MERCADO - DIVISÕES, SUBDIVISÕES, PREÇOS, CATEGORIAS E OUTRAS BOBAGENS


SUBDIVISIONS - RUSH
Subdivisões
( N. Peart, G. Lee, A. Lifeson)

Sprawling on the fringes of the city
Espalhando-se pelos meandros da cidade  
In geometric order
Em ordem geométrica  
An insulated border
Uma fronteira isolada  
In between the bright lights
Entre as luzes brilhantes  
And the far unlit unknown
E o desconhecido longe e escuro   
Growing up it all seems so one-sided
Crescer parece tão dirigido 
Opinions all provided
Opiniões todas providas  
The future pre-decided
O futuro pré-decidido  
Detached and subdivided
Destacado e subdividido  
In the mass production zone
Na zona de produção em massa  
Nowhere is the dreamer or the misfit so alone
Em nenhum lugar o sonhador está tão deslocado  
Subdivisions
In the high school halls

No saguão do colégio  
In the shopping malls
No shopping center  
Conform or be cast out
Obedeça ou esteja fora
Subdivisions 
In the basement bars
Nos bares de porão  
In the backs of cars
No banco traseiro dos carros  
Be cool or be cast out\
Seja esperto ou esteja fora
Any escape might help to smooth the unattractive truth

Qualquer fuga tem que ajudar a suavizar a verdade  
But the suburbs have no charms to soothe the restless dreams of youth
Mas os subúrbios não tem atrações para amainar os sonhos sem descanso da juventude.  
Drawn like moths we drift into the city
Cansados como mariposas nós somos arrastados pela cidade  
The timeless old attraction
As velhas atrações para qualquer hora  
Cruising for the action
Indo para a ação  
Lit up like a firefly
Acesos como vagalumes   
Just to feel the living night
Só para sentir a vida na noite   
Some will sell their dreams for small desires
Alguns vão vender seus sonhos por pequenos desejos   
Or lose the race to rats
Ou perder a corrida para ratos   
Get caught in ticking traps
Ser pegos em armadilhas   
And start to dream of somewhere
E começar a sonhar com algo 
To relax their restless flight

Para descansar de seu vôo   
Somewhere out of a memory of lighted streets on quiet nights...
Em algum lugar fora da memória de ruas iluminadas em noites silenciosas...

Quase tudo que há hoje no mercado de automóveis é categorizado de alguma forma. Hatch, sedan, perua, utilitário esportivo etc.

Quando algum carro sai um pouco de um padrão, complica a percepção da maioria. Um exemplo bastante simplório foi o Corsa hatch de 5 portas de 1996, com a tampa traseira bastante vertical, considerado por alguns uma perua. Na verdade era uma traseira K, de Wunibald Kamm (1893-1966), o alemão que concluiu que essa forma era vantajosa do ponto de vista aerodinâmico, por produzir uma repentina queda de pressão na traseira, reduzindo o arrasto.


A chegada dos carros com funções e estilos misturados é uma autêntica confusão para quase todo mundo. Esses modelos, batizados de crossover, cruzamento de raça, são sempre um bom assunto, pois dão bastante pano para a manga. Um BMW Gran Turismo ou um X6 é o quê? Hatches gigantes? Jipes esportivos e aerodinamizados? Utilitários esportivos mais esportivos do que utilitários?

É mesmo difícil rotular, e acredito que seja melhor apenas pensar se o carro lhe fala à alma ou não.

A primeira vez que me deparei com um X6, foi marcante. Dentro de um estacionamento, vindo de uma rampa mais alta de onde me encontrava, e era branco. Já havia lido sobre ele, e tinha refletido sobre o que seria aquele "carro", que nas fotos, parecia algo do tamanho de um hatch médio. E com desempenho absurdamente ótimo.

Para mim, não é necessário colocar o X6 em nenhuma categoria, apenas preciso saber que gostei, e se pudesse, seria mais um na garagem. Jamais um X1, X3 ou um X5, mas o 6, certamente.

Tudo isso veio à minha perturbada mente ao escutar pela décima terceira milésima vez a música "Subdivisions" do grupo Rush, a banda canadense que faz o melhor som da galáxia, mesmo que algum habitante de outro planeta não concorde. Além do som, as letras, que fazem pensar em coisas sérias, não em futilidades. Reza a letra dessa canção que você precisa estar dentro dos grupos, ser cool, esperto, bacana, senão você é "cast out ", um excluído. Obviamente isso é uma forma de tratar a própria banda, cujos integrantes sempre foram um pouco estranhos e fora dos padrões. A letra trata da "maldição" da adolescência, onde lutamos por ser aceitos naquilo que nos atrai, e pelas pessoas que participam das atividades que gostamos. Em turmas, as opiniões são entregues prontas, e o futuro imediato, pré-decidido.

Com automóveis parece ser a mesma coisa. O que sai dos padrões da maioria assusta, e se torna rejeitado por essa maioria.

O Paulo Keller explicou claramente no seu post sobre o Livina e o Focus esse ponto. Ele usou a frase "Há também a falta de coragem dos consumidores para se desgarrar do grande rebanho". Perfeito, falta de coragem.

Quem tem tempo, dinheiro e espaço, pode fazer seu próprio carro e ficar 100% de fora do rebanho. Terá, assim, motivo e razão de ser individual em seu gosto. Mas para a enorme maioria isso não é possível, e nem mesmo desejável.

O primeiro ponto do comprador normal de carros é que quase todos  não fazem a menor questão de ter um carro que se destaque como diferente por qualquer motivo. Quase todos adoram ver os parentes, amigos e vizinhos com inveja de seu veículo. Quase todos fazem do carro a extensão de suas personalidades públicas, e escolhem carros normais porque querem ser considerados normais. Mesmo que apresentem comportamentos desequilibrados como, por exemplo, sendo reclamantes dos índices de criminalidade, mas consumindo sua drogazinha comprada de traficante armado.

O outro ponto é o preço pago, e aí entramos em uma polêmica que já gerou até mesmo algumas brigas, no bom sentido, entre os integrantes desse blog e alguns amigos.

Sabe-se que os preços dos carros são tratados em divisões e subdivisões. Um "popular" sem nada, não pode custar menos de 20 mil reais. Aparenta ser um acordo entre os fabricantes, que nunca será provado, já que eles brigam por 100 reais de diferença entre concorrentes nos feirões de final de semana  argh!).
Cheio de opções, pode ir a praticamente o dobro, 40 mil, numa clara afronta ao bom senso. Mas muita gente compra, então perpetua-se a facada na economia doméstica.

Um carro pequeno considerado "premium" (termo ridículo), não pode custar menos de 50 mil. Precisa ser mais caro que um popular completo, para os donos mostrarem sua condição financeira para o mundo.

Com raras exceções, os preços são feitos pelo tamanho do carro e pela fama que eles atingem. Vejam o exemplo do Focus, que no modelo antigo era cerca de 10 mil reais mais barato do que o atual, alvo de investimento massivo em propaganda, e que vem se mostrando bom de venda, o oposto do modelo original. Pode a banana ficar mais cara se ela é apenas banana? Ilógico.

Pode um Fiat Mille, o Uno de verdade, custar mais de 20 mil reais ? Podia um Audi A3 nacional ser tão mais caro que um Golf, se ambos eram em quase tudo o mesmo carro ? Óbvio que não, mas tinha que ser mais caro, afinal, era um Audi, não um Volkswagen.

Ou alguém aqui acha que o Tucson seria o sucesso que é se custasse menos, e houvesse um monte deles na periferia como os há nos bairros de classe média?

Claro que o que escrevo aqui não vai mudar a situação. Diz-se que o capitalismo é selvagem, justamente por esses desequilíbrios que o dinheiro impõe, e isso não deve mudar em poucos séculos. Assim como o adolescente vai continuar procurando sua turma eternamente.

Mas vejam que não defendo apenas carros baratos como sendo o certo, e que não deve-se gastar dinheiro em carros caros. Sempre acredito que devemos ter apenas o carro de que gostamos de verdade e de coração.

Seja ele um pequeno carrinho de transporte diário com algumas melhorias ao gosto do dono, ou um tremendo esportivo cuja utilidade é apenas o prazer da condução. Compre o que você gosta, não o que querem te empurrar. Você será mais feliz.

JJ

38 comentários :

  1. Bacana JJ,
    Pena que desde a infancia a personalidade das pessoas vai sendo enlatada pelo sistema. Até o gosto musical da maioria das pessoas, vem sendo empacotado, ditado. Musica, algo simples de gostar sem precisar de opnião.

    Mas porque isso? Acredito no ditado "Cada macaco no seu galho". Hoje, assim como boa parte das musicas, os carro raramente são construido por apaixonados, automobilistas. Hoje são planejados por publicitarios, economistas, administradores, politicos, enfim, por todos, menos por quem realmente deveria construi-los.
    Os realmente apaixonados, os engenheiros, mecanicos, pilotos de teste e a mulher que faz o cafezinho, são peças. São recursos.

    abs

    ResponderExcluir
  2. O Rush é ótimo mesmo.

    Nos segmentos de carros, EU FAÇO OS MEUS!
    Por exemplo, não concordo que um Fusion concorra com um Civic e com um Linea, como já ví em vários comparativos impressos, as vezes colocam até o pequeno City(!!!), e como o mercado realmente engole esse engodo.
    Pra mim são, respectivamente, sedã grande, sedã médio (mais até pra compacto) e sedã compacto (ou o Linea é muito mais que um Punto esticado??), outro "outsider" nesse caso seria o C4 Pallas, que com a esticada de entre-eixos virou sedã grande no Brasil. Por que a Citroen não o vende como "o maior sedã compacto do mercado"??
    Aliás, os "sedãs médios" da Fiat, pra mim sempre foram compactos pois eram sedãs do Tipo, do Brava e, agora derivado do ainda menor, Punto.
    Acho que seria muito mais justo e transparente se os fabricantes usassem as qualidades dessas derivação para tentar inserí-los num mercado que não o seu originalmente, tipo a Fiat poderia informar que eles são menores por fora mas não necessariamente por dentro, mais dinâmicos e econômicos e, quem dera, baratos...
    Mas não, preferem chegar ao cúmulo de mudar o nome de um modelo originalmente de um segmento para o nome do modelo de outro segmento, pois a maioria dos seus compradores simplesmente acredita no que o fabricante diz. Por isso compramos Astra achando que estamos de Vectra.

    Agora, sinceramente, acho o X6 um dinossauro desajeitado, um super tijolo das estradas!! Pra isso, fico com um X5.

    ResponderExcluir
  3. Silvio Costa18/08/10 08:29

    Mais um ótimo post do JJ.
    Hoje eu tenho duas motos, uma CG para o transito diario e uma Falcon para os fins de semana e planejo a compra de um carro para os dias chuvosos e frios mas ai vem as perguntas: Qual carro comprar? O que vai me agradar mais? Costumo fugir do caminho que todos seguem e abrir a mente, pensar em mais detalhes. Hoje eu compraria diversos carros, de diversas "categorias" mas nunca influenciado por números de vendas ou qualquer outro dado assim. Ser um líder de mercado não significa tanto assim para quem realmente admira bons carros e motos. Para citar um exemplo no campo que eu tenho experiencia (motos): CB300r, rainha das trocas de cabeçote (os que são trocados apresentão os mesmos defeitos, o problema não foi resolvido) e um consumo absurdo para uma moto de cc baixa e injetada vende mais que a YS250 Fazer, moto com qualidade mais que comprovada, desempenho decente e sem os problemas da concorrente. Vai entender a manada... Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. "Para mim, não é necessário colocar o X6 em nenhuma categoria, apenas preciso saber que gostei..."

    Essa frase resume o que deveria ser o pensamento de uma pessoa sensata e livre.

    Acho que as pessoas tem uma certa necessidade de classificar as coisas para tentar entender onde ela mesma se classifica...

    ResponderExcluir
  5. Por pensar como você, JJ, tenho dois carros.

    O Chevette, que para a maioria das pessoas é símbolo de pobreza, periferia e etc. Adoro ir com ele em eventos pomposos, como casamentos. hehehe.

    E o Omega 4.1, que todos exclamam "mas bebe muito!". Respondo que o valor que pagam de IPVA de seus "compactos premium" me rendem uns 6 tanques. ehehhe.

    Eu, simplesmente, gosto do Chevette e do Omega. Apenas isso.

    ResponderExcluir
  6. Concordo plenamente.
    Trabalho no mercado de semi-novos e o que mais vejo são pessoas comprando o que a maioria compra só pelo fato do modelo, a cor ser comercial e não de gostar realmente do automóvel.
    Ridículo ser mais um "maria vai com as outras" mas infelizmente o mercado brasileiro está longe de ter uma personalidade própria, somos ainda conduzidos por um conceito muito superficial de automóvel.
    Somos na maioria apenas consumidores vorazes em busca do menor preço e não da melhor opção, pois nosso conhecimento automobilistico segue apenas os instintos da aquisiçãoe não a sensassão de bem estar ao adquirir um bem que lhe dara prazer.

    ResponderExcluir
  7. Mister Fórmula Finesse18/08/10 09:20

    J.J: eu também gostei da X6, mas isso apenas ao vivo, quando foi lançada - pelas fotos - eu não tinha apreciado muito. Ela é incrível!

    R.H: Um bom omega 4.1, repleto de acessórios, é algo muito interessante...eu teria um com muito prazer.

    P.s: Rush é dez!!

    ResponderExcluir
  8. Pois é, todo mundo diz que Ômega bebe muito e tem manutenção cara, só que ninguém percebe que se for bem cuidado o carro dura muito tempo.

    Este carro sempre foi um sonho inatingível para mim (desde os 8 anos de idade)... Tração traseira, confortável e forte. Só andei uma vez na minha vida, mas foi espetacular.

    ResponderExcluir
  9. hahaha... Aeee JJ, adora criar polêmica!

    Tá ficando bom nisso, heim man!
    Mandou bem com a música...

    Bom! Quem aqui não é fã do Neil Peart?
    Se a resposta for "não"... Pera, pera, perae! Você tem que rever alguns conceitos... hahaha
    Praticamente a frase, "Quem não gosta de Rush, bom sujeito não é..."

    Então, vamo lá, sobre o post...
    Compre um X6, mas não pague 20k num Mille!!! hahaha
    Tô de sacanagem...

    A conclusão foi ótima JJ, "Compre o que você gosta, não o que querem te empurrar. Você será mais feliz."

    Já comentei num post recentemente, mas esta frase me fez lembrar novamente da dica que eu dei pra um amigo que me perguntou sobre qual carro ele deveria comprar. Falei, "Compre o carro que te der tesão, o carro que Você curtiu."
    Ele já tinha me falado das opções que ele estava pensando e não eram nenhuma roubada, então deixei o cara sentir este gostinho, o gosto da decisão e não ficar "pesando na dele", querendo decidir pelo cara.

    Abs

    ResponderExcluir
  10. Mister Fórmula Finesse18/08/10 10:10

    Fábio: ver Neil Peart tocar é o mesmo que contemplar Senna onboard em Mônaco, Vatanen de Opel Manta, Valentino Rossi em qualquer coisa de duas rodas....são os eleitos diretos do dedo Divino!

    ResponderExcluir
  11. Somos animais sociais, assim como formigas e cupins. Mas diferente desses NÓS quem decidimos como vamos nos socializar.

    Acho engraçado como tem gente que cultiva laços fracos de amizade, relacionamentos interpessoais mais rasos que um pires, mas que ao mesmo tempo morre de medo de sair do rebanho, tendo um carro igual uma roupa igual um cabelo igual um telefone igual uma casa igual um (...) igual...

    E tem os loucos como nós, pontos fora da curva. Eu pelo menos sei que não preciso me integrar pela imitação, pois tenho interação de verdade. Vivo minhas amizades, faço minhas escolhas, me arrisco, ganho, perco, enfim, participo MESMO da sociedade, ao invés de emular o "comportamento padrão". Sei quais são as opiniões que me importam, e para essas pessoas, o status do meu carro é a última coisa na escala de prioridades...

    Claro que nem todo mundo precisa gostar de carro pra ser autêntico, mas esse é um blog de carro, então vou pautar minha análise aí :-). Pode olhar em volta, quase todo "autoentusiasta" é sempre cercado de outros "autoentusiastas", sempre temos nossa turma, nossas amizades duradouras, seja aquele amigo que vem desde o jardim, seja aquele maluco do trabalho que virou melhor amigo. Enfim, a gente sabe socializar pela interação, e não pela aparência...

    ResponderExcluir
  12. JJ, completamente apoiado! Temos que ter o carro que nos agrada e não o que a manada quer. Sem fanatismos, sem tentar empurrar nosso gosto para os outros, simplesmente ter e curtir. Graças a Deus consegui os dois carros que sempre quis e pelo valor deles não compro um compacto premium 0km hoje, mas estou muito feliz e satisfeito, dirigir é muito mais gostoso agora.

    Mas tem a outra linha, as pessoas tem a necessidade implícita de se igualar aos outros, especialmente as mulheres. Leia uma revista feminina e verá, as tendências na verdade nada mais são do que copiar as outras, isso obviamente se extende aos carros - se uma tem C3, todas vão querer copiar, se esta passa a ter uma Tucson, a manada vai junto. É óbvio e a publicidade já se tocou disso à muitos anos, pelo menos 1/2 século de publicidade voltada ao público manada.

    ResponderExcluir
  13. JJ, uma banana pode sim ficar mais cara sendo apenas uma banana, basta que ela fique mais escassa ou mais procurada no mercado. É um fundamento básico da economia, a lei da oferta e da procura. O novo Focus custa mais caro que o antigo porque não é o mesmo carro. Vende mais porque é mais bonito. Não é só porque tem o mesmo motor, chassis, etc que é o mesmo carro. Ou um Vectra GT é um Astra? Por mais que digam que sim, não é não. O design é fundamental na decisão da escolha de um carro novo. Abraço. MRM21

    ResponderExcluir
  14. Anônimo das 11:36, o Vectra GT é um Astra ANTIGO atualmente. Pro brasileiro, que paga mais caro nele do que um alemão paga num Astra de nova geração e com tudo melhor que o nosso, na Europa, é um Vectra lindo e hatch! Que nem na Europa existiu...
    No Brasil a "lei da oferta e da procura" é muitíssimo bem utilizada pelos vendedores e péssimamente utilizada pelos consumidores. O Focus antigo vale MENOS 10 MIl do que o Focus novo???? Só aqui!! E, diferente do que disse, a única coisa em comum em ambos é o motor Duratec 2.0.

    ResponderExcluir
  15. Meu Omega CD foi um achado, era de um senhor que o comprou zero e até 18 meses atrás ele ainda tinha apenas 41.700 km rodados.

    Ele é o CD "básico", ou seja, não foi pedido nenhum opcional, portanto não tem teto solar, bancos de couro (que não gosto) e nem o câmbio automático.

    RUSH é demais, quem aqui vai nos shows? Como show é sexta-feira em SP, podia rolar um encontro entusiasta na capital paulista.

    ResponderExcluir
  16. Galto, então concordamos, se a única coisa que o focus novo e o antigo têm em comum é o motor duratec, mais um motivo para não custarem o mesmo valor. Quanto ao vectra/astra, concordo contigo, mas pelo fato de o vectra brasileiro não ser o mesmo do que o europeu, não dá pra dizer que vectra e astra são o mesmo carro. O vectra é mais bonito. Pode ser que seja só essa a sua vantagem em relação ao astra, mas é alguma coisa. Abraço. MRM21

    ResponderExcluir
  17. Aliás, todos esperavam que o Focus DuraFlex viesse mais forte, a Ford acha quem compra um carro de 55k está tão preocupado com consumo assim? Eu preferiria que bebesse mais e tivesse os 22mkgf do motor PSA.
    Apesar de ser um carrão, a Ford falhou na calibragem deste motor, o carro ficou xôxo em comparação ao anterior devido ao incremento de peso.

    ResponderExcluir
  18. Fabio, certamente o aumento de peso prejudicou um pouco a relação peso potencia, deixando o carro meio xoxo comparado ao anterior. Tenho um focus 2.0 a gasolina e te digo: Carrão. Não há nada igual na categoria nem na faixa de preço. MRM21

    ResponderExcluir
  19. Ao Raphael Hagi, a quem falar do quanto que bebe um Omega 4.1, há sempre a opção de se falar que há as opções dos Omegas 2.0 e 2.2, que bebem tanto quanto bebe um Corsa 1.6.
    Porém, um Omega beber como um Corsa 1.6 é o suficiente para o considerarmos bem econômico para o tamanho dele. Problema mesmo é Corsa 1.6 ser beberrão para seu pequeno tamanho e 400 kg a menos que a barca.

    E, por uma dessas coincidências de peças, inclusive esses Omegas usam a mesma bomba de combustível do Corsa. Somando-se isso a muitas peças compartilhadas com Monza, Vectra, Astra e S10, a vida nem é assim tão difícil quando o assunto é manutenção.
    Fora isso, seu diâmetro de giro de 10,1 m humilha sossegadamente quem estiver com um C3 e seus 11,5 m (sendo que o C3 tem dimensões muito próximas às de um Corsa B, que vira em 9,5 m).

    ResponderExcluir
  20. Obrigado a todos, comentários bacanas, concordando ou não, com educação e respeito. Muito bom mesmo.
    O comparativo do Peart com os pilotos e suas máquinas é pertinente, Mister Formula Finesse acertou em cheio !
    Estarei no show, o ingresso tá comprado.

    ResponderExcluir
  21. É isso ai JJ! Liberte-se e seja feliz, esse é exatamente o meu lema.

    ResponderExcluir
  22. Ao anônimo: Há pouco tempo dirigi um 2.2 e fiquei encantado, só me incomodou um pouco a vibração. O carro desenvolve bem em ciclo urbano, e segundo o proprietário, na cidade com o ar-condicionado sempre ligado o carro faz médias de 9,5 km/l.

    Fiquei com vontade de ter um, mas é impossível. Não tenho mais que duas vagas de garagem. Tive que vender meu Chevette tubarão quando da compra do Omega exatamente por esse motivo.

    O Omega 4.1 faz comigo 6 km/l em trecho urbano, sendo que sempre que está calor, ligo o ar-condicionado.

    A manutenção do 4100 modernizado não é tão cara assim, é aceitável. Na lista negra só existem alguns componentes como servofreio, bicos injetores e relé da bomba de combustível. Mas, é o ônus de rodar em um veículo do porte do Omega.

    E falando voltando ao assunto "gosto de me exibir", o Omega, mesmo o antigo nacional, é um veículo que dá certo status. É sensível a diferença de tratamento que recebo quando chego a algum lugar com a barca.

    ResponderExcluir
  23. Um exemplo disto:

    Acabei de comprar meu Toyota Corolla 1995. Desde criança eu quis esse carro na minha garagem. Hoje eu pude realizar meu sonho.. Encontrei um em excelente estado. Todas as pessoas com quem convivo me chama de louco. "Porque não compraste um Corolla mais novo, o nacional?" ou então: "Porque não compraste um popular mais novo?". Simplesmente pq eu sempre quis ter o Corolla Japonês. E agora o tenho.


    Victor.

    ResponderExcluir
  24. Mister Fórmula Finesse18/08/10 18:08

    Raphael, o MAO já teve toda a família omega em mãos, como seria interessante um post com a sempre certeira pena dele em relação a esses carros.

    Omega é realmente outro papo: o motor que parece girar com a suavidade de uma faca escorregando em tecido (liso, sem vibrações...coisa de máquina feita para girar maciamente e com calma), aquela caixa de engates sempre mais fáceis do que se poderia supor para um motor grande, o espaço e o cuidado nos arremates internos, os volantes um tanto pobres, mas de diâmetro melhorado das últimas versões...enfim, algo concebido para transportar com conforto e que pode virar algo mais se bem utilizado (apesar da minha certa decepção com o desempenho).

    ResponderExcluir
  25. Também conocordo com o JJ,estou completamente fora dos padrões atuais,tenho 18 anos,amo coisas antigas,rock de verdade,e grandes carros com motores acima de 2 litros.

    Acho o Omega um carro sensacional,motor forte,tração traseira,suspenção otima,e até q é economico pros meus padroes V8teros hsuahsuah

    ResponderExcluir
  26. Ps:Note a ditadura do prata e preto,agora com o vermelho

    ResponderExcluir
  27. JJ,

    Sensacional esse seu post. Gostei muito.

    Mas o X6, como já lhe disse, é de uma vulgaridade inacreditável...

    MAO

    ResponderExcluir
  28. Brilhante, claro, breve e levemente emotivo. Adoro este blog!

    Renan Veronezzi

    renanvidalokka@hotmail.com

    ResponderExcluir
  29. Pedro Bergamaschi18/08/10 23:39

    Eu acabei de comprar um Maverick. Escolha irracional, paguei com sobrepreço, típico de antigos que viram "moda". Com o preço de um carro popular com acessórios básicos(AC e DH) deixo ele muito bom. Com o preço de um carro médio completo, posso "criar" um carro muito interessante, rápido e bonito, o MEU carro, que EU FIZ.

    E fico fora de ter que respeitar o mercado criado pra gérsons e por gérsons, onde tudo está errado.

    ResponderExcluir
  30. Eduardo Martins18/08/10 23:56

    Muito feliz esse artigo!! (além do excelente gosto musical)

    Parabéns!
    abs

    ResponderExcluir
  31. Parabéns Pedro. O Maverick é um carro de respeito. Um dia crio coragem. MRM21

    ResponderExcluir
  32. as pessoas só gostam do q é dito 'normal', td q é 'exótico' ou 'diferente' as assusta tanto q, hj em dia existem vários modelos com 16 válvulas, mas q ñ são 'modelos 16v' como o gol, tempra, corsa, etc...
    nos anos 90 isso era motivo d 'orgulho' e ostensiva divulgação, mas hj em dia, ng divulga nd, pq será?!? pq 16 válvulas é algo 'alienígena' d+ para os indígenas brasileiros q ainda se encantam com qq espelhinho ou pente!!!!! e o mais engraçado é q mts pessoas q tem carro 16v sequer sabem disso e qdo vc comenta q tem carro 16v olham prá vc com kra d espanto e perguntam 'noooossa, mas é um carro ruim, quebra mto, manutenção difícil, blábláblá'.

    brasileiro ñ pensa por si só, brasileiro só tem inconsciente coletivo, ñ consegue pensar por si só.

    parodiando aquela propaganda 'o pior do brasil, é o brasileiro'

    ps:- rush?!? prefiro pussycat dolls (música chata por música chata a nicole scherzinger é beeeeeeem mais bonita q o geddy lee... rsrsrs)

    ResponderExcluir
  33. Leandro,
    Que a Nicole Ho Schwarzenegger Scherzinger fuckin Schumacher (ops não é com o alemão)...
    é mais bonita que o Geddy Lee, ninguém aqui tem dúvida...
    Agora... Rush não é pra qq um mesmo!hahaha
    Aliás, qual som vc curte?

    Quanto aos motores 16v, eu nunca deixaria de comprar um carro por ser 8, 16 ou 20v... se tiver mais que 24v, melhor ainda... hahaha
    Mas para rodar em situação de trânsito intenso, a opção 8v é mais agradável que 16v, isto via de regra.

    ResponderExcluir
  34. E o encontro auto/rush entusiástico?

    ResponderExcluir
  35. Te amo Juvenal!

    ResponderExcluir
  36. Omega, Maverick... Entusiasmam mesmo!!!
    Aqui no Rio os "omegão" viraram carro de periferia, geralmente bem capengas mas ainda rodam cheio de orgulho!! Assim como os primeiros BMW série 3 que desembarcaram no Brasil.
    Os Maverick (um objetivo!), como o colega falou, realmente está custando quase um carro novo... Tá na moda ter um "colecionável", então seus donos arrancam o couro do comprador. Maverick, Dojão, Opalas muito antigos ou última série, todos estão fora da realidade. Mas aí voltamos ao assunto do post que são os carros fora de segmento e com preços fora da realidade.
    Eu gosto muito de carros multiválvulas, sabendo usar são perfeitos na cidade mas mais perfeitos numa estrada de retas curtas, boas pra acelerar... Saudades do meu Tempra. Aliás, um dia desses dei umas esticadas numa Marea 2.4 20v, que delícia!!! Como canta aquele motor e como o carro quer decolar!!! Mas o dono me disse que trata o bicho com cotonete, leite em pó e lenço umedecido...

    Façamos assim, me manda a Nicole Scherzingerfhjksdnbjkr que passo umas 6 horas escutando Rush mas, provavelmente, prestando pouca atenção no som da música...

    ResponderExcluir
  37. Entre vc e o Hamilton... acho q suas chances são abaixo de nulas... hahaha

    Aproveitando... o pessoal aqui já viu o New Fiesta?

    Ficou bonitão heim... com motor sigma! Só o interior que eu achei meio bizarro...

    Abs

    ResponderExcluir
  38. Juvenal,

    O carro que eu gosto é um X6. Mas não dá pra comprar!

    Belo post,
    PK

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.