ENGAVETAMENTO-MONSTRO, TRAGÉDIA EVITÁVEL

Foto: Agêncio O Globo


Não é preciso falar em números, a imprensa já falou bastante a respeito e todos devem ter lido ou assistido os noticiários sobre o grave engavetamento ontem na Rodovia dos Imigrantes, trecho do planalto, sentido norte. O que quero falar é sobre esse tipo de grave acidente.

O motorista brasileiro, em especial o dessa região do País, não é treinado para dirigir na neblina ou, pior, é destreinado por meio das operações-comboio efetuadas pela Polícia Rodoviária. O que tenha eventualmente aprendido tende a ser esquecido e tudo se complica e fica mais arriscado quando ele ou ela se depara com nevoeiro sem a "proteção" do famigerado comboio.

Dirigir no nevoiro é difícil, mas não é pior coisa deste mundo - se via estiver preparada para isso, com sinalização específica como luzes estroboscópicas nas margens que são acesas quando houver neblina, combinadas com indicação da velocidade segura no momento, velocidade essa que é variável segundo as condições de visibilidade. Não é utopia e nem tão caro que uma concessionária de rodovia, como a Ecovias, não possa implantar.

Fábricas e Conselho Nacional de Trânsito precisam entender que luz traseira de neblina não é acessório de luxo, mas um elemento de segurança imprescindível em qualquer veículo, especialmente para o pior nevoeiro que existe, o diurno, como ocorreu ontem.

Motoristas precisam também saber que quando a visibilidade diminui, até mesmo em caso de chuva, deve ligar farol baixo, com o que a luzes traseiras se acendem junto.

Esse tipo de acidente não acontece só aqui, nos países avançados também. Mas lá há uma agravante que não temos no Brasil, neve e gelo, agentes catalisadores de grandes tragédias nas auto-estradas desses países.

O que falei mais acima sobre sinalização variável é particularmente importante para veículos altos como ônibus e caminhões. Como o motorista fica a grande altura do solo, comparativamente aos automóveis, o ângulo entre o que está imediatamente adiante de seus olhos e os fachos do faróis é muito maior do que aquele de um ou uma motorista de automóvel. Esse maior ângulo faz diminuir em muito o reflexo das gotículas d'água do nevoeiro, proporcionando-lhes visibilidade incomparavelmente melhor.


Posição de dirigir mais elevada melhora visibilidade no nevoeiro (maafirm.com)

Por esse motivo, conseguem andar mais rápido no nevoeiro - até encontrar pela frente um automóvel em velocidade menor e na maior parte das vezes não conseguir evitar a colisão. Depois do acidente ficam na faixa de rolamento e aí é só esperar as batidas em sucessão.

Essa questão da melhor visibilidade dos motoristas de caminhão li quando ainda bem jovem numa revista Quatrroruote, matéria que tratava de dirigir no nevoeiro, na qual havia um quadro chamado "Ai camionisti fa meno paura" (dá menos medo aos caminhoneiros), com um desenho explicando o tal ângulo de que falei.

Quando se dirige no nevoeiro não se pode andar mais rápido do que se enxerga adiante. Por exemplo, se estamos andando a 30 km/h, com piso seco, o carro precisará de 12 metros para parar diante de um obstáculo imóvel, sendo os primeiros 6 metros consumidos pelo tempo de reação. Isso um automóvel, imagine-se um caminhão com 40 toneladas de peso bruto total.

Por isso, além de reduzir bastante a velocidade, quanto antes o motorista avistar um veículo ou outro obstáculo adiante, melhor, daí a capital importância da luz traseira de neblina. Se o carro não a tiver, o bom senso manda não arriscar, sendo preferível estacionar num local seguro, bem afastado da pista de rolamento.

Ser o veículo avistado remete a um aspecto que costumo falar neste AE: cor. As cores mais facilmente visíveis são, partindo da melhor, laranja, amarelo, branco e vermelho. Repare no tráfego como seus olhos logo detectam veículos de uma dessas cores, como elas sobressaem.

Nunca vou esquecer uma experiência trágica que tive a esse respeito. Eu trabalhava na Fiat, no escritório comercial na Av. Paulista, em São Paulo, e houve troca de toda frota de 147. A mim coube um azul claro (Tirreno) e a um colega, o Galgani, um amarelo (Canário). Queríamos justamente o contrário e tentamos trocar de carros junto ao setor de transportes em Betim, tendo-nos sido dito não ser possível, mas que entre nós, no escritório, sem problema, e assim fizemos.

Pouco depois o Galgani saiu em viagem de férias ao Sul e na BR-101, proxímo a Florianópolis, chovia e havia algum nevoeiro. Ele ultrapassou uma carreta Scania e logo adiante o nevoeiro apertou. Ele freou mas a carreta não, e perdemos um grande amigo e colega. No escritório nos questionamos se o motorista da carreta não teria avistado mais de longe o 147 amarelo Canário.

Fazia anos que só tinha carro branco ou amarelo, justamente pela questão de serem cores mais visíveis em condições de visibilidade não-ideais.

E finalmente  na questão de visibilidade, o velho assunto: vidros escurecidos. Nem vou falar dos que mandam escurecer o pára-brisa, uma insanidade total, mas com o resto dos vidros com película perde-se mais tempo consultando os espelhos para ver como está o tráfego à retaguarda. Tempo mais do que preciso quando se está dirigindo no nevoeiro.

Espero que as autoridades e concessionárias de rodovias pensem bastante neste trágico acidente de ontem e, principalmente, que cada leitor reflita sobre o que contei neste post.

BS

61 comentários :

  1. O mais triste é que, ao invés de refletirem sobre tantos fatores, é mais fácil culpar genericamente "a neblina". E vamos levando até o próximo acidente...

    ResponderExcluir
  2. Bob, concordo totalmente com seu texto.

    Fora que em muitas dessas situações, nevoeiro, chuva densa, tem sempre o famoso Senna, que se acha imbátivel, e senta o cacete no acelarador, grudando nos carros que estão indo em velocidade segura.

    Confesso que depois de ler o que você fala sobre o insulfilm e fazendo alguns testes práticos, mandei arrancar as películas do meu carro.

    Um grande abraço

    Alvaro

    ResponderExcluir
  3. Se os vidros escurecido são uma praga em dias de sol, imagine transitando em condições tão adversas como esta?
    Deus me livre!

    ResponderExcluir
  4. Aqui na serra do RS neblina é normal, o que eu faço é reduzir a velocidade mantendo distância do veículo da frente, sem perdê-lo de vista.

    Neblina e chuva é um complicador!

    ResponderExcluir
  5. Ontem, ao fazer uma pesquiza nos meus papéis, achei uma apostila de um curso de direção defensiva promovdo pela GM, uma das primeiras frases dessa apostila era: "...não há nada mais idiota do que morrer em acidente de trânsito, se todos seguissem as regras básicas e agissem de forma defensiva os acidentes não aconteceriam."

    Disseram tudo o que tinha que ser dito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa, Eduardo! Muito boa, essa!!

      Guilherme C. Vieira

      Excluir
  6. Olha Bob, ontem , minha mulher subiu menos de uma hora ANTES do acidente e chegou p. da vida pois teve que puxar a fila desde o começo da subida. Os suvs e outras merdas , colaram na traseira e lá ficaram. Ela odeia neblina mas sabe o que fazer se precisar enfrentar. Como ontem. E não tinha uma misera viatura da PR acompanhando o transito. Nem nos túneis dava para arriscar. O carro é vermelho, td funciona e não tem o maldito filme nos vidros. Em compensação, quem vinha atras... TODOS, sem excessão. Gente de farol alto - como é que pode? putz!! literalmente ziguezagueando pela pista. Como ela mesma me disse, talvez a viagem mais assustadora da vida dela. E foram só uns 35 km, perto de Diadema melhorou bem a visibilidade e aí, os brações dispararam... Com relação aos caminhões afirmo eu que, quanto mais modernos são, mais jovens estão no comando. Abusam pra xuxú. Como usuário permanente do trecho, vejo cada barbaridade que cometem que só cassando a CNH, ou só autorizar a condução com no mínimo uns 30 anos de idade, e os bi trens com 40!. Um bruto desses carregado, nem ABS segura rápido, e se estiver vazio, pista molhada, menos ainda e o strike fica inevitável.
    Menos mau que, foi um só pro andar de cima. Boa parte da maioria envolvida na mega panca, estava com os anjos da guarda em regime de plantão de emergência. Vou descer de madrugada para não correr riscos. Com neblina não brinco e sei o que fazer.

    ResponderExcluir
  7. Aléssio Marinho16/09/11 16:48

    Dirigir sob neblina é muito arriscado, mas como o Bob disse, é preciso treino.
    Poucas vezes peguei uma cerração intensa, mas incomparável a esta que contribuiu para ocorrer esse engavetamento, e nesses casos a prudência sempre ordenou tirar o pé e manter o farol aceso.
    Aliás, desde a primeira vez que guiei em rodovia que trafego com os faróis acesos durante o dia, conforme a máxima de ver e ser visto.
    Nunca tive pelicula em meus carros, por achar feio e inseguro, principalmente a noite e sob chuva.
    Quanto reclamarem do sol, moro quase sob a linha do equador, rodo em média 2000 km por mes e o sol não me incomoda, afinal, os vidros possuem proteção para tal, de fábrica.
    O resto é conversa pra boi dormir.
    Concordo com o Bob, a luz traseira de neblina tinha que ser obrigatória, junto com os repetidores laterais de seta.

    ResponderExcluir
  8. Oi Bob, sou o Gabriel, e faz tempo que acompanho aqui o blog. Sobre o engavetamento de ontem, no site do estadao.com.br tem uma foto com os carros amontoados e tem pelo menos dois na foto com película no parabrisa. E agora é moda todo mundo com pelicula no parabrisa e a fiscalização? Eu ando de moto e quando vejo um carro a noite na minha frente zigue-zagueando, é só ultrapassá-lo para ter certeza que o infeliz esta com pelicula no parabrisa, só farol de neblina aceso e lanterna. E reparem todo mundo coloca película e fica andando com os laterais abaixados e depois garantem que conseguem enxergar normalmente.

    ResponderExcluir
  9. O Brasileiro está dirigindo cada dia pior.

    Acelera acelera acelera e depois freia sem dó. E que se dane de quem vem atrás. Se bater a culpa não ee dele mesmo!

    Presencio isso nas mais diversas Rodovias, desde a Castello Branco até a BR-381 - Fernão Dias.

    Não sabe o que é fluxo, manter o fluxo, enfim, princípios básicos são desconhecidos. O negócio é acelerar sem dó até o transito estiver parando, ai freia-se de uma vez. E como foi dito, dane-se o que vêm atrás.

    ResponderExcluir
  10. Conforme noticiado por toda a imprensa, a culpa foi da neblina e da CCR, por não ter feito a operação comboio. O motorista despreparado que não adapta a condução às condições climáticas, que anda acima da velocidade razoável nesta situação, ou que enfia o pé no freio sem motivo, claro, não teve culpa nenhuma no episódio.

    O efeito de tudo isso? A velocidade na Imigrantes deve baixar para 60 km/h e a operação comboio será feita diariamente, mesmo com céu absolutamente azul.

    ResponderExcluir
  11. Diogo, o pior é que as pessoas pensam assim mesmo. Tanto que hoje, com neblina bem fina, estavam fazendo operação comboio... Sem nenhuma necessidade. Vai virar um pesadelo agora, pois qualquer cerração já terá o maldito comboio.
    Que aliás é, para mim, a maior aberração, coisa monstruosa ser tratado como gado e andar em comboio! É coisa para nó cego mesmo.

    ResponderExcluir
  12. Bob,

    Não sabemos exatamente como começou o acidente mas na minha sincera opinião, as pessoas tem a péssima mania de colar na traseira dos da frente e acredito muito que essa foi a causa do tamanho do acidente.

    Quando volto da baixada eu SEMPRE volto pela pista da direita, ali ninguém cola na minha traseira. Tenho ódio f#$%¨disso.

    ResponderExcluir
  13. A Argentina tem solução simples e barata para as rutas deles. Eles pintam no chão o símbolo ^ com um intervalo entre elas, junto vê-se placas com o seguinte indicativo. "Com um ^ 40, com dois ^ 60".

    Vejam a foto da placa
    http://i51.tinypic.com/11hz7k6.jpg

    ResponderExcluir
  14. Faço diariamente o trajeto entre São Paulo x Santos x São Paulo, e pego rotineiramente neblina forte. Concordo com o Bob quando diz que operação comboio deseduca, pois quando ela não está implantada se vê um festival de barbaridades. Lembram daqueles jumentos que andam com a lanterna de neblina ligada com tempo seco e claro? Pois bem, sob neblina muito raramente se vê algum carro com lanterna de neblina ligada, mesmo aqueles que sabemos que têm de série (206/207, Astra, Vectra, Focus e outros). Além disso, é muito comum ver carros "filmadões" com os vidros laterais abertos e os pisca-alertas acionados. Outra coisa comum e extremamente perigosa é o hábito dos inábeis de frear repentinamente o carro quando a neblina desce, o que sempre causa pequenos engavetamentos. O certo seria reduzir gradualmente a velocidade até uma condição segura. Quanto à luz traseira de neblina, certamente deveria ser item obrigatório. Inacreditável constatar que muitos carros vêm só com faróis de neblina na dianteira (por ex. os FIAT), que na minha opinião tem muito pouca utilidade. Servem muito mais como item discutível de "embelezamento". As traseiras são muito mais úteis e têm que ser obrigatórias. E multa para quem usar com tempo aberto!! Sou tão chato neste ponto que desligo a luz quando entro nos túneis, voltando a acionar quando saio.

    ResponderExcluir
  15. Aléssio Marinho16/09/11 17:25

    Perneta,

    É mesmo, boa lembrança. Serve pra medir a intensidade da neblina.
    Simples e barato de implantar.

    ResponderExcluir
  16. Na br-116/sp canso de ver pessoas com a luz traseira de neblina acessa com tempo bom [e na cidade também, no meio do transito!], com farol de neblina ligado de dia, assim como com somente a lanterna ligada no meio de uma tempestade e pior ainda, andando com o pisca-alerta ligado! Pessoas parando na faixa da esquerda da Castelo Branco ou do Rodoanel por causa da chuva.... A culpa desse "mega engarrafamento" foi dos motoristas ignorantes que são formados no Brasil. Não adianta fazer uma aula mais elaborada, um curso eficaz para habilitar motoristas, sempre vai existir o "Jeitinho" pra todos passarem sem saber trocar um pneu furado.

    ResponderExcluir
  17. Bob
    Exatamente. A coisa tá feia e sempre pode piorar mais um pouco.

    ResponderExcluir
  18. O Tiririca errou, pior do que está pode ficar sim.

    ResponderExcluir
  19. Na Alemanha o engavatamento do ano foi devido a uma tempestade de areia: http://www.youtube.com/watch?v=x0IoTpYmIVE - 20 pessoas morreram.

    ResponderExcluir
  20. Todos os vidros do meu carro (incluindo o parabrisa) têm 70% de transparência. Eu não percebo diferença significativa, nem à noite... Não acho que a visibilidade dos outros carros fica prejudicada à noite pois um farol brilhando sempre chama a atenção... Claro que sem película é mais fácil de enxergar, mas a película 70 (ou 75%) não chega a atrapalhar ao ponto de não enxergar alguém por causa dela... Acho que só película 35% pra baixo pra ter esse efeito... Mas aí também já é pedir pra não ver nada...
    Mas é tenso saber que tem gente que não sabe pra que serve luz de neblina, pelo amor de deus... Incluindo aqueles que chamam de "farol de milha"... A lanterna de neblina fornece uma visibilidade ótima para quem vem atrás (durante neblina), eu a ligo sempre que começa a descer uma neblina, ou quando tem chuva forte...

    Sem contar também o grupinho dos que compram carros sem farol de neblina e gastam dinheiro em lâmpadas xenon branco-azuladas, ao invés de gastarem dinheiro num farol de neblina... Esses sim se condenam a não enxergar NADA num nevoeiro pesado.

    ResponderExcluir
  21. Luiz Dranger16/09/11 18:11

    Bob,
    Creio que este acidente é um reflexo direto do Brasil de hoje. Vendem carros como banana, muita gente tirando CNH sem a menor educação, ensino precário desde direção a cidadania e por aí vai. Discutirmos a necessidade de comboios ou não acho bobagem e sim a situação do País no geral.
    Veja que nas estradas para a baixada sempre existiu o problema de neblina, os carros antigos freiavam muito menos menos que os atuais e nada disso acontecia ! É triste onde vamos parar.
    Abração,
    Luiz

    ResponderExcluir
  22. Esse país vive no dilema da UTOPIA REVERSA... TUDO AO CONTRARIO... ao inves de responsabilizar os motoristas... culpam a adm da rodovia... como se fosse ela a culpada pelos BARBEIROS que estao dirigindo... Mas... aqui os certos pagam e os errados estao certos... utopia reversa...

    ResponderExcluir
  23. Nesse tipo de situação o "Puteiro Sobre Rodas" pode facilmente virar "Túmulo Sobre Rodas"...

    ResponderExcluir
  24. Caio Cavalcante16/09/11 18:57

    A insanidade impera. Sob neblina intensa e chuva, já vi caminhão descendo a Serra das Araras pelo acostamento!

    No mais, quanto às películas,as seguradoras poderiam ajudar a combatê-las cobrando adicional de risco de quem resolve escurecer seus vidros. Alguém compra a idéia?

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  25. Bob será que é difil enfiar na cabeça das pessoas que a permeabilidade da pelicula é multiplicada pela permeabilidade do vidro então portanto sempre será menor que o vidro limpo, a policia deveria andar com um luximetro pra fazer teste e reprovar e multar embasado em metodo cientifico
    A aula de optica do segunda grau é frequentada por moscas e bolas de feno pelo que vejo

    ResponderExcluir
  26. Motoristas sem treinamento aqui no Brasil? É piada né?
    Aqui no nosso país existe até aulas para motoristas habilitados. hahaha
    Não preciso dizer mais nada!!

    ResponderExcluir
  27. Assim como o Bruno Toledo eu estou aguardando algum dos nossos blogueiros postarem algo falando deste aumento de IPI. Ao inves de aumentarem as vendas dos nacionais reduzindo o Lucro Brasil das montadoras ou reduzindo os impostos, nosso governo esta salvando o emprego dos trabalhadores mexicanos e argentinos...

    ResponderExcluir
  28. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  29. Alexandre - BH -16/09/11 21:11

    Passou da hora de o CONTRAN exigir luz de neblina traseira, repetidores de seta laterais, limpador/lavador/desembaçador do vidro traseiro. No entanto, falta motorista que saiba usar esses equipamentos, que saiba onde fica o triângulo e como posicioná-lo, que troque as palhetas dos limpadores, que saiba da importância de se calibrar os pneus, que mantenha faróis, lanternas, vidros e retrovisores limpos e em perfeito estado, que saiba usar o extintor (um apenas pode não adiantar nada, mas muitos motoristas usando ao mesmo tempo podem extinguir um incêndio), que saiba usar os freios e reduzir marchas, que evite panes por motivos idiotas (falta de combustível, de água e de óleo), que tenha noções básicas de direção defensiva etc., etc., etc....

    ResponderExcluir
  30. Como já era previsto, o pessoal matou rapidinho o assunto. Óbvio, o problema é educação [period], a película tão falada é consequência.

    Agora, quero ver o post do aumento do IPI para importados!
    No país da Copa de 2014 isto é bobagem... Neguim caga e anda.

    DILMA FDP! TAVA DEMORANDO PRA CAGAR E SENTAR EM CIMA!

    Desculpe-me pelo linguajar chulo, mas não vejo outro modo de me expressar com esta palhaçada acontecendo sob as nossas barbas!!!

    ESTE LOBBY MALDITO, QUE DEIXA OS USINEIROS EM POSIÇÃO DE AMADORES, PREVALECERÁ SEM BARULHO DA IMPRENSA??? "TAQUIPARIU!!!" E A EMISSÁRIA DO CAPETA AINDA POSA DE SALVADORA DA PÁTRIA!!! DESGRAÇADA!

    ResponderExcluir
  31. Como rir é o melhor remédio, vi esse comentário genial no Notícias Automotivas:

    "É o governo enfiando no... do consumidor, dessa vez com direito a mantega!"

    ResponderExcluir
  32. Pedro Navalha16/09/11 23:34

    Luiz Dranger,

    Esqueceu do engavetamento monstro que aconteceu na via Anchieta, altura de Cubatão em 1977??

    Esse aí da Imigrantes não foi nada perto daquele. Morreu gente prá caramba, e os carros envolvidos então, nem dava para reconhecer quais eram.

    Maus motoristas, vias inseguras e automóveis idem sempre existiram, mas pode ter certeza que se fosse naquela época, esse acidente da Imigrantes com certeza teria ceifado muito mais vítimas. A segurança dos veículos aumentou bastante nas últimas décadas.

    ResponderExcluir
  33. Em meus 28 anos de habilitação, e muita estrada, a única situção apavorante de que consigo me lembrar foi jutamente uma neblina das bravas que enfrentei em uma rodovia também no Estado de São Paulo. Não via meio palmo adiante, e tinha que usar mais velocidade do que eu gostaria, pois não dava para andar quase parando, por medo de que algum maluco "voando" no meio daquilo, me pegasse em cheio por trás. Até para sair da pista da esquerda, pegar a da direita, e procurar por um posto (também não ia ser louco de parar no acostamento), era temerário ser colhido, pois não se via absolutamente nada também pelo retrovisor, e sabia o quanto imprudentes continuam "mandando brasa" mesmo nestas condições de visibilidade zero. Creio que foramos 10 ou 15 minutos mais longos de toda minha carreira de motorista. Só conseguia pensar que se algo trágico acontecesse, ao menos minha família não estava comigo no carro.

    ResponderExcluir
  34. Marcelo Junji17/09/11 00:18

    Sob neblina a pista parece estar sêca mas não está.
    Já fui caminhoneiro e sei que a visibilidade(para frente) num caminhão é muito melhor em qualquer situação, mas sei também que a capacidade de frenagem e de fazer curva sob neblina fica prejudicada, e pior ainda se o caminhão estiver vazio e trafegando em piso irregular.
    Estou interessado em um doblo e fiquei abismado ao saber que ele não tem luz traseira de neblina, apesar dele possuir um monte de lâmpadas na frente. A Fiat esqueceu de colocar a lãmpada no local mais importante, também não colocaram regulagem elétrica do facho do farol. Absurdo.

    ResponderExcluir
  35. Costumo pegar neblina intensa pela manhã ao subir a serra na BR 381 do Vale do Aço pra BH, e nunca tive problemas. É uma questão de ser correto e agir em segurança.

    ResponderExcluir
  36. Por falar em regulagem de altura dos faróis, bem que o Bob poderia explicar sobre os critérios para usar o recurso (que sinceramente não sei).

    ResponderExcluir
  37. Cadê os apressadinhos pra comentar nessas horas? Aqueles mesmos que gostam de andar um pouquinho acima do limite pois, dizem eles que o velocímetro marca a mais??

    ResponderExcluir
  38. Anônimo Quatro Patas

    Andar a 128 km/h REAIS numa rodovia de limite 120 km/h, não só é possível, como está dentro da margem legal. Isso em condições de tráfego, clima e visibilidade ideais e mantendo distância segura dos carros à frente.

    Em situações adversas, como chuva torrencial ou neblina, deve-se diminuir a velocidade, redobrar a atenção e manter a bendita distância segura, o que parece que não foi seguido pela maioria dos motoristas envolvidos.

    ResponderExcluir
  39. Pisca
    Não diga bobagem. Não leu o meu post de 7 de setembro sobre as manobras para barrar importações, principalmente da China?
    Sua mensagem foi apagada pela ofensa uma pessoa.

    ResponderExcluir
  40. Clebarson Pertile
    Lembre-se que os vidros esverdeados de todo carro hoje já tem 75%. Se for aplicada película de 70%, a transparência final é 0,75 x 0,70, igual a 52,5%. Farol de neblina é muito bom, mas o acidente foi de dia de nada adianta nesse caso.

    ResponderExcluir
  41. Álvaro
    Parabéns pela sábia decisão de remover o Insulfilm. Voce deve ter tido a sensação de sair das trevas ao dirigir com a transparência dos vidros normais.

    ResponderExcluir
  42. Eduardo Antunes de Oliveira
    Certíssimo esse texto da GM, não há mesmo nada mais idiota, mais inglório do que perder a vida num acidente de trânsito.

    ResponderExcluir
  43. regi nat rock
    Ainda bem que sua esposa soube o que fazer. Que viagem, hein!

    ResponderExcluir
  44. Diogo
    É muito, 60 km/h. É melhor 30 km/h, é mais seguro...

    ResponderExcluir
  45. Corsário Viajante
    Agora é que a fábrica de idiotas vai aumentar a produção. À menor neblina, comboio.

    ResponderExcluir
  46. Vítor
    Começou como começam todos os engavetamentos: um bate por trás do outro e param na pista. Aí começa a sucessão de batidas.

    ResponderExcluir
  47. Anônimo 16/9 19:27
    Lembre-se que exportamos para a Argentina e para o México, que juntos representam 50% das nossas vendas externas.

    ResponderExcluir
  48. Driver 8
    Aplaudo-o de pé pela resposta a o anônimo Quatro Patas.

    ResponderExcluir
  49. Alexandre - BH
    Isso, já passou da hora de o Contran cumprir com sua obrigação referente ao que você comentou.

    ResponderExcluir
  50. Uniblab
    O ajuste dos faróis, de bordo, serve para manter o facho ideal com qualquer carga a bordo. Quanto mais mais carga, mais a traseira afunda e facho vai ficando alto demais. Mas em determinadas condições, como nevoeiro, mesmo com carro vazio, sem bagagem e no máximo 3 ocupantes, convém abaixar o facho para diminuir o reflexo das gotículas, melhorando a visibilidade. Os Fiats têm desde o 147 um ajuste no próprio farol, por dentro abrindo-se o capô, para a finalidade de veículo carregado, mas que também é útil em caso de nevoeiro. O ajuste tem só duas posições, não há o que errar. Mas mesmo numa viagem noturna com tempo seco e boa visibilidade, poder ter-se o facho correto independente de carro vazio ou cheio é fator de segurança. Tinha de ser item obrigatório aqui, como é na União Européia.

    ResponderExcluir
  51. Leister
    Nada disso, Física, conhecimento, interessa. O negócio é o carro ficar "lindão".

    ResponderExcluir
  52. Ofendi msm Bob.

    O ofendido em questão foi o 1º a sair em defesa desse Lobby maldito e asqueroso, que nos fez voltar ao ano de 1990.

    Mera "coincidência" Bob?

    Se encontrá-lo na rua darei uma surra nesse cidadão, p/ aprender a virar homem, pois não passa de um moleque!

    ResponderExcluir
  53. Luiz Evandro Águia17/09/11 12:33

    Amigo Bob, concordo plenamente com tudo que vc comentou sobre este lamentavel acidente,,houve tambem Impercia de motoristas mal preparados , falta de iluminaçao nas laterais da pista,,,,Lembremos que ate nos carros da Formula 1 ,nas corridas com chuva,, é obrigatorio o acionamneto daquele farolete , piscando atras de cada Formula.. .. No nosso automobilismo me recordo das 24 Horas de 1966,,,havia uma Serraçao muito forte a noite inteira,,Os carros ficarem divididos em tres pelotões, ,da Ponta com os Simcas de fabrica.. Do meio,,- aonde eu me encontrava com Renault 1093 da Torke- e os carros da willys liderados pelo Emerson, e o pelotao dos quase parados ,, que encostavam deixando os mais rapidos passarem,, abs Águia from Floripa.

    ResponderExcluir
  54. Pisca

    Se servir como consolo, fiquei feliz de ver a Globo, geralmente santuário PIG ("Petralhas da Imprensa Governista") informando sobre a insanidade da medida (AQUI e AQUI)...

    ResponderExcluir
  55. Engraçado foi ver, nesse segundo vídeo postado pelo Uniblab, a repórter e o vendedor da marca nacional falando em "concorrência desleal dos importados"... na verdade, a única concorrência desleal é esse governo corrupto protegendo as ineficientes e atrasadas marcas nacionais, em vez de deixar que a livre competição trouxesse os avanços tecnólogicos para as carroças nacionais. O consumidor não é obrigado a escolher um produto pior por pena da "pobre" indústria nacional. É ela quem tem que se mexer para oferecer ao consumidor o produto que ele procura e não, em lugar disso, sair correndo para pedir ajuda suja ao governo. Palhaçada.

    ResponderExcluir
  56. Anônimo 19:47

    E o discurso do Mantega Derretida de que "o Brasil experimenta um aumento espetacular no consumo de automóveis e esse consumo vem sendo suprido por importações..." e logo depois o Sardenberg mostra o gráfico com metade das importações vindo da Argentina e México - protegidos pela pilantragem...

    Até quando a classe "mérdia" vai tolerar esse governo mentiroso, mafioso e corruPTo?

    ResponderExcluir
  57. Uniblab, isso mesmo, o Mantega Derretida quer "proteger" os empregos no Brasil punindo 6% das importações (os coreanos e chineses) e fechando os olhos para os mais de 70% de veículos que essas mesmas marcas supostamente nacionais trazem do Mercosul e do México! Picaretagem pura desse governo mafioso e ladrão.

    ResponderExcluir
  58. Fácil falar, fazer previsões depois que aconteceu..

    ResponderExcluir
  59. pao com Mantega18/09/11 22:00

    Unilab, va procurar um blog sobre governo... ou crie o seu, é gratuito!!!

    ResponderExcluir
  60. Ainda cabe lembrar mais um hábito idiota do brasileiro:
    ao bater, não retira / encosta o carro da rua / pista em direção ao acostamento, mas sim deixa o carro no meio da rua - muitas vezes sem nem o pisca ligado - para poder discutir e brigar à vontade, ou mesmo esperar o guincho. Resultado: engavetamentos, acidentes ou, no mínimo, trânsito.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.