APAGÃO DO GPS: MAPAS E PLACAS IMPRESCINDÍVEIS

Não foi a primeira vez, já deveria haver aprendido. Com o tempo, GPS e outros gadgets automobilísticos têm-se tornado cada vez mais confiáveis, com maior precisão, uploads e downloads espalhados na internet atualizam-nos com rapidez impressionante, surge um novo radar em qualquer ponto de São Paulo ou do país, na semana seguinte têm-se atualizações disponíveis.
Bom, aluguei um Golf Plus em minha última viagem à Alemanha. Pedi com GPS, como usualmente faço há anos, desta vez uma interessante combinação com aparelho de rádio básico.
A primeira checagem, se o equipamento "falava" inglês, OK, fácil, rapidamente ajustei para o endereço objetivo, saída do aeroporto de Frankfurt, nenhum mapa de back-up, em menos de duas horas estaria no hotel do primeiro pernoite. Na manhã seguinte, de lá para a empresa, fácil também, para as cidades vizinhas, igualmente, familiarização imediata.
Estava trabalhando próximo a Trier, uma das cidades mais antigas da Alemanha a não mais de 40 km de Luxemburgo. Planejei então conhecer ambas assim que concluísse meus compromissos. Trier foi visitada na sexta-feira 9 de julho, principais pontos turísticos, verão europeu é tudo de bom.
De lá a Luxemburgo, a história mudou. Não aparecia no GPS! Segui de qualquer maneira, guiando-me pelas placas, deixando o entender-me com o equipamento para mais tarde, evitando assim, chegar depois do anoitecer.
GPS e rádio integrados, boa idéia: por que não aqui?
Somente os países Alemanha, República Checa e Polônia e suas respectivas cidades estavam carregados naquele aparelho. Imaginei que o GPS pudesse funcionar ao menos como um orientador, usando o pointer e coordenadas, tentei adicionar as do hotel, nada. Pior, não falo nada de francês e sei que por essas paradas, poucos dominam o inglês.
Lá fui eu, parei num bar, nem a atendente, nem o dono falavam além do francês. Havia um senhor alemão tomando cerveja com um grupo de amigos, 20h, perguntei do hotel, deu-me algumas indicações, suficientes para encontrá-lo... várias voltas e minutos depois.
Tela do GPS com "apagão" de informações
Na falta de GPS, de volta às placas
Dia seguinte, depois de percorrer quase todo "o país" a pé, hora de seguir para o aeroporto de Frankfurt, devolver o carro e tomar o avião de volta pra casa. Coloco o destino no GPS, mas este seguia no apagão total. Pensei, assim que sair de solo luxemburguês volta a funcionar, até lá, placas me orientariam.
VW Fox brasileiro em solo europeu: haverá próximo? Quando?
Retornando à normalidade: a menos de duas horas de Frankfurt
Dito e feito, passados poucos quilômetros da divisa dos países, lá estava ele, operacional de novo. Analisando minha viagem, cometi uma série de erros. O primeiro, nada é tão automático, o planejamento estava só em minha cabeça, nenhuma ação efetiva, sabia de muito tempo que em solo francês e Luxemburgo só se fala inglês nas recepções de hotéis, mais nada, nenhum mapa. Há anos vou à Alemanha a trabalho ou passeio, o último mapa que usei foi em 1998, nem sei onde está. Felizmente, os contra-tempos duraram apenas minutos.
Portanto, a quem for alugar carro para andar na Europa, em qualquer país, mapas seguem sendo imprescindíveis. Planejamento de pontos de parada, idem, não estamos no Brasil, onde viajar sem destino é bom e oferece poucos riscos.
Indicadores: velocidade de Autobahnen alemãs, temperatura externa de verão brasileiro.
CZ

10 comentários :

  1. Não entendi "não estamos no Brasil, onde viajar sem destino é bom e oferece poucos riscos". Poucos riscos? Você está brincando, não é?
    Mr. Car.

    ResponderExcluir
  2. Aqui pelo menos falamos a mesma lingua, pior 'e ir a algum lugar onde ninguem vai entender nada do que voce fala.

    ResponderExcluir
  3. Rodolfo Milet18/07/10 08:57

    Já existem gps com rádio e/ou dvd integrados no painel do carro à venda aqui no Brasil. Algumas marcas: GT Sound, Naveg e H-Buster.

    ResponderExcluir
  4. Os europeus não gostaram do nosso Fox, mas quem anda de Polo e Golf não tem como gostar de um carro desenhado e feito para classe média-baixa brasileira.

    ResponderExcluir
  5. estou anonimo pq não tenho cadastro no google.

    Em maio, fui para frança, belgica e luxemburgo. O gps que utilizei por lá tinha mapa integrado de toda a europa ocidental, e informava quando saía ou entrava no país. No mais, as indicações sempre foram precisas.

    Em Luxemburgo, de fato, não se fala ingles na rua como em Paris, por ex. Masnão é difícil encontrar alguem que fale.......portugues. Pois é. tem muito portugues por lá. Falei minha lingua no hotel, restaurante e até em praças no centro da cidade...

    Utilizei mapa de papel apenas para andar a pé!

    Quanto aos fox,vi alguns poucos também. Vi muitos scirocco voando baixo pelas rodovias.

    Marco

    ResponderExcluir
  6. Luxemburgo é o que se pode chamar de "País de Primeira" ou seja, passou a segunda já entrou na Alemanha ou na Belgica!

    Estive em Luxemburgo no lançamento mundial do Audi A3 e fiquei encantado com o lugar pela beleza e espaços culturais ao ar livre. Também não faço absolutamente nada de frncês mas nos dois momentos em que precisei de informações acabei encontrando portugueses que me pareceram fazer parte da mão de obra básica do lugar. A primeira vez foi em um café e depois ao comprar algumas coisas em um magazin.
    Luxemburgo, pelo menos para mim, é um lugar que vale a pena voltar!

    ResponderExcluir
  7. Pedro Bergamaschi18/07/10 20:23

    E o que um cara faz com um Fox numa autobahn?
    Reza?

    ResponderExcluir
  8. "E o que um cara faz com um Fox numa autobahn?
    Reza?"

    Anda mesma coisa, quem faz o carro andar é o dono.

    ResponderExcluir
  9. "E o que um cara faz com um Fox numa autobahn?
    Reza?"

    O mesmo que fazem donos de Smart, Clio, Polo, Lupo, 207, Punto, Micra, Fiesta, Ka, Fabia, etc...

    ResponderExcluir
  10. Na europa tem até carro médio com motor pequeno de 70, 80, 90 cv como Golf, Bravo etc. O Bravo por exemplo pesa 1205 kg e anda com motor de 90 cv e 13 de torque a 4500 rpm. Se fosse aqui estavam todas as revistas falando: "Não anda nada".

    Acho que falta mesmo é conhecimento e motorista. Pessoal usa motor ciclo otto nas mesmas rotações que um diesel, quando chega a 4000 rpm já acha que o motor vai quebrar. Chegam a atrapalhar o tráfego por causa dessa burrice.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.