COMO NASCERAM OS FLECHAS DE PRATA



Hitler era vagabundo, mentiroso e metido a sabichão. Achava-se o iluminado e distribuía ordens a torto e a direito como se infalível fosse. Sua única genialidade se restringia à capacidade de sua oratória inflamar de raiva um povo sofrido e humilhado pela derrota na Primeira Guerra Mundial. Para sorte dele e azar do mundo ele não era chegado à cachaça e sua ambição não era só a pequenez de enriquecer. Muitos acham que a Alemanha nazista fez o estrago que fez devido à genialidade estratégica do seu Führer; já eu acho que se ele não se metesse tanto a dar ordens diretas no comando da guerra, seus competentes generais teriam dado bem mais trabalho aos Aliados.

As boas idéias ele tomava para si e o que acontecia de errado ele alegava que desconhecia e se dizia traído. Algumas idéias ele realizou e muitas outras ficaram só na conversa, porém todas, no fundo, objetivavam um aparelhamento para a sua almejada guerra. Vejamos algumas das que realizou e que influenciaram o mundo dos automóveis.

As Autobahnen: fantásticas estradas ainda hoje modernas. Projetos impecáveis que permitem altas velocidades. A feitura de sua malha objetivava a rápida distribuição de tropas aos quatro cantos do país, mas isso o alto comando não falava e ia engrupindo o povo – que com sacrifício as construía – com imagens de famílias felizes viajando despreocupadamente de carro para alegres piqueniques no campo.

Turminha da pesada
O Fusca: automóvel barato, simples e super-resistente. Ser refrigerado a ar lhe permitia dormir ao relento, mesmo no rigoroso inverno alemão, cujo frio é tão intenso que congelava a água do sistema de refrigeração dos outros motores e estourava mangueiras etc – naquele tempo os alemães não tinham líquidos anti-congelantes; os russos foram os primeiros a tê-los. Basta ver uma foto do Kübelwagen, o jipe de guerra alemão baseado no Fusca, para concluir que essa versão de guerra também constava da encomenda do projeto. Com esse propósito, o Fusca não era monobloco, tinha chassi e carroceria separados.

Kübelwagen
Pelo Tratado de Versalhes – tratado de paz da Primeira Guerra Mundial, assinado pela Alemanha ao se render incondicionalmente; portanto, tendo que aceitar tudo o que os vencedores exigiam – a Alemanha ficara impedida de fabricar itens de guerra, incluindo aí os aviões.

Mas o Hitler não estava nem aí com o tratado e tratava mais é de burlá-lo de todas as maneiras possíveis. Se ele não podia fabricar aviões, que ao menos desenvolvesse motores que num vapt-vupt se prestassem a equipá-los.

Por acaso alguém aqui acha que o Hitler gostava de carro de corrida?
A grande sacada foi dar uma tremenda verba à Mercedes para que esta construísse carros de corrida que competissem na categoria de máxima tecnologia da época, os carros de Grand Prix, a Fórmula 1 de então. A Auto Union – união de quatro outros fabricantes alemães – usando da influência e contatos de um ás do volante alemão, o piloto Hans Stuck, e do prestígio do engenheiro e professor Ferdinand Porsche, o pai do Fusca, conseguiu que essa verba fosse aumentada e dividida também com eles, alegando que se a Alemanha tivesse duas equipes o desenvolvimento dos carros seria ainda maior, já que criaria uma disputa entre ambas. E a Auto Union estava certa, pois dessa rivalidade nasceram os tais Flechas de Prata, os carros Grand Prix alemães que arrasaram os concorrentes e dominaram totalmente a categoria na segunda metade da década de 1930.

Notar a suástica abaixo do piloto
Hoje em dia já me parece que não é tão importante, mas naquela época a principal estratégia da caça aérea era voar acima do avião oponente.  Quem estivesse acima enxergaria o inimigo com antecedência e também teria a vantagem do pique sobre o outro. Tal qual ave de rapina, despencaria em alta velocidade com implacabilidade sobre o rival. O negócio, então, era subir o mais possível, mas o caro leitor autoentusiasta sabe bem que o motor não comprimido vai perdendo potência à medida que sobe (cerca de 1% a cada 100 metros). A saída era o motor comprimido, que mantém, ou melhor, sendo rigoroso, perde bem menos potência ao subir às alturas.

O alto comando do Hitler disso também sabia, e não é coincidência que todos os Flechas de Prata de ambos construtores eram equipados com motores comprimidos. Foi estourar a guerra para que essa tecnologia toda fosse imediatamente transferida aos aviões.

Naquela época, década de 1930, o Duda Mendonça ainda não havia nascido, mas a propaganda enroladora dos tontos já andava de vento em popa com o nervosinho do Joseph Goebbels, por muitos considerado o pai da propaganda de massa (olha só o “pai” que foram arranjar).

Motor de um Auto Union V-16 com compressor
A propaganda juntou as Autobahnen e esses carros, e isso gerou uma tremenda seqüência de quebras de recordes de velocidade em estradas. Vale dizer que havia dois tipos de recordes, os em estrada e os fora delas. Até 1935 as maiores velocidades vinham sendo atingidas na praia americana de Daytona. A partir de 1935 passaram para o deserto de sal de Bonneville, em Utah, que oferecia melhores condições. Os recordes batidos em Bonneville eram dominados pelos ingleses, George Eyston e John Cobb, que vinham usando imensos motores aeronáuticos. Já os recordes em estrada ficaram para os alemães nas Autobahnen, e isso virou mania nacional. Todos os anos havia a semana dos recordes, quando fechavam trecho da Autobahn Frankfurt–Darmstadt, com mais de 13 quilômetros de reta sumindo no horizonte. Sua altitude pouco importava, já que os motores eram comprimidos.

Notar que os recordes na placa à nossa esquerda foram tomados com o carro partindo parado
Pilotos alemães de Grand Prix, como Rudolf Caracciola (Mercedes) e Bernd Rosemeyer (Auto Union, e que inclusive morreu numa dessas tentativas), eram os astros; e eles foram pilotos fantásticos, mesmo, já que os Flechas de Prata de Grand Prix chegaram a potências superiores a 600 cv e pesavam abaixo de 750 kg (peso máximo da categoria, naquele período). Passavam dos 300 km/h em autódromos como o de Avus (Berlim).

Autp Union em Avus
Há muito o que ser contado sobre os carros de competição dessa época, e espero ir contando pouco a pouco alguma coisa interessante ao estimado leitor. Este post aqui foi mais para dar uma olhada na situação, para que se possa compreender o que gerou tudo isso; e também para alertar que, se você não deseja ser enganado para servir o mal, desconfie dos que lhe falam o que deseja ouvir.
  
Bernd Rosemeyer e seu exclusivo Horch (uma das fábricas componentes da Auto Union)
AK



72 comentários :

  1. Muito bom Arnaldo, esse assunto é muito interessante, e mostra bem o que faz o domínio de um partido de descabeçados a uma Nação.
    Para ilustrar, lembremos do KdF, o sindicato criado para iludir o povo e permitir o controle total da Alemanha pelos malditos nazistas.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Kraft_durch_Freude
    Uma pena que os brasileiros não se interessem por história, e não saibam traçar paralelos e detectar similaridades perigosas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Partido de descabeçados feito para iludir o povo, parece que estou me lembrando de algo... Opa! peraí.

      Excluir
    2. Lembrando de algo, ou de várias coisas? Logo começa a batalha política aqui no blog, mas não se pode esquecer que de todos os partidos e regimes de governo que passaram por esta terra maravilhosa desde o descobrimento, nenhum prestou, devemos ser amaldiçoados mesmo. Ficamos discutindo e brigando por determinado partido enquanto eles nos...Opá! deixa pra lá também.

      Excluir
    3. Pensei que isso era coisa só do PT !
      Jorjao

      Excluir
    4. Ainda acho que político nenhum serve para nada. Ou por outra, serve, para atrapalhar a vida da maioria da população em troca do benefício de uma meia dúzia. Como a maioria fuma, e a nicotina é um inseticida poderoso, nem para alimentar vermes depois de mortos essa estirpe presta.
      Mas, digamos a verdade, dentro de seu contexto, Hitler não era nem o monstro, nem o idiota que pintamos hoje. Se seu programa de eugenia causou espanto nos EUA nos anos 30 foi mais pela eficiência que pela crueldade, já que a "classe" WASP americana também tinha defensores de táticas para "livrar-se" de negros e latinos. E devemos lembrar que convencer um alemão a fazer algo que ele não queira, ou deixar a sociedade alemã totalmente ignorante de atrocidades daquela magnitude seria impossível. Os alemães, em geral, entraram na guerra achando que iriam ganhar rapidamente. Se seu lider não tivesse resolvido de despirocar de vez justo nessa época, hoje os livros de história estariam lotados de atrocidades que os ingleses da época cometiam e Churchill seria lembrado como um piadista boêmio que tentou comandar um país em crise durante sua derrocada...

      Excluir
  2. Ótimo texto como sempre Arnaldo!! E tenho que concordar com o Juvenal também.

    ResponderExcluir
  3. Show Arnaldo. Deixando de lado os devaneios dessa turma maluca, é uma época riquíssima pra quem gosta de automóvel. Em relação às Autobahnen, elas foram projetadas para suportar o peso dos tanques e caminhões, outro motivo para que sejam tão bem construídas e duradouras. Avus merece um post à parte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João, essa do reforço para que aguentassem tanques, etc, eu não sabia. Tem tudo a ver mesmo. Obrigado.

      Excluir
  4. Autoentusiastas da semente ruim .

    ResponderExcluir
  5. Aula de história: a gente vê por aqui!!!!

    ResponderExcluir
  6. Desconfiar dos que lhe falam aquilo que se deseja ouvir que é complicado. Assim como o povo alemão na época, muitos só querem saber de algo que possa melhorar um pouco a vida, ficando cego em relação à verdade. E isso, como tantas vezes já provou a história, é um ótimo caminho para consequências desastrosas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se o povo alemão, um dos mais cultos e instruídos da época, foi engano daquela forma e levado a fazer o que fez, imagina então um povo bem menos culto, que está entre os que menos leem atualmente...

      Excluir
  7. Excelente post. A passagem "Para sorte dele e azar do mundo ele não era chegado à cachaça e sua ambição não era só a pequenez de enriquecer" lembrou-me outro maluco que garganteia pela terra brasilis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehe, muito boa a "sutileza" do Arnaldo Keller.

      Excluir
    2. A diferença é que o estabelecido em terra brasilis, gosta e muito de cachaça e outras cositas mais!

      Excluir
    3. Ué, o nosso maluco também tem sempre "uma boa idéia".

      Excluir
  8. O rally da Alemanha é inclusive disputado no asfalto construído para o cruzamento dos antigos tanques do exército nazista.

    Hitler não era tão vagabundo, chegou ao poder na ordem de quatro a cinco discursos políticos por dia, era exaustivo, mas como todo bom lunático, ele acreditava estar sob inspiração divina para liderar a Alemanha...um predestinado.

    Ele também tinha vasta curiosidade científica e mecânica, muitas vezes surpreendendo os cientistas que desenvolviam novos armamentos, sabendo e aconselhando detalhes importantes (mas...atrasando tantos outros, como a conversão do caça à jato 262 para bombardeio).

    Mas enfim, de fato se ele tivesse ouvido os generais que o seguiam e veneravam (não todos, vide "a Raposa do Deserto") como a um ser divino, a guerra seria mais encardida ou acabaria antes, sem a destruição total da Alemanha ....capitulação do comando militar.

    Ótima introdução amigo AK!

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MFF,

      Não tão vagabundo quanto os exemplos que temos tido em nosso mundo político. OK. Mas era, sim, um tremendo vagabundo. Antes de descobrir seu dom de oratória vivia em plena vagabundagem, torrou a herança do pai e vivia à míngua às custas do trabalho de um judeu que vendia seus quadrinhos toscos de cartão postal. Depois, em plena guerra, o pau comendo, ele ficava a maior parte do tempo no Ninho da Águia acordando ao meio-dia e almoçando e saindo para passeios a pé. Trabalhava um bocadinho e logo jantar e cinema, para depois ficar falando por horas madrugada adentro, falando de si, claro, e de seus planos mirabolantes. Esses acessos de trabalho que vc falou, logo passavam. Quanto às dicas científicas e surpreendentes, isso é resquício da propaganda que o endeusava. Ele era um tosco pérfido e nada mais.

      Excluir
    2. Tem razão, AK. Mas era um excelente estilista, se for verdade que ele mesmo desenhara os uniformes da SS. Sem dúvida os mais belos uniformes da época.

      Excluir
    3. Antônio martins06/06/13 16:00

      Pela sua resposta, nosso penúltimo presidente também teria o mesmo perfil.

      Excluir
    4. De fato Ak!

      O "primeiro soldado do Reich", entregou as últimas defesas de Berlim para crianças.

      MFF

      Excluir
    5. Caro Anônimo,

      Quem desenhou os uniformes da SS foi Hugo Boss.

      Att.,

      Ives

      Excluir
    6. Quem desenhou o uniforme da SS foi Hugo Boss.

      Excluir
    7. "Mas era um excelente estilista, se for verdade que ele mesmo desenhara os uniformes da SS"

      Salvo engano é obra de Hugo Boss.

      Excluir
    8. Esse negócio do cara que fica falando de si me fez lembrar duma piada.
      Depois de horas falando de si para um coitado de um ouvinte, o falante para e diz: Olha, passei um tempão falando de mim e agora é a sua vez. Fala um pouco de mim aí...
      haha!

      Excluir
    9. Lorenzo Frigerio06/06/13 22:09

      "Quando um chato diz que vai embora, nossa, que presença de espírito" (Millôr)

      Excluir
  9. "As boas idéias ele tomava para si e o que acontecia de errado ele alegava que desconhecia e se dizia traído", Lula repetiu a estratégia de Hitler e ainda assim foi reeleito. Em seguida elegeu sua sucessora - o povo brasileiro demora a reagir, talvez anestesiados pelo fim da miséria no país, outra bobagem marqueteira que o governo atual está alardeando e com dados totalmente questionáveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HM,
      É mesmo, o fim da miséria, uma das grandes mentiras manipuladas.
      Tem uns caras vivendo debaixo de viadutos porque são milionários excêntricos, e se cansaram das residências chiques e confortáveis.

      Excluir
  10. Julio Bomfim06/06/13 15:55

    OFF-TOPIC:
    A CET... lamentável como sempre.
    Agora a moda é multar os deficientes que estacionam em vagas de deficientes, como o Marcelo Rubens Paiva.
    Saiu no blog dele mesmo:
    http://blogs.estadao.com.br/marcelo-rubens-paiva/bullying-municipal-o-guardinha-preguicoso/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante06/06/13 18:48

      O pior não é nem multarem ele. O pior é ele recorrer, apresentar TODOS os documentos PROVANDO que ele tem direito ao benefício, e mesmo assim receber um "NÃO". Ou seja, os recursos são negados sem análise alguma. Isso todo mundo já sabia, mas ele tem a prova de que os responsáveis são incapazes e mal-intencionados.
      Poderia aproveitar que é uma figura pública e usar isto para pressionar por mudanças no ridículo que é toda esta situação.

      Excluir
    2. Rafael Ribeiro06/06/13 18:52

      Acabei de ler a mesma coisa no UOL e ia postar aqui, quando vi seu comentário.

      Simplesmente impressionante até onde chega a canalhice dos órgão (in)competentes neste país...

      Excluir
    3. Rafael Ribeiro06/06/13 18:58

      "...As boas idéias ele tomava para si e o que acontecia de errado ele alegava que desconhecia e se dizia traído. Algumas idéias ele realizou e muitas outras ficaram só na conversa, porém todas, no fundo, objetivavam um aparelhamento..."

      Tenho certeza de que já vi alguém assim, mas não foi na Alemanha...

      Excluir
    4. Espero que Marcelo Rubens Paiva processe a Prefeitura de São Paulo de forma exemplar.

      Excluir
  11. Arnaldo,

    Entendo que a ideologia difundida pelo partido nazi não é o que julgamos correto, nem mesmo o povo alemão hoje julga correto, muito menos corretas são as ações em guerra (apesar de que nenhuma guerra é justa), por isso de forma alguma as defendo, mas acredito que de lunáticos o mundo está cheio, na verdade sempre esteve, por exemplo, alguns poucos anos atrás alguns países que se saíram como vitoriosos da segunda guerra mundial, que coordenaram a nova ordem mundial desde então, estavam bombardeando, abusando, saqueando e torturando pessoas no Iraque, sob pretextos duvidosos, além de até hoje perseguirem pessoas da religião muçulmana. Vê-se um paralelo com o judaísmo e sua perseguição, naquela época, não? Este mesmo país entregou o líder daquele para ser, sob as lentes de vídeo, executado pelos seus inimigos.

    Como já dizia um professor: a história é sempre correta e justa do ponto de vista de quem ganha a guerra. Por isso eu tomo muito cuidado a julgar e citar fatos dos quais apenas pude ter contato, ou presente, ou com histórias e relatos de ambos lados, para assim formar uma opinião longe de caricaturas criada por interesses pessoais de historiadores e povos.

    Mais uma vez e reafirmando: não estou defendendo cultura, ideologia ou partido algum, mas achei que você já teve posts muito melhores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hugo, também acho que já escrevi coisa melhor. Nisso concordo com você. Quanto ao que falei sobre o Hitler, não foi fruto de leitura leviana e muito menos coisa escrita do ponto de vista dos vencedores. Foi fruto de milhares e milhares de páginas lidas a respeito da 2a Guerra e sobre essa figura sinistra e enigmática do Hitler. Há tempos que tenho curiosidade a respeito, principalmente depois de fazer uma boa amizade com um alemão que lutou nessa guerra, um sujeito muito culto e um grande amigo, e, claro, anti-nazista. Inclusive fui amigo de outro alemão que lutou nessa guerra e foi oficial da SS. Amigos sitiantes do tempo em que morei na fazenda e com quem tive longos papos, coisa que a vida na roça nos permite. Portanto, conheço suficientemente bem os dois lados dessa encrenca.
      Tem muita gente por aí que passa a vida sem fazer mal a ninguém, mas diante de uma tal situação sua maldade pode aflorar. veja o caso daquele casal que jogou a menininha pela janela. Poucas horas antes era um pacato casal fazendo compras num supermercado, de bermudas e chinelão, tudo na boa, porém... O Hitler criou condições para que esse mal latente aflorasse. O resto foi conseqüência.

      Excluir
    2. Lorenzo Frigerio06/06/13 22:18

      Arnaldo, não foi Hitler que "criou condições para que esse mal latente aflorasse". O povo alemão é que criou as condições para surgir esse anticristo. E não foi uma vez só, porque também tiveram substancial parcela de culpa pela primeira guerra.

      Excluir
    3. Entendi seu ponto de vista Arnaldo, obrigado pelo esclarecimento e grande abraço! Compartilho da mesma visão que você.

      Excluir
  12. Na Alemanha os Mercedes eram os Silberpfeile (Flechas de Prata)e os Auto Union Silberfische (Peixes de Prata).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 911 Turbo, meu amigo, ambos eram chamados de Flechas de Prata. Ambos. Chamavam os AU também de Peixe de Prata, também.

      Excluir
  13. Cara! Como é bom ler este blog. Parabéns Arnaldo!

    ResponderExcluir
  14. Julio Bomfim06/06/13 16:50

    Sensacional este circuito AVUS... não sabia que havia um lugar tão louco assim para correr desde os anos 30... e aquela curva inclinada "da morte"?!
    Nem precisava tirar o pé, mas vacilou, voou por cima.
    Incrível... pena que não exista mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julio, saiu um bocado de cara voando lá de cima. Já vi foto de um Porsche 550 fazendo isso. E já teve quem voou e não morreu, e isso é que é o mais incrível. Dava uns 15 ou 20 metros de altura do outro lado.

      Excluir
  15. Mais um testo sensacional, parabéns AK, esta frase é muito forte, só poderia ter partido de você ;)

    "se você não deseja ser enganado para servir o mal, desconfie dos que lhe falam o que deseja ouvir"

    Abs.

    ResponderExcluir
  16. AK,

    É a primeira vez que vejo alguém falar a real sobre a criação do besouro, cuja função principal era motorizar em massa o exército nazi e não o povo alemão. Parece que essa parte é sempre omitida (ou não analisada, dependendo do ponto de vista) quando falam da criação do Fusca, ao contrário do contraponto aliado, o americano e também cultuado Jeep.

    Isso só se explica por conta do efeito da propaganda (olha ela aí de novo!), para tornar a VW criada naquele momento psicológico do pós-guerra mais palatável ao consumidor e que foi contada mil vezes até se tornar verdade. Pois é óbvio que o verdadeiro motivo da sua criação não tira nenhum dos méritos dele e até explicita o porquê dele ser um produto tão robusto, de soluções mecânicas simples, econômico, capaz de trafegar em diversos tipos de terreno e todas as outras qualidades do bichinho.

    Abraz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué, em quase todos os lugares que li sobre a história do Fusca é citado que o Ferdinand Porsche o fez com estrutura de chassi e carroceria e não monobloco exatamente pelas idéias de utilizá-lo também como base para veículos militares. Não só fizeram o jipinho Kübelwagen, mas também o anfíbio Schwimmwagen e a viatura para oficiais Kommandeurwagen.

      Excluir
    2. Lorenzo Frigerio06/06/13 22:20

      De maneira geral, nenhum carro da época era monobloco.

      Excluir
  17. Com sinceridade, os motores são o de menos. Faltou comentar da manobra mais engenhosa do partido nazista, que foi a criação do primeiro túnel de vento alemão. A instalação era "pública" e administrada pelos expoentes no estudo aerodinâmico na época, todos ligados ao segmento aero-espacial.
    Como forma de fomentar o desenvolvimento tecnológico, o partido incentiva todos os fabricantes automotivos da época a utilizarem o túnel. O fato curioso é que os engenheiros da Auto Union e Mercedes, por exemplo, realizam testes de maneira quase simultânea, ou seja, um time sabia o que o outro estava desenvolvendo.
    Moral da história? O esperado, quando se fala de engenharia alemã. Praticamente tudo que se conhece hoje sobre aerodinâmica automotiva data das décadas de 20 e 30, e a maior parte deste desenvolvimento é oriundo do "túnel nazista".
    Muito se fala em evolução aerodinâmica hoje, mas a verdade é que a muito tempo, para carros de passeio, a aerodinâmica foi relegada ao 2o ou 3o plano. Hoje o que importa é o design e a funcionalidade, "exigências" do mercado. Foi-se o tempo em que as carrocerias eram esculpidas tendo como verdadeiro objetivo "transpor o ar" da maneira mais eficiente possível.
    Tarefa mais fácil dita do que feita, diga-se de passagem, uma vez que todo mundo se esquece que aqueles belos valores de coeficiente aerodinâmico implicam numa grande dificuldade de refrigeração dos componentes dos mais diversos sub-sistemas do veículo, incluindo o habitáculo do motorista.
    Que o diga o McLaren F1, projetado para exibir um Cx muito mais baixo, mas que esbarrou em sérias dificuldades de refrigeração e teve seu projeto revisto.

    Enfim, só para variar um pouco, palmas novamente para a engenharia alemã e sua adorável capacidade de fazer as coisas realmente bem feitas.

    E, infelizmente, que seja dito: nada como um esforço de guerra para fazer as ciências avançarem...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Anônimo. É bom saber mais essa. Fora o Werner Von Braun que colocou o homem na Lua. Alemão não é moleza, não.

      Excluir
  18. M.Pecegueiro06/06/13 20:00

    AK, nao somente os motores foram "transferidos" das pistas para a guerra. A propria tecnologia em materiais e construção mecânica, assim como os engenheiros, foram "transplantados" em direto em setembro de 1939.

    Além disso, a Alemanha não conseguiu bater os recordes absolutos de velocidade, na verdade, porque não deu tempo, e olha que motor para isso a Mercedes Benz ja tinha um no jeito.
    Porém, além da guerra se aproximando, havia o medo de que, indo a Bonnevile, se houvese um acidente grave, as autoridades americanas poderiam confiscar os carros alemães.

    Além disso, não existiam espaços grandes o suficiente para acelerar e, principalmente, frear os veiculos de record. Sendo assim, fizeram inicialmente a Autobanh num esforco de "vai que dá"... E nessa brincadeira, fizeram records em estrada, e mandaram o Rosemeyer para a cova...

    ResponderExcluir
  19. Keller é sobrenome judeu, estou enganado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pé de chumbo, Keller em alemão significa adega, porão. Um de meus avós era suiço. Outro, armênio. Tem italiano e brasileiro quatrocentão cruzado com índia brava também. Sou um vira-latas, SRD, sem raça definida..

      Excluir
  20. Por que voce nao fala que Hitler pegou um povo humilhado, faminto e um país falido e fracassado e transformou em uma potencia mundial economica e tecnologica o que causou inveja e revolta em ingleses e franceses que se uniram para novamente destrui-la mas foram incompetentes e tiveram que ser ajudados por russos e estadounidenses entre outros. Que para encobrir seus crimes de guerra inventaram mentiras que pesam sobre o povo alemao por toda a eternidade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Não falo porque não sou nazista, uai!

      Excluir
    2. O feito (pegar uma nação derrotada, humilhada e falida, e transformar numa potência) não foi tão extraordinário assim, pois a base essencial (o povo de alto nível) ele já tinha. Vimos isso novamente no pós guerra, no ressurgimento como potência, da Alemanha e também do Japão.

      Excluir
    3. Lorenzo Frigerio06/06/13 22:26

      Infelizmente para si, Hitler repetiu o mesmo erro de Napoleão: invadiu a Rússia. Em outras palavras, o único culpado por sua derrota foi ele próprio.

      Excluir
    4. Lorenzo Frigerio06/06/13 22:40

      Como o Arnaldo citou os motores de avião com supercharger, um dos casos mais emblemáticos foi o do P51 Mustang, o avião que levou Goering a concluir que a guerra nos ares estava perdida para os alemães. O P51 foi um aparelho encomendado pela Marinha americana, sob suas especificações, e seu motor Allison era aspirado; portanto, o desempenho do P51 era totalmente apagado. Foi então que alguém resolveu instalar nele o Rolls Royce Marlin do Spitfire, que tinha compressor. O avião mudou completamente, foi um casamento perfeito.
      Pelo título deste artigo, depreendo que haverá um outro, mais detalhado, sobre os "flechas de prata" e sua mecânica. Será? Certamente o AE não tem falta de articulistas capacitados a escrevê-lo. Ficamos na espera.

      Excluir
    5. Anônimo06/06/13 21:26 Erguer uma nação economicamente e resgatar o nacionalismo tudo bem ,agora querer mandar no mundo não.

      Excluir
  21. Esse aí assistiu esta propaganda aqui e entendeu tudo errado...

    http://www.youtube.com/watch?v=pY4FCKlQISA

    ResponderExcluir
  22. Só faltou mencionar porque eles eram de prata.
    Que é uma outra história muto legal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A da raspada da tinta? Falta essa história e muitas outras. Bem lembrado. Obrigado.

      Excluir
  23. AK, podemos afirmar que aqui em Curitiba, que fica a 900 metros de altitude, os motores (aspirados) dos nossos carros são 9% menos potentes? A saída para esta situação é comprr um automóvel turbocomprimido? Agradeço desde já sua atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São Paulo fica a uns 700 metros, por aí, e tudo bem. Essa altitude não é tanta assim, mas dá pra notar a diferença de potência quando vc desce ao nível do mar. Vale lembrar que o Carcará, cujo motor 2-tempos DKW era aspirado, estabeleceu o recorde ao nível do mar justamente para ter maior potência.

      Excluir
    2. Sou um motorista comum, mas subindo a Imigrante ou mesmo a Anchieta, noto uma diferença de desempenho entre o começo da serra e o final dela. Percebo que o carro perde um pouco de força quando faço uma ultrapassagem. O motor é um Rocam 1600 normal (aspirado).

      Excluir
  24. Caro Arnaldo, texto muito bem feito e com os assuntos na medida certa. Além de conter alguns ensinamentos importantes, acessíveis a qualquer um e em qualquer lugar. "O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se fará; de modo que nada há de novo debaixo do sol." - Eclesiastes 1:9

    O melhor de estudar a história do automóvel é poder ampliar o conhecimento estudando toda a História ao redor. Sempre que puder contar as histórias da primeira metade do século XX, principalmente sobre Grand Prix e seus ases, eu lerei com muito prazer.

    ResponderExcluir
  25. Obrigado, Bera.
    Em breve devo postar algo a respeito.

    ResponderExcluir
  26. Mas não entendi...os flecha de prata eram Auto Union ou Mercedes?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que as duas eram .

      Excluir
    2. Alexandre, Flechas de Prata eram os carros das duas equipes alemãs.

      Excluir
  27. Todos
    Só para deixar as coisas mais claras, 'nazi' e depois nazista são duas palavras que fazem muita gente tremer de medo ou ficar vermelho de ódio, mas o fato é que são contrações de nationalsozialistische, nada mais que nacional-socialista em alemão. Portanto, é uma tremenda impropriedade falar em 'Partido Nazista'. Hitler apenas fundou um partido socialista nacional diante da ameaça de expansão comunista a partir de 1917, da revolução russa, e para isso lhe deu o nome de Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (Nationalsozialistische Deutsche Arbeiter Partei, NSDAP), para fazer frente ao Partido Comunista da Alemanha, o Kommunitische Partei Deutschlands, KPD). É por isso que as esquerdas festivas e militantes têm ojeriza a tudo que emanou do NSDAP e tremem quando vêem a suástica, a ponto de a prefeita Luiza Erundina ter feito aprovar lei municipal proibindo a exibição da suástica em São Paulo. Foram essas mesmas esquerdas que inventaram que o NSDAP era um partido de direita – só mesmo na cabeça oca deles, achar que um partido socialista é de direita. O que muitos acham também é que Hitler tomou o poder para se tornar ditador, não foi nada disso. Depois de ser escolhido chanceler, ou primeiro ministro, em 1933, recebeu plenos poderes do Congresso em 1935, num ato perfeitamente legal. O que houve depois disso todo mundo sabe, se lançou a um programa expansionista sem limites, levando a um conflito no qual 50 milhões de pessoas perderam a vida, metade militares e metade civis, além do seu grave erro de eliminar os judeus, impondo tanto sofrimento a alemães cujo único pecado era terem o judaísmo como religião.
    Enquanto isso, o nosso molusco nove-dedos altera o próprio nome, funda um partido chamado Partido dos Trabalhadores, sem ideário algum, apenas citando uma atividade humana, e, pior, o Tribunal Superior Eleitoral aceita o registro. Partidos políticos se formam justamente em torno de uma idéia – Comunista, Trabalhista, Nacional-Socialista, Republicano, Democrata, Social-Democrata, Libertador, Verde, e por aí vai. Triste...

    ResponderExcluir
  28. É curioso notar que a FIFA e o COI possuem relacionamentos estreitos com os "grandes líderes mundiais". Nos anos 30 a Itália de Mussolini recebeu uma Copa do Mundo e a Alemanha de Hitler sediou as Olimpíadas.
    Aqui no Brasil o nosso "presidento-emérito" conseguiu as duas façanhas na mesma década...
    Belicamente porém, o Brasil é um país inofensivo. Nossa diplomacia não consegue libertar 12 torcedores corintianos presos aleatoriamente por um incidente que deveria paralisar o futebol no continente.
    É por isso que estamos deitados eternamente em berço esplêndido.

    ResponderExcluir
  29. Prezado Bob. O teu comentário é de uma simplicidade esclarecedora. Com certeza aqui, pelo menos metade dos nossos colegas não sabiam disto e provavelmente estão ( alguns! ) indignados pelo viés político que fatalmente tudo que fazemos na vida está intimamente ligado. Como disse também sábiamente o Arnaldo lá em cima: " Se você não deseja ser enganado para servir o mal, desconfie daqueles que falam o que você deseja ouvir..."

    ResponderExcluir
  30. A história da Mercedes se funde com a evolução da humanidade,(basta acompanhar os quadros dispostos nos 8 niveis do Museu Da Mercedes) e graças a Karl Benz temos o que hoje chamamos de automóvel. Me dá pena esta visão negativa do autor no que tange a Hitler. Talvez se a Alemanha tivesse vencido a 2ª guerra, teriamos um mundo com menos violencia, mais educação e talvez o Brasil tivesse políticos com um pouco mais de moral e decência. Sou colecionador de miniaturas da Mercedes em escala 1/43 e sei um pouco sobre a história da dela...
    Abraços
    Jean

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.