O CALHAMBEQUE DO REI

Texto: Arnaldo Keller
Fotos: Paulo Keller
“Só quero que você
Me aqueça neste inverno
E que tudo mais
Vá pro inferno”
Na verdade, aquele sábado à tarde em que saí com o Calhambeque do Roberto Carlos era verão e fazia um calor infernal. Fui pra Rua Augusta e, infelizmente, ela não é mais o que era. O trânsito estava fluindo. Não se via mais carros parados devido à gostosa paquera: a rapaziada debruçada nas janelas passando pra lá e pra cá papeizinhos com os números de telefones. Telefones fixos, óbvio, daqueles que a gente tinha que ligar depois, num horário em que calculávamos que elas estariam em casa. Nós discando e torcendo para que elas mesmas atendessem, e não a mãe ou, pior, o pai, um cara normalmente rabugento.
Você não gosta de mim, mas a sua filha gosta” (essa não é do Rei, é do Chico, mas bem que poderia ser).
E ela vinha correndo atender, recém saída do banho, com os cabelos molhados e a pele fresca e perfumada.
— Oi! É você?, ela fala baixinho.
— Sou eu, sim, minha gata. Que tal um cineminha? Está passando Love Story...
Dali um tempo toca a campainha. Bizz! O pai atende a porta e coça a cabeça ao ver o figura. Calça boca de sino, cinto grosso com fivela, camisa florida, cabeludo. O rapaz rebelde que pretende levar a sua filhota a um mundo de romance e aventuras.
“Garota que andar do meu lado
Vai ver que ando mesmo apressado
Minha caranga é máquina quente
Eu sou terrível, eu sou terrível
Vou lhe dizer
Eu ponho mesmo pra derreter”
O asfalto se derretia com o calor. Uns quarenta anos se passaram, as paqueras acabaram, e lá estava eu subindo e descendo a Rua Augusta, agora no Calhambeque do Rei. Já guiei muitos carros exóticos, chamativos, mas nunca tinha visto tamanha agitação por causa de um carro. Muitos pedestres olham e sorriem. Puxam a mão da companhia para que vejam a caranga: “— Olha, benzinho, olha! É o Calhambeque do Roberto Carlos!” O Rei ainda reina, simpaticamente reina, indubitavelmente reina.
Mas o trânsito fluía; contra a minha vontade, fluía. Nada de janelas abertas. As janelas iam fechadas e o ar-condicionado ligado. Carros sisudos, em sua maioria, pretos – a cor que suga todas as saudáveis ondas coloridas que o outro rei, o Rei Sol, nos manda. Nada de carros coloridos como costumavam ser. A Rua Augusta era colorida, e a descida de sua ladeira provocava nas garotas um rebolado que nos entontecia. Dormíamos com esses rebolados na cabeça e tínhamos bons sonhos.
Porém, galharda e rebeldemente o Calhambeque seguia colorido: branco e azul celeste, as cores preferidas do Rei – o branco é a soma de todas as cores e o azul celeste é o céu que nos envolve.
“De que vale o céu e o azul do sol sempre a brilhar
Se você não vem e eu estou a lhe esperar
Só tenho você, no meu pensamento
E a sua ausência é todo o meu tormento
Só quero que você...”
E o Calhambeque seguia de janelas abertas.
Janelas abertas. Deixem o mundo entrar, deixem o bem vindo calor entrar, deixem os sons e vozes entrarem que nada disso me incomoda, eu gosto.
Felizmente, emparelha um carro e logo sua janela traseira vai-se abrindo. Ela se abre eletricamente, em velocidade constante, nada dos tranquinhos das antigas maniveladas. De lá um molecote suado põe a cabeça pra fora e canta alto, rindo: “— Meu calhambeque, bi bi!”
Ufa! Ainda resta uma esperança! E uma alegria toma conta de mim, até aquele momento um cinquentão melancólico e taciturno.
— É o carro do Roberto Carlos?, o garoto pergunta.
— É! É, sim! Ele me emprestou pra dar umas voltas..., inventei na hora, mentindo. Legal, né?
— Muito legal! Ele corre?
— Madonna Mia como corre! To até com medo de acelerar!, respondi alegre.
E vrrrúúm, vrrrúmm!, umas bombeadas no acelerador, pra saciar sua curiosidade.
Com isso, lá do fundo da memória, surpreendentemente fácil, brotou a música, que saí cantarolando contente:
“Mandei meu Cadillac
Pro mecânico outro dia
Pois há muito tempo
Um conserto ele pedia
E como vou viver
Sem um carango prá correr
Meu Cadillac, bi-bi
Quero consertar meu Cadillac
Bi Bidhu! Bidhubidhu Bidubi!...
Com muita paciência
O rapaz me ofereceu
Um carro todo velho
Que por lá apareceu
Enquanto o Cadillac
Consertava eu usava
O Calhambeque, bi-bi
Quero buzinar o Calhambeque
Bi Bidhu! Bidhubidhu Bidubi!...
Saí da oficina
Um pouquinho desolado
Confesso que estava
Até um pouco envergonhado
Olhando para o lado
Com a cara de malvado
O Calhambeque, bi-bi
Buzinei assim o Calhambeque
Bi Bidhu! Bidhubidhu Bidubi!...
E logo uma garota
Fez sinal para eu parar
E no meu Calhambeque
Fez questão de passear
Não sei o que pensei
Mas eu não acreditei
Que o Calhambeque, bi-bi
O broto quis andar
No Calhambeque
Bi Bidhu! Bidhubidhu Bidubi!...
E muitos outros brotos
Que encontrei pelo caminho
Falavam: "Que estouro
Que beleza de carrinho"
E fui me acostumando
E do carango fui gostando
E o Calhambeque, bi-bi
Quero conservar o Calhambeque
Bi Bidhu! Bidhubidhu Bidubi!...
Mas o Cadillac
Finalmente ficou pronto
Lavado, consertado
Bem pintado, um encanto
Mas o meu coração
Na hora exata de trocar
Aha! Aha! Aha! Aha! Aha!
O Calhambeque, bi-bi
Meu coração ficou com
O Calhambeque
Bi Bidhu! Bidhubidhu Bidubi!...
-"Bem! Vocês me desculpem
Mas agora eu vou-me embora
Existem mil garotas
Querendo passear comigo
Mas é por causa
Desse Calhambeque
Sabe!
Bye! Eh! Bye! Bye!
Arrãããããããããmmmm!”
O motor e o câmbio desta réplica do Chevrolet Cupê 1933 são novos, zero-km, e vieram da picape Chevrolet S10. O motor é o 2.4 a gasolina e rende bons 147 cv a 5.200 rpm e 21,9 mkgf de torque a 2.800 rpm. A picape faz o zero a cem em 14 segundos e pesa 1.700 kg, e o Calhambeque, sendo de plástico reforçado com fibra de vidro, pesa ao redor de 1.000 kg. Daí já dá pra ver que esse alívio de 700 kg deixa o Calhambeque bem esperto. Anda bem, sim. Deve fazer o zero a cem na casa dos 10 segundos. Motor elástico num carro leve. Arranca bem e viaja bem. Não só desce a Rua Augusta a 120 por hora, como pode até subi-la a essa velocidade – mas isso só o Rei pra fazer e não ir em cana.
O chassi, cortado a laser, é baseado no do Chevy 33 original. As suspensões, tanto a dianteira quanto a traseira, vieram do Opala. Isso lhe dá maciez no rodar e bom equilíbrio. Além do mais, o motor está bem recuado em relação ao eixo dianteiro, coisa que não ocorre no Opala, e isso lhe confere melhor distribuição de peso. Bom carro – carroceria leve, peso concentrado em baixo e no centro. Moral da história: pode preparar o motor ou colocar um motor mais forte, que, mesmo já andando bem como está, o carro vai dar conta de maior potência.
Assim será uma série especialíssima: quatro Calhambeques com motor do Corvette novo: 430 cv. Estes quatro, além do motor, terão câmbio e suspensão do Corvette e mais outras melhorias. Um para o Rei, outro para o bicampeão Emerson Fittipaldi, outro para o Zurita (o presidente da Nestlé, a empresa que patrocinou a campanha publicitária que comemora os 50 anos de carreira do Roberto Carlos) e outro para o Cleber, o dono da Americar Veículos, a fábrica de réplicas que está construindo os 50 Calhambeques a serem sorteados.
Na verdade, dificilmente 50 serão produzidos, porque o normal de uma campanha é que, dos sorteados, só 20% fiquem com o produto. Quando é televisor ou geladeira etc, normalmente é assim. Os outros 80% preferem ficar com o valor correspondente. Mas o Calhambeque está surpreendendo a todos e até agora a grande maioria quer mesmo é o carro, o que está fazendo a Americar trabalhar feito maluca, dia e noite, incluindo finais de semana, e isso tem atrapalhado a produção das réplicas dos Cobra e dos Jaguar XK120. Se alguém, depois dessa maratona, quiser um Calhambeque, tudo bem, bicho, a Americar continuará a fabricá-los.
Quanto mais Calhambeques, melhor. Quanto mais rebeldia contra a sisudez, a mediocridade e a empáfia, melhor.
Bi Bidhu! Bidhubidhu Bidubi!...
Bye!... Bye!
Veja mais fotos aqui.

AK

52 comentários :

  1. É uma brasa, mora?

    Bom lembrar que o Rei também é um AUTO Entusiasta.
    Que texto gostoso de le, me transportou pra uma época que eu não estava nem mesmo "under construction".

    E mais uma obra da Americar.

    ResponderExcluir
  2. Arhur Costa20/06/10 02:03

    A única coisa que estraga o carro é a suspensão traseira do Opala.

    ResponderExcluir
  3. Caro Arnaldo, parabens pela escrita. Leve, bem humorada, viva e culta, e ainda assim transmite informações técnicas.

    Em relação ao carango, algumas opiniões: 1) o carro está meio alto, uma rebaixadinha seria muito bem vinda. 2) as rodas não combinam com o desing do carro. Uma rodas mais clássicas, como talvez umas Cragar, deixariam o carro indecente.3) Uma pequena turbina roletada e uma fuelltech (ou pandoo) tornaria esse carro um capeta! Vejamos: esse motor já provou ser bem resistente, e com 0,4 kg/cm renderia uns 190/200 cv, e uns 32/35 kg de torque. Com essa pressão não quebraria nunca!

    O meu seria assim. Só falta o dindin...

    Abraço

    Lucas

    ResponderExcluir
  4. Artur Costa,

    Não é bem assim, não. A susp traseira do Opala vai direitinho, desde que em ordem. Não esquenta com isso, não. É um hot-rod e não um carro de pista.

    Lucas,

    Concordo em tudo com você.
    Quanto às rodas, o marketing da Nestlé escolheu essas.

    ResponderExcluir
  5. Desculpe Arnaldo, mas essas rodas são horrripilantes

    ResponderExcluir
  6. Achille,

    Concordo plenamente. Nada a ver essas rodas, ainda mais pneus de banda muito baixa.
    Mas, como disse, isso é lá com a Nestlé.
    Quem comprar o carro coloca as rodas que achar melhor.

    ResponderExcluir
  7. Pedro Bergamaschi20/06/10 11:28

    O mais bonito de tudo foi a reação do piá quando viu o carro. Não sei por quê, as crianças tem um interesse especial por esse tipo de carro. Vejo isso quando saio com meu Maverick, que nem é tão antigo assim, e nem chama tanta atenção. Os adultos já estão amortecidos, não acham graça.

    ResponderExcluir
  8. O Rei ainda reina, e COMO reina! Creio mesmo que seja a figura pública, a celebridade mais querida pelos brasileiros. Não apenas admirado por uma longa carreira de sucesso, mas querido mesmo, como foi e ainda é Ayrton Senna. E "querido" está em um patamar superior a "admirado", he, he! E para entusiastas, existe uma razão a mais para se gostar dele: o cara é um dos nossos! Os carros estavam sempre presentes em sua música, e em seus filmes.
    Mr. Car.

    ResponderExcluir
  9. Eu estou defecando e andando para rodas,suspensão,etc,eu gostei mesmo foi do texto,simplesmente fantástico,digno de um autoentusiasta,o carro é secundário,uma enorme taça pra vc,AK!!!!

    ResponderExcluir
  10. Estes caras da Americar mandam muito bem. Só tenho uma dúvida, para carros feitos artesanalmente como é aplicado a lei que exige airbags ABS e etc?

    ResponderExcluir
  11. Ah! Parabéns pelo texto, ficou uma brasa! Mora?

    ResponderExcluir
  12. Caro Arnaldo, parabens pela escrita. Leve, bem humorada, viva e culta, e ainda assim transmite informações técnicas.

    Concordo com o Lucas,mas eu retirava essas rodas horriveis e colocava umas Cragar com uns pneus Hoosier de rua,para deixa-lo bem Hot,e para finalizar,no minimo um V6 4.3 da Blazer,ou um SBC 350 com um bura quadrijet Holley.Ai sim ficaria"Uma brasa Mora"

    ResponderExcluir
  13. Lucas,

    "desing"? Aprenda pelo menos a escrever design, antes de usar o termo...

    ResponderExcluir
  14. Qual o preço aproximado?
    Eu deixaria assim mesmo, não tem sentido se colocar motor maior, iria apenas gastar gasolina. Ficou legalzinho e dá para usar todo dia. Eu teria usado o modelo Ford 34 que tem a grade mais bonita.

    ResponderExcluir
  15. CAro Arnaldo Keller, parabéns pelo texto, ótimo!
    Quanto ao calhembeque, descontando as rodas (problema já apontado por outros leitores), muito legal.

    ResponderExcluir
  16. Austin Powers20/06/10 13:40

    É isso ai broooto!

    ResponderExcluir
  17. O Arnaldo só irá falar bem desse carro, mesmo ele sendo um horrivel... pois ele tem dedos na americar, até posta no blog deles...
    nunca iria vir uma crítica de sua parte...
    mesmo porque uma pessoa que gosta de opala, não é lá uma fonte confiável para críticas

    ResponderExcluir
  18. Caro Arnaldo,
    Seu post me teletransportou (que nem a "Máquina do Tempo" fazia nas velhas TVs preto&branco).
    Sensacional, me fazendo lembrar do meado dos anos sessenta, quando o "Rei" e seus pais se mudaram para o prédio em que eu morava, em Copacabana.
    Vizinhança legal, bacana, mora!?
    Valeu, obrigado pela "viagem"!!!

    P.S.- Até esquecí do carro... Muito legal, só mudaria rodas e pneus, pois no restante tá de bom tamanho para a proposta: passear e curtir.

    Abraços
    Claudio Drummond

    ResponderExcluir
  19. Rodas e pneus são coisas fáceis de trocar.

    Problema maior é a quantidade de peças com mal encaixe e desalinhadas. As fotos do PK estão tão boas que dá p/ ver tudo...

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Anônimo das 13:06: antes um erro de digitação como o meu, do que um erro de caráter como o seu, que não é homem nem para se identificar. Vá se lascar e procurar um blog gramatical. Aqui estamos para conversar sobre carros e não para ficar atrás de picuinhas. Já que está com tanto tempo sobrando, corrija TODOS os outros posts então, Mestre.


    lucas

    ResponderExcluir
  22. Lucas,

    Não é picuinha não. Os outros não se meteram a usar nenhum termo específico como design pra falar d alguma coisa....

    por que vc não fala q o "desenho" não te grada? o "estilo"?

    Responda, então, qual é o "desing" do carro, com o qual as rodas não combinam?

    Não tem resposta né? pq vc sequer faz idéia.

    vc deve ser daqueles que falam que o "desing" de tal carro é lindo e o de outro, feio, não tendo sequer noção de que não existe Design bonito ou feio, ou seja, subjetivo.

    Aliás, por acaso não estou falando sobre carro ainda?

    E que difereça faz me identificar? o que importa são os argumentos. O seu de não ser homem p/ me identificar é coisa de colégio, se ainda bem me lembro...

    ResponderExcluir
  23. Arnaldo Keller20/06/10 19:26

    O motor foi escolhido por alguns motivos e o Cleber, dono da Americar, pediu a minha opinião antes da escolha.
    Ah! O Cleber é amigo meu, sim. O conheço desde que ele trabalhava na oficina dos fundos de sua casa, dando um duro danado, duro que ele ainda dá em sua fábrica.
    É um homem de valor, um trabalhador que merece o sucesso e que trata muito bem seus funcionários, portanto, sempre que eu puder contribuir para que ele continue fabricando esportivos, contribuo. Além do mais, ele atualmente é o maior fabricante de esportivos do Brasil, e estou aqui pra incentiva-lo e a todos os que se esforçarem para isso.
    Defeitos de acabamento, sim, os há, porém, observem bem que em nenhuma avaliação minha de carro algum, novo ou velho, etc, o leitor lerá algum comentário sobre o acabamento do carro, simplesmente porque não dou a mínima bola para isso. Me concentro na dinâmica do carro e na facilidade dos comandos. Portanto, se quiserem saber sobre o acabamento de um carro, leiam outro avaliador, porque de mim não sairá nada. Ou que avalie por si próprio, vai lá e olha. Comento sobre o que entendo. O que não entendo, e não entendo porque não me interesso, omito.
    Bom, o motor escolhido foi esse porque é potente e elástico o bastante, e já que era pra fazer um monte duma vez, a facilidade de já vir o conjunto motor e cämbio da GM foi a gota d'ãgua.
    Quem quiser, como diz o texto, que coloque o motor que bem entender, jã que ate um V-8 Corvette cabe. Pra passear e dar umas puxadinhas, da e sobra. Ficou melhor do que eu esperava. Nao eh nada xoxo, apesar de eu achar estranho um hot com ronco de 4-cil.
    E outra, anos atrãs avaliei a fundo 3 replicas de Cobra para a 4-Rodas e n"ao foi o da Americar que ganhou, n"ao.
    Portanto, Sr Anönimo, esta eh a minha postura. Guarde a lama em que chafurda para o chiqueiro de onde voce provem, ja que quem nao tem nome pode ser qualquer um.
    Faca que nem o Zullino, que eh macho, distribui e recebe cacetada, e por isso merece meu incondicional respeito, mesmo as vezes nao concordando com ele.
    E mais uma, em breve sei que a Americar terã um Cobra com chassi muito criterioso e suspensao independente nas 4, e assim parece que sera muito bom de chao. Talvez minhas insistentes criticas tenham contribuido para que ele buscasse essa melhora em seus carros.
    A Americar nao paga um tostao pelo anuncio. Talvez um dia pague, mas por enquanto essa eh a contribuicao dos autoentusiastas que tocam este blog pra frente.
    Espero ter sido claro.

    ResponderExcluir
  24. Muito evocativo esse seu texto, AK. Pra resgatar mais uma expressão da época, ficou uma lenha!

    ResponderExcluir
  25. Anônimo,

    Qualquer um com boa vontade entendeu perfeitamente o que eu quis dizer inicialmente. Releia os comentários que respondem ou aludem ao meu, que suas perguntas serão sanadas.Eu cometi um erro de digitação, e você vem me encher?! Quem é voce para criticar os outros.

    Em respeito aos outros usuários, que não precisam ficar lendo essa inútil discussão pessoal, finalizo por aqui meus comentários.

    Lucas

    ResponderExcluir
  26. Arnaldo, parabéns pelo texto! Adoro essa alfinetada nos sisudos carros pretos! Mas incluo os prata nessa história também. Muito legal colocar cor no dia a dia! Se cada um pudesse ir simplesmente ir trabalhar uma vez na semana num carrinho assim, saberia entender o que o espírito do seu texto invoca! Sorte de você que ainda trabalha pra eles (os carros). Parabéns novamente pelo post e pelas fotos! Saio da frente do computador com uma vontade enorme de colorir o trânsito! Não sou fã do Rei, mas de você fico a cada dia mais!

    ResponderExcluir
  27. Essa informação sobre suspensão do Opala me levantou uma dúvida que é a seguinte: Econtra-se com volume suficiente leques, buchas e etc originais para montagem?

    Para o meu Chevette foi um parto conseguir leques da TRW e ainda tive que sacar as buchas pra instalar da Axios, e tudo foi muito difícil. Imaginei que fosse a mesma situação com o Opala.

    Caso eles sejam capazes de fabricas as peças com boa qualidade, seria interessante ter o contato da fábrica.

    Sobre o texto, nada a dizer, muito bom como sempre. Parabéns Arnaldo.

    ResponderExcluir
  28. ADOREI !!!

    ...AK e PK, aliados na matéria....ficou demais!...
    E os trechos da música, com as fotos ...estava esperando este post, como já havia comentado no anterior...

    Esse "CALHAMBEQUE" deu o que falar heim "bixo"???

    ResponderExcluir
  29. Mister Fórmula Finesse21/06/10 08:50

    Um texto delicioso e divertido que só poderia ter vindo da "pena" do Arnaldo!

    Legal o carro apesar de não fazer o meu estilo, mas é algo que chama a atenção mesmo.

    Esse Vortec na tampa de válvulas também me chamou a atenção, afinal, a linha vortec (os antigos V6 4.300cm3) mesmo sendo quatro cilindros, não teria que ter uma certa diferença básica em relação aos motores que equipam os outros carros da GM (astra e vectra)?

    Parece uma tentativa de "fugir" da arquitetura básica ou linha de evolução mesmo que seja mais em relação a denominação do motor mesmo. Vortec seria um nome digamos assim, mais poderoso....

    ResponderExcluir
  30. Arnaldo Keller21/06/10 08:56

    Raphael,

    Não creio que a Americar fabrique peças de suspensão de Opala, mas eles devem ter dicas de onde conseguir peças de antigos. Ligue lá: 4427.7493.
    Obrigado,
    abraço,

    ResponderExcluir
  31. Bera Silva21/06/10 11:12

    Essas denominações Vortec, Ecoqualquercoisa, sempre me confundem. Tem uma página na wikipédia (obviamente não é 100% confiável), mas explica muita coisa:
    http://en.wikipedia.org/wiki/GM_Family_II_engine
    e essa é a lista de todos os motores GM: http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_GM_engines

    ResponderExcluir
  32. Bera Silva21/06/10 11:23

    Arnaldo, conte mais sobre o carrinho. Como seria se ele fosse usado diariamente? Vi as fotos no flicker e gostei muito do interior. Na minha ignorância este carrinho é mais um "custom" do que um "hot-rod", é isso?

    ResponderExcluir
  33. Ao Raphael Hagi, além do que o próprio Arnaldo Keller falou, lembro que não é assim tão difícil conseguir peças de suspensão de Opala. Os opaleiros que conheço falam que é fácil achar as tais borrachas Axios e que elas têm boa durabilidade. Pelo que dão a entender, é facilidade como a de trocar peças de suspensão de um carro ainda em série ou recentemente descontinuado.
    Difícil mesmo de achar para linha Opala são outras peças. Aliás, valeria a pena o blog falar de iniciativas como as da Holden australiana e da Ford americana, que encamparam a iniciativa de fabricantes de peças para seus modelos antigos e agora as vendem normalmente nas redes de concessionárias, claro que as submetendo a um nível de exigência de qualidade que no mínimo é igual ao exigido na época. E não é que muitos fabricantes já conseguiam fazer peças melhores que as originais? E quando é que teremos algo parecido a isso no Brasil?

    ResponderExcluir
  34. Já que estamos falando de uso de peças de modelos de série em modelos que são réplicas de antigos, seria bom a galera prestar atenção na recém-lançada VW Amarok. O motivo: sua transmissão ZF 6S-450, feita em Sorocaba.
    O engate dela tem nível de automóvel de passeio, a alavanca pode ser montada em qualquer posição e ela também existe em versão para tração só traseira, uma vez que Amaroks 4X2 já são vendidas na Argentina.

    Concilie-se uma 6S-450 com um motor a gasolina forte (pode ser um 2.0 TSI, por exemplo), tudo isso montado em um chassi bem leve, e dá para fazer um belo estrago.
    De minha parte, consigo imaginar essa combinação, por exemplo, em uma réplica de Lotus Seven ou de Willys 1940.

    E se formos olhar ainda mais nas prateleiras dos fornecedores, que se olhe para o que a Dana fornece para a TAC e com isso consegue-se um eixo traseiro adequado para ser montado em suspensão independente.
    Sim, dá sossegadamente para se fabricar um carro de passeio nacional de tração traseira só com o que há nas prateleiras dos fornecedores. Porém, os fabricantes nacionais de massa preferem continuar dizendo que é inviável fazer isso e tentar goebbelianamente dizer que a maioria das pessoas sequer sabe qual o eixo que traciona.

    ResponderExcluir
  35. "o Zullino é macho"
    ui ui ui
    AKAKAKAKAKAKAKAKAKA!!

    ResponderExcluir
  36. Francisco V.G.21/06/10 13:42

    Alguém reparou, em uma das fotos do motor, uma gambiarrinha? Sim, um dos parafusos que prende o conjunto castelo-cabeçote.

    ResponderExcluir
  37. Pois é, Francisco, acabei notando agora que falou. Alguém teria um link para uma foto de cofre de S10 2.4 Flex para ver se há essa mesma diferença de parafusos?

    ResponderExcluir
  38. Achei uma foto dos tais parafusos diferentes no primeiro cilindro. Vejam este PDF:

    http://www.gm.com/experience/technology/gmpowertrain/engines/specialized/industrial/2010_2400_Industrial.pdf

    Esses parafusos diferentes no primeiro cilindro devem ser alguma solução de engenharia qualquer para lidar com o fato de 2,4 l e um curso de pistão enorme originalmente não estarem previstos no projeto do bloco Família II.

    ResponderExcluir
  39. http://carroantigobrasileiro.blogspot.com/21/06/10 15:39

    Esta réplica é tudo de bom!
    Será que um dia vão produzir uma do Karmann Guia?

    ResponderExcluir
  40. Belíssimo texto.

    Já o carro. Acho que não fui mesmo é com a cor, se o Rei gostasse de laranja ou vermelho.

    ResponderExcluir
  41. Ah sim, e que imagens!

    A fotografia da Augusta cinzenta com carros cinzentos rodeando aquele estranho azuláceo é bem provocativa.

    O melhor KK são esses dois aqui, não aquele da seleção.

    ResponderExcluir
  42. Bera Silva,

    Dá pra usar, sim, no dia a dia, dependendo de onde o sujeito anda no dia a dia. Se for SP, já viu, com motoboy, etc... aqui, pro dia a dia é melhor um carrinho mais comum. Dá para ter câmbio automático e ar-cond.
    A suspensão é macia, apesar dos pneus fita.
    Não é meu tipo de carro, mas vale a pena andar nele e ver se gosta, porque dá prazer e não deve dar problemas. E anda direitinho, sim. O motor empurra legal.

    ResponderExcluir
  43. AK,
    Mais um belíssimo texto, parabéns...
    O Calhambeque (que seria mais interessante se batizado de RC-50) é um carrinho legal, mas eu prefiro o Cobra... Você não pretende fazer uma avaliação de uma réplica da Americar para o lendário híbrido de Shelby?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  44. AK,
    Só hoje que parei para ler, confesso que quando vi o post, a idéia do Calhambeque não me atraiu muito e também não sou fã do RC, mas admiro seu carisma, energia, coração, aura, etc. O cara é uma unanimidade, o jeito que minha sogra fala do "Robertinho" e talz... hahaha... o cara é um Querido mesmo! hehehe

    Agora o seu texto!!! Nos "teletransportou" pra época, muito bom!!! É pra quebrar o blasé do mais sisudo "JOVEM" de hoje.
    Concordo com o Fmarannelo.

    Lucas, acredito que esta mecânica suportaria mais pressão sem comprometer nada, heim... (0,8 ~ 0,6 pros cupins de ferro)

    Quanto ao anônimo, eu tenho pena de um cara desse, depois de um texto deste, que passa uma energia tão boa, o cara ainda vem aqui fazer uns comentários destes? É muita pobreza de espírito!

    Valeu AK!!! PK ótimas fotos!!!

    Abs

    ResponderExcluir
  45. Marlos,

    Logo a Americar terá um Cobra de arrasar. Deixa pra mim.

    ResponderExcluir
  46. Bera Silva22/06/10 11:09

    Trânsito é um inferno em qualquer lugar, se é pra usar um carro, que seja um divertido e relativamente confortável. Meu próximo carro - se Deus quiser - terá A/C, não tanto pelo calor, mas por permitir manter os vidros fechados, diminuindo o barulho. O que me separa do "RC50" e assemelhados é a conta bancária!
    Quanto mais carros "divertidos" e "lúdicos" na rua melhor. É como uma boa refeição: atenuam a crueldade da vida!

    ResponderExcluir
  47. Pois é, Fábio, ainda bem que 99% dos frequentadores daqui é gente fina!

    Voltando aos motores GM com turbo, nos idos de 90 e poucos, um amigo rodou uns 60 mil km de turbo num Monza 1.8(motor a gasolina rodando a alcool), sendo que uns 40 com 0,8 e o resto a 1,2! E nunca quebrou!

    Com 0,8 fazia o 0 a 400 em 15,1 s, conferidos pelo Tesla. Imagine esse desempenho no carrinho da Americar...

    Abraço


    Lucas

    ResponderExcluir
  48. André Resende22/06/10 22:44

    Eu não sou jornalista, não escrevo pra nada ganhando ou não dinheiro. Quando faço um comentário, o faço por pura diversão, "onda". Não tenho compromisso nenhum e portanto, muitas vezes sou crítico mais do que a média. Espinafro por pura onda!! No entanto, lendo um texto do Sharp entre outros, eu fiquei pensando o quanto é complicado para um profissional fazer um artigo bem feito. Espinafrar é muito fácil! Puxar o saco por outro lado, não tem credibilidade. Os textos publicados aqui são todos finíssimos. Verdadeiras maravilhas, porque realmente são equilibrados e consistentes. Eu gostaria muito de ter este dom. Parabéns meus amigos.

    ResponderExcluir
  49. Faço das palavras do André Resende as minhas, hoje estou simplesmente viciado em ler o AUTOentusiastas. Recomendo! inclusive na maioria das vezes procuro recomendar para pessoas que merecem este padrão de leitura, no intuito de evitar "tais comentários na área".
    Não só em busca de conhecimento sobre carros, como em vários outros setores da vida, o AE tem agregado bastante, muito obrigado mesmo!!! Ao Arnaldo, aos Marcos, ao Milton, ao Bob, ao Alexandre, ao Hans... ao JLV!!! a todos! a lista dos caras é grande.
    Fazem muitos dos AE's aqui... AE's +++!!!

    Este AUTOentusiastas ainda vai dar muito o que falar, viu!

    Fortes Abraços!!!

    ResponderExcluir
  50. "...e o cordão dos puxa-sacos.... cada vez aumenta mais...."

    ResponderExcluir
  51. André Resende23/06/10 13:31

    “Como ciumento sofro quatro vezes: porque sou ciumento, porque me reprovo de sê-lo, porque temo que meu ciúme machuque o outro, porque me deixo dominar por uma banalidade: sofro por ser excluído, por ser agressivo, por ser louco e por ser comum.” (Roland Barthers)

    Não fica triste não Sr. Anônimo, também amo os canalhas.

    ResponderExcluir
  52. Quais, quais, quais, quais, quais, quais,
    Quaiscalingudum! rs* tssss (som do prato)

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.