FRONTY-FORD FOR SALE


Os Hot Rods e a indústria que os acompanha, ao contrário do que muitos pensam, nasceu muito antes do pós guerra. Nos anos 20 e 30, já existia uma grande industria de velocidade, baseada principalmente em equipamentos para o onipresente Ford T.

O carro que vocês podem ver aqui será leiloado pela casa RM auctions em 8 de Outubro, no mega-mercado de pulgas que ocorre todo ano em Hershey, na propriedade da famosa fábrica de chocolate homônima. E é um exemplo maravilhoso dos Ford preparados, muito comuns nas competições em pistas de terra (popularíssimas nos EUA dos anos 20/30, e que precederam os ovais da NASCAR e Indianápolis), mas também usados como carros esporte para quem não podia comprar um Packard, Stutz ou Duesemberg.

O motor, baseado no quatro cilindros em linha original, é equipado com o raro cabeçote Frontenac, empresa dos irmãos Chevrolet, que convertia o Ford “cabeça chata”, de válvulas laterais, em um OHV com válvulas no cabeçote. Distribuidor de competição Atwater Kent, virabrequim e pistões de modelo A, e um escapamento direto, sem abafador, em aço inoxidável são as outras características mencionadas no anúncio. A potência original de 22cv é praticamente triplicada para robustos 64cv. Só de imaginar o inferno auditivo de colocar este atleta ancião em funcionamento, já gostei. E deve ser interessantíssimo para dirigir, visto que a transmissão planetária do T permanece inalterada.


Além disso, o carro tem realmente tudo que se podia desejar na época: rodas de competição raiadas Reelroof, e eixos veículos comerciais Ford, mais largos e baixos. A carroceria era uma das muitas conversões “esportivas” da época, neste caso produzida pela Bub Body Corporation, e chamado de Bub “Wasp”.


Como os irmãos Chevrolet eram também revendedores de carrocerias Bub, não é difícil imaginar um jovem, a oitenta anos atrás, mostrando seu surrado T para um deles, e encomendando as modificações que resultaram neste incrível “special”.

E este pedaço vivo e vibrante de história poderá ser adquirido nos EUA esta semana por algo em torno de 60 mil dólares, baratíssimo pelo que representa e pela raridade, apesar do carro me parecer um pouco bonito demais, over-restored.

MAO

11 comentários :

  1. MAO,

    Impossivel algo mais legal que isso. E por 60 mil verdinhas é uma barganha, não se compra nada proximo disso por apenas esse dinheiro.

    ResponderExcluir
  2. Mister Fórmula Finesse06/10/09 08:41

    Mas que carrinho maravilhoso, um verdadeiro protótipo do ínicio do século. O preço realmente é muito baixo por um carro tão especial e bonito.

    E esse motor, originalmente, creio que na sua arquitetura básica tracionou os tratores ford's a gasolina até os anos sessenta se não me engano, os famosos cinza com as identificações em vermelho.

    Uma das minhas lembranças mais antigas da minha primeira infância era um trator (ou ao menos parecia pois o motor ficava exposto) ford verde convertido para uso veicular, pois tinha toda a parte da frente do trator e um chassi como prolongamento onde se apoiava uma bonita carroceria de madeira.

    Se passeava muito nele, apesar das brumas do tempo entorpecer um pouco a memória, ainda lembro que aquela máquina estranha exisitiu e eu pude sentir um pouco o que era rodar sob as bençãos do motor pensado e nascido em Dearborn...

    ResponderExcluir
  3. Caro Marco Antônio,
    A frase inicial de sua excelente matéria me deixou meio aturdido. Fiquei sem saber qual é o conceito adequado que define um Hot Rod (vara quente - derivado do ruído que uma vara faz ao ser brandida com velocidade - nome adotado para definir um tipo de adaptação de veículos). Com o seu artigo você muda o conceito de carro feito com peças de ferros-velhos, colocando motores possantes em chassis adaptados de carros antigos (já na época) com a carroçaria correspondentemente modificada.
    O carro mostrado em sua matéria para mim seria uma adaptação para corridas, diferente de um Cornelian projetado por Chevrolet para a Blood Brothers em 1913 (http://www.maxicar.com.br/old/gromow/quemnasceu3.jpg) que foi produzido em série, mas ambos com a mesma finalidade: corridas em pistas.
    O Fronty-Ford lembra uma carreteira tipo a do Catarino Andreatta, que novamente para mim não seria um Hot Rod.
    Já os Hot Rods, além de objeto de ostentação da juventude eram usados em arrancadas selvagens de rua - precursores de nosso rachas.
    Ainda hoje o lugar dos "Fordinhos" foi ocupado, por exemplo, por Fuscas, já que possuem um chassi com eixo tubular que permite muita estripulia.
    Certamente este é uma questão de semântica sem muita importância, levantei somente para tentar dirimir uma dúvida conceitual minha.
    Saudações
    Alexander Gromow

    ResponderExcluir
  4. Xará,

    Tudo muito complexo e confuso, especialmente pela enorme distancia no tempo. Vejo como verdade que hot rod é inerente a biela quente, de biela ser connecting rod con rod e apenas rod e hot pela preparação. Definitivamente o termo veio muito depois, porque nos anos 20, já li isso em muitos livros americanos antigos, o termo seria tido como obsceno. Muito do que é romantizado e mostrado hoje tem uma boa distorção. Nos anos 50 era muito comum jalopy, a nossa fobica, carro velho, bagunçado, e usado em corridas na terra, ovais curtos e em drag race mesmo, ainda um esporte iniciante, dando seus primeiros passos.
    Um livro muito interessante sobre o assunto é Hot rod, the glory days, retrata bem o que se fazia, muita coisa de mecanica é bem citada e explicada em detalhes e muitas fotos de época, que fazem uma imagem bem fiel da coisa toda.

    ResponderExcluir
  5. Carlos Galto06/10/09 11:03

    Sensacional banheira com rodas nos cantos!!! Seja Hot-Road, adaptação de corridas ou fobica.
    Deve ser divertidíssima numa pista travada de terra...

    ResponderExcluir
  6. Alexandre,
    Grato pelo fundamentado esclarecimento. Vou procurar o livro logo depois do evento de Tiradentes onde devo proferir uma palestra sobre o Fusca.
    Saudações
    Alexander

    ResponderExcluir
  7. Herr VW,

    Sempre uma satisfação tê-lo aqui conosco!

    ResponderExcluir
  8. Alexandres,

    A Revista Hot Rod americana (para mim, a autoridade nesses assuntos) definiu um Hot Rod, nos anos 80, como um carro modificado pelo dono, de maneira original e única, para melhor desempenho e/ou aparência.

    Hot Rod este Ford é, mesmo que o termo tenha sido inventado depois do carro.

    E sim, a definição é bem ampla. Mas como definição, funciona. Não dá para definir bom gosto, este fica implícito.

    MAO

    ResponderExcluir
  9. MAO,

    Da mesma Hot Rod, na edição de outubro de 1988, a frase que mudou minha maneira de ver e fazer carros: Dare to be different!
    Freak is neat,
    Weird is wild,
    and in the 90's, anything can be a hot rod.
    Essa revista é a melhor, unica e essencial. Agora o David Freiburger, que já foi editor chefe da HR e ainda está lá, saiu, voou um pouco e voltou criou outra, Hot Rod De Luxe, ainda mais descompromissada com novidades, com comercio e com venda de coisas novas, totalmente cult, totalmente retro, total, completa e absurdamente essencial. Não consigo passar sem. Sai a cada 2 meses.

    ResponderExcluir
  10. AG,

    Sim. O slogan atual diz tudo: Where it all began.

    Onde tudo começou. Os caras tem um legado único, e ninguém melhor que o Freiburger para guardá-lo e preservá-lo.

    Tá entre meus ídolos, junto do LJK, Ludvigsen, JLV e o Peter Egan.

    MAO

    ResponderExcluir
  11. MAO,

    Sim, exato, o David é o cara que tem que estar lá, no lugar certo, na hora certa, especialmente depois que o Gray B'ville se foi.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.