MAO COMETE GAFE, MAS É SALVO POR UMA DAMA

O automóvel moderno é uma máquina incrivelmente desenvolvida. Tão desenvolvida que hoje em dia, cada vez mais, os críticos recorrem ao subjetivo para avaliar. E pior que isso: muita gente recorre ao cinismo e ao preconceito para falar mal de um e bem de outro.

Eu mesmo sou culpado deste nefasto comportamento, e cometi uma gafe recentemente. Quando falei que não havia nada de memorável num Classic, não imaginei o que me esperava. Um tio meu, muito querido e ex-piloto amador, apareceu de supetão em casa com um reluzente Classic novinho que acabara de comprar, e me mandou dirigi-lo. Queria provar-me que tinha esquecido de algo obviamente memorável no carrinho: o motor.


Setenta e oito cavalos-vapor em um motor de apenas um litro, em um propulsor durável, tratável, suave e confiável era coisa de sonho quando comecei a dirigir. Naquela época, considerávamos que um Passat de 1,5 litro era um carro ágil e veloz, e olha que ele tinha menos 13 cv que este Classic. Quase oitenta cavalos por litro sem sobrealimentação não é coisa pouca mesmo hoje, e a não muito tempo atrás era coisa reservada para carro de corrida dedicado. O motorzinho é valente, girador e disposto, uma daquelas máquinas que consegue acionar todos os botões corretos no cérebro. Impossível não se animar com tamanha vontade e tratabilidade em um motor tão pequeno. Mantenho o que disse do resto do carro, mas menti quando disse que não tinha nada a falar de bom dele.

Muito bom que isto tenha acontecido, porque me faz lembrar de como o Bob enfrenta qualquer carro desprovido de preconceitos, e sem ouvir a turba. De um Geely-Ceely-Effa-sei lá o quê Chinês ao tão comentado Agile, passando pelo espetacular Audi R8, se você ler uma avaliação do Bob, vai ouvir uma posição imparcial e independente, e só. Sem papo furado. O Bob não precisa ouvir a opinião de ninguém para formar a sua; tem a segurança e tranqüilidade para isso. É revigorante que ainda tenhamos alguém como ele por perto para nos manter na linha, e fazendo crítica com responsabilidade. Todo carro merece respeito, e sinto que falta muito disso por aí.

Eu já falei deste assunto aqui; todo carro é nobre. Não se pode tratá-lo de qualquer forma, sem o respeito que eles merecem. Aqui no AutoEntusiastas tentamos ser desta forma, seguindo este exemplo do Bob. Tratamos todos os carros com respeito, mas sem medo de criticar onde a crítica é cabida. Falar mal ou fazer piada pode ser mais divertido e dar mais ibope, mas não é o correto. TODO carro nasce filho de um batalhão de pessoas que trabalharam anos a fio contra dificuldades imensas. TODO carro dá uma liberdade e mobilidade a seu dono sem a qual uma pessoa não é completa, sem a qual a vida perde a majestade. TODO carro merece respeito. Sem ele, o isolamento físico, emocional e intelectual é o que resta.

Pensei muito nisso esta semana de aniversário do Blog, e acabei por me lembrar de um fantástico texto publicado pela saudosa Beverly Rae Kimes (foto no fim do post) por ocasião do décimo quinto aniversário da revista "Automobile Quarterly", que ela editava. No texto ela cita os parâmetros para que um carro receba atenção daquela augusta publicação. Acho pertinente aqui, porque é exatamente o que penso, e acredito ser o credo básico de todos nós aqui do AUTOEntusiastas. É algo que eu mesmo gostaria de ter escrito para o nosso aniversário, mas, incapaz de fazer melhor que ela, apenas uso suas palavras:

“... O que é grande para um entusiasta do automóvel pode ser uma junção de complexidades desnecessárias para outro, e até as marcas mais óbvias, aquelas para as quais os superlativos são freqüentemente usados, raramente foram premiadas com a unanimidade de opinião. De nossa parte, somos extremamente católicos neste assunto. Criar parâmetros rígidos faria um curral muito pequeno, e um monte de carros interessantes ficariam de fora.

Um grande carro para nós é um que gera interesse por razões que podem variar entre estética, tecnologia ou história. Algumas vezes, a grandeza pode vir de apenas se ter tentado em face a dificuldades insuperáveis. Algumas vezes somente por ser um retrato perfeito de todas aquelas coisas que os poetas disseram através do tempo sobre o charme. E algumas vezes pode ser algo que nós não temos certeza que podemos definir. Talvez seja apenas pelo fato de que gostamos tanto de carros. Qualquer carro.

O automóvel, como dissemos na nossa primeira edição anos atrás, é uma paixão gigantesca para nós, e nós decidimos não diluir esta paixão sendo desnecessariamente arbitrários. Podemos nos entusiasmar da mesma forma com o Kelsey Motorette, com dez cavalos e três rodas, e com um Duesenberg, com mais de trezentos do primeiro, e quatro do segundo.

Mas sempre permanece a pergunta, o que há nos carros que tanto atrai o ser humano? Esta é a busca que fazemos aqui nesta publicação. A cada volume (
ou a cada dia no nosso Blog – MAO), tentamos iluminar um pouco mais esta questão. É a desconcertante variedade de forma e propósito que o automóvel tomou através dos anos, as atraentes e envolventes histórias que estão por trás deles, a mágica que eles podem ter, as clamorosas vitórias que ele desfrutou, as retumbantes derrotas que sofreu, o fenomenal fato dele ser o que é, e do que ele já foi. Convido todos vocês a juntarem-se a nós nessa nossa aventura que é o automóvel. Acreditamos que você irá adorar também.
Beverly Rae Kimes, 1976.”


MAO

67 comentários :

  1. MAO,

    Legal que vc se redimiu....Não é para qualquer um! Quanto à potência dos Passat 1,5l, eram 78 cv brutos, na realidade 65 cv líquidos, valor que qualquer motor de 1,0l hoje já ultrapassou(Mille - 66cv). No post do Classic e Kombi, fiz um comentário e pergunta a vc em relação aos motores Chevette, o qual acredito que passou em branco, haja vista vc não ter comentado...Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Ainda que seja um feito notável o alcance dos 78 cavalos em um motor tão pequeno, é de se considerar que tal potência só é alcançada em rotações estratosféricas (quase 7000rpm), longe do alcance de 95% da população.

    E é aí que o comportamento do Passat se diferencia: menos potência, mas muito melhor distribuída em todas as faixas de rotação, um motor tão bem calibrado que precisava apenas de 4 marchas para apresentar bom desempenho. E nem era preciso esgoelar o motor nos 6000rpm.

    "There´s no replacement for displacement"

    Bolacha

    ResponderExcluir
  3. O motor do Classic não precisa de muitas rotações para entregar desempenho suficiente. O 1-litro é disposto e muito econômico, além de simples e durável.

    ResponderExcluir
  4. o comentario do anonimo me faz lembrar da comparaçao entre o vw 1.0 e o 2.0 da volkswagen.tinham a mesma potencia,mas o torque do 1.0 aparecia la no "terraço"

    ResponderExcluir
  5. so lembrando 1.0 turbo

    ResponderExcluir
  6. Há muitos Classic usados como táxi aqui e já andei algumas vezes. O motor sobe de giro fácil mesmo.
    Notável ter essa potência tendo 8 válvulas.

    ResponderExcluir
  7. Claro que o giro dos VHC sobe muito rápido, com aquele escalonamento de marchas inspirado na D20 só podia dar nisto mesmo.

    É um horror andar num carro destes a 100 km/h e o motor berrando a quase 4000 rpm.

    ResponderExcluir
  8. Mister Fórmula Finesse30/08/10 09:42

    Eu realmente sempre achei a muleta do diferencial curto do Classic um tanto exagerada; parece que cada giro dos pneus exigem uma troca de marcha desde a imobilidade...

    Nesse último classic, até parece que a coisa melhorou, pois em carro novo, o tratamento acústico ainda está em seu auge , e os comandos estão dóceis e justinhos, mascarando um pouco outros aspectos como ruído e aspereza de motor.

    Foi uma boa surpresa dirigir a última evolução do Classic em termos de comportamento e linearidade dos dispositivos de controle, visto que estava acostumado com um carro com graves problemas nesse aspecto.

    Os números do motor realmente são muito interessantes, mas ainda não gosto do jeito que ele exibe esses valores, apesar que entre os sedans pequenos de um litro, não exista nada mais veloz...

    Mas ficou melhor de dirigir sem dúvidas, crédito ao invevitável amadurecimento.

    MAO, que texto maravilhoso esse dessa Senhora, nos traduz muitas coisas!

    ResponderExcluir
  9. O pessoal sempre manda bem nos Posts e nos coments. Parabéns ao MAO pelo belo texto.

    A respeito do classic, ele realmente sofre do mesmo mal dos celta... desde o início do VHC em 2003 (2003 ou 04?). Como o CHAndré falou... escalonamento de D20. Deve ser a mesma caixa, com a primeira seca. brincadeira, abraços.
    GiovanniF.

    ResponderExcluir
  10. MAO, tive um Corsa 2006, comprado novo, com motor VHC 1.0 de 77cv no alcool. Uma beleza. Até que começou a maldita batida de pino, ou pré-ignição. O resumo da ópera é o seguinte, se abastecia com alcool não pegava, se abastecia com gasolina, batia pino. Resultado, vendi o carro assim que saiu da garantia, não aguentava mais as constantes visitas à concessionária. Esse problema do motor 1.0 VHC GM é comum, tem até matéria na QR sobe o caso. MRM21.

    ResponderExcluir
  11. tem gente ai falando mal de motor girador , eu pessoalmente gosto deles giradores , mais prefiro os 1.6 , minha birra com os 1.0 não é o motor , e sim o peso que carregarn , carros que ficaraiam merlhores 1.4 e que tem que ter ar dh etc , se possivel até uma banheira , e se não andar o pessoal ainda fala que o motor é ruim .

    ResponderExcluir
  12. A GM conseguiu transformar um motor pequeno e amarrado num motor girador e bem solto, mesmo sendo 8v e tendo pouca ou nenhuma tecnologia - apenas os balancins roletados pra dar uma ajudinha.

    É uma tarefa interessante e levou 7 anos pra conseguirem fazer o VHC ficar assim (nesta versão VHC-E aí), antes ele era ruidoso, dava pré-detonação na gasolina, tinha problema de ajuste nos tuchos... agora tá acertadinho. Parabéns pro pessoal da GM.

    Sobre o câmbio, existe o mito de que brasileiro prefere câmbio curto, pq deixa o carro "esperto na cidade".

    []s

    ResponderExcluir
  13. Pode até ser um bom motor, mas como os demais 1.0 da atualidade, é inadequado aos carros que equipam. Porém um motorzinho desses de 70~80 cv deve ficar muito interessante num minicarro à la Smart ou num diminuto roadster.

    ResponderExcluir
  14. Excelente texto. Eu mesmo já comentei aqui uma vez, sobre a capacidade do Bob de avaliar um carro, por mais simples que seja, e conseguir encontrar as qualidades dele dentro daquilo a que ele (o carro) se propõe, e não como se estivesse fazendo um comparativo absurdo entre, por exemplo, um Classic e um Audi A8, situação onde é óbvio, o GM seria humilhado. Essas comparações idiotas a gente vê em muitos sites por aí: os caras do site falam de um Logan, e aparecem leitores às dezenas com pérolas do tipo "o Logan é uma m*rda, o Corolla e o Civic é que são os tais".
    Mr. Car.

    ResponderExcluir
  15. Eu ouço direto Celtas VHC batendo pino. Fora que o óleo não deve durar nada. Vão todos enganados achando que fazem a troca na revisão... A Peugeot é outra com o 1.6 dela de imprescindível alto giro.
    Motor de força em altos giros, só pra estrada, e TODOS, TODOS os que são colocados em city cars estão errados. Salve os 12kgfm a 2000rpm

    ResponderExcluir
  16. eu não sei, acho que meio que peguei birra de GMB. Achava esse corsa sedan tão simpático, mas depois dessa "reestilização" não consigo ver harmonia no carro. 1.0 por 1.0 eu acho que o 1.0 no mille vai muito melhor que esse VHC.

    ResponderExcluir
  17. Desculpe, MAO - mas se todo carro é nobre, então temos vários "Condes Drácula" no pedaço.

    ResponderExcluir
  18. Saindo um pouco da "economia", um motorzinho desses com um compressor de Fiesta ganharia algum torque em baixa, não?

    Um amigo de SC (o Adalberto conhece) teve um Corsa sedan dos primeiros com um turbinho @ 0,6 kg e já empurrava que era uma beleza.

    ResponderExcluir
  19. O classic pode ser bonzinho, mas felizmente a industria automobilistica evolui. Tenho certeza de que um Monza na estrada até hoje é muito gostoso de dirigir. Mas há de se convir que dezenas de outros carros hoje em dia são mais prazeirosos. Ou seja, uma coisa é a foto do carro. A outra é compará-lo ao que se produz atualmente. No caso do classic, o motorzinho é bom. Mas para aproveitá-lo há de se esgoelar nos giros. O diferencial é curto, curto, resultando em muito barulho na estrada. Outros pontos: a suspensão não consegue conciliar estabilidade com conforto (sim, o subchassi faz falta)- talvez em 1996 ele fosse referência, mas 14 anos se passaram. Em termos de habitabilidade, ele é apertado e com ergonomia fraca. O Bob Sharp é indubitavelmente um craque no assunto. Suas opiniões devem ser respeitadas, claro, mas nem sempre concordadas. Lembro-me dele eleger o motor 1.0 com compressor do Fiesta um "Ovo de Colombo". Como aquele motor que conciliava o pior dos mundos (baixo torque e consumo alto, além de problemático) pode ser considerado bom ? Ou seja, viva a discordância.

    ResponderExcluir
  20. Como Carol Shelby já dizia.
    "Nada substitui as polegadas cúbicas"

    Eu fiz um comparativo caseiro,entre: Corsa VHC-E 2009 com 78cv alcool X Escort L 1.6 CHT 1992 alcool 78 cv.
    Meu primo foi de Corsa do pai dele,e eu no escort.Resultado.

    Arrancada(400 metros mais ou menos),vitoria do escort.
    Final:Escort
    Retomadas:Escort
    Consumo:Corsa
    Conforto:Corsa

    Em termos de potência o Escort levou em todas,mostrando que Carol Shelby estava e sempre estara correto.

    Ps:Antes de qualquer comentário sobre o piloto(meu primo é bração,apesar de eu tbm não ser aquelas coisas kkk),eu fiz a prova dos 9,troquei,fui de corsa e ele de escort,e o escort levou novamente.

    ResponderExcluir
  21. Eu pensava que esse Familia I também não tinha torque em baixa, mas tem. É só ver como o celta ainda se desloca com destreza mesmo fazendo 1a- 3a e 5a. Retoma velocidade desde os giros baixos o que mostra que ele tem sim torque em baixa mesmo sendo girador.
    Falha imperdoável da GM manter o mesmo câmbio de quando ele tinha 71cv e 8,9kgfm de torque.

    A curva de torque, apesar de atingir o pico em alta RPM, é muito plana. O motor é excelente, mesmo!

    ResponderExcluir
  22. Joel, um amigo teve um Corsa Wind 2 portas 2000 1,0L turbo. O motor era o de 60cv e usava pressão de 1kg/cm2. Íamos juntos pela Anchieta, ele com seu 1,0L e eu com meu Corsa 1,8L. Te digo que andávamos juntos. Quando havia espaço e tava vazio, quando chegávamos a 180km/h (de painel) eu ainda tinha a 5ª e o câmbio dele já havia acabado. Em compensação tinha uma retomada estúpida.

    Acho que li no Best Cars uma vez, não sei se foi o Bob Sharp que escreveu, que essa alíquota que favorece motor de 1 Litro no Brasil alavancou seu desenvolvimento. Como citaram, o Smart tem um motor 1 Litro sobrealimentado que tem apenas 6cv a mais que o motor do post. Motor esse que leva relativamente bem 900kg, quem dirá com 600, 700kg...

    Me corrijam se estiver errado.
    Abraços

    ResponderExcluir
  23. Apesar dos ótimos textos, o MAO anda meio esquisito...

    Será que eu li isso mesmo??? Tratar todo carro com respeito, não falar mal ou fazer piada de um carro, que os carros são nobres, etc, etc,

    Nem parece o mesmo camarada que uns tempos atrás descia a lenha no pobre New Beetle, rotulando-o com uma série de definições pejorativas.

    Isso só pode ser culpa da cerveja Kilmes e do bife ancho. Não tenho outra explicação...

    ResponderExcluir
  24. "Torque em baixa" é conversa fiada de leitor da Quatro Patas. Potência = torque x rotação. Prestem atenção sempre nisso, elasticidade do motor (faixa de rpm útil). Tem nada a ver com conceitos equivocados que acabam complicando o que é muito simples.

    Prestem atenção em quantos HPs estão disponíveis desde as rotações mais baixas!

    Minha opinião: um carro que entrega 78 cavalos a 7000rpm não oferece segurança suficiente para uma família pequena (casal, dois filhos e bagagem).

    O Classic não anda: ele se arrasta!!! Teria de entregar essa potência a baixos 3000rpm e ser capaz de fornecer no mínimo 110 HP a uns 6000rpm, para proporcionar arrancadas e retomadas seguras.

    O Prisma 1.4 é uma boa opção, deve estar bem próximo disso.

    Bolacha

    ResponderExcluir
  25. Marcelo Augusto30/08/10 21:10

    Os motores 1 litro são muito mais "entusiastas" que essa onda de 1,4, pelo fato da potência específica. O único 1,4 que se salva é justamente o da GM, o resto está muito defasado.

    Mas como a maioria dirige como se tivesse motor Diesel (nunca passam de 3500 rpm pois acham que vai "estragar o motor") realmente os 1,4 ficam mais prazerosos pra dirigir.

    Mas para aplicar em carros pesados, os motores "1000" acabam levando fama de ruins. No Celta, Classic, Ka e Clio dão conta do recado.

    E esses chineses estão dando aula: 119 cv num 1,6. Mesmo o 1,3 do Face ou o futuro 1,1 do QQ são bons: sem muita potência específica, mas sempre multiválvulas, coisa que os "entusiastas" brasileiros detestam.

    ResponderExcluir
  26. Marcelo Augusto, e mano Bolacha.

    Sobre o 1.4 GM, no Prisma faz maravilhas. Agora o peso mais elevado do Crosa ja cobra um pouco por isso. Eu dirigi os dois e em desempenho vou de Prisma, mas de conjunto vou de Corsa. Meu sogro tem o Corsa com o dito motor, e é um motorista na "mérdia", então antes de dirigir esse carro ahcava uma bosta, muito fraco. Justamente porque ele não aproveita a potência do motor, não sobe de giro, não retém marcha nem em subida, ai o carro da uma relinchada e ele reduz novamente. Ai a culpa vai sempre pro motor. Daí também o fato do câmbio curto: medo de RPM. O pião tem medo de esticar, mas quer força, ai as "montadoras" encurtam ao máximo a relação de marchas.

    Me corrijam se estiver errado
    Abraços

    ResponderExcluir
  27. Antonio Nunes30/08/10 21:45

    Pô MAO, um engenheiro como você não sacou que o carrinho anda mais pelo cambio curtissimo do que pelo motor ?

    A GM sabe e apelou que o brasileiro gosta de passar em lombadas e valetas em terceira marcha. Com esse cambio dá até para sair de segunda marcha em subida leve.

    Primeira corta à 30 km/h, segunda à 60 km/h, terceira mal chega aos 100 km/h, quarta 140 km/h esguelando, e quinta cruza à 120 km/h em 4200 rpm, um absurdo, uma barrulheira do caramba dentro do carrinho.

    Fora o curso do acelerador kilometrico, longo para cacete, não tem regulagem que o TPS/borboleta é eletrico.

    Andar anda, dá pau em varios 1.4, punto, PUG, etc. Mas apelando é feio demais. Fora que não tem outro 1.0 aspirado que anda junto.

    Esse motor com um 4+E deveria ficar FANTASTICO ! Quem sabe um 5+E, ai sim tudo bem um cambio curtinho, com um sexta de overdrive.

    Mas brasileiro é soda !

    ResponderExcluir
  28. Se nao tivesse conta-giros ninguem ia perceber...

    Alguem sabe a quantos RPM fica o Uno em 5a na mesma velocidade que o Classic? se nao fica na mesma rotacao, acho que fica até acima disso, querem apostar?

    Esse VHC-E é o capeta, já aluguei um Celta com esse motor por 1 semana nas ferias e me diverti muito com o carrinho. É só dar giro nele ele voa na estrada, sobe serra muito facil e acelera bem, muito bacana mesmo. Nao deixa nada a desejar, e nao bebe!!

    MAO, essa senhora, com todo o respeito, é prima da Tootsie do Dustin Hoffman?? :-)))))

    ResponderExcluir
  29. R Tedesco, tenho um Mille e o escalonamento do câmbio é ótimo: primeira marcha real (e não de jipe), trafega-se em avenidas de São Paulo tranquilamente em terceira (60 Km/h) ou quarta marcha (70 a 80 Km/h).

    Quinta marcha do Mille apenas na estrada: a 120 Km/h não chega a 4000rpm. Tudo casa com o motor, 66 cavalos por litro, torque máximo a 2500 giros e potência máxima a 6000 giros.

    ...Mais elastico que mille fire, ainda to pra ver!!!

    ResponderExcluir
  30. R Tedesco, tenho um Mille e o escalonamento do câmbio é ótimo: primeira marcha real (e não de jipe), trafega-se em avenidas de São Paulo tranquilamente em terceira (60 Km/h) ou quarta marcha (70 a 80 Km/h).

    Quinta marcha do Mille apenas na estrada: a 120 Km/h não chega a 4000rpm. Tudo casa com o motor, 66 cavalos por litro, torque máximo a 2500 giros e potência máxima a 6000 giros.

    ...Mais elastico que mille fire, ainda to pra ver!!!

    ResponderExcluir
  31. Entendo que não dá pra jogar no lixo o projeto de um carro com comentários inflamados, normalmente proferidos por donos de outras marcas.

    O que realmente me preocupa é uma possível mudança no perfil do site. Entendo que fanatismo só desagrega, mas é preciso manter uma certa imparcialidade nas opiniões.

    Sinceramente, considero esse very high compression uma busca insana por potência. Tá certo que o governo tem sua parcela de culpa por favorecer o álcool e o 1.0.

    Essa dificuldade que a GM passa lá fora reflete nos carros que temos aqui.

    ResponderExcluir
  32. Moafoda,
    Só por curiosidade, seu Mille tem contagiros ou voce fez o calculo baseado nas relacos de cambio e diametro de pneu?
    Tive um Mille ELX em casa (sem contagiros) e me passava a impressao de estar em giro muito alto na estrada, posso estar enganado, claro! E tambem a Fiat pode ter mexido nas relacoes com o motor mais moderno, devo estar com uma impressao antiga ainda.
    Abracos,

    ResponderExcluir
  33. Thiago;
    Vc tem toda razão, 78 brutos. Significa que o Classic é bem mais forte que o Passat.
    Sobre o motor do Chevette, desculpa o atraso, pelo que me lembro vibrava quando frio, e vibrava quando em rotações bem altas.
    MAO

    ResponderExcluir
  34. Bolacha,
    Pessoalmente nunca liguei para esse tipo de coisa. Sempre procuro usar toda a potência do carro, e não ligo em acelerar e usar o câmbio.
    Mas NÃO é este o caso do Classic, como disse o Diego no comentário dele. Ele tem força boa já desde baixo.
    Um cara que respeito muito já disse que tem um substituto para polegadas cúbicas: cérebro.
    MAO

    ResponderExcluir
  35. Ary,
    Tive um 1.0 turbo certa vez. Puxava muitíssimo bem já a partir de 2000 rpm, e era melhor em tudo se comparado ao 2.0, em minha humilde opinião. Mais forte, mais liso, mais econômico.
    MAO

    ResponderExcluir
  36. ChAndré, GiovanniF,
    O cambio é curto sim, podia ser mais longo. Mas não atrapalhou demais, em minha opinião. Pelo menos para trajetos curtos à moda, sem problemas.
    MAO

    ResponderExcluir
  37. a, Anônimo das 12:42

    Pessoalmente não vejo problema algum no desempenho dos 1.0 modernos.

    MAO

    ResponderExcluir
  38. Alberto,

    Eu sempre acreditei nisso. Posso ter cometido algumas gafes (ninguém é perfeito), mas queria que todos soubessem que é meu credo básico: Todo carro é nobre.

    Menos o New Beetle! (kkkkk, brincadeirinha)

    MAO

    ResponderExcluir
  39. Antônio Nunes,

    Falei que o motor era fantástico. Um 1.0 de 78 cv, liso, com garantia... O MOTOR!

    Porque tá todo mundo falando de cambio, carro pequeno pro motor, anda, não anda...?

    É a única coisa memorável do carrinho, acho que fui claro nisso...

    MAO

    ResponderExcluir
  40. Anônimo das 02:31

    Bom, eu acho que falar que o carrinho é esquecível, mas que tem um ótimo motor, não classifica-se como parcial...

    Imparcialidade é justamente isto, não ter medo de emitir opinião sincera. Fale mal sempre que nunca será acusado disso. Fale bem sempre e ninguém acredita em você.

    MAO

    ResponderExcluir
  41. Francisco V.G.31/08/10 09:39

    Por mim, está perdoado pela gafe. Tenho um desses(Spirit 2009 VHCE) e acontece exatamente como você diz, é só ligar os botões no cérebro e você faz miséria com o carrinho, o resto é conversa fiada. Podia isso, podia aquilo, mas, para mim, pode deixar como está, ou seja, podiam endurecer um pouquinho a dianteira dele. Agora só falta uma coisa: Cadê o post do Celta?

    ResponderExcluir
  42. Quando alguém diz que motor 1-litro é impróprio para a maioria dos mortais por exigir rotação para fornecer a potência anunciada, o que é fato, lembro que nas motos usa-se giro alto o tempo todo sem o menor problema. Passei uns dias com uma Honda 250 Twister algum tempo atrás e andando calmo o conta-giros mostrava 7.000 rpm. Dez, onze mil era toda hora, como arrancar no semáforo. Tudo é questão de hábito.

    ResponderExcluir
  43. Mister Fórmula Finesse31/08/10 13:44

    MAO: um bom escalonamento é a moldura perfeita para um bom motor, por isso quando se fala de um Classic para o dia a dia, inevitavelmente falarão mal da redução...

    Com esses bons valores extraídos do VHC, dava para suportar uma caixa um pouco mais civilizada, se não der...o motor é apenas uma boa explanação de números, mas não de efetividade real em condições normais.

    "Um câmbio com relações certas não ajuda, um com relações erradas atrapalha..." (Bob Sharp - Autoesporte - Tempra Turbo x Omega Diamond 3.0)

    ResponderExcluir
  44. E é por gente como vcs que somos defasados em relação à maioria dos mercados...Ok, 78cv, mas conseguidos aumentando a taxa de compressão para níveis nada recomendados levando em conta nossa gasolina. Inclua a relação curtíssima de marchas e o consumo nada amigável e veremos porque só "entusiasta" gosta desse motor!

    ResponderExcluir
  45. R Tedesco, esqueça o escalonamento do Mille Fiasa. O Fire é bem diferente.

    Não se compara as relações de marcha do Mille Fire com qualquer GM 1.0. Para se ter uma idéia, as relações de marcha e diferencial do Mille Fire e Uno 1.0 Vivace são iguais as do Palio Hatch 1.4.

    Inveja dos americanos que tem em alguns carros a opção de escolherem o diferencial que desejam... MUITA inveja...

    ResponderExcluir
  46. Parabéns, GM: Você faz milagres com todos os seus carros e motores (familia I - 1994 e familia II - 1982) , diga-se de passagem, projetos obsoletos.

    - Classic: Corsa 1994
    - Celta / Prisma: Corsa 1994
    - Agile: Corsa 1994
    - Meriva: Corsa 2002
    - Zafira: Astra 1998
    - Vectra: Astra 1998
    - S10: 1996

    ResponderExcluir
  47. Ah, Bob, mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa! Carro é carro, moto é moto! Bota um V8itão pra acelerar até 7000 rpm e vê se suas obturações continuam no lugar!

    ResponderExcluir
  48. Bob,

    Moto gira 7k todo dia, com redline a 11k rpm sim, mas isso tem um preço: durabilidade PÍFIA.

    É muito importante essa questão do torque em baixa, pois permite que o carro ande razoavelmente bem sem ter que ficar esgoelando. Deixemos a esgoelação para os momentos mais entusiásticos.

    Pelo menos concordamos numa coisa: eta cambiozinho mal escalonado o desse Classic viu! Se a idéia dos caras era ter um carro que "pula" rápido, então deveria ter uma 6a marcha para uso rodoviário. Ter que engolir o bicho a 4000rpm+ é dose! Ninguém merece.

    ResponderExcluir
  49. Muito, mas muito curioso mesmo... lembro-me de quando era criança e lia a 4 Rodas (por volta de 1978, 1980), e todo mundo criticava os motores da Fiat por apresentarem torque e potência lá em cima (o do 1300 Rally tinha o torque máximo a 4000rpm). Agora virou "motor entusiasta"... Até concordo em ter um motor que suba fácil de giro, mas por favor, quero uma última marcha (seja 5ª ou 6ª) longa para conforto auditivo em viagens longas. Motor que gira o tempo todo "lá em cima" é praticável na Europa, onde se vai do Vêneto à Calábria numa distância menor que São Paulo a Curitiba. Aquí, com 300km daquela máquina de cortar grama na sua orelha (afinal, revestimento fonoabsorvente custa dinheiro, e as fábricas instalam o mínimo possível) você já está estressadíssimo. Comigo não!

    ResponderExcluir
  50. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  51. MAO,

    Esse texto me fez lembrar da epoca em que eu fazia o curso de mecanico automobilistico no SENAI. Tinha um grande amigo que, além da data de nascimento, compartilhavamos um irremediavel doença: a doença por carros. Além das interminaveis conversas sobre tudo o que tivesse 4 rodas, durante o intervalo das aulas, corriamos até a biblioteca e consumiamos intensamente aqueles 10 minutos ou menos devorando a quatro rodas, a fullpower, a hot do mes ou de todos os meses passados, ou qualquer outra coisa sobre automoveis. E era aquela paixão que se estendia a todos os tipos de automoveis, hoje acho que não sabiamos separar o joio do trigo. um esportivo arrojado recebia de nós a mesma atenção que um popular nacional remendado ou um carro tuning de mau gosto. Era uma coisa legal, sincera, e talvez a unica coisa que nos unisse. Isso ja faz alguns anos, hoje ja não tenho mais contato com o meu colega de curso, amadureci um pouco, estou me livrando de muitas miniaturas e revistas de que ja não gosto mais, parando de ler a quatro patas, e encarando tudo de uma perspectiva mais madura. Hoje meu entusiasmo é mais evoluido, tento descobrir o que é realmente relevante e dedicar meu entusiasmo a isso, a veiculos que julgo serem mais dignos disso, seja um fusca/mini/uno, um citroen DS ou muscle cars de cores vivas com um 427 sobre o capô.

    fernando

    ResponderExcluir
  52. O que ele falou é bobagem, não existe moto com torque máximo a 2000giros e potencia máxima a 5000 giros igual carro

    ResponderExcluir
  53. MAO, se o cérebro é o substituto das polegadas cúbicas, o dono de um V8 Chevrolet é um anencéfalo?

    O grande problema dos jornalistas automotivos é que eles vivem se contradizendo. E quando são pegos em suas contradições eles justificam dizendo que são livres para mudar de opinião quando bem entendem.

    E enfiam até motocicleta no meio da discussão, como se fosse igual carro... Deus me livre!

    ResponderExcluir
  54. O motor VHC tem um erro grotesco de engenharia. É um motor morto, como todo 1.0, para ter vida a GM adtou uma caixa de transmissao com relacoes extremamente curtas. Porem a solucao é facil, felizmente alguma empresa esta prestando esta alegria a sociedade:
    http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-149682182-volante-aliviado-linha-gm-prisma-celta-corsa-montana-meriva-_JM

    Certamente deixa o carro mais esperto e talvez ate mais economico.

    De resto carros 1.0 8v nao devem andar em estrada ao nao ser transportados por caminhoes.

    ResponderExcluir
  55. Toda manual deveria conter o grafico com a curva de potencia torque e rpm do respectivo motor.

    Aqui tem um grafico de potencia do motor VHC

    http://a.imageshack.us/img8/3205/1celtapowerantes.jpg

    O motor entrega espantosos 28hp em 3000 rpm. Para colocar um Celta em movimento com toda essa cavalaria somente usando uma caixa de reducao elevada para multiplicar o torque. Logo nao serve absolutamente para nada ter 78cv em 6400rpm. Se é que tem.

    A GM esta demorando para lancar um celta hibrido com 2 motores eletricos no eixo traseiro. Seria, obvio, ecologicamente correto...

    ResponderExcluir
  56. biscoito,

    De jeito nenhum. O Chevrolet V8 de bloco pequeno é um dos melhores motores já criados.

    Mas esse papo de que não há substituto... Sempre há substituto para tudo, até para mim ou para você.

    MAO

    ResponderExcluir
  57. Anônimo das 15:39

    Defasado à maioria dos mercados? Pensei que o problema para isso era o alto custo de produção aqui que impede que sejamos base para exportação feito México, China e etc, o volume relativamente baixo de vendas, os impostos altos de importação...

    A imprensa não influi nem muda nada no Brasil, caro amigo, é só olhar o resultado das eleições. E infelizmente todos os problemas do Brasil são criados por nós mesmos, o povo.

    MAO

    ResponderExcluir
  58. Bianchini,

    Não sei sobre a 4R, mas eu sempre falei que esse negócio de que girar alto é ruim é para quem anda devagar.

    Veja isto, de 2002:

    http://www2.uol.com.br/bestcars/colunas/e130.htm

    MAO

    ResponderExcluir
  59. MAO, tá beleza então. Não tinha colega seu cantando aos 4 ventos que foi a imprensa a responsável pela homologação de um medidor de transmitância luminosa? Vc discorda dele?

    ResponderExcluir
  60. Anônimo das 12:34,

    Desconheço este assunto, infelizmente.

    MAO

    ResponderExcluir
  61. Lí seu texto no Best Cars e concordo, MAO, mas vamos pensar na realidade brasileira, que inclui estradas em péssima conservação ou estradas ótimas, altamente pedagiadas e mais altamente ainda preenchidas com radares (aqueles 110 km/h da Anhanguera pros lados de Ribeirão Preto são sonolentos) com limites abaixo do que a estrada permite. Esse motor VHC-E se enquadraria perfeitamente na realidade de 80% da Europa, onde na distância SP/RJ dá para sair da Alemanha, atravessar a Áustria e chegar na Itália. Ou contornar 3 vezes a Holanda. Ademais, descontando a região dos Pirineus, Alpes e Balcâs (não cito a Itália pois italiano adora motor que entrega potência e torque lá em cima) as elevações européias no geral são menores que as daquí.
    Ainda acho que para carros pequenos como esse a solução é aquele câmbio do Siena 6 marchas reescalonado, com uma relação justa da 1ª até a 5ª, e uma 6ª para uso rodoviário, looooonga...

    ResponderExcluir
  62. Esqucí de citar: cansei de me divertir com carros de motores pequenos (Chevette Hatch 1.6 e VWs a ar), exatamente como citado no seu texto... existem insuspeitas características esportivas na VW Variant 1976... o problema é que por mais que se tente elogiar o Corsa B, ele ainda será altamente insatisfatório. Pessoalmente, prefiro minha briga contra o peso do Ascona C, que não me deixa jogar a traseira levemente de lado como dá para fazer no Escort até 1993, usando a distribuição brusca de peso traseira-frente para ajudar na tomada da curva.

    ResponderExcluir
  63. Achei meio hipocrita este texto todo mundo faz isso consciente ou inconsciente rotula por apelido pejorativo isto em toda parte do planeta.O q nao ha nada de memoravel q vc se expressou nao foi so em relação do carro mais sim de gigantes da industria automobilistica vender um carro q ja tem 15 anos de mercado q ja se pagou a muito tempo pela é com preço similar a de carro mais modernos recem construido ser hipocritamente elogiado carro q saiu de linha na China pega a ferramentaria e joga aq este lixo la se lança um modelo novo por isso a GM esta este fracasso so vende carro velho corsa,classi,S10,Astra vende ate bem mais arranha a imagem da marca com estas porcarias,ha posso usar alguns adjetivos um carro honesto,com motor elastico entendi a respeito da imparcialidade algo q tem q ser mantido nao é pq estao batendo em cachorro morto q vao cair de pau bm se tiu poderia ter comprado um siena,voyage por pouca coisa de difrença e nao ter alimentado fabricas q acham q aq é o lixao do primeiro mundo marcas reduziram distancia de pais de terceiro mundo com o primeiro lançando modelos simultaneos no mundo todo cresceram e hj ameaçam estas fabricas q nao respeitam o consumidor tenho raiva destes carros e marcas tem pontos positivos e negativos em todo carro,agora carro como golfsauro,classic chines,esso s10 nao é 10,peugeot 206,5,vectra q é astra,vectra gt q nao tem nada de gt,marcas como toyota com corolla,honda com civic reduziram esta distania agora as coreas nas Kia e Hyundai.Esta falta de respeito q tem q ser criticada carro q so tras vantagem para fabrica horrivel um monstrengo q nao tem nem reduçaõ de preço em relaçao aos concorrentes satisfatoria coloca um arzinho e os otarios vao comprar e compram,motor elasticocompra um corolla seminovo com o preço q se de nesta bosta geração anterior mais bonito,luxuoso,com motor muito mais elastico mais economico carro q nao quebra esta jaca chinesa parece de loja de 1.99 e principalmente nao emporcalham as estradas com sua feiura e desrespeito ao consumidor.Pelo amor de Deus tenha senso critico esta parecendo auto esporte com materia comprada titio trabalha na Gm.
    Wesley Alves Meireles

    ResponderExcluir
  64. Se nao tivesse critica nao existiriam revistas,blogs,programas especializados q dao sua opiniao seja ela de forma critica,ou elogiativa.Este romantismo purista existe principalmente nestes fabricantes q so ganham com isso seu unico ojetivo é este dinheiro nao é o avanço da industria lutam para o retrocesso so avanço quanto estao ja encurraladas com suas vendas encalhadas sem falar nesta bateção de valvulas de toda linha Gm q so horrivel quando se liga um motor como classic,celta,corsa,vectra com motor frio é mais perceptivel elastico tem q ser as prestaçoes e o salario de um besta q compra um velharia desta toda opiniao é tendenciosa reflete um pensamento algo inevitavel,com avanço da internet estes carros vao dar adeus ao Brasil bem amis cedo proprietarios vao ter vergonha de ser enganados com uma carroça destas desafio coloca com os concorrentes ai da vitoria por relação custo beneficio custa uns trocados menos coloca um brinde q vem com nariz de palhaço um ar,calotinha do prisma assim da um Salt nas vendas.O q seria dos eu odeio eu amo,melhores e piores.
    Wesley Alves Meireles

    ResponderExcluir
  65. Taí um carrinho que cabe no mu bolso!

    Pena que nem eu nem meinha família caibam nele...

    Acho-o muito pequeno, minhas fihas idem. Já minha esposa, odeia...

    É que ela acha que esse carro é sufocante e sem espaço na mala...

    Já o Logan... (ganhou de 3 a 1 aqui em casa...)

    ResponderExcluir
  66. MAO; respeitosamente: vc acertou no primeiro texto. Errou neste. E olha que vc sabe o que fala! Mas tudo bem. Nós todos erramos. Quanto ao carro....Uma droga em todos os sentidos, Mesmo o motor sendo ótimo.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.