VAI DEMORAR MAIS QUANTO TEMPO?

Será que um dia alguém vai perceber que caminhão não foi feito para correr em autódromo de carro?

Ontem na etapa de Interlagos, um acidente no S do Senna poderia ter tido consequências muito mais sérias. Dois caminhões se enroscaram na freada no fim da reta, o mais de trás não conseguiu frear o suficiente e bateu na traseira do concorrente, subindo pelo para-lamas traseiro e literalmente passando por cima do outro, mais ou menos como o acidente de Webber na F-1 dias atrás.

A cabine do caminhão foi arrancada e voou longe, enquanto o outro caminhão capotou a bateu na proteção de pneus, quase passando por cima dela. Por muito pouco não houve um acidente muito mais grave, pois o muro e o alambrado não suportariam o impacto e o caminhão iria atingir muitas pessoas que estavam do outro lado.

Será que a hipocrisia um dia vai parar? Falam tanto de segurança, mudam regulamentos, acabam com categorias inteiras, mas ainda acham lindo ver um monte de caminhão que foi feito para puxar carga correr em autódromo que é dimensionado para corridas de motos e de automóveis. Não foi a primeira vez, e não será a última. Muitos acidentes na Truck resultam em muros quebrados, que ainda por sorte não tiveram consequências piores.

Como o público é um dos maiores (leia-se pagantes ou dinheiro no caixa), se não o maior do país, é tudo lindo e maravilhoso, e o acidente é "parte da corrida". Minha opinião ainda é a mesma, se quiserem correr de caminhão, que corram e assumam os riscos, mas façam novos autódromos adequados para tal, e parem de destruir os poucos que temos e colocar em risco o público e as pessoas que trabalham no evento, como os bandeirinhas que estão protegidos apenas por uma barreira de pneus e um guard-rail para segurar toneladas de aço sem freio.

MB

78 comentários :

  1. Não vejo problemas em corridas com caminhões,aliás está demorando criar uma categoria com tratores também,pra mim é a categoria mais interessante do automobilismo nacional ultimamente,é fascinante ver máquinas criadas originalmente para trabalho competindo como se fossem automóveis,até porque por terem suspensões ditas "arcaicas" sem frescuras eletrônicas tornam as coisas muito mais interessantes...

    Acidentes acontecem,fazem parte do espetáculo,se não fosse os acidentes,o risco, que seria do automobilismo,afinal de contas...

    ResponderExcluir
  2. Anônimo, acidentes acontecem, mas não se pode ignorar o fato da maior massa dos caminhões e dos autódromos não estarem de acordo.

    O pior é que os organizadores sabem disso, pois colocam radares (!!!) para controlar a velocidade máxima a 160km/h. Outro absurdo, nunca vi corrida com radar. A inovação para o ano que vem vai ser o que? Semáforo ou pedágio na reta?

    ResponderExcluir
  3. Legal estes comentàrios. Sou da época que homem dançava com mulher, viado, era viado mesmo, (agora é trans)
    pedia-se por favor, dava lugar pra sentar às senhoras no bonde quando ia prà escola, nao tomava droga nenhuma a nao ser umas biritas, dava amasso nas garotas dos bailinhos da turma e jà gostava de corridas de automoveis. Acampava-se em Interlagos para assistir a Mil Milhas.
    Hoje meus querido podem se conformar pois estao vivendo em um mundo de merda e o pior é que sabem disto e nao fazem nada.
    Alvaro Fonseca
    Sao Paulo

    ResponderExcluir
  4. Porque nao correr com cortador de grama ?
    Paulo

    ResponderExcluir
  5. Correr em Interlagos de caminhão é um crime contra o patrimônio público que pagou caríssimo pela reforma do asfalto para que acabassem com os "bumpers" que tanto eram alvo de reclamações do pilotos, principalmente a Fórmula 1.

    Porque é crime? Simples, o asfalto não foi dimensionado para receber o peso desses monstrengos.

    Qualquer um percebe os dados que veículos pesados causam ao asfalto nas nossas ruas e no autódromo a coisa não é diferente.

    Fim as corridas de caminhão em Interlagos.

    ResponderExcluir
  6. Sou fã dos camimhões e da fórmula truck, mas concordo que a estrutura do "caminhódromo" deveria ser diferente da de um autódromo! Como sou pernambucano assisto as corridas da truck no autódromo de Caruaru, onde não segurança nenhuma, é um absurdo!

    ResponderExcluir
  7. Formula Truck é uma aberração!

    ResponderExcluir
  8. A Fórmula Truck, em que pese esse acidente, segue dando exemplo ao automobilismo brasileiro por ser a única categoria realmente multimarca do Brasil. E talvez esse seja um dos motivos de sempre estar com autódromo lotado.
    E, claro, que ninguém chie com corrida de caminhão, até porque existe na Europa o FIA European Truck Racing Championship, que corre, entre outros autódromos, em Nürburgring, Le Mans e Jarama. Com certeza esses autódromos também não tinham como previsão original a de serem percorridos por brutos em alta velocidade. Aliás, a corrida de caminhão como categoria organizada vem da Europa e foi inaugurada em 1985. Que se lembrem também que antes da Fórmula Truck brasileira, tivemos uma corrida de exibição em 1996 com caminhões europeus.

    ResponderExcluir
  9. Numa das etapas de Fortaleza uma roda dianteira se desprendeu e foi parar depois de atravessar uma parede de tijolos! Por sorte numa área sem espectadores ou fiscais.

    Aqui em Tarumã a segurança na
    curva do tala-larga é uma cerca de arame e um barranquinho pra parar um monstro desses vindo embalado ladeira abaixo a menos de 20m do público.

    E o Bruno Junqueira saiu inteiro por pura sorte, idem para o público da arquibancada que ficou "na linha de tiro".

    Quanto aos caminhões estragarem o asfalto, tenho minhas dúvidas, um F1 em curva com aquele downforce todo deve ser muito mais agressivo ao piso, os caminhões usam pneus radiais de rua que desgarram muito antes.

    ResponderExcluir
  10. Ao anônimo das 8h09, lembro que existe sim corrida de trator no Brasil. Maripá (PR) é a capital brasileira da categoria, realizando o Arrancadão de Tratores no Tratoródromo.
    Para quem sente saudade dos tempos de Força Livre, a única restrição maior é a de que todos os motores devem ser a diesel e de quatro cilindros. Fora isso, a preparação é completamente livre.

    ResponderExcluir
  11. Concordo plenamente!

    Corrida de caminhão é algo que vai contra a racionalidade. Radar com velocidade máxima na reta, parece piada...

    Uma idiotice sem tamanho.

    ResponderExcluir
  12. Uma vez assisti a uma corrida e num acidente com varios caminhões e levou um tempo enorme pra retirarem os pilotos, por sorte não houve fogo, ficou claro que é bem mais perigoso que corrida de veiculos mais normais.
    A primeira vez que vi esse radar achei o maior absurdo...radar nos boxes até entendo, mas na reta é pra evitar maiores problemas, mas que é ridiculo, ha isso é, o autodromo tem que ser projetado para esses monstros, assim é gambiarra.

    ResponderExcluir
  13. Arnaldo Keller26/07/10 11:05

    A Fórmula Truck, que de "fórmula" não tem nada, é a única categoria verdadeiramente multimarcas que temos aqui. É a única em que as fábricas investem.
    É nisso onde viemos parar.

    ResponderExcluir
  14. Arnaldo Keller26/07/10 11:06

    A Fórmula Truck, que de "fórmula" não tem nada, é a única categoria verdadeiramente multimarcas que temos aqui. É a única em que as fábricas investem.
    É nisso onde viemos parar.

    ResponderExcluir
  15. Um F-truck pesa 5ton, cerca de 7 vezes mais que um Stock, sua capacidade de frenagem é também muito inferior, fossem os organizadores mais sérios, não esperariam consequências piores do que esta, para providenciar arranjos apropriados e autódromos que pudessem receber a categoria.
    Gosto de ver F-Truck, o barulho é ao mesmo tempo sensacional e ensurdecedor, merece mais cuidados com segurança.

    CZ

    ResponderExcluir
  16. Miltão,

    Você é muito radical.

    O que fala não tem sentido.

    Se não pode correr no autódromo seja de rolimã ou caminhão, pra que ele serve então? Show Evangélico?

    Um abraço

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  17. E a poluição destes caminhões, em tempos de inspeção e aquecimento global, deveriam acabar imediatamente com esta categoria.

    ResponderExcluir
  18. Carlos Eduardo26/07/10 12:35

    Autódromo é feito para correr, não importa se é moto, carro ou caminhão.

    Sou fã da Formula Truck desde que começou no Brasil nos anos 90.

    ResponderExcluir
  19. Carlos Eduardo26/07/10 12:38

    Outra observação, quem fala sobre a poluição dos caminhões da formula truck está até parecendo um ecochato.

    ResponderExcluir
  20. Sobre poluição em autódromos, seja gasosa ou sonora, basta estipular nas regras da competição que não se pode emitir fumaça preta ou mais do que um determinado número de decibéis. É isso que se faz em qualquer categoria no mundo e é algo que sossegadamente se pode fazer na Fórmula Truck.

    ResponderExcluir
  21. F-Truck é a unica categoria multimarcas, como ja foi dito anteriormente e está é a graça, caminhões diferentes correndos, não bolhas iguais como na stockcar.

    @RenanBeer666

    ResponderExcluir
  22. Carlos, autódromo é feito para se correr com veículos adequados a ele.

    Não se corre de jetski em piscina, certo?

    abs,

    ResponderExcluir
  23. Uhum!!! Claro, então vias públicas, estradas secundárias, tanto rurais ou citadinas, não são adequadas para competições de Rally ( seja qual a modalidade específica Regularidade, velocidade,em terra ou asfalto ) E ainda sim são disputadas!

    Por isso acredito ser a categoria mais espetacular existente!

    Valeu amigos!

    ResponderExcluir
  24. Vamos lá,

    Milton, desta vez você radicalizou, por acaso você fez parte em alguma gestão da CBA na década de 90?
    Tudo bem que a F Truck é de inspiração e marketing americano, mas é uma categoria que traz público.
    Essa história de correr por amor e esporte acabou faz tempo, ainda quando o Emerson e o Wilson Fittipaldi começaram a correr.
    Em que categoria vemos "pegas", ultrapassagens e pilotos com "sangue nos olhos"?
    As categorias "bolhas" estão num mesmo patamar da F1, só que são praticamente uma monomarca, já que as equipes nem podem mexer no motor, e isso tira a graça da coisa.
    A GT3 Brasil resolveu juntar com a copa Maserati e agora temos mais de 40 carros no grid com diferenças extremas de desempenho, a ponto de causar alguns acidentes, da mesma forma que alguns pilotos de equipes grandes que se enroscam com carros de equipes pequenas.
    A organização da Truck vive espalhando que ajuda na manutenção das pistas e agora só falta o Velopark não ter sido dimensionado para a categoria também.
    A Truck é um dos únicos campeonatos realmente populares do automobilismo nacional, e tirá-lo de São Paulo seria um tiro no pé.
    E se segurança fosse prioridade na CBA, o piloto Rafael Sperafico da Stock Light não teria ido dessa para melhor.
    E na Truck só ocorreu um ou outra fratura em acidentes muito graves que ocorreram na categoria, dois deles protagonizados pelo ex-piloto da categoria Vinícius Ramirez, mestre supremo da falta de esportividade.
    Se a cabine não tivesse se descolado, o piloto Diumar Bueno não estaria dando entrevista enquanto o piloto Bruno Junqueira era socorrido, praticamente ileso dentro da "gaiola" de proteção. E os caminhões não viraram bolas de fogo, apesar do vazamento de fluidos.
    Prejudicar uma categoria só porque o poder público não fez uma dimensão correta da pista mesmo prevendo esse tipo de corrida, é demais. Merecemos ficar assitindo Le Mans e DTM só pela TV a cabo mesmo...

    ResponderExcluir
  25. Anônimo, é uma situação diferente. O autódromo é um lugar fechado, com muros e alambrados de proteção que é sabido que vão receber impactos. Mas os muros não foram pensados em impactos de caminhões, e logo atrás deles estão as arquibancadas lotadas.

    ResponderExcluir
  26. 1k2, meu gosto ou desgosto pela categoria não é a questão. A questão é que o acidente poderia ter sido muito mais grave com o caminhão indo direto na arquibanca, e por causa do autódromo não ser preparado para isso.

    Para mim é um verdadeiro milagre não ter acontecido algo mais grave até hoje na Truck, pois muros que foram simplesmente esmagadas e transpassados não foram poucos.

    E na minha opinião não deveria haver público se o local não é adequado. Isto é negligência.

    Eu acho que segurança deveria ser prioridade da CBA, mas como é preciso morrer uns 2 ou 3 pilotos pra fazerem alguma coisa, não é de se esperar muito dos organizadores. Acidentes vão continuar acontecendo, isso é fato, o problema é exatamente o ponto do Bob Sharp no post sobre o atropelamento, é dar chance pro azar.

    ResponderExcluir
  27. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  28. Vamos lá,

    Milton, desta vez você radicalizou, por acaso você fez parte em alguma gestão da CBA na década de 90?
    Tudo bem que a F Truck é de inspiração e marketing americano, mas é uma categoria que traz público para o automobilismo nacional, que praticamente "morreu" junto com o Senna.
    Essa história de correr por amor e esporte acabou faz tempo, ainda na época de quando o Emerson e o Wilson Fittipaldi começaram a correr.
    Em que categoria vemos "pegas", ultrapassagens e pilotos com "sangue nos olhos" disputando posições em vez de ficar cedendo posição só porque a equipe mandou?
    As categorias "bolhas" estão num mesmo patamar da F1, só que são praticamente uma monomarca, já que as equipes nem podem mexer no motor, e isso tira a graça da coisa.
    A GT3 Brasil resolveu juntar com a copa Maserati e agora temos mais de 40 carros no grid com diferenças extremas de desempenho, a ponto de causar alguns acidentes, da mesma forma que alguns pilotos de equipes grandes que se enroscam com carros de equipes pequenas como o acidente do Weber, por exemplo, devido às diferenças de velocidades e pontos de frenagens em curvas totalmente díspares entre os carros de ponta e os retardatários.
    A organização da Truck vive espalhando que ajuda na manutenção das pistas e agora só falta o Velopark não ter sido dimensionado para a categoria também. Nesse caso, teriam que fazer uma consultoria sobre o redimensionamento da pista, e quem sabe concretá-la para que suportasse a maior massa dos veículos.
    A Truck é um dos únicos campeonatos realmente populares do automobilismo nacional, e tirá-lo de São Paulo seria um tiro no pé, se bem que para a CBA a prioridade é tornar a Stock mais chata o quanto puder e fechar as categorias menores.
    E se segurança fosse prioridade na entidade, o piloto Rafael Sperafico da Stock Light não teria ido dessa para melhor.
    E na Truck só ocorreu um ou outra fratura em acidentes muito graves que ocorreram na categoria, dois deles protagonizados pelo ex-piloto da categoria Vinícius Ramirez, mestre supremo da falta de esportividade.
    Se a cabine não tivesse se descolado, o piloto Diumar Bueno não estaria dando entrevista enquanto o piloto Bruno Junqueira era socorrido, praticamente ileso dentro da "gaiola" de proteção. E os caminhões não viraram bolas de fogo, apesar do vazamento de fluidos.
    Prejudicar uma categoria só porque o poder público não fez uma dimensão correta da pista mesmo prevendo esse tipo de corrida, é demais.
    Já que estão pedindo a exclusão da Truck nos autódromos, sugiro à Truck a construção de autódromos próprios e e criação de uma entidade própria, assim não teremos mais histéricos achando que "caminhão é para carregar carga". Se isso for a verdade suprema, então que se extingua a Fórmula Montana também, já que é uma picape leve e também "só serve para carregar carga". Lembre que a categoria começou com S10, Ranger e Dakotas envenenadas, e cada uma pesava duas toneladas, e até o jipe Marruá participou em dois anos. Se depender da CBA, só ficaremos assitindo Le Mans e DTM só pela TV a cabo mesmo, e mesmo assim no pacote mais caro...

    ResponderExcluir
  29. 1k2, apenas sobre seu comentário da GT3, a diferença de desempenho entre os carros não é um problema, em Le Mans é assim desde sempre, e se acontecer algum acidente por causa disso, é entre os pilotos, que estão sempre cientes do risco desde o momento que entram no carro. O que não pode é o risco passar para o público por culpa dos organizadores.

    ResponderExcluir
  30. Desculpe repetir o comentário, o formulário deu pau, estava editando quando foi publicado. Eu fico mais preocupado com a categoria turismo (Stock inclusive), pois quando capotam, podem ultrapassar o alambrado. Na verdade, quem ganha em segurança é o pessoal da Indy, mas mesmo assim após alguns acidentes graves, tanto nos carros como nas pistas. Muros de absorção de choques, alambrados altos e outros recursos evitam que o público seja atingido por destroços. O problema é o "cash"...

    ResponderExcluir
  31. 1k2, uma correção a ser feita: a Fórmula Truck não é inspirada em competição americana, mas europeia (FIA European Truck Racing Championship), categoria que, por sinal, corre em autódromos como Nürburgring, Le Mans e Jarama.

    ResponderExcluir
  32. Caro Anônimo,

    Se o Aurélio Batista Félix se inspirou em uma fórmula européia, o marketing e o espetáculo são de inspiração nitidamente americana mesmo, com todas as breguiçes inerentes do estilo. Uma das "inovações" foi um daqueles helicópteros de contínuo liderando a volta de apresentação em uma cidade nordestina. Coisa típica de americano, como na Indy em que tem até parada militar, com direito a exibição de jatos da força aérea, enquanto na Europa é no máximo outra categoria inferior correndo, o warm-up, a volta da apresentação e a largada. E só...

    ResponderExcluir
  33. Querendo ou não, se tem público com certeza vai continuar existindo.

    ResponderExcluir
  34. Basta ver que na primeira corrida da Truck (Cascavel) morreu um piloto!!!! Ficaram uns 2 anos sem correr depois retornaram.
    Em Londrina em um treino um Volks vinha pela reta e no final a toda velocidade (era treino fechado, não tinha radar) o caminhão não fez a curva, bateu no quarda rail subio, "podou" a copa de algumas arvores, o cambio do caminhão foi cair na calçada da avenida em frente ao autodromo, pedaços menores arrebentaram fios de telefones no canteiro central. Quanto ao publico se tirar os convidados (aqueles que ganham camiseta e ingressos) quantos sobram????

    ResponderExcluir
  35. Como sempre no Brasil o dinheiro fala mais alto que a segurança. Apartir do momento que alguem morrer ou ficar paralítico, ai sim começaram a levantar as perguntas, por que ninguem falou antes ? por que ninguem fez um inquerito ? cade o relatório do camarada proibindo estes veículos de andar nestas pistas.
    Pode existir campeonatos assim nas principais pistas do mundo, mas acredito que fizeram um levantamento para liberar ou não estes veículos de andar.

    ResponderExcluir
  36. Pra ficar legal, corrida de caminhão tinha que ser aberta a betoneiras e caminhões da limpeza pública. Pensando bem, aqueles caminhões de feira carregados de abacaxi também acrescentariam um sabor especial.

    ResponderExcluir
  37. Invejinha ... enquanto as tradicionais provas de turismo estão mortas e fedendo , pois esqueceram de enterrar, a Truck consegue ser uma categoria realmente multimarca e com público, não é uma simples lavanderia de dinheiro como a maioria das outras categorias nacionais.

    Viva a Ftruck!

    ResponderExcluir
  38. Eu assistia, e pude analisar o acidente :

    O caminhão do Bruno foi batido por trás no fim da reta,segundo ele por outra competidora

    Com o impulso extra, subiu no outro caminhão envolvido no acidente e decolou,

    O Ford do Bruno, segundo narrador com 4.000 kg`s, atingiu em cheio a parte SUPERIOR do alambrado de Interlagos, no " Muro do Berger "

    Fiquei pasmo de ver que além dos postes e cabos de aço do alambrado aguentarem o caminhão de 4 toneladas acertá-lo voando, justo com o eixo trazeiro, ainda não estourou nenhum poste e nenhum fio, deformaram e voltaram .

    Queria parabenizar a empresa que realizou o trabalho no muro/alambrado do Autódromo. Está totalmente apto a novos " Bergers " e " Andrettis "

    ResponderExcluir
  39. (pq não postaram no twitter esse post)
    Uns podem achar radical, outros exagerado... Mas segurança nunca é demais!
    A preocupação do autor é legítima e está fundamentada! Vou explicar!
    Caminhões que por mais aliviados que sejam pesam 5 toneladas com 2m de altura são completamente diferentes dos carros em sua essência construtiva.

    Se os autódromos volta e meia deixam um pedaço de carro ou roda atingir os expectadores, quase sempre com consequências trágicas, no caso dos caminhões tudo é exponencialmente mais perigoso! Qualquer peça de caminhão como um conjunto pneu/roda/freio/cubo que se solte é 10x mais pesada e muito maior q seus pares nos carros

    Compartilho da preocupação do autor uma vez que os caminhões são divididos em duas partes. Chassis que abriga a parte mecânica e cabine que abriga os ocupantes, piloto no caso. Para aumentar o conforto e melhorar o rendimento dos trabalhadores, motoristas no caso, os caminhões mais modernos possuem articulações entre a cabine e chassis com amortecimento.

    Em caso de batida ou acidente grave acontece o q vimos na F-Truck, a cabine pode se desprender do chassis. Embora o piloto esteja relativamente seguro dentro da célula de sobrevivência, em virtude da baixa altura dos muros de proteção e suas respectivas barreiras de pneus, pode sim vir a acontecer do chassis ser amortecido e a cabine continuar se projetando Deus sabe pra onde...

    Com alambrados que não foram construídos para veículos tão pesados (como o asfalto); pode sim acontecer uma tragédia q radar nenhum vai impedir. Convenhamos que 5 toneladas de aço se movendo a 160 km/h é uma poderosa força potencialmente destrutiva.

    Proibir seria a melhor opção? Não sei... Arnado lembrou bem que é a única competição a motor multi-marcas do Brasil; Mas deveriam ser feitos mais testes de segurança com crash tests, dummies com sensores, etc! E que as ligações físicas cabine/chassis deveriam ser reforçadas, não resta dúvidas.

    Mas isso resolve? Não mesmo; segurança total não existe em nenhuma competição a motor seja dentro ou fora das pistas. Sempre vai haver a possibilidade de acidentes com vítimas. Cabe as pessoas que querem o esporte cada vez mais sadio investirem em segurança. Vão faze-lo? Tomara que sim porque temos excelentes engenheiros e designers automotivos, resta a vontade de fazer bem feito tanto da organização quanto da CBA q regulamenta a competição.

    ResponderExcluir
  40. Desculpem, mas a dor de cotovelo dos fãs de fórmulas está ridícula. A ÚNICA categoria que sobrevive decentemente nesse país é a Truck. É a única que enche os autódromos sem lotar 90% das arquibancadas com convidados de patrocinadores como faz a Estoque Car. Algum desses detratores já foi ao autódromo VER ao vivo uma corrida de Truck? Aposto que não. Não fui nos últimos dois anos por não poder levar a filhota de quase 2 anos, mas quando ela tiver a idade mínima para entrar em Interlagos (acho que 4 anos) ela irá. Gosto de ficar junto à Curva do Café, onde os caminhões passam de motor cheio, esticando as marchas. Lá onde ficam os caminhoneiros anônimos do país, cada um torcendo para a marca do caminhão que dirige, com um piloto da região ou do estado em que nasceu. É o local mais respeitoso que já ví. Uma vez eu estava lá com minha esposa, tinha uns 6 caminhoneiros à minha direita, uns moleques de cerca de 18, 20 anos dois degraus abaixo e mais lá embaixo, próximo à grade, onde estava mais vazio, tinha duas jovens bonitas de seus 18 anos també, andando. Eles começaram a fazer brincadeiras do naipe daquelas de peão de obra, os caminhoneiros deram uma bronca neles que eles ate mudaram de lugar e ficaram quietinhos.
    Quanto à segurança, desculpe aterrorizar as crianças felizes, mas automobilismo é um esporte perigoso. Quem quiser segurança, vá acompanhar partidas de xadrez.

    ResponderExcluir
  41. Olha o vídeo do ponto de vista de quem ficou exposto na arquibancada, acho que dispensa maiores comentários:

    http://www.youtube.com/watch?v=R7QBAZCVfGw

    ResponderExcluir
  42. Concordo integralmente com o Ítalo.

    Dor de cotovelo dos fãs de formula e turismo. Os muros seguraram a panca, o que mais o dileto autor do tópico quer?

    ResponderExcluir
  43. Vídeo sinistro!
    Espero q melhorem a segurança...

    ResponderExcluir
  44. Três considerações que tenho a fazer:

    1) Q=m*v, para o caminhão 160*4000 para a F1 320*800, mais o fator de segurança de um muro, creio que por isso que ele tenha aguentado e sido projetado para isso;

    2) Célula de sobrevivência: por isso que a cabine soltou do chassis. O que tem a massa menor? qual impacto mais fácil de conter? Até os F1 tem célula de sobrevivência.

    3) Os caminhões de F-truck possuem um projeto completamente diferente de um caminhão normal. São caminhões apenas na concepção.

    Sds,

    Cristiano Zank

    ResponderExcluir
  45. Se caminhão ou truck é para carregar carga e não deve correr, então automóvel e moto tambem não devem correr, pois foram feitos para transportar gente. Logo so sobra kart e formula que realmente foram feitos para correr.
    Pelas estatisticas de acidente com vitimas, por enquanto a moderna e querida stock car com toda sua "tecnologia e segurança" esta ganhado de longe da Formula Truck, inclusive no quesito "mortes" ou a turma já se esqueceu dos fatos mais recentes como daquele fotografo atropelado e morto lá no norte e do lamentável episódio aqui em Interlagos ...

    ResponderExcluir
  46. A Truck usa um radar para reduzir a velocidade, outras categorias usam chicanes.

    Nesse fim de semana durante os treinos livres na F1 o Sutil acertou o muro, uma roda se soltou e por pouco o Di Grassi não foi atingido. Mais quantas rodas serão necessárias?

    ResponderExcluir
  47. Como o Cristiano disse, os caminhões da Fórmula Truck têm sim projeto especial. Usam um monte de peças de série, mas tudo em contexto específico de competição:

    1) A cabine é rebaixada no chassi, de maneira a baixar o centro de gravidade;

    2) Em caso de acidente, como o de Interlagos, a cabine é mesmo feita para se destacar do chassi, sendo célula de sobrevivência. Fora que um chassi sem a cabine fica com o centro de gravidade ainda mais rebaixado, o que previne maiores voos da parte realmente pesada. Deu para ver isso bem no acidente;

    3) O tanque é montado no centro do chassi, evitando assim incêndios causados por colisões laterais;

    4) As laterais têm defensas, evitando que um caminhão possa se prender nas rodas do outro;

    5) O eixo dianteiro é de ônibus, mais rebaixado e jogando ainda mais para baixo o centro de gravidade.

    Portanto, que os brasileiros reconheçam que temos uma categoria no nível da FIA European Truck Championship. E parabéns aos engenheiros brasileiros que desenvolveram os caminhões, pois dá para ver que eles suportam muito bem batidas bem mais pesadas que as de monopostos. O acidente foi feio, mas ali foi a prova de que dá sim para ter uma corrida segura com algo a princípio perigoso.
    O que fazer para ter outras multimarcas tão estruturadas quanto a Fórmula Truck? Bom, quem sabe começando a ter provas multimarcas de turismo que sirvam de preliminar da prova principal.

    ResponderExcluir
  48. Claude de Javel27/07/10 07:45

    Formula Truck , bof!!!
    Fui uma vez para nunca mais, recebi minha dose de fumaça para o resto dos meus dias. Deixei até de fumar !

    Aqui no Rio uma vez fizeram uma demonstração no Aterro do Flamengo, uma lástima, fizeram zerinho tão violento que até hoje as pistas estão com a circunferência marcada e quando passo por lá os pneus emitem ruído : toc ! toc !

    ResponderExcluir
  49. FTruck é interessante até, já vi e presenciei o acerto de um motor de 11 litros e 1200cv num deles. MAS, concordo com o MB, ´-e perigoso até para quem trabalha. Mesmo assim, não podemos esquecer que é uma das poucas categorias que nao houve mortes.
    Abraço a todos. GiovanniF

    ResponderExcluir
  50. Corrida de caminhão é uma imbecilidade total.
    Nenhum autódromo está preparado para receber esses mastodontes.
    Logo após o término da última reforma (decente) do Autódromo José Carlos Pace, chegou-se a aventar a hipótese de não permitir a autorização para corridas dessas geringonças.
    Principalmente porque após longos anos conseguiu-se acabar quase que completamente com o "eterno e cronico" problema de ondulações no asfalto da pista.
    Mas infelizmente por motivo$ que $abemos muito bem quia$ $ão, afrouxaram as regras e permitiram essa aberração.
    Por sorte, desta vez o anjo da guarda que esteve de plantão no autódromo foi muito eficiente e nenhuma vida se perdeu.
    Mas a tragédia está anunciada, com certeza voltaremos aqui para lamentar a morte de pilotos, expectadores e fiscais de písta.
    Quem viver, verá.
    Romeu.

    ResponderExcluir
  51. Depois de ler o texto e os comentários confesso que fiquei um pouco dividido...
    Na questão do desgaste e preparação da pista, sem dúvida os comentários a respeito foram totalmente pertinentes.
    Mas se trata do maior sucesso do automobilismo brasileiro e realmente as provas são emocionantes.
    Quem aqui já teve a oportunidade de dar uma abusadinha com um cavalo, mesmo este sendo um caminhão comum? O negócio é louco heim!
    Que há uma baita engenharia por trás destas máquinas, isto é óbvio!
    Agora, após assistir o video postado aqui, creio que mesmo sem maiores consequências neste acidente, reavaliar os riscos é algo imprescindível.

    ResponderExcluir
  52. esse Milton que vá jogar bocha com os aposentados, e porque apagam minha opinião? parem de ser tendenciosos e censuradores!

    ResponderExcluir
  53. Anônimo das 21:41,

    Coloquei o link do vídeo para mostrar que deixou de morrer uma pá de espectadores por pura sorte, tinha gente lá embaixo, logo atrás dos pneus e do lado de lá do alambrado!

    No mínimo podiam ter levado um banho de óleo quente ou qualquer outro fluido, dessa vez o santo ajudou.

    ResponderExcluir
  54. Sinceramente, eu não esperava isso de vocês, AUTOentusiastas mantenedores deste blog!

    Quando nós ainda temos no Brasil uma categoria realmente multimarca, que possibilita grandes competições e sempre está com as arquibancadas cheias, sem que seja necessário dar presentinhos, como bonés e camisetas, acesso VIP e tudo o mais para dar a impressão a quem está olhando a prova pela televisão que o autódromo está lotado, e agora, só por causa de um "acidentezinho", vocês querem fazê-la em pedacinhos?

    Está certo que não foi exatamente um "acidentezinho"... foi no "speed trap" da pista, um caminhão voou por cima do outro, uma cabine foi arrancada... mas ambos os pilotos e ninguém das arquibancadas saiu ferido!

    Claro, não totalmente, pois algumas pessoas relataram que foram banhadas com óleo diesel...

    O muro de proteção executou seu trabalho com perfeição. Entretanto, se haviam muitas pessoas perto daquele muro que poderiam sair feridas, então, tem alguma coisa errada aí, e acho que não é a corrida e nem os caminhões: é a organização da prova, que permitiu que fossem vendidos ingressos para aquele local.

    O FIA European Truck Racing Championship corre até em Nürburgring, então não acho que seja problema correr em qualquer autódromo, muito menos no José Carlos Pace, que possui a homologação para receber a Fórmula 1.

    Ah, só para encerrar o meu relato: na Indy 500 deste ano, e só faz dois meses, a poucas voltas do final, Mike Conway bate em Ryan Hunter Reay e voa na cerca de proteção a mais de 300 Km/h.

    Vejam o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=r4CCWoF-DCU

    Não é semelhante ao acidente na Fórmula Truck?

    ResponderExcluir
  55. Julio Cesar, a cerca da Indy foi pensada para receber esse tipo de impacto, os muros dos nossos autódromos não. Lembra quando um caminhão atravessou um muro e bateu em uma CARRETA parada no ESTACIONAMENTO?

    Sempre deixei claro que não gosto da Truck por diversos motivos, mesmo sendo uma multimarca de grande público. A questão é segurança e inadequação dos autódromos para recebê-la.

    ResponderExcluir
  56. Treze, eles querem correr de caminhão mas colocam radar na reta para não passar dos 160 km/h e eu que tenho que jogar bocha? Ok ok.

    ResponderExcluir
  57. Ainda não vi o video acima, mas são inúmeros os acidentes com várias vítimas na Nascar e na Indy... já estamos cansados de assistir este tipo de video no "Videos Incríveis"...
    Segurança, quanto mais melhor, mas não podemos crucificar a Truck, esta é a minha opinião... mesmo concordando que não faz muito sentido corrida de caminhões, mas também são tantas as coisas que não fazem sentido, mas ainda assim muitos são apaixonados pela bagaça...

    ResponderExcluir
  58. Pessoal, não sejam radicais, corridas de caminhões são sim um belíssimo espetáculo, eu sou fã, como já disse, mas lugar de caminhão é no caminhódromo, ou em qualquer outro lugar que os suporte, fico indignado ao ver pessoas cultas, experientes marginalizarem algo de tamanha repercussão em nosso país.

    ResponderExcluir
  59. Já que estamos falando no autódromo de Interlagos e do problema que foi o tal acidente no S do Senna, que em vez de se tirar uma etapa da Fórmula Truck, refaça-se o traçado original da pista, que é mais adequada a competições que não de monopostos.
    Observe-se que o S do Senna força a uma frenagem muito abrupta por conta do raio muito fechado logo após uma reta veloz, algo facilmente exequível em um monoposto, mas mais difícil não só em caminhões como em turismo.

    Já que a Truck tem a moral do sucesso inegável e de ser atualmente a única categoria multimarca do Brasil, também tem moral de pleitear a reforma do traçado original.

    ResponderExcluir
  60. Tiago Vieira, responda a uma pergunta: por que raios a FIA permite que Nürburgring, Le Mans e Jarama sejam usados para o European Truck Racing Championship?

    ResponderExcluir
  61. Boa idéia a da reforma, Anônimo!

    Agora quanto à "frenagem abrupta", acredito que a maior emoção para o público é justamente este ponto da pista, não?

    ResponderExcluir
  62. Aliás não só para o público...

    ResponderExcluir
  63. Só um comentário: se alguém colocar lado a lado um caminhão da F-truck e um da European Truck Racing, ambos com a estrutura exposta, vai ficar bem claro o quão mal feitos são os daqui.
    Traçado velho de interlagos? Vão ter que colocar vários radares pra impedir que os caminhões literalmente saiam voando da pista... fala sério...

    ResponderExcluir
  64. Se o asfalto não é bom, relaxo que que o mantem. Pergunte a um bom engeheiro especializado nisso e ele te da a solução, o problema é que pode não sobrar pra superfatura.

    E segurança... Depois de uma porrada dessa, os dois pilotos/caminhoneiros sairam andando não é seguro?

    Estamos cada vez mais "evoluindo" para um mundo muito bem planejado e sem riscos... Não sou a favor de ninguem se matar por diversão mas tudo tem contrapartidas.

    Numa outra categoria mais nobre e segura, agora o que esta na frente so ganha se for bom pra equipe é business.
    Vai chegar o dia que estatisticamente saberemos quem vai ganhar antes. LEGAL NÉ?

    ResponderExcluir
  65. Milton, se quer segurança, não saia de casa e abandone seu opalão de arrancada. Pra morrer bastar ter nascido.

    ResponderExcluir
  66. Faltou dizer que o Europeu de Caminhões limita a velocidade em 160 Km/h em todas as pistas, o tempo todo, aferida por GPS, justamente para minimizar a chance de acidentes muito graves e a conservação dos autódromos.

    Itens 8.2 e 10 no link abaixo:

    http://argent.fia.com/web/fia-public.nsf/2612D9F9F31CDC98C1257543005381AD/$FILE/2010%20ETRC%20Sporting%20Regulations.EL%2022.12.pdf

    ResponderExcluir
  67. Fabio, a questão da frenagem abrupta no S do Senna pode perfeitamente ser compensada com o resto do traçado original, com retas suficientemente longas para permitirem disputas de posição acirradas e prolongadas, cotovelos que obrigam a uma redução de velocidade acentuada, mas com frenagem mais adequada para turismo e caminhões (em vez da abrupta e perigosa do S do Senna).
    Já sobre a questão da velocidade máxima de um bruto, não esqueçamos que os motores hoje usam injeção common-rail, o que permite, por exemplo, usar central de comando padronizada e tornar obrigatório o limitador de velocidade.

    E já que a Truck tem boa margem de sucesso e influência no automobilismo brasileiro, seria bom ver nela algumas coisas como:

    1) Proibição da fumaça preta. Passou da hora de isso acontecer e obrigaria as equipes a preparar de outra maneira os motores. Fora isso, a visibilidade do espetáculo e o conforto do espectador melhorariam muito;

    2) Espaço para combustíveis alternativos. Além de biodiesel B100, outra alternativa seria o chamado diesel de cana, que poderia ser usado experimentalmente antes de ganhar as ruas;

    3) Contenção de ruídos. Vamos introduzir aqui o conceito de que veículo veloz não precisa ser espalhafatoso;

    4) Talvez ser um laboratório para pneus traseiros únicos e extralargos que substituem o rodado duplo, coisa que já se vê nas estradas, mas que ainda não se popularizou.

    ResponderExcluir
  68. Não vejo muito sentido em uma corrida em que a velocidade é limitada, entre outras coisas.

    Treze, tens toda razão, para morrer bastar nascer, mas não precisa morrer por uma besteira anunciada. Novamente, como disse o Bob, é dar chance ao azar.

    ResponderExcluir
  69. Novamente, o maior problema não é o piloto morrer, ele sabe que corre esse risco. O problema maior é que nos moldes em que é feita a truck atual, a chance de dezenas de espectadores morrerem em um acidente é grande. E vão continuar dando sorte pro azar pq a categoria é popular e quem não conhece bem acha que é segura.

    ResponderExcluir
  70. Caro Milton,

    Quem vistoria (porcamente) as pistas para as corridas de F1 não é a FIA?
    Se Interlagos e outras pistas na Europa permitem corrida de caminhões a entidade não fará nada para regulamentar?
    O porcamente foi por terem aprovado a pista de rua da Indy de São Paulo, que foi feita às pressas e escorregava mais que piso encerado.

    ResponderExcluir
  71. OU transferir a Truck para a pista de rua, que tal? Mas se continuar desse jeito, a Truck vai estar condenada a correr em circuitos de rua Brasil afora...

    ResponderExcluir
  72. Se você acha o S perigoso para a Truck, imagine o que poderia acontecer na Velopark, onde foi aquele show de porradas entre a Stock e a Montana...
    Pela busca que fiz agora, pra este ano parece que a Truck não entra lá, né?

    ResponderExcluir
  73. Murilo Suzuki27/07/10 18:55

    Milton,

    Alguns pontos que acho interessante destacar:
    - As principais categorias de automobilismo não usam radares, mas chicanes e outros artifícios para reduzir a velocidade dos carros. Como a Mulsanne retalhada. Isso não torna a Truck abaixo de outras categorias.
    - O alambrado de Interlagos recebeu boa parte do impacto do caminhão do Bruno.
    - Ainda falando de impacto, os caminhões da Truck são limitados a 160 km/h. Um Fórmula 1 pode chegar a até 330 km/h. Como Força = massa versus aceleração, um monoposto batendo no final da reta dos boxes de Interlagos pode gerar um impacto muito mais forte no alambrado do que um Truck. O acidente do Kovalainen no GP da Espanha de 2008, por exemplo, gerou força de 16.740 kg - 345% acima do peso de um cavalo mecânico da Truck, que parte de 4.850 kg
    - Outro ponto que foi fonte de discórdia, o novo asfalto de Interlagos está há quatro anos recebendo a Truck sem apresentar deformações
    - A Truck, em 15 anos de existência, nunca matou ninguém. A Stock já matou dois. Ok, a Stock não é exemplo para ninguém, mas não dá para crucificar a Truck desta maneira, na minha opinião.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  74. A única categoria verdadeiramente multimarcas,e não bolhas iguais como Stock.
    A categoria é muito boa com varios pegas nas pistas,um burulho simplesmente maravilhoso.As pessoas ai de cima que reclamam do barulho,não quer barulho não vai assistir corrida,ainda mais de caminhão neh.
    A categoria tem deitos sim,a segurança das pistas para receber a categoria deveria ser maior,com alambrados mais altos e muros mais fortes.
    E todos desde de pilotos a espectadores que saem de suas casas para verem ou participarem das corridas sabem que correm riscos.

    Não querem fumaça preta?
    O que vc esta´fazendo em uma corrida,vão procurar o Greenpece.

    Não querem barulho?
    Vão no Masp pooo.

    Querem emoção?
    Fórmula Truck

    ResponderExcluir
  75. Paulo Mopar, quando se fala de contenção de barulhos, não se está falando de suprimir roncos gostosos, mas sim de encaixá-los em uma faixa de decibéis mais adequada tanto para os espectadores quanto para quem com eles lida todos os dias e nessa, ajudar também na saúde auditiva daqueles que vivem a Fórmula Truck sempre.
    Não é demérito um carro de competição ser mais silencioso e isso também não significa que ele vá ser reprimido em desempenho ou prazer auditivo. Qual não foi a surpresa em nossas competições automotivas, tão afeitas a carros barulhentíssimos, quando em 1993 um Porsche 911 venceu as Mil Milhas cruzando as retas com aquele barulhinho bom de Porsche, mas sem ser espalhafatoso? Por acaso precisava aquele 911 ficar praticamente berrando "eu sou um 911 e muito superior aos outros carros das Mil Milhas"? Claro que não. E, claro, isso acrescenta conforto à experiência de se assistir a uma prova automobilística ao vivo in loco.

    Sobre fumaça preta, procure-se no YouTube vídeos do FIA European Truck Racing Championship e veja que há sim como se evitar essa fumaça preta sem perder desempenho. Fora isso, dá-se um exemplo legal para caminhoneiros que ainda acreditam que arrombar a bomba injetora aumenta a força do veículo. Se caminhoneiros vão em massa ver a Truck, por que não podem sair de lá com o exemplo de que um bruto que anda muito pode sossegadamente fazê-lo sem soltar um monte de fuligem?

    ResponderExcluir
  76. Informação interessante sobre a Fórmula Truck: o limite de velocidade de 160 km/h é exatamente o mesmo aplicado no FIA European Truck Racing Championship. Fora isso, o método construtivo de nossos caminhões é extremamente parecido com o deles.
    Sim, temos prova de nível internacional no Brasil, em que pese que deveriam conter a fumaça preta e impor um limite de ruído por aqui.

    ResponderExcluir
  77. Ao anônimo de 27/07/10 12:09, cara eu sou muito fã da categoria, sou pernambucano, como já disse, assisto às corridas no autódromo de Ayrton Senna em Caruaru, minha sorte é conseguir ficar no camarote da Ford Racing, por causa de um amigo que é frotista de caminhões ford, a falta de segurança é total!!!!! É um absurdo!!! Como diz o colega Paulo Mopar, é tudo muito lindo, o barulho, o cheiro de diesel, mas precisa-se sim de uma estrutura adequada! Queria muito que essa categoria fosse levada à sério do modo que merece, com toda sua infraestrutura nescessária! Como disse, pra ser redundante de propósito sou fã!!!

    Grande abraço!!

    ResponderExcluir
  78. Quem não gosta de corrida de caminhão que não vá, mas não venha com esta de "politicamente correto defensor da segurança e outras frescuras mais" querer impedir este belo espetaculo multimarcas que leva milhares de pessôas aos autodromos.
    F250GTO, não vejo onde V.Sa. achou "imbecilidade" em correr de caminhão. Será que rotular de IMBECILIDADE, só porque não compartilhas com o gosto dos fãs da Formula Truck, não é um ato de IMBECILIDADE MAIOR ?
    E o que dizer da Formula 1 que com sua politicagem e hipocrisia, faz de IMBECIL todos aqueles que acordam cedo no domingo para torcer e assitir um espetáculo descente e depois ficam pelos blogs choramingando pela sacanagem que lhes enfiaram goela abaixo.
    IMBECILIDADE é não aceitar a pluralidade e não aceitar o direito dos outros de pensar e optar por aquilo que melhor lhe convier.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.