O CÉU ESTÁ LOGO ALI

Foto: Autor
Este post poderia ter vários títulos e depois de lê-lo o leitor pode adotar o que achar mais pertinente:

- O céu está logo ali
- Autobahn na América do Sul
- Não somos criminosos
- Meu deus, como somos atrasados!
- ¡Macaquitos sí!
- Eles não nos roubam
- País de autoentusiasta
- Eu não serei você amanhã

Bastou um fim de semana em Buenos Aires para voltar à pátria amada deprimido. Isso sempre acontece após andanças pelo Primeiro Mundo, mas para mim foi a primeira vez após estar na Argentina.

Começa pelo aeroporto de Guarulhos, velho, feio, imigração em que um agente grita "Próximo" e só há três deles para liberar a entrada de brasileiros no próprio país. Qualquer aviãozinho hoje carrega 150 passageiros, portanto é fácil imaginar o tamanho das filas e, principalmente, a baixa velocidade com que se movem. Desrespeito absoluto.


Antes, no desembarque, alguém nos dá um formulário para preencher, o de declaração à alfândega. Escrever ali, de pé, algo que a empresa aérea (TAM) deveria providenciar em voo, como sempre foi, não é nada conveniente.

Depois, a marginal do Tietê, aquele horror de lentidão sem-fim que as recentes e confusas obras não resolveram, uma hora de táxi até a residência em Moema, perto do outro aeroporto, o de Congonhas. Uma hora! Às 11 da manhã. Apenas 33 km! E R$ 114,00: roubo.

A depressão continua ao se notar a caça aos bandidos que é o controle de velocidade por meio de incontáveis radares e pardais por toda parte, como se todo motorista fosse um criminoso.

Finalmente, o recuerdo do jantar da última noite no Restaurante Mirasol sob uma via elevada, como se fosse debaixo do minhocão da cidade de São Paulo, só que com limpeza e charme. Barulho e vibração dos carros passando sobre nossas cabeças? Esqueça. O isolamento acústico é perfeito.

A maioria tomando seu vinho, eu a cerveja Quilmes nesse último jantar, e quem é motorista sem o temor de ao voltar para casa ser apanhado como bandido por tomar a saborosa bebida, já que dirigir com até 0,5 g de álcool por litro de sangue é permitido lá -- a mesma alcoolemia autorizada na terra das Autobahnen. Aqui, "lei seca" que não é seca, 0,2 g/L de sangue, pouco para uma vida agradável e normal como a dos argentinos e alemães.

Por falar em autoestrada alemã, elas estão à disposição do brasileiro que nunca dirigiu numa - na vizinha Argentina. A foto acima foi feita domingo último, de manhã por volta de 10h30, quando me dirigia a uma localidade chamada Los Cardales para uma apresentação técnica da FPT e almoço no hotel Sofitel do lugarejo distante 70 quilômetros ao norte de Buenos Aires pela Rodovia Panamericana, que liga o sul e o norte do país.

A FPT, como muitos já sabem, é a unidade industrial da Fiat incumbida de produzir motores e transeixos e tem fábrica na Argentina também, em Córdoba.

O pórtico da foto indica velocidade máxima de 130 km/h na faixa mais à esquerda, mas é apenas um número. Eu estava dirigindo um Punto ELX 1.3 Multijet, a versão turbodiesel de 90 cv de potência e 20,4 mkgf de torque que é simplesmente sensacional. Acelera de 0 a 100 km/h em 12 segundos e chega a 170 km/h. Pelo velocímetro chegava a 190 km/h nos leves declives.

Andei também numa Strada Trekking cabine estendida com esse motor, 68.750 pesos/30.940 reais, 13,5 s e 165 km/h. Menos potência (87 cv) e mais torque (20,8 mkgf) para o trabalho mais pesado.

Não só eu, mas grande parte do tráfego rodava tranquilamente acima de 150 km/h e de vez em quando passava um Audi ou Mercedes bem mais rápido, sempre na faixa mais à esquerda. Andei o tempo todo entre 170 e 180 km/h e me senti na própria Alemanha. Não só por não ser considerado um criminoso ao trafegar a essas velocidades, como acontece cada vez mais aqui, mas também pela qualidade do piso. Não havia a menor sensação de estar sendo roubado pelo governo. Pelo contrário, havia a certeza de estar sendo respeitado como cidadão e como turista.

Sobre o Punto, pesa 1.222 kg, portanto nada tão leve, mas mesmo assim tem um desempenho cativante. Seu tanque de 60 litros garante autonomia exuberante ao rodar pelo menos 20 km com 1 litro em velocidades de viagem de 120~130 km/h. São Paulo-Brasília com um tanque só, o que me diz? E o preço é convidativo, 77.600 pesos, o que em reais é apenas 35.000. Por aí se tem uma ideia de como os brasileiros estão sendo roubados pelo governo, com uma política tributária massacrante e escorchante. Uma conta de luz em que o imposto é tido como 25%, num passe de mágica (mágica de ladrão, bem-entendido) vira 33,3% ao ser feito o cálculo "por dentro" (1 /1 - 0,25, que dá 1,333).

Mas a aprovação do nosso presidente é 79%, recorde...

Por tudo isso, recomendo aos entusiastas que ainda não o fizeram que deem um pulo ao país vizinho para tomarem uma bebedeira de civilização e ver com os próprios olhos o que é uma cidade maravilhosa de verdade - organizada, cultural, bela, cheia de parques. Onde nem carro de polícia se vê.

Num país que está crescendo a 10% ao ano, enquanto aqui patinamos em 2,5%, o pior entre os emergentes. Mas 79% dos brasileiros entrevistados (você conhece algum? Eu, não) consideram o governo do presidente Silva bom ou ótimo...

De uma coisa tenho certeza: nunca seremos os argentinos amanhã. Nada de "efeito Orloff" para nós em relação a eles. É impossível. É cultural.

BS

81 comentários :

  1. Finalizou com chave de ouro, Bob.
    abraço

    ResponderExcluir
  2. Bob: a aprovação de 79% não contrasta com seu artigo, apenas explica porque estamos nesta situação...

    ResponderExcluir
  3. Pois é Bob, sabe o que é o pior de tudo?
    É que já tivemos nossa Autobahn (rodovia SP-280). Lembra-se de como ela era na década de 70?
    Lembra das velocidades permitida e praticadas?
    Lembra do acostamento toooodo branquinho? Pois é, eu me lembro muito bem disso.
    Muito triste ver como as coisas mudaram e como elas poderiam ter sido melhores. Mas veja a coisa pelo lado bom: pelo menos voce tem oportunidade de sair por aí e ver que existe vida inteligente fora do .br
    Vamos continuar fazendo a nossa parte, lutando pelos nossos direitos autoentusiásticos.

    ResponderExcluir
  4. Mas Bob, brasileiro não está muito preocupado se as estradas estão ruins, se tem muitos radares, se nossos carros são de certa forma refugo de outros países a preço de ouro, se nossos políticos nos roubam na cara larga e ninguém "vê".
    Brasileiro tá preocupado com o estádio novo do corinthians, da copa, do campeonato brasileiro, se fulano vai pra europa, se o time vai ser rebaixado. E enquanto isso nossos representantes no planalto e nas câmaras regionais pintam e bordam conforme bem entendem.

    ResponderExcluir
  5. Achille,
    Foi só para mostrar que apesar da felicidade aparente havia muito o que fazer e não foi feito. Reforma fiscal, por exemplo, o que se paga de imposto não é brincadeira. Estamos sendo espoliados e muita gente (eu, não, obviamente) votou no Luiz Inácio Silva em 2002 pensando que isso fosse mudar.

    ResponderExcluir
  6. Musciacchio,
    Isso aí. Um bom exemplo é o Fórum de Leitores de O Estado de S. Paulo, espaço de discussão de temas sérios: o que se discute futebol ali é surpreendente.

    ResponderExcluir
  7. Bussoranga,
    Se me lembro! Até da via Dutra, andava-se rápido sem o menor problema. Os primeiros controles a binóculo e cronômetro começaram a se intensificar nas estradas paulistas, notadamente as do norte e do noroeste. O mais incrível em Buenos Aires é como o trânsito rodoviário se movimenta sem rolos e sustos, mesmo a essas velocidades. Digo, é igual à Alemanha.

    ResponderExcluir
  8. Bob, enquanto o governo mantém a massa com pão (bolsa família e afins) e circo (futebol e seus campeonatos) ficaremos nessa inércia que é esse país.
    Basta ver o nosso horário eleitoral gratuito....

    ResponderExcluir
  9. O diabo é que, pelo andar da carruagem teremos que engolir os descobridores do Brasil por mais 4 anos.
    Melhor nem falar de politica por aqui.
    Sugestão: na próxima ida e volta a Guarulhos, opte pelo busão em Congonhas. Mais prático e a gente não se estressa, e o tempo é quase igual.

    Realmente eu também me sinto envergonhado qdo amigos do exterior me perguntam alguma coisa...Vou responder o que?
    que aqui é o paraíso? Não dá já que não sou avesttruz.

    ResponderExcluir
  10. A Argentina é um país que tem suas esquisitices também. Por exemplo, politicamente eles estão iguais ou piores do que nós, por lá Perón ainda é referência, é como nos dias de hoje o Getúlio Vargas ainda ser guia espiritual. Essa presidente atual deles é uma piada.
    Não obstante, em vários aspectos nos ganham de lavada.

    McQueen

    ResponderExcluir
  11. É verdade, Bob, as estradas argentinas são infinitamente melhores que as nossas. Mas o padrão médio dos motoristas de lá não é nem remotamente comparável ao dos alemães, principalmente no que diz respeito à manutenção dos carros.

    Há uns 6 anos atrás, fiz o trajeto Buenos Aires - Mar del Plata e fiquei impressionado com o número de velharias tipo Renault 12 e Ford Falcon (por supuesto), com amortecedores pra lá de vencidos, carroceria de uma cor e a tampa do porta mala de outra, e um farolete de reboque aparafusado no paralama traseiro fazendo as vezes da lanterna. Todos lotados de filhos, sogra, cachorro e bóias salva-vidas, e todos andando a mais de 150 km/h.

    Sinceramente, deu medo. Se não acontecem mais acidentes por lá, é porque Deus é argentino (rs).

    ResponderExcluir
  12. Isso mesmo Bob,
    Rodovia Dutra era nosso último refúgio, eu diria que a coisa até que durou bastante por lá. Dava pra andar relativamente rápido e com pouca ou nenhuma encheção de saco. Agora, com a compra da NovaDutra pela CCR, a coisa degringolou de vez.
    Na verdade ainda sobrou uma, mas é melhor nem mencionarmos, caso contrário os chatonildos da vida vão detonar com nossa última rodovia sem tanta avacalhação. Na verdade a maior parte dela é em outro estado, e a parte de MG está muito melhor do que a parte de SP. Pronto, já dei a dica. :-)
    O que nós observamos só comprova o que eu venho dizendo há anos e anos: deixe o povo andar rápido que o trânsito flui melhor. Não parece óbvio demais?

    ResponderExcluir
  13. Arnaldo Keller31/08/10 19:57

    Bob, e isso pra não falar das estupefacientes estradas desertas dos Pampas e Patagônia, como as que peguei para ir para Bariloche em novembro passado e escrevi aqui. Quem não leu e gosta da idéia, dê uma olhada: http://autoentusiastas.blogspot.com/2009/12/cinco-mil-km-de-corolla-pela-argentina.html
    Quanto á nossa politicalha, fique sossegado, que com o Tiririca pior que tá não fica. É exasperante.

    ResponderExcluir
  14. Fernando Calmon disse:
    Há pedágios urbanos dentro de Buenos Aires, a Argentina ainda é considerado um país de caloteiros, não tem crédito internacional, as pessoas só compram à vista (não há CDC), o sistema financeiro está aniquilado, o crescimento econômico não tem sustentação pois as pessoas compram bens apenas para se defenderem da inflação escondida pelo governo (inflação "oficial" 10% e a real, 30%). Além disso ainda controla os preços, inclusive de combustíveis, o que a levou a importar derivados de petróleo e outros bens de consumo que estão em falta porque ninguém quer investir nesse ambiente tenebroso. Lembro também que o diesel encareceu tanto lá que a participação nas vendas de novos está em 15% e em queda. GNV apenas em carros usados, quando chega ao terceiro ou quarto dono e não aguentam pagar a conta da gasolina.
    Eu adoro a Argentina, tenho muitos amigos lá, mas é um país sem rumo pelo graves problemas políticos do peronismo. É uma pena pois se trata de um povo de nível educacional e cultural bem superior ao nosso, porém destroçado por brigas internas. Quanto ao desempenho econômico tanto o Brasil como a Argentina vão crescer em torno de 7% em 2010, mas o nosso crescimento é saudável, o deles, infelizmente, não. Com um detalhe o nosso crescimente foi contratado em 1994 e não nos últimos oito anos e se deve em grande parte à Lei de Responsabilidade Fiscal de 2000.
    Também participei do mesmo teste, claro que gostei da sensação de liberdade, mas não garanto que viveria confortavelmente lá. Também fico muito chateado com os limites de velocidade do Brasil, mas infelizmente a Alemanha a Argentina são exceções em todo o mundo. Se fosse nos EUA, por exemplo, eu, o Bob e outros jornalistas estaríamos presos, mesmo com a convicção de que não fizemos nada de errado.

    ResponderExcluir
  15. Fernando Calmon,
    Tudo isso que você disse pode ser fato, mas as pessoas alegres, os restaurantes lotados e uma ordem muito superior à daqui mostram que apesar dos problemas a vida deles está muito melhor que a nossa. Para autoentusiastas, então, nem se fala, não há termo de comparação.

    ResponderExcluir
  16. Arnaldo Keller31/08/10 20:44

    Vale lembrar que, com toda a choradeira argentina, o PIB per capta deles está praticamente igual ao nosso, entre U$ 4.500 a 4.600. Com melhor distribuição e preços mais baixos, o que lhes dá muito maior poder de compra.
    Lá a carga tributária está ao redor de 25%. Cá, 40%.
    Lá o metrô, trem, ônibus, custam R$ 0,50.
    Que poderia estar melhor, poderia e muito, assim como nosotros.

    ResponderExcluir
  17. Parabéns pelo texto...! Reflete exatamente a mesma coisa que sinto em relação ao assunto. Não sei se fico triste agora ou depois...
    Acho que já fiquei... ai ai ai

    ResponderExcluir
  18. AH, grama do vizinho é sempre mais verde!!! Bob você se esqueceu de falar que em Buenos Aires não existem cemitérios, mas apenas crematórios.

    NEM A TERRA ENGOLE ELES

    ResponderExcluir
  19. Bob,

    estive em Bs As no início do mês, ainda não consegui "voltar ao normal" de tão encantado que fiquei (não conhecia a cidade).

    há problemas por lá? por supuesto, como o senhor mesmo lembrou no comentário ao Fernando Calmon. mas, para quem preza a ordem, não há como não sentir saudades da capital portenha...

    ResponderExcluir
  20. Bob,
    Assim tenho uma recaída do "complexo de vira-latas", principalmente depois de ter lido ontem que no Chile o New Fiesta será vendido a menos que o equivalente a R$ 30 mil...
    Sobre o Sr. Luiz Inácio, ele poderia ter feito as coisas de maneira diferente, como todos esperavam que fosse, uma mudança.
    Será que os hermanos têm uma vaguinha para farmacêutico???

    ResponderExcluir
  21. Paulo Ferreira31/08/10 21:39

    É terrível, mas das nossas possíveis escolhas de governantes não vejo um que vá mudar o quadro.

    Meu voto será para contenção de danos, mas sinceramente estou em dúvida, não consigo definir a pior opção.

    ResponderExcluir
  22. A pior idéia é acreditar nas lorotas da Marina Silva. Foi petista a vida toda, agora quer ser a "novidade".
    Passa amanhã.

    McQueen

    ResponderExcluir
  23. Anônimo das 21:17
    Não sabia que lá não há cemitérios. Para mim, que resolvi escolher a cremação quando chegar a hora, perfeito!

    ResponderExcluir
  24. McQueen
    A Marrina é um louva-deus querendo ser presidente. Pode? Ela querendo se livrar da pecha de petista me lembra o Chaplin afastando o garoto quebrador de vidraças na hora em que apareceu o guarda...

    ResponderExcluir
  25. Sempre sonhei com uma autoestrada de primeiro mundo ligando qualquer lugar a minha cidade hehe. Poderia ser Brasília - Goiânia que ficaria muito feliz.

    Acho que vou fazer um curso de espanhol e castellano depois deste post.

    ResponderExcluir
  26. Bob,

    Interessante post. Não sabia que os nossos hermanos desfrutavam de estradas tão boas.

    Sobre as diferenças entre os dois países, não adianta ter uma economia tão estável e emergente como a nossa se o dinheiro não chega nas mãos do povo.

    Mas parece que o brasileiro está gostando do país do jeito que está, a julgar pela aprovação recorde do governo, mesmo com o caos na saúde, educação, sistema de transportes, ruas que mais parecem solo lunar, sem falar na roubalheira da quadrilha que governou o país nos últimos anos (muito pior do que a antecedente), denunciada na mídia, mas aparentemente aprovada pela população.

    Por sinal, a Argentina está longe de ser exemplo de nação, a política deles tem problemas graves, mas pelo menos dão de dez a zero nos brasileiros quando o assunto é exigir respeito. Sempre que o governo toma alguma decisão polêmica (ou errada), aparecem dezenas em frente ao palácio do governo argentino para protestar.

    ResponderExcluir
  27. Pedro,
    Evidentemente, o brasileiro está acometido de cegueira. Lamentavelmente.

    ResponderExcluir
  28. Visitei BA recentemente e tambem fiquei impressionado, mesmo em horário de rush não vi um engarrafamento. Todas as vias são muito largas e os motoristas não ficam mudando de faixa toda hora que nem os brasileiros. Tambem não vi um caça níqueis, ops! radar.

    ResponderExcluir
  29. Há sim cemitérios em Buenos Aires. O da Recoleta (http://www.cementeriorecoleta.com.ar/) é um exemplo disso. Nele estão enterrados Juan Manuel Fangio, Eva Perón e outros conhecidos argentinos. Há também o Chacarita, o San José de Flores, o San Pedro e outros. Sim, Buenos Aires também enterra seus mortos.

    ResponderExcluir
  30. Voces todos nao se deram conta que o Brasil està se "abrasileirando" a passos largos.
    Os Sharp, Keller, Zullino,Palandi, Musciacchio, etc etc... nao fazem mais "texto" agora entramos na era dos, Da Silva, Pereira, etc. Estamos em um pais rico, mas sempre de quarto mundo, (perdemos o terceiro faz tempo) uma populaçao subdesenvolvida em todos os sentidos, principalmente cultural.
    Esta situaçao é propicia para uma classe de malandros e espertos (porque também sao "zero" intelectualmente) às custas de regras extremamente populistas, como distribuir salario miséria, futebol e outras mediocridades do genero para com isto se encastelarem no poder e dominarem por muitos anos.
    A antiga classe media com os nomes dos velhos imigrantes està destinada a desaparecer ou se mudar do pais ou ainda ficar se lamentando até morrer, mesmo porque, à bem pouco a se contrapor.
    Eu jà resolvi o meu problema,
    mudei de pais e garanto que foi a soluçao se nao ideal a "menos pior"
    Tenham fé daqui a pouco chega a Dilma.

    Mario

    ResponderExcluir
  31. Lembram-se do slogan de anos atrás?

    BRASIL! AME-O OU DEIXE-O!

    Fica aí minha sugestão.

    ResponderExcluir
  32. Responsabilizar o Lula pelos impostos que estão assim a decadas é no minimo ignorancia. Mas, brasileiro adora ser contra. Criticar faz-se a primeira vista parecer inteligente, exigente, mas sem embasamento é no máximo ignorancia.

    ResponderExcluir
  33. Se está tão ruim assim por aqui, por que não ficou por lá ?????????

    ResponderExcluir
  34. Anônimo das 7:50
    O meu slogan é: Brasil! Ame-o ou deixe-o, mas trabalhe para consertá-lo.

    ResponderExcluir
  35. ...ao que tange às questões econômicas admito minha ignorância, mas quanto às culturais, como todo gaúcho não me sinto brasileira, principalmente nesta época de programas eleitorais, aparece um povo na TV que a gente só vê "quando está em férias". Enquanto o brasileiro não se ofender com política de "pão e circo" (circo então nem se fala)não vejo esperança... É triste se sentir no lugar errado, e é mais difícil (não impossível) tentar mudar isso, afinal de contas 79% estão faceiros na terra das mulheres fruta...

    ResponderExcluir
  36. Bob,

    Eu sou o Anonimo das 07:50. Sou o RABUGENTO. Muitas vezes minha identificação não aparece no blog e ainda não entendi porque.

    Conheço todos esses lugares onde você já esteve também.

    Não troco o Brasil por nenhum deles.

    Não podemos exigir mudanças da noite para o dia.

    Elas estão acontecendo.

    Temos que ter paciência.

    ResponderExcluir
  37. Mister Fórmula Finesse01/09/10 08:36

    Os governos se sucedem, as diferentes ideologias políticas - em tese - se revezam nas esferas mais altas do poder, mas tudo continua atrelado a uma herança tão pesada, densa e imobilizante como um poço de areia movediça: a incompetência e a preguiça.

    Incompetência para mudar os velhos modelos estabelecidos de altos impostos = serviço ruim que é igual a roubalheira generalizada.

    Preguiça para escapar do colonialismo que impera no senado, a assembléia que muitas vezes funciona 3 vezes por semana ao custo de setenta e sete mil reais por deputado federal. Aquela coisa de sentar na cadeira, botar os pés ao alto e comentar com o "nobre colega" com sua fazenda de tantos mil hectares está sofrendo com a estiagem...

    Corrupção e mau uso do dinheiro aos cântaros....um Garibaldi Alves que pagava sessenta mil reais de alguel para ter uma casa de veraneio de luxo em Natal, as custas do "governo", e lá ficou quando foi reeleito...anos e anos! poços de água potável fechados com tampas de concreto pois não foi encontrado o tão esperado petróleo lá...esqueletos de pontes que não chegam e não unem a lugar nenhum, previsão de que 90% dos municípios brasileiros comportam gestão fraudulenta em diferentes níveis em suas administrações, as profanas tetas da união sendo exauridas por gente que trabalha o tempo todo - o tempo todo - contra o Brasil...

    Política é assunto árido, mas as suas consequências estão ali, se o atual governo empurrou as camadas mais pobres para cima, combatendo estados de petição de miséria, também esqueceu da classe média que nada tem de burguesa...bolsa família não é e não poderia ser mote principal de qualquer campanha ou projeto de governo, mas enfim, seria assunto que não acaba mais.

    O Brasil é um país ingrato para autoentusiastas, voltando ao tópico então, e a grama do vizinho é realmente mais verde!

    ResponderExcluir
  38. É mesmo duro para a classe média de sobrenomes chiques ver os silvas e severinos se mudando para o apartamento do lado e andando em carros mais novos que os seus... Só tendo mesmo uma mentalidade tão tacanha como essa para não enxergar as mudanças que estão acontecendo no país. Dez anos atrás eu era um adolescente de 17 anos vivendo em uma família à beira da indigência, pai e mãe com o primário incompleto e desempregados, sem saber o que fazer da vida. Hoje sou um adminstrador com um salário de 5 dígitos. Minha irmã um ano mais nova se forma em medicina no fim do ano. Ah, o nosso sobrenome é Silva. Quanto à Argentina, vou lá pelo menos duas vezes por ano e o que vejo é um monte de motoristas tão ruins como os daqui, dirigindo verdadeiras bombas ambulantes, e um governo tomado de assalto por um bando que põe os nossos mensaleiros no bolso. A miséria cresce a olhos vistos. E se pensam que nossos policiais são corruptos, experimentem vajar pela Argentina com um carro de placas brasileiras.

    Lucas.

    ResponderExcluir
  39. Bob,
    79% de aprovação desse desgoverno, me dá a exata medida de quantas pessoas são ignorantes "neçepaíz":
    79% !

    ResponderExcluir
  40. Bob, Calmon e MFF,

    Bravo! Aplaudo de pé! Sem intenção alguma de "jogar confetes", aliás chega de confetes neste país.

    Bob,

    Em 2004 estive por dois meses trabalhando em BsAs. Devido ao baixo custo, apesar da frota sucateada, o taxi era o principal meio de deslocamento, ou melhor, eu sou um cara chique, só andava de remis... rs*
    Num dos flybacks, lembro que fui muito rápido de Ezeiza para BsAs, o taxista tocando a 190km/h, velocidade de cruzeiro, com um Renault 19, que flutuava pela estrada, deu medo! hahaha
    Aliás esta época foi bem próxima da pior fase da crise argentina, tudo estava muito barato, tive a oportunidade de conhecer ótimos restaurantes.
    Inclusive, quem for para a Argentina, não deixe de conhecer o La Brigada em San Telmo, melhor parrilla de BsAs na minha opinião.
    Outra dica é um show de tango chamado Esquina de Homero Manzi, o mais tradicional tango de BsAs, muito emocionante, foi a minha melhor noite em BsAs, isso que eu tinha apenas 26 anos e conheci todas as baladas em evidência da época. Ahhh... quem não conheceu um lugar chamado Opera Bay, infelizmente não poderá mais conhecer, el mejor boliche!

    Quanto aos 79% de aceitação do molusco, agora é época de eleições, tem institutos famosos falando algo em torno de 95%, nariz de palhaço para todos!!!

    Bom... Voltando a falar de coisa boa, minha experiência na Argentina foi realmente muito boa, fiquei deslumbrado com aquele país, isso em meio a crise! Culturalmente o povo argentino dá um baaanho no brasileiro, mas de longe, de longe...

    Quanto ao Brasil, só nos resta escolher o menos pior e ter esperança, no meu caso eu não posso mudar para o exterior, sou muito família e não teria como levar todos, pessoas idosas não se adaptam facilmente nem a uma mudança de bairro.

    Abraços

    ResponderExcluir
  41. Bob,

    Nossa carga tributária é realmente alta. Mas, já é publico e notório, pelo menos para nós, que as margens de lucro de nossas queridas fábricas de automóveis são grandes, também...

    Concordo com o que todos escreveram sobre os "nossos" problemas políticos e sócio-culturais, e acredito que no dia em que o brasileiro "acordar" e começar a reivindicar melhorias e protestar contra este estado de coisas, como alguém citou aí em cima que ocorre na Argentina, a coisa vai começar a mudar. Só não sei se estarei vivo para ver isso acontecer, infelizmente...

    ResponderExcluir
  42. Mario,
    Qual o problema dos nomes? Se a patroa não se preocupou em desenvolver em conjunto com a cozinheira, agora suporte consequências de sua filosofia colonialista.

    Ah, não me chamo da Silva, sou de família pobre - cozinheiros - mas meus pais me deram educação e respeito. Foi o suficiente.

    ResponderExcluir
  43. Anônimo da 8h11,

    "Se está tão ruim assim por aqui, por que não ficou por lá ?????????"

    Típica frase de quem não quer enxergar e encarar os problemas do país e trabalhar pra melhorar. Isso é o que nos faz patinar por décadas...

    ResponderExcluir
  44. Meu pai foi varredor de gráfica. Comunista. Minha mãe foi chamada a depor acusada de subversão. Meu tio foi torturado e enlouqueceu. Nada disso me deixa automaticamente dar um salvo conduto a qualquer demagogo que venha pretendendo falar em nome de pobres e desvalidos. Todo político quer perpetuação no poder. Ponto. Pago uma grana de imposto de renda. Trabalho cinco meses por ano EXCLUSIVAMENTE para pagar impostos. Pagamos de impostos um terço do PIB - ou seja, um terço das somas das riquezas produzidas por todos os brasileiros. Este dinheiro é sistematicamente roubado por quadrilhas oficiais, eventualmente pela maior quadrilha já organizada no país para roubar dinheiro público, como observou o ministro relator do Supremo Tribunal Federal. Não me venham com discursos comprometidos tipo sobrenomes chiques versus
    silvas e pereiras. É isso que querem: dividir o país entre nós e eles. Só existem nós, brasileiros. Todos nós. Sem exceções. Abraços, Fred

    ResponderExcluir
  45. O chamado efeito 'orloff' realmente não se aplica ao mercado automobilístico. Mas eles tiveram apagón, isto é, crise energética antes de nós, também sofrem com caos aéreo, também elegeram uma presidenta, que só ganhou por pegar carona na popularidade do antecessor; também lá ocorre fenômenos de populismo, voto de cabresto, de propina, mensalão e... chega, aqui é só p/ falar de carros entusiasmantes. Lá tem compactos rodando com motor TDi, lá também não tem flex, lá Hyundai não é a tal, nem enche voce com tanto comercial.

    ResponderExcluir
  46. Olá a todos,

    Vejo que boa parte aqui culpa única e exclusivamente o Executivo por todas as mazelas já citadas. Porém, poucos se lembram que grande parte desse estado de coisas é por conta da fraqueza dos nossos representantes no Legislativo. O presidente, seja ele qual for, não tem o poder de um monarca absolutista como muitos parecem acreditar. Muitos dos temas que foram tratados aqui dependem muito mais dos deputados e senadores (e também dos legislativo nos níveis estadual e municipal) do que propriamente do presidente, governador ou prefeito. E, generalizando mesmo, ninguém cobra deputado e senador ou vereador. Só que são esses caras os maiores responsáveis pelas reformas que não saem e que tanto exigimos. Como bem lembrou o Mr. Fórmula Finesse, esses sujeitos em sua grande maioria vão lá 3 vezes por semana para botar os pés pra cima e bater papo furado. E isso se dá porque eles sabem que não serão cobrados. Eles sabem que quem votou neles nem se lembra disso. E sabem que quem os colocou lá e nem se lembra disso também não compreende a responsabilidade que eles têm nesse 'imbroglio' todo. E tampouco compreende a própria responsabilidade, pois perpetua esse círculo vicioso votando em qualquer um pois "político é tudo igual e nada vai mudar mesmo"...

    ResponderExcluir
  47. Como sempre, Bob Sharp demonstra seu dom não apenas quando descreve a aventura mas também nas respostas de primeira classe aos comentários.
    Minha sugestão é que o bob se candidate próxima eleição porque não ia ter pra ninguém nos debates hahahahahaha

    ResponderExcluir
  48. Você critica a fiscalização em nossas estradas, ruas, avenidas e questias, citando como exemplo outras localidades, nas quais não existe fiscalização HOJE ... Porém, nossos motoristas, não têm, NENHUMA EDUCAÇÃO DE TRÂNSITO, o que obriga a fiscalização ferrenha ... se, com fiscalização ferrenha (e com objeticvo arrecadatório), os motoristas NÃO RESPEITAM A LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO, imagine se você "afrouxar" a legislação ??? a própria "Lei Seca" está nesta situação, pois NINGUÉM respeita esta lei, já que sua fiscalização é mínima ... no Brasil inteiro e isso é refletido no trânsito, vale a "Lei do Gerson", onde cada um quer "tirar vantagem" e se sobrepor aos outros - é só olhar a quantidade de motoristas transitando por acostamento, fazendo conversões indevidas, ultrapassando o limite de velocidade, estacionando em fila dupla, ocupando vagas de deficientes, idosos, etc ... Mudando de assunto ... você reclamou do preço do taxi de Cumbica até Congonhas ... este "assalto" já é de conhecimento dos frequentadores assíduos dos aeroportos ... como você mora próximo à Congonhas, vai uma dica: na próxima vez, alugue um carro em Cumbica (a diária é algo próxima a R$ 50,00 - carro econômico) e o devolva na filial de Congonhas (próximo à sua casa) ...é o nosso "jeitinho" para driblar a ganância alheia ...

    ResponderExcluir
  49. Marz, se existir este termo, "semiconcordo" com você sobre a questão de deputados, senadores e vereadores - mas se o pessoal lá em cima não quer,
    fica tudo na mesma. Rarissimamente o baixo clero faz uma revolução e vai contra presidentes - do país e de seus partidos - para não perder as benesses, que vão desde dinheiro para reeleições - é para isso que todo político vive - até nomeações, sinais de prestígio, etc.
    O problema todo você resumiu bem, é a perpetuação do círculo vicioso.
    (Enquanto estamos aqui numa discussão de nível, outro blog, raivosamente investe contra a capa de Veja desta semana, alegando uma inconcebível e paranóica propaganda subliminar. Aconselho a todos uma idazinha até lá, para rir um pouquinho.)

    ResponderExcluir
  50. Anônimo,

    Vc consegue rir de quem está nos F-D---O?

    Eu só lamento, prefiro não entrar num espaço deste, é como alimentar um câncer.

    ResponderExcluir
  51. Pessoal,
    para começar, é quase impossível dizer definitivamente se um país é melhor ou pior que outro, sempre vai depender do que estamos analisando.
    Em relação à Argentina, sempre é bom lembrar que ela já foi uma potência emergente comparável aos EUA nas primeiras décadas do século 20, quando o Brasil era um país rural.
    Em relação ao PIB, é fácil checar os números: no acumulado, o PIB brasileiro cresceu bem mais (culpa das crises sucessivas da Argentina desde os anos 90).

    ResponderExcluir
  52. Acho, como já mencionei em comentário anterior, que é muito conveniente aos fabricantes de carro esse "pensamento único" de que os carros brasileiros são caros por conta dos impostos. Comaprem por favor o preço sem impostos dos veículos brasileiros e dos similares fabricados fora; aí fica fácil constatar que os nossos fabricantes (em especial alguns nipônicos) esfolam o consumidor brasileiro sem que ninguém se dê conta.

    Mas Bob, pode colocar meu nome aí entre os que apóiam o presidente! A meu ver, a grande obra do governo Lula foi a inclusão social: o pessoal da classe D e E migrou para a classe C e a miséria diminuiu substancialmente. As pessoas passaram a consumir; não é incrível que hoje o mercado brasileiro de automóveis já seja o quinto maior do mundo?

    É claro que para os que estão no "andar de cima" - acho que eu, você e a maioria dos frequentadores deste blog - é preciso olhar em volta para verificarmos a transformação pela qual o país está passando. A desigualdade está diminuindo em muito, coisa que só não enxerga quem não quer.

    Desejo boa sorte aos hermanos argentinos, mas apesar das coisas boas que lá existem, não os invejo. Esse paraíso descrito no seu artigo não existe, Bob! temos que ver também as coisas ruins: a inflação argentina é mascarada há anos pelo governo, com estatísticas manipuladas; o país não tem crédito externo por ter entrado em default; o alto crescimento econômico se explica pela base de comparação baixa (o país encolheu muito na época do presidente De La Rua. Aliás, se o Brasil e Argentina tem mesmo PIB per capita - como alguém falou logo acima - é um fator de regozijo para nós, brasileiros. Meros 100 anos atrás, a Argentina estava entre os 10 países mais ricos do mundo, com economia calcada na exportação de carnes (enquanto nós éramos miseráveis). Em suma: a Argentina empobreceu, o Brasil enriqueceu! Por isso tudo, Bob, não invejo a Argentina...

    PS Rabugento, se você for o cara de Campinas com quem eu já conversei em outros blogs, um grande abraço do Ricardo Montero!

    ResponderExcluir
  53. Em tempo, Bob: vou adotar seu slogan (Brasil! Ame-o ou deixe-o, mas trabalhe para consertá-lo). Genial!

    ResponderExcluir
  54. Se o país dependesse da classe política somente, a Argentina certamente estaria pior que o Brasil.
    É fácil jogar a culpa nos outros (a classe política).
    É como se o povo (do qual nós somos parte) não carregasse boa parte do ônus.
    Alguém acha que a desonestidade e a pilantragem não estão enraizadas na cultura brasileira?

    ResponderExcluir
  55. Meu bisavô português trabalhou em Buenos Aires e Paris antes de emigrar definitivamente para o Brasil. Contou à minha avó que a capital argentina nada devia à francesa: ruas limpas, segurança, gente bem-vestida, bem-educada e tinha até metrô (inaugurado em 1913). Antes da Primeira Guerra Mundial, a Argentina era o SEXTO país mais rico do mundo, à frente de França e Alemanha. Em 1920, a Argentina tinha o mesmo índice de analfabetismo que o Brasil tem hoje. Voltando ao metrô, você vê gente humilde lendo Borges e Bioy Casares, enquanto no Brasil é revista de fofoca e olhe lá. E considerem que há quase sete décadas a Argentina está sendo sistematicamente destruída, seja pela corja peronista ou por militares megalomaníacos. Imaginem a potência que seria hoje, se governada por gente séria. Estive em Buenos Aires há um ano atrás e andei muito de táxi. Notei que os buracos são raríssimos, e os remendos no asfalto, quando existem, são praticamente imperceptíveis. A cidade é incomparavelmente mais limpa que São Paulo, ainda que os portenhos a considerem muito suja. Naturalmente, os padrões deles são muito mais elevados. Compreendo.

    ResponderExcluir
  56. Eurico Jr.01/09/10 13:23

    Em tempo: postei o relato acima, mas o sistema não publicou o meu nome.

    Eurico Jr.

    ResponderExcluir
  57. Claudionor01/09/10 13:59

    Vendo comentários como o do "Anonimo" Lucas, fico cada vez mais preocupado. O PT tem conseguido imputar nas mentes da população uma ilusão de "eles" contra "nós". Só mesmo essas mentes pequenas para achar que a classe média é de alguma forma privilegiada ou causadora da pobreza.
    Lucas tenha orgulho das conquistas da sua família, mas nunca com essa arrogância. Ah, bem vindo à classe decadente.

    ResponderExcluir
  58. Fabio, afinal de contas, quem está nos f d o? A Veja ou
    um outro blog?

    ResponderExcluir
  59. Claudionor, tenha certeza de que não sou arrogante. Filho de pai biscateiro e mãe bóia-fria não tem esse direito. Quem começou com essa história de "eles" contra "nós" foi o Sr. Mário, que diz achar um absurdo o fato de tantas pessoas pobres estarem ascendendo à classe média, como se isso fosse uma heresia. Estou longe se ser esquerdista, socialista ou coisa que o valha, e repudio toda essa tentativa de dividir o Brasil em classes, raças, etnias etc. Sou capitalista e defensor da liberdade em todos os sentidos. Não gosto do PT, nunca votei no Lula, mas fatos são fatos. Veja quantas pessoas saíram da pobreza nos últimos anos. O Lula, graças a Deus, fez um bom governo e merece a aprovação que tem. Da mesma forma que acho que o FHC foi um ótimo presidente, que fez o Brasil tomar os remédios amargos que o país precisava tomar, e tem sido mal compreendido por isso até hoje. Tanto o governo PSDB quanto o do PT têm seus méritos, um país não recomeça do zero a cada eleição. Quanto à ascensão social da minha família, é lógico que não a devemos a nada além do nosso próprio esforço, embora minha irmã e eu tenhamos estudado do maternal à universidade em escolas mantidas pelo Estado. Ah, e obrigado pelas boas vindas à classe decadente, espero ficar nela pelo resto da vida!

    Lucas

    ResponderExcluir
  60. O PT (isto tenho de admitir) tem talvez a mais espetacular máquina de propaganda desde Goebbels. Aquilo que não é mentira absoluta, é no máximo, meia-verdade. "Tiramos milhões da miséria"! "Colocamos outros tantos milhões na classe-média"! "A saúde pública está beirando a perfeição"! Com números tão fantásticos de ascenção social, o que se vê são favelas crescendo, favelas nascendo, população de rua à vontade, gente morrendo em porta de hospital...E 80% de otários acreditando nesta fantasia de grandes transformações. Poder comprar uns elétrodomésticos a mais em "trocentas" prestações e uns quilos mais de carne (e isto nem é mérito exclusivo do PT, mas uma conseqüencia diretamente ligada ao Plano Real, e de políticas que os petistas eram completamente contra, quando oposição) não é a mesma coisa que sair de um barraco na periferia, para ir morar em um bairro nobre com toda infra-estrutura, pagando escola particular para os filhos, plano de saúde, dentista, curso disto, curso daquilo, etc, etc, como a quadrilha petralha quer (e está fazendo) que muita gente acredite que estão dando condições para que aconteça. Isto sem falar nos nefastos rumos ideológicos "bolivarianos" para os quais estão encaminhando o Brasil. Esta corja nunca me enganou.
    Mr. Car.

    ResponderExcluir
  61. Bob,
    Quem faz uma nação é seu povo.
    Se esse seu relato fala de um país sul-americano, quem dirá se fosse de um país desenvolvido.
    Todo brasileiro deveria visitar pelo menos um destes países, para conhecer aquilo que não temos. Cada qual com sua legislação, obrigação, problemas ou costume, mas uma coisa é igual em todos: O RESPEITO PELO CIDADÃO.

    ResponderExcluir
  62. Se aqui está ruim, vá ganhar seu dinheiro lá na Argentina, Bob. Não precisamos de "brasileiros" como você.

    ResponderExcluir
  63. Parece que o Senhor Foco saiu de Ferias tambem.

    ResponderExcluir
  64. Contribuindo

    http://www.autoarte.com.br/130km.jpg

    Obs a cidade é suja, o transito louco, mas as autopecas sao melhores que as do brasil.

    ResponderExcluir
  65. Nossa quanto preconceito , primeiro governo popular desse país em que a maioria é pobre/miseravel é lógico que vai ter 80% de aprovação.
    2)antes do governo do pres metalurgico tinhamos autobans por aqui?
    3)aqui em sp as pessoas ficam horrorizadas com o"bolsa esmola"mas acham normal adolescentes e crianças limpando parabrisas e fazendo malabares nos cruzamento
    4)será que está errado tentar dar educação e comida pra "eles" antes de "nós"termos autoban

    ResponderExcluir
  66. Gilberto, o Sr. Foco não saiu saiu de férias - ele emigrou em caráter definitivo.

    De qualquer forma, parabéns ao AUTOentusiastas e a todos os que comentaram aqui aqui por manterem a discussão em alto nível.

    ResponderExcluir
  67. Ja contei a voces quem foi a pessoa que me fez nao locar um carro em BA? Foi o fiscal da alfandega da argentina. Ele me levou para um cantinho, sem cameras, e perguntou de todas as formas possiveis para quem era o jogo de Lhantas o qual eu transportava, sim tenho meus dias de muambeiro internacional de carga automotiva, ma no final deu tudo certo paguei 100 dolares de imposto e fui liberado, mas poderia ter pago apenas 50 pesos. Tanto la como cá é igual. Paguei imposto na roda no brasil, paguei imposto na argentina e as rodas foram rodar nas boas e exemplares estradas daquele pais entre o Mexico e o Canada. Detalhe la, para entrar no pais, nao ocorreu cobranca de impostos. Algo esta errado e eu nao sei o que é.
    Levi, eu juro que tenho uma imagem da mesma placa com o senhor foco no horario do cafe.

    ResponderExcluir
  68. Toity, educação tá passando longe do Brasileiro.

    ResponderExcluir
  69. Felisberto01/09/10 22:03

    Lamento sair do tema "automóveis", mas você critica a forma de cálculo do ICMS (por dentro) e logo depois faz referência a popularidade do presidente. Não custa lembrar que o ICMS é imposto estadual. Portanto, qualquer reclamação versando sobre esse tributo deve ter como destinatário o governador Serra ou seu preposto, Alberto Goldman. Não custa lembrar que, durante a fase mais aguda da crise, houve redução, por parte do governo federal, do IPI sobre veículos. O mesmo não aconteceu na esfera estadual no que concerne ao ICMS. Aliás há quem diga que, com a implantação do mecanismo de substituição tributária, a cobrança de ICMS sobre veículos foi, e é, feita sobre o preço cheio, não levando em conta eventuais descontos oferecidos pelas concessionárias. Todo o meu comentário não elide o fato de que os impostos no Brasil são de fato escorchantes e os serviços oferecidos em retribuição pelo poder público muito aquém do desejável.E isso vale para as três esferas de governo: federal, estadual e municipal.

    ResponderExcluir
  70. Cavalheiros, a verdade é que não tivemos sorte em sermos colonizados por Portugal. Senão, vejam: a primeira universidade da América do Sul foi fundada pelos espanhóis em Lima, no ano de 1551. Por aqui, cursos superiores só foram inaugurados em 1808!!! Devemos, portanto, à bitola estreita do espírito lusitano muito do nosso atraso. Ao que parece, os espanhóis desembarcaram neste continente conscientes de que o que havia a fazer era dar continuidade à civilização européia. Já os lusos não admitiam que se produzisse no Brasil os artigos mais elementares, como linha de coser. Nós não deveríamos ter qualquer indústria (e ainda acham que os vampiros são naturais da Transilvânia)! Então, partimos desse handicap.

    Mas essa situação pode ter suas vantagens. Enquanto os argentinos idealizaram uma Europa meridional, coisa no mínimo esdrúxula, nós talvez sejamos mais americanos, mesmo. Um pouco como nossos irmãos do norte (Harvard, a primeira universidade deles, é de 1636), não nos miramos tanto na Europa, a velha dama indigna.

    Desejo a todos que sobrevivam ao "animal político" que o nosso líder tirou da cartola, e que parece ser a barbada do páreo.

    ResponderExcluir
  71. Pare Roberto. As UFs brasileiras, mais recentes, conseguem ser mais velhas, do sentido de antigo estragado, do que as mais antigas da europa. Não é questao de idade nem de ideologia, mas de pouco caso.

    ResponderExcluir
  72. O governo sacaneia o povo duas vezes com os impostos: 1-porque são altos; 2-porque o cálculo dos impostos é complicado de se fazer, portanto é dificil para o consumidor comum saber exatamente quanto de imposto ele está pagando.

    Mas claro, as fábricas também fazem parte da exploração. E vejo pouca gente comentar de outros vilões bem safados: os bancos.

    Te dão crédito para comprar um carro e a possibilidade de pagar em 7 anos com juros de 3% a.m. que ninguém dá conta.

    No Brasil, essa pirâmide é única que está ganhando.

    Quanto à educação no trânsito, a nossa "querida" pátria também dá vexame. No caso mais específico dos Estados Unidos, onde tenho um amigo morando, pelo que eu escuto do sistema e já vi em vídeos, a fluidez no trânsito é fantástica, o cumprimento das leis, as atitudes do governo em relação ao trânsito (na maioria das vezes, bastante racionais) e o respeito máximo ao pedestre são fantásticos.

    Fiz 18 anos há poucos meses e agora estou na autoescola, mais precisamente nas aulas práticas de direção. Não preciso dizer que o desânimo é grande: aquilo ali não é pra ensinar a ser bom motorista, é pra ensinar a passar na prova da forma mais técnica e decorada o possível.

    ResponderExcluir
  73. eu fico emocionado de ver "mentes brilhantes" dando vivas à "erradicação de pobreza", à "diminuição de desigualdade" que o governo atual, representado por esse senhor barbudo patético e corrupto, está realizando. claro, distribuindo "bolsa-esmola" pra deus e o mundo sem qualquer contrapartida, é fácil. Mas é o seu, é o meu, é o nosso que está se esvaindo nesse assistencialismo barato e financiando movimentos criminosos como o MST, a aproximação com essa corrente bolivariana como alguém já citou e promovendo o povo brasileiro à idiota mundial através de demonstrações de uma diplomacia "brilhantemente porca", como o mundo viu na mediação de um acordozinho mequetrefe com aquele tirano do oriente, o Ahmadinejad. sem dúvida, cada povo tem o governante que merece

    ResponderExcluir
  74. Esse texto circulou pela internet quando do lanaçamento do filme "Turistas" e é uma singela homenagem aos ufanistas de plantão:

    "Brasileiro é engraçado...

    Brasileiro faz de tudo para pagar menos imposto.

    Brasileiro move mundos e fundos para escapar do Serviço Militar.

    Brasileiro avança sinal vermelho, para em cima da faixa de pedestres, estaciona em fila dupla, coloca engate no carro para "proteção", compra toca-fitas roubado, adultera a placa do carro e para não levar multa, dá uma "cervejinha" para o guarda.

    Brasileiro faz "gato" para não pagar água, luz e TV a cabo.

    Brasileiro elege uma cambada de ladrões para governar o Brasil. Quatro anos depois, o brasileiro reelege a cambada.

    Brasileiro joga papel no chão e urina na rua. O cachorro do brasileiro faz cocô na rua e o brasileiro não recolhe.

    Brasileiro vandaliza trem, banheiro, metrô, ônibus, orelhão, estátua, túmulo, propriedade pública ou privada.

    Brasileiro gosta de levar vantagem em tudo.

    Brasileiro gosta de furar fila, de ser mais esperto que os espertos.

    Brasileiro cheira cocaína, fuma maconha. E depois vai fazer passeata contra a violência.

    Brasileiro trata mal e explora o turista. E também assalta e mata o turista. Brasileiro ganha muito dinheiro com o turismo sexual.

    Brasileiro aplaude filme americano que mostra os podres dos americanos, aplaude o Michael Moore e aplaude aquele cara que passou um mês comendo Big Mac.

    Brasileiro não gosta de ver os próprios podres, mas adora ver os podres dos outros.

    Aí aparece um filme americano que mostra os podres do Brasil, certas verdades incômodas.

    Brasileiro tem um surto de patriotismo rastaqüera, se enrola na bandeira e xinga, esperneia, reclama, discursa.

    Até parece época de Copa do Mundo.

    Brasileiro é hipócrita.

    Brasileiro é essa m... que o filme americano mostra.”

    Por Henrique Novaes

    ResponderExcluir
  75. Henrique,

    Acho que não sou brasileiro então...

    Sds

    ResponderExcluir
  76. Paro não, Gilberto, pois o que estou dizendo é, exatamente, que a cultura do pouco caso nos foi instilada pelos colonizadores de quinta categoria que tivemos. Pra quê indústria? Isto aqui é pra ser um grande cafezal, e basta. Pra quê universidades, se o brasileiro deve apenas cumprir ordens e comportar-se bem? Começamos a estudar com 150 anos de atraso em relação a outros países latino-americanos, e nosso primeiro curso superior acabou de fazer 200 anos. Quer dizer, partimos, sim, de um considerável handicap.

    Apesar disso tudo, a produção científica brasileira é hoje superior à russa, está entre as primeiras do mundo. Os ingleses, deu na BBC, estão recomendando que se tire o chapéu ao Brasil, cuja tecnologia agrícola é exemplar, segundo eles. Isso a despeito do grau de sucateamento das nossas universidades, concordo contigo, da piada que é a educação por aqui. Quer dizer, somos esquizóides. Nosso almoço já não é tão ruim, mas insistimos em cuspir no prato.

    ResponderExcluir
  77. Como se um país fosse melhor que o outro pelo simples fato de poder andar a 180km/h numa rodovia. Se fosse assim, os EUA - adorados por muitos aqui - seriam uma porcaria, tamanho o controle sobre velocidades.

    O Brasil tem inumeros problemas? Tem? Mas sempre o Bob Sharp tenta colocar o Lula como o culpado de todas as mazelas brasileiras. Até na questão do ICMS.

    Como dito acima, antes do Lula viviamos maravilhosamente bem e andavamos todos de mercedes e bmws em autobanhs.

    Quanto ao fórum de leitores do Estadão: conseguem ser mais hilários que o José Simão, da FSP. É a melhor parte do jornal. Dá para dar muita risada...

    ResponderExcluir
  78. Henrique,

    Acho que não sou brasileiro então...(2)

    ResponderExcluir
  79. Bob,

    Brilhante o slogan: "Brasil: ame-o ou deixe-o, mas trabalhe para consertá-lo".

    É muito cômodo deixar tudo para traz e ir viver num local mais "civilizado". O bicho pega é na hora de arregaçar as mangas e lutar para melhorar o que não julgamos correto. Me recuso a sair do Brasil por causa dos problemas. O maior problema daqui é a mania do povão usar a "Lei de Gérson" como filosofia de vida...

    ResponderExcluir
  80. Pessoal, ele demorou mas apareceu. Com vocês, escondido numa alcunha... Silvinho "Land-Rover" Pereira, o petista que adora um SUV. Como tantos outros, ele encontrou uma boquinha no governo, tirou um jipão no consórcio do Valério e agora fica repetindo o argumento que lhe custa um imenso esforço intelectual: o país melhorou. Melhorou porque a moeda está estável, oligofrênico, mas isso não se deve a vocês.

    ResponderExcluir
  81. Alguém me diga o que o lula fez de diferente dos outros 2 presidentes anteriores para melhorar o Brasil. Que eu saiba, evoluir é a tendência natural de qualquer lugar. Ah, já sei. Foi o Fome Zero -> fez tanto sucesso que, na segunda campanha eleitoral, o pt nem tocou no assunto. E também aumentou os impostos, antes de dizer que quem não gosta de cpmf era sonegador. Eu sou de classe mérdia mesmo, graças ao lula. Me diga como um país pode crescer direito sufocando a base da economia? Não tenho nada cotra probres tendo melhores condições de vida, mas isso é uma coisa que aconteceria de qualquer jeito através da base criada na longínqua época do Itamar. Bolsa família não ajuda em nada disso. Só lamento se a terrorista ganhar as eleições. Milhões em propaganda durante 10 anos fazem milagre mesmo.

    ResponderExcluir