carros estão mais baratos e outros estão bem mais caros, notadamente os lançamentos da Hyundai. Esta investe pesadamente em propaganda para que seus produtos pareçam ser "a última bolacha do pacote". Note-se também que Fit consegue ser quase tão "superfaturado" quanto os Hyundai.

O marketing agressivo da empresa sul-coreana, representada no Brasil pelo grupo Caoa, chega ao ponto de fazer propaganda enganosa, como a que afirmava que o Azera era melhor que BMW, Mercedes e Audi

O novíssimo lançamento, o Elantra, é um carro que nos EUA compete com Corolla e Civic no segmento dos compactos e que lá custa menos que estes, pois as marcas japonesas lá têm excelente fama e o coreano precisa apelar aos descontos para conseguir competir. Já aluguei Elantra nos EUA em duas ocasiões (em 2008, não era o atual lançamento, mas o Elantra não mudou de classe), o carro é bom e competente, mas nada além disso e não oferece nada a mais que os queridinhos por lá Corolla e Civic.

Nos EUA, ele corre atrás dos japoneses custando mais barato que estes, já no Brasil, a propaganda vem apresentando-o como a última palavra em tecnologia e por isto ele está tendo seu preço colocado no mesmo patamar ou até acima dos japoneses, dependendo da versão.

O mesmo acontece com o Veloster, um hatchback de linhas incomuns e audaciosas, que nos EUA custa menos que um Civic, mas que aqui é vendido mais caro que as versões topo deste. Portanto, os lançamentos da Hyundai, graças à agressiva campanha, estão sendo vendidos até 20 mil reais acima do que realmente valeriam pelo seu posicionamento no mercado.

Pode-se alegar diferença de tributação, imposto de importação, IPI majorado etc, mas o fato é que pode-se encontrar no mercado opções semelhantes ou até melhores por preços mais convidativos. Com imposto ou sem imposto, o dinheiro no fim das contas sai do bolso do consumidor, é este que deve avaliar o que comprar para dar o máximo de valor ao seu dinheiro.

E, para poder fazer uma boa avaliação, nada melhor do que ter acesso à INFORMAÇÃO, que é um dos objetivos deste blog, prover informação isenta e independente de qualquer fabricante ao nosso leitor.

CMF

79 comentários :

  1. O Hyundai é o equivalente ao Dodge vendido no Brasil na década de 70. Mesmo tipo de público.

    ResponderExcluir
  2. Paulo Ferreira28/10/11 12:43

    O meu dinheiro a Caoa, ou caozeira como preferiam, nunca vai ter.

    Alias, carro zero em geral eu não compro enquanto esse quadro ridiculo de preços não mudar. Prefiro comprar um usado e lidar com manutenção à alimentar essa falta de vergonha.

    ResponderExcluir
  3. O post do ano!

    ResponderExcluir
  4. Eu já falei isso nos meus vídeos. Carro no Brasil não tá caro não, tá barato. Brasileiro merece ser roubado.

    ResponderExcluir
  5. Isso ainda vai uns 10 anos, brasileiro acha que o mais caro é o melhor, quem faz o preço é o consumidor.... baixar de preços? demoraaaa;

    As fábricas vendem o que querem como querem e no preço que querem...

    ResponderExcluir
  6. Situação mesmo ridícula a de nós brasileiros.
    Sobra a pequena indulgência de comprar algumas coisas lá fora, quando temos a oportunidade e privilégio de viajar.
    Pagar 9 dólares por uma boa calça jeans, por exemplo, é uma delas.

    ResponderExcluir
  7. Bela análise, seria interessante espichá-la para modelos esportivos e ver se ocorre a mesma coisa, só de curiosidade mesmo.

    Sobre a CAOA, parece ser geral, o preço dos Subaru são altos, mas infelizmente a divulgação sobre eles é baixa, uma grande incoerência por parte deles.

    Queria saber se a tal investigação feita pelo MPF sobre os preços dos carros vai dar em alguma coisa.. presumo que não, como quase qualquer coisa nesse país não é levada a sério.

    ResponderExcluir
  8. Quanto ao custo Brasil, como o JJ falou aí acima, ainda se isso ocorresse só com carros... Quase tudo o que é industrializado, principalmente os que agregam tecnologia mais avançada, são muito mais caros no Brasil. Coisas produzidas na China, como máquinas e ferramentas, já saem mais caras de lá quando o destino é o Brasil. Agora, eu acho ridículo mesmo é pagar tão caro num Hyundai, quando há opções melhores pelo mesmo preço. O mesmo vale para outros produtos de marcas coreanas, que em outros mercados precisam praticar preço um pouco inferior para serem competitivos, e no Brasil são considerados de primeira, sendo vendidos até mais caros.

    ResponderExcluir
  9. Nessa situação dos preços acredito que não há esperança de mudança tão já. Sempre o automóvel foi absurdamente caro no Brasil, desde o início da implantação da indústria automobilística no país. Com a abertura das importações tivemos indiretamente a melhora e atualização dos produtos como forma de entrega de mais valor agregado pelo que pagamos, mas os preços em si nada de abaixarem. Uma grande parcela da culpa credito ao nosso povo que compra tudo que seja "bonito" e dê "status", ou seja, que esteja "bem na fita", não avaliando aspectos técnicos e racionais de real valor do automóvel que está comprando. Só como exemplo, vide o sucesso do Ecosport e sua diferença de preço em relação ao Fiesta Rocam, carros de mesma origem e componentes. Mas, como dizem, a esperança é a última que nos deixa....

    ResponderExcluir
  10. Interessante, agora com os dados organizados fica fácil de fazer mais uma conta:
    No EUA o Fusion vale 1,74 Fiesta,no Brasil o Fusion vale 1,59 Fiesta;
    No EUA o Civic vale 1,34 Fit, no Brasil o Civic vale 1,17 Fit;
    No EUA o Elantra vale 0,95 Veloster, no Brasil o Elantra vale 0,90 Veloster;
    Ou seja, as montadoras exploram o brasileiro da classe média, que hoje, pela fase de crescimento que estamos vivendo vê quanto é a parcela que cabe no bolso. Para outro efeito de compração, no Brasil nós pagamos mais caro pelos carros de "entrada" de segmento que nos EUA.

    Sds,

    Cristiano Zank.

    ResponderExcluir
  11. Claro que a Hyundai não é melhor que a BMW, mas como carro familiar um Azera é sim melhor que um BMW 320. E custa bem menos, tem mais valor.

    McQueen

    ResponderExcluir
  12. Se as pessoas soubessem dar valor ao salário que ganham... o mercado não seria tão irreal quanto o nosso.

    Quanta gente troca o futuro da própria família só para realizar um sonho consumista como trocar de carro.

    E esse governo gastador que ainda fica pedindo para a gente comprar e comprar? Estamos ferrados.

    ResponderExcluir
  13. Alexandre - BH -28/10/11 14:03

    "E, para poder fazer uma boa avaliação, nada melhor do que ter acesso à INFORMAÇÃO (...)". Penso que informação não é problema para quem aceita pagar esses preços delirantes. A questão é que muitos compradores assinam o cheque pensando no quanto vão impressionar a esposa, o vizinho, os parentes, os pobres mortais no trânsito e por aí vai. Ainda somos muito provincianos.

    ResponderExcluir
  14. Caio Cavalcante28/10/11 14:03

    CMF,

    Ótima abordagem. Apenas para limitar a influência de preferências regionais por determinados tipos de veículos - também determinam os valores - seria interessante comparar com mais um mercado, talvez um europeu ou outro emergente. Provavelmente os resultados seriam os mesmos, mas com maior precisão.

    De qualquer formam, a conclusão é perfeita: informação é fundamental. Falta informação sensata e isenta no Brasil. Mas uma coisa é intrigante: o público-alvo dos carros analisados é composto pela classe média pra cima. São pessoas que têm mais acesso à informação, mais anos de estudo e mais viajam ao exterior. Como essas pessoas aceitam pagar mais por menos, ou no máximo, por igual? Vaidade, exibicionismo? Que povo o nosso...

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  15. As compras de carros no Brasil são feitas pelo lado emocional e também por uma questão de imagem.
    Quem pensa racionalmente não está comprando carro algum já faz alguns anos.

    ResponderExcluir
  16. Alexandre - BH -28/10/11 14:35

    A entrada no Ministério Público na investigação dos preços de carros no Brasil só mostra o quanto o consumidor ainda é imaturo e impulsivo. Em mercados exigentes, quem determina preço é o comprador; não é preciso intervenção oficial. O mesmo acontece com equipamentos de segurança, com destaque para air bag e freios ABS. O consumidor não os exige, então, trava-se uma guerra de lobistas em Brasília onde vence o mais forte, em forma de lei.

    ResponderExcluir
  17. Não daria pra fazer algo semelhante mas, ao invés de usar como parâmetro o mercado norte-americano, comparar com México ou Argentina?? As categorias dos modelos comparados não estariam mais ou menos equiparadas??

    ResponderExcluir
  18. HYUNDAI ............ o melhor carro do mundo, como diz o filósofo Ferreira qualquer coisa !

    Cada país tem a CAOA que merece !

    ResponderExcluir
  19. Aqui no Brasil, como já foi dito acima, existe uma crença de que "o mais caro é melhor". Infelizmente isso não acontece só em relação aos carros. Tenho um amigo que trabalha em uma loja de roupas de grife em um shopping. Eles estavam com um lote de calças jeans encalhadas,,,e o gerente da loja, ao saber do probema, simplesmente determinou passar o preço da calça de R$80,00 para R$300,00. Resultado, conseguiram vender as calças rapidinho....O absurdo se repete com os carros da Hyundai no Brasil

    ResponderExcluir
  20. Os Hyundais caros fazem sucesso pelo mesmo motivo que o Classe A foi um fracasso. Brasileiro não quer carro bom com preço justo - quer carro caro com status, quer "tomóvel excrusivio".
    No Brasil, como bem dito, para vender um carro é fácil: só convencer que tem status, que o vizinho vai ter inveja, que ninguém mais vai ter.. Vide a propaganda do Fiesta, que insiste em apelar a este ridículo clichê, de impressionar o amigo, o vizinho, a namorada, bla bla bla...
    Aí o brasileiro paga feliz da vida, e ainda acha que tem "um carrão, uma nave".

    ResponderExcluir
  21. Mococa,
    É bem por aí. Se custa barato "é de pobre", ninguém quer.
    Tudo que vou comprar procuro pesquisar bastante preço e opções, já cansei de ouvir gente falando que isso é mentalidade de pobre, que fica contando moedas e etc...

    ResponderExcluir
  22. É uma ideia para futuros posts a comparação com outros mercados. Escolhi os EUA porque estava abismado como a Hyundai conseguia sobrevalorizar seus carros através da propaganda, sendo que nos EUA eles estão presentes e não são nada demais.

    Mas é uma boa fazer o mesmo com mercado europeu e com nossos vizinhos. O bom de EUA e Europa é que são mercados maduros em que é mais difícil empurrar gato por lebre. Mas acho válido comparar com Argentina e México também.

    ResponderExcluir
  23. Gosto muito de carros, como todos vocês, mas acho que cheguei a um ponto de equilibrio emocional quanto à minha paixão. Tenho um Corolla XEi 2008 com apenas 22300 km rodados, se fosse em outros tempos já estaria pensando em trocá-lo, agora não mais. Preferi investir o que tenho ganho nos últimos tempos em um terreno e em mais uma casa, no ano que vem vou melhorar ainda mais minha residência tornando-a maior e mais confortável. Meu atual carro me dá conforto e segurança, não tem dado problemas, pra que diabos trocar de carro, só pra aparecer ?. Daqui a um ano e meio penso nisso. Se todos agissem assim os preços seriam melhores.

    ResponderExcluir
  24. Vitor Castro28/10/11 15:47

    E o Camaro, Mustang e Challenger, que nos modelos V6 custam aproximadamente 23.000 dólares e os V8 30.000...
    A GM do Brasil e os importadores devem ter um grande lucro em cada unidade.

    ResponderExcluir
  25. Osmar Fipi28/10/11 15:48

    Farjoun,

    Tem que comparar o carro com o salário médio. É a comparação mais fiel e que mais interessa no final: quanto meu trabalho vale.

    Um carro custa XXX salários médios de tal país.

    É possível coletar esse tipo de dado para um próximo post?

    - Osmar Fipi

    ResponderExcluir
  26. Pois é, BDF, este é outro ponto que defendo: Com 22 mil km, seu carro NÃO PRECISA ser trocado. Não tem que trocar de carro porque ele atingiu tal "idade", ainda mais uma idade baixa como 3 anos.

    Atualmente, os automóveis não costumam ter manutenções pesadas antes de 80.000 km. Por isso, acredito que trocar de carro antes desta km seja perder dinheiro. Até 80.000, a manutenção resume-se a troca de itens básicos e baratos (a única exceção são os pneus, que duram em média 40.000 m), como óleo, filtros (óleo, ar, combustível e A/C), pastilhas de freio, fluido de freio, velas, palhetas de limpador de para-brisas, além de alinhamento e balanceamento periódicos. Estas manutenções no geral são baratas e não justificam a desculpa que todos dão "vou trocar de carro para não gastar em manutenção". Pois em vez de gastar 1.500 reais num jogo de pneus, gasta 15.000 para trocar de carro!

    Na verdade, a manutenção é apenas uma desculpa para racionalizar o que ele realmente quer: ter um carro do ano para impressionar o vizinho, o cunhado, o colega de trabalho, etc.

    ResponderExcluir
  27. Isso é que já venho teclando e reclamando desda re-re-re-chegada desse pilantras de chineses e coreanos no mercado automotivo ! Vieram mentindo a torta e a direita publicamente na mídia em geral, conseguiu criar um status ridículo e totalmente mentiroso, os jumentos de carga dos brasileiros gostaram da "novidade" e hoje vemos que ao menos de custo/beneficio dessas empresas safadas, não tem nada, ou muito pelo contrario tudo custa bem mais cara e o valor de revenda/manutenção/seguro e ridículo, ai sim a preço de Mercedes/BMW/Jaguar...

    Brasileiro não tem jeito nunca ! Só faz burrada, não tema a amor a si próprio e ao seu futuro, não sabe o valor de nada, fútil e irresponsável, só quer levar a via regado a carnaval, cachaça, bunda e festa, regado ao jeitinho brasileiro, sempre.

    São uns Jumentos mesmo.

    ResponderExcluir
  28. Osmar, boa comparação. Como salário médio é dado difícil de obter, eu iria por outra linha: PIB per capita, este sim muito fácil de ser obtido. O carro custa X PIB per capita do país.

    Mas o objetivo do post não era fazer mais uma comparação direta e concluirmos como somos pobres, aí tem todo o blablabla de que não pode comparar diretamente, rendas diferentes, necessidades tributárias diferentes, etc. Este tema já foi explorado à exaustão.

    Em vez disso, eu quis inovar fazedo uma comparação RELATIVA, pois assim anulam-se todas as diferenças de realidade entre países: Se nos EUA um Elantra custa menos que um Civic, POR QUE custa mais que um Civic aqui??? Esta pergunta é bem mais difícil de justificar, não acha? E para o consumidor, comparar faz ficar mais claro qual é a opção que lhe entrega mais carro pelo mesmo preço.

    ResponderExcluir
  29. Carlos Mauricio Farjoun,
    "sendo que nos EUA eles (Hyundai) estão presentes e não são nada demais."
    Mas aí eu digo... A Hyundai aqui é tão "espetacular" por culpa do descaso das fabricantes aqui instaladas. VWB descontinuou o golf, GMB transformou Astra em Vectra, e assim por diante...
    Deram mole e a concorrência aproveitou. Perto do nosso golf, o i30 pode posar de "o mais perfeito". Agora, perto de Golf VI... Difícil!
    Mas daí, vale o ditado: "em país de cego"...

    ResponderExcluir
  30. Uhu ! Vou correndo comprar o meu Spacecross (um Polo 2002 simplificado) por R$ 60.000,00. Ele tem plásticos bonitinhos !!!!

    ResponderExcluir
  31. Infelizmente a fixação dos preços também depende (e muito) da percepção de valor pelo consumidor... que somos nós. E isso é da nossa cultura, basta ver o preço dos carros usados, que também são MUITO caros! Ainda bem que tem gente que paga carissimo no nosso semi-novo para que a roda continue a girar...

    ResponderExcluir
  32. Melhor post do ano!

    E digo mais: vocês, da Imprensa Especializada , sendo formadores de opinião, TEM A OBRIGAÇÃO de sivulgar essas coisas, pois como formadores de opinião, vocês tem o poder de realmente fazer a diferença em massa. Difícil vai ser tomar um não depois toda vez que quiser pegar um carro de montadora pra passear por aí.

    Prontofalei!

    ResponderExcluir
  33. CMF e Entusiastas;

    Não sou governista, nem apoio a base do governo muito menos faço parte ou me beneficio diretamente ou indiretamente dele.

    Mas acusar unica e exclusivamente a carga tributária é uma injustiça: O Lucro Brasil é muito mais relevante para a formação de preços no Brasil do que a caga tributária (também um fator limitante mas não diria determinante como o lucro)

    Peguemos a Fiat Automóveis S/A. na década de 90 era prejuizo nas operações MUNDIAIS EXCETO....Brasil, claro!

    O mesmo para a Chevrolet anos atrás...Também pudera! Vendendo carros equipados com "Monzatech" a preco de importados, maximiza-se o lucro de qualquer um.

    ResponderExcluir
  34. O Diplomata, o Galaxie e o Del Rey eram o maximo. Pode ficar com o Veloster...
    Por toda essa grana e ainda vem com uma porta a menos??

    ResponderExcluir
  35. Não é menosprezando nosso ótimo site autoentusiasta, mas o que adianta divulgar isso, mas nunca vai em massa ao publico ! Nenhum veiculo, imprensa ou jornalista tem peito para jogar a tona seriamente a questão não só de carros mas de muita coisa errada nesta porcaria de país. Somente uma parcela ínfima sabe da realidade do Brasil, e não faz nada, ou sei lá, até parecem ser complacentes com toda essa maquina podre.

    Que adianta isso tudo, se tudo é filtrado e esquecido como tudo nesta terra das "bananas" mais caras do universo, o povo nunca faz nada, não se revolta, não exige nada, não reclama, não faz nada, NUNCA !

    Sabem, eu vou continuar reclamando, mas fazendo minha parte, amo carros e quero uma vida mais correta e digna para nós todos sempre ! Porem, cade vocês ditos "entusiastas" ? Vão continuar compram uma bosta de um uno ao preço de um Corolla a vida toda ? Vão continuar pagando 1 trilhão de reais de impostos e quase nada nos retorna ? Até quando isso tudo vai continuar ?

    ResponderExcluir
  36. Falamos falamos,,,,, mas as pessoas continuam comprando comprando, e são informadas sim,,, como não? hoje com a internet,,, o que acontece é que as pessoas não quererm ver.
    Uma vez numa cc foi levantada a questão com o vendedor e o mesmo disse assim: "acontece que estamos no brasil, você mora aqui ou lá? e aí vai levar o carro?" o cidadão nem argumentou... Somos muito melhor tratados ao comprar televisão, sapato, celeular computador, geladeira, fogão que um carro...

    Por isto hoje pendo que ainda que caro o March 1.6 é uma boa escolha... mas não vai vender, quem fora nós, compra um carro que o slogan é o 1ª POPULAR japonês, agora você pode ter um japonês POPULAR, Nissan errou feio, não vai vender, mas já tivessem afirmado March o melhor, mais bonito, mais avançado, mais chic, mais impressionante, mais mais do mundooooooooooooo.... venderia ainda que mais caro;

    500 outra boa opção mas possível que o de entrada R$40,000,00 não venda,,, brasileiro quer preço ALTO e não produto...

    Realmente desejo sucesso ao March e novo Palio ambos na versão 1.6 16v, teoricamente mais avançados que um Gol, Gol Power 40.000,00 ou mais dependendo de câmbio, pintura, frete e outros detalhes.... é brincadeira,,,,A VW e o gol sempre foram caros,,,, mas já passou dos limites...

    ResponderExcluir
  37. "Pois em vez de gastar 1.500 reais num jogo de pneus, gasta 15.000 para trocar de carro!" ... e mais uns 2.000 por ano para pagar IPVA (principalmente em estados como São Paulo que cobram 4%).

    Comprar carro 0KM com a desculpa que vai economizar na manutenção é bobagem. Os gastos em IPVA, seguro e revisões obrigatórias na concessionária superaram o que gastei para retificar o motor do meu velhinho (mas em bom estado). Se colocar a diferença para trocar de carro, se cobre a manutenção do antigo por vários e vários anos.

    Pode-se falar que comprou o carro novo por confiabilidade, conforto, beleza, comodidade, modernidade ou simplesmente porque queria e ponto. Mas para economizar na manutenção, não cola.

    ResponderExcluir
  38. Antonio Flho, seu desabafo está na cabeça de muitos, pode ter certeza...
    Se parar para lembrar, tivemos várias reportagens, inclusive na Record e Revista Veja, falando sobre este assunto, da disparidade de preços. No dia a dia, a percepção do brasileiro está mudando rápido, ele tbm viaja mais, e mesmo pela internet, vê o preço das coisas lá fora, e começa a se perguntar pq aqui é tudo tão mais caro... Ou seja, aos poucos ele vai despertando e se tornando mais exigente. Não é só carga tributária. Somos um mercado muito carente, onde qualquer coisa é vista como uma maravilha, vide veloster, lá fora só mais um carro, enquanto aqui é uma coisa sensacional.
    Porém, esta mudança não pode nem vai ocorrer do dia para a noite, mas sim a longo prazo, isso é, se aceitarmos o caminho da estabilidade, da evolução, do desenvolvimento, e não o do golpismo, da violência, da mudança forçada e artificial de fora pra dentro...
    São vários problemas relacionados, é como um castelo de cartas de baralho: dá muito trabalho montar, mas dá mais trabalho desmontar sem derrubar tudo.
    FAça como eu, continue reclamando, sozinho ou acompanhado: eu participo de associações do bairro, passeatas, mando cartas aos jornais, enfim, faço o que está ao meu alcance.
    E, no tocanto aos carros, troco de carro o mínimo possível, e ainda assim pesquiso muito, preferindo comprar carros bons e que atendem minha necessidade do que carro da moda ou coisa do gênero. Se mais pessoas fizerem isso, já é um grande começo.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  39. Com o valor do Veloster da para comprar um Volvo C30! Que é indiscutivelmente muito mais carro.

    Infelizmente brasileiro quer levar vantagem em tudo, isso me irrita muito...

    Adoro o blog, não posto comentários sempre mas acesso todo santo dia.

    Abs AE

    ResponderExcluir
  40. Boa caro colega Corsário !

    Continuamos assim que quem sabe, o efeito borboleta aconteça a qualquer hora positivamente para nós brasileiros.

    Abraço !

    ResponderExcluir
  41. Entendo a revolta de muitos que comentaram, inclusive, este post nasceu da MINHA revolta ao constatar o que relatei aqui. O que posso fazer, como colunista do AE, é colocar isso no teclado para que seja divulgado na internet, de forma que mais pessoas possam tomar consciência da situação e assim perceberem as disparidades que eu percebi.

    Pensem que antes da internet, cada um que percebia algo como isto que relatei só podia divulgar para meia dúzia de amigos. Se agora muitos vocês podem ler este post e se indignar mesmo não me conhecendo pessoalmente, isto é uma das bênçãos da internet. E considero que seja o maior objetivo do AE, composto por colunistas que têm uma grande paixão por automóveis e que querem poder compartilhar com outras pessoas o assunto de sua paixão.

    ResponderExcluir
  42. Andei vendo alguns anúncios do Queboster, ops, Veloster. Em nenhum deles vi informações técnicas sobre o carro. Só aquelas frases, do tipo: "ele chegou" "você vai se surpreender". Pra mim isso só confirma o que o autor do post disse. Alguma objeção?

    João Paulo

    ResponderExcluir
  43. Queboster e pElantra. duplinha. :)

    ResponderExcluir
  44. No caso do Veloster, é bom lembrar que "o deles" tem injeção direta e 140 cv, diferentemente do "nosso". Ou seja, a distorção de preço aqui é maior ainda do que parece. Se mesmo com esse motor melhor com injeção direta, os jornalistas de lá o criticaram por ter pouco motor para o peso do carro, imaginem então o desempenho sofrível do "nosso". Motor 1.6, me faz lembrar o Civic Vtec de 20 anos atrás, esse sim, com 160 cv, mais leve, e sem visual xuning de fábrica...

    ResponderExcluir
  45. Brasileiro é muito burro mesmo. Ainda bem que nós aqui desse blog não somos dessa raça, né?

    ResponderExcluir
  46. Eu já estou fora deste círculo (ou seria circo) vicioso faz tempo. Pouquíssimos carros me emocionam hoje em dia. Ao invés de comprar carro zero, preferi comprar carros antigos que eu gostaria de tê-los comprado em sua época de lançamento. Demorei algum tempo até achá-los no estado de conservação (e preço) que eu queria, mas hoje tenho um Fusca 85, uma F1000 90, um Gurgel Xef e uma CB450 89 lindos de doer. Tudo por um valor menor que um hatch porcaria zero quilômetro.

    Enquanto o mercado de automóveis no Brasil for essa aberração, eu vou ficando de fora e dando risada dos bobos que torram seu suado dinheirinho pra fazer o vizinho sentir inveja.

    ResponderExcluir
  47. Não é todo mundo que compra carro só pra fazer o vizinho ter inveja! Depois que a grana começa a sobrar um pouco mais, é natural a gente que é entusiasta queira um carro melhor e mais prazeroso de dirigir, não é mesmo? Ô Jesiel, se eu tivesse grana e uma vaga sobrando na garagem, queria ter um Gol GT 84 até 86 tinindo de original... mas só pra "desfilar" no fim-de-semana. Pra carregar meus filhos preciso da segurança dos carros modernos (ABS, air-bags, ok em crash-test etc). Mas fala sério, como não ter inveja do amigo que comprou um Jetta turbo (por exemplo)???? Não é inveja ruim, é que só quem experimentou sabe como é bom de dirigir! Pena que o preço vc já sabe... mas eu prefiro que uma picape do mesmo preço, já que pra mim não teria utilidade mesmo.

    ResponderExcluir
  48. Excelente post, parabéns!

    Luís Carlos

    ResponderExcluir
  49. Tenho lido bastante coisa sobre custo e lucro Brasil - chega a encher. Já a sua abordagem foi diferente do que tenho visto por aí.

    Acho que pode-se levar em consideração que nosso mercado é muito suscetível ao visual. Os carros coreanos tem abusado disso e aproveitam essa vantagem pra cobrar a mais.

    Não lembro se o Veloster tem concorrentes com apelo visual tão exagerado. Acabam cobrando pela exclusividade, status, até a cor branca custando R$ 5 mil.

    Matou a pau de novo, Farjoun.

    ResponderExcluir
  50. Carro pra brasileiro é GOL, UNO, KA, FIESTA, CORSA E CELTA...rsrsr. E de preferência sem nada dentro, nem tapetes...rsrsrs.

    ResponderExcluir
  51. e de preferência 1.0, pois consome quase como 2.0 e assim favorece a Petrobrás. Clio já é uma evolução muito grande....rsrsrsrs.

    ResponderExcluir
  52. Brasileiro paga caro por qualquer novidade.. esse veloster é uma piada [em termo de preços] e ainda é enganado pelo quesito motorização

    ResponderExcluir
  53. Eu sou portugues e nunca vi um povo mais tolo do que os brasileiros , mas nunca o pá, basta ver que compraram Brasília pagando ágio. ora pois, pagar ágio em Brasília é ser o povo mais burro da face da terra, e agora estão a enxotar os asiáticos que vieram a regularizar os preços se calhar até diminuir e o que faz o governo? os expulsam, valha-me Maria,

    ResponderExcluir
  54. A CAOA é um reflexo de nossa sociedade. Onde políticos e autoridades mentem descaradamente, por que uma empresa não poderia fazê-lo?

    Já no tocante aos carros, são bons, mas não precisam de propaganda enganosa, nem superlativos tão grandes para vender, não. E essa escalada de preços me assusta.

    Um Hyundai não pode custar o mesmo que um carro de marca padrão. O que vem acontecendo é um Veloster custar o preço de um Volvo C30; um Sonata, o preço de um Mercedes C180; um Ix35, o preço de um BMW X1. Não há sentido algum nisso, é a inversão da lógica.

    ResponderExcluir
  55. Pra pagar muito mas muito caro ainda no veloster mas estourando 60.000 mas era carro mesmo pra no maximo 50 ainda assim caro comparando com EUA. Mas nao estao cobrando eles estao roubando com o preco praticado. New Fiesta carooooo tambem.

    ResponderExcluir
  56. O mais engraçado é que o Lula, logo antes de sair do poder, falou que ia ter uma restrição ao crédito, que não ia ter mais financiamento sem entrada, mas ainda hoje vejo anúncios desse tipo. O que ocorreu com essa restrição?
    O que ajuda nessa escaladas de preços é justamente o crédito muito fácil, aí o cabra só olha se a parcela cabe no orçamento. Ontem eu perguntei ao meu vizinho "e aí cara, como se sente ao pagar por um Polo e levar um KA pra casa?", aí ele me fala "era o que eu podia pagar"... Na verdade, no momento da compra ele não podia pagar carro nenhum. Se tivesse esperado e juntado uma porção do valor, não daria 18 mil reais de presente pro banco. E mais 25 mil pra Ford.

    ResponderExcluir
  57. Então caríssimos, somente me dei conta do quanto o povo tupiniquim era explorado quando fui morar 1 ano na Espanha em 2006. Ganhava bolsa de 1200 euros e minha esposa o mesmo. Matávamos 2400,00 e tínhamos salário igual ou melhor que muitos europeus. Mas o bom eram as contas muito baixas. Condomínio, gás, luz = 150,00 euros a cada 2 meses. Gasolina e Diesel menos de 1 eruo /L. Notebook 600 euros, tarifa de celular, 0,15 euros /min, cerveja lata 0,45 euros, passagem de avião SQC-VLC-SQC 120,00 euros, passagem de trem VLC-SQC 80 euros, New focus 14000 euros. Passagem de avião +7 noites em salvador = 600 euros saindo da galicia. Melhor plano de saude da Sanitas 120 euros/mes para mim e esposa. Então ao voltar sofri um choque cultural enorme porque caí na realidade de aqui no Brasil ganhar como brasileiro e pagar como europeus sem ter a estrutura básica em segurança, saúde, saneamento, transporte, etc, que eles tem.

    ResponderExcluir
  58. Depois de tudo, constatei mais ainda que o nosso governo faz muito pouco, mas muito pouco pelo cidadão. Agora quando os chineses e koreanos começaram a levar vantagem na concorrência, eles simplesmente para barrar os carros mais bonitos, baratos e mais seguros oferecidos aumentam impostos sobre os importantos porque GM/Fiat/VW estão sendo prejudicadas, pois muita gente tá se dando conta que um Kia Picanto completo AT é melhor que um UNO pelado ou um corsa. E me admira que tem gente que defende isso. Assim como critica a valorização do real frente ao Dolar, mas quando passou de 1,5 para 1,7 bem que reclamaram das compras no exterior mais caras...rsrsrs. Então meus caros, querem ter um padrão de vida aceitável no Brasil, escolham profissões que porporcionem isso. Sejam engenheiros, médicos, dentistas, cientistas da computação, pesquisador do governo em qq área, juiz, promotor, entre outras. Coloquem seus filhos nas melhores escolas também e ensinem matemática financeira pra eles.

    ResponderExcluir
  59. Joço Ares29/10/11 12:11

    Quem vende carro no Brasil está certíssimo em cobrar o quanto quer. Afinal, quem não gostaria de lucrar o máximo em cima de um produto. Ou agora fábrica de carros é instituição de caridade ou carro virou artigo de primeira necessidade???

    Coitadinhos dos brasileiros que estão sendo explorados por esse bando de capitalistas gananciosos... Buááá, buááá!

    Quem se sentir lesado (o que é meu caso), que continue mantendo seu carro pelo tempo que puder. Se o consumidor fosse mais racional na hora de comprar algo tão caro quanto um automóvel, com certeza a história seria outra.

    Mas um dia a gente chega lá. Os europeus, norte-americanos, chineses e até indianos chegaram. Um dia a gente também se cansa e muda essa merda para melhor...

    ResponderExcluir
  60. Samuca Puma GTI29/10/11 12:23

    Parabéns, Fernando. Resumiu tudo.

    ResponderExcluir
  61. Um dia a gente chega lá, também espero. Lembram quando celular era caro e raro e uns babacas que tinham faziam de tudo pra exibir os seus "brinquedos"? Espero que com carro aconteça o mesmo. Se tivermos mais uma década ou pouco mais de crescimento de 3 a 4% ao ano do PIB, qualquer um terá carro, muito mais carros de 100 mil reais serão vistos na rua e status (que os bananas brazucas tanto gostam) mesmo só com AMG, M, Porsche pra cima. Espero que aconteça antes com a praga do farol de neblina, pois tenho certeza que grande parte dos que usam à toa o acessório é porque querem mostram que o carro deles tem o "milha". hahaha. Depois que virar arroz com feijão, qual graça terá pra esses tontos?

    ResponderExcluir
  62. Anônimo, o problema não é os caras venderem a esses preços exorbitantes e alguns ficarem bravos com isso porque se acham explorados, mas sim o fato de que inclusive nosso governo que deveria fazer um pouco de frente a exploração do povo, não está nem aí. Enfim, "não adianta falar de mares para quem nunca viu os mares" diz o ditado.

    ResponderExcluir
  63. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  64. Pois é, por essas e outras continuo com o meu velho e ótimo santana 98/99 há sete anos só com manutenção de rotina, como as trocas de filtros, óleo etc.

    ResponderExcluir
  65. Não custa repetir. Isso não é um Blog, é alta literatura.
    Um Blog por dia é mais do que suficiente. Dá tempo de analisarmos cm mais calma.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  66. Enquanto houver pessoas que paguem preços abusivos, haverá quem abusa do preço... simples assim!

    ResponderExcluir
  67. "Enquanto houver pessoas que paguem preços abusivos, haverá quem abusa do preço... simples assim!"
    Ou seja... cerveja!

    E quem compra a esses preços é burro por opção.

    ResponderExcluir
  68. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  69. Sempre somos explorados, alguns tem a doce ilusão que partido X irá mudar o Brasil outros apontam que se o governante Y não tivesse nascido o país seria bem melhor de viver. Ou seja, nenhum governo irá aliviar os impostos, no máximo irão cortar gastos.

    O fato é que a carga tributária pesa, e muito, em qualquer produto ou bem comercializado por aqui e continuará assim por muito tempo. Carros são meros exemplos.

    Ok, alguns já perceberam que o lucro gerado por unidade das fábricas aqui continua sendo maior do que nos EUA. Em relação a isto, não há nada que possamos fazer, não há lei formal que amarre a "lei da oferta e da procura". Se eu quiser vender um parafuso por R$1.000,00 eu posso, desde que eu não tente enganar o comprador.

    ResponderExcluir
  70. Desculpem-me se me passou desapercebida alguma menção ao Imposto de Importação de 35%, mas acho que devemos ser justos, independentemente do conceito do marketing da CAOA/Hyundai.

    De todos os carros comparados, sofrem no Brasil uma tributação ADICIONAL de 35% o Malibu e todos os veículos da Hyundai.

    Assim, sem me deter em cálculos, embora os preços finais dos Hyundais sejam salgados no mercado brasileiro, temos de reconhecer que muito provavelmente a lucratividade da Honda (Fit e Civic nacionais) é sobremaneira maior que a dos coreanos.

    Pergunto: será que a Honda não merece ser criticada tanto ou mais que a Hyundai?

    ResponderExcluir
  71. Feliz ou infelizmente, uma mercadoria vale o tanto que as pessoas estão dispostas a pagar por ela, não existe essa ideia "do que realmente valeriam pelo seu posicionamento no mercado", a não ser nos livros de economia e, mais ou menos, nos sacolões.

    Pessoas pagam mais por um copo d'água no deserto do que num copo d'água na floresta amazônica, não? Igualmente, pessoas pagam mais por um Elantra aqui do que nos EUA, até chegar um concorrente e oferecer mais por menos.

    O que precisa é haver uma concorrência mais livre, e fim de papo. Não que eu não fique extremamente amargurado por pagarmos mais por menos aqui no Brasil, mas enquanto tivermos o governo que temos, ou você anda de ônibus ou se rende à isso.

    ResponderExcluir
  72. Por falar em água, outra coisa que o brasileiro não se dá conta é da privatização da água feita por grandes multinacionais como nestle e coca-cola...rsrsrs. Uma garafinha de 500 mL no bar custa R$ 2,00, o que dá em torno de 4000,00 / m3. Qto custa a água pública? R$ 6,00 / m3 na média? Pensem nisso! O galão de 20 L em torno de R$ 10,00 o que dá R$ 200 / m3. Vale mais a pena comprar um filtro e colocar na torneira. É isso aí, temos muitos habitos pra mudar...rsrsrs.

    ResponderExcluir
  73. Bom, sempre que esse assunto é debatido a minha opinião é a mesma...

    Realmente falta referência no mercado e isso só vai acontecer quando tivermos duas coisas:

    1 - Produtos nacionais competitivos

    2 - Educação formal e moral

    Agora, cabe uma ressalva importante; o mercado norte-americano é muito maior e disputado que o nosso a muito mais tempo; quanto mais se vendem produtos industrializados, mas barato fica... Sem contar que eles por lá tem produtos nacionais competitivos e educação muito melhor que a nossa... Então a vida dos importadores fica muito mais complicada.

    Levando tudo isso em conta; os preços nem estão tão ruins assim...

    ResponderExcluir
  74. Lawrence Jorge R S,

    O Chile não produz em seu território nem meio carro, quem dirá ter industria automobilística nacional. Nem por isso os preços por lá são absurdos, muito pelo contrário.

    ResponderExcluir
  75. Leon, o imposto de importação para empresas que tem fábrica ou montadora no Brasil (caso da GM e Hyundai) é de 24,5%. Além disso existem os benefícios negociados, que pode levar até a isenção da cobrança do II (seja por instalar fábrica em regiões em que se precisa de investimento externo, seja pela compensação de exportações - houve um ano em que a VW isentou de imposto sua linha inteira praticamente só com as exportações do Fox).

    Vale considerar também que o governo sul-coreano pratica dumping, o que faz com que os preços dos carros proveninentes de lá seja mais baixo do que de seus concorrentes produzidos no Mercosul ou México. Na prática, o II dos Hyundai, Kia e Ssangyongs é praticamente anulado. o FOB de um Kia Cerato hoje é US$ 9.000, de um Nissan Sentra equivalente US$ 13.000.

    ResponderExcluir
  76. Essa questão do preço dos carros no Brasil (e de qualquer outro bem de consumo) é apenas constatação do óbvio: consumidor imaturo, sem visão de valor, inconscientemente pensa mais na reação do outro do que na satisfação pessoal.

    Eu discordo da intervenção do MPF no mercado, as empresas tem de manter margens altas para operar e repassar para as respectivas matrizes mesmo. Foi por isso que se instalaram no Brasil, para gerar lucro e não para garantir que o cliente local tenha acesso a modelos modernos e seguros.

    O MPF sim de intervir em outro quesito, que é o da relação política-empresa. Há muita, mas muita sujeita por trás destas fábricas.

    ResponderExcluir
  77. Fábio, mas e a educação? Quem é melhor educado? Quem é mais corrupto como um todo? Quem aplica as maiores taxas tributárias não raramente em cascata? O Brasileiro ou o Chileno?

    Tem 200 outros fatores... Como a importação por lá é liberada para todos deve tb haver maior concorrência... Até mesmo a geografia; o Chile é muito menor o q facilita muito...

    Apesar de achar muito válida o debate em torno do assunto, não considero que estejamos tão ruim assim. Normalmente reclamar só piora as coisas...

    Pela simples razão que não adianta reclamar e atacar os sintomas, temos que agir nas causas.

    Abraços

    ResponderExcluir
  78. Lawrence, com relação ao mercado norte-americano também tem uma grande quantidade de veículos importados. Muitas montadoras estão se instalando no México tendo como alvo principal esse mercado, procurando manter o preço mais baixo com mão-de-obra mais barata. Há também muitos veículos japoneses, que quebraram vários paradigmas do mercado norte-americano. Agora é possível ver carros pequenos por lá, com consumo muito melhor do que faziam há alguns anos.

    O que precisamos no mercado brasileiro é de uma maturidade melhor, com maior concorrência e, principalmente, consumidores mais atentos àquilo que estão comprando. Enquanto houver quem compre carro por aspecto visual ou mesmo pelo preço (ou seja, apenas para impressionar vizinho) haverá quem pratique preço extorsivo.

    ResponderExcluir
  79. Ótima reportagem! Quando vejo alguém num Veloster, eu pesno que é um idiota, apesar de o cara estar se achando o tal... hehe
    Mas querem discutir pra valer?? Façam uma reportagem profundo sobre o LUCRO BRASIL de TODAS as montadoras!! E também avaliem a qualidade dos carros "nacionais", que de um modo geral, são uma piada!!!

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.