OUTRO LADO DA HISTÓRIA

Foto: iG





Esta é uma outra visão sobre o acidente que o Bob Sharp já havia comentado sábado.



Mais uma tragédia no trânsito de São Paulo. Um Porsche, segundo a perícia, vinha a 150 km/h pela rua Tabapuã, uma rua comercial do nobre bairro Itaim Bibi. Em uma de suas travessas, a rua Bandeira Paulista, ele colheu um Hyundai Tucson que atravessava a via, matando sua motorista, uma advogada de 28 anos. Triste e trágico.



A imprensa logo se apressou em condenar o motorista do Porsche. Parece que os jornalistas, em geral por aqui, têm um viés esquerdista-invejoso, até chegando a ter um mórbido prazer em culpar uma pessoa de posses que causa um acidente com seu carrão. Mas ressalto um fato que foi mencionado nas reportagens, mas não foi dada a devida ênfase a ele: a advogada avançou o sinal vermelho, segundo uma testemunha que estava atrás do carro dela e a viu avançar em baixa velocidade o semáforo do cruzamento com a rua Tabapuã.



Apesar de em momento algum eu afirmar que é correto andar a 150 km/h dentro de perímetro urbano e - pior - numa rua cheia de travessas, não posso deixar de notar a grande culpa da vítima neste acidente, estando a imprensa mais preocupada em noticiar a culpa do motorista do Porsche e quase comemorando a sua indiciação por homicídio doloso.



A imprensa desinforma colocando como se a velocidade fosse a grande causadora da tragédia. Na verdade, a maior causa foi o desrespeito à sinalização que determina quem tem o direito de passagem, no caso, o semáforo.



Tentemos olhar o ocorrido pelo lado do motorista do Porsche: Era madrugada e ele viu uma rua vazia e com os semáforos todos verdes para ele. Quem tem um Porsche normalmente gosta de velocidade. Com as vias mais largas de São Paulo coalhadas dos arrecadadores radares (e agora mais arrecadadores ainda, com os limites de velocidade recentemente reduzidos em vários corredores importantes), ele viu a chance de dar uma "esticadinha" - que não é crime, mas infração de trânsito.



Ninguém na rua, semáforos todos verdes e vamos embora, "pedal to the metal". Acelerando o carro (do trecho da Faria Lima até a fatídica esquina são apenas 700 metros), de repente aparece do nada um Tucson que simplesmente varou o semáforo vermelho. À velocidade em que estava não havia o que fazer para evitar a batida, apenas tentar bater com o lado direito do carro para assim tentar preservar o lado do motorista.



Obviamente, repito, que fique bem claro, 150 km/h não é velocidade para se andar ali. É contra a lei e também é totalmente contra o bom-senso. É uma infração de trânsito gravíssima punida com 7 pontos e multa de 574,62 reais e suspensão do direito de dirigir (trafegar a velocidade maior do que 50% além do limite da via, que ali é de 60 km/h).



Porém, mesmo à noite, nunca se deve ignorar um semáforo vermelho. Ainda que, por motivo de segurança pessoal, não seja prudente ficar parado num semáforo, uma vez carro parado vira presa fácil para assaltantes, não se pode cruzar uma via como se o semáforo não existisse, pois pode vir alguém trafegando por ela confiando que é seu o direito de passagem.



Por isso, durante a madrugada, ao se deparar com um semáforo vermelho o recomendável é sempre parar, olhar se não vem ninguém (nessa hora o vidro escurecido atrapalha, e como!) e só então prosseguir. É o que manda a prudência, diante da violência de nossas grandes cidades. Infelizmente a CET ignora a situação de insegurança da cidade de São Paulo e anunciou que está trocando as câmeras de semáforo para que estas multem o avanço de semáforo à noite. Aí poderemos optar: sujeitarmo-nos a uma multa ou expomo-nos a sermos assaltados. Duvido que os bandidos não irão aproveitar a chance de ouro que a CET lhes dará:



Carros paradinhos à noite em ruas ermas, esperando pacientemente o semáforo abrir para não serem multados em 191,54 reais e seu motorista levar 7 pontos na carteira...



Durante um tempo, a prefeitura do Rio de Janeiro teve uma atitude inteligente: As câmeras de semáforo, das 22h00 até as 6h00, passavam a funcionar como lombadas eletrônicas quando o semáforo estava vermelho. Podia-se avançá-lo, mas a no máximo 25 km/h, para obrigar o motorista a reduzir a velocidade, porém sem obrigá-lo a ficar parado expondo-se ao risco de assalto.



Na prática, o mais prudente é encarar o vermelho como se fosse uma placa PARE e fazer o que todos deveriam fazer numa placa PARE: Parar, olhar e prosseguir respeitando a preferência de passagem de quem vem na via transversal.



Foi neste ponto que a advogada falhou, falha esta que terminou lhe custando a vida: Ela desrespeitou a preferência de passagem do Porsche. O motorista do Porsche confiou que a preferência era dele, e era. Apesar de estar cometendo uma infração gravíssima pela velocidade em que trafegava, ainda assim tinha a preferência de passagem dada pelo semáforo verde. E é isso que a imprensa deixa de noticiar: Que, apesar de vítima, a motorista do Tucson também foi a principal causadora do acidente. A velocidade do Porsche apenas agravou muito as suas consequências, mas a causa primária continua sendo o desrespeito à preferência de passagem. Se o cuidado de olhar antes de atravessar tivesse sido tomado, a advogada estaria viva agora.



Preferência de passagem à noite é algo complicado, infelizmente, por causa da falta de educação para o trânsito. Se por um lado o semáforo é uma indicação clara, por outro lado deve-se tomar muito cuidado onde ele não existe, pois muitos motoristas não respeitam a sinalização à noite. E, pelo fato de que muitas vezes a preferência não é respeitada, o prudente é dirigir com cuidado redobrado à noite. Mesmo quando a preferência é sua, não custa reduzir e dar uma olhadinha. É o que os motoristas seguros fazem.



CMF

166 comentários :

  1. Mais do que correto. Quando vi a notícia sendo dada pelo Bob Sharp, prestei bastante atenção no fato de a mulher ter furado o sinal vermelho.
    Por mais que o Porsche estivesse correndo, se ela tivesse prestado atenção na via que ela estava cruzando erroneamente, teria evitado o acidente. Mas como o carro dela é que foi atingido (e não atingiu), passa a papel de vítima e todo mundo cai em cima do motorista do Porsche.

    ResponderExcluir
  2. Antonio Veiga13/07/11 09:16

    Concordo em número e grau.
    A imprensa deveria dar ênfase ao avançou do sinal vermelho, este sim o causador do acidente.

    ResponderExcluir
  3. Felipe Bomba13/07/11 09:20

    antes de mais nada... bob esse espeçao eh sensasional... seu blog realmente eh funcional ...
    mais minha opnião ... mesmo a moça passando no vermelho... e se estivesse verde ??? ele ia conseguir frear ???

    engraçado neh... todo mundo vem e fala do farol vermelho q a moça passou... so q se tivesse verde para ela ... a porsche ia conseguir parar no farol para ele... nunca ... o carro a 150 km/h no minimo ia precisar de mais 1 quadra da rua para frear... e se a moça olhou viu o carro vindo lah a 2 quadras atras e pensou eu vou o carro esta bem longe... so q o otro carro estava muito rapido verde amarelo ou vermelho ... a porsche ia pegar quem passase na rua no sinal verde amarelo ou vermelho ... sem mais...

    o cara tem 1 porsche e acelera na rua... vai na estrada acelera e na rua desfila....

    ResponderExcluir
  4. Isso mesmo! E se a mulher do Tucson não tivesse falecido, a polícia deveria té-la fuzilado sumariamente!

    Não é, Bob?

    ResponderExcluir
  5. Bem, os 2 envolvidos no acidente tem suas contas a pagar frente a sociedade... O primeiro por estar trafegando muito acima do limite de velocidade permitido na via em questão ( A justiça dos homens vai lhe aplicar a sentença cabivel ), a segunda já pagou pela imprudência em ultrapassar o sinal vermelho com a propria vida ( Livrou-se da justiça dos homens ). Logo não à santos e nem demônios, apenas 2 irresponsáveis...

    ResponderExcluir
  6. É de se prestar atenção também, que na manhã do acidente, as matérias sobre este, disseram que o motorista foi indiciado por homicídio doloso. Muito provavelmente o delegado resposável pela investigação ainda nem está perto de indiciá-lo. O motivo é que, pelas novas mudanças do CTB, o crime doloso foi incluído. Como no caso de causar acidentes dirigindo com teor de álcool acima de um limite que não me lembro agora, ou disputando rachas. Como testemunhas disseram que o motorista do Porsche apresentava sinais de embreagues, logo o acusaram de estar embreagado. Mas ele não fez o teste do bafômetro, e não foi noticiado se foi feito exame de corpo de delito no iml, então muito provavelmente o delegado não vai ter provas para indiciá-lo por homicídio doloso.

    ResponderExcluir
  7. Olá Carlos!

    As vezes parece que o motorista do Porsche está sendo crucificado só por ter um esportivo importado, afinal de contas, acontecem barbeiragens muito piores com resultados negativos de maiores proporções e que não parecem ter destaque na mídia.
    Os dois motoristas erraram, pois ambos cometeram infrações, colocaram a vida de terceiros em risco, e esqueceram um princípio básico do CTB:
    Art. 28. O condutor deverá, a todo momento, ter domínio de seu
    veículo, dirigindo-o com atenção e cuidados indispensáveis à segurança
    do trânsito

    Portanto como ambos erraram o coitado do motorista do Porsche não poderia ser julgado de acordo com a sua classe econômica superior. A partir do momento que a motorista do outro veículo ultrapassou o sinal vermelho, ela assumiu o mesmo risco que o do Porsche a 150km/h.

    ResponderExcluir
  8. Como eu havia comentado no post do Bob, os dois são culpados. Caso fosse ela a sobrevivente também deveria sofrer com o "rigor" da nossa justiça por descumprir uma lei de trânsito.
    Engraçado é que eu vejo constantemente reportagens de acidentes graves com vítimas fatais (geralmente com crianças) onde, em um só carro (de passeio), tem 6, 7 ,8 ocupantes e a imprensa não coloca em momento este agravante como se fosse a coisa mais normal do mundo. E quem disse que acontece alguma coisa com o motorista???

    ResponderExcluir
  9. 150km/h é pouco para um Porsche, qualquer porcaria 0km de hoje chega facilmente nessa velocidade, talvez não em tão poucos metros, mas chega - e sem segurança.

    O Porsche em questão tem tudo quanto é letra de siglas bonitinhas alemãs a ver com estabilidade e segurança, além de freios muito mais eficientes do que qualquer Tucson ou carro do porte deste. Aliás, fica a dúvida, se não fosse coreano, será que a advogada teria morrido? Será que a Tucson não deveria ter preservado a vida da sua passageira?

    Um acima falou sobre o Porsche frear no vermelho. O motorista simplesmente não teria necessidade disso, afinal de contas ele veria o vermelho previamente e já reduziria... provavelmente ele fosse furar o vermelho também, mas quem sabe a prudência não levaria ele a olhar antes de atravessar e o acidente não aconteceria?

    Andou a 150km/h numa via local? Multa, apreende carta, faz o que for necessário pela lei. Atravessou sinal vermelho perdeu a razão, o motorista do Porsche poderia ser uma garrafa de álcool ambulante que quem furou o semáforo perdeu a razão. Simples assim, infelizmente.

    A sociedade sempre buscou culpar os mais "abonados" pelos próprios erros e infelicidades. Quem não põe, até hoje, culpa nos governantes federais para problemas até do próprio bairro?

    Não foi feito exame de alcoolemia no motorista do Porsche, certo? Também não foi feito na vítima do Tucson, certo? E se ela estivesse embriagada?

    Parem de fazer tanta tempestade num copo d'água. O dono do Porsche vai ter que pagar, claro, mas ele não é o único errado, na verdade, ele só não pagou com a vida, se ninguém tivesse morrido a motorista da Tucson estaria com um carnezão de prestações de um Porsche novo para quitar agora.

    ResponderExcluir
  10. muk.tv@gmail.com
    Pelo seu "brilhante" comentário, lamentavelmente você está entre os milhões de brasileiros que não têm capacidade de entender o que leem.

    ResponderExcluir
  11. Leonardo Dantas13/07/11 09:49

    Como Perito Criminal, tenho algumas considerações:

    - aposto um real que a perícia não foi concluída. Se alguém falou alguma coisa sobre velocidade de 150km/h não foi a perícia. Simplesmente porque não houve tempo hábil para sair qualquer laudo. Quem falou em velocidade está bicando.
    - tudo que está sendo discutido aqui parece muito com o discutido em qualquer aula de perícia em acidente de tráfego: causa e culpa.
    Os futuros peritos, todos contaminados com suas opiniões de motoristas e o que é certo e errado no trânsito muitas vezes tem dificuldade de assimilar o que é causa em um acidente.
    A conceito de culpa, nesse caso concreto, está relacionado ao fato do motorista do porsche não ter razão de dirigir possivelmente acima da velocidade. Entretanto é possível que ele não deu causa ao acidente, como vários comentários opinaram.
    Entretanto, a perícia não pode contar com relatos testemunhais para concluir sobre o acidente, como se no momento da colisão o semáforo estava fechado ou aberto para o porsche. Os peritos deverão calcular as duas situações e verificar se a velocidade do porsche deu causa ao acidente ou apenas agravou a colisão.

    Juridicamente eu vejo que mesmo sem dar causa ele ainda pode se enroscar em ações cíveis

    ResponderExcluir
  12. Não recrimino quem, para preservar sua integridade física, 'fura' semáforos de madrugada, mas isso não é carta branca para a irresponsabilidade. Como disseram, o correto aí é usar o semáforo como uma placa 'PARE', apesar de poucos conhecerem a real função dessa placa.
    O Porsche também errou, mas como informado, para ele estava 'tudo verde', talvez se estivesse vermelho ele não chegasse a tal velocidade.
    Pelo sim, pelo não, na madrugada eu uso até o sinal VERDE como placa de 'PARE'.
    Nenhuma lei, documento de habilitação, opinião ou punição substitui o bom senso do motorista ao evitar acidentes. Melhor não bater do que 'bater com razão'.

    ResponderExcluir
  13. se ela não fosse parente de gente importante não teria tanto comentario na tv assim.
    e outra se ao inves de um porsche fosse um manolo da vila com seu Apzaum 2.0 turbo, e tivesse colidido com ela e ao inves dela, ele tivesse falecido, o que a tv ia falar...

    nada! o maximo ia mostrar uma reportagem de uns 30 segundos e partir pra outra noticia.


    ou se não ia ficar fazendo drama com as desgraças aleias, igual datena fez com um rapaz que estava vendo seu santana pegar fogo numa via de são paulo.

    detesto tv aberta, quando se pendura em uma noticia não param durante uma semana, é so ver a record com aquelas coisas contra o presidente da CBF, a gente sabe que não vai acontecer nada e ela insiste, é de manha, tarde e noite...

    ResponderExcluir
  14. Bob,
    infelizmente, a internet e porque não o Brasil, como um todo, está cheio de analfabetos funcionais...

    Sobre o acidente, não tem o que comentar o Carlos falou tudo.

    Ótimo post.

    ResponderExcluir
  15. Alessio Marinho13/07/11 10:02

    Farjoun;

    Enfrento esse dilema toda noite: avançar o sinal ou ser presa fácil pro bandido?
    Quando estou sozinho na via, avanço o sinal mesmo. Observando o trávego na via e avançando devagar.
    Mas tem outro detelhe: só faço isso quando não consigo ajustar o meu deslocamento a "onda verde" dos semáforos.
    Faz tempo que não vou a SP e não sei se nessa via existe tal sincronização, que conheci na infância quando morava em BSB.
    Mas pensando um pouquinho mais, não seria mais prudente as nossas acéfalas autoridades implantarem o sistema de amarelo intermitente, nos horários de menor movimento como acontece em Brasília?

    ResponderExcluir
  16. @Felipe Bomba

    "e se a moça olhou viu o carro vindo lah a 2 quadras atras e pensou eu vou o carro esta bem longe... "

    Ela ainda errou, pois não basta ver se o outro veículo está longe, deve-se calcular se com a velocidade que ele vem, você poderá atravessar com segurança. E se ela tinha um carro com vidros escuros além da norma, errou por te-los colocado e errou mais ainda por tentar julgar se havia possibilidade de atravessar sem ter condições visuais para isso.

    O Porsche ainda corria demais sim, mas a culpa pelo acidente ainda é dela.

    ResponderExcluir
  17. fico com a conjunção de fatores cidade insegura+irresponsabilidade do motorista do porshe+falta de cautela da falecida motorista do tucson, só não entendi o "esquerdista invejoso".

    ResponderExcluir
  18. Caio Cavalcante13/07/11 10:15

    "Pelo sim, pelo não, na madrugada eu uso até o sinal VERDE como placa de 'PARE'." - perfeito, Paulo. E além disso, no vermelho, eu me posiciono o mais à direita o possível, pois as chances de alguém ignorar o sinal e acertar a traseira do meu carro são enormes.

    Mudando um pouco de assunto,uma pergunta: num acidente, quando há danos ao patrimônio público, os envolvidos culpados são obrigados a pagar os concertos? Pois deveriam.

    ResponderExcluir
  19. Marcelo Silva13/07/11 10:17

    CMF, excelente texto.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  20. Totiy,
    pelo que eu entendi, o "esquerdista invejoso" se deve ao fato de darem muita importância a um acidente envolvendo alguém "endinheirado", quando dezenas de outros acidentes tão graves quanto esse ocorrem, sendo noticiado, como falaram acima, em uma reportagem de 30 segundos no telejornal. Uso o mesmo exemplo que alguém falou aí em cima: Quantas vezes já se viu ou leu de acidente com mortes por um dos passageiros ter voado do veículo por este estar com 6, 7 pessoas dentro e não ter cinto para todos. Acidentes com carros mal-conservados que resultam em morte também, e so recebe uma menção rápida... É esse tipo de coisa, ficar batendo na mesma tecla, aumentando os fatos, quando algum "dotô" faz cagada... Creio que seja isso.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  21. Sinal amarelo, é tão simples depois da meia noite, é o que acontece aqui na minha cidade...os motoristas já ficam de sobreaviso para a possibilidade da via estar ocupada.

    Mister Fórmula Finesse

    ResponderExcluir
  22. Caio,
    posso estar errado, mas esse deveria ser o papel do seguro obrigatório. No fim das contas, ninguem paga, ou melhor, todos pagamos.

    ResponderExcluir
  23. Antonio Pacheco13/07/11 10:27

    Entendo a posição do autor do texto, concordo em algumas partes, mas peço licença para discordar dele e de alguns comentários. O fato da motorista ter passado no sinal vermelho, não transfere a culpa toda para ela. Concordo que ela estava errada, e cometeu uma infração de trânsito, assim como o motorista do porsche.
    Mas, se o motorista do Porsche estivesse em velocidade permitida, ele jamais teria causado a morte da motorista. Como estava em velocidade maior, não vou entrar no mérito se estava a 100 ou 200 por hora, ele, não conseguiu evitar a batida.
    Temos que parar com essa mania do brasileiro, que volta e meia bate o carro dizendo que "a preferência era minha", "o sinal estava aberto para mim" e etc. Se todos agissem com prudência, como bem lembrado do texto, a grande maioria dos acidentes não aconteceria.
    Vejamos então, se o sinal estava verde para o Porsche, só porque é carro esportivo, o motorista teria o direito de andar acima do limite de velocidade e assumir o risco de causar um acidente? Vamos supor outras hipóteses que o motorista do Porsche assumiu o risco: se não fosse o Tucson, poderia ser um pedestre atravessando a rua, e aí? Ao ver os faróis do carro longe, muitos calculam (talvez não tão certo) que dá para passar. Uma criança ou idoso seria atropelado facilmente, como tantos que o são diariamente.
    Outra possibilidade, um carro estacionado, no mesmo sentido do Porsche, resolve sair, vendo os faróis bem longe. Ao arrancar poderia ser surpreendido pelo piloto que vinha aproveitando o sinal verde e o estrago estaria feito.
    Por essas e outras, que concordo com o que o meu avô já dizia: "é melhor dar passagem para um cachorro, do que ser mordido por ele". Eu, como um autoentusiasta, sempre uso a prudência e a cautela no trânsito. Todo cruzamento, mesmo que o sinal esteja verde para mim, ou que a preferência seja minha, sempre passo em uma velocidade tal que, se um outro motorista imprudente atravessar a minha frente, eu tenha como parar. Simples.
    Culpar a motorista do tucson, que estava em baixa velocidade, passando um sinal vermelho (que é meio comum nas grandes cidades), porque o outro motorista estava "só" cometendo uma infração de trânsito, andando em alta velocidade dentro da cidade, acho meio exagerado. Ambos erraram, mas o fato do Porsche estar em alta velocidade foi determinante para a morte da motorista do Tucson.
    Não sou contra a velocidade, só acho que o lugar desse porsche correr é na pista ou até em algumas rodovias. Pelo menos a chance de o motorista causar um problema é bem menor do que dentro da cidade.

    ResponderExcluir
  24. Alessio Marinho,

    Acho que tinha que ser sinal vermelho intermitente. Porque o amarelo já é desculpa para se passar sem tirar o pé, o tal "Tava amarelo pra mim enquanto eu passava, eu não precisava parar...". O vermelho obriga a pessoa a parar antes de cruzar a via ou pelo menos reduzir a velocidade antes de fazê-lo.

    ResponderExcluir
  25. Felipe Sentinger

    Além do fato de ser Porsche e dono endinheirado, pesa o fato da histeria sobre velocidade.
    Óbvio que trafegar a 150 km/h (se é que era essa a velocidade) em via urbana deveria dar até cadeia, na minha opinião, mas pro povão que concorda com limites ínfimos de velocidade e trafega a 40 km/h em avenidas a velocidade foi a causa do acidente e não o agravante dos danos.

    ResponderExcluir
  26. Anônimo 10:30,
    concordo. Vide alguns comentários em outros posts em que algumas bestas intolerantes vem comentar sobre estar acima do limite de velocidade...

    ResponderExcluir
  27. A única coisa que me prende a atenção: E se o semáforo estivesse verde para a mulher... Bateriam do mesmo jeito? O problema maior estava no semáforo para a mulher ou na velocidade para o outro veículo?
    Um abraço e parabéns pelo site.

    ResponderExcluir
  28. Uma frase bem-humorada do Jeremy Clarkson que se encaixa bem nessa histeria de velocidade:

    “Speed has never killed anyone, suddenly becoming stationary... that’s what gets you.”

    Algo como:

    "Velocidade nunca matou ninguém, parar súbitamente... é isso que te pega (mata)."

    ResponderExcluir
  29. Gente,

    chega de "E se..."! Aconteceu. O cara estava errado, ponto. A mulher estava errada. Ponto. Se o cara não estivesse a 150, e a mulher tivesse mais cautela, não estaríamos aqui discutindo...

    Uma coisa que tenho visto muito em BH, as pessoas estão esperando pra entrar na rua, tem muita gente que se atira na tua frente, te forçando a freiar bruscamente... E se você xinga ou buzina, ainda ficam olhando de cara feia, se achando com razão.
    Falta educação e preparo no trânsito. Tem que mudar as "auto-escolas" e os critérios para se habilitar um condutor. Do jeito que está, a cada dia, mais e mais gérsons saem para o trânsito, sem preparo e sem eduacação.

    ResponderExcluir
  30. Se invés de um Porsche fosse uma moto?! A mulher seria uma assassina...

    ...e o fato nem sairia no jornal pois é coisa comum no Brasil.

    ResponderExcluir
  31. Quando se projeta uma via, e consequentemente velocidade de projeto, não se tem em mente um carro esportivo, capaz de acelerar e desacelerar rapidamente. Considera-se, geralmente, um veículo comercial, com todas as suas deficiências, sejam de comportamento dinâmico ou dimensões.

    A definição de velocidade máxima permitida costuma ser inferior à velocidade de projeto, havendo ainda mais margem para veículos mais ágeis superarem-na um pouco.

    Mas realmente nada justifica andar a 150 km/h em um lugar cheio de cruzamentos. É meio roleta russa. Por melhor que seja o carro, conta muito a pecinha que fica entre o banco e o volante, e que não é perfeita.

    ResponderExcluir
  32. Vamos ver...
    Se o carro que que estava a 150km/h fosse outro tucson, ou um Marea, ou um Escort 2.0, você ficaria do lado dele? Ou só está do lado do porsche por ser um carro tão idolatrado por "autoentusiastas"?
    Quer dizer que o maluco do carrão tinha preferência? Mesmo andando numa velocidade criminosa.
    Sorry, mas quem tem carrão e dinheiro tem, sim, que ter mais cuidado! Vivemos num país muito desigual e me choca alguém com tanto dinheiro desperdiçá-lo e, ainda por cima, tirando a vida dos outros.
    Ao meu ver, passar pelo sinal vermelho é um ato gravíssimo, sim, mas andar a 150km/h na cidade é coisa digna de pena de morte com direito a ritual satânico pra alma do cabra arder inferno!

    ResponderExcluir
  33. E tem mais:
    Vamos parar com essa bichice de rotular fulano ou cicrano como "esquerditas". Só porque tem os que acham que o cabra do porsche é o maior culpado é que são de esquerda?? Ah, vai dormir, vai!

    ResponderExcluir
  34. E pra encerrar, e se o cabra do porsche tivesse perdido o controle (coisa bem fácil numa velocidade daquelas) e atingido algum carro parado ou uma pessoa na calçada? E aí? A culpa seriam deles?? Não deviam estar no caminho do carrão?

    ResponderExcluir
  35. Concordo integralmente.
    Só um detalhe: na rua Tabapuã, perto da esquina com a João Cachoeira, tem sim um RADAR! Se ele passou lá rápido, teria sido multado, não?
    Meu palpite: o cara passou o radar, e pisou fundo, como todo mundo faz.
    Aliás, como bem disseram, a velocidade alardeada pela "perícia" é simplesmente um chute, até agora.
    Infelizmente a mídia neste país gosta de condenar as pessoas precipitadamente e de forma espetacular.

    ResponderExcluir
  36. Anônimo de BH.
    Essa de entrarem na frente de quem já está na via é de lascar. E o pior é que entram e trafegam devagar. São mesmo umas antas mal educadas antifluidez. Se é pra virar um obstáculo na via, não seria melhor esperarem mais 2 segundos para entrarem atrás do carro que vem na velocidade normal da via?

    ResponderExcluir
  37. Confesso-me um pouco surpreso com este post. Nas abordagens da imprensa sobre o fato de que tomei conhecimento não faltou informação sobre a vítima ter avançado a sinal vermelho. Sim, de fato ela também cometeu infração de trânsito, no entanto o exponencial agravamento do risco causado pela velocidade do Porsche não deixa dúvidas de sua culpa. Se ela tivesse sofrido a colisão de um carro dentro do limite de velocidade suas chances de sobreviver seriam infinitamente maiores. Portanto acho descabido dizer que por parte da imprensa e daqueles que responsabilizam o motorista se possa falar que é sintoma de inveja ou coisa que o valha. Também gosto de velocidade, mas independente do carro que esteja dirigindo não me sinto, sob qualquer pretexto, credenciado a desenvolver tal velocidade, ainda mais no perímetro urbano. Autoentusiasta que se presa gosta sim de velocidade, mas tem senso crítico e autocrítico, e sabe quando realmente pode acelerar.

    ResponderExcluir
  38. Esse assunto está gerando muita polêmica, mas assim como o Farjoun, também acho que toda a mídia e a maioria das pessoas querem crucificar o condutor do Porsche simplesmente porque ele tem condições financeiras de ter um Porsche. Primeiro, muita gente vem falando que mesmo se tivesse com o sinal verde para a advogada, o condutor do Porsche não ia conseguir evitar a colisão. Mas "se" o sinal estivesse verde para a advogada, ele estaria vermelho para o condutor do Porsche. Será que com o sinal vermelho, o condutor do Porsche estaria nessa velocidade? Segundo, a advogada furou o sinal, provavelmente não viu ou não conseguiu calcular a velocidade do Porsche, com grande possibilidade dos vidros escurecidos terem atrapalhado sua visão. Gente, quem aqui nunca perdeu alguma entrada numa rodovia, mesmo a noite, e teve que atravessar a rodovia para pegar o outro sentido? Com um mínimo de cuidado é possível sim saber se um carro vem muito rápido, mesmo a noite. O asfalto na rua onde aconteceu o acidente não deve ser perfeitamente nivelado, com o Porsche vindo a 150 km/h o lampejo dos faróis deste devido aos saltos do carro passando pelas imperfeições a grande velocidade denunciam que este está vindo muito rápido! Ou seja, provavelmente os vidros escurecidos atrapalharam e muito. Terceiro, de tudo que foi dito na mídia até agora, a maioria é especulação. O único fato é que o acidente ocorreu. O Porsche estava mesmo a 150 km/h? O motorista do Porsche estava embriagado? E a advogada, não poderia estar embriagada também?

    Resumindo o que eu quero dizer, para mim, a culpada pelo acidente é a advogada, por ter furado o sinal vermelho, mesmo que por questão de segurança. O motorista do Porsche agravou muito a situação devido a velocidade incompatível com o local, mas com o sinal vermelho pra advogada, a preferência é do motorista do Porsche. Só isso já resume todo o acontecido.

    ResponderExcluir
  39. Esse texto parece uma transcrição da conversa que tive com meus pais em casa ontem, onde fui duramente criticado pela minha visão.

    Como comentei no texto anterior do Bob, se fosse o motorista do Porsche a vítima fatal, talvez a mulher do Tucson estaria agora sendo a vítima da mídia, que sempre procura um personagem para explorar.

    ResponderExcluir
  40. Nessa empolgação toda podemos concluir que somos imprudentes, não usamos o pisca, não respeitamos sinaleiras, não cedemos espaço, fechamos sempre que possível, e ainda temos razão.
    Falta educação, um pouco de humildade, colocar-se no lugar dos outros, tudo o que não sabemos e não conhecemos. Essa é real.

    ResponderExcluir
  41. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  42. Não condeno o dono do Porsche (o que sobrou dele), deve ser mesmo instigante dirigir um desses de madrugada não acelerar. MAS, se o motorista do Porsche soubesse oque é direção defensiva, ele não andaria a 150, pois saberia do risco que corria. A Moça, pagou um erro mundano com sua vida, o outro envolvido pagou com seu Porsche. Ficam as lições: andar na linha é sempre vantajoso. Tanto que o trânsito tem suas regras para evitar essas tragédias. Quando soma-se imprudência (no caso dela) com imperícia (no caso dele) dá nisso.

    Renan Veronezzi

    ResponderExcluir
  43. O fato é o seguinte: O juiz não irá julgar o fato de acordo com o carro de marca x ou y. isso nem cabe discussão. O motorista do Porsche pode incorrer em infração de transito por transitar em velocidade superior a maxima permitida desde que nao faça "besteira". a partir do momento em que houve o crime, ele responderá por homicídio, mesmo que a mulher no tucson tenha dado causa, pois ele ja vinha na ilegalidade. quanto a isso o stf é pacífico. a placa de velocidade maxima nao está ali à toa, é o sinal da administraçao publica dizendo "velocidade compativel com o local" claro que vai ser levado em conta que a mulher avançou o sinal vermelho, atenuante. mas o crime ocorreu e caberá somente ao juiz julgar.

    temos mais um caso de infelicidade tanto de uma vida desperdiçada,quanto de um rapaz que alem da consciencia, teve sua vida estragada.

    nos falta consciencia do que é viver em sociedade, dos nossos limites, direitos, deveres. falta entendimento do que os nossos atos podem causar.o estado regula até os ambientes particulares, nos locais publicos entao, se nao andar na legalidade, dança.

    fica o ensinamento: respeitar a lei é a melhor forma de nos resguardarmos civil e criminalmente, pois se entrar uma doida na sua frente, poderá alegar culpa exclusiva da vítima e só terá a lamentar o estado em que ficou seu querido automóvel.

    ResponderExcluir
  44. Amigo, nao defenda quem esta errado, queria ver se fosse com um parente seu se voce ia conseguir ter este raciocinio... Se o Porsche estivesse na velocidade correta da via 60km nao teria ocorrido acidente, portanto continua sendo o principal causador

    ResponderExcluir
  45. @ Felipe Bomba:

    Se o semáforo estivesse verde pra ela, o Porsche estaria 100% errado sem dúvida porque a questão de preferência se inverteria.

    @ Blog do Eduardo:

    Olhei todo o CTB e não encontrei qualquer referência a se considerar um crime de trânsito como automaticamente doloso. Se você tiver algum texto legal que confirme este fato, por favor coloque-o aqui.

    @ Eurico:

    Com certeza superlotação é uma infração que agrava e muito as consequências de um acidente. Mas aqui temos um coitadismo que diz que o irresponsável que coloca 7 pessoas dentro de um veículo obviamente sem cintos de segurança para todos apenas é um pai que está tentando exercer o seu direito ao lazer ao levar a família para a praia. Já estive em situações assim e sempre fui taxativo, sendo até tomado como chato: Apenas 5 pessoas dentro do meu carro e faço questão que todas usem o cinto de segurança.

    @ Leonardo Dantas:

    Obrigado por sua contribução sobre perícia. Porém, se ficarmos nos atendo a todas as possibilidades, nunca chegaremos a uma conclusão. Baseei o post nas informações da imprensa sem questioná-las. Se o acidente ocorreu da forma como relatada, minha opinião é esta. Se ocorreu de outra forma, não temos como saber.

    @ Alessio:

    Considero amarelo intermitente uma das situações mais perigosas. O amarelo intermitente retira todas as preferências, ou seja, em um acidente num cruzamento destes, ambos estão errados. O grande problema é que a população em geral não sabe desta regra e ela nem é ensinada em auto-escolas, pois não cai na prova do DETRAN. A meu ver, deveria haver uma combinação amarelo piscante com vermelho piscante, sendo amarelo para a rua que tem preferência e vermelho para a que não tem.

    @ Totiy:

    A imprensa tem um viés esquerdista-invejoso porque sempre está pronta a condenar quem tem mais posses, retirando a culpa de quem ela elege como vítima. Neste caso, a história foi totamente deturpada, a coitada-vítima advogada trabalhadora contra o irresponsável (isso ele foi mesmo) empresário em seu carrão. Se posicionaram de forma que praticamente anularam a culpa da advogada, que também cometeu uma infração gravíssima e contribuiu com uma grande dose de irresponsabilidade ao cruzar uma rua como a Tabapuã sem se certificar que viria alguém.

    @ Caio Cavalvante

    Os danos ao patrimônio público, em tese, devem ser ressarcidos por quem os causou. Previsão legal para isto há. Se efetivamente cobram, não sei.

    @ Antônio Pacheco

    O motorista não tem direito de andar acima do limite. Porém, no caso específico deste acidente, a sua principal causa foi outra infração de trânsito, cometida pela advogada. E, para efeitos jurídicos, a questão do "a preferência é minha" deve sim ser levada em conta na apuração da culpa. Mas concordo com o que disseram acima, melhor não bater do que bater com razão.

    @ jopamacedo

    O fato de ser um Porsche ou Ecosport não faz ou não deveria fazer o julgamento pender pra qualquer dos lados. Mas a imprensa sempre toma o lado de quem ela elege como mais fraco ou vítima. A preferência de passagem era indiscutível neste caso por um simples motivo: O semáforo estava VERDE para ele. Ele exerceu sua preferência cometendo uma infração, isto é indiscutível, mas o fato de cometer a infração não tira a sua preferência de passagem. Se fosse um Marea a 61 km/h também estaria cometendo uma infração, isso daria direito a quem vem na transversal de passar no vermelho e desrespeitar a preferência de passagem? Para finalizar: se ele tivesse perdido o controle do carro e batido num carro estacionado, ele estaria 100% errado. Está me parecendo que para você o fato de ser um Porsche está afetando a parcialidade do seu julgamento.

    ResponderExcluir
  46. O motorista do Porsche estando a apenas 60 km/h, teria avistado a moça do SUV e lhe alertado com uma sonora buzina.

    A advogada não deveria cruzar o sinal vermelho, mas certamente ela olhou para a via e não viu carro algum, só que ele apareceu a 150 km/h.

    Os dois erraram, uma já pagou seu erro com a vida. O outro deve ser julgado com o rigor da lei.

    ResponderExcluir
  47. Carlos,

    Como de praxe, existem muitas causas para um único acidente.

    Se o "se" existisse esta situação não aconteceria. Uma tragédia.

    Os impactos laterais são muito complicados. Se ele estivesse a 80km/h também seria uma pancada e tanto.

    Uma pena o ocorrido, mas os culpados são eles mesmos.

    Um abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  48. Renan
    O motorista do Porsche foi um inconsequente ao andar àquela velocidade, por ele mesmo. E se em vez do Tucson fosse um caminhão?

    ResponderExcluir
  49. Eu penso que agora cabe a nós deixar que a justiça faça o seu trabalho e partir, então, para soluções que evitem outros acidentes como esse e é verdadeiro quando Bob nos diz que deu a louca no trânsito.
    Penso também, que o leitor Paulo Roberto está certo quando escreveu que "é melhor não bater do que bater com razão", porque, estar certo e morto não é o caminho.
    Não respeitar a sinalização, não ter bom senso e trafegar em velocidade acima do permitido, passar sinal fechado, utilizar películas escuras porque é moda, cedo ou tarde o motorista poderá se envolver em acidentes.
    É como aquele motorista que costuma ultrapassar em lombadas e curvas. Faz isso uma, duas, dez, mil vezes e consegue se safar, até que encontra outro veículo em sentido contrário e provoca o acidente.
    Quanto a passar em sinal fechado por medo de bandidos, eu penso que existem maneiras de contornar a situação.
    Uma delas é a polícia montar plantão permanente nesses cruzamentos perigosos e assim afastar os meliantes. Se a polícia alegar falta de contingente, a prefeitura poderia contratar empresas de segurança para fazer o serviço. É difícil, mas possível.
    Outra solução seria a implantação de rótulas em todos os cruzamentos. Durante o dia, para tornar o trânsito mais fluido, se utilizaria semáforos mas à noite se respeitaria as rótulas.

    ResponderExcluir
  50. "...viés esquerdista-invejoso..."

    Parei de ler aqui.

    ResponderExcluir
  51. Rafael Bruno13/07/11 12:24

    Ufa! Alguém me entende! No trabalho falei sobre isso e fui crucificado. Oras, se o cara obteve o Porsche em meios legais, foi mérito dele, não?

    A TV, principalmente a Record, adora o sensacionalismo. Legendas como "CASO PORSCHE". Que absurdo!!
    Fizeram até reportagens em lojas que vendem carros esportivos!

    OS DOIS estavam errados. Ponto final.

    De madrugada eu não confio em NINGUÉM no trânsito. Farol verde eu paro e vou devagar. Já evitei acidentes com isso.

    Essa solução que o RJ fez foi muito boa. Dúvido que terá em SP. O jeito é acumular multas. Prefiro ser roubado pela CET (Cia. de Engarrafamento de Tráfego) do que por bandido armado.

    ResponderExcluir
  52. Ilustríssimo e culto Sr. Carlos Maurício:
    O fato de ter sido o porsche o causador da tragédia afeta, sim minha parcialidade. Afeta-me por saber que este sujeito está livre por pagar 300 mil de fiança e estar livre. Afeta-me um sujeito ter tanta $$ e não dar valor, enquanto tem gente aí na sua cidade que mal consegue pagar um aluguel. Afeta-me o fato da justiça ser parcial. Da mesma forma, se fosse um opalão de favela, seu motorista também seria digno de ódio e repulsa. Sendo condutor do opala o vilão, tal justiça estipularia uma fiança menor, o que pra mim é uma indecência. A vida da moça valeu 300 mil e poderia valer menos, o que é uma aberração pra mim. Não acredito que ele será exemplarmente julgado.

    Do mais, andar a milhão na cidade não dá preferência alguma, segundo meus princípios de motorista e cidadão. Tem certas coisas que não deveria haver margem pra discussão e esse é o mal do Brasil: opiniões muito diversas. Toda essa diversidade pode ser bonita no papel, mas na prática gera toda essa falta de noção de certo e errado que existe.

    ResponderExcluir
  53. "endinheirados com carrões devem ter mais cuidado..." parei de ler aqui também.

    Todos devem ter cuidado, com ou sem dinheiro. Se faltava exemplo para o "viés esquerdista", eis um bem gritante.

    ResponderExcluir
  54. "um viés esquerdista-invejoso"
    Meu camarada, tenha um pingo de decência na cara que ela era minha conhecida. Venha você, se homem for, até a casa da família e diga a eles tudo o que escreveu aqui, agora. OUse sustentar sua opinião ridícula, egoísta, na frente de um deles. Se você tiver coragem para tanto, aí eu discuto sua opinião. Antes, compreenda que ninguém merce morrer por avançar um simples sinal de trânsito. Ninguém.
    Seu idiota!

    ResponderExcluir
  55. Sério..aqui pelo que percebi(principalmente nos ultimos dias),ninguém tem nada absolutamente nada(NADA NADA MESMO) em comum,a não ser a paixão pelo automobilismo..

    Visão politica,social,opinião sobre crimes,noção de bem ou mal,tem gente bem de vida,tem gente pobre,tem gente com doutorado em algo,tem gente que tem a 8ª série,tem gente de 80 anos,tem gente mais nova do que eu (19 anos),tem gente do Nordeste,tem gente de goiás,são paulo,até de outros paises,tem gente catolica,judia,atéia,tem gay hetero,tem homem tem mulher,tem gordo magro...

    ou seja..todo mundo é MUITO diferente aqui

    a unica coisa que nos une é o entusiasmo por carros,motos e afins..

    por isso(principalmente pelos ultimos posts)

    posso estar errado,mas preferia o Autoentusiastas..falando de entusiasmo por autos..


    abraço a todos

    ResponderExcluir
  56. CMF,
    bela análise, totalmente correta. Não existe acidente com uma causa. Acidente só ocorre quando se combinam e somam motivos, desnecessário saber quem é culpado. Resta punir quem sobreviveu.
    Sobre as câmeras que nossa heróica CET informa que vai implantar, só posso desejar a todo esse governo municipal que ardam no fogo do inferno, fogo esse alimentado pelo dinheiro que tomam da população.

    É pouco castigo pelo mal que nos impingem.

    ResponderExcluir
  57. Esta discussão está completamente desvirtuada.
    POuco importam os carros, quanto custam, etc etc.
    O fato é que um errou ao furar o sinal, o outro errou ao correr demais.
    TOdo o resto é uma raiva disseminada a longo prazo por governos populistas contra os ricos neste país.
    Afinal, se fosse num bairro pobre um acidente entre um Opala 6cc a 200km/h e um fuscão, nem sairia no jornal. Só sai pq tem um porsche no meio e isso chama a atenção e cria sensacionalismo - e isso é o que vende.

    ResponderExcluir
  58. Acabei de ver na tv o motorista do porsche já pagou a fiança estipulada em R$ 300.000,00 e de acordo com a nova lei que não há mais prisão preventiva irá responder o processo em liberdade.

    ResponderExcluir
  59. Não era o caso, mas e se no lugar do Porsche estivesse alguém socorrendo um parente ?

    Eu já passei susto com minha filha pequena, e não corri mais porque não dava, o trânsito não permitiu.

    Já pensou se o carro estivesse rápido levando uma mãe para maternidade às pressas e alguém avança o sinal e causa um acidente ?

    Não defendo andar a 150 km/h ali, mas não dá para achar que a velocidade sempre é a grande vilã.

    ResponderExcluir
  60. Não tem gente "boazinha" nesta história....os dois estavam errados...NÃO SOU DAQUELES QUE ACHAM QUE TER DINHEIRO É PECADO MORTAL....a moça foi punida pela circunstância e já pagou, o outro motorista vai ficar pagando por bastante tempo..a nova lei no Código Civil dá a possibilidade dele se safar impunente por enquanto. O que fazemos com aqueles três menores que roubaram um carro e provocaram o acidente com a morte de 2 moças ????? terão dinheiro suficiente para se livrar da cadeia ?????

    ResponderExcluir
  61. O Paulo Roberto (13/07/11 09:54) disse muitíssimo bem: de madrugada, com ruas vazias, todos os sinais devem ser obrigatoriamente tratados como placas de PARE, estando eles verdes, vermelhos ou amarelos. Essa lição me foi ensinada já há muito tempo por alguém com bastante experiência em trânsito, experiência essa que vai bem além daquilo que é ensinado nas autoescolas e cartilhas do detran. Guardem isso: de madrugada e com ruas aparentemente vazias, não existe sinalização. Portanto, pare o veículo (totalmente), olhe muito bem e só então siga adiante.

    ResponderExcluir
  62. "O que fazemos com aqueles três menores que roubaram um carro e provocaram o acidente com a morte de 2 moças ????? terão dinheiro suficiente para se livrar da cadeia ?????"
    Engraçado né, o caso do Porsche dá tanta repercussão e este, muito pior, ninguém fala... Porque são pobres entre pobres! E, como sabemos, pobre neste país não vale nada para a mídia!

    ResponderExcluir
  63. Não precisarão pagar por nada... Vão pegar 2 meses de febem e tchau... isso se ficarem lá, pq afinal, são pobrezinhos vítimas das circunstâncias...

    ResponderExcluir
  64. Manoel Nunes Filho13/07/11 13:51

    A polêmica que envolve o post faz-me lembrar de outro acidente que ocorreu em Brasília/DF há alguns anos.

    Em resumo, um motorista irresponsável - e alcoolizado - estava dirigindo a mais de 100 km/h na Ponte JK quando perdeu o controle do carro e atingiu, em sentido contrário, um Toyota Corolla que trafegava com duas pessoas no banco da frente e três atrás.

    Os três passageiros do banco de trás do carro atingido faleceram, enquanto os dois da frente tiveram escoriações.

    Há um detalhe interessante: as três pessoas que faleceram NÃO estavam usando cinto de segurança e, por essa razão, foram arremessadas do carro.

    Aos analfabetos funcionais de plantão, deixo bem claro que não estou excluindo a culpa dos motoristas que deram causa aos dois acidentes (se, de fato, aconteceram da forma como narrados), pois decorreram de condutas extremamente imprudentes. Em ambos os casos, penso que os motoristas devem ser processados e condenados por homicídio, sem discutir aqui se culposo ou doloso.

    Porém, acidentes como os de São Paulo e Brasília nos deixam uma reflexão relevante: até que ponto as condutas das vítimas (avançar o sinal vermelho e não usar cinto de segurança, respectivamente) contribuíram para o resultado fatídico, qual seja, a morte?

    Um rápido pensamento sobre esses dois fatos induz à constatação da geral falta de educação no trânsito não apenas de quem dá causa à fatalidade, mas também das próprias vítimas, as quais, em alguns casos (não vou exemplificar), concorrem para o resultado trágico tanto quanto quem “deu início” ao evento.

    Eu guardei durante muito tempo essas observações quanto ao acidente de Brasília/DF porque o choque da população com a irresponsabilidade do motorista foi tão grande (e com razão, claro) que não permitia qualquer consideração quanto ao fato de que o uso do cinto de segurança poderia ter salvo as vidas dessas pessoas sem que eu fosse criticado por suposta defesa do motorita. Mas vi aqui uma boa oportunidade para me manifestar.

    Por fim, uma observação: em nenhum momento digo que os fatos foram iguais. Ao meu ver, no de São Paulo houve uma espécie de culpa concorrente de ambos para o próprio acidente, enquanto no de Brasília a ausência de uso do cinto não influiu na ocorrência do acidente em si, mas, talvez (em tese, provavelmente, teoricamente, hipoteticamente) no resultado final (morte ou "somente" lesão corporal).

    De qualquer forma, fica a reflexão para todos nós.

    ResponderExcluir
  65. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  66. Carlos Mauricio Farjoun

    http://jus.uol.com.br/revista/texto/14688/retroatividade-benigna-da-lei-no-11-705-2008-nos-delitos-de-transito-causados-por-embriaguez

    A partir do momento que tal conduta descrita no texto do link foi tipificada, o agente desta pode ser enquadrado no dolo eventual, onde ele assume os riscos de tal ação. Ao contrário do que era usado antes, a culpa consciente, onde o agente acredita não haver consequencias diversar para aquela ação.

    ResponderExcluir
  67. Farjoun, pode ser que se esse idiota do Porsche não tivesse encontrado o Tucson no caminho, acertaria algum carro saindo da garagem, OU atropelaria pedestres atravessando a rua, OU mesmo subiria na calçada e atropelaria alguém. Esse cretino poderia ter matado muito mais gente - ebentualmente, conhecidos meus, seus, dos demais leitores.

    Se o semáforo fechasse, a Porsche conseguiria frear a tempo?

    A motorista do Tucson conseguiu ver o Porsche ao cruzar o vermelho? Por certo, na velocidade que o babaca vinha, quando ela olhou ele estava muito longe ou mesmo fora do campo de visão - o que vale para pedestres ou outros motoristas saindo da garagem.

    No mais, fosse um Gol quadrado com dois quilos de turbo a 150 km/h, a minha opinião seria a mesma.

    Farjoun do mesmo modo que você considera nossa imprensa contaminada por um "viés esquerdista-invejoso", considero seu post típico de "direitista-paranóico"... O que a posição política tem a ver com isso? Se eu bater meu super comum Fusca numa rara Ferrari, quer que o jornal fale sobre qual dos carros?

    De resto, o que o Juvenal Jorge falou no artigo do Bob: 150 na cidade, prisão sem fiança - e a minha torcida para que a besta-fera morra sozinho no próximo poste.

    ResponderExcluir
  68. Ricardo Linhares13/07/11 14:19

    Hoje eu tava a 120km/h numa avenida aqui na cidade e nem notei. Minha esposa que me alertou. Não posso ver um trânsito livre que enfio o pé.

    ResponderExcluir
  69. Afinal, qual o intuito desse post? O que ele trouxe de novo em relação ao post do Sr. Bob?
    Já deu pra perceber que os autores possuem uma leve tendência em ficar do lado do "porscheiro", até aí tudo bem. Da minha parte não vou mais discutir. Também já deu pra ver as opiniõe dos leitores, idênticas aos do post anterior.
    Então qual é a intenção? Mostrar que a impressa é esquerdista? Só isso? Oras, temos diversos canais de TV, internet, cada um com sua linha de pensamento. Aliás, acho essa coisa da imprensa ter que ser imparcial uma babaquice. Pra mim isso é falta de opinião e personalidade. Cada um que escolha o canal que lhe convier.

    AFINAL, O QUE ESSE TEXTO TROUXE DE NOVO??

    ResponderExcluir
  70. Antonio Pacheco13/07/11 14:38

    Alexandre Cruvinel, o problema é que nem em caso de emergência, a gente deve sair quem nem louco pelas ruas. Não estou recriminando ninguém, pois eu mesmo já passei por situação semelhante e corri sem pensar nas consequências. Porém, o correto é andar dentro dos limites, até para se evitar que um motorista doido entre em uma preferencial e cause um problema maior.No caso do socorro a uma mulher em trabalho de parto, ao invés de salvar, em caso de acidente, as consequências para a mulher e o bebê podem ser piores.
    Concordo que a mídia faz um barulho por ter um carro caro envolvido, e todos os dias acontecem centenas de acidentes semelhantes. Mas que a conduta do motorista do porsche foi determinante para a morte da mulher do Tucson, isso é certo.
    Se ele não tivesse tanta pressa, poderia desviar, freiar, ou mesmo bater com menor intensidade.

    ResponderExcluir
  71. Eurico Neves Junior13/07/11 14:43

    Concordo totalmente, há viés esquerdista-invejoso!

    Se fosse um Gol velho a 150 km/h, não haveria esse alvoroço todo. Seria apenas "mais uma" das inúmeras tragédias que ocorrem diariamente nesse nosso asfalto selvagem. Ou que abundam em nossas estradas a cada feriado prolongado.

    ResponderExcluir
  72. Erico Neves Junior
    Não é por aí, cara! Eu posso ter minha "raivinha contra rico" e tudo mais. Também tenho raiva de pobre que é mal-educado, que ouve música alta no celular dentro do busão, que é mal-criado na escola (trabalho em uma), etc. Mas isso não faz de mim um "esquerdopata invejoso" ou adepto de idéias comunistas.

    Mania de rotular as pessoas...

    ResponderExcluir
  73. Esticadinha a 150 km/h? Faça-me o favor...

    ResponderExcluir
  74. Aléssio Marinho13/07/11 15:13

    Farjoun;

    Discordo da sua opinião. O amarelo está enrraigado no subconsciente coletivo que significa atenção.
    Se o amarelo está piscando, instintivamente o motorista reduz a velocidade, pois isso prenuncia perigo a frente. Simples assim.
    São poucas as cidades no Brasil que usam este sistema. Acho que vc estranha por não ver muito por ai, correto?
    Moro em Belém e penei muito até me adptar as diferenças de sinalização e costumes. Brinco que tenho uma chavinha na cabeça com 3 modos de guiar: Belem, Rodovia e Brasília, tão diferentes que são.

    ResponderExcluir
  75. Acredito que possa estar havendo má interpretação do texto. Por algumas vezes no mesmo pode-se ver que não aprovo de forma alguma a atitude do empresário do Porsche. 150 km/h em perímetro urbano é totalmente contrário ao bom-senso e à lei também, repito.

    Apenas tentei entender o que deve ter se passado na cabeça daquele que agora é crucificado pela mídia, praticamente sendo apontado como único culpado pelo acidente. Chamei a atenção ao fato de que a vítima também concorreu com culpa, o que não está sendo tratado pela imprensa, que coloca a culpa unicamente no empresário. É caso de culpa concorrente, sem dúvida. Ambos erraram.

    E concordo plenamente que havia grandes chances de que se não fosse o Tucson, poderia muito bem ter sido ser um pedestre ou outro veículo, dado que quem anda em alta velocidade naquela via tem alto potencial de se envolver num acidente. Mas aí provavelmente eu não teria escrito o post, seria culpa exclusiva do empresário e pronto, como foi no caso daquele político que voou com seu carro matando os ocupantes de um Honda Fit sobre o qual aterrissou.

    Ou talvez houvesse posts menos polêmicos apontando a irresponsabilidade daqueles que dirigem em excesso de velocidade à noite fazendo vítimas inocentes, como a irresponsabilidade de uns tira a vida de outros.

    Para aqueles que ainda não entenderam, reafirmo: Em momento algum eu acho que o empresário que conduzia o Porsche estava certo de andar a 150 km/h dentro do perímetro urbano. Foi um ato de extrema irresponsabilidade e que merecia punição exemplar.

    ResponderExcluir
  76. Alessio Marinho,

    O problema não é em relação ao amarelo piscante em si, mas sim em relação à falta de uma formação adequada do motorista que não é ensinado devidamente sobre seu significado. Confesso que até há bem pouco tempo eu acreditava que a preferência nestes casos seguiria a regra do "quem vem pela direita". E também acreditava que vias arteriais também teriam preferência. Descobri há pouco que ninguém tem preferência. Este é o perigo que vejo no amarelo piscante, é a falta de uma ampla divulgação do seu real significado.

    ResponderExcluir
  77. Um Porsche a 150km/h deve fazer muito barulho não? Além dos vidros escuros será que essa mulher não estava com os vidros fechados e com o som nas alturas?
    Acho que os dois estavam errados, a mulher do tucson deveria ter prestado muita atenção antes de atravessar a vida e o cara do Porsche não deveria andar aquela velocidade em área urbana... Infelizmente sempre tem um para passar o sinal vermelho, é meio lógico... Mas eu defendo o direito do cara dar uma acelerada, do que adianta um carro desses se você não pode dar uma acelerada nele as vezes...

    Bob seria possível fazer um post sobre a importância de se “ouvir” o transito? A cada dia vejo mais as pessoas com os carros fechados (carros com ótimos isolamentos acústicos ) e com som alto no carro, duvido que muitos consigam ouvir uma pessoa gritando fora do carro ou até mesmo ouvir o som dos outros carros.

    ResponderExcluir
  78. Carlos, em nenhum momento eu percebi, tanto no seu texto quanto no texto do Bob, demonstração de preferência pelo motorista do Porsche ou da moça do Tucson.
    Vocês apenas comentaram sobre o que ocorre no trânsito brasileiro atualmente.
    Ok, quanto ao estado de exceção eu fui contra, mas nada mais do que isso. Opiniões, são opiniões e devem ser respeitadas. Mas acredito que muitos que leram esses textos não entenderam quase nada do que foi escrito.

    ResponderExcluir
  79. Existem regras a serem cumpridas. Quando se deixa de cumpri-las, pois nem toda regra ou lei é totalmente infalível, o mínimo que se espera é o bom-senso, que faltou aos personagens do trágico caso.
    Quanto à imprensa, de uma maneira geral, está difícil ver algum veículo de comunicação com independência e sem nenhuma intenção escusa ou vínculos comerciais, por trás de cada notícia. Nosso filtro anti-maracutaias deve estar ligado o tempo todo.

    ResponderExcluir
  80. Como alguns já disseram, o alvoroço todo desse acidente é que o carro a 150 km/h era um Porsche. Se fosse um qualquer outra porcaria, não teríamos tanta repercussão. Os dois erraram. Os dois cometeram infrações de transito graves. Mas temos que nos atentar para o fato que o Porsche não precisava estar a 150 km/h para matar a advogada. Uma caminhonete cabine dupla a 80 km/h, uma van a 60 km/h ou um Mercedes 1113 a 40 km/h poderiam ser potencialmente fatais se um outro veículo atravessasse o caminho. Mas não importando se o Porsche estivesse a qualquer velocidade, legal ou não, se a advogada estivesse respeitado o sinal, o acidente não teria ocorrido.

    ResponderExcluir
  81. Vinnicius Vieira13/07/11 16:14

    Os dois foram culpados, mas a partir do momento em que o colunista posiciona como aceitável o fato de se andar a 150km por hora nesta via, torna-se cumplice desta ação de não cidadania. Lamento, mas isso explica muita coisa.

    ResponderExcluir
  82. Têm gente que não sabe interpretar corretamente o que lê, pouco importa de por falta de atenção ou má fé. Ora, raios! Onde é que está escrito, no texto, que se aprova andar à toda velocidade nas ruas?

    ResponderExcluir
  83. Daniel San13/07/11 17:00

    Prudência mesmo quando a preferência é sua.
    No acidente que resultou na morte do ator James Dean,este dirigia uma Porsche Spyder quando viu um carro saindo da via secundária e entrando na via principal,na frente dele. Segundo um amigo,James teria dito:"Ele tem de frear. A preferência é minha". Só que não freou. O resultado é conhecido.

    ResponderExcluir
  84. Discordo de sua opinião sobre a imprensa , um petista recebeu uma land rover como pagamento de uma acessoria e diversos "jornalistas" apontaram o dedo "olha lá o comunista de land rover , o carro foi vendido e de tão amaldiçoado quase tira a vida de um cantor sertanejo depois que capotou...

    ResponderExcluir
  85. luizborgmann13/07/11 17:31

    Visão jurídica: "Assumiu o risco assim procedendo..."
    Quem? ambos.
    Visão jurídica: acidentes ocorrem por um ou mais dos fatores: imprudência, imperícia ou negligência.
    A ótica do leitor, sob qualquer hipótese ou pretexto, saberá que o parágrafo primeiro (assumir o risco) é soberano.
    luiz borgmann

    ResponderExcluir
  86. Perneta

    Concordo plenamente!

    Se fosse um motoboy entregando pizza hein? Td mundo sabe q eles andam voando por ae. Aí eu keria ver se a mocinha o matasse, se teríamos tamanha repercussão.

    Ah...aki na minha cidade existem radares na maioria dos cruzamentos importantes, e à partir da meia noite até as 5 da matina eles não multam se vc passar no vermelho.

    Mas se acontecer um acidente, as cameras - que continuam funcionando normalmente - servem como prova p/ mostrar kem agiu de forma errada.

    Simples e fácil pois não tem perigo de assaltos.

    ResponderExcluir
  87. totiy
    hahaha!! propina virou "pagamento por acessoria". Essa gente não tem limite quando e trata de defender a camarilha. Mais: quem apontou a tramóia foi aquele deputado nanico, neto do ACM, afinal, o cara tinha a informação de dentro da OAS, empreiteira baiana, onde deve possuir muito trânsito. Não fosse isto, nenhum jornalista iria saber, até porque, trata-se de café pequeno perto do que essa gente fez e continua a fazer. Silvio Pereira não passa de um coitado, um bagrinho. E tem mais: Comunista o escambau. Essa gente gosta mesmo é de dinheiro. Dinheiro dos outros.
    A imprensa está, sim, infestada de esquerdistas. Invejosos, eu não diria. Diria, rançosos.

    ResponderExcluir
  88. "Era madrugada e ele viu uma rua vazia e com os semáforos todos verdes para ele. Quem tem um Porsche normalmente gosta de velocidade"

    "ele viu a chance de dar uma "esticadinha" - que não é crime, mas infração de trânsito"

    "de repente aparece do nada um Tucson que simplesmente varou o semáforo vermelho"

    TRECHOS RETIRADOS DO POST..

    Lendo-se os textos acima vê-se que a forma como o artigo foi escrito dá muita margem para interpretações erradas (principalmente para analfabetos funcionais) e tratando-se de um caso desses tenho a comentar que foi um TEXTO INFELIZ..

    Seria melhor falarmos só de CARROS , né...?

    ResponderExcluir
  89. Vou resumir os comentários...

    e se....

    Os fatos concretos somente são: temos uma vitima fatal de um acidente envolvendo dois veículos e nada mais conclusivo que isso.

    ResponderExcluir
  90. Marcelo Augusto13/07/11 17:59

    Conforme disse a testemunha, ela avançou, devagar, pode ser que não tenha tido a atenção devida, mas é bem provável que o carro esporte estivesse só com luzes de posição ou neblina acesa.

    Nessa velocidade, em uma via que não é uma estrada, ninguém está de antemão esperando um foguete passar. Tanto que a câmera mostra os demais veículos que ele ultrapassara, que pareciam estar quase parados (mas estavam), isso devido à desproporção de velocidade.

    E outra, seja dia, noite ou madrugada, não se cruza faról verde sem a devida atenção ao tráfego perpendicular.

    Espero que os autores deste blog nunca errem e nunca tenham alguma pessoa importante em suas vidas que venha a perder a vida de modo idêntico.

    ResponderExcluir
  91. É engraçado como esses imbecis chamam de analfabeto qualquer um que não concorde com as suas ridículas e discriminatórias opiniões.

    Não passam da velha classe média arrogante, estúpida e iletrada, que acha que ter dinheiro é prova de inteligência e bom-senso.

    ResponderExcluir
  92. Anônimo das 17:53, descontextualizando um trecho, pode-se imprimir o tom que quiser a ele. No próprio texto e nos comentários aqui eu mais que reitero que a velocidade a que vinha o Porsche era totalmente incompatível com a via.

    Eu quis colocar como seria o fato na visão do motorista do Porsche, até para ilustrar que toda história tem 2 lados e este era o lado que a imprensa não quis mostrar. Mostrar a visão dele não significa aprovação de seu ato, assim como o fato de um cineasta mostrar a visão de um assassino não significa que está concordando com o assassinato ao fazê-lo.

    Parece-me que em sua busca seletiva por buscar uma aprovação minha ao ato do motorista do Porsche, ignorou que escrevo no parágrafo seguinte ao trecho por você descontextualizado:

    "Obviamente, repito, que fique bem claro, 150 km/h não é velocidade para se andar ali. É contra a lei e também é totalmente contra o bom-senso. É uma infração de trânsito gravíssima punida com 7 pontos e multa de 574,62 reais e suspensão do direito de dirigir (trafegar a velocidade maior do que 50% além do limite da via, que ali é de 60 km/h)."

    ResponderExcluir
  93. Três moleques menores de idade roubaram um carro, andavam a mais de 140Km/h em uma via pequena (três faixas, mas que na verdade é só uma, já que de um lado há retornos a cada km e de outro carros estacionados) e mataram mãe e tia de um bebê de 9 meses, que felizmente sobreviveu. Um dos merdas morreu.

    E aí, adianta prudência?

    ResponderExcluir
  94. Fico muito triste de ver a opinião ridicula de muitos aqui, acredito sim que a mulher estava errada em avançar o sinal, mas trafegar a 150 km/h (não sei se a velocidade foi confirmada) numa via sem muitas pistas e sem boa visibilidade é um atentado à propria vida e à vida alheia. É a mesma coisa de dizer que praticar tiro ao alvo num bairro residencial é aceitavel.

    ResponderExcluir
  95. Porsche X Tucson, Fusca X Caloi Barra Circular, qual a diferença?
    Os dois descumpriram a lei com a mesma gravidade, colocando em risco suas vidas e dos outros.
    Não há defesa para nenhum dos dois, pois o que aconteceu foi um encontro de "cagadas", falando o português claro.
    Apenas justificativas, e eu fico com a da mulher, sozinha, jovem, 3 da manhã numa cidade violenta como é a minha São Paulo, onde lhe roubam as meias sem tirar os sapatos.
    Esticadinha em via pública?
    Pra mim, não é uma boa justificativa.

    ResponderExcluir
  96. conclusão: os dois erraram.
    não vi nenhum "outro lado da história" nesse post.
    e as 2h30 de sábado no itaim não é um dos locais mais tranquilos pra dar uma esticadinha, eu conheço o local e várias vezes tb dei minha esticadinha e tive que tirar o pé mesmo de madrugada, gente furando sinal, motoboy etc

    ResponderExcluir
  97. Concordo com o primeiro post do Antônio Macedo e acrescentaria o seguinte:

    - Quando dirigimos sempre temos que ter um plano B (ou C) por conta dos imprevistos de qualquer ordem. A 150km/h (ou 200 como é que sabem qual era a velocidade exata?) naquela região, não se tem nem o plano A.

    - A moça pode ter visto os faróis do Porsche a três quadras e calculou que dava para passar. Ninguém imagina que vem um carro de Fórmula 1. Também não dá para calcular o tempo corretamente quando tem um maluco tão fora do padrão. Isso lembra o caso do deputado voador de Curitiba - PR

    - Tem outros fatores que se encaixam aí também que tiram a nossa capacidade de julgar. E se a visão do Porsche estivesse encoberta por outros carros à sua frente na hora que a moça cruzou? E se outras luzes ofuscaram o Porsche? Que devia estar bem longe.

    - Achei esse post desnecessário - neste blog que por sinal gosto e respeito muito e em geral tem um conteúdo muito superior a qualquer outra mídia "especializada" em língua portuguesa, passo todos os dias por aqui - não trouxe nada de relevante a não ser que o propósito tenha sido gerar comentários / tráfego /polêmica.

    - A moça teve sua parcela de culpa sim, mas numa situação corriqueira o normal seriam uns amassadinhos e mais nada, o seguro resolve. Isso se o Porsche não tivesse desviado/parado e todos os envolvidos tivessem seguido tranquilamente com sua vida.

    - As 2:30 da manhã em SP se para até no farol verde em cruzamentos. Já ví acidentes (e não foi só um) assim inclusive com a vítima que estava certa levando a pior.

    - As velocidades regulamentadas são ridiculamente baixas em SP, cada dia mais, mas não é por isso que devemos deixar o bom senso de lado.

    ResponderExcluir
  98. Esse acidente só repercutiu dessa forma porque foi uma pessoa com grana guiando um Porsche que se envolveu no acidente. Se fosse um Gol ou outro carro qualquer que tivesse acertado a Tucson no meio só teria aparecido como "Mais um acidente trágico em SP". Viva a imprensa.

    ResponderExcluir
  99. Estou vendo muita gente defender o motorista do Porsche, oras, coitadinho, andando que nem um louco numa rua de madrugada numa cidade perigosa como SP não imaginou que alguem passaria o sinal vermelho, Pois bem, assim como aquele politico safado em Curitiba que matou 2 jovens, este tambem estava bebado. Todo mundo que conhece o Itaim como eu que moro bem no coração do bairro, sabe o perigo de se andar por ali a noite. Estou cansado de ver boyzinhos fazendo loucuras com seus carros de milhões. Pensem nisso antes de defender bebados. Esse cara do Porsche com certeza estava feliz depois de ter gastado rios de dinheiro regados a champagne em alguma boate carissima da região. Quanto à garota, ela teve azar em estar com medo de ladrão no cruzamento e não ter visto o Porsche escuro vindo que nem um raio contra ela.

    ResponderExcluir
  100. se não me engano quando uma pessoa trafega acima da velocidade permitida da via perde todo os demais direitos de preferencia e ainda mais, um carro a 150 km/h percorre muitos metros por segundos esta mulher nem viu o carro.

    ResponderExcluir
  101. Afinal de contas, de onde surgiu esse valor de velocidade de 150km/h? Foi medido como?

    Abraços.

    ResponderExcluir
  102. O duro é que vários semáforos são desregulados (um abre, outro fecha). Se a CET realmente colocar radar pra multar quem furar farol vermelho a noite, vai fazer o que só faz: recolher dinheiro fazendo m***a que não agrega. Agora vou ter que ficar escolhendo entre morrer ou perder ponto e dinheiro. PQP!

    Como é que eu vivo nessa merda de cidade que quer matar quem tem carro?!
    Reduzem locais de estacionamento pra incentivar o uso de ônibus(!!), reduzem velocidade só pra aplicar mais multas(diminuindo margem de velocidade), faz você ficar parado em semáforos por um bom tempo na madrugada, numa droga de país que morre mais gente do que países em conflito...PQP!
    O Governo não quer que tenhamos carro!
    Maldito paixão por carro. Nos fazem de trouxa na compra, na venda, no financiamento, na gasolina, no seguro, no trânsito. O governo nos faz de idiotas por queremos ter locomoção e praticidade.
    Duro que transporte público e táxi também é um roubo.
    Sinceramente, não tenho orgulho algum de onde vivo. Duro que sair também é difícil. Brasileiro deve ser tão bem visto quanto um indiano lá fora: nos acham animados, feito bobo da corte.

    ResponderExcluir
  103. Christian Monteiro13/07/11 19:55

    Sou admirador desde sempre do Bob Sharp e seu trbalho.
    Um dos maiores ícones e conhecedores do assunto que tanto amamos, na minha opinião.
    Não só do assunto automóveis em si, como de todos os periféricos que o rodeiam.
    E foi exatamente essa uma das razões que ontem escrevi o que está abaixo, no post dele que também trata desse mesmo acidente. A intenção foi justamente alertar para o risco da imprensa fomentar o calor da opinião pública, que é envolvente, e tratar de forma criminosa um Porsche e não um ato! Ou dois!

    E agora, para a minha surpresa (positiva, diga-sede passagem), encontro mais uma opinião neste Post do Carlos Maurício Farjoun, que tratou da mesma forma o assunto e pelo angulo que também deve ser observado - que vai de encontro ao meu parecer.

    Ora, precisa ficar claro que nós, entusiastas, queremos cada vez mais carros melhores, e menos mortes! O que amamos, que são os automóveis, trazendo tragédia, obviamente que nos entristece muito! Muito!

    Mas e a cultura? E a concientização? O que o governo faz para resolver definitivamente a questão? E a imprensa, pode aniquilar quem scolheu um ter um fantástico Porsche na garagem sem observar sistematicamente todas as causas e fatos?
    Se fosse um Fiat Uno...

    De repente o condutor do carro alemão estava sim embriagado e tem sim grande responsabilidade... se sim, cometeu a maior atrocidade que um ser humano em sã estado de imbecilidade pode cometer: Beber e Dirigir! Mais ainda em velocidade gritante. Mas quantos não são os casos similares diariamente em todo o Brasil dos "sem Porsche" e a notícia é discreta, lá em um cantinho da última página, enquanto assim crianças morrem atropeladas, sem alarde??

    Abaixo o que escrevi ontem, antes da publicação desse Post...

    CM


    "Christian Monteiro disse...

    Sem sair em defesa alguma, até porque já foi feito aqui e todos os comentários que deveriam ser já foram feitos.

    Mas... todos mencionam com muita enfase o Porsche!
    Porsche, 911, Porsche!
    Fica a sensação da culpa agravar-se por ter um carro assim! Devagar, amigos...

    Se fosse um Corsa? O texto da mídia seria o "carro" vinha em alta velocidade... ou Corsa, Celta e Uno agora não passam dos 120Km/h??? Sim, sem freios ABS de cerâmica, Controle de Tração...

    Fica o dono taxado de Playboy, bêbado, etc... isso sem confirmações, apenas deduções pelo carro que usava...
    E se era um engenheiro que sonhou com um carro assim, entusiasta, e deu duro pra realizar, agora é tratado pejorativamente pelo carro que tem?!
    Se tem culpa (concorrente) que se pague pelos fatos, claro, mas não pelo carro que usava!

    Não se pode andar rápido assim em vias urbanas. E já não se pode cruzar absolutamente 100% confiante o "verde" em nenhum momento do dia pelo risco que conhecemos, mas não se pode cruzar o "vermelho" também de madrugada, de Tucson ou de Fusca, para fugir do risco dos bandidos, antes de se sentir completamente seguro a fazê-lo. E assim incorrer em outro risco tão grande quanto!

    Que pena essa moça ter pago com a moeda mais cara existente. Dói mais em nós, que amamos o automóvel criado para dar conforto a alguns, mas muito prazer aos entusiastas, e não para ceifar vidas.

    Repito: sem defesa de algum. Mas vale pensar nisso dito acima...


    CM

    _________________________

    12/07/11 01:40"

    ResponderExcluir
  104. Paulo Ferreira13/07/11 20:00

    Perfeito o post, exatamente o que penso e exatamente o que pessoas pensantes deveriam pensar.

    Se fosse qualquer outro carro a 60kmh passando por ali provavelmente teria acontecido a colisão da mesma forma, e provavelmente a caça as bruxas seria outra, iriam falar que ela estava alcoolizada, que comprou a carteira ou qualquer outra loucura. Sensacionalismo é isso aí mesmo.

    Agora o motorista do Porsche estava totalmente errado, estava cometendo uma das infrações de trânsito mais graves previstas pelo código.

    E pra quem acha que ele é o que detém toda a culpa, que a pobre coitada que morreu foi a única vítima da situação não se preocupem, ele vai pagar caro por isso, muito caro, mais do que mereceria provavelmente.

    ResponderExcluir
  105. Marcelo Junji13/07/11 20:04

    Será que um pedestre estaria cometendo uma infração de trânsito, ou estaria errado, atravessando em qualquer trecho de uma rua? E será que esse pedestre saberia avaliar a velocidade que o porsche estava? E será que o porsche conseguiria evitar um atropelamento a essa velocidade?
    Não entendi a razão do autor dizer que a imprensa não deveria crucificar o dono do porsche.Deveria crucificar quem?

    ResponderExcluir
  106. Pros "cumpanheiros" e "camaradas" que insistem em achar que o culpado somente é o cara do Porsche eu pergunto UMA COISA SOMENTE...
    E se no lugar do porsche fosse UMA AMBULANCIA que estivesse a.. 70 km/h com uma pessoa em estado EMERGENCIAL a caminho do hospital? HÃÃÃ???
    A MALDITA ATRAVESSOU SEM ENXERGAR PARA OS LADOS!!!
    Mas no fim, os ricos são odiados nesse buraco chamado brasil...

    ResponderExcluir
  107. Adoro este blog, acesso sempre que posso e fico impressionado com a qualidade dos posts. Entretanto, esse post em particular me enojou. Sem dúvida, a moça não respeitou o semáforo, mas se o Porsche estivesse a 60 km/h ao invés de 150, ela poderia estar viva hoje. Entendo que esse blog é visitado por autoentusiastas, como aliás também sou, e que gostam de dar umas "esticadinhas" de vez em quando (eu também gosto), e talvez por isso muitos concordam com a posição do Carlos. Mas um cara que anda a 150km/h em uma cidade é um verdadeiro assassino, e não adianta tentar jogar a culpa para o outro lado, ainda que a moça sobrevivesse e o cara do Porsche morresse. Vamos ser entusiastas de velocidade e carros? Sim, mas vamos fazer isso com responsabilidade e coerência. Onde já se viu, dar mais credibilidade para um cara que anda a 150km/h em uma cidade do que para uma moça que, à noite, passa devagar um sinal vermelho?
    Selecionem melhor os posts.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  108. Se eu tivesse um Porsche de 500cv eu tbm daria uma esticadinha de vez em quando.

    E é esticadinha sim. Segundo a 4R, esse carro faz de 80 a 120km/h em 2 segundos!!! Isso mesmo, 2 segundos. Então para chegar a suposta velocidade de 150km/h, ele deve precisar de uns 4 segundos. Contém 4 segundos aí de relógio. É uma esticadinha sim.

    Atire a primeira pedra quem tbm não faria o mesmo.

    ResponderExcluir
  109. Blog do Eduardo,

    Se eu tivesse um Porsche eu não daria uma esticadinha até 150km/h.

    Daria uma "esticadinha" de uns 250km/h... no mínimo, mas com certeza não seria entre cruzamentos no meio da cidade.

    ResponderExcluir
  110. Arruda,

    O que eu não faria no caso desse dono de Porsche é ultrapassar sinal verde de madrugada sem parar, principalmente sem visibilidade, pois já fui quase ceifado varias vezes por motoristas kamikazes. mas eu daria umas esticadinhas sim. Na verdade já dei muitas, não em Porsche infelizmente.

    Não vou falar dos carros que já tive, mas vou dar um exemplo singelo. Quando a Kawasaki lançou aqui a Ninja 250, um amigo meu comprou uma verde e passou na empresa que eu trabalhava para eu dar uma volta. Fica numa avenida larga de 3 faixas. De um sinal para outro, dá uns 500 metros, eu coloquei 150km/h. Não passei o sinal, pois estava fechado, deu espaço de sobra para parar.

    ResponderExcluir
  111. De ante mão, não estou defendendo a atitude dele. Pois não sabemos qual a velocidade real que ele vinha e se estava ou não embreagado, ou se estava disputando racha. Tbm não me lembro bem desse cruzamento, já faz 3 anos que saí de São Paulo. Só comentei que talvez, dependendo daquela via, eu poderia estar no lugar do motorista do Porsche. Não tenho vergonha de dizer. Acho que muitos que postam aqui criticando tbm fariam o mesmo, mas não tem coragem de dizer. O que não é o seu caso, obvio.

    ResponderExcluir
  112. Marcelo Junji13/07/11 21:11

    Putz! Ainda tem gente que diz que faria o mesmo e que faria um pouco diferente dimunuindo no verde. Incrível!
    Não é só os carros que atravessam as ruas! E não é só nos cruzamentos que alguém pode cruzar a nossa frente.

    ResponderExcluir
  113. Paulo Ferreira13/07/11 21:15

    @Marcelo Junji

    Não deveriam crucificar ninguém. Deveriam se preocupar em dar destaque pra outros problemas que acontecem todos os dias nesse país e que são muito mais críticos do que essa fatalidade. Independente de quem é vítima e quem não é nesse caso, foi "apenas" um acidente de transito com uma morte.

    Vá ver quantas pessoas morrem por dia nas ruas e estradas do país, vá ver quantas pessoas tem uma arma apontada à suas cabeças todos os dias, vá ver quanto dinheiro é desviado (inclusive legalmente) pra encher os bolsos dos políticos desse país, dinheiro que deveria servir para educar as pessoas e melhorar a infraestrutura do país (dois fatores que poderiam impedir a fatalidade que se sucedeu)...

    Mas isso não importa, o que importa é "dar Ibope".

    ResponderExcluir
  114. Marcelo Junji,

    Tem gente não. Tem eu, pq não sou hipócrita. Digo mesmo. Não sou nenhum santo, cometo infrações sim. Como todos aqui aliás.

    ResponderExcluir
  115. Aaaa para de graca!!!

    A questao toda eh: velocidade X avanco de sinal!!!

    Na verdade eh o seguinte! Disse e repito: Quem aq para em sinal vermelho de madrugada? quem disser q para, e pq nunca morou em cidade grande!!!

    A atitude dela eh a minha, ir avancando devagar o sinal, para nao dar chance de me assaltarem, como ja fizeram comigo uma vez, com minha esposa gravida!!!

    Agora me digam: Mesmo de vidro nao escurecido, como ver um carro a 150kh???? a nocao de aproximacao eh irreal!!!

    ELE ESTAVA ERRADO E ASSUMIU O RISCO!,

    ELA QUERIA PRESERVAR SUA INTEGRIDADE!!, Nao "cometer um delito"...

    ResponderExcluir
  116. anonimo das 11:15, isso de vc estar numa via, aí entra um cara que saiu de uma transversal, e o cara nao anda, no blog http://www.sinalvermelhocuritiba.com/ ele filmou varias destas situacoes

    ResponderExcluir
  117. Um dos piores posts da história.
    Nunca pensei que isso aconteceria no AE.
    Que lástima.

    ResponderExcluir
  118. Roberto Vespa14/07/11 00:30

    Se o "AutoEntusiasta" do carro esportivo estivesse acima do limite - digamos 80 km/h - mas prestando atenção como se deve ter em todo cruzamento, tenha prerencia de passagem ou não, ele não estaria machucado, e a moça não teria virado pó.

    Mas há quem o defenda.

    Viva os entusiastas!!

    ResponderExcluir
  119. Esse cara do sinalvermelhocuritiba é mais um dos motoristas burros e mal treinados flando mal dos outros.

    Não respeita placa de Pare e ainda reclma de quem cruza a sua frente.

    E o pior de tudo: o chamei de ordenhador de vaca e ele não entendeu o que era, e continua do mesmo modo!

    É um boçal

    ResponderExcluir
  120. Ele assumiu a responsabilidade de qualquer forma.
    E se ao invés de encontrar a SUV ele atingisse um pedestre? Não existe semáforo para pedestres em muitas ruas desse bairro.

    Eu fiquei preocupado por outra reportagem que o camera mostrou uma larga avenida, como se o cara do porsche estivesse acelerando ali. A imprensa precisa produzir material rapidamente e deixam a qualidade longe.

    ResponderExcluir
  121. Vamos separar as coisas??
    A merda já foi feita, afinal estamaos tratando de um caso concreto.
    Em se tratando de culpa, termos dois desfechos: no campo civil e no criminal.
    A mídia, nestes casos, só olha ou dá enfoque para o aspecto criminal e esquece de ir a fundo no campo civil.
    Assim, considerando que 100% por cento dos relatos confirmam que a moça (que não era advogada - diga-se de passagem: http://cna.oab.org.br/ ou http://www.oab-ba.com.br/novo/Template.asp?nivel=00040018&identidade=285# ou http://www2.oabsp.org.br/asp/consultaInscritos/consulta01.asp?tds=2&sub=0&sub2=0&pgNovo=30) "furou" o semáforo, temos aí a culpa concorrente, onde "Se a vítima tiver concorrido culposamente para o evento danoso, a sua indenização será fixada tendo-se em conta a gravidade de sua culpa em confronto com a do autor do dano (art. 945 do Código Civil). Logo, haverá compensação de culpas.
    No campo criminal adianto: não há compensação de culpas. Porém, considerando que o motorista do porshe foi indiciado e provavelmente será denunciado por crime de homicídio doloso (quando há intenção de matar) fica fácil prever que o mesmo - após alguns embates jurídicos - será levado a juri popular.
    Caso se concretize, há várias teses de defesa. Entre elas destaco uma: Não se pode dizer que quem trafega numa avenida de grande movimentação de veículo deve estar esperando que alguém, subitamente, avançe o sinal vermelho. Isso, não seria agir com prevenção. Seria muito mais que isso. Seria pura adivinhação. Lembre-se que a velocidade é apenas um componente potencializador de dano.
    Com isso, quero dizer que há grandes possibilidades dessa tese vingar, pois, no nosso sistema jurídico quem julga esse tipo de caso são 7 jurados leigos...
    Enfim, vamos aguardar os desdobramentos...
    Portanto, nao importa se os envolvidos tinham porshe, tucson, uno mille ou fusquinha.... se um era advogado, engenheiro, pedreiro, copeiro... isso tudo é papo furado e perfumaria p/ vender jornal...

    ResponderExcluir
  122. Culpa pela colisão: condutora do Tucson por furar o farol. Culpa pela morte: condutor do Porsche, por andar em velocidade incompatível com a via. Não sou advogado, não sei se isso é possível, é apenas minha opinião.

    ResponderExcluir
  123. CMF , SOU O ANONIMO 17:53

    Como eu disse , retirei propositalmente alguns trechos de seu artigo DESCONTEXTUALIZANDO-OS para lhe mostrar como muitos NÃO o entenderam e fizeram comentários PESADOS . Não disse que você defendeu A ou B mas que o texto deu margem a essa confusão...

    O AUTO-ENTUSIASTAS possuem um vasto conhecimento técnico e histórico sobre automóveis e é isso que queremos ver e discutir aqui!! Esse tipo de assunto polêmico envolvendo MORTE e JULGAMENTO , foge muito ao propósito do BLOG .Isso é assunto para o DATENA..


    É só minha humilde opinião...

    ResponderExcluir
  124. A perícia já saiu? E como sabem que o cara estava a 150km/h? A menina era uma pobre mulher indefesa tentando fugir de um encontro com um assaltante... ela tinha ido a um barzinho tomar um suco de laranja e estava voltando pra casa, avançou o sinal a 7 km/h e deu nisso?

    HIPOCRISIA E CAÇA AS BRUXAS... nada mais...

    ResponderExcluir
  125. Muito bom o texto, finalmente alguém falou a verdade sobre o ocorrido. Estou publicando o mesmo em meu site com os devidos creditos.
    Abraços

    ResponderExcluir
  126. Isso se chama ética. Exemplifico, um jovem passa bêbado num beco escuro 3h da madrugada e toma um tiro, a mãe tinha avisado pra não sair de casa. Quem tem culpa? O jovem bêbado 3h da madrugada no beco desobedecendo a mãe? Ou quem deu o tiro? Óbvio, quem deu o tiro.

    É a mesma situação. A mulher passou no vermelho, ela desobedeceu e passou no beco 3h da madrugada. Quem deu o tiro? O motorista a 150 km/h.

    Ou alguém realmente acredita que teria sido tão grave se o mesmo acidente tivesse ocorrido dentro dos limites de velocidade da via?

    ResponderExcluir
  127. Engraçado, no dia do ocorrido a imprensa já relatava que o Porsche trafegava a 150 km/h no momento do acidente. Agora quem comprovou a veracidade dessa velocidade informada? A perícia? Os curiosos de plantão? A imprensa?
    Como foi comprovada essa velocidade? Olhando o velocímetro do Porsche? Caso tenha sido dessa forma, estudos técnicos já comprovaram que a velocidade marcada no velocímetro, após uma colisão, não representa a realidade dos fatos.
    Vejam somente uma das matérias sobre o tema: velocidade registrada no velocímetro após colisão. http://www.estradas.com.br/sosestradas/articulistas/wilson_t_jr/o_registro_permanente_do_%20ponteiroasp.asp

    ResponderExcluir
  128. E outra Merça explodiu um poste ontem na Sumaré...

    O poste virou farelo e a Merça pegou fogo!

    Pelo menos não mataram ninguém dessa vez.

    Se eu morasse em SP iria dar minhas estilingadas nas estradas perfeitas q vcs tem.

    ResponderExcluir
  129. Os dois erraram, a mulher por causa do medo em ser assaltada por falta de segurança em nossas ruas, o homem por misturar bebida com direção e andar feito um louco pelas ruas da cidade.

    Queria ver alguém defendendo esse maluco do Porsche caso o mesmo tivesse matado alguém de sua familia ou tivesse o colocado em uma cadeira de rodas pelo resto da vida.

    Via pública não é pista, bebida não se mistura a direção, mesmo acontecendo o avanço de sinal, ninguém morreria caso o mesmo estivesse andando em velocidade permitida naquele local.

    Ele assumiu o risco de matar, quando acelerou a aquela velocidade e enfiou goela abaixo suas taças de vinho.

    ResponderExcluir
  130. ADG HIGH TORQUE

    vou perguntar mais uma vez:
    A perícia já foi feita? Ele andava a 150 Km/h pela conclusão dos peritos? Ele estava bêbado segundo o IML? fizeram o teste no corpo da mulher pra saber se estava bêbada? a qual velocidade ela cruzou a via?

    Sem perícia não tem como afirmar NADA!

    ResponderExcluir
  131. Não precisa ser muito perito para saber que a velocidade do carro era elevada, basta ver o tamanho do estrago, pra mim, parece que estava até acima disso.

    Outra coisa, quando vc se nega a fazer o teste do bafometro, automaticamente vc perde seu direito de provar que não estava bebado.

    Tomara que ele se ferre ainda mais.

    ResponderExcluir
  132. Desde criança eu escuto que lugar de correr de carro é em autódromo e para não atravessar o sinal vermelho!

    ResponderExcluir
  133. Pisca
    Nem tente fazer isso. A única coisa que você vai ganhar é uma gigantesca coleção de multas e pontos na habilitação. A gente até que fica tentado, mas dá um desânimo danado só de pensar que se tem que ficar mais de olho no velocímetro que na paisagem, que, por sinal, passa beeeem devagar.

    ResponderExcluir
  134. Olá, amigo, entendo seu lado, mas não pude deixar de comentar.
    Estou tentando ser o mais imparcial possível, ok?
    Concordo que uma esticada é inevitável em tal situação, mas quando você atinge uma velocidade dessas (eu duvido que seja "apenas" 150km/h) você está assumindo que qualquer coisa que acontecer de errado, a culpa é sua.
    Outra coisa, não podemos colocar a culpa na motorista da Tucson, principalmente se falarmos em falta de atenção ou displicência, sendo que, mesmo que você pare e olhe, antes de atravessar um sinal vermelho, você nunca colocará no cálculo que quem vem é um maluco a 200km/h.
    Então, vamos lá, você chega no sinal vermelho a noite, ou seja, uma placa "pare", pára, olha se vem alguém e vê um carro vindo na distância de dois quarterões, o bastante para passar, claro, mas não, é um alucinado a 150km/h (no mínimo). Mais uma vez, tentando ser imparcial, a culpa é total e integralmente do motorista do Porsche, não há como calcular essa velocidade dentro da cidade!
    Sinto muito pela advogada! Lugar de correr é na Bandeirantes, RODOVIA dos Bandeirantes...

    ResponderExcluir
  135. Este post já rendeu bastante, mas infelizmente a motorista do Tucson teve sua parcela de culpa, não há como negar isso. Um acidente nunca ocorre com um único evento de risco, é necessário dois ou mais para dar meleca. Neste caso, o avanço de sinal vermelho e o excesso de velocidade foram os dois fatores principais que causaram a tragédia.

    Desculpem a franqueza, mas não vejo um mais culpado do que o outro neste caso, os dois atos foram graves do ponto de vista de segurança. Como já dito, avançar o sinal vermelho é proibido, infração gravíssima. Mesmo veículos de emergência tomam cuidado (ou ao menos deveriam...) para avançar sinal vermelho.

    Não me lembro ao certo o ano e local, mas creio que foi em São Paulo e final dos anos 80 ou início dos 90, que um caminhão dos bombeiros avançou o sinal vermelho e abalroou um ônibus urbano, causando a morte de passageiros e bombeiros. Ou seja, avançar sinal vermelho, somente com absoluta certeza de que não há risco em tal manobra, justamente porque pode vir um veículo em alta velocidade e te acertar em cheio. Depois do acontecido, de nada adianta discutir quem estava errado, principalmente se você passar para o outro lado da vida...

    ResponderExcluir
  136. Prezados Autoentusiastas,
    Depois de tudo que li neste post - que fique claro que nao condeno nem absolvo nenhum dos dois - fico pensando no Porsche a 150 por hora no farol verde, e o Tucson furando o farol vermelho e batendo na lateral do Porsche e este indo sozinho para o poste e matando seu condutor, e a motorista do Tucson sem nenhum arranhao. Teriamos a mesma comoçao ou alguem acharia que morreu pois estava em excesso de velocidade.......

    Renato Ver.

    ResponderExcluir
  137. Velho, mas limpinho15/07/11 00:34

    A revista Veja e o Estadão tem viés esquerdista?

    O post do Bob tinha como interesse divulgar o ódio pelo insulfilm (como sempre)

    Este post tem o interesse de quê mesmo?

    Causar?

    Mostrar quantos leitores tem o blog? (só em assuntos assim as postagens atingem mais de 100 respostas)

    Ou foi um desabafo de Direitista recalcado?

    Vai saber...

    Vmf

    ResponderExcluir
  138. Velho, mas limpinho15/07/11 00:40

    Esqueci de comentar, além do fato do carro envolvido (911 Turbo) não se esqueçam que a menina era de família influente na Bahia.

    Essa madrugada pegou fogo uma Mercedes C200 após bater em alta velocidade num poste, outro dia foi outra Mercedes, Ferrari, Corolla, Passat Importado, viu uma repercussão desse tipo ou se lembra de ter visto as notícias?

    VmF

    ResponderExcluir
  139. Percebi que a discussão relevante da qual este acidente é objeto é sobre quem tem mais direito de errar. Sobre quem tem mais direito de infringir as regras e colocar a vida dos outros em perigo para garantir seu lado. No caso do sobrevivente para gozar o brinquedo. No caso de quem morreu talvez a pressa ou por achar que o sinal fechado de madrugada não precisa ser respeitado por que ninguém o faz.

    Forjoun,

    Ter um carro potente não garante salvo conduto para ninguém dar uma esticadinha.

    Você diz condenar o excesso de velocidade, mas, tentar relevá-la em comparação a avançar o sinal fechado é exemplo desta discussão absurda sobre quem tem mais direito de errar, ou o que é pior, sobre quem julga ter mais Poder para errar. E tentar justificar a infração afirmando que quem tem Porsche gosta de acelerar é ser conivente com o comportamento daqueles quem infringem as leis por acharem que estão acima dela por terem grana ou por serem bem relacionados. E aqui sua própria argumentação transforma, neste caso específico, o "ter um Porsche" em um símbolo deste comportamento nefasto.

    ResponderExcluir
  140. PERFEITO! Não dirijo mas tenho bom senso. Se ele assumiu o risco de matar qdo adotou a conduta descrita nas reportagens, ela assumiu o risco de morrer (e matar tbm, pq não??) qdo avançou o sinal vermelho!

    ResponderExcluir
  141. Concordo em gênero, número e grau. É o que eu comentei onde foi discutido o caso.
    São dois casos de imprudência mas atravessar um sinal vermelho é a mesma coisa que entrar na frente de um trem.

    ResponderExcluir
  142. OS 2 ESTÃO ERRADOS E PONTO FINAL,PENA ELE TBM NÃO TER MORRIDO PORQUE VAI MATAR MAIS GENTE!!!!ALGUEM DUVIDA??

    ResponderExcluir
  143. Tarde da noite, rua deserta, o sinal fica vermelho, dentro de uma Tucson novinha, uma loira bonita e rica - deveria ela ficar parada no farol, espereando a chegada de um sequestrador / assaltante / estuprador? Claro que não.

    ResponderExcluir
  144. Só p/ constar...

    Ontem em Cascavel um Camaro pegou uma moto em cheio e matou uma mulher q era garupa da msm.

    O dono do camaro fugiu s/ prestar socorro.

    Como só existem 3 camaros na cidade, o msm fora encontrado no pátio de uma transportadora.

    Não vi a msm repercussão desse caso em particular.

    Envolvia um esportivo importado de preço elevado tbm.

    A diferença é q a moça da moto não era neta de ex-governador né?

    ResponderExcluir
  145. Bom pensamentos como estes que fazem com que o Brasil esteja regredindo.
    Ela estava errada e pagou com a vida ele estava totalmente errado e todos aqui estão tentando transferir a culpa para a Advogada? Pelo amor de Deus né, não sei qual jornal vocês andam assistindo, porem houve sim relatos de que ela passou com o semaforo no vermelho o que é claro, tolerado (não permitido) por lei por questões de segurança a partir de determinado horario da noite. Um carro correndo a 150km/h por hora praticamente se teletransporta, se tem um porsche e gosta de correr, vai para o autodromo pois vias públicas não é permitido altas velocidade em momento algum e a maior velocidade permitida dentro do territorio nacional é 120km/h. Ele é e será o responsável pela morte e nada nesse mundo o isentará da culpa e perder tempo aqui com muitas pessoas que gostam de de justificar um erro insjustificavel e além do mais, ela morreu e não tem chance de defesa. Ele está ai e deve pagar pelo que fez.

    ResponderExcluir
  146. Gastarrazu Médici15/07/11 14:48

    A culpa é de quem morreu!

    ResponderExcluir
  147. Ninguém verificou se o celular da moça estava ligado. Tampouco verificaram se ela estava no trabalho ou na balada. Ninguém se preocupou em fazer exame para saber se ela tinha bebido, ou quem sabe até com o som em volume alto.
    E se fosse uma passagem de trem, alguém de vocês também deixaria de observar o sinal vermelho?
    Só porque é moça nova e bonita ela não tem culpa?
    Se eu usar película em meu carro, devo estar consciente de que terei menor visibilidade. Se ouvir música com som muito alto, perderei os ruídos do trânsito e poderei provocar um acidente fatal. Se não fizer o básico em meu carro, como geometria, balanceamento de rodas e calibragem, também estarei a correr riscos.
    Se trafegar em excesso de velocidade, também poderei morrer ou matar.
    Antes de acusar ou defender alguém, é sempre bom nos colocarmos no lugar do outro.
    Se não usar corretamente a cadeirinha de bebê e ele morrer, certamente serei culpado.
    Qualquer pessoa que teve conhecimento da notícia, sabe, pelo menos em seu consciente, que os dois foram culpados e que um deles, infelizmente, pagou o erro com a morte.
    Quando jovem, eu também exagerei algumas vezes na velocidade, mas depois de ver muitos acidentes, concluí, que se estivermos em baixa velocidade, poderemos talvez desviar e nada acontecer, ou então, se bater, o estrago não ser de grandes proporções. Óbvio, não?
    "A Cesar o que é de Cesar, e ao Pai o que é d'Ele".
    Se nos colocarmos apenas de um dos lados, seja qual for, não estaremos sendo justos.

    ResponderExcluir
  148. O engraçado é que todo mundo justifica ela ter furado o farol por medo...
    E o cara do porsche? Também não podia estar com medo e estava correndo para pegar o farol aberto, justamente para não ter que furar o mesmo?
    Neste caso, tudo que vem sendo dito contra um pode ser dito para o outro...

    ResponderExcluir
  149. A 150km hora pq estava com medinho do farol????????????kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  150. Não vou falar sobre quem é culpado ou quem é inocente. Essa definição cabe ao Poder Judiciário, e a nós outros apenas lamentar o triste evento.
    Peço licença para voltar ao começo da estória, mais precisamente ao ponto em que o Farjoun atribui a parte da Imprensa o "mórbido prazer em culpar uma pessoa de posses que causa um acidente com seu carrão".
    A questão é que a posse e o uso de um automóvel importado - especialmente de alto preço ou desempenho - tem sido sistematicamente associada pela mídia de massa à prática de atos ilícitos, tornando-se quase sinônimo de banditismo. Todos já cansamos de ouvir, nos telejornais, notícias de operações realizadas pela Polícia ou pela Receita onde "foram encontrados encontrados em poder da quadrilha dinheiro, carros importados etc.". Tanto é que, embora tenham sido divulgados os nomes dos dois motoristas envolvidos, já vi notícias tratando o assunto do post como "o caso Porsche".
    E preparem-se, porque vem mais por aí. Deu hoje no UOL Notícias:
    "Motorista de Camaro bate em moto, mata jovem e foge sem prestar socorro no Paraná"
    Dois aspectos da matéria, assinada pelo jornalista Dimitri de Souza, chamam especial atenção:
    - a legenda da foto que abre a matéria: "Camaro esportivo avaliado em R$ 200 mil bate em moto e mata jovem no interior do Paraná";
    - e o "lead" (primeiro parágrafo da notícia, que "fisga" a atenção do leitor): "Uma jovem de 18 anos morreu e um rapaz de 20 anos ficou ferido em Cascavel (498 km a oeste de Curitiba) após colisão da moto em que estavam com um automóvel esportivo importado Chevrolet Camaro, avaliado em quase R$ 200 mil."
    Perceberam? O fato de que o acidente envolveu um automóvel esportivo, importado e caro acaba prevalecendo sobre os nomes das vítimas, revelados apenas nos dois parágrafos seguintes.
    O responsável por um acidente desses - e não estou dizendo quem é - pode até ser criminoso. Mas não por estar dirigindo um carro importado, ou de alto desempenho, ou acima do poder aquisitivo da média da sociedade.

    ResponderExcluir
  151. Caro anônimo, em primeiro lugar, "150km/h" é um chute, até agora ninguém sabe a que velocidade o cara estava.
    Em segundo lugar, imagina vc voltando do bar, de madrugada, semi-bêbado, vê todos os faróis abertos... Vc pisa fundo para não "perder o farol".
    Alexandre Zamariolli, concordo totalmente. Tanto que a fiança para o sujeito foi definida de forma arbitrária, e quando ele pagou, quiseram aumentar o valor à posteriori...
    Sinceramente, este caso mostra como não apenas "deu a louca no trânsito". Deu a louca no páis inteiro.

    ResponderExcluir
  152. Corsário Viajante

    Nem adianta perder tempo c/ esses "anônimos".

    Ao contrário de vc q dá a cara a tapa no Jalop, NA e aki, esses caras jamais irão assumir oq escrevem.

    ResponderExcluir
  153. Estou vendo q temos muitas opnioes adversas.. vou dar a minha.. Ela n devia passar no vermelho e ele n andar a 150.. Se bem q a 150 num porsche é como 100 num Astra.. Ou qualquer carro "normal" O fato é q foi um acidente.. Onde ambos estavam errados.. Acho q ser incriminado por Homicidio doloso é muito... Se ele o motorista estivesse bebado e comprovado por exame de sangue ai sim seria justificavel.. mas só o fato de estar a 150 numa via livre e farol verde axo um exagero este tipo de julgamento.. Uma pena q aconteceu.. Vamos todos ter cuidado por ai.. Abraços...

    ResponderExcluir
  154. Quem nunca deu uma esticadinha atire a primeira pedra, ainda mais em um blog de autoentusiasta, bem sorte nossa que nao foi com nenhum de nos, os DOIS estavam errados, mas o maior errado é a impressa sensacionalista, no FANTASTICO, citam avanço de sinal somente uma vez, mas PORSCHE mais de 20 ... ,alguem duvida aqui que estao julgando o motorista pelo carro que tinha ou pela maneira que dirigia ...

    ResponderExcluir
  155. Parabéns Bob Sharp!!! Sua Matéria me deixa feliz em saber que nosso país não é feito só de idiotas. Me deixa esperançoso saber que ainda existem pessoas sensatas aqui. Obrigado de verdade.

    ResponderExcluir
  156. Mais um desserviço deste blog. Há certa permissividade aqui pra cometer atos como ultrapassar o limite de velocidade e até ser multado e reclamar que foi um descuido porque sempre se está no limite do limite. Sejam entusiastas, mas não se esqueçam da responsabilidade das palavras que escrevem. Ecochatos ou politicamentechatos não vem ao caso.

    A infração passou a ser crime quando o motorista estava numa velocidade extremamente incompatível com a via. Se o sujeito tem posses, que alugue o autódromo de Interlagos ou construa uma pista de Hot Wheels pra ele. No pior dos casos, poderia ter utilizado uma rodovia em boas condições, como temos em SP.

    Todos os programas jornalísticos que assisti, incluindo os mais apelativos, deixaram claro que a motorista atravessou o sinal vermelho na madrugada. Coisa comum nas grandes cidades? Pode ser, mas o assunto será outro, de segurança pública?

    Não está comprovado que o sujeito dirigia a 150 km/h. É só uma estimativa da perícia. Podia ser a 180 ou 220.

    ResponderExcluir
  157. Ainda bem que existem pessoas que não foram contaminadas pelo sensacionalismo da nossa televisão brasileira que adora vender tragédias e passar notícias pela metade e equivocadas.Certamente que a família da garota que morreu deve receber todo o respeito e pesares pela sua morte. Porém, justiça é um outro assunto que nada se confunde com respeito. O fato é um só: caso a garota não tivesse passado no farol vermelho, ela não estivesse morta agora.Embora os dois tenham desrespeitado as leis de trânsito, o rapaz não foi culpado pela morte da garota. o fato de ele ter um porsche no valor de R$ 600.000,00 e ter dinheiro para pagar uma fiança de R$ 300.000,00, não faz dele um culpado. Muitas coisas ainda deverão ser esclarecidas: dizem que ele estava bêbado, mas e ela, que tinha acabado de sair de uma festa, poderia estar bêbada? Outro ponto a ser discutido: a colisão lateral na Tucson deve ter sido fatal, mas, e se a Tucson tivesse colidido na lateral do Porsche? O rapaz, provavelmente, estaria morto hoje e a garota estaria viva, não é mesmo? E nesse caso, ela responderia processo por homicídio culposo??? O o caso não teria tanta repercussão?? No momento o que vejo é um monte de gente querendo arrumar um culpado e, pelo fato do rapaz ter muito dinheiro ele tem que pagar pelo erro dela e que lhe custou a vida. A única coisa que todos têm se apegado é que o rapaz tem um Porsche e que tem dinheiro, essa é a mais dura realidade.

    ResponderExcluir
  158. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  159. quem vem na outra rua n tem culpa da irresponsabilidade do outro... corrigindo

    ResponderExcluir
  160. Ninguém em sã consciência fica parado em um farol altas horas da noite, por esse motivo a motorista falecida não foi "condenada" por isso, qualquer um cruzaria aquele farol no vermelho.
    Mas andar a 150km/h naquela via é loucura, é coisa de pessoas que se acham acima da lei e até da morte. Mesmo que a motorista tivesse olhado e visto o porsche, como ela poderia supor que o maluco estaria a 150km/h, provavelmente ela pensou que daria tempo de cruzar, o que seria possível se ele estivesse a 60km/h.
    A responsabilidade do acidente é dos dois, mas ela só morreu porque o outro estava a 150km/h, e ele deve sim ser punido exemplarmente, para que outros donos de carrões parem de correr nas ruas e estradas como se fossem seus autódromos.

    ResponderExcluir
  161. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  162. Pronto...estava demorando a defenderem o irresponsável do Porsche...

    "Tentemos olhar o ocorrido pelo lado do motorista do Porsche: Era madrugada e ele viu uma rua vazia e com os semáforos todos verdes para ele. Quem tem um Porsche normalmente gosta de velocidade."

    Vai corre em pista fechada! Retardado! Quem já não passou em sinal vermelho na madrugada? Hipócritas! Querem defender um bêbado que matou uma outra pessoa e infelizmente saiu vivo. Grande merda que ele tem dinheiro, tem que pagar igal a todo mundo e ANDAR igual a todos.

    ResponderExcluir
  163. "Caro anônimo, em primeiro lugar, "150km/h" é um chute, até agora ninguém sabe a que velocidade o cara estava."

    Não...ele estava bem devagar. Arremessou um carro de 2 ton de contra um poste e estava bem devagar. Babaca.

    ResponderExcluir
  164. Se quem gosta de automobilismo no Brasil fosse tratado como merece, teríamos menos pessoas correndo nas ruas.
    Se tivéssemos segurança nas ruas não precisaríamos passar em farol vermelho.

    Enquanto ficamos lendo e assistindo reportagens sensacionalistas, tem gente rindo de nós.

    ResponderExcluir
  165. No acidente em tela há indícios de que outros fatores contribuíram decisivamente para o trágico fim (alta velocidade e consumo de álcool pelo motorista do Porsche), mas parece haver uma banalização dessa atitude perigosa que é avançar o sinal. Quem dirige certamente já notou o risco de colisões que existe pelo avanço indiscriminado de sinal vermelho nas madrugadas. A travessia segura de alguém que avança o sinal vermelho depende da análise prévia de uma série de fatores (velocidade, visibilidade e número de veículos em rota de colisão, condições da pista de rolamento, condições climáticas, condições dos veículos e etc). A visibilidade e a velocidade dos veículos em rota de colisão são os fatores mais críticos e, ao que tudo indica, não foram observados pela motorista vitimada.

    ResponderExcluir
  166. Bem! Vamos partir do ponto de vista em que os dois estão errados, ela por ter passado o sinal vermelho depois de diminuir a velocidade e olhar, ou não. Ele por ter bebido um vinho enquanto jantava, e dirigir acima da velocidade permitida, estndo ou não a 150 KM/h, mais estando acima da velocidade permitida.Fica assim, ela pagou com a vida e obvio não pode relatar sua versão, ele pagou o que foi determinado pela lei.Considerando que os dois estavam errados a conclusão é uma só, o ser humano não está preparado para valorizar a vida,sja a sua vida, ou a da sociedade como um todo.Rico, pobre ou mendigo tem direito à vida.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.