MASERATI GRANTURISMO


Texto: Arnaldo Keller
Fotos: Paulo Keller

Este último sábado de manhã tivemos a oportunidade de andar no Maserati GranTurismo (isso mesmo, GranTurismo – é assim que a Maserati escreve). É um dos mais belos carros da atualidade, segundo o Paulo Keller, nosso fotógrafo, o sujeito mais habilitado dentre nós aqui para avaliar design, o que melhor descobre o belo nas linhas de um carro.


Tanto ele gosta, que comentou isso num post; então, deixo para ele os comentários quanto à indiscutível beleza de mais esta maravilha da Pininfarina: O mais bonito do mundo(?).

Pra mim fica a mão na massa, a guiada.

Antes, porém, tenho o prazer de dizer que conheci pessoalmente nosso amigo leitor Bianchini, que foi à Loja California Motors nos encontrar, tomar um café e também andar no carro. Foi ele o tal sujeito que comprou o meu livro, "Um Corvette na Noite e outro contos potentes", e sendo ele o único comprador, insisti em autografá-lo para ter o gostinho.

O motor é basicamente o V-8 do Ferrari 430, só que amansado. O Ferrari 430 tem 490 cv a 8.500 rpm e o GranTurismo tem 405 cv a 7.100 rpm. A cilindrada também é um pouquinho menor, 100 cm³ a menos – o Maserati tem, portanto, 4,2 litros. O torque máximo é igual, 47 mkgf, sendo que no Ferrari ocorre a 5.250 rpm e no Maserati a 4.750.

Há, porém, um modelo mais forte que este, o GranTurismo S, cujo motor teve a cilindrada aumentada para 4,7 litros, a potência foi para 440 cv e o torque, para 50 mkgf. Mas a potência do “nosso” aqui está de bom tamanho, ou melhor, de ótimo tamanho, pois, afinal, 0 a 100 km/h em 5,2 segundos e 286 km/h de velocidade máxima já dá pra entusiasmar o entusiasta de maior sangue-frio da paróquia.

E este Maserati tem a distinção de atingir tamanho desempenho mantendo tremenda classe – tal qual um atleta que entra na pista usando terno e gravata, arrebenta com os rivais de shorts e suarentos, e sai da pista sem ter suado a camisa. Sua suspensão é confortável, apesar de firme, seus freios são excelentes, seu comportamento nas curvas merece nossa maior confiança. É, portanto, um carro delicioso, de comportamento irrepreensível.

O motor está bastante recuado, bem atrás do eixo dianteiro, e a caixa de câmbio é uma transeixo, ou seja, é conjugada ao diferencial e vai no eixo traseiro, para melhor distribuição de peso (49% na frente e 51% atrás). Essa ótima distribuição de peso lhe dá excelente tração – já que apoia bastante nas rodas traseiras, as motrizes – e dá uma gostosa sensação ao curvarmos, pois ele já entra igualado na curva, já entra encaixadinho, como se seguisse por um trilho. Rola pouco, só o suficiente para nos avisar, o que também mostra que o piloto de testes foi perfeitamente atendido em suas observações.

Como o passeio foi dentro de São Paulo, é óbvio que não forçamos a barra nas curvas e no geral, porém, para sentir um carro não é preciso lhe tirar o sumo – não que nos falte o desejo.

O câmbio é um automático que nos dá a opção de trocarmos as marchas por meio das tais borboletas atrás do volante. Neste caso, inteligentemente, as borboletas são fixadas à coluna, portanto, ficam lá no lugar delas e não viram junto com o volante. E isso é ótimo, porque essas borboletas que seguem o volante são facinhas da gente as perder quando fazemos curvas fechadas pra lá e pra cá. Os Ferrari também são assim, e os outros esportivos de verdade também.

Mas de qualquer modo, deixei o câmbio no Drive mesmo e boa, porque na prática a única diferença ao usar as tais borboletas é o sujeito se divertir mais, se achando um Felipe Massa pilotando um F-1. Ele leva o giro a 7.200 rpm, o mais alto em câmbios automáticos. Deixe, então, no Drive, que o câmbio faz tudo direitinho, reduzindo marchas ao frearmos, colocando a marcha certa no momento certo e fazendo o kickdown rapidinho. Por exemplo: se eu fosse tirar tempo numa pista, eu deixaria no Drive e boa, pois não creio que viraria mais rápido borboleteando.


Há 4 modos dele trabalhar: Ice, para gelo ou piso muito escorregadio, Normal, que dá mais conforto e trocas mais suaves, Sport, para trocas mais rápidas e imediatas, e o tal das borboletas.

Eu, particularmente, em carros esportivos, gosto mesmo é de câmbio manual; simplesmente porque me dá maior prazer, sinto maior integração com a máquina. Se vou virar mais rápido ou lento, estou pouco ligando.

O controle de tração também tem opções, que vão de uma intervenção bem cuidadosa, que, por exemplo, não deixa o carro soltar nem um pouquinho a traseira numa acelerada funda fazendo uma curva fechada em 1a marcha – ele corta a aceleração –, à opção que deixa ao condutor o livre arbítrio. Deixei o controle ao carro. Já que ele está para ser vendido na faixa dos R$ 500 mil, e não estou com essa bolada toda, não quero perder minha liberdade de ir e vir por causa de um estúpido livre arbítrio.

E ele é realmente um Gran Turismo, um cupê ideal para o que se propõe, viajar longas viagens, viajar com prazer. Dois casais vão bem no carro, apesar do porta-malas não ser lá muito espaçoso, 260 litros. O Paulo – que foi criado numa época em que nossa família andava bem de grana, portanto, comeu bem e cresceu legal até quase 1,90 m – foi no banco de trás e até que foi bem, sem que o Jean, à sua frente, tivesse que puxar seu banco para a frente a uma posição incômoda. Disse ele que ficaria ali numa boa por uma viagem curta. Portanto, que tal as mulheres indo atrás em conversa inteligente e os homens à frente falando de carro?

A fábrica divulga que seu consumo em estrada é de 10 km/l, mas isso certamente a velocidades ajuizadas, e o combinado urbano/estrada é de 7 km/l. Considero bem baixo para um carro com 405 cv e 1.880 kg de peso – sinal da alta tecnologia do motor, design, etc. Com 86 litros de boa gasolina no tanque, dá pra fazer uma bela puxada de quase 800 km sem parar para reabastecer.

Sinceramente, fiquei pensando naquelas estradas que peguei na Argentina, quando em novembro passado fui de Corolla com minha mulher de Buenos Aires a Bariloche – 1.600 quilômetros de estradas fantásticas cruzando os Pampas, a Patagônia, subindo os Andes....

Se o Corollinha foi bem, cruzando tranqüilo a mais de 160 km/h, a quanto iria este fantástico GT? Hein? Hein?

Quem sabe um dia?... quem sabe...

Agradeço ao amigo Jean, da California Motors, que vende carro porque gosta mesmo de carro. Vai aqui o link da loja, pois é o modo que tenho para agradecê-lo: California Motors

Mais detalhes da ficha técnica;
Taxa de compressão: 11,1:1
Entre-eixos: 2.942 mm
Comprimento: 4.881 mm





AK

24 comentários :

  1. Olá!.Olha Arnaldo..., eu tbm acho a beleza do Maserati indiscutível! Na minha opinião, é o carro com o design mais bonito atualmente! Linhas expressivas, mostrando toda classe característica dos carros da marca..fantástico!.

    Aproveitando o espaço, eu gostaria de fazer algumas perguntas. Você diz em seu texto ..''distribuição de peso(49% na frente e 51% atrás)..'' Bom, eu gostaria de saber, como chega a esta divisão? matemáticamente falando?. Sobre a calibragem dos pneus, é possível usar dos números expressos na distribuição de massas, para atingirmos um melhor acerto na calibragem dos pneus?. Desculpe a ignorância!

    Henrique.

    ResponderExcluir
  2. Arnaldo Keller25/08/10 09:39

    Henrique,

    basta pesar cada eixo separadamente. Por exemplo, aqui na fábrica temos uma balança de caminhão, daí que peso o carro todo e depois movimento o carro colocando o eixo dianteiro pra fora da balança. Assim, peso o eixo traseiro. Costumo pesar o dianteiro também, pra conferir. A soma deles tem que bater com o todo.
    Esses dados de fábrica são com o carro sem motorista. Gosto de pesar com o motorista, pois é o que interessa, já que o carro só anda com alguém guiando, né? Mas isso é mais pra carro leve. Pra carro pesado que nem esse Maserati, que também tem o motorista colocado bem entre os eixos, não faz diferença significativa.
    Isso é pesagem na bruta, pois as fábricas pesam com balanças precisas e que pesam roda a roda, para saber o equilíbrio entre os lados também.
    E tem tanque de combustível cheio e vazio, onde fica o tanque, se é lá atrás, etc.
    Mas o dado que passei, 49%/50% já é um bom parâmetro e é de fábrica.
    Quanto à pressão dos pneus, o melhor é seguir a orientação do fabricante, mas em carros de tração dianteira, que costumam ter 63% na frente e 37% atrás, prefiro colocar mais pressão na frente que atrás, quando o carro está vazio, sem passageiros e malas atrás, tipo 30/27 psi. carro cehio fica 30 3 30 psi.
    Para entrar na pista, costumo aumentar em 20 a 30% a pressão dos pneus, para eles dobrarem menos nas curvas.
    Tá explicado?
    Por favor, não se desculpe por não saber. Ruim é não querer saber.

    ResponderExcluir
  3. Agradeço suas explicações Arnaldo! Foram muito bem colocadas... fim das dúvidas!. Bom, pelo menos até o presente momento..quanto ao tema em questão (risos) Obrigado!

    Henrique

    ResponderExcluir
  4. Mister Fórmula Finesse25/08/10 10:19

    Isso têm um urro Arnaldo!

    Na praia vi uma preta fosca, mas o caboclo atravessou o carro no quebra molas (lombada) e parecia que o câmbio tinha travado ou coisa parecida, pois ele não conseguia fazer o carro andar. Como se estivesse tentando em arrancar em terceira marcha se a transmissão fosse manual.

    Depois de alguns longos segundos de agonia, o motor girando em ardida agonia, parece que o câmbio acoplou e o carro começou a se locomover novamente.

    Ainda não entendei o que aconteceu, mas ficou bem registrado na minha mente aquele berro mecânico totalmente diferente na frente do rebanho dos carros de quatro cilindros, que como que com respeito e temor, ficavam atrás apenas espreitando o próximo movimento do predador italiano...

    Grandes carros se destacam até mesmo se são alvo de barbeiragens!!!

    Excelente avaliação, imagine com mais espaço livre.

    ResponderExcluir
  5. Minha mãezinha!!!
    Ao lado dos Aston Martin e Jaguar XK-R, essa Maserati é um dos carros mais belos da indústria atualmente, na minha opinião!!

    AK e PK, coloquem na agenda, e cobrem do glorioso friend Jean "Califa Motors", que se apresentem com um Aston e um XK-R para nos deliciar por tabela...

    Já baixei fundo de tela para TODOS os meus computadores!!!! Tudo Maserati!!!

    ResponderExcluir
  6. E eu pesnando que era o unico a ter comprado o livro, hehehe

    Parabéns pelo texto, como sempre muito agradável de ler.

    ResponderExcluir
  7. Belo carro, o design bem feito, quase perfeito.

    Quase porque o console central no vídeo não me pareceu ao nível do carro... ah, pêlo em ovo também...

    Grande Maserati! E grande avaliação... a comparação "Ferrari de terno" foi perfeita!

    ResponderExcluir
  8. Grande carro, excelente matéria, so pegou mal dizer que a Maserati foi comprada pela ferrari, ora ambas são da Fiat.

    ResponderExcluir
  9. Bela matéria!

    O Granturismo é um belo carro e um pouco sofisticado demais pro meu gosto.

    mas não deixa de ser espetacular.



    Hahahahah eu comprei o livro também, foi no pré lançamento até, através de um e mail que recebí.

    Muito bom, de leitura muito agradável.

    ResponderExcluir
  10. Arnaldo Keller25/08/10 19:05

    Anônimo,

    Você tem razão. Ambas são da Fiat. Bobeira na hora de falar. Meus vídeos são marretas, improvisados, uma vergonha. É que se eu arrumo um diretor ele manda cortar tudo e aí não sai nada. hehehe...

    ronaldo_eduardo,

    Obrigado por comprar o livro. Legal que gostou.
    Esse Maserati é sofisticado, mas é chic, elegante. O duro é quando é sofisticado e é brega. Então, esse tá valendo.

    ResponderExcluir
  11. Bom, podemos considerar o Autoentusiastas remido de seus pecados após ter tecido elogios ao Agile. Vamos considerar o GranTurismo quase como uma daquelas compensações a fundo perdido que se fez a países destruídos na Segunda Guerra Mundial.
    Porém, tenho de fazer uma observação ao seguinte trecho:

    "Portanto, que tal as mulheres indo atrás em conversa inteligente e os homens à frente falando de carro?"

    Família Keller, em que pese um certo viés ultraliberal vigente neste blog, como ao falarem de quererem escolher ou não se o carro terá airbag e ABS, queiramos ou não este espaço gera exemplos para aqueles que o leem. Assim sendo, é extremamente impróprio o incentivo ao chamado "carro de paulista". A coisa ficou tão associada ao pessoal da referida unidade federativa que:

    1) Já vi mulher da unidade federativa em questão (e em cidade da mesma que não a capital) fazendo questão de o homem a quem davam carona sentasse à frente, para que tal situação não se configurasse. E isso porque o "carro de paulista" clássico põe os homens na frente e as mulheres atrás;

    2) Outros paulistas em questão repudiarem a referida instituição automobilística a todo custo;

    3) Se um carro for com lotação máxima, os homens que fossem sentados atrás intercalarem (de maneira extremamente sutil) a mulher na parte central, e não apenas pelo fato de elas sentarem com as pernas mais fechadas, significando menos desconforto a quem ocupa as pontas.

    Tudo bem que o Autoentusiastas tem sua dose de polêmica, mas não precisamos exagerar...

    ResponderExcluir
  12. Arnaldo Keller25/08/10 19:35

    Anônimo,

    Não há polêmica alguma.
    No Autoentusiastas tudo é como na Pasárgada: você tem a mulher que quer no carro que escolher.
    Você vai no seu Maserati como bem entender e eu vou no meu do jeito que minha mulher mandar.

    ResponderExcluir
  13. A receita à moda antiga, aumentar a cilindrada para ganhar mais torque. Um carro para cruzar a Europa com classe.
    Mais prático que isso, só um Quattropuorte.

    ResponderExcluir
  14. Eu não ía falar... mas já que o Joel comentou...

    O único supercarro que eu tive o prazer de dirigir foi uma Quattroporte... que sonho!

    Mesmo estando na ressaca naquele dia, o dono disse que me chamaria para fazer uma viagem longa e que eu iria dirigindo, tendo em vista a minha satisfação em dirigir o seu carro e desculpe-me pela falta de modéstia, mas ele sentiu que podia confiar o pequeno patrimônio... hehehe

    AK,

    Muito bom!!! Valeu!!!

    Abs

    ResponderExcluir
  15. Se eu sugerir a minha mulher ir atrás, é mais fácil eu ficar a pé.
    Escolher o lugar para sentar é privilégio da qual ela não abre mão. E quando precisa vai atrás na boa, ou então assume o volante e quem vai atrás sou eu mesmo. Em casa a última palavra sempre é a minha. "Ok" ou algo assim.:)
    Não sabia de seu livro, deixe um link por favor.
    A Maserati e o Aston Martim estão de arrepiar. Difícil dizer qual o mais bonito. Como super carros todos de uma forma ou outra se equivalem.
    E pensar que sou Ferrari a uns quase 50 anos.

    ResponderExcluir
  16. Regi,

    Veja os links:

    Onde comprar
    http://autoentusiastas.blogspot.com/2010/01/corvette-na-noite.html

    Um trecho do livro:
    http://autoentusiastas.blogspot.com/2009/08/lembrete-um-corvette-na-noite.html


    Abraço
    PK

    ResponderExcluir
  17. Bom, Arnaldo, já deu para perceber que tem pelo menos 3 exemplares do seu livro fazendo a felicidade de leitores, com mais um potencialmente a ser comprado pelo Regi... Em breve deve chegar o cheque dos direitos autorais, hehehe!
    A respeito do Maserati: o Paulo Keller é um excelente fotógrafo (conseguiu até me deixar menos feio na foto), explorou com maestria os detalhes do carro, mas ao vivo é outra coisa. Há detalhes que apenas o olho humano capta. Eu apenas tenho dó de colocar um carro desses para rodar no asfalto brasileiro e bebendo aquela mistura alcoolizada que ousam chamar de gasolina, mas nada no mundo é perfeito. Por exemplo, achei o ronco do carro de um timbre muito bonito, mas um tanto quanto abafado, quase como um trumpete quando se toca com a surdina encaixada no bocal. Mas, enfim, nada que aquelas empresas de preparação da Alemanha não resolvam com algumas centenas de Euros...
    Gostaria novamente de agradecer aos Kellers (Arnaldo, Paulo e filhota) pelos descontraídos momentos, e principalmente pela voltinha no carrão e pelo autógrafo no livro. Sentí-me como naquela música da dupla Eric Clapton & B.B. King, "Ridin with the King". Grazie tante!

    ResponderExcluir
  18. Que maravilha, nada como um post com o carro mais belo da atualidade para se contrapor ao do agile, o carro mais feio da atualidade. :D

    ResponderExcluir
  19. Bianchini,

    O prazer foi nosso. Mais um pra turma.
    Outras voltas virão e espero que maiores.
    Abraço,

    ResponderExcluir
  20. Q vida difícil heim!!!! Rs

    Esse câmbio não seria robotizado ou automatizado ao invés de automático?

    Tem diferença na performance! Pq o robotizado não tem o conversor de torque que rouba muita potência do motor, a razão principal dos carros automáticos serem mais lentos q os manuais.

    Dando uma olhada no "pequeno" acerto artístico da loja, tem muita reportagem para fazer!!!!

    Assim que ganhar na mega sena ou algum sheik do pretróleo comprar um projeto meu passarei por lá! Torçam por mim! KKKKK

    Abraços

    ResponderExcluir
  21. Arthur Costa26/08/10 20:13

    O Grupo Fiat reina com a caixa seca de uma embreagem (já tem de duas) rototizada, e coloca uma caixa de conversor?

    Ficou estranho.

    ResponderExcluir
  22. AK,
    Que inveja de vocês...
    Esse câmbio faz aceleração interina durante as reduções?
    Se vierem ao Rio testar algum modelo eu quero participar!

    PK,
    As fotos estão fantásticas, sobretudo as duas primeiras. Acho que vale uns wallpapers...

    Abraço.

    ResponderExcluir
  23. Arnaldo Keller31/08/10 17:12

    Marlos,

    Por favor, desculpe a demora em te responder. Falha minha.
    Não, ele não faz o punta-tacco, como o CambioCorsa fazia. É um ótimo câmbio automático com conversor de torque. Não é um mecânico automatizado.
    Mas é ótimo, e os 5,2 seg de 0 a 100 com mais de 1.800 kg confirmam isso. Não patina. Tem pegada imediata.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.