O INCOMPARÁVEL VALENTINO ROSSI


Era esperado por todos o anúncio da saída de Valentino Rossi da Yamaha. Em 2011 o famoso piloto italiano da MotoGP correrá pela também italiana Ducati, formando o "Time dos Sonhos Italiano". Valentino, "The Doctor" como é chamado pelos incontáveis fãs, é um dos grandes pilotos de todos os tempos, seja pelos números, por suas ultrapassagens impressionantes, por inventar técnicas de pilotagem que logo são copiadas por todos, ou pelo seu carisma e irreverência na comemoração das vitórias. Seja qual for o motivo, a MotoGP deve muito de seu público a ele.

Ele não é mais um garoto e, tendo brincado de rali e testado um Fórmula 1 algumas vezes, podia-se esperar que estivesse mais próximo de se aposentar do que de dar exemplo. Mas este é Valentino Rossi. Me deu mais três motivos para admirá-lo.

Primeiro, sofreu fraturas na perna decorrente de um (raro) tombo em um dos treinos para uma prova da MotoGP. Voltou em 6 semanas, um recorde. Andava de muletas nos pits e perdeu o lugar no pódio (3º lugar), em seu retorno, na última curva. O campeonato está praticamente perdido, não é esse o motivo. E a Yamaha não será sua empregadora em 2011. Simplesmente voltou por respeito aos fãs, pela paixão pelas corridas e pela sua nova motivação: Jorge Lorenzo (seu companheiro de equipe e lider disparado do campeonato).

Segundo, esse seu companheiro de equipe, um espanhol pouco carismático que tenta imitar Valentino nas comemorações (sem sucesso, a meu ver), virou vilão da MotoGP. Está batendo o campeão com uma moto igual (claro, desenvolvida e acertada por Valentino) de forma implacável, tirando até a graça do campeonato. Mas, perguntado, Valentino o coloca como um de seus motivadores na categoria. Compreensível, alguém realmente competente pra se bater. Isso é sangue de campeão...

Por último, mas não menos importante, sua carta de despedida da Yamaha (abaixo, a versão em inglês, divulgada ontem em seu site oficial). Só um verdadeiro entusiasta escreveria (em italiano, de próprio punho) uma declaração de amor à sua moto e uma demonstração de extremo carinho e elogios a toda a sua equipe. Este é Valentino Rossi. Desejo todo o sucesso do mundo em sua nova empreitada, que as corridas de MotoGP fiquem ainda melhores no ano que vem!


It is very difficult to explain in just a few words what my relationship with Yamaha has been in these past seven years. Many things have changed since that far-off time in 2004, but especially 'she', my M1, has changed. At that time she was a poor middle-grid position MotoGP bike, derided by most of the riders and the MotoGP workers. Now, after having helped her to grow and improve, you can see her smiling in her garage, courted and admired, treated as the 'top of the class'.

The list of the people that made this transformation possible is very long, but I would like to thank anyway Masao Furusawa, Masahiko Nakajima and 'my' Hiroya Atsumi, as representatives of all the engineers that worked hard to change the face of our M1. Then Jeremy Burgess and all my guys in the garage, who took care of her with love on all the tracks of the world and also all the men and women that have worked in the Yamaha team during these years.

Now the moment has come to look for new challenges; my work here at Yamaha is finished. Unfortunately even the most beautiful love stories finish, but they leave a lot of wonderful memories, like when my M1 and I kissed for the first time on the grass at Welkom, when she looked straight in my eyes and told me 'I love you!'


Um abraço,

MM

10 comentários :

  1. Sem dúvida um cara apaixonado pelo trabalho, e mais importante, pela máquina.
    Espetacular !!!

    ResponderExcluir
  2. Sem mais, pra mim, Valentino ja eh o melhor de todos os tempos, mesmo sem superar os numeros de Agostini.
    Acompanho sua carreira desde 96 nas 125, e sempre admirei seu carisma, e o principal, respeito aos adersarios, como com Barros em 2002, onde foi batido pelo brasileiro quando tiveram equipamentos iguais, e reconheceu seu talento, em especial as frenagens.
    Jorge Lorenzo, em compensacao, eh o contrario de Vale, eh arrogante e presuncoso, como o fez ano passado desemerecendo o talento de Rossi sempre que podia. Foi sistematicamente batido, como na ultima volta do GP de Barcelona.
    Rossi ano que vem volta ao topo, pois eh um grande acertador, visto o que fez com a Yamaha em 2004, que era um moto perdedora.
    Mas ainda acho que o cara que vai fazer Rossi se aposentar tem outro nome: Ben Spies.
    Lorenzo que aproveite esse ano.

    ResponderExcluir
  3. Ele fala "dela" com um carinho incrível.
    "like when my M1 and I kissed for the first time on the grass at Welkom, when she looked straight in my eyes and told me 'I love you!'"
    Sem palavras...

    ResponderExcluir
  4. Olá a todos do Autoentusiastas!
    Bom, um assunto off em relação a este post:
    Estava pilotando no rFactor e resolvi fazer um experiência com carros e setups idênticos, porém em um primeiro momento apenas com tração traseira, a qual já estou habituado, e depois com tração integral. Tive que adaptar meu estilo de "virtual" pilotagem, tendo dificuldades principalmente na entrada das curvas, na hora da redução. Porém, me senti mais confortável na saída das curvas, especialmente nas de baixa, e tive tempos de voltas mais constantes. Porém, ainda acho que pilotar com apenas tração traseira é mais diverto e desafiador.
    Em vista disso, pensei logo em vocês e venho sugerir um post: que tal escreverem algo sobre a tração (RWD e AWD, e até mesmo FWD) nos carros de corrida, em seus aspectos históricos e tecnológicos, diferenças de pilotagem e ajustes?
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Um exemplo de esportista e de profissional.
    O título do ano que vem é dele.

    ResponderExcluir
  6. Pra quem nao sabe, o chefe de equipe de Rossi desde 2000 eh Jeremy Burgess, responsavel tambem pelo desempenho de Rossi, que ainda nao confirmou se vai com ele pra Ducati. Acredito que va. Rossi nao eh bobo, sabe que Burgess eh o cara, afinal, trabalhou com uns "bracos duros" chamados Spencer, Gardner e Doohan, e fez deles todos campeoes mundiais.

    ResponderExcluir
  7. Gabriel,

    passei sua sugestão aos outros AUTOentusiastas. Alguém com mais afinidade com o assunto deve escrever sobre isso.

    Você já procurou no nosso blog pela ferramenta de busca?

    Vic Rodriguez já escreveu sobre o assunto em http://autoentusiastas.blogspot.com/2009/05/awd.html

    Bob escreveu em http://autoentusiastas.blogspot.com/2010/05/o-audi-quattro-e-o-misterio-na-pista-de.html

    E o Belli escreveu em http://autoentusiastas.blogspot.com/2010/03/nao-faz-diferenca-para-muitos.html


    Ontem vi o discurso de formatura da faculdade de Princeton. O paraninfo era um ex-aluno, fundador e presidente da amazon, Jeff Bezos (procurem no YouTube ou no www.ted.com).

    Ele colocava, muito bem "to be clever is a gift, to be kind, a choice". Ou seja, ser inteligente ou talentoso no que se faz é um dom, mas ser gentil e simpático, é uma escolha. Como The Doctor escolheu.

    MM

    ResponderExcluir
  8. MM,
    Adorei este post, eu mudei muito meu jeito de ser no sentido de ser uma pessoa mais gentil e cordial. Hoje tenho até vergonha da época que eu agia como um verdadeiro ogro, mas naquele tempo eu achava bonito ser estúpido. Acredito ser o amadurecimento, algo que não acontece do dia para a noite, leva anos, mais para uns, menos para outros...
    Com certeza para quem "está no topo" é mais difícil ter esta percepção, mas quando a pessoa faz esta escolha, o sucesso é inevitável.
    Abs

    ResponderExcluir
  9. Belíssima carta!
    Rossi, para variar, acerta de novo.
    Acerta no coração de quem ama o veículo que usa (eu acredito que isso seja sincero de sua parte) e ainda acerta toda a imprensa mundial, que só fala disso.
    É verdade, Adalberto.
    Rossi pode até ser um grande acertador, mas precisa de um "tradutor", que no caso é o seu chefe de equipe Jeremy Burgess.
    E como fez Schumacher antigamente, levar a sua própria equipe para a Yamaha fez toda a diferença para Rossi.
    Imagine então em uma empresa de carater latino como a italiana Ducati ou a propria Ferrari!
    Resta ver agora se Burgess irá, pois alguns sites especializados em MotoGp dizem que isto não está certo ainda.
    Se Jeremy não for e Rossi conseguir mesmo assim acertar a Ducati e fazer dela uma moto dominadora no mundial, acho que aí não restará nenhuma dúvida no mundo inteiro de que Rossi é o melhor de todos os tempos.
    Ah, Fábio das 13:44, me manda a "kindness recipe" por favor, porque ultimamente estou me sentindo e agindo como uma mula brava com TPM!
    Abs, Paulo Franco

    ResponderExcluir
  10. Jonas Torres18/08/10 13:01

    Um pequena historinha:

    Um vizinho transporta diariamente um casal de idosos (seus pais). Tem que ver o sacrifício para entrar no banco traseiro de um New Civic.

    Outro dia batendo papo furado com o velhinho (seu pai) falei para ele por curiosidade sentar no banco traseiro de meu New Fit. Ele entrou e saiu sem contorcionismo, sem cabeçada batendo na coluna e teto, sentou sem o joelho ficar acima do quadril.

    Seu filho quando da compra do carro disse: "Eu posso comprar um lasca de um carrão com pouco a mais que o preço do seu Fitzinho". Seus pais agradecem a sua sabedoria...

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.