DOIS "ACREDITE SE QUISER"


A foto é a capa da revista Cesvi n° 68, abril/maio de 2010. A edição fala  bastante nas "cadeirinhas" -- prefiro chamar de bancos de crianças -- obrigatórias por resolução do Contran e que deveriam ser fiscalizadas a partir de 9 de junho último, mas que foi adiado para 1° de setembro devido a não haver bancos em número suficiente no mercado. A revista foi apanhada de surpresa numa das nossas bem-conhecidas "brasileiradas", as decisões sobre alguma coisa tomada de última hora, e ficou desatualizada. Eu dei mais sorte, pude mudar o texto da minha coluna "Cá entre nós" da revista Carro antes que fosse impressa.
O CesvI Brasil, Centro de Experimentação e Segurança Viária brasileiro (a companhia-mãe é espanhola) foi criado em 1994 e é um centro de pesquisa dedicado à reparação de veículos automotores e à segurança viária. Seu diretor de Operações, José Aurélio Ramalho, é um abnegado lutador pela segurança viária. O Cesvi Brasil hoje é a referência nos dois temas a que se dedica.
Mas o que quero comentar aqui é o samba do crioulo doido que a questão se tornou -- ou se  tornará em  1° de setembro aqui na cidade de São Paulo e que pode perfeitamente dar metástase nos outros 5.499 municípios brasileiros: a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) instruiu seus agentes a fiscalizarem o cumprimento da resolução do Contran levando em conta que são fiscais e não têm poder de polícia, desse modo não podendo dar ordem de parada para carro algum. Fazer o quê, então? Se desconfiar que o carro não tem o banco infantil, multe-o. Quem se sentir injustiçado que recorra...É ou não para o "Acredite se quiser"?
Mas tem uma pior, na minha opinião. Pela resolução, o banco infantil não é obrigatório em: transporte escolar, carro alugado, táxi, transporte coletivo e furgões de passageiros (vans). Coitadas das crianças brasileiras, sem chance de escapar no evento de acontecer o pior, a menos que estejam no carro próprio do papai ou da mamãe!
BS

21 comentários :

  1. Bastante típico do Brasil dos últimos anos. Ao invés de provar que o sujeito é culpado porque isso dá muito trabalho e não ajuda a arrecadar, pressuponha que está todo mundo errado e eles que se virem para provar que são inocentes. Daqui uns dias vão começar a aparecer multas do tipo "segundo o agente o veículo estava aparentemente acima da velocidade máxima". É o fim.
    É incrível como certas "classes" estão ganhando poder e discricionariedade para fazerem o que bem entendem sem ter que responder em momento algum por seus atos, mas não é de se estranhar de todo, já que na desorganização pública muita gente é e faz coisas ilegais, eles devem achar que todo mundo seja igual a eles.

    ResponderExcluir
  2. O senhor viu o comercial do novo Uno com o bebê? Pois é isso que vai acontecer, como vão olhar dentro do carro com vidros de transparência zero?!

    Porque esta resolução não obrigou os fabricantes a oferecer a prática fixação Isofix nos carros?

    São detalhes que deveriam ter sido pensados.

    ResponderExcluir
  3. Caro Bob: é louvável todo (exceto, lógico, coisas imbecis como aquele kit de primeiros socorros que todo mundo teve que comprar, e que não servia para absolutamente nada, além de enriquecer quem os produzia) esforço no sentido de preservar vidas no trânsito, mas cá entre nós: não vou comprar uma destas cadeiras (que não são baratas) e mantê-la dentro do meu carro (se não for assim, não adianta, pois nunca se sabe quando ocorrerá uma ocasião não programada, além de raríssima, no meu caso, de uma criança andar nele) ocupando espaço. Se tal oportunidade rara acontecer, o papai e a mamãe do(a) pequerrucho(a) em questão deverão estar com sua própria cadeirinha no "bolso", ou então, serei obrigado a negar a carona. Já no caso de quem trabalha com transporte (van, táxi, ônibus), em uma primeira análise, parece lógico que deveriam ter a cadeira, pela chance enorme de transportarem passageiros mirins, mas... e se uma mãe com três filhos pegar um táxi? Ele teria que ter três cadeirinhas, certo? E supondo que as tivesse, guardadas dentro do porta-malas: quanto tempo levaria até instalar as três, no banco traseiro? E nos ônibus, e nas vans, como isso se daria (ter as cadeiras, instalar na hora...) Certas idéias são como o comunismo: uma beleza na teoria, mas inviáveis na prática. O assunto é complexo. Vejamos que idéias vão aparecer por aqui.
    Abraço.
    Mr. Car.

    ResponderExcluir
  4. Eu nem tenho filho, mas vou comprar esses assentos para crianças. A capa da revista diz que com ela, se acaba com os acidentes.

    Posso até dirigir sobre efeito de drogas que vou escapar de acidentes.


    ...Mas uma lei aprovada pelo Lobby de fábricas junto com a idiotice dos legisladores. Poderiam é punir as fabricantes que fazem carros que não permitem a fixação no padrão Isofix.

    E que bela empresa essa CET hein? A cada dia se supera em idéias para aumentar suas receitas.

    ResponderExcluir
  5. Até que em fim vão proteger as crinças do transito e dos pais irresponsáveis!!

    ResponderExcluir
  6. Bob,

    Não gosto muito de idéias de teorias conspiratórias. Mas é a única coisa que me faz acreditar em quão estúpidas algumas leis são.

    Que o assento de segurança para crianças funciona, isso não podemos negar.

    O duro é acreditar que as crianças fora dos grandes centros tupiniquins terão o mesmo "trato".

    Afinal, o transporte escolar é de uma excelência invejável, brasil afora, não?!? Não existem ônibus escolares caindo aos pedaços, muito menos "paus de arara", não é mesmo?!?

    Sem comentários...

    ResponderExcluir
  7. Francisco V.G.28/06/10 11:14

    Boçais legislando, administrando e fiscalizando. O resultado é um só: LIXO.
    E faço coro com os que reivindicam o sistema Isofix. Cadê? Porque não implantam? Resposta: Falta de vergonha na cara e desrespeito para com tudo e todos.

    ResponderExcluir
  8. Eduado Chiavaloni,
    Como estamos longe, não? O banco infantil funciona muito bem, tanto que meus dois filhos usaram-no na década de 80 e hoje o neto de quase dois anos tem a dele. Torná-lo obrigatório só no carro particular é que foge à mais rasa compreensão.

    ResponderExcluir
  9. BK
    Essa é apenas mais uma insegurança com que temos de lida no nosso dia a dia.

    ResponderExcluir
  10. André Andrews,
    Vou fazer um post sobre isso.

    ResponderExcluir
  11. Complicado isso, hein?
    Como faziam antes? Os passageiros do banco traseiro não eram obrigados a utilizar o cinto? Criança não é passageiro? Como pai responsável, sempre utilizei a cadeirinha com meu filho de 3 anos. Prá mim, tudo isso já era (ou deveria ser) obrigatório... Carlos

    ResponderExcluir
  12. Bob, realmente algumas coisas aparentemente bobas prejudicam demais. Vejamos alguns pontos:

    - antes um pai poderia levar 3 filhos pequenos, no banco de trás, em um carro pequeno como um Uno ou Celta. Hoje, por causa das cadeirinhas, alguns carros sequer comportam 2 cadeirinhas... ou seja, esses pais, que pagam os impostos, deixam um filho em casa? Dão pra doação? São obrigados a trocar de carro??? Estranho, digamos.

    - o preço das cadeirinhas só aumentou depois da lei, visto a procura maior. É óbvio que isso foi lobby de fabricantes, o que entristece - para a segurança eles estão nem ligando, estão é ligando pro $ no bolso.

    - a questão da fiscalização, principalmente por agentes e ainda com as variáveis do carro locado. Como fazer? É palhaçada. Se nem falar no celular é fiscalizado corretamente, imagina isso!

    - a questão das vans escolares. Quanto abuso, absurdo que vemos os (e as) motoristas fazendo no trânsito, com as crianças todas soltas lá dentro. É ridículo.

    Às vezes sinto como se estivéssemos em dois países distindos, um Brasil do povão ilegal que dirige mal, mata, corre, que anda sem habilitação, que faz absurdos ou por ser rico ou por não ter nada a perder e OUTRO país, o Brasil do povo que paga imposto, faz tudo certo e acaba sempre se dando mal.

    ResponderExcluir
  13. Sendo lei ou não, uso o dispositivo de retenção infantil para meu filho. Ao sair do hospital as enfermeiras não sabiam colocar no carro e muitas mães saiam com o bebê no colo.

    Cada pai e mãe tem que buscar o que é melhor para o filho, mesmo que custe R$ 160 um "bebê conforto". Tem gente que reclama do preço e compra aquele DVD portátil para colocar no carro.

    Quanto aos carros de aluguel ou transporte coletivo, o ideal é que a criança tenha sua própria cadeirinha e use-a no taxi, por exemplo (mesmo que os pais não tenham carro).

    A questão não é o preço do DRI, mas a segurança que ele traz ao transportar a criança no carro. O problema apontado pelo Bob é a fiscalização subjetiva do dispositivo.

    ResponderExcluir
  14. Zé da Silva28/06/10 13:57

    Marcio,a sua inocência sôbre o tema do post, é algo assustador.

    ResponderExcluir
  15. Alguém já viu uma criança morta no trânsito por conta da irresponsabilidade de seus pais em protegê-la ?

    É triste demais... e sem querer ser piegas, mas convence qualquer um da importância da segurança.

    Minha filha tem 11 anos. Já tivemos 4 dispositivos de proteção no carro no decorrer deste tempo. Saiu da Maternidade já protegida.
    Nem queria saber se era ou não obrigatório. O que importa pra mim é proteger minha família.

    Meu lema sempre foi "No trânsito ( e na vida ) segurança em primeiro lugar"

    E repasso essa noção pra ela todo dia. Principalmente falando e educando sobre o trânsito e dando exemplo.

    Se o resto das pessoas fossem conscientes os problemas seriam mínimos, mas a realidade...

    Nós como autoentusiastas devemos repassar essas coisas, como pessoas que podem (e devem) influenciar o mundo. O mundo começa em voce e termina no outro.

    Entendi o que o Bob quis dizer, da questão da fiscalização e concordo com a dificuldade de se implementar isso dado os problemas operacionais da verificação.

    ResponderExcluir
  16. Sobre esse lance de multa na base de desconfiar que o carro não tenha a cadeirinha, só fico pensando o sofrimento que será para aqueles pais cujos carros já têm cadeirinhas embutidas nos bancos traseiros, como ocorre nos modelos da Volvo, no Dodge Journey e outros. Ficaria quase que necessário o dono de um desses modelos de projeto mais cuidadoso ter de andar com habeas corpus preventivo.

    ResponderExcluir
  17. Essa é mais uma para o folclore Brasileiro, não tem cabimento... algumas atitudes... Não é o assunto, mas já que estamos falando de segurança viária e absurdos... mas não custa lembrar que falar ao Celular não pode, mas Motorista de ônibus trocar dinheiro para passagem pode... esse nosso Brasil é uma Piada.

    ResponderExcluir
  18. Difícil mesmo é aturar quem acha que a sua é mais jeitosa do que a do resto do mundo e faz questão de mostrá-la pra todo mundo...

    ResponderExcluir
  19. Alguém viu isto?

    http://revistaautoesporte.globo.com/Revista/Autoesporte/0,,EMI150868-10142,00-LEITORA+AVALIA+SEU+CHEVROLET+AGILE.html

    ResponderExcluir
  20. Concordo com todos que defendem o uso dos dispositivos de segurança para o transporte de crianças!
    Será que só quem já socorreu dezenas de crianças vítimas de acidentes de trânsito consegue visualizar que o assunto em questão é sérissimo ? Vamos deixar de lado nossa velha crença que no Brasil tem lei que "pega" e outras que não pegam. Vamos confiar nos inúmeros testes e crash-testes feitos por especialistas que provam a necessidade de proteger nossas crianças! Quanto à fiscalização, cada orgão público
    de trânsito deve cumprir a sua destinação e fiscalizar o cumprimento das leis.
    As películas (insulfilm)vendem uma falsa segurança e escondem inúmeras infrações de trânsito cometidas muitas vezes de forma simultânea resultando em acidentes e na carnificina que vemos diariamente no trânsito. As mortes no trânsito são banalizadas e consideradas normais no Brasil!É bom esquecermos os políticos e fazermos a nossa obrigação, protegendo nossos filhos!

    ResponderExcluir
  21. É bom esquecermos os políticos e fazermos a nossa obrigação, protegendo nossos filhos!

    como exemplo, os filhos do Bob utilizaram o "bebê conforto" na década de 80! sem uma lei obrigando a fazer isso...

    A questão aqui é $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$...
    só não enxerga quem não quer! Mais uma palhaçada do nosso Brasil il il il il il il il il il il!!!

    Lei ridícula! na minha opinião nem cinto de segurança devia ser obrigado por lei, assim como capacete no caso dos motociclistas!
    Esta é mais uma questão que remete o tema da educação.
    Por enquanto, bêbados dirigem assistindo seu DVD, com faróis de xenônio na cara dos demais, AHHH! sem esquecer do "engatão" para dar uma cutucada nos parachoques "dos carros que deixaram a vaga muito apertada", NÉÉÉ???

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.