CHERY TIGGO 2014. VAI UM SUV CHINÊS?

Fotos: autor e divulgação


Parece que a velha frase profética sobre carros etílicos (“Carro a álcool, você ainda vai ter um”) agora vale para os chineses. Com o programa Inovar-Auto, pelo menos duas marcas “made in China” vão se nacionalizar: a Chery é uma delas, sendo a outra a JAC. A Chery (que só falta um “r” para ser cherry, a cereja) também usa em outros países algumas outras marcas “quase-quase” para vender os mesmos produtos: Karry, Rely e Riich. Karry é quase carry (transportar), Rely é literalmente “confiar” e Riich é quase rich, ou rico. Para mim, a campeã neste quesito é a Rua Quase-Quase no Rio de Janeiro, bem na "fronteira" Copacabana–Ipanema. Chamada oficialmente de Rua Bulhões de Carvalho, basta trocar o “B” inicial por um “C” e tirar o "v" do segundo nome próprio para entender a razão do apelido. 

Face-lift na dianteira foi completo, do pára-choque ao capô
Além da cultura inútil, vale lembrar que a Chery tem planos de lançar uma linha de pequenos caminhões no Brasil usando a marca Karry. Por enquanto, duas notícias são mais atuais. Primeiro, a Chery lançou aqui seu SUV, o Tiggo 2014 chinês, repaginado com um facelift e poucas novidades mecânicas. Além disso, a Chery continua construindo sua fabrica em Jacareí (SP), de onde devem sair um novo modelo em versões sedã e hatch, além de um carrinho de entrada, possivelmente o Chery QQ reestilizado. O início da produção nacionalizada, inicialmente em CKD (trazido desmontado e montado aqui), está previsto para o começo do próximo ano.

Na traseira as mudanças foram mais discretas
Enquanto isso, chega o Tiggo com frente nova e algumas firulas para atrair os interessados em SUV. Uma delas são os LEDs de sinalização diurna (DLR, Daytime Running Lamp ou Daylight Running Lamp) dentro dos novos faróis. Curiosamente, estes DLR são comandados pelo freio de estacionamento. Soltou o freio, acendem os LEDs. Vem também um novo painel, além de um mostrador com bússola, altitude e pressão atmosférica no espelho retrovisor. Mais útil num SUV alto e com estepe na traseira, o novo modelo conta sensor de ré com indicador de distância. 

Mudou o painel e o volante agora é regulável mas só em altura
O volante é regulável em altura, mas seria desejável que também se alterasse a distância, já que fica muito próximo do motorista. A mecânica continua a mesma, com o motor 2,0 de quatro cilindros, bloco em alumínio, ganhando 3 cv por conta de redução interna de atrito, com medidas como balancins de comando roletados. São 138 cv (5.750 rpm) e 18,5 m·kgf (4.300 rpm). Com duplo comando e 16V, dá conta do recado e até uma certa alegria para puxar os 1.375 kg deste SUV chinês com tração apenas na dianteira. Este motor ACTECO, "ïnflex", foi desenvolvido pela empresa austríaca AVL e surpreende pelo funcionamento silencioso (o Tiggo não tem grandes recursos de insonorização) e pelo torque plano num motor 16-válvulas com polias fixas. Chineses ainda não são experientes em desenvolvimento de motores e a Chery teve o bom senso de apelar para a tradição austríaca. 

Motor 2,0 com bloco de alumínio tem projeto austríaco
Já o câmbio manual de cinco marchas tem engates quase-picape, com curso mais longo na alavanca, sendo bastante “comunicativo”, já que geme bastante com o motor em baixa rotação. Não me estranha um SUV com tração apenas dianteira, já que a maioria jamais vai passar por caminhos de terra. Vejam as minúsculas vendas do EcoSport 4WD para comprovar este fato. Segundo a Chery, o Tiggo vai aos 100 km/h em 15 s (nada brilhante para um utilitário “esportivo”) e chega aos 170 km/h. Não cheguei nem perto da velocidade máxima, principalmente devido ao local do teste, o kartódromo de Itu (SP), bastante inadequado para um “galipão” (sinônimo carioca para o paulista “camburão”), de 4,39 m de comprimento. 

Mas, como os carros não tinham sido emplacados, o jeito foi queimar pneu em pista de kart. Pelo menos deu para perceber que ele é obediente nas curvas, sem muita rolagem (inclinação de carroceria). O novo visual dianteiro deixou o SUV mais ousado e menos tradicional como “jipão” e ele tem imponência no trânsito, um dos principais desejos de quem gosta destes grandalhões. 

Teste de apresentação foi num kartódromo, pouco adequado para um SUV
 Interior também é agradável e confortável para os ocupantes. Até aqui, quase tudo pode ser alinhado como uma lista de qualidades, onde se inclui principalmente o preço, R$ 52 mil. Por este valor se consegue  Renault Duster bem pelado e o Ford EcoSport só começa nos R$ 55 mil. Segundo um comparativo da própria Chery, o Tiggo com todos seus equipamentos equivale ao EcoSport e Duster de mais de R$ 60 mil. 

Afinal, onde o “bicho pega” neste chinês montado no Uruguai? O mais evidente é meio Pequeno Príncipe: “O essencial é invisível aos olhos”. Pelo menos aos olhos do consumidor médio que vê num SUV um veículo de sonho. O novo Tiggo é bem “cheguei”, tendo um conjunto agradável e de bastante presença, e poucos vão perceber, por exemplo, a montagem da carroceria. O alinhamento das peças durante a montagem é bastante impreciso, o “gap” (espaço) entre portas e carroceria também é bastante irregular (exagerado em alguns locais), algumas pequenas peças prensadas de pouca visibilidade são atrapalhadas a ponto de parecer que o carro levou uma batida... por aí vai. 

Num dos Tiggo expostos, um dos faróis já estava cheio de gotículas d’água, adquiridas provavelmente na primeira e única lavagem que recebeu na vida.  O consumidor comum certamente não vai perceber tudo isso. Claro que não estou falando de um “gearhead” ou “motorhead” como nós. Mas existe uma enoooorme distância em montagem e acabamento em relação aos alemães e japoneses (e seus descendentes). 

Estepe tem cobertura elegante
Este consumidor comum que deve comprar cerca de 350 Tiggo/mês se divide quanto a opiniões sobre o sino-uruguaio. Alguns são absolutamente apaixonados pelo SUV e estão loucos para trocar pelo novo Tiggo só para ter um visual diferente. Outros reclamam principalmente de ruídos, problemas com assistência técnica (incluindo falta de peças de reposição) e algumas queixas isoladas de componentes. Vão de amortecedores a homocinéticas, passando por ferrugem em alguma parte da carroceria. De qualquer forma, tudo isto se reflete em valor de revenda: um Tiggo 2011 pode ser encontrado até por menos de R$ 30 mil.

Mesmo assim, está na hora de rever conceitos. Não apenas nós, consumidores mais exigentes, mas também as marcas chinesas que querem se nacionalizar. Nossa parte é assumir os “chinas” como parte do cotidiano das ruas e adotar uma posição crítica mais objetiva, apontando erros e qualidades com fatos. 

Já as marcas chinesas devem evoluir mais rapidamente, pelo menos para chegar à qualidade de outros carros já nacionalizados, principalmente dos best sellers de nosso mercado. Que podem não ser um primor de montagem e acabamento, mas pelo menos são confiáveis e se acha “peças na esquina” com preços acessíveis. E depreciam bem mais lentamente.

JS


FICHA TÉCNICA CHERY TIGGO 2014

MOTOR
Código de motor
SQR484F
Nome do motor
2.0 ACETECO, gasolina
Posição
Transversal, dianteiro
Número de cilindros
4
Diâmetro x curso
83,5 X 90 mm
Cilindrada
1.971 cm³
Taxa de compressão
10:1
Potência máxima
138 cv a 5.750 rpm
Torque máximo
18,5 m·kgf a 4.300 rpm
N° de válvulas por cilindro
4
Comando de válvulas
Duplo comando, corrente, alavancas roletadas
Formação de mistura
Injeção eletrônica seqüencial no duto
Ignição
Eletrônica digital incorporada ao sistema de injeção
TRANSMISSÃO
Código de transmissão
QR523MHC
Tipo
Transeixo dianteiro com câmbio manual de 5 marchas à frente mais ré; tração dianteira
Relações de transmissão
N.D.
Relação do diferencial
N.D.
FREIOS
De serviço
Servoassistidos, ABS com EBD
Dianteiro
A disco ventilado
Traseiro
A disco
SUSPENSÃO
Dianteira
Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira
Independente, multibraço, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
DIREÇÃO
Tipo
Pinhão e cremalheira, assistência hidráulica
Diâmetro mínimo de curva
11 m
RODAS E PNEUS
Rodas
Alumínio, 6,5J x 16 (5)
Pneus
235/60R16
CONSTRUÇÃO
Tipo
Monobloco em aço, 4 portas, 5 lugares
PESOS
Em ordem de marcha
1375 kg
Carga máxima
375 kg
DIMENSÕES
Comprimento
4.390 mm
Largura
1.765 mm
Altura (vazio)
1.705 mm
Distância entre eixos
2.510 mm
Bitola dianteira/traseira
1.500/1.495 mm
Distância mínima do solo
155 mm
 CAPACIDADES
Compartimento de bagagem
435 L/494 L até o teto/818 L c/ banco rebatido
Tanque de combustível
55 L
DESEMPENHO
Velocidade máxima
170 km/h
Aceleração 0-100 km/h
15 s
CONSUMO
Médio (dados da Europa)
7,5 L/100 km (13,3 km/L)



EQUIPAMENTOS CHERY TIGGO 2014

Abertura interna da portinhola do bocal de abastecimento de combustível
Acendedor de cigarros
Acionamento elétrico de vidros e travas
Ajuste de altura do volante de direção
Ajuste do banco do motorista (6 posições)
Ajuste elétrico da altura do facho dos faróis
Alarme antifurto
Antena de teto traseira
Apoio de braço central dianteiro com porta-objetos
Apoio de cabeça (5)
Ar-condicionado
Banco traseiro dividido 50-50 e rebatível
Barras antiinvasivas nas portas
Bolsa inflável frontal (2)
Bolsa porta-objetos nos bancos dianteiros
Capa de proteção do estepe
Chave-canivete
Cintos de segurança dianteiros com pré-tensionador e ajuste de altura de ancoragem
Cintoso de segurança traseiros de três pontos (3)
Cinzeiro dianteiro e cinzeiro removível para o banco traseiro
Cobertura multifuncional do compartimento de bagagem
Console central com porta-objetos
Console de teto com luz de leitura e porta-óculos
Conta-giros
Defletor de teto traseiro com 3ª luz de freio integrada
Desembaçador traseiro
Espelhos externos com ajuste elétrico, rebatíveis e na cor do veículo
Faróis com lentes de policarbonato
Faróis e luzes traseiras de neblina
Hodômetro total e parcial
Iluminação do compartimento de bagagem
Iluminação do miolo da chave de ignição/partida
Imobilizador de motor com transponder
Indicador de nível de fluido de freio baixo
Lanternas traseiras de LEDs
Limpador de pára-brisa de 2 velocidades e com lavador
Limpador e lavador do vidro traseiro
Luz de leitura dianteira
Luz de sinalização dianteira diurna por LEDs
Maçanetas das portas na cor do veículo
Mostrador com bússola, altímetro e barômetro no espelho interno
Pára-choques na cor do veículo
Porta-copos traseiro
Porta-objetos nas portas dianteiras e traseiras e nas laterais do compartimento de bagagem
Rack de teto com barras transversais
Rádio AM/FM/toca-CD e MP3 com entrada USB
Relógio digital
Repetidoras dos indicadores de direção nos pára-lamas dianteiros
Sensor de ré com indicação de distância
Sustentação do capô aberto por molas a gás
Tampa traseira com abertura total para acesso ao compartimento de bagagem
Tomada de 12 V
Trava para crianças nas portas traseiras
Travamento e destravamento remoto das portas
Volante de 3 raios com comandos multifuncionais de áudio
















80 comentários :

  1. Achei esses 15s para chegar aos 100 km/h exagerados, acho que o número tá conservador, assim como os 12s do "New" Fiesta 1.6. Na prática o desempenho vai ser melhor.

    Os chinas estão evoluindo bem rápido, tô gostando de ver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thales.
      Concordo com vc. Mesmo rodando num kartodromo, a aceleração do Tiggo parecia ser melhor, algo como 12s ou 13s. Coloquei os 15s pois é o dado oficial do importador. E realmente os chinas estão evoluindo rapidamente na área automotiva e também com as motos.

      Excluir
  2. Rafael Ribeiro24/06/13 12:30

    Os carros coreanos levaram cerca de 20 anos para adquirir confiança dos consumidores brasileiros mais exigentes. Quanto será necessário para que o mesmo aconteça com os carros chineses? Já estão por aqui há cerca de 4 anos, acredito que chegam lá em menos de 15 anos, se trabalharem direito nas duas frentes: produtos e serviços. Eles costumam aprender rápido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se no segmento automotivo será rápido (o aprendizado), mas em vários segmentos da indústria em que eles (chinas) atuam, não diminuíram a distância (em qualidade) que os separa dos líderes em décadas.

      Excluir
    2. Está enganado. Fabrica-se muita coisa boa na China! A grande questão é que há vários níveis qualidade, bastando o interessado em fazer negócios escolher em que nível quer o seu produto.

      Excluir
    3. Anônimo 24/06/13 14:16, estou enganado? Então você acha que eles não ficam atrás em qualidade em nenhum segmento da indústria na qual atuam? Acho que você é que está enganado...

      Excluir
    4. Exatamente, Anônimo24/06/13 14:16! Na China fabrica-se o iPhone e o HiPhone, assim como outros tantos produtos.
      J.J.

      Excluir
    5. Depende do $ e do que o comprador precisa.
      Onde vc acha que são fabricados os Iphones e outros celulares da moda, inclusive os top de linha? M

      Excluir
    6. Exatamente, JJ.
      Fabricam-se muitas coisas boas na China, nas unidades de empresas japonesas, alemãs, americanas, taiwanesas, etc., lá instaladas.

      Excluir
    7. Na china fabrica-se muitos rolamentos de qualidade, nas unidades da Nachi, NTN, SKF, NSK, Koyo, etc. Nas fábricas chinesas mesmo, marca própria ou OEM, só fabricam produtos de segunda, que só conseguem colocação em produtos igualmente de segunda e no mercado de reposição alternativo.

      Excluir
    8. Rodrigo Barreto24/06/13 20:48

      Desculpe, Anônimo 24/06/13 14:52. Trabalho no setor de telecomunicações há quase 20 anos e posso atestar que há excelentes fábricas chinesas de componentes, conectores e equipamentos de telecom. Pode ser que na área em que vc atua não tenha ainda encontrado nenhuma marca chinesa de qualidade. No meu caso, inclusive, já trabalhei em uma industria chinesa da área e posso atestar a evolução dos conectores e componentes em menos de 8 anos de mercado.

      Excluir
    9. Rodrigo Barreto 24/06/13 20:48,
      Não há porquê se desculpar, você não está discordando do que eu disse, mas de certa forma concordando. Eu não disse que eles não evoluíram em nenhum segmento, mas sim que não evoluíram em vários (vários, não em todos) segmentos industriais em que atuam. O que subentende que há sim segmentos em que evoluíram, como você exemplificou.

      Excluir
    10. Pegue um Hyundai Excel da primeira safra que veio para cá quando os coreanos estavam se estabelecendo e um Lifan 640, quando os chinas chegaram. Compare os dois, verá que o coreano é muito melhor.
      Os chinas nestes aspecto são bem piores. Eles até tem algum apelo visual mas a qualidade e a assistência são terríveis, ao contrário dos coreanos que tinham carros de qualidade mas completamente insossos e desconhecidos (ok, a assistência continua ruim).
      Se a China pode produzir produtos excelentes? Claro que sim. Estes podem ser construidos em qualquer lugar. A questão é que precisamos trabalhar com fatos consumados e não potenciais, e neste aspecto eles ainda ficam devendo e muito até aos próprios coreanos.

      Excluir
  3. "...Vai um SUV Chinês?"


    Não. PObrigado.

    Prefiro alguma coisa que não seja SUV (hatch, sedan, perua) e que, mesmo "nacional", seja um pouquinho "germânico", vide os VW's nacionais.



    ResponderExcluir
  4. Vai levar um bom tempo (se é que vai acontecer um dia) para eu "ir" de carro chinês, seja ele SUV, ou não. De oriental, por enquanto, só teria mesmos os japoneses ou coreanos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marco R. A.24/06/13 14:08

      Ainda não confio muito nem nos coreanos, pelo menos nos importados. Se fosse de Hyundai iria de HB20 e só. Depois que ouvi uma história de uma pessoa que ficou 90 dias para conseguir um parachoque de i30 fiquei com os dois pés atrás.

      Excluir
    2. Meu irmao, tambem to fora dos Chinas!
      Se tivesse 55 pilas sobrabdo , compraria um Suzuki SX4 usado.
      Jorjao

      Excluir
    3. Depois que ouvi a história que os conectores dos chicotes do HB20 são todos na vertical (evitados na indústria para não causar futuros - bem depois do fim da garantia - maus-contatos por infiltração de líquido), acho que nem no HB20. Carro pra mim deve ser bem de consumo extremamente durável.

      Excluir
    4. Fernando 24/06/13 15:05,
      Eba, então vai fazer a alegria dos profissionais da reparação (eu sou). Um fato relacionado (ou não) é que nos EUA, principal mercado dos coreanos, Hyundai/Kia têm fama de parte elétrica de má qualidade (pouca durabilidade). Afinal, não tem como fazer um produto mais barato que os concorrentes se não economizar em alguns ítens...

      Excluir
  5. Tão interessante quanto o sapão da Chevrolet!!
    E eu quase dormindo em cima do teclado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perneta.
      Apenas curiosidade: o que é o Sapão da Chevrolet pra vc?

      Excluir
    2. Eu acho que o Pernete se refere ao Chevrolet Trail Blazer.
      Mas na verdade eu nao sei. Na verdade eu só acho!

      Excluir
    3. Perneta.
      Pior é que vc tem razão rsrsrsr.

      Excluir
  6. SUV e chinês. Não tem como ir...

    Foi mal Josias Silveira, mas esse post poderia ter dado lugar a uma avaliação de um carro nacional qualquer, mas que gere algum entusiasmo! Pode ser um velho Gol GTi, um Fiesta Supercharger com mais de 200 mil km (só pela curiosidade de saber como estão se mantendo) e que seja um SUV, mas que fosse ao menos a nova Blazer!

    Não me leve a mal, só uma opinião minha mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guilherme.
      Como entusiasta, também adoro carro velhos e antigos, sendo fácil perceber quando um post meu é mais "pessoal". Porém, como jornalista e entusiasta, me vejo na obrigação de mostrar tudo que surge no nosso mercado. Manter mente e olhos abertos é fundamental para se manter entusiasta. Pessoalmente, não teria um SUV e, por enquanto, tbém não "iria de chinês". O que não me impede de analisar um SUV chines. Muito ao contrário.

      Excluir
    2. SUV e chinês não dá, é duplo fail. Ainda mais com esse painel tosco e esse estepe pendurado na traseira. Mas até tenho visto com certa frequência o modelo antigo desse carro pelas ruas.

      Excluir
    3. Eu sei, eu sei! Também sei identificar quando um post é feito "de coração" ou quando é feito "por obrigação" (aqui, muito entre aspas já que avaliar qualquer carro deve ser bem gostoso).
      Só quis dizer que as vezes é melhor falar sobre carros mais empolgantes, mesmo que seja sem avaliar ou sejam carros velhos, do que falar sobre um SUV chinês que menos de 1% dos leitores sequer cogitam ter!

      Não entenda como uma crítica mas sim como um simples ponto de vista meu!
      Adoro seus posts!

      Excluir
    4. Marco R. A.25/06/13 15:24

      "...menos de 1% dos leitores sequer cogitam ter!"

      Por isso mesmo. Os outros 99% só vão saber alguma coisa desse carro por meio de posts como esse.

      Mas entendo seu ponto.

      Excluir
    5. Guilherme,

      Depois do excelente "Sorvete de graxa", muita ousadia sua dar tal toque ao Josias.

      Excluir
    6. Guilherme e todos
      Carros chineses são muito malvistos de um modo geral, mas vocês se esquecem que a China tem até programa espacial, enquanto nós continuamos com busca-pés. Dêem uma olhada nos trens-bala chineses e vejam se lhes falta tecnologia.

      Excluir
    7. Eu vou comprar um deste. E ponto Final.

      Excluir
    8. Eu comprei um 2013 e lhe digo que estou encantada. O carro é maravilhoso de andar, econômico, confortável, etc etc. ISso que o meu nao tem sensor de estacionamento e nao vejo nenhuma dificuldade para estacionar. Acho que nunca mais terei um Sedan rsrsrs

      Excluir
  7. Brasileiro24/06/13 13:57

    As fábricas estão empacadas, como já aconteceu com um fabricante coreano no passado. Prometeu a fábrica, ganhou o desconto e sumui 2 anos depois...

    Cuidado com os chineses que ignoram leis de copyright e direitos internacionais básicos. Nada contra a concorrência, mas que seja leal.

    ResponderExcluir
  8. Marco R. A.24/06/13 14:03

    Eu só pensaria na possibilidade de comprar um chinês nacional nos primeiros anos de fabricação se a Chery (ou qualquer outra chinesa) desse garantia de 5 anos e garantia de que qualquer peça necessária vai estar disponível em qualquer concessionária em no máximo 1 mês (o que já acho muito, mas é realista).

    Espero que muitos comprem para as "nacionais" sentirem o peso da concorrência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marco, não exija demais dos chineses. Nem fábricas instaladas aqui há mais de meio século garantem esse prazo de entrega de peças. Não que isso seja correto, muito pelo contrário, mas é a realidade.

      Excluir
    2. Nenhuma concessionária tem todas as peças para pronta entrega. Eles possuem centro de distribuição. Até porque não há comercio que aguente manter estoque de todas as peças. Muitas das peças são canibalizadas de veículos novos, isso é padrão em toda a indústria.

      Tem lojas em SP que tem carburador novo de Brasília até hoje no estoque... são mais de 30 anos com peças paradas.

      Excluir
    3. Marco R. A.25/06/13 16:10

      Fernando e Luiz, eu sei, mas se os chinas quiserem me conquistar terão que se esforçar.

      Excluir
  9. Não sei como anda a Chery, mas tenho três (J2, J3 e J6) JAC em casa; estou indo para o segundo J3 e não tenho nada para reclamar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. UAU!!! na revenda dos três, se perde dois em $$$. Tô fora.

      Excluir
    2. E qual a sua opinião sobre o dia-a-dia dos carros, principalmente do J3? Digo, suspensão, dirigibilidade, revisões, atendimento pós-venda, disponibilidade de peças, ergonomia, conforto, etc.

      Antes de comprar meu 207 (meu terceiro Peugeot), eu fui na JAC olhar o J3. Fui MUITO bem atendido, a vendedora tirou todas as minhas dúvidas, e no test drive, até que gostei do que vi/senti/dirigi. O acabamento me pareceu na média do segmento - embora a coluna de direção tivesse uma regulagem incrivelmente dura - o volante é macio, o motor responde bem, não achei a ergonomia ruim... só o som que eu achei uma porcaria haha. Seria legal ler um review de quem tem um na garagem.

      Excluir
    3. Marco R. A.25/06/13 16:15

      Esse 'Anônimo24/06/13 14:19' é um cara corajoso com grande espírito desbravador ou é dono da concessionária da Jac.

      Excluir
    4. 911 Turbo, não me preocupo com isso. Eu compro carro para usar e não para vender. Não sou vendedor de carro...

      Jambeiro, lamento, mas coisa demais para falar. Não tenho tempo para isso. Mas estou muito satisfeito com os meus JAC; há testes desses carros aqui nesse blog, todos muito coerentes!

      Marco R.A., comparando com os demais carros da categoria, os da JAC estão em uma posição superior...

      Excluir
  10. Marco Brito24/06/13 15:07

    OLHA, OS EUROPEUS FAZEM AUTOMÓVEIS (COM A MAIÚSCULO) HÁ 100 ANOS E AINDA ASSIM, COMETEM ALGUNS DESLISES.
    PREFIRO OS DESLISES EUROPEUS AOS ERROS ORIENTAIS (EXCETUANDO-SE OS JAPONESES).
    BOA SORTE A QUEM OS ESCOLHEU.

    ResponderExcluir
  11. A Fiat, a última das "quatro primeiras grandes" a se instalar por aqui, também levou uns quantos anos para ganhar a confiança do consumidor.
    No mundo atual, onde todas as mudanças são instantâneas, o consumidor só tem a ganhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na minha cidade, durante a década de 80, ter Fiat era mico. Como é uma cidade de colonizadores alemães, só Volkswagen era bom. Hoje os fritz e as fridas da minha cidade andam de Fiat, e aprovam!
      J.J.

      Excluir
  12. Off-Topic.
    Hoje fala-se muito em "depenação" dos carros, mas já em 1978, a revista Quatro-Rodas fez um interessante teste comparativo entre um VW 1300 daquele ano, e um de 1968. O de 68 foi superior em alguns itens. A equipe "Autoentusiastas" poderia repetir esse teste com algum(ns) modelo(s) que já havia dez anos atrás, e que continuam sendo produzidos hoje, como o Clio 1.0, o Mille, ou o Corsa sedã de primeira geração. Fica a sugestão.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles depenaram os carros ...
      Agora tambem depenam nossas carteiras , porque no preco que ta fica dificil comprar um carro.
      Pelo menos para mim!

      Excluir
    2. Em 1994 eu troquei a minha Saveiro 1.6 1987 por uma Saveiro CL 1.8 nova. O carro era depenado ao extremo: no painel, só havia velocímetro, marcador de combustível, um punhado de luzes espias e o hodômetro geral (não tinha nem hodômetro parcial!). As saídas de ar nas laterais do painel foram fechadas, restando só um par no centro; os porta-objetos das portas sumiram, assim como os controles internos dos retrovisores externos. O parasol também passava a ser fixo.

      No ano seguinte eu comprei uma Picape Corsa para a empresa e gostei tanto do carro que troquei meu Gol GL 1.8 por um Corsa GSi. Assim terminava minha saga na VW.
      J.J.



      Excluir
    3. A 87 era CL também?

      Excluir
    4. A Saveiro 87 era uma CL também, porém, com o painel antigo.

      Excluir
  13. Desculpe-me falar sobre um assunto diferente, mas alguém aí sabe se a JAC vai mesmo vender o J2 com motor 1,5 litro, do J3S?

    Se isso acontecer, vai ser uma maravilha, hein! Se com o motor 1,4 o carrinho já anda à beça, imagina com o 1,5 litro...

    ResponderExcluir
  14. O motor "1,4" é na verdade de 1.332 cm³/108cv, imagine-se um 1.499-cm³/127 cv.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Bob Sharp! Diversão na certa! Espero que a JAC venda o JAC J2 com o motor de 127 cv, de preferência, sem ser flex!

      Excluir
  15. Ouvi dizer que o processo de montagem do Tiggo no Uruguai é arcaico...quase um galpão...é verdade ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provável. Não se espante... Fazem o mesmo com as motos aqui em Manaus via Processo Produtivo Básico.

      Excluir
  16. Acho que já disse aqui, eu compraria facilmente um BMW fabricado na China, com projeto alemã, controle de qualidade alemão e mão de obra chinesa. Mas de maneira nenhuma compraria um carro com projeto chinês, controle de qualidade chines e mão obra chinesa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o que eu acho também, made in china tudo bem, mas marca chinesa, aí tem que ter mais cuidado. Há alguns produtos (não muitos) de marcas genuinamente chinesas que possuem ótimo custo/benefício. Mas sempre tem a turma que não entende a diferença entre produto fabricado na china e marca chinesa, e começam com o bla-bla-bla de que iPhone é feito na china, logo produto chinês é bom, desde que pague o preço...

      Excluir
  17. Cristian Pinheiro24/06/13 21:51

    Minha irmã teve um Face e no geral o carro era bem ruidoso. Todo mundo gosta de cheiro de carro novo, na minha opinião os Chery têm cheiro de chuveiro queimado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melhor chuveiro queimado que suvaco de bode !

      Excluir
  18. Tô fora do Cherie, ops Chery. Não é bem querido pelo mercado, e ainda tem muita coisa a melhorar.

    Mas teria um SUV com muito prazer. Um Duster, por exemplo.

    ResponderExcluir
  19. Aqui no meu bairro existem três desses Tiggo. Todos de uso diário. Apesar de estranhos, me parecem robustos.
    O mais bonito é o Cielo branco, que também há por aqui. Ele também sofrerá alguma mudança? Há alguma novidade com relação a ele?
    Tallwang

    ResponderExcluir
  20. TallWang.
    Mudanças maiores na linha da Chery só devem acontecer mais para o final do ano, quando começa a produção em Jacareí (SP).

    ResponderExcluir
  21. Vejo que o Autoentusiastas vem abordando com certa frequência os chineses, mas tem uma marca de carros coreana que nunca vi ser abordada no blog: a Ssangyong. Eu acredito que muitos aqui tem pelo menos curiosidade de saber qual a opinião dos autoentusiastas sobre os carros dessa fabricante que está no Brasil a mais tempo que as chinesas, e que mesmo assim parece que não consegue deslanchar em vendas, mesmo tendo um produto muito interessante que é o Korando, diga-se de passagem, o primeiro carro bonito da marca, porque os outros modelos até então eram no mínimo excêntricos, pra não falar feios hehehe

    Gostaria de ver uma algum texto sobre a marca, pois dei uma pesquisada e o que encontrei são informações bem rasas sobre os carros da marca, ao menos nos sites em português.

    Leonardo Pastori

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Chairman W parece ser um belo carro. Motor e transmissão são da Mercedes, tração traseira, etc.

      Excluir
  22. Li literalmente todas as mensagens acima sobre alguns carros e especialmente sobre o Tiggo, concordei com uma que abordou a questão do acabamento interno, pois tenho um tiggo que comprei zero no final do ano passado, o carro agradou e continua agradando muito inclusive no que tange à economia, mas, o acabamento realmente não é preciso e precisa de melhoras.
    Ainda esta semana estive em Petrópolis numa autorizada com o objetivo de ver o modelo novo, quando fui informado que só depois do dia 20/07 as lojas estarão recebendo, pelo que pude ver em video e folhetos muitas melhoras aconteceram, inclusive com controles no volante, voltarei para conhece-lo e posso até comprar meu segundo tiggo.

    ResponderExcluir
  23. Gostaria que os engenheiros da chery tiggo tivesse feito o novo tiggo 2014 mais menos modelo da sportag e derrepente até 4X4 com o valor mais acessivel das súvis mataria a pau.

    ResponderExcluir
  24. A bem da verdade, é que toda a indústria seja ela qual for está melhorando, os chineses tem produtos de altíssima qualidade e não é de hoje, comprei um celular 2 chip's tela de 5,08 nem a samsung nem a apple tinha aparelho parecido no mercado..kkkk..e na china tinha que nem água.., agora que a samsung lançou o gran duos...e a apple continua com 1 chip..kkkk..enquanto isso na china já lançaram faz meses os celulares quad core muito rápidos, bateria durando muito tempo, eles tem produtos bons, a única questão é saber quanto você quer pagar...meu celular saiu quase o mesmo preço que um no brasil...só que com muito mais eficiência, estou à 4 meses estudando um carro até 100k para comprar e vejo que todos tem defeitos, não tem um que seja 100%, mas a cada ano notei que os comentários mudam, sendo assim os fabricantes estão melhorando a cada ano e solucionando os problemas que apresentaram, eu acredito que eles estejam melhor que o lançamento passado e estou seriamente pensando em dar meu voto de confiança...só não vou comprar pela internet como fiz com meu celular..kkkkk

    ResponderExcluir
  25. PESSOAL, NÃO VOU DEFENDER OU ATACAR NINGUÉM, CLARO QUE OS CHINESES ESTÃO LONGE DOS ALEMAES, MAS O QUE FALAR DA KOMBI QUE DEPOIS DE QUASE 40 ANOS DE IDADE, SÓ COLOCAR PORTAS DE CORRER E ELEVAR A ALTURA DO TETO, DEPOIS QUE OS COREANOS CHEGARAM ?!
    È SACANAGEM COM O COMSUMIDOR BRASILEIRO NÉ ? SALVE-SE QUEM PUDER COM CHINESES, ALEMAES, AMERICANOS, FRANCESES 206, ITALIANOS 147 E POR AÍ VAI....

    ResponderExcluir
  26. Temos um histórico de importações não muito bom, ainda mais se lembrarmos da famosa marca LADA (que deu um prejuízo incalculável para os taxistas no Brasil inteiro) com o Laica e com o jeep NIVA (que tinha até um bom desempenho e um ótimo visual), mas ficou na mão com a questão de peças e manutenção.
    Foi uma época que o Brasil não cobrava da fábrica as obrigações que hoje são cobradas.
    A inauguração de uma fábrica no Brasil dá ao consumidor a segurança de uma reposição de peças mais ágil e uma manutenção mais adequada, com formação de profissionais especializados nesta marca.
    Comprei o novo Tiggo e vou dizer pra vocês: Não é um Ecosporte top de linha, mas é um carro que dentro do valor apresentado no mercado é aquilo que é vendido. Confortável, demonstra-se seguro, estável e um tipão jeep de luxo.
    Estou gostando muito, agora o futuro só Deus sabe... paguei pra ver e estou satisfeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tô contigo anônimo 06/0/13 às 11:02...as coisas hoje me dia mudaram...não existe mais aquele negócio de só televisor Philips é bom...se tem fábrica no Brasil...a coisa tende a melhorar.

      Excluir
  27. estou muito na duvida se compro ou nao um chery 2014.achei o carro lindo, confortavel, preço acessivel,peças ja tem disponivel em todo Brasil, 5 anos de garantia, fabrica ja está a caminho... a minha unica preocupação e a revenda do carro. gostaria da opiniao de vcs sobre a revenda.

    ResponderExcluir
  28. Notei ataques diversos aos produtos chinesnes e asiático de uma forma geral. Mas, o que nós brasileiros produzimos de bom ou de ruim? nada, absolutamente nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui, de ruim nada; de bom, um sem-número de carros.

      Excluir
  29. Finalmente, o novo Tiggo, no caso, leia-se automático, vale o custo benefício? Há os riscos comuns sempre citados tais como: reposição de peça, revenda... Não entendo brasileiros.Carros de modo geral foram fabricados para rodar 500 mil km desde que haja naturalmente manutenção básica com o sangue do mesmo (água e óleo) além de peças comuns que devem ser substituídas. No Brasil é assim, o carro faz 40, 60 mil km e as pessoas já pensam em trocar. Voltando ao Tiggo, uma vez que a pessoa queira rodar 4, 5 anos acredito que o tal efeito de revenda perderia efeito, pois quase todo carro após esse período, principalmente, até 50 mil, a desvalorização é a mesma. Ou seja, desvalorização pesada, que dói e dá raiva, acredito que seja para carros a partir de 60, 70 mil.
    Vejo por aí tb montadoras como ford demorando 2 meses para entregar certas peças, enfim, para quem usa carro apenas como meio de locomoção e que não anda catando e adoecendo a cada arranhão novo que surge e nem menos passa o domingão alisando-o de cima a baixo, creio que o que interesse é o custo benefício associado a questões pessoais e óbvias quanto a segurança, conforto e, principalmente, consumo, pois, para quem trabalha, vive bem, curte a vida, inclusive de carro, combustível é sempre algo que pode preocupar.
    Jovens, conheci hoje este blog que parece ser responsável e imparcial. Afinal o custo benefício do novo Tiggo automático vale a pena, há com o que se preocupar e/ou ponderar???
    Obrigado, gostei muito, inspira credibilidade!!

    ResponderExcluir
  30. Ivan Silva
    Opinião, indicação, sugestão de produto sob demanda de leitor é incompatível com a atividade de jornalista, sendo, portanto, antiético fazê-lo. Seria trabalho de consultoria. Creio que você entenderá.

    ResponderExcluir
  31. OK, neste caso alguém do staff/colunista poderia colaborar? Por coincidência, meu irmão mais velho e mais conservador, a cerca de 4 horas atrás havia me indagado por que não ficaria com o Ecosport por um pouco mais. Agora a pouco ele me liga e diz: rapazz, acabei de ver na capa da quatro rodas; Ecosport reprovada... kkkk???
    Imagine, num mercado de carro novo onde vc encontra valores de 22 mil a 2 milhões, qualidade não é tão difícil encontrar.Coisa boa, mais ou menos para mais, ótima e maravilhosa, existe muito. Difícil talvez, seja encontrar pós venda, assim como quem não tenha qualidade neste mercado tão bom e competitivo. Na verdade, o que define para a grande maioria, cujo dinheiro é problema, é o preço, o bolso, a vaidade e a paixão de cada um...
    Vou navegar no blog um pouco mais para tentar entendê-lo, pois a princípio, a partir do politicamente correto e da própria ética, tudo bem, mas, em se tratando de um blog cujo tema é automóvel, fiquei um pouco surpreso. Mas valeu!!!!

    ResponderExcluir
  32. A relação custo benefício de carro lembra um pouco a dos vinhos, calma vou explicar. Encontramos vinhos de 5 a 3 mil reais a garrafa, as vezes fica difícil entender tamanha discrepância. No entanto, independente das origens e dos detalhes inerentes ao mundo de Baco, é fácil encontrar bons vinhos a partir de 45, 50 reais. Ademais, fica a cargo do bolso e da vaidade, assim como nos carros...

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.