TRÊS GRANDES E VELOZES CONVERSÍVEIS


Uma das grandes experiências que se pode ter dirigindo um automóvel é a sensação de interação com a máquina e com o ambiente ao redor. Sentir o que o carro está fazendo, reagir de acordo com as sensações que você recebe e ainda poder desfrutar do mundo exterior, só com um bom conversível.

Um pequeno esportivo leve, como um Mazda Miata ou um Porsche Boxster já são carros de respeito, com dirigibilidade e desempenho respeitáveis, cada um no seu nível e faixa de preço.

Um pequeno fator pode mudar de carro para carro, dependendo do gosto e interesse de quem está dirigindo, e alterar completamente a experiência: potência. E junto com potência, normalmente vem a velocidade.

Sabemos que para se divertir com um esportivo não é preciso muita potência, apenas um bom chassi e um motor minimamente bem casado com a transmissão. Este é o caso do próprio Miata e de outros como o Lotus Elise. Nosso amigo Arnaldo já falou sobre isso aqui no AE.

Quando a potência começa a subir, o equilíbrio do carro é afetado. Aumento de peso quase sempre vem junto com o aumento de potência, por questões estruturais e mesmo pela própria associação do nicho do carro. Um carro de 400 cv tende a ser mais equipado e maior que um pequeno e ágil carro esporte de 250 cv.

Com potências maiores, o próprio caráter do carro começa a ser moldado de forma diferente. Os mais potentes passam de ágeis e leves carros de dois lugares para carros maiores e mais voltados para manter velocidades de cruzeiro elevadas com conforto.

Mercedes-Benz SLK 55 AMG.

Um conversível que fica no meio do caminho entre o carro esporte leve e o grã-turismo conversível, se é que podemos combinar estes dois termos, é o Mercedes-Benz SLK 55 AMG.

Pequeno e ágil, o SLK é equipado com um V-8 5,5-litros de 430 cv e 55 m·kgf de torque. Limitado eletronicamente a 250 km/h, este SLK é capaz de alegrar seus ocupantes com uma pequena pisada mais forte no acelerador.

O SLK 55 pesa 1.610 kg, o que não é exatamente leve para um pequeno carro esporte. Vale lembrar que este carro tem tudo o que se espera de um Mercedes, como o teto retrátil com acionamento elétrico, ar-condicionado, um complicado sistema de entretenimento com GPS, bancos com mais regulagens e controles que um pequeno avião monomotor etc.

Conforto com o teto de acionamento elétrico.

Em uma estrada sinuosa, as chamadas back roads européias (como uma de nossas serras), este AMG seria perfeito. Teto recolhido, motor roncando alto com o belo som encorpado do V-8 e um chassi bem acertado.

O 55 AMG é bem acertado, mesmo com o V-8 montado no pequeno esportivo ele ainda tem o DNA da familia SLK. É um carro esperto, que consegue usar um pouco dos dois mundos: a força bruta e a agilidade.
O motor V-8 de 5,5 litros toma conta do cofre.

Se as estradas paralelas não forem o alvo do motorista e, obviamente, dinheiro não for muito problema, é possível ir direto para o que se pode chamar de exagero, também com origem nos Mercedes.

A famosa preparadora alemã Brabus, reconhecida mundialmente por criar monstros em cima dos já muito rápidos AMG, pode lhe oferecer o novo 800 Roadster. Sim, o nome sugere alguma coisa com 800. Isso mesmo, 800 cv de potência.

Este roadster é feito em cima do grandalhão SL 65 AMG V-12. Como 620 cv não são suficientes, a Brabus reformulou o motor para gerar 800 cv. O enorme V-12 biturbo de 6 litros tem torque suficiente para girar o planeta ao contrário a cada arrancada. Mais precisamente, 145 m·kgf. Por questões de durabilidade, o torque é limitado eletronicamente para somente 112 m·kgf (!), para preservar a transmissão.

Baseado no SL 65 AMG, o Brabus está entre os conversíveis mais rápidos do mundo.

O sistema de admissão fabricado pela Brabus conta com interresfriadores do tipo água-ar e turbos especiais, coisa realmente séria. Todo o carro é reformulado para suportar esta potência, desde a suspensão e freios até os painéis de carroceria em compósito de fibra de carbono para ajustar a aerodinâmica e manter o carro no chão. Até entradas de ar extras no capô foram necessárias para suprir o volume de ar que o motor pede.
 
Tudo isso para que o 800 Roadster possa chegar a 350 km/h limitados eletronicamente (!!).

Luxo e conforto com o 800 Roadster.

Os Mercedes SL atuais são carros grandes e pesados (1.950 kg), não são ágeis como o SLK, mas são rápidos. Ao contrário do SLK, este Brabus não foi feito para subir uma serra fechada seguindo de perto um 911. Seria como tentar pegar uma mosca com uma marreta.

Este Roadster nasceu para correr livre pelas estradas, com largas faixas e boa visibilidade. O 800 Roadster se sente em casa em uma estrada mais ampla. Não que o carro não tenha uma boa suspensão, longe disso, mas simplesmente porque não é seu melhor atributo.

O emblema indica que este é um carro bem sério.

Com o teto abaixado e uma bela estrada, 800 cv vindos de um V-12 ao seu dispor, este carro encara tanto algumas boa curvas como um retão, e com muito luxo. O poder de aceleração de um Brabus é impressionante, retomadas de 100 a 250 km/h parecem iguais às de 70 a 120 km/h.

Dizem que todos os Brabus são um tanto quanto aterrorizantes de se guiar, coisa de muita potência que só com a eletrônica é possível de domar. Mas acredito que não exista essa de “muita potência”. Nada que o bom senso não se faça prevalecer. Mas pensando bem, não sei se bom senso e este carro combinam. Enfim...

Se ainda assim for pouco, existe mais uma opção de desempenho extremo com sol na cabeça. A Bugatti lançou recentemente uma versão comemorativa do recorde estabelecido pelo modelo Veyron Grand Sport Vitesse como o conversível mais rápido do mundo.

Levando ao pé da letra, o Veyron Grand Sport na verdade seria um targa, e não um conversível como os dois Mercedes, mas hoje me dia não se dá muita atenção para estes detalhes.

O Bugatti Veyron versão WRC.

A versão ganhou o nome de WRC Edition, que não tem nada a ver com o Campeonato Mundial de Rali. A sigla significa World Record Car, ou Carro do Recorde Mundial. Este modelo é igual ao que chegou a incríveis 408,8 km/h com o teto recolhido, na pista da Volkswagen em Ehra-Lessien, com suas duas retas de 10 quilômetros onde dá para perceber a curvatura da Terra.

O motor W-16 quadriturbo de 1.200 cv e 153 m·kgf de torque mais parece um reator nuclear pronto para explodir, mas com toda a classe de um lorde inglês. Teto recolhido e estrada à vista, o Veyron pode ser mais calmo de se guiar que o Brabus, ou mesmo o pequeno SLK.

Oficialmente, o conversível mais rápido do mundo.
Preparado para velocidades que nem um Fórmula 1 atinge, a carroceria do WRC Edition foi ajustada, para não dizer modificada, para que a falta do teto não comprometesse o conforto e estabilidade do carro em velocidades acima dos 390 km/h.

Com apenas oito unidades comercializáveis, o WRC Edition deve virar um belo modelo de colecionador. Por uma pequena fortuna (1,99 milhões de euros, equivalente a 5,13 milhões de reais ), este colorido Veyron pode ser comprado e desfrutado em belas autostrade italianas ou nas Autobahnen, as fantásticas autoestradas alemãs onde cada um anda a quanto quer.

Com mais de duas toneladas, o Veyron nunca foi um carro leve, mas a cada versão lançada sua agilidade foi aprimorada. Muitos relatam que mesmo a mais de 400 km/h o Veyron é extremamente estável e passa a segurança de um Golf andando a 70 km/h. A descrição do piloto que levou o carro ao recorde é bem parecida.

Detalhe da soleira da porta para a marca oficial de velocidade

Sabemos que é puro marketing da Volkswagen, a quem a Bugatti pertence desde 1998, ter o carro conversível mais rápido do mundo, mas não deixa de ser uma obra-prima da engenharia, como o próprio Veyron original era e já contamos aqui. Os estudos e recursos usados para que um carro deste tamanho consiga ser rápido e estável deste jeito são dignos de tirar o chapéu, pois retirar o teto de um carro que chega a 400 km/h é bem complicado.

Guiar um destes Bugattis sem o teto e poder curtir o dia e a explosão de força ao toque de um pedal, é um dos momentos que muitos sonham.

Independente de qual for o objetivo, qualquer um destes carros trará alegria para seus ocupantes. Experiências únicas, cada um na sua proporção, e sempre com a vantagem do prazer ao ar livre, sentindo todas as sensações do carro e do ambiente.

Infelizmente andar de conversível por nossas terras é pouco indicado, e também não é fácil achar vias que comportem estes carros. Mas pensando em uma condição que fosse possível andar sem problemas, seriam grandes máquinas para uma boa viagem em um dia ensolarado.

Como falamos, não é preciso de muito para se divertir com um conversível. Um carro bem acertado dispensa grandes potências, mas não quer dizer que potência não seja bem-vinda e tornar a brincadeira ainda mais divertida.  

Nada menos que 408,84 km/h, com o teto recolhido


Fotos: Bugatti, Brabus, Mercedes-Benz, bugatti.blogspot.com

MB

20 comentários :

  1. Sem tanta firula, um bom e velho Karmann-Ghia conversível já alegrava tanta gente!

    Aliás, hoje tem votação sobre ele lá no Jalopnik: http://www.jalopnik.com.br/duelo-do-dia-willys-interlagos-vs-karmann-ghia/

    _____
    42

    ResponderExcluir
  2. 3 Máquinas excelentes e com suas belezas e peculiaridades. O SLK como um carro mais "enxuto" e ágil, o Brabus, um AMG belíssimo porém ainda mais "brabo", e o Veyron, simplesmente uma obra prima da engenharia.

    Uma pena que não haja conversíveis acessíveis por aqui. Um Miata oferece muita diversão com um custo até bem baixo (pelo menos nos EUA).

    Outro que simplesmente adoro (e é o meu favorito), porém infelizmente fora de produção é o Honda S2000, caro de comportamento dinâmico impecável (S2000 é um roadster, mas acho que vem ao caso mencionar), fazia bonito perante a BMW Z3, Boxter e SLK.

    Mendes

    ResponderExcluir
  3. Sempre esqueço de contar aqui, quando lembro não tem a ver com o assunto. Hoje tem.
    Saindo de Uberaba pela BR262, sentido Belo Horizonte, temos um trecho de reta de 12 km meio em subida, até o trevo da MG190 que desce para Sacramento, já dá pra esquentar o motor dos 3 carrinhos aí.

    Agora o melhor:
    Continuando na BR 262, após o citado trevo, começa o ponto mais alto de toda a BR262, inclusive mais que no estado do espirito santo. Pelo menos é o que a placa dizia. Esse ponto mais alto é plano e mede 16 km de extensão, retilíneos, perfeito para recordes. Só acho que a altitude não ajuda. Mais de 1100 metros sem turbina deve faltar ar.
    Nos anos 1980 e começo de 90, quando eu não tinha filhos, nem barriga, nem juizo, achava a final de qualquer carro ali. Na época meu detector de radar se pagava a cada viagem pra Bh.
    Após essa reta, começa a serra passando por Araxá, são 40 km de curvas excelentes, inclinadas pra dentro e com acostamento nivelado com a pista, facilitando a tangente. Quando forem ver os antigos de Araxa, lembrem-se desses trechos.

    Luiz CJ.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio16/04/13 15:32

      Hoje em dia, a reta de 16 km deve ter 32 radares por sentido. Ou vocês acham que a Indústria da Multa iria deixar o trecho passar despercebido?

      Excluir
    2. Minha Autobahn se chama BR381, de Lavras a BH.
      Não tem nenhum radar. Nenhum mesmo. Trecho movimentado, mas há lugares para acelerar, com responsabilidade.

      Excluir
    3. Aléssio Marinho17/04/13 10:31

      A minha é a GO-118 e TO-010.
      900 km de pé embaixo, sem movimento, nem perturbação de qualquer espécie.
      Pena que no trecho goiano os buracos tomaram conta.

      Excluir
  4. A Bugatti está nas mãos da empresa certa,o Veyron é mesmo incrível.

    ResponderExcluir
  5. Estamos relegados ao esquecimento e ao que existe de pior...Nem um único conversível acessível no país, ainda que acessível seja o triplo do que pagam lá fora! O Honda S 2000 que é "prá lá" de ótimo e que atenderia perfeitamente à imensa maioria, sem a estrela ou o hélice para chamar ainda mais a atenção, seria perfeito! Saiu e linha mesmo sem chegar aqui. Ô mercadinho, meu Deus!MAC.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mazda Miata já seria bom.

      Excluir
    2. Ok, o Miata agrada muita gente e tem seu público, embora seus dotes nem de longe chegam aos pés do S 2000, sem dizer que mecanicamente o Honda é uma aula de engenharia. Quanto ao Miata, infelizmente pouca gente cabe dentro de um. Parece ter sido feito para o biotipo japonês. Até 1,70 vc entra no carro. Passou disto esquece.

      Excluir
  6. O 55 é ótimo para a vida real, o SL63 800 é excessivo e te entope de eletrônica para não morrer, e o Bugatti - malgrado a potência industrial - parece bem mais sensato que o Brabus.

    O 55 é caro demais para mim, o SL63 800 é um estupro monetário, e o Bugatti me faz pensar em PIB's.

    E fim de papo!

    MFF

    ResponderExcluir
  7. Já disse e repito, quando toda a humanidade estiver andando em plataformas voadoras e as viagens espaciais puderem ser feitas saindo da garagem de casa, este carro estará num museu com a inscrição "A Pièce de résistance" do fim da era do motor à combustão.

    Épico!

    ResponderExcluir
  8. Nada haver com o tópico


    Bob, hoje na frente do Fórum de Goiânia (Setor Oeste) vi um Uno verde, aparentando ser dos anos 90 (não sou "especialista" em Unos) com os "sacos de lixo (parecia ser G5) nos vidros laterais e traseiros e com o pára-brisa também filmado (aparentando ser G20)e fiquei imaginando em como é dirigir aquela máquina.

    Infelizmente, na hora não me atentei em tirar uma foto, só vindo a me lembrar depois.


    ResponderExcluir
  9. Dos três, o primeiro já está para lá de bom, considerando nas mãos de quem vão cair, ou seja, motoristas comuns endinheirados em sua grande maioria, e para os quais 430 cv já são "estábulo" demais. Sei que detestam quando eu digo isso, mas não vejo sentido em colocar 500, 800, 1000 cavalos em um carro de rua. Mas voltando aos conversíveis: o primeiro seria minha escolha, embora um Mustang 64 "mint condition" já me fizesse tão feliz quanto, he, he!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mustang 64 que carro lindo. Também gostaria de um desses
      Mr. Car o que significa o tremo " mint condiction?
      Abraços

      Excluir
    2. Lorenzo Frigerio17/04/13 11:19

      "Mint condition" significa "estado de zero".

      Excluir
  10. Do ponto de vista mecânico são sensacionais sem dúvida. Pessoalmente sou mais o SLK, remotamente parecido com um carro utilizável no dia a dia. Mas os outros dois? Laranja com preto? Sério? Ou o Brabus, com esta grade gritando tenho mau gosto e quero esfregar que torrei uma grana no carro? Desnecessário, bem desnecessário. Se fosse o caso, pediria o Brabus sem mudar a carroceria, fazendo a linha sleeper (na medida do possível de sleeper, tratando-se de um SL ...).

    De todos, ainda sou mais um Boxster, menos enfeitado e com menos concessões a coisas desnecessárias. Tomaria um pau do SLK, mas deve sobrar um belo troco. Ou, considerando restrições do mundo real, um Miata. Mas aí mexeria na mecânica, porque é divertido, ágil e coisa e tal mas falta potência.

    Joe

    ResponderExcluir
  11. É basicamente um termo usado entre colecionadores para um carro antigo em exelentes condições, como se fosse 0km.

    ResponderExcluir
  12. Então fico imaginando se um roadster conversível com motor de Monza 2.0, tração traseira (usando a plataforma do Chevette talvez) e peso muito reduzido, não conquistaria os autoentusiastas brasileiros.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.