LANCIA KAYAK

Um estilo de agradar a vista. Note as rodas desse modelo estático

Muitos carros desenhados pela casa Bertone ficam apenas na condição de  conceito, carros de sonhos. Talvez o caso mais notável seja o Alfa Romeo Carabo

Alguns chegam às produções de fábricas, e normalmente são espetaculares, como o mais memorável de todos, o Lamborghini Miura, um dos mais clássicos e belos desenhos de todos, ou o Lancia Stratos, inusitado para dizer o mínimo.

Deveria haver uma taxa de aproveitamento maior nos produtos do estúdio, dado os desenhos que aparecem vez ou outra, e essa falta de mais carros de produção aparenta ser resultado de problemas de administração, e não apenas técnicos-automobilísticos. Até mesmo a Porsche encomendou aos italianos um quatro lugares, que foi batizado de Karisma, mas nunca saiu do estágio de conceito. Poderia ser o Panamera hoje.

O Lancia Kayak foi mais um desses carros que apesar das previsões e promessas, não foi produzido em série.

Elegância é uma boa palavra para um carro assim

Este duas-portas foi fabricado a partir de componentes do monobloco e mecânica do Lancia Kappa, que substituiu o Thema. O problema aqui foi a empresa-mãe, a Fiat, que tinha planos para um cupê do modelo Kappa em 1996, e assim, o Kayak estaria no caminho, disputando clientes e fazendo os números de produção da Lancia, sempre pequenos, menores ainda.

Mesmo assim, o programa foi em frente, e em março de 1995 o Kayak foi mostrado em Genebra como modelo estático. Daí para o protótipo funcional, apenas as rodas eram diferentes, já que o chefe e herdeiro do estúdio que seu pai criara, Giuseppe “Nuccio” Bertone não gostou das primeiras. O estranho aqui é que uma roda de desenho exclusivo foi substituída por um modelo da marca Fondmetal, de mercado de acessórios, com um desenho sem a mesma classe do carro como um todo.

O protótipo funcional, com rodas do mercado de acessórios


O Kayak tem quatro lugares e porta-malas de razoável capacidade. A posição de dirigir é muito similar à do Kappa, e a visibilidade, excepcional, com poucos ângulos cegos, já que não há colunas excessivamente largas.

O motor era um cinco-cilindros de 2,4 litros, vinte válvulas, com 175 cv a 6.100 rpm e 23,5 m·kgf a 3.750 rpm. Muito similar ao do Fiat Marea aqui no Brasil. Haveria também a possibilidade de montar o V-6 de 3 litros do Alfa Romeo 164, um motor que dispensa apresentações. Pelo desejo de Nuccio Bertone, o V-6 estaria na medida certa para o Kayak, já que ele idealizara fazer uma versão moderna do Aurelia GT, chassis tipo B20, que utilizava um V-6 de dois litros.

Lancia Aurelia GT (B20)

O protótipo era bem fabricado, apesar de ainda não perfeito como um carro deve ser para venda, em parte devido à necessidade de usar componentes já existentes de outros Lancias de produção. É como uma reforma de uma casa ou mesmo de um carro. Muitas vezes é melhor derrubar e começar do zero, o resultado é melhor.

Um dos problemas comuns de carros feitos dessa forma é o ruído de vento, já que os ajustes finos de guarnições e até mesmo pequenas alterações nos desenhos dessas peças acabam sendo feitos apenas após um bom número de carros ser fabricado na fase de protótipo.

Junto com um ABS do Kappa, o Kayak trazia também o desagradável  sistema de direção com assistência elétrica do grupo Fiat, chamado de Servotronic, um conjunto que pode ser bom pelo fato de não ter uma bomba  hidráulica roubando potência do motor, mas que faz a direção leve demais e sem retorno de informação entre rodas e volante, algo sempre anti-entusiástico, desagradável e hoje em dia cada vez mais comum, atendendo a pedidos da massa compradora.

Mas apesar de ser um carro chamativo, e que não pode ser chamado de forma alguma de feio, Nuccio Bertone acreditava que a dianteira era um pouco volumosa demais, e o balanço dianteiro muito longo, fato notável nas curvas dos para-lamas, nos cantos dianteiros. Poderia ser uma vantagem do ponto de vista de segurança, com um volume de absorção de energia, mas isso só se saberia se o projeto fosse em frente e tivesse que passar pelos testes de impacto normais para homologação.



Apesar do grande chefe não gostar, a dianteira ficou como estava, já que a data do Salão de Genebra em março de 1995 se aproximava,  numa prova de que se faziam carros com “defeitos” e carronalidade com mais frequência antigamente.

Os faróis fixos escondidos atrás da grade preocupavam pela eficiência, mas o problema não se concretizou, e poderia sim ser fabricado em série dessa forma, assim como o notável Alfa Romeo Montreal – também obra de Bertone – que tinha parte dos faróis escondidos por persianas, porém  na horizontal, mas que é até hoje idolatrado como um dos mais belos carros produzidos.

Seria ótimo ter carros assim nas ruas

Haviam detalhes interessantes, como o emblemas integrados às lanternas traseiras e a grade encobrindo os faróis e ocupando toda a largura da dianteira. Por dentro, os bancos estavam num padrão poltrona, muito grandes e aparentemente confortáveis, com as costuras do couro formando um belo desenho, mais moderno do que o padrão daqueles anos. Carros-conceito são mesmo para isso, puxar os padrões para caminhos a serem desbravados.

Emblemas nas lanternas

Interior funcional, com componentes de prateleira

O objetivo do Kayak foi atingido, ao menos na aparência. Um carro com classe e elegância, nada escandaloso nem apelativo. Pena não ter sido produzido e vendido de fato. Apenas dois anos depois, em 1997, Giuseppe “Nuccio” Bertone faleceria aos 83 anos, sem ver uma de suas melhores obras a caminho da produção em série. Não se pode vencer sempre.

JJ


Fotos: favcars.com, netcarshow.com, omniauto.it, noticias.coches.com, lanciastory.pl, Pava, via Wikimedia e ftpmirror.you.org


13 comentários :

  1. Lorenzo Frigerio18/04/13 12:21

    Chupinhadaço do Lincoln Continental Mark VIII, com alguns toques de Lexus SC400, mas certamente inferior a ambos, inclusive na parte mecânica e interior. A grade de Holden também não passa despercebida.

    ResponderExcluir
  2. Gostei! Não conhecia, e assim que vi a primeira foto, pensei tratar-se de um carro americano, notadamente um Lincoln.

    ResponderExcluir
  3. Victor Gomes18/04/13 12:46

    Bonito carro! Mas me fez lembrar vagamente o Lincoln Mark VIII 1993–97

    ResponderExcluir
  4. lindo carro. a Lancia bem que podia ser melhor tratada dentro do grupo Fiat e ter uma linha de topo à altura dos Aurelia e Flaminia de antigamente (o Flaminia cupê é um dos meus carros preferidos de todos os tempos, acho que vale um post a história dos três cupês).

    obrigado, JJ!

    ResponderExcluir
  5. Parece o antigo Peugeot Coupê, também dos anos noventa (1997 creio).

    As rodas nas fotos seguintes são realmente muito feias (para um carro lindo!)

    MFF

    ResponderExcluir
  6. Que desenho maravilhoso! Elegância extrema e bom gosto em todos os detalhes. Com pequenas adaptações seria um carro atual mesmo hoje, quase 20 anos depois.
    Atemporalidade é provavelmente a principal evidência da genialidade no que tange a desenho.

    Agradeço pela oportunidade de conhecer este carro.

    ResponderExcluir
  7. E ai pessoal acompanho o blog ha um tempo e estou começando nos comentários agora ! Achei esse carro muito parecido com o omega australiano...

    ResponderExcluir
  8. Sim parece com o Lincoln, mas acho o desenho desse Lancia bem melhor resolvido. Numa rápida pesquisa não descobri se o Lincoln também foi desenhado por italianos, mas creio que não. E considero que os dois demonstram bem a diferença entre o design dos dois países, sendo o Lancia mais belo e o Lincoln mais rebuscado e imponente. Prefiro o design de Bertone. Pena que não foi fabricado. Seria um para marcar época. Bom eu sou fã do design italiano e dos carros dos anos 90 deste país, principalmente as Alfas e Lancias (e que hoje mantém um design maravilhoso, uma pena não vê-las em nossas ruas).

    Gustavo Soares

    ResponderExcluir
  9. Persianas sobre os faróis, rodas à la Thunderbird, volante à Crown Victoria... Interior misturando marrom, preto e bege claro. Um italiano bem americano, não?

    ResponderExcluir
  10. Para mim um dos melhores desenhos de Bertone e a Alfa GTV

    ResponderExcluir
  11. R. Tedesco18/04/13 21:55

    honestamente, bem esquisito!!!!

    RT

    ResponderExcluir
  12. Lorenzo Frigerio19/04/13 00:02

    Tem mais um carro que foi chupinhado: a BMW 850i. Reparem no vinco da lateral, que some na porta, e o paralama traseiro abaulado.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.