JAC J3 2014, O CHINÊS QUE VAI SER BAIANO



O Bob comendo empanadas no Salão do Automóvel de Buenos Aires, o Arnaldo rodando de MINI-Cooper... e o trouxa aqui andando de carro chinês. E dois numa semana só. Além do Chery Tiggo, que já foi postado, encarei os JAC J3 e J3 Turin 2014. E o pior: confesso que gosto de rodar com os “china”. Não vou fazer passeata por causa disso, nem acampar na frente da casa do Bob. Acompanhar a evolução dos chineses é bastante educativo para um tio velho.

A notícia é quase rápida. Os JAC J3 ganharam um face-lift e sedã Turin teve ainda um bunda-lift. Suspensões tiveram novos acertos e o interior ganhou nova decoração e painel mais bonitinho. Mas antes queria contar uma historinha, quase um Flagrante da Vida Real, como na Seleções, do Reader's Digest

Muda a dianteira dos J3 e a traseira do Turin

Um amigo meu jornalista – que inclusive foi dormindo e babando ao meu lado de São Paulo a Joaquim Egídio (SP) na viagem-teste de apresentação dos JAC – estava com um J3 na redação. Depois de alguns dias rodando, achou o carrinho sem graça e fez uma experiência. Pegou um funcionário que tem um Kadett todo fod.... quero dizer, estourado e deixou o J3 com ele num final de semana. Segunda-feira, o rapaz chega empolgado: “Vou vender o lixo do Kadett e comprar um JAC. É maravilhoso” e por aí vai. 

Interior também ficou mais ocidentalizado e harmonioso
Mas, afinal, o que provocou o desbunde do cara com o J3? Respostas: carro silencioso, econômico, cheirinho de novo, pintura brilhando, estável, suspensão encara qualquer buraqueira...Moral da história: para analisar qualquer carro, é melhor saber quem vai comprar. Se você sair de um luxuoso esportivo alemão e entrar no JAC (ou mesmo no Gol, Uno, Onix, HB20...) com certeza vai achar uma mer... quero dizer, uma droga. Um eletrodoméstico sobre rodas. Já se você tem um carrinho velho, carburado, com folgas até nos documentos, qualquer zero-bala é um pedaço do céu. 

Sérgio Habib é um mágico dos automóveis e das estatísticas, ex-Monsieur Citroën, pois trouxe a marca francesa para o Brasil e a transformou em grife de luxo. Um case de marketing maravilhoso: transformar em objeto luxuoso de desejo carros franceses absolutamente normais na própria França. Pois bem, agora Habib virou o Senhor JAC, já que (que trocadalho horroroso!!!) encarou a marca chinesa e começou a trazer filas de navios cheios de carros lá do outro lado da Terra. Levou um breque via 30 pontos porcentuais de IPI adicionais e dólar 25% mais caro e resolveu fazer fábrica na Bahia que, segundo ele, vai de vento em popa. Aliás, vento é o que não falta na Bahia. 

Novas laterais de portas também melhoraram, inclusive com o abuso do “black piano” que surgiu no interior – o velho preto brilhante, que voltou à moda – inclusive onde não deve, caso do suporte dos botões dos vidros elétricos.

O black piano (preto brilhante) está até nas laterais de porta
Sérgio entende e gosta de carros e afirma que, entre os compradores do JAC J3, cerca de 20% jamais tiveram outro carro. Nem um usadinho. É o primeiro carro da vida. Perguntei ao Habib qual a porcentagem de compradores que tem no JAC o primeiro 0-km. Ele diz não ter o número, mas que vai pesquisar. Em minha opinião, mais de 60% dos compradores estão entrando pela primeira vez num carro novo via JAC (aí somados os 20% que andavam de busão). 

Isto explica o JAC ser o “china” mais vendido, mas não é tudo. Sérgio, também proprietário de centenas (isto, mais de 100) revendas de várias marcas, é um cara esperto e entende o consumidor. Tanto que às vezes faz vendas pessoalmente, só para pesquisar o freguês (e também se divertir, ele adora vender). 

Habib escolheu bem. A JAC na China é uma grande indústria. Só que de caminhões e veículos comerciais. A divisão de carros é pequena. Ou seja, em matéria de automóveis, a JAC é bastante maleável por ter menor produção. 

O sedã Turin, assim como o hatch, tem novas rodas 15 pol.
Além disso, trouxe para os carros a resistência e durabilidade dos caminhões, que encaram o batente todo o dia e o dia todo. Faltava o toque de mestre. Os chineses são pouco confiáveis. O que fez o Habib? Tacou seis longos anos de garantia para acabar com a desconfiança. Como curiosidade e fofoca, os três primeiros anos de garantia eram responsabilidade da JAC. Os outros três ficam por conta da importadora brasileira. E já tem J3 chegando aos três anos de vida no Brasil...Com tudo isso, 11 entre 10 jornalistas especializados consideram os JAC os “melhores chineses que chegaram por aqui”. Eu incluído.

São ótimos? Não. Ainda tem o que melhorar e se percebe algumas pisadas de bola bem chinesas. Tem cola escorrendo nas borrachas, a junção de peças plásticas ainda não chegou lá...mas o carrinho agrada mais que os outros Xing Ling. No teste dos J3 hatch e sedã, rodamos mais de 200 km até Joaquim (ou Manoel?) Egídio, próximo de Campinas (SP). Por mero acaso fiz o teste com o carro lotado. Estávamos em quatro jornalistas numa rodinha (falando mal do outros, claro) e ninguém quis se separar para não ser a próxima vítima das fofocas. Entraram os quatro num J3 hatch e ainda por cima tinha um carioca (o “mermão” Tio João Mendes) cheio de malas. E claro, um coleguinha alto e plus size. O único light era o decano Mário Pati, do alto de sua experiência de vida de mais de oito décadas. Resultado: o Jaquinho saiu puxando uns 400/500 kg de sabedoria automobilística e fofoca deslavada. 

Aí gente, “the hole is more down”, vulgo “o buraco é mais embaixo”. Com plena carga, o J3 sentiu o golpe. Concordo parcialmente com o Bob, quando ele diz que suspensões hoje são um “caminhão cheio de chineses”, ou seja, tudo igual. Quanto ao projeto e só! Tanto que no J3, a dianteira é McPherson e a traseira Dual Link (nome comercial, é McPherson também), soluções best sellers. Mas, ajustar carga de molas e amortecedores, materiais e espessura de buchas e outros detalhes continua uma tarefa no melhor estilo briga de cachorro grande. Não é fácil, ainda mais para quem está chegando as nossas ruas “sem igual”, com buracos para todos os gostos e orientações sexuais. E o J3 vem melhorando, tendo recebido na versão 2014 uma nova calibragem de suspensões. Está firme, mas confortável. 

Motor 1,4 (ou 1,3?) tem duplo comando e 108 cv
Existe um “porém”, bem mais percebido com este monte de marmanjos no carrinho: em curvas mais rápidas, a carroceria se desloca lateralmente sobre as rodas de trás, inicialmente dando uma sensação de “saída de traseira”. Não é. Depois que a carroceria encosta, pode acelerar que é só alegria. O carrinho é bom de curva, mas tem uma bunda boba quando está rápido e com bastante carga. Da mesma forma, o motorzinho 1,3 não flex (de 1.332 cm³, que o Habib deu uma de Fiat e batizou de 1,4) passa a trabalhar em regime de potência, com a rotação lá em cima, mais de 3.500 rpm até mesmo para acompanhar o trânsito. 

Com um 16V, o Marketing resolveu ter um bom argumento de vendas e pediu potência. Lá estão 108 bravos cavalos (a 6.000 rpm), um bom rendimento para um 1,3. Só que o torque (de 14,1 m·kgf) só aparece lá em cima, nas 4.500 rpm. E mesmo com comando de admissão variável para ajudar (o motorzinho é DOHC, duplo comando no cabeçote) esta “curva de força” ficou bicuda, pouco plana. Tradução: abaixo das 3.500 rpm, o motor fica no boooo de aspiração e acelera sem a menor disposição. Claro, com o carro cheio. Se você dirigir sozinho vai achar o carrinho bem mais esperto. 

Claro que isto é mais evidente no sedã Turin, que já pesa mais 40 kg (chega aos 1.100 kg) e tem um porta-malas melhor (490 vs. 350 litros) para encher de tranqueiras. Mesmo assim, o J3 é um carrinho honesto e que agrada no dia-a-dia, principalmente em trânsito urbano. E vai agradar mais gente ainda com este face-lift (na dianteira: pára-choque, capô, grade, faróis...) que o deixou, não por acaso, com um jeitinho de Gol quando olhado sem muito atenção. 

A traseira do Turin ganhou novos conjuntos óticos
Traseira do JAC J3 hatch, sem grandes alterações
O novo painel com conta-giros e velocímetro separados é mais harmonioso que o anterior e ainda tem miçangas que deixam o consumidor feliz com tela LCD de dois hodômetros e que indicam porta aberta etc.

Novo quadro de instrumentos é mais agradável e tem tela central LCD com hodômetros e aviso de porta aberta
E assim, tendo engenheiros brazucas na linha de montagem chinesa, o JAC vai se abrasileirando e lança estes novos J3. Que são modelitos tampão: tudo muda no final do próximo ano, quando devem aparecer os primeiros carros sino-baianos do planeta.

JS



FICHA TÉCNICA JAC J3
MODELO
J3
J3 Turin
MOTOR
N° de cilindros/disposição/instalação
4 / em linha / transversal
N° de comandos de válvulas e posição
Dois, no cabeçote, correia dentada, variador de fase na admissão
N° de valvulas por cilindro
4
Diâmetro dos cilindros
75 mm
Curso dos pistões
75,4 mm
Cilindrada
1.332 cm³
Taxa de compressão
10,5:1
Potência máxima
108 cv  a 6.000 rpm
Torque máximo
14,1 m·kgf a 4.500 rpm
Formação de mistura
Injeção eletrônica multiponto no duto
TRANSMISSÃO
Câmbio manual de 5 marchas; tração dianteira
Tipo
Transeixo com câmbio manual de 5 marchas à frente e 1 à ré
Relações das marchas
1ª 3,615:1; 2ª 2,053:1; 3ª 1,393:1; 4ª 1,031:1; 5ª 0,837:1
Relação de diferencial
4,294:1
SUSPENSÃO
Dianteira
Independente, braço transversal, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira
Independente, McPherson, dois braços transversais, um braço longitudinal, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
FREIOS
Dianteiros
A disco ventilado
Traseiros
A tambor
Controle
ABS e EBD
DIREÇÃO
Tipo
Pinhão e cremalheira, assistência hidráulica variável com a rotação do motor
RODAS E PNEUS
Rodas
Alumínio, 5,5Jx15
Pneus
185/60R15H
DIMENSÕES
Comprimento
3.965 m
4.155 mm
Largura
1.650 mm
Altura
1.465 mm
Distância entre eixos
2.400 mm
Peso em ordem de marcha
1.060 kg
1.100 kg
Capacidade do porta-malas
350 L
490 L
Tanque de combustível
48 L
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h
11,7 s
11,9 s
Velocidade máxima
186 km/h
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 5ª
30,7 km/h
Rotação a 120 km/h em 5ª
3.900 rpm
Rotação à velocidade máxima, 5ª
6.060 rpm
GARANTIA E MANUTENÇÃO
Garantia total, sem limite de km
6 anos
Primeira revisão/demais
2.500 km/10.000/1 ano
Troca de óleo
10.000/1 ano




EQUIPAMENTOS JAC J3 E J3 TURIN

Acendedor de cigarros
Ajuste elétrico da altura do facho dos faróis
Ajuste elétrico dos retrovisores externos
Alarme antifurto
Alças de teto (4)
Apoios de cabeça dianteiros com ajuste de altura
Banco traseiro dividido 60/40
Bancos com revestimento de veludo
Chave-canivete com destravamento das portas
Cintos dianteiros com pré-tensionador
Cintos traseiros laterais de 3 pontos
Desembaçador traseiro
Faróis de neblina
Iluminação do porta-malas
Limpador traseiro com temporizador (J3 somente)
Luz traseira de neblina
Luzes de leitura
Luzes de segurança nas portas
Pára-sol com espelho lado passageiro
Porta-revistas no verso dos encostos dos bancos dianteiros
Portas com barras antiinvasivas
Protetor de cárter
Retrovisor interno anti-ofuscante
Terceira luz de freio
Travamento automático das portas ao atingir 15 km/h
Travamento central de portas
Vidros elétricos dianteiros e traseiros

 



79 comentários :

  1. Sino-Baianos é ótimo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yakisoba com Acarajé!
      Mistura nervosa!
      Jorjao

      Excluir
  2. Parabéns Josias, conseguiu fazer um texto interessante sobre um carro que não tem nada a declarar. Li até o fim! Rsrs...

    ResponderExcluir
  3. Rafael Ribeiro26/06/13 12:25

    Josias com humor afiado neste texto, bom para digerir o almoço e saber a quantas anda a evolução dos chinas. Aos pouquinhos vão chegando lá...

    ResponderExcluir
  4. Bunda-lift foi o melhor!

    Gostei muito no novo J3. O interior ficou bem melhor, nem parece o mesmo carro. A frente, que não era feia, ficou legal e a traseira do Turin ficou mais refinada.

    Acho importante destacar algumas melhorias: botão para abrir as travas das portas (antes era só pelo pino), volante com controle do som e que não encobre a chave de seta (antes encobria), função uma varrida e regulagem da velocidade do intermitente no limpador do para-brisa (não tinha), aparelho de som integrado ao painel (antes era um aparelho comum) e cromado fino nos difusores de ar (antes eram grossos e refletiam nos retrovisores).

    Infelizmente não corrigiram o pequeno para-sol, controle elétrico do retrovisor continua inverso (aperta pra cima e ela abaixa, aperta pra baixo e ele sobe), falta de ajuste de altura do banco e dos cintos de segurança e a suspensão muito alta.

    Também não me agrada a troca de óleo a cada 5.000 km ou 6 meses, um incômodo que se não seguido anula a garantia.

    É um carro bem honesto, sem dúvidas uma ótima opção nessa faixa de preço.

    Josias, você verificou se tem computador de bordo? A vendedora me disse que tem, mas ainda não li a respeito em nenhuma reportagem.

    Esse são os vídeos que fiz quando fui conhecer o carro:
    interior: http://www.youtube.com/watch?v=xWdAJqlkD-Y
    exterior: http://www.youtube.com/watch?v=o8lGWEY_LuI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os JAC também estão nessa aporrinhação de revisão a cada 6 meses, é? Este foi um dos motivos pelos quais não comprei um Fiesta Rocam, ficando com o Renault (Dacia, como preferem alguns) Logan. Com o qual estou satisfeitíssimo, por sinal.

      Excluir
    2. Felipe, a GM também recomenda aos seus VHC-E troca a cada 5.000 km ou 6 meses em condições severas (trãnsito ,carro parado, etc). Ou seja, sempre.

      Excluir
    3. Felipe.
      Pelo que percebi o "computador de bordo" parece mas não é. A telinha com fundo azul funciona só como odometro (total e parcial) e alarme de porta aberta.

      Excluir
    4. No texto está escrito que a troca de óleo é a cada 10 mil/ 1 ano, mudaram o prazo?

      Excluir
    5. Felipe, eles mudaram isso faz algum tempo, passando pro "normal" 10000 Km de prazo.

      Eu até preferia os 5000, pra uso predominantemente urbano.

      Excluir
    6. Os chevrolets tem revisões de troca de oleo a cada 5000 km. Uma aporrinhação sem fim, pois os atendentes das css ficam ligando para sua casa a cada 3 meses para fazer a "revisão", mesmo vc tendo vendido o carro há mais de ano ou informando que não irá fazer a troca de oleo na css.
      Quanto a JAC, faltou ao Habib mais tato, se ele colocasse o preço mais para baixo, tipo uns 32 mil no hatch, venderia bem mais e compensaria no volume. Neste valor, fica dificil recomendar a JAC, pois temos outras opções de marca de renome.

      Excluir
    7. Josias, parece que fui "enganado"...

      Evandro, mudaram mesmo? Pelo que sei, as revisões são a cada 10.000 km, mas as trocas de óleo são a cada 5.000 km. Infelizmente no site não tem essa informação do óleo, apenas das revisões. Inclusive, no site, informa que a primeira é nos 3.000 km e não nos 2.500 km.

      Outra melhoria que lembrei é a regulagem de intensidade da luz do painel.

      Excluir
    8. "Neste valor, fica dificil recomendar a JAC, pois temos outras opções de marca de renome."
      É aí que o responsável pelo marketing faz valer seu salário.

      Excluir
    9. Outro detalhe que não achei legal é o limpador traseiro, que parece que parou pelo caminho. Se eu tivesse um, consertaria isso...

      Excluir
    10. Felipe, mudou sim:

      http://carplace.virgula.uol.com.br/jac-motors-muda-plano-e-amplia-os-intervalos-de-revisao/

      Bem lembrado da regulagem de intensidade do painel e também do limpador traseiro.

      Excluir
    11. Boa noite Felipe,desde o final de 2012 as revisões da JAC passaram a ser a cada 10.000 km.Comprei o j3 2014,estou indo pro terceiro e nunca tive nenhum problema,rodei mais de 70.000 km com os dois primeiros,carro econômico,seguro barato e aguenta bem os buracos de São Paulo.

      Excluir
  5. Gostei! Ainda tenho um pé atrás com os chineses mas a JAC tá realmente querendo dar certo aqui, muito bom!

    Só pra não passar em branco, as lanternas traseira do J3 Turin ficaram meio feias, sem harmonia. Mas, pra mim, quando o problema mais notável de um carro é uma questão de gosto pessoa, significa que o carro só pode ser bom como um todo.

    ResponderExcluir
  6. Haha "the hole is more down" foi ótima...

    ResponderExcluir
  7. Dizem que a melhor "marca" de carro é o "carro novo". Nem que seja um china, he, he! E Josias: muita gente aqui não deve fazer a menor idéia do que seja um "Flagrante da Vida Real" ou um "Meu Tipo Inesquecível" de Seleções do Reader's Digest, he, he, he! As mais antigas que tenho (orgulhosamente em perfeito estado) são de 1942. São verdadeiras aulas de história, retratos de uma época. Não vendo, não dou, não troco, não alugo, e não empresto.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A revista Seleções realmente é uma ótima leitura. Li muitas na minha infância e ainda hoje, quando tenho a oportunidade, leio. Para mim, que sou militar, a seção "Piadas da Caserna" é a melhor, dou muitas gargalhadas com os "causos".

      Excluir
  8. "...com folgas até nos documentos..."

    Ri muito com essa parte... kkkkkkkkk

    Pelo menos a parte da "resistência e durabilidade dos caminhões", é verdade. O estado de conservação do J3, que participou do teste de longa duração da QR, era ótimo.

    Eu gostei muito deste novo painel. Até que enfim, criaram vergonha na cara...

    Josias, parabéns pelo texto. Muito divertido!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  9. na real, acho que no hatch podiam ao menos ter acertado aquele limpador de pára-brisa que fica pelo caminho, tipo brasília velha..

    ResponderExcluir
  10. Muito bom o teste, o ritmo divertido emprestou ainda mais simpatia ao esforçado carrinho chinês.

    É um produto a ser visto com bons olhos esse Jac, no primeiro que eu dirigi, já tinha algumas qualidades bem interessantes.

    MFF

    ResponderExcluir
  11. SergioCjr.26/06/13 13:33

    Não sei como ainda não desceram a lenha nos 'milhas' acesos somente com a lanterna...

    Belos texto Josias, informativo e, ao mesmo tempo, bem humorado, como sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SergioCjr.
      Tudo porque tem gente que acha que o carro fica lindão com os "milhas" acesos!

      Excluir
    2. Anônimo26/06/13 15:29, aposto que roda com a luz de neblina traseira acesa também. Coisa de idiota que não sabe dirigir andar com faróis de NEBLINA 24h por dia. Isso pra não usar outros termos mais corretos. Lamentável.

      Excluir
    3. Eu acho bonito. Não rodo assim de noite, evidentemente, mas acho bonito. Qual o problema?

      Excluir
    4. Nelson27/06/13 00:56 Eu também acho bonito,talvez até o Bob não sei, o problema e que atrapalha,assim como também tem gente que acha bonito película escura,eu não gosto , o problema é que estas coisas atrapalham no exercício da direção defensiva.

      Excluir
  12. Ótima avaliação, Josias.

    E bem lembrado: o ponto de vista da avaliação deve estar o mais próximo possível de quem vai comprar.

    ResponderExcluir
  13. "Inspire-se na VW!"

    Foi o que o CEO pediu ao pessoal do design.
    O que não necessariamente é ruim.

    ResponderExcluir
  14. Bob, o de Petrópolis26/06/13 13:50

    Josias,

    Será que a suspensão não foi levantada (demais na minha opinião) para a buraqueira do Brasil? Percebo que as linhas do carro iam ficar muito mais agradáveis com uma altura de solo menor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bob de Petrópolis.
      Concordo com vc. O carrinho ficaria mais simpatico um pouco mais baixo. Mas, como o Brasil tem as ruas e estradas que a gente conheçe, os chineses resolveram não dar moleza para os buracos.

      Excluir
  15. Que bacana o bom e velho humor do Josias!

    Lembro de um texto da revista Oficina Mecânica, em que o Josias pegou um taxi no calor do trânsito do Rio de Janeiro, um Fusquinha cujo motor já estava abrindo o bico. Quando ouviu que "está rodado o motor da Fusqueta", o motorista respondeu: "aí merrrrrmão, o reloginho aí atrás vai até os 300 mil km numa boa"!

    O Mario Pati é aquele que corria de Super Vê nos anos 70?

    Em relação ao carro, vamos ver em que preço ele vai realmente chegar ao consumidor quando for produzido aqui. Devemos pensar racionalmente, mas esquecemos que o consumidor tem direito a suas escolhas, inclusive escolhas "preconceituosas". Pelo mesmo preço e oferecendo exatamente as mesmas coisas (em termos de projeto, qualidade construtiva, equipamentos, manutenção, etc), eu mesmo optaria pelos GM, VW, Fiat, etc, que estão há tantos anos entre nós, e que permeavam nossos desejos e opções de consumo há décadas, do que os chineses sem "Pedigree" (acho que o MAO também concorda). Questão de gosto. Por isso acho que os chineses deverão oferecer mais por menos. É aguardar pra ver. Principalmente no quesito manutenção, é difícil brigar com carros com eixo de torção na traseira, motor monocomando, e tudo de mais simples que o mercado atual oferece.

    Esse perfil do consumidor lembra o de alguns proprietários dos carros "populares" nos anos 90: alguns eram marinheiros de primeira viagem, outros eram donos de surrados Corcéis, Fuscas, Brasílias, Chevettes, Polaras e Variants dos anos 70. E ao andarem em carros novinhos, silenciosos, cheirinho de novo, sem folgas de suspensão, painel, portas, e afins, eram tomados por uma sensação de qualidade que dava total satisfação.
    Valeu Josias!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodrigo.
      O Pati é o próprio e, se não me engano, nos anos 1970 chegou a correr ao lado com o filho, o Keko Pati.
      Ele continua firme e um bom amigo.

      Excluir
  16. Ainda não andei nele, mas gostei bastante da evolução interna do J3.

    Muito bom seu texto, Josias, o amigo esqueceu de citar que agora o condicionador de ar tem controle digital e tem um pequeno erro aqui:

    Ajusta*** elétrico da altura do facho dos faróis

    Ademais, tem alguns pontos que dificultam a maior aceitação do J3.

    1- O consumo aferido pelo INMETRO não foi tão baixo quanto alguns proprietários relatam, é problema da norma ?
    2- O preço está um pouco alto, tem carros de segmentos superiores (Fiesta novo) por pouco dinheiro a mais.
    3- O famigerado resultado no LatinNCAP, que pelo que li e ouvi do vendedor, se melhorar, vai ser pouca coisa, principalmente devido ao painel, mas tenho minhas dúvidas.

    Mas, cada um escolhe o carro de acordo com seus critérios. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Evandro, o ar condicionado não é digital não. Pelo menos no modelo que eu vi não era.

      Excluir
    2. 1- Repreendam-me se eu estiver enganado, mas salvo disposição em contrário, o padrão de medição de consumo proposto pela norma jamais reproduzirá as verdadeiras situações em que o veículo é utilizado por um motorista comum.
      Os testes para atender à normativa são realizados com um veículo novo, com velas, filtros e pneus novos (e calibrados), em asfalto liso, plano e localizado em região com pressão atmosfera alta e constante; o veículo (vazio) é abastecido com combustível cuja qualidade foi aferida em laboratório. O Brasil é um país continental e o relevo, as condições do piso, as pressões e qualidade do combustível são variáveis a considerar.
      Transfira-se tudo isso para as reais condições de uso e o consumo sempre muda para pior.

      Excluir
    3. Felipe, tens razão, eu tinha visto ali algum mostrador de temperatura, mas devo ter confundido com outro carro, obrigado pelo alerta.

      CSS, bem lembrado !
      Mas já vi gente relatando consumo de 17 Km/L (rodoviário) com um J3 e pela norma ele ficou bem abaixo disso.
      Achei que a norma teria pelo menos alguma situação de subida e descida, anda e pára de trânsito urbano.

      Excluir
    4. Evandro.
      O ar condicionado não é digital. Qto ao consumo, o padrão hoje utizado exige um fator de correçao que, na minha opinião, deforma e aumenta o consumo real. Qq motorista cuidadoso consegue consumir menos que o divulgado pelo fabricante ou importador.

      Excluir
  17. O carro parece ser agradável ,como você mesmo disse lembra muito os VW,as rodas podiam ser aro 14 mesmo, e por favor, tirem essa capa de motor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Speedster.
      Esta capa do motor, além do efeito estético, serve para diminuir ruídos, principalmente da parte superior, do cabeçote, comando etc. Ela pode ser retirada, mas o motor será mais ouvido no interior do carro, assim como deve aumentar um pouco a temperatura do capo.

      Excluir
    2. Josias Silveira26/06/13 23:06 Eu não ligo se for um leve ruido a 3500 rpm,abraço.

      Excluir
    3. Você vai andar no carro em cima do motor, para se incomodar tanto com essa capa?

      Excluir
  18. Evandro,
    Acertado o 'ajusta', obrigado.

    ResponderExcluir
  19. Tchê! Até ia me arrisacar a comentar mas, como meu comentário no post sobre o Tiggo parece ter sido censurado ( E olha que me considero um gentleman se comparado a outros "absolvidos"! ) vou deixar assim... De qualquer forma o texto é bem delicioso de se ler, com algumas "brandas" ironias referente ao produto. Decididamente "chinos" não são minha praia e com preços raspando a tradição, nem se fala!

    ResponderExcluir
  20. Tenho um J3 com aprox 40.000km
    + BOM
    consumo
    motor girador e valente para a cilindrada
    engates cambio
    atendimento pos venda
    seguro barato
    - RUIM
    qualidade acabamento
    bancos ruins (tecido e firmeza)
    qualidade de pecas em geral (chiado de correia , bomba de oleo apresentou vazamento)
    estabilidade (carroceria rola demais nas curvas)
    COMPRARIA OUTRO?
    Nao compraria.
    Atualmente os nacionais (em funcao da concorrencia) estao bem equipados ABS e AirBag. Iria de Gol, Fiesta ou HB20

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo26/06/13 15:25 Chiado na correia o meu também faz e olha que a correia é quase nova e é continental(Pirelli).

      Excluir
    2. Geralmente, chiado na correia é causado por outros fatores, como tensionamento, alinhamento, problemas nas polias, etc. Mesmo as correias baratas chinesas não costumam fazer barulho quando corretamente aplicadas.

      Excluir
    3. Anônimo27/06/13 12:42 Chiado na correia pode ser também causado pela variação da temperatura .

      Excluir
  21. Texto divertido de ler. Quanto ao J3 face-lift, poderiam ter diminuído a altura da suspensão e eliminar o aspecto "garça" - expressão que aprendi aqui no AE e gostei! Painel novo e luzes espias espalhadas por todos os lugares (velocímetro, tacômetro) quando podiam estar organizadas ao redor da tela central. E o J3S deixa de existir? Por que não apresentaram esta versão com o face-lift?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HM.
      Por enquanto a JAC nada falou sobre o J3S. Mas me parece óbvio que ele passe pelas mesmas mudanças estéticas.

      Excluir
    2. Josias, passados mais de 6 meses ainda não vi nem ouvi nada a respeito do J3S. Alguma novidade (seja de evolução seja de morte) do referido modelo??? Grato!

      Excluir
  22. Haviam duas coisas que na minha opinião não tornavam o J3 ótimo: acerto de suspensão e painel. Com ambos resolvidos, agora bem provável que ele não deva em mais nada e comparação a outros carros do mesmo segmento.

    Quanto ao novo design realmente tem um ar de VW no veículo, o que não necessariamente é algo ruim, pois a dianteira não perdeu sua identidade e o painel é bem parecido com o wolfsburg, com grafia ótima por sinal.

    Por não ser marca tradicional concordo que espera-se um preço inferior o da concorência, porém ainda insisto na opinião de que boa parte do público que não compra é pelo simples fato de sequer conhecer ou ir atrás de informações do veículo. Entendo que cada consumidor pode ou não ter preferência por marca X ou Y, porém o que na minha opinião não pode ocorrer (principalmente com aquela pessoa dita que gosta de carros) é torcer o nariz para uma marca nova apenas pelo fato dela ser nova.

    Agora só resta é alterar o painel do J2 para o mesmo padrão e relançar o J3 sport com uma suspensão com um acerto ainda melhor de asfalto que a versão normal(o que incluiria mudar a altura do veículo em relação ao solo).

    Mendes

    ResponderExcluir
  23. O carro parece interessante até.
    Duro é que vem com suspensão de big foot americano. Muito vão entre caixa de rodas e pneu é estranho. Fica parecendo brinquedo...

    ResponderExcluir
  24. Gostaria de aproveitar a oportunidade e tirar uma dúvida:

    Atualmente, dos carros fabricados no Brasil existe algum modelo que adota aquele pistão cabeçudo (dome) para rodar com álcool?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Utilizaram no Clio 2013 para passar a taxa de 10:1 para 12:1

      Excluir
    2. Camarada, obrigado pela resposta. Encontrei uma foto interessante sobre esse motor.

      http://lh6.ggpht.com/-0MRRRlGN1E8/UKZXqvldgLI/AAAAAAAAS_c/AX3FcRDaZ_Y/s1600-h/NovoMotor10Clio043%25255B4%25255D.jpg

      Excluir
  25. Folga até no documento foi demais! Me lembrou da Kombi véia que eu tinha ( a Diesel ainda por cima!). Ótimo texto, mostrando que também dá pra informar bem de maneira mais leve e agradável.
    Klaus

    ResponderExcluir
  26. Josias,
    Seus textos são impagáveis, mas este sobre os novos J3, ficou muito divertido! Poderiam ter aproveitado o modelo 2014 para rebaixar um pouco as suspensões. Com certeza a bunda ficaria menos solta com carga total. E esse black piano é totamente desnecessário, ficou bem estranho em um automóvel desse porte...

    ResponderExcluir
  27. Ótimo texto, informativo e divertido. Não acho o J3 um primor, mas seu visual é bem acertado. Agora a velha pergunta: Compraria um usado?! Claro que não! Um novo? Se fosse mais barato, talvez.
    PS: Impressão minha ou o MAO tá sumido?!
    Parabéns pelo Blog!!

    Daniel Libardi

    ResponderExcluir
  28. o que aconteceu com o J3 Sport, que foi pro congelador com 4 meses de vida?

    ResponderExcluir
  29. Esse carrinho é interessante. Sem a menor dúvida!

    Mas porque os taxistas não o empregam para rodar na praça? Isso que me deixa cabreiro!

    O J5 continua igual?
    Tallwang

    ResponderExcluir
  30. Roberto Neves27/06/13 07:40

    Achei o texto deveras desrespeitoso com a marca JAC Motors... Se o autor falasse mais sobre o carro avaliado em vez de ficar tentando ser engraçadinho, o texto seria melhor. E até me surpreendeu, pois é neste blog que eu li que todas as marcas merecem respeito, infelizmente, não foi o que eu vi nesse texto. Os testes realizados pelo Bob Sharp e Arnaldo Keller estão a anos luz de qualidade superior se comparado a esse...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desrespeito é diferente de frescura. Desrespeito é o que boa parte da mídia faz com os chineses ao induzir o leitor/consumidor a manter um pé atrás sem qualquer respaldo técnico para tal. Frescura é achar que não cabe qualquer senso de humor em um texto sobre um carro que, de outra forma, não federia nem cheiraria para 95% do público.
      Todas as qualidades do carro foram analizadas de forma objetiva e clara, mesmo que permeadas pelo estilo do escritor.

      Excluir
  31. "Bunda-lift"
    Você é doido(bom doido,veja bem)e engraçado he he...

    ResponderExcluir
  32. Roberto,
    Como editor-chefe, todos os textos passam por mim antes da publicação e, francamente, não vi desrespeito do Josias com a marca. É o estilo dele de escrever, mas com amplo conhecimento do assunto, que aprecio. Mas fica a sua opinião, alvo de nossa consideração.

    ResponderExcluir
  33. Eu adoro o estilo de escrita do Josias, parabéns mais uma vez, como um amigo aí de cima dos comentários disse, conseguiu trazer atenção para um carro completamente comum, me fazendo ler o texto com gosto!

    ResponderExcluir
  34. Texto divertidíssimo, parabéns!

    ResponderExcluir
  35. Tive uma boa impressão do J3 em que fiz um test-drive uma vez. A vendedora me disse que na fase de tropicalização foram entregues algumas unidades para taxistas, que andaram 300 mil kms, procede isso? Concordo que dos chineses é o melhor. Eles aprendem rápido, e serão como os coreanos em alguns anos.

    Mauro

    ResponderExcluir
  36. KKKKKKKKKKKKK Rí muito com o bunda-lift.

    ResponderExcluir
  37. Interessante algo que foi dito, o qual corroboro. As duas únicas pessoas que conheço que tem o J3 e gostam, uma foi o primeiro carro, a outra saiu de um surrado Escort MKIV.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, já tive BMW e MERCEDES 0KM,e gosto do J3. Aguenta a buraqueira de São Paulo com muito mais conforto que gol e palio, e por muito menos.Seguro R$1.100,00, 12km/L na cidade e 16km/L na estrada.Melhor que pagar mais de R$3.000,00 de seguro no gol pelado,e ainda ser tratado como lixo nas css.
















      Excluir
  38. Excelentes considerações!!

    De forma divertida mostrou que eles estão correndo atrás de melhorias e se já tinham mercado garantido, estão subindo o nível para torná-la mais competitiva. Se pessoalmente hoje não compraria, por outro lado o nível está melhorando para que muita gente já compre. Lá pelos anos 90, é provável que muita gente não compraria um Hyundai ou Nissan, já hoje...

    ResponderExcluir
  39. Josias e Bob,

    As relações de transmissão sofreram alteração? Não sei se são as mesmas, pois não conheço as relações do J3 Antigo.

    ResponderExcluir
  40. Para mim, o principal problema do carro é que falta engenharia na sua estrutura -- ou pontos de solda, materiais de qualidade, como quiser -, resultando no pior resultado do Latin Ncap. Como não mencionar no texto que, ao se acidentar neste veiculo - o que muitas vezes nem depende de você -, suas chances de morrer são maiores? Cadê a imparcialidade? Não acha a segurança estrutural dos veículos importantes? Esse é um site especializado ou um balcão de comércio?

    ResponderExcluir
  41. Giuliano Viana
    O AUTOentusiastas não comunga a neurose que tomou conta do mundo na questão do marketing de "segurança". Vá ler sobre isso na blogosfera, não falta quem fale disso, pois aqui esse assunto não é considerado. Automóvel não foi feito para bater e ponto final. A segurança é a da peça que fica entre o banco e volante.

    ResponderExcluir
  42. Olá me chamo Leandro, estou a procura de um sedan 0km, entre Etios XS sedan e J3 turin qual será que seria melhor custox beneficio?

    ResponderExcluir
  43. Bob, a sua resposta é muito simplista, não? "Neurose"??? Nossa, quanto exagero!!! O blog não precisa endeusar as "sopas de letrinhas" e achar que se o carro não for "tipo assim" um "volvo" não presta, mas deveria considerar a opinião de um leitor, e de muitos leitores que se interessam por segurança passiva. "A segurança é a da peça que fica entre o banco e volante"? Ok, então todo acidente é culpa exclusiva sua, que não conseguiu evitá-lo? Que não conseguiu desviar do cara que invadiu a contramão e veio na sua direção? Não é bem assim, nem tanto ao céu nem tanto à terra! "Automóvel não foi feito para bater e ponto final"? Me desculpe, Bob, mas você, como editor-chefe, deveria levar em consideração o que parte dos leitores pensa a respeito do assunto, e não agir como o "Caloca", o dono da bola, que dita as regras do jogo.
    Fernando

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.