RETRÔS CAPRICHADOS

O Fiat 500 mexicano

O novo Beetle
Ambos nasceram com o mesmo objetiivo, motorizar o povo por meio de baixo preço de aquisição, Fusca e Fiat 500. Mas cs caminhos foram diferentes. O alemão, por iniciativa do governo nacional-socialista, criando uma fábrica e uma cidade para fabricá-lo; o italiano, pela iniciativa privada, por  um fabricante que já contava 37 anos de existência. Seus autores são dois grandes nomes da indústria automobilística, Ferdinand Porsche e Dante Giacosa.

O alemão não tinha nome, só sua descrição em alemão, carro do povo ou, em melhor tradução, carro popular. Sua descrição viraria nome, mas só depois de terminada a Segunda Guerra Mundial na Europa, ainda em 1945, quando a guerra no Pacífico ainda estava a alguns meses de terminar. Seu batismo foi natural, os ingleses que ocuparam a fábrica e reiniciaram sua produção apenas trataram de chamá-lo como os alemães o chamavam, Volkswagen. lembrando que a inicial maiúscula deve-se ao fato de se grafar assim os substantivos em alemão. O italiano tinha marca, evidentemente, e o nome de modelo veio da sua cilindrada de 569 cm³ arredondada para baixo; sua potência era de apenas 13 cv. O alemão, 985 cm³ e 20 cv, mas a produção em 1945 já começou com motor de 1.131 cm³ e 25 cv..

Os dois fabricantes existem até hoje e ambos têm fábrica no Brasil, mas os italianos levariam.23 anos para chegar (1953 x 1976), embora já começassem direto com uma fábrica em Betim, no Estado de Minas Gerais..Os alemães começaram com operação de montagem num galpão alugado em São Paulo e só quatro anos depois inciariam a produção na fábrica construída em São Bernardo do Campo.

As duas fabricantes disputam pescoço a pescoço o mercado brasileiro, mas os italianos têm levado a melhor nos últimos nove anos, embora o modelo mais vendido seja dos alemães, o Gol, e há 24 anos.

No mundo, são as duas únicas fábricas que lançaram modelos retrô de produção em grande série baseados em antigos produtos, embora só a VW tenha partido da primeira geração e, curiosamente, com esta ainda em produção no México - a Fiat partiu da segunda geração do 500 para o seu retrô atual.

Nenhum dos modelos retrô - VW New Beetle e agora o Beetle, e o Fiat 500 - foi produzido no país de origem, mas no México (VW) e Polônia (Fiat). Só o New Beetle teve versão conversível. E só o 500 é fabricado em dois países, Polônia e agora México.

Abaixo, pontos em comum e não dos dois nostálgicos  modelos :

Nascimento: Ambos nasceram nos regimes totalitários de Adolf Hitler e Benito Mussolini, Fusca em 1934 e Cinquecento, em 1936, respectivamente

Configuração, 1ª geração: O alemão, motor longitudinal boxer de quatro cilindros e tração traseiros, arrefecimento por ar, suspensão independente nas quatro rodas e cinco lugares. O italiano, motor longitudinal dianteiro de quatro cilindros em linha e tração traseira, arrefecimento por água, suspensão independente só dianteira e dois lugares.

Configuração, 2ª geração: O alemão, motor transversal de 4 ou 5 cilindros em linha e tração dianteiros, arrefecimento por água, suspensão dianteira independente e traseira por eixo de torção e 4 lugares. O italiano, motor longitudinal de 2 cilindros em linha e tração traseiros, arrefecimento por ar, suspensão independente nas quatro rodas e 4 lugares.

Configuração, 3ª geração: O alemão, motor transversal de 4 ou 5 cilindros em linha e tração dianteiros, arrefecimento por água, suspensão dianteira independente e traseira por eixo de torção ou multibraço (Turbo) e 4 lugares. O italiano, motor transversal de 4 cilindros em linha e tração dianteiros, arrefecimento por água, suspensão dianteira independente e traseira por eixo de torção e 4 lugares.

Construção: O alemão e o italiano, ambos com carroceria e chassi separados na 1ª geração e unitária (monobloco) na 2ª e 3ª gerações.

Período de fabricação: VW, 1ª geração de 1945 a 2003, 2ª geração de 1998 a 2010 e 3ª, a partir de 2011. Fiat, 1ª geração de 1936 a 1955, 2ª geração de 1957 a 1975, 3ª geração a partir de 2007.

Produção: VW, 1ª geração, 23.500.000, 2ª geração 1.100.000.  Fiat, 1ª geração 520.000, 2ª geração 3.400.000, 3ª geração já chegou a 700.000.

Carroceria: VW, 1ª geração sedã 2-portas, 2ª e 3ª gerações sedã 2-portas hatchback. Fiat, 1ª e 2ª gerações sedã duas portas, 3ª geração sedã 2-portas hatchback.

Semelhança visual: VW, nas 3 gerações. Fiat, na 2ª e 3ª gerações.

Comando de válvulas:  VW de 1a geração, comando no bloco, válvulas no cabeçote; 2ª e 3ª gerações, comando e válvulas no cabeçote. Fiat, 1ª geração com comando e válvulas no bloco até 1949, a partir daí com válvulas no cabeçote; o mesmo na 2ª geração; 3ª geração com um ou dois comandos no cabeçote.

Pelas suas respectivas características, esses dois retrôs atuais terão vida longa como a dos seus antecessores.

BS

23 comentários :

  1. Bob,
    O New Beetle também possuiu uma versão limitada a 250 unidades com o famoso motor VR6 e tração nas quatro rodas, denominada RSI.

    ResponderExcluir
  2. César,
    O New Beetle (antigo) ou o Beetle (novo)?

    ResponderExcluir
  3. Olá Bob.

    Recentemente tivemos uma competição de design com o tema do renault 4.
    Então acho que mais alguns carrinhos retrôs virão por ai.
    Veja o link com os resultados e algumas propostas:

    http://www.designboom.com/contest/winner.php?contest_pk=43

    ResponderExcluir
  4. Bob

    O fiat tem a versão cabriolet o 500C nas segundas e terceiras gerações.O fiat teve aianda uma versão perua na segunda geração.

    ResponderExcluir
  5. Uma pena os preços não serem tão populares como antigamente

    ResponderExcluir
  6. Vieram com um propósito de dar transporte ao povo e hoje às grifes kkk

    ResponderExcluir
  7. Interessante que o Fiat 500 passou por todas as configurações de posição de motor e tração: motor dianteiro-tração traseira, motor e tração traseiros e, agora, motor e tração dianteiros.

    ResponderExcluir
  8. Sempre admirei os produtos surgidos com a onda retrô, em especial o trio V-8 americano, Mustang, Camaro, e Challenger. Entre os pequenos, fiquei fascinado pelo 500 assim que o vi ainda em foto, e li sobre ele. Os vindos da Polônia não cabiam no meu bolso (embora pequenininhos, he, he), mas agora, o mais simples (e já muito bem equipado) cabe. Estou numa tentação que vocês não podem imaginar, e logo vou a um concessionário "como quem não quer nada", he, he! Será?

    ResponderExcluir
  9. Alexandre - BH -09/09/11 00:42

    Interessante também é a nossa Kombi: De primeira geração até 1975, 'híbrida' até 1997 (frente e traseira da segunda com parte central da primeira)e só a partir daí assumindo definitivamente a 'roupagem' da segunda geração, com janelas panorâmicas e porta lateral corrediça. Será que vai ter air bags e ABS até 2014 ou se aposenta?

    ResponderExcluir
  10. Bob,
    O New Beetle (antigo).
    Aqui, uma matéria da Road&Track de 2001 sobre: http://www.roadandtrack.com/tests/drives/volkswagen-new-beetle-rsi
    O sexto parágrafo fala sobre motorização e transmissão.

    ResponderExcluir
  11. Osmar Fipi09/09/11 07:02

    É que é menos comum pelo Brasil, mas o Mini também entraria nessa de retrô sucesso de mercado. Mais até que o Beetle revivido...

    Só falta a Citroën soltar um 2CV...

    - Osmar Fipi

    ResponderExcluir
  12. Bob,

    O 500 atual foi baseado na "Nuova 500", lançada em 1957 (e cuja nova versão foi lançada 50 anos depois na Europa) e não no Topolino pré-segunda guerra. Sugiro trocar a foto...

    []´s

    Sérgio

    ResponderExcluir
  13. Haaa, teria o New New Fusca fácil fácil...SFi, 200cv, DSG, cor preta...

    O resto não me enche os olhos, só um pouco o Mini JCW clubman cor a British racing green e teto prata, ai sim !

    ResponderExcluir
  14. Bob
    Apenas para lembrar o FIAT 500 é uma releitura do modelo feito de 1960 em diante e não do FIAT "pulga" dos anos 30/40 como na foto

    ResponderExcluir
  15. Só sei que tenho um 500 polonês e até hoje não entendo como não comprei esse carro antes. Eita carrinho bom!

    ResponderExcluir
  16. Seria interessante se tivesse um Opala, ou um corcel retrô...

    ResponderExcluir
  17. Opala retrô é bacana!

    ResponderExcluir
  18. Bob, você não considera o Fusca alemão dos anos 70, com nova suspensão dianteira e novo painel como a 2a geração?

    A propósito, qual era a versão do Fusca feita no México? A nossa ou a alemã?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aliás, essa versão do Fusca possuia o parabrisas mais a frente, bem como janelas maiores e, não tenho certeza, uma frente mais comprida.

      Excluir
    2. Hareton,

      Sim, os Fuscas mexicanos tiveram uma "atualização" (seguindo a européia) que os nossos não tiveram. Os vidros de todas as janelas são maiores e o capô tem um 'corte' diferenciado na ponta. Para atender a então legislação americana, os pára-choques também tinham suportes amortecidos.

      Salvo engano a suspensão também era melhor que a nossa.

      Leo-RJ

      Excluir
    3. Caro Bob,

      Quando você comenta que, no mundo, estas são as duas únicas fábricas que lançaram modelos 'retrô' de produção em grande escala, você não considera o Mini?

      Abç!

      Leo-RJ

      Excluir
    4. Leo
      O MIINI não é um retrô, mas evolução do primeiro Mini.

      Excluir
    5. Leo
      A suspensão do Fusca mexicano era igual à do nosso. O México não chegou a produzir os 1302/1302S, que tinham suspensão dianteira McPherson e traseira por braço semiarrastado. A diferença, como você bem disse, era a carroceria de vidros maiores surgida na Alemanha em 1965, evolução importante que nuncachegou ao Brasil.

      Excluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.