O FERRARI "POPULAR"



A Itália tem imposto maior para carros acima de dois litros, e os fabricantes sempre se aproveitaram disso. Exatamente como a VW no Brasil, por exemplo, com o Gol/Parati Turbo, que aqui muitos acharam "muito caro para um Gol 1-litro", ao invés de pensar "Gol GTI com descontão", que seria o lógico.

Sempre me lembrava do carro acima quando me falavam algo desse tipo. Sim, meninos e meninas, até a Ferrari, quando ainda era um fabricante de automóveis (hoje se convenceu que produz objetos sagrados e intocáveis por ninguém a não ser milionários que não conhecem nada de carro), fez sua versão "Tax-break special".

E que carro... Lançado junto com o mais famoso 308, o 208 GTB/GTS tinha a cilindrada do V8 reduzida para 1991 cm³, por meio de um curso menor, de 71 mm (era 81 mm no 308), taxa de compressão aumentada para 9:1 e, sendo uma versão exclusiva para a Itália, a injeção substituída por um glorioso quarteto de Webers 34 DCNF. Produzia 155 cv a 6.800 rpm.

Mas em meados de 1982 a coisa ficou muito, muito melhor. Aparecia o 208 GTB Turbo. Substituindo os Webers (may them rest in peace) por injeção eletrônica e pendurando um singelo turbocompressor KKK, que soprava 0,6 bar em cilindros com taxa de compressão reduzida para 7:1, a Ferrari conseguiu mais potência que a versão de 3 litros do mesmo carro: 220 cv a 7.000 rpm (215 no 308). E. logicamente, era mais barato na Itália do que o seu irmão “maior”. Aparecia também a característica visual que sempre diferencia os GTB turbinados: a tomada NACA inferior, bem à frente da abertura das rodas traseiras.



Em 1986, a Ferrari reformulava o 308 transformando-o em 328, e as mesmas alterações estéticas eram estendidas para a versão de 2 litros. Agora chamado apenas de GTB ou GTS Turbo, sem a designação 208, ganhava intercooler (da Behr alemã) e mais pressão debitada pelo turbocompressor (agora uma unidade japonesa IHI). Chegava a impressionantes 254 cv a 6.400 rpm e a uma velocidade final de 249 km/h. Foi produzido de 1986 a 1989, junto com o 328.

Até hoje, quando penso qual Ferrari gostaria ter, minha mente vai direto para o 208 GTB Turbo. Para um cara esquisito como eu, nada melhor que um obscuro, raríssimo e desconhecido modelo vendido apenas na Itália, e no meio dos esquisitos anos 80...


MAO

8 comentários :

  1. Paulo Keller12/12/08 13:41

    MAO, o esquisito, não sabia dessa história. Muito boa.
    PK

    ResponderExcluir
  2. O problema desses Turbo antigos é que eles eram muito mal acertados... Esse primeiro modelo, sem intercooler por exemplo... Só tinha os 220hp na primeira acelerada, depois a temperatura da admissão sobe tanto que o carro vai rendendo cada vez menos!

    Gostei da história e do seu texto, mas permita-me discordar... Esse não é um carro que eu teria! Pra ter uma Ferrari que não anda muito (comparada com os tempos modernos) acho que existem outros modelos com mais história e mais "alma"!

    Um abraço,
    Villa

    ResponderExcluir
  3. É a carroceria que também foi usada na poderosa 288 GTO

    ResponderExcluir
  4. Villa

    Como disse, sou meio esquisito mesmo...

    MAO

    ResponderExcluir
  5. Minha Ferrari V8 antiga favorita é a 308GT4, aquela que muitos nem consideram uma Ferrari ("dino")...

    ResponderExcluir
  6. Juliano,

    Não é considerar ou desconsiderar... Dino, tanto a 206/246 como a 308, são uma marca separada.

    É como chamar Chevrolet de Cadillac, VW de Audi, etc...

    Acho engraçadíssimo que é impossível hoje ver uma delas sem cavalinhos aplicados. Se tivesse uma, não se acharia nome Ferrari em lugar algum, como saia de Maranello...

    MAO

    ResponderExcluir
  7. Verdade, é quase impossível achar uma Dino sem o Cavallino à bordo, clandestinamente....

    ResponderExcluir
  8. Eu diria que foi um modelo obscuro e subestimado. Mas desde que conheci um pouco mais sobre mecânica, sonhei em sentir no pé e nas mãos esse pequeno V8 turbinado subindo enlouquecidamente de giros (já que naturalmente, um motor de mesma litragem atingirá maiores giros se tiver mais cilindros, com aumento de potência, à custa de um torque inferior). Nem precisava ser lindo, assim...

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.