TROMBOS



"São Paulo vai parar"; "As ruas não comportam mais tanto automóvel"; "As pessoas têm de deixar o carro em casa": é o refrão de "especialistas" em trânsito ou, termo da moda, "mobilidade urbana". Mas, espere, o editor não terá colocado imagem errada para começar o post? Pelo texto, o assunto parece ser trânsito, não anatomia humana!

Não, caro leitor, a imagem acima foi tirada do Wikipedia de propósito. Trata-se do nosso sistema circulatório. Começa a fazer sentido?

Creio que todo mundo sabe que os cerca de 100 mil quilômetros de vasos sangüíneos são totalmente preenchidos pelo líquido vital num sistema hidráulico fechado, ou seja, não há intervalos, espaços vazios. O sistema funciona ininterruptamente e bem enquanto a bomba, o coração, funcionar. Problema ocorre quando um trombo, ou coágulo, ocasiona a trombose, a obstrução da circulação do sangue, com todos os problemas que isso acarreta.

Tenho certeza que todo mundo sabe também que o maior problema da circulação de veículos são os "coágulos", os trombos que levam à trombose do trânsito nosso de cada dia. Na madrugada do último dia 24 uma carreta tombou na marginal do Pinheiros e provocou um dos maiores engarrafamentos de que se tem notícia. Se o leitor entrar no Google com 'Caminhão tomba e provoca engarrafamento' terá leitura garantida por horas, inclusive sobre este citado caso.

Mas há outros trombos, que não os causados por acidentes. Ontem fui à Granja Viana, em Cotia, na Grande São Paulo. Como sempre, pela rodovia SP-270 Raposo Tavares. Era cerca de meio-dia, o trânsito era denso mas fluía bem. Até que num determinado ponto parou. "Pronto, acidente", pensei.



Ali ficamos, praticamente parados, avançando lentamente. Até que nos aproximamos de um uma passarela na qual havia uma placa.



Na placa, Policia Militar Rodoviária. Será o que estou pensando? Não, eles não fariam isso a ponto de causar todo esse engarrafamento. E continuamos nos arrastando até que...



...era exatamente isso, o trombo era a faixa da direita interrompida! Trombo artificial promovido por agentes da autoridade de trânsito sobre a rodovia, a Polícia Militar Rodoviária do Estado de São Paulo! O suprassumo da burrice, da irresponsabilidade, do mau-caratismo, do pouco se importar (para não escrever um termo chulo) com o bem-estar daqueles que lhes pagam o salário. Bem-estar só, não, e se uma ambulância ou caminhão do corpo de bombeiros precisasse se deslocar por ali?

Isso foi numa rodovia, voltemos para a cidade de São Paulo (que poderia ser qualquer outra). Hoje é o dia do novo limite de velocidade da Av. Paulista, 50 km/h ante 60 km/h até ontem.

Infográfico do UOL

Aí começam as declarações dos "especialistas" em trânsito. "A nova gestão da capital paulista tem investido fortemente em meios modais alternativos aos carros, tais como os ônibus e as bicicletas. E a redução da velocidade das vias é uma adequação para que todas essas modalidades possam conviver sem gerar riscos umas às outras" — palavras de Tadeu Leite, diretor de planejamento da CET.

Em julho de 2011, na gestão Gilberto Kassab o limite havia baixado de 70 km/h para 60 km/h, por pressão dos cicloativistas em razão de mortes ocorridas. Tudo bem, besteira do prefeito Kassab, mas dava para conviver com o novo limite. Mas, 50 km/h? Novo trombo artificial.

Foi da noite para o dia, o eixo norte-sul, trecho composto pela avenidas 23 de Maio e Rubem Berta passou ser permanentemente congestionado depois que o limite baixou de 80 para 70 km/h, quando deveria ter subido para 90 km/h. Essas "capacidades" que tomam conta do trânsito em São Paulo deviam estudar o que seus pares da cidade do Rio de Janeiro fazem no tocante a velocidade, em vez que quando vão lá ficarem na praia e nos bares tomando chope. Lá não existe a fúria anti-velocidade de São Paulo. Respira-se normalidade.

Há coisa de dois anos o Ministério Público Estadual argüiu a Secretaria Municipal de Transportes e a "Companhia" sobre as reduções de velocidade, mas pelo jeito era mais uma pizza indo para o forno.

Trânsito se baseia em engenharia, educação e no fazer cumprir a lei:


Os três pontos têm de ser observados e por aqui parece serem secundários, em especial a engenharia, que se não for aplicada resulta nos trombos que assistimos todos os dias. O exemplo mais recente é esse da Av. Paulista a 50 km/h. Ela já tinha um trânsito pesado e complicado. Agora é esperar pelo pior. O mesmo ocorreu recentemente na região central da cidade, limitada a 40 km/h. Esses imbecis estão literalmente parando a cidade.

E vêm os argumentos idiotas, do mesmo diretor de planejamento da CET, como a diferença de tempo entre 50 e 60 km/h para percorrer o trecho de 2,6 km ser de 30 segundos, desconhecendo ou fingindo desconhecer que existe uma coisa chamada velocidade natural da via. Das duas, uma, ou a Av. Paulista ficará intransitável de vez, ou o caixa da Prefeitura terá um formidável reforço de caixa com o volume de multas.

Mesmo caso da descida de serra da rodovia dos Imigrantes, projetada para velocidade de 110 km/h, mas limitada desde a inauguração, há 11 anos, a 80 km/h, em que a concessionária Ecovias e a Artesp argumentam que a diferença entre as duas velocidades é de poucos minutos.

Um dos vértices do triângulo mostrado acima refere-se justamente ao que falta a boa parte dos ciclistas: cumprimento da lei. Eles fazem parte do trânsito tanto quanto os veículos motorizados e, como tal têm que se comportar, respeitando o Código de Trânsito Brasileiro. Enquanto ciclistas fazerem o que querem nas vias públicas continuarão a ser vítimas do trânsito.

Caso triste da bióloga Juliana Dias, 33 anos, morta por um ônibus no dia 2 de março do ano passado quando pedalava em plena Av. Paulista. Se bicicletas, pelo Código, devem trafegar junto ao meio-fio e se naquela via há faixa exclusiva de ônibus na direita, ali não é local adequado para se andar de bicicleta. É cada vez mais necessário que ciclistas se enquadrem nas regras de trânsito.

Não há excesso de veículos, como não há excesso de sangue no corpo humano. Só não pode haver trombos.

BS

126 comentários :

  1. No Rio não existe a fúria anti-velocidade de São Paulo? Mais ou menos, Bob. Só para citar dois exemplos: Aterro do Flamengo com longos trechos em 70Km/h e Ponte Rio-Niterói a 80Km/h? Podiam ser mais 20Km/h em cada um, numa boa. Isso sem falar nas imbecilidades feitas no sentido de, supostamente, "incentivar o uso do transporte coletivo e/ou alternativo", como as tais ciclo-faixas, e a eliminação de milhares de vagas do sistema Rio-Rotativo.
    PS: e quero ver a "belezinha" que vai ser sem o Elevado da Perimetral.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mr. Car
      No Aterro não é 90 km/h? E na Ponte você tem razão, 80 km/h ali é ridículo.

      Excluir
    2. Um longo trecho, próximo a Botafogo tem limite de 70 km/h.

      Excluir
    3. Há trechos de 70Km/h, que além de ser uma velocidade baixa para o local, ainda acarreta aquela coisa da queda do limite dos 90Km/h para os 70Km/h, que pega muita gente no "pardal".

      Excluir
    4. Próximo ao aeroporto é 90Km/h, mais pra frente fica 70Km/h.
      Zito

      Excluir
    5. No Aterro só não é 90km/h na praia de Botafogo próximo à Urca. Em geral, tirando a ponte, acho as velocidades aqui no RJ justas, como 100 km/h na Linha Amarela, 90km/h no túnel Rebouças, 80km/h no sambódromo e túnel Santa Bárbara. Mesmo em trânsito livre, os motoristas insistem em andar longe do limite (20km/h a menos), principalmente na Linha Amarela e no túnel rebouças.
      Vinícius

      Excluir
    6. Claudio Fischgold28/10/13 14:18

      O Aterro começa com 70 km/h junto à enseada de Botafogo, contorna parte do Morro da Viuva a 80 km/h, e no retão do Flamengo passa para 90 km/h.

      Excluir
    7. No aterro ERA 90 km por hora! Mas estava rendendo pouca multa e baixaram para 70 km hora para faturarem mais. A ponte, que não tinha radar, trataram de por e baixar a velocidade para arrecadar ainda mais. Quanto a polícia de São Paulo, esta é igual a daqui do Rio e segue a risca a regra de FUD.... O CIDADÃO , como todo orgão público neste país de VIRALATAS! Pagamos o salário desta corja de bandidos para sermos achacados por eles, a ELITE DESTE PAÍS DE ME....! Aqui são os orgãos públicos contra nós cidadãos que pagamos a eles para nos FUD....!!! E nós não temos defesa, mesmo sendo maioria. CADÊ O PARTIDO!!!! precisamos fazê-lo!!!

      Excluir
    8. Claudio Fischgold28/10/13 19:37

      O Rabo balança o cachorro. Veja minha resposta acima. Continua 70 km/h em Botafogo e 90 km/h no Flamengo. O pardal que estava no final do Morro da Viúva, sentido Botafogo, foi retirado e ficou só o poste. Já os pardais de 90 km/h continuam, o primeiro junto da passarela no Flamengo, e o outro próximo do MAM.

      Excluir
    9. Nãããão galera o limite no aterro é de 90 km/h e só tem 2 pardais tanto na ida pra botafogo quanto na volta para o centro....
      o limite de 70 km/h praticamente não existe mais porque os pardais foram retirados.
      O limite da ponte é ridiculo.... mas não existe pardal.
      Por outro lado estão fazendo a farra na zona oeste e na zona norte, limites ridiculos na barra, recreio, jacarepagua, meier, eng. de dentro.... Aqui no RJ a onda do momento é pardal de sinal com velocidades ridiculamente baixas de 40 km/h.....

      O Observador

      Excluir
    10. Vantagem de morar no fim do mundo, limite de 80kmh e podemos andar a 100,110...limite de 100 e podemos tranquilamente a 120,130...PRF tá sempre no posto, nada de radar a mão no mato...A via comporta e nem se tem noticias de acidentes pela velocidade...os poucos que se tem é ultrapassagem mal calculada e sono ao volante...Mas infelizmente em alguns pontos o dnit já tá instalando pardais.

      Excluir
  2. Já que tem rodízio em São Paulo e também o metrô é lotado, estava pensando. Por que não fazer rodízio de passageiros no metrô, tipo, cada dia do mês as pessoas com nome começados numa determinada letra do alfabeto não poderem usar. Assim diminui a lotação e quem sabe ainda conseguem inventar ma multa para quem desobedecer. Com isso ganham dinheiro e não precisam resolver o problema do metrô com essa solução artificial.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabio Alexandre
      Perfeito!

      Excluir
    2. Gostei dessa idéia.

      Excluir
    3. carro é transporte individual privado: o coletivo de cidadãos representado pelo Estado DEVE restringir sua circulação pelo bem deste mesmo coletivo. Já metrô é transporte público coletivo: o Estado não pode restringir a circulação de cidadãos em meios públicos (por isto mesmo devemos combater a tarifa, inclusive). Só quer privilegiar o automóvel quem quer manter os privilégios das elites.

      Excluir
    4. Enquanto eu pagar impostos caríssimos e não tiver transporte de qualidade, recuso-me a pensar no coletivo. Dane-se o coletivo. Não vou pegar ônibus cheio e fedorento. Na minha cidade tem metrô construído sem funcionar, ônibus de motor dianteiro e suspensão de feixe de molas e chassis alto de caminhão e motoristas mal educados em profusão que tratam passageiros como carga de pedras. Ainda assim a elite burra que usa carro oficial do trabalho com motorista, propôs o rodízio como forma de diminuir o engarrafamento. Isso vai na verdade é aumentar a arrecadação de IPVA. Pessoas vão comprar outro carro para poder transitar, e diminuirá a venda de carros novos, já que será difícil uma pessoa da classe média ter dois modelos novos na garagem.

      Excluir
  3. Fico imaginando cruzar o Vale do Anhangabaú e o início da 9 de Julho de madrugada, a 40 km/h... Será que os larápios não vão fazer a festa?

    Pior de tudo, Bob, é que essa medidas estão deseducando os motoristas. Aqui em BH, as pessoas já não sabem mais dirigir com a pista livre. Muitas vezes não chegam nem perto do limite (ridículo) de 60 km/h. Ou seja, andam em fila indiana, sem a menor necessidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mineirim
      Exatamente! Os motoristas estão se deseducando, no país inteiro, a começar pelas lombadas. A noção de responsabilidade de trafegar em velocidades compatíveis com a situação é cada vez menor

      Excluir
    2. Bob, perfeito exemplo são mesmo as lombadas. Ao invés do motorista manter uma velocidade responsável, obrigam todos a frearem e a acelerarem toda a hora. Enquanto isso, os que não estão nem aí, matam, atropelam e capotam em avenidas duplicadas...

      Excluir
    3. Sem contar as operações comboio. Como se as atoridades atestassem que as pessoas a quem elas julgaram aptar a dirigir não tivessem capacidade de fazê-lo em determinadas condições. Um verdadeiro atestado de ineficiência do sistema.

      Excluir
    4. Puts... nem me fale, Bob. Aqui em Cascavel/PR, a Cettrans está veiculando uma campanha na TV com um cara usando uma camiseta com uma placa de lombada desenhada, e exaltando esse excremento viário. Lombada pra mim representa o cúmulo do desinteresse do poder público pelo cidadão de bem. Pune-se a todos pelos erros de alguns, sendo que isso nem resolve o problema, só o encaminha pra uns metros adiante....

      Excluir
    5. Mas falando em deseducar, é impressionante 2 coisas que constato ultimamente.

      1ª Pessoas que mudam de faixa sem olhar, principalmente na marginal.

      2ª pessoas que em ruas sem faixas ou com faixas apagadas não conseguem fazer uma divisão de espaço em sua mente e com isso não conseguem se manter na sua faixa mesmo ser ter as faixas e acabam ocupando o lugar de 2 carros andando pelo meio onde deveria haver as faixas não chão. Para essas pessoas tem que ter aquelas tartarugas gigantes que tinha em São Bernardo nos anos 90 quando eu ia para faculdade.

      Excluir
    6. Para quem não sabe eu sou louco por bicicletas desde que me entendo por gente, mas ao mesmo tempo sou sensato em ver que em São Paulo é perigoso. Esse dia num fórum de bikes que participo entrei em discussão com outro ciclista que veio com o tal papo da pesquisa dos 40 km/h e tal.

      Aí disse que se for assim, proíba carros que cai para 0% o índice. Enfim, perguntei para ele se ele ia no supermercado de bike, num casamento de bike, levar a avó no médico de bike e etc. Carro é antes de tudo necessidade.

      Aí disse que a maioria dos acidentes a culpa é do pedestre e do ciclista e ele disse que não que forçam o pedestre a se arriscar, pois criam uma plataforma a 50 m de distância numa estrada para atravessá-la. Então perguntei: Quer dizer que a pessoa tem que ter físico para andar de bicicleta por aí e não pode andar 50m a mais para proteger sua vida? E ele disse que as vezes a pessoa está carregada de compras. E eu disse: E qual seria a solução, fazer as estradas a 40 km/h com semáforo?

      Mas terminei a discussão quando disse o que penso:

      Hoje está na moda se autointitular ecológico e etc. É bonito falar que é ciclo ativista, mas o engraçado é que só quem enche o saco com esse papo são quem tem bicicletas de mais de R$ 10.000,00 e só andam de final de semana e nas estradas ou na USP. Pois quem anda mesmo todo dia é o peão na periferia com bikes simples e até sem freios e esses não reclamam de nada.

      Excluir
    7. Matou a pau, Fabio Alexandre.

      Excluir
    8. Corsário Viajante29/10/13 12:08

      Operação Comboio?
      Sexta passada, indo pro Guarujá, estava em vigor a tal operação.
      Detalhe: sem neblina, só chuva fina.
      Muito perigoso!!!!!

      Excluir
  4. Bob, outro lugar que não tem fúria anticarro por parte das autoridades é Florianópolis. Lembro-me de um trecho no rumo norte da ilha em que havia uma só faixa para cada lado e o limite era de 80 km/h (tudo bem que era área pouco urbanizada, o que justificava) e ninguém ficava achando estranho aquilo. Vou lhe pedir que dê uma reescrevida no trecho abaixo, que está um pouquinho incompreensível:

    Essas "capacidades" que tomam conta do trânsito em São Paulo deviam estudar o que seus pares da cidade do Rio de Janeiro fazem.no tocante a velocidade em vez que quando vão lá ficarem na praia e nos bares tomando chope. Lá não existe a fúria anti-velocidade de São Paulo.

    A pontuação está meio esquisita (há um ponto entre "fazem" e "no"). Pelo que entendi, a frase seria "Essas 'capacidades' que tomam conta do trânsito em São Paulo deviam estudar o que seus pares da cidade do Rio de Janeiro fazem no tocante à velocidade, em vez de ficarem na praia e nos bares tomando chope quando vão lá".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Havia mesmo esse ponto perdido entre 'fazem' e 'no; mas eu já o tinha visto poucos minutos depois de postado, e tirado. Isto significa que você deu F5 ao meio-dia em ponto... (rs)

      Excluir
  5. Bob,

    Acho que a VW deveria voltar a fabricar o Fusca com motor de 1.200 cc de cilindrada. Não precisamos de mais do que os 7,7 m.kgf de torque e 36 cv, que o motor dele tem, para manter velocidades tão ridículas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo R.
      Deveria mesmo!

      Excluir
    2. Aí eles colocariam o limite de velocidade a 40 km/h e radares em TODOS os finais de declives...

      Simples assim.

      Infelizmente funciona desta forma. E não viveremos tempo suficiente para ver uma melhora, no domínios tupiniquins. Quiçá depois de uma grande desgraça acontecer ocorra algo parecido como o que ocorreu com os nipônicos, depois do Boeing B-29 Superfortress e seu "pequeno bebê"...

      :/

      Excluir
    3. Ando com meu VW 1200 numa boa....fica muito tranquilo manter 60 km/h nele. Penso que se fosse antigamente seria mais perigoso, pois ele não freia direito e não tem muita estabilidade.
      Mas para os carros de hoje, é absolutamente ridiculo essas velocidades.

      Excluir
    4. Pois é. O único problema que fica mesmo é em caso de ladeira ou se estivermos rebocando algo. Fora isso, de fato dá para ficar a 50 km/h na Paulista sem maiores complicações.

      Excluir
    5. Eduardo Chiavaloni e Anônimo28/10/13 14:48,

      Radar no final da ladeira/começo da subida? Sem problema! A gente engata a primeira e desce e/ou sobe a 20 km/h (antes ou depois do bendito)! O importante é manter uma velocidade "segura" para todos e, conseqüentemente, se livrar da multa!

      Um abraço!

      Excluir
  6. O que mais me espanta é o aparente amadorismo. Para ajustar a velocidade assim, do dia para a noite, deveriam existir estudos (modelagem computacional, pelo menos) e testes (um bairro em particular, por exemplo) para avaliação dos estudos, seguida da posterior análise de resultados e conclusões. Seriam necessários alguns anos para se chegar ao modelos que permitiriam uma previsão razoável do comportamento do SISTEMA de tráfego, como um todo...
    Logo, o que posso garantir que esta ação não tem nada de engenharia. É uma ação dentro de uma estratégia política cujas intenções prefiro não tentar prever (apesar de não ser muito difícil, não é necessário nenhuma modelagem para saber do que se trata).
    Faz-se uma ação pontual aqui e ali, sob o lema "melhor e mais seguro alguma coisa", paga-se para obter o apoio na mídia de "planejadores urbanos", botam uns militantes para papagaiar a coisa toda (inclusive nas mídias, em especial a escrita, em que sabemos que há uma classe com uma visão muito particular e exótica da vida nacional, com viés político muito bem conhecido.).
    Pronto, basta o manda-chuvas intervir.
    Agora, por favor, PAREM DE FALAR DE ENGENHARIA DE TRÂNSITO. Isto é POLÍTICA DE TRÂNSITO, OU POLITICAGEM DE TRÂNSITO.
    Não acredito que meus colegas engenheiros (se houver algum envolvido nisso) faça em SP por motivos "técnicos". São POLÍTICOS E PRONTO.
    É por isso que falei em "amadorismo". É política profissional, nada a ver com engenharia. Abram os olhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem deve haver engenheiros na CET!!!

      Excluir
  7. dudupruvinelli28/10/13 13:29

    Adiciono ao excelente texto as sinaleiras dessincronizadas, os "quebra-carros", os afunilamentos e gersons da esquerda. Aqui em Porto Alegre, tentaram baixar a velocidade de 60 km/h para 50 km/h também, mas não conseguiram. Ainda bem.

    ResponderExcluir
  8. Será cada vez mais fácil para os ladrõezinhos pé de chinelo de semáforos, que já assaltam também em lombadas.
    Governos incompetentes e nocivos. Deve ser exterminados como baratas, com urgência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma opção seria a instauração do chamado recall, que ao meu ver é útil para eleições municipais (não acho tão útil assim para estaduais e federais porque aí deixaria o governante muito ao sabor das marés e do imediatismo). Deixa o cara por dois anos no poder e, se ele estiver fazendo muita bobagem, a voz das urnas já o apeia do poder e obriga a fazer uma nova eleição para que concorra quem queira cumprir os dois anos restantes. Como o começo do poder é nas cidades, aqui as mudanças rápidas de governantes em caso de incompetência fazem sentido.
      Que também se limite a reeleição para apenas um mandato de cada cargo, independente de ser Executivo ou Legislativo, com o reeleito não mais podendo disputar de novo o cargo, de maneira a evitar o surgimento de políticos profissionais (que até poderiam existir, é verdade, mas aqui sujeitos a ter de disputar um amplo número de cargos eletivos de tipos diferentes caso queiram se perpetuar, tornando a coisa mais difícil e ajudando a evitar caciquismos).

      Excluir
    2. Q reeleição q nada! ABAIXO A REELEIÇÃO!! Mandatos de 5 anos e proibição de concorrer a novo pleito ao termino do em vigor. E eleições coincidentes tbm, do vereador ao presidente da república, podendo passar até por sindico de condomínio. Chega de eleições a cada 2 anos.....

      Excluir
  9. Estou demorando em média 1h30min para ir do trabalho a minha casa diariamente, percurso de 11 kms., é Sr. Haddad, você está ganhando, estou quase comprando uma scooter para trabalhar pois não existe transporte público de qualidade perto de minha casa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui em BH faço 17 km em 1h15 de bicicleta.

      Excluir
    2. Passarini, tua velocidade média é de 7 km/h. Um pedestre saudável consegue facilmente caminhar nessa velocidade. Agora entendo porque alguns paulistanos estão preferindo caminhar e pedalar.

      Excluir
  10. Pô Bob, aí é minha seara (saúde), kkkkkk. Cada dia que passa dou graças a Deus de ter saído daí. E esses "bosquímanos" comandando a CET já estão transformando-a em Companhia de Engarrafamento Terrestre. Que saudade de uma farda! O Cross daqui já está no forno... gde abç!

    ResponderExcluir
  11. Quando ando de bicicleta, viro a cabeça a todo momento para ver o que vem atrás de mim. Acreditar que um veículo sempre estará, no mínimo, a 1,5 m de distância é uma idiotice.
    Já quando dirijo, percebo que muitos ciclistas se apegam a essa regra de distância e ponto final. Andam em suas magrelas sem nem se importarem com o que vem atrás ou do lado. Alguns andam no meio da faixa, dividindo espaço com carros, motos e ônibus... O cúmulo foi ver um com aquelas laranjinhas do Itaú na movimentada Av Sto Amaro com fones de ouvido!!! Definitivamente não dá pra incentivar o uso de bicicleta sem antes preparar o terreno para isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui em minha cidade, se deixarmos distância de um metro e meio para o ciclista, obrigatoriamente seremos obrigados a invadir a pista contrária.

      Também sou ciclista, mas eu é que não sou doido em enfrentar trânsito pesado com ela, mas existem alguns que não se importam com isso e aí é o caos.

      Excluir
    2. O correto é 'invadir' a outra pista ao ultrapassar qualquer veículo.

      Excluir
  12. Volto a propor a idéia de que os motoristas deveriam fazer a operação padrão, ou seja, em um determinado dia, deixarmos os automóveis em casa e partir para o uso do transporte coletivo, para assim expôr ao ridículo, já que não haveria condução para todos em tempo hábil, aqueles que se dizem donos das ruas das cidades.

    ResponderExcluir
  13. Sem contar que limite de 50 km/h, vão andar a 30 km/h mesmo com tudo livre: não entendo essa falta de conhecimento de andar a 20 km/h abaixo de qualquer limite, desculpa pessoal, mas é muita burrice.

    E quando estiver fluindo, 65 km/h ou pouco mais de velocímetro já dispara a fotografia.

    Lamentável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante28/10/13 22:13

      É coisa de maluco.
      Outro dia peguei a av. dos Bandeirantes, mesmo quando havia pista livre, o trânsito não desafoga, pois o limite não permite... Ficamos todos retendo marcha, fazendo trânsito...

      Excluir
    2. Corsário Viajante.
      A Bandeirantes só tem câmeras em alguns cruzamentos, uma no sentido Imigrantes, logo após o viaduto do Metrô, e uma no sentido Marginal Pinheiros, logo após a Rua Cabo Verde, já chegando no viaduto que dá acesso à via expressa da marginal. De resto, pode sentar o sarrafo andar numa velocidade de fluxo decente, 70 ou 80 km/h que não leva multa.
      Mas precisa sempre fazer um reconhecimento se não se passa por lá quase todos os dias. Podem instalar alguma maldita em coisa de 2 ou 3 dias.

      Excluir
    3. Corsário Viajante29/10/13 12:10

      Pois é, sou do tempo que o limite era 70km/h e já achava lento. Hoje não moro mais em SP, passo por lá só para fugir do Rouboanel, então não vale a pena arriscar, fico na direita ou no meio e pronto.
      Aliás, detalhe: pq fugir do maravilhoso Rouboanel? Pq está sempre congestionado, tem arrastão, não tem sinal de celular, você roda mais, limite de velocidade ridículo de 100km/h e ainda por cima pago pedágio! Por incrível que pareça para mim é mais negócio ir por SP.

      Excluir
    4. Lucas dos Santos29/10/13 14:44

      Tudo isso porque há quem acredite que os radares são adulterados para multar mesmo quem está dentro do limite. Aí, "pra garantir", eles andam propositalmente abaixo da velocidade máxima para não serem "roubados" pelo radar.

      Excluir
    5. Juvenal, no sentido marginal a Bandeirantes tem camera antes do viaduto da Washington Luis, no cruzamento em frente ao Graal.
      Passo todo dia as 18:30 no sentido marginal e as 22:00 no sentido Imigrantes.
      Na ida é uma chatisse, realmente todo mundo fazendo trânsito pra manter os tais 60 km/h. Na volta é lindo, flui perfeitamente, dá pra andar bem mesmo.

      Excluir
  14. Lorenzo Frigerio28/10/13 14:56

    Nesse posto da Polícia Rodoviária na Raposo tem trânsito lento mesmo sem faixa da direita interrompida. Já falamos sobre esse fenômeno, Bob. É a tal da "ressonância" que faz todos os motoristas diminuírem a velocidade em determinados trechos. Tem a ver com a percepção dos motoristas, o número de acessos seguidos e o desenho viário. São "trombos virtuais". No caso do sistema circulatório do corpo humano, a natureza levou bilhões de anos para evoluir um desenho eficiente que vale também para as outras espécies, onde o que dá errado desaparece. Nas estradas brasileiras, trata-se de macacos numa máquina de compadrio e clientelismo sugando as tetas estatais, trabalhando sob a máxima do "quanto pior, melhor". Dá para comparar?

    ResponderExcluir
  15. Senhor Bob pensa que o Brasil se resume a São Paulo, já que 50% das postagens aqui são pra falar alguma coisa dessa cidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez por morar aqui e ter liberdade para escrever sobre o que quiser, já que o blog é dele. Talvez por São Paulo ser a maior cidade do Brasil e o que acontece aqui se reflete no restante do país. Será por isso?

      Excluir
    2. Certamente as pequenas cidades não tem essa intensidade como são Paulo, mas infelizmente, todas padecem do mesmo mal.

      Excluir
    3. Carlos
      De modo algum, todas as cidades, por menores que sejam, são importantes. Apenas determinados eventos aqui em São Paulo são merecedores de posts, mas se for feita contagem tenho certeza de que esse número que você diz ser é inferior a 5%. E como acertadamente disse o leitor Paulo Roberto em comentário seguido ao seu, muito do que acontece aqui se reflete no resto do país.

      Excluir
    4. Procure alguém da sua cidade pra abrir um blog e falar dela. Ou talvez você devesse fazer isso.

      João Paulo

      Excluir
    5. Carlos

      Não gostou? Procure outra coisa pra fazer, fiô! Vaza!!
      Ó uma sugestão: http://turmadamonica.uol.com.br/

      Excluir
    6. Dá só uma olhada na participação de São Paulo no PIB do país ou em outro indicador que quiser. Sem mais.

      Excluir
    7. Quando o assunto estiver relacionado a problemas de trânsito urbano, São Paulo se destaca como uma cidade ideal para discussões, portanto acredito que o Bob está no caminho certo.

      Excluir
  16. Pior é a cara de pau dessa necessidade de engordar os cofres com multas, fazendo com que motoristas desavisados, os desatentos, mesmo aqueles que aceleram quando a via permite (a tal da velocidade natural) serem penalizados por meros 10 km/h. Ainda mais que pretendem "fiscalizar" com radares pistola, ou seja vai lá saber quando ou aonde eles estão...

    ResponderExcluir
  17. Ontem, na Rod. Padre Manoel da Nóbrega ocorreu o mesmo.

    Na região de Mongaguá, o trânsito "parou". Motivo: alguns quilometros à frente havia um carro da Policía Rodoviária estacionado no acostamento, com o policial apenas observando o trânsito.

    Os motoristas, contudo, ao visualizarem a viatura, reduziam MUITO a velocidade, a ponto de criar um congestionamento de quilometros.


    Marco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso que não entendo nessa turma, pode-se trafegar até 10 km/h de velocímetro acima do limite, mesmo com fiscalização fotográfica, sem risco de contribuir para os cofres.

      Excluir
    2. Realmente, o mesmo fenômeno ocorre nas lombadas eletrônicas. Uma redução excessiva. Curioso o comportamento do motorista brasileiro: não hesita em quebrar as regras até que haja uma mínima repressão. Aí exagera na conformidade. Talvez pela ciência de que o poder público muitas vezes está mal intencionado.

      Excluir
    3. Esse exagero negativo de velocidade é o "medinho" de acelerar, somado à burrice na leitura dos instrumentos. Toupeiras ambulantes dirigindo automóveis, ou como naquele adesivo do passado, que muitos colavam nos vidros de seus carros: " MUITOS CAVALOS NO MOTOR. MUITOS BURROS NO VOLANTE"

      Excluir
  18. Gostaria de destacar mais alguns pontos desta reportagem usada como referência:

    1. "A nova redução foi anunciada, em setembro deste ano, pelo secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, que disse que o limite antigo não era "razoável"." Ou seja, isso está com cara de pirracinha e deboche com os motoristas, afinal, o que significa ser "razoável"? Com base no que esse infeliz diz isso?

    2. "Tadeu Leite, que não adiantou qual será a próxima via a ter a velocidade reduzida, mas que citou uma relação de possibilidades, entre elas as avenidas Doutor Arnaldo, Heitor Penteado, Vergueiro, Domingo de Morais e Jabaquara". Entenda-se, isso é apenas o começo.

    3. "Em 2012, de acordo com a CET, a via foi palco de 106 acidentes, sendo 32 atropelamentos. Dos 74 acidentes restantes, dois foram com bicicletas. Ao todo, três pessoas morreram e outras 122 ficaram feridas." E quantas pessoas mais morrem por falta de saneamento básico, falta de médicos, falta de boas condições de trabalho, insalubridade, etc...? Garanto que bem mais do que isso. Muito mais. Mas, enfim, parece que está na moda criar alarde por pequenas causas, tais como fechar a Raposo Tavares por causa de laboratório que faz teste com animais e reduzir a velocidade de circulação nas vias por conta de "piti" de cicloativistas.

    4. Permitam-me somar aqui outra estatítica de outra reportagem parecida, mas antiga: nos momentos de pico, por hora, na Avenida Paulista passam 6.939 veículos, 250 ônibus municipais e 52 bicicletas (fonte: Folha de SP). Por que então o governo dá tanto ouvido a essa "turminha", tomando medidas que prejudicam a esmagadora maioria? Vai ver que é como Reinaldo Azevedo disse uma vez (ironicamente): um cicloativista é, antes de tudo, um visionário!


    Somado a isso tudo, a prefeitura irá gastar mais de 800 milhões em novos radares. Aí nos perguntamos, inocentemente: essa quantia daria p/ subisidiar boa parte da tarifa do ônibus. Sim, mas vai dar p/ subsisidiar até mais, porque na mesma reportagem que havia lido que a Prefeitura projeta gastar (ou melhor, investir) 800 milhões novos radares, está afirmado que a projeção é que sejam arrecadados mais de 1 bilhão em multas de trânsito.

    E devo dizer que desta vez, a questão não é meramente partidária (apesar do exarcebado ódio destes petistas aos carros desde os tempos de Erundina). Acho que os trombos são causados por uma nova "Epidemia de Dança", só que agora travestida de Epidemia de Ódio aos Automóveis.
    (CONTINUA)

    ResponderExcluir
  19. (CONTINUAÇÃO)
    Grande parte disto devemos "à incansável luta" destes cicloativistas. Estão anos a fio pressionando por reduções de limites de velocidades, havendo inclusive alguns "célebres" que já deram entrevistas dizendo que os carros têm que andar em velocidades compatíveis com as BICICLETAS!! Pior que isso é um governo seguir esses "ensinamentos" à risca.


    E vou além: esse papo de justificar esse ódio antiautomóvel dizendo que um ônibus transporta 100 pessoas, ao passo que um carro transporta apenas 4 ou 5 também é a maior demagogia. Fosse assim, vamos então desapropriar as mansões no Morumbi e no Jardins, de 1600 m2, onde em alguns casos, em casas assim, vive apenas uma família, com imensos quartos, com dois banheiros em algunmas suites. Nesta linha de raciocínio, estas casas deveriam dedicar parte de seu terreno disponível para a construção de conjuntos habitacionais e prédios de moradias populares, afinal, "não é justo aqueles que ganham menos e vivem uma vida sofrida terem que, além de ganhar pouco e se privarem de uma vida mais confortável, se deslocarem por longas distâncias, por longas horas para ir trabalhar, ao passo que os maléficos moradores individualistas ficam a 5 minutos do seu trabalho ocupando 10x mais espaço". (Não vou dar ideias, em tempos assim, é perigoso elucidar qualquer bobagem do tipo).

    Transporte público deve ter prioridade (principalmente o metrô), mas tudo deve ser feito com imparcialidade, sem ódio aos carros e isso não significa que não deva haver investimentos na infraestrutura viária, sempre que possível.

    André.

    ResponderExcluir
  20. Nunca é demais repetir: CET = ignorância + má-fé. A alguns anos atrás, o limite de velocidade nas autoestradas era de 110/120 km/h para automóveis e de 90 Km/h para caminhões, enquanto que nas Avenidas Marginais dentro de São Paulo era de 90 Km/h para ambos, situação que perdurou por alguns anos. Isso obrigava os motoristas, dependendo das condições de tráfego, a andar por longos trechos ao lado de caminhões com 30 T ou mais, que eventualmente "dançavam" na pista, por conta de crateras no piso. Obviamente eu evitava essa condição, me mantendo ao lado, mas a alguns metros atrás do caminhão. Conta rápida: a 90 km/h um caminhão de 30 T deve ter a força de impacto de um Mercedes Classe S de 2 toneladas a 600 km/h, não são contas muito precisas, mas se estiver errado na grandeza, me corrijam. Enfim desde essa época perdi o respeito pela engenharia de trânsito e seus critérios de "segurança" sempre não acompanhadas de estatísticas e sim citações dessas mesmas estatísticas. E a grande mídia sempre reproduz sem qualquer questionamento. Bob, parabéns pelas excelentes postagens.

    ResponderExcluir
  21. Outro dia um certo apresentador de TV questionava "cadê as autoridades?? Cadê as autoridades??". Lamento informar ao dito cujo apresentador que não temos mais autoridades no Brasil. Tenho até dúvidas se algum dia tivemos. Tudo o que temos são políticos. Políticos que fazem de tudo para se perpetuarem no poder, babando os testículos dos grandes endinheirados financiadores de campanhas e dando pão e circo ao povão medíocre e ignorante para que lhes continuem votando. No mais, que a classe média continue consumindo e pagando a conta.....

    ResponderExcluir
  22. São Paulo não tem mais jeito: Aproveitando a analogia da trombose, se não derem um remédio logo para isso logo logo teremos amputação.

    PS: Outro dia escrevi neste espaço a analogia de S ão Paulo a um tumor: Algo que cresce desenfreadamente e sem qualquer ordenamento e um critico, como sempre um Anônimo covarde que não tem a coragem de assinar o nome diz que eu tenho ódio da capital onde nasci. Quero salientar que não odeio São Paulo mas é muito fácil amar a cidade morando no Alto de Pinheiros (bairro onde nasci), Vila Madalena, Jardins, Moema, Vila Nova Conceição. Ame São Paulo e defenda essa capital morando em Santa Etelvina, Itaquera, Jardim Pantanal, Margens do Corrego do Aricanduva, Pirajussara, etc. etc. etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel S. de Araújo,
      não esquente, os caras não entendem, A raiva minha (e a sua, acredito), é justamente com os inimigos da cidade, não com a cidade.
      Questão de português.

      Excluir
    2. Daniel S. de Araujo,

      Fui eu quem disse. Não sou anônimo. E não disse que você teria ódio da cidade. Apenas disse que simplesmente fugir, abandonar a cidade rumo ao interior, deixando-a entregue às sua própria sorte, e entregue às autoridades incompetentes, não é o correto. Faça isso você mesmo, mas não sugira isso aos outros. Prefiro lutar por uma cidade melhor. Não fugir. Isso sim, é covardia!. Assim como é covardia sua você não responder pelo post correto e vir me atacar aqui, simplesmente por minha opinião divergir da sua. Volte lá e leia o que eu escrevi e a data. Não distorça minhas palavras, e nem me chame de covarde. Isso que é coisa de covarde.

      Excluir
    3. Daniel, vc tocou no ponto nevrálgico.
      Incrivelmente não se fala quase nisso, parece uma cegueira coletiva.
      Mas vou além: O crescimento, seja lá do que for, mesmo que fosse ordenado e no mais alto padrão, tem que ter um limite.
      E já passamos batidos. Mesmo que fosse o crescimento de uma população de PHDs escandinavos.
      Com o que temos aqui, o ideal seria recomeçarmos após a extinção.

      Kenneth Boulding – economista 1910 – 1993 (Conselheiro Ambiental do presidente Kennedy 1966)
      “Qualquer um que acredite em crescimento indefinido de qualquer coisa física num planeta fisicamente finito, ou é um louco ou um economista.”

      Excluir
  23. É Bob, deverias dar um pulo aqui em Brasília e ver que ciclista virou a "moda votante" do momento. Construíram ciclovias em locais sem necessidade, todas custando preço de estrada, e a maioria dos "bicicleteiros" (termo que um amigo meu, ciclista, usa para designar quem pedala e só faz besteira no trânsito) continua usando a pista, mesmo com a tal ciclovia superfaturada localizada uns três metros para o lado. Fora isso, ainda foram construídas ciclovias no meio da Esplanada dos Ministérios, sabe-se lá com que intuito - e sabe-se lá também porque o Iphan não reclamou - prosseguindo pelo eixo monumental.
    Pois bem, aos domingos é criada, ao lado da ciclovia da Esplanada, uma ciclofaixa, delimitada por uma infinidade de cones. Detalhe que com um monte de agentes do Detran vigiando esses cones e atrapalhando o trânsito, já que não é permitido virar a esquerda em alguns lugares. E também não podemos esquecer a hora extra que recebem.
    Eu devo ser muito burro ou tem algo muito errado no GDF...

    ResponderExcluir
  24. Sobre policiais mal posicionados causando problemas, tenho o exemplo que ocorreu comigo em novembro de 2010, quando trafegava na rodovia Prof. João Hipólito Martins, no sentido Botucatu. Quem passa por aquela região sabe que é uma sucessão de pequenos morros. o que gera pontos cegos imediatamente à frente do motorista, que são sanados imediatamente assim que você está pouco depois do topo da formação geológica em questão. Pois bem, eis que logo após esse momento vejo um bloqueio policial muito mal montado, não só pelo fato de estar praticamente após a situação em que o motorista ganharia a visibilidade do que estava oculto. E nessa, toca eu, que estava a uns 100/110 km/h ter de frear muito forte, a ponto de praticamente ver o guarda que estava em pé a uns poucos metros. Se o freio do carro estivesse com algum problema qualquer, o cara acabaria sendo atropelado. A sorte é a estrada ser calma, pois também tive de jogar o carro para a direita justamente para evitar o bloqueio, que gerava um estreitamento do lado esquerdo. E tudo isso porque o posto da polícia estava apenas poucos metros adiante do bloqueio.

    OK, vamos pôr em uma possível conta de que estivessem procurando algum perigoso bandido e queriam dar uma surpresa da qual o meliante não pudesse fugir, mas ainda assim era algo que expunha o motorista a um risco daqueles de acidente.

    ResponderExcluir
  25. E o curioso é que baixaram o limite de velocidade na Av. Paulista às vésperas de começar a época de decoração de Natal nos edifícios, justamente a época de pior fluidez do ano na avenida. É pra "nem perceber" o limite mais baixo, pois já é difícil atingir os 50 km/h nessa época. Até isso parece ter sido planejado...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vão fazer de tudo p/ parar, travar, complicar, infernizar. Bando de cretinos. Não me surpreenderei se logo baixarem a velocidade na Paulista para 40km/h, como uma empresa de urbanistas, chamada TCURbes havia defendido veementemente. Até que isso aconteça, só está faltando os radares agora. E vão reduzir o máximo que puder. E irão fazer de tudo para infernizar os motoristas, reduzindo os limites de velocidade, não consigo ver um LIMITE (aproveitando o trocadilho), talvez irá chegar até ao (-70 km/h), ou seja, nos obrigarem a ANDAR DE RÉ.

      André.

      Excluir
    2. Esse prefeito e seus secretinos é que andam de ré. Se é que me entendem.....

      Excluir
  26. Caro Bob, você como um "especialista" em "mobilidade urbana", nome que você está gostando de usar, podia mostrar onde que no CTB diz que os ciclistas devem andar no meio fio.

    "Art. 58. Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores."

    Em nenhum momento está especificando que o ciclista deve andar no meio-fio, deve andar no bordo das pistas de rolamento o que difere do meio fio.

    E outra coisa, engraçado você não citar nenhum exemplo de um "trombo", causado por nossos exemplares motoristas que seguem à risca as leis de trânsito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você entendeu, bordos da pista e meio-fio são a mesma coisa. A circulação de qualquer veículo nas vias terrestres abertas à circulação obedecerá às seguintes normas: (...) A circulação far-se-á pelo lado direito da via, admitindo-se exceções devidamente sinalizadas (Art. 29, Inciso I). Portanto, junto ao meio-fio sim, obviamente onde houver calçada. / Por que engraçado? O foco do post foi outro, já falamos aqui inúmeras vezes nos motoristas que atrapalham o trânsito.

      Excluir
    2. Me diga de onde você tirou então que o bordo e o meio fio são a mesma coisa. O próprio CTB não especifica até onde o bordo vai.
      No artigo que você citou não está dizendo em nenhum momento que o ciclista deve andar no meio fio e sim no lado direito da via, ou seja, andando da metade direita até o meio fio o ciclista não estará infringindo nenhuma lei.
      E o engraçado que eu quis dizer é que você colocou no seu post aquele triangulo que uma das pernas é o cumprimento de leis e não sei o que leva você mais uma vez à atacar as bicicletas, levando em consideração que o que deveria ter sido citado como uma dessas pernas é o adorável trânsito paulistano que a cada dia que passa está mais mal educado.

      Excluir
    3. Leia novamente o penúltimo parágrafo e veja se eu digo para andar NO meio-fio: escrevi JUNTO AO meio-fio, que é a BORDA da pista. Que eu saiba, a bicicleta tem duas rodas alinhadas, portanto ao se deixar espaço equivalente a meia faixa de rolamento não se está andando no bordo da pista. Se você tem dificuldade em entender o que é bordo, qualquer dicionário lhe dá a resposta. Não ataco bicicletas, em momento algum e em nenhum post ao longo desses cinco anos e três meses do AUTOentusiastas escrevi isso, mas os ciclistas que usam mal esse veículo espetacular. Releia o antepenúltimo parágrafo.

      Excluir
  27. Se a quantidade de carros e seu fluxo está para o sangue e a corrente sanguínea, então há tempo que a quantidade de sangue tem aumentado num ritmo maior que o do "corpo" que abriga esse sistema circulatório. Os governos, especialmente o paulistano e paulista, não investem há tempo na infraestrutura viária e em multimodalidade eficaz como alternativa ao transporte individual, ou seja, automóveis leves e motocicletas... Dessa forma, se os governos, que atuam, ou deveriam atuar por meio da engenharia, não dão exemplo, que dirá da educação e do cumprimento das leis? Antes que reduzam meu raciocínio ao "façam o que eu falo e não façam o que faço", há uma questão muito mais importante, o automóvel no Brasil é muito mais um status comprobatório da ascensão social do que um meio de transporte puro e simples. Enquanto o fetiche por carros predominar, corroborado pelo péssimo transporte público que temos, mais sangue para as mesmas e já precárias veias teremos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E qual o problema do "fetiche" por carros? A quantidade de carros por pessoa é uma média baixa por aqui, perto de outras cidades do mundo.

      "No Brasil" o carro é status, e onde no mundo ele deixa de ser isso além de outras coisas? Isso é síndrome do vira-latas.

      Excluir
    2. Existe esse aspecto que você falou, de status, natural do ser humano, mas o problema é a ineficiência do transporte público, o desenvolvimento desigual da cidade que faz com que precisemos ir atrás dos empregos em locais remotos. Não existe excesso de veículos, assim como não existe excesso de sangue no corpo, como não existe excesso de doentes nos hospitais, nem excesso de analfabetos sem escolas. Se os trajetos diminuíssem e o transporte público melhorasse, as pessoas, com algum esforço do governo, passariam ao transporte público. O ser humano é igual no mundo todo, por que apenas nós não conseguimos resolver problemas há muito resolvido por países mais desenvolvidos? Quando aprendermos a ver os problemas como eles são em vez de buscar "soluções" esdrúxulas, tenho certeza de que tudo começará a melhorar. Enquanto buscarmos soluções políticas e nos deixarmos convencer de que nossos direitos atrapalham a administração pública, estaremos condenados ao fracasso.

      Excluir
  28. Bob, leitores
    Não vamos nos estressar. O PT não irá sossegar enquanto não provocar o caos generalizado, a população nada fará até lá.Eles precisam disto para desviar a atenção da tomada total do poder e instalação da corrupção e ditadura petista. Não existe outra explicação pois não pode existir tanta gente imbecil no comando do órgãos públicos.Eles fazem tudo ao contrário somente por burrice? Não acredito seria muita burrice junta.E total falta de competência dos demais funcionários. Tem coisa de instalar o caos nisto.

    ResponderExcluir
  29. Outra "grande obra" do nosso valoroso prefeito. Nossa, como esse homem trabalha para melhorar a vida da gente nesta cidade, não é mesmo? O que são 30 segundos a mais, afinal de contas?
    Se eu passar pela Paulista 200 dias no ano, trajeto de ida e volta, é 1 minuto por dia x 200 dias = 200 minutos no total. Terei perdido 200 minutos, ou seja, quase 3,5 horas por causa da "grandiosa" medida.

    Ah, só pra lembrar que estou ignorando o aumento da lentidão, que com certeza ficará pior (essas 3,5 horas serão café pequeno).

    Pintar faixas de ônibus, reduzir a velocidade dos carros, aumentar o IPTU. Quanta coisa "fantástica"!!!!! Que belo exemplo de político!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  30. Apesar de tudo, ainda existe vida inteligente (e consequentemente, esperança). Alguns exemplos:

    NO BRASIL


    1. Campo Grande, MS - http://www.youtube.com/watch?v=_M5yyrmC5LE - Limite de velocidade vai aumentar em avenidas de Campo Grande (Setembro/2013)

    2. Serra, ES - http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2013/10/limite-de-velocidade-em-pista-lateral-da-br-101-aumenta-na-serra-es.html (Outubro/2013)

    3. Rodovia Osório-Torres, RS - http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2010/12/br-101-tera-limite-de-velocidade-de-110-km-h-no-estado-3129868.html (Dezembro/2010)

    4. Londrina, PR - http://destaknews.com.br/?p=8362 - CMTU aumenta limite de velocidade (Abril/2013)

    5. Toledo, PR - http://www.jornaldooeste.com.br/seguranca/ruas-de-toledo-tem-limite-de-velocidade-alterado-61558/ (Outubro/2013)

    6. Bahia - http://www.acordacidade.com.br/noticias/104974/viabahia-aumenta-velocidade-maxima-permitida-em-trecho-da-br-324.html (Março/2013)

    7. São Francisco do SUl, SC - http://ricmais.com.br/sc/transito/videos/prefeitura-de-sao-francisco-quer-aumento-do-limite-de-velocidade-na-br-280/ (Janeiro/2013)


    NO MUNDO


    1. Austrália - http://carplace.virgula.uol.com.br/australia-tera-120-km-de-estradas-sem-limite-de-velocidade/


    2. Espanha - http://www.engenhariacivil.com/espanha-autoestradas-140 (está em discussão na Espanha e em Portugal. Notem, dinamizar a economia do país, parece que estão se dando conta que as cretinices antiautomóvel traz consequencias negativas)


    Estados Unidos

    http://lubbockonline.com/local-news/2013-10-08/leaders-say-proposed-speed-limit-increase-sign-progress-stresses-need-caution#.Um7olPleat8 (Outubro/2013)

    http://www.freep.com/article/20130823/NEWS06/308230041/ - Michigan lawmakers investigate increasing some speed limits (Agosto/2013)

    http://www.freep.com/usatoday/article/2575047 - Speed limits going up in many states (Julho/2013)


    André.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bah, André, que beleza de noticia a nº 5. =D

      Excluir
    2. Bah, tu viste o que a "piázada" está a fazer aqui em SP? (rs)
      André.

      Excluir
    3. Tchê!! 6 tão mais perdido que cego com a amante!!!
      kkkk

      Excluir
    4. Má que barbaridade. Tá errado, tchê!!
      É "mais descunfiado que cego com amante!!"
      Ou "mais perdido que peido em bombacha!!!"
      Ou ainda "mais perdido que surdo em bingo!"

      Mas de verdade agora, tamo sofrendo mais que joelho de freira em semana santa com esse Brasilzão velho!!!

      Excluir
  31. Ola amigos, tão reclamando né!!!!
    Moro em itararé, 47 mil habitantes, ruas de paralelepipedo, asfalto, terra e pedrisco, temos 4 semaforos na cidade e um deles em frente a uma escola e pasmem, sem as sinaleiras para pedestres e tudo isso voce tem que fazer a 40 Km/h.
    Abraços...Vinni....

    ResponderExcluir
  32. Olha o que é um país sério:
    NASA Disponibiliza Conexão de Internet banda larga na Lua. http://bit.ly/17dZjIk
    O serviço de qualidade chega antes das pessoas. Se fosse aqui, a lua estaria superpovoada e estariam tentando implementar todo e qualquer tipo de controle de banda e restrição pra não haver o colapso do sistema.

    ResponderExcluir
  33. Corsário Viajante28/10/13 22:07

    Hahaha vocês não sacaram mesmo!
    EStão fazendo de tudo para o trânsito parar.
    Daí fica mais fácil vender idéias como pedágio urbano, dois dias de rodízio, aumento do IPVA, um impostinho a mais para subsidiar o transporte (ia ser a CIDE, lembram?)...
    É tudo parte de um plano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você falou direitinho. É a estratégia de subversão sendo aplicada na prática. Para que as pessoas aprendam, segue o vídeo, que também deve ser repassado a outras pessoas que conheçam.

      Excluir
  34. Nem me fale ,Bob, esses trombos são literalmente de matar. Levei um verdadeiro choque quando andei bem pela Argentina ano passado. Transito muito mais fluído que o nosso. Gostamos muito de falar que os hermanos estão na "mierda" , mas tem hora que acho que é o contrário. No nosso campo, o dos que amam os carros, tenho quase certeza que é o contrário. Permita-me contar um caso.

    Me surpreendi quando peguei a estrada que leva BsAs ao aeroporto de Ezeiza e outras localidades. O limite? 130 KM/H. DE NOVO: 130 KM/H. Sem que eu nada falasse, minha mulher, incrédula, falou: Vai. Coloca os 130. Quero ver.

    Assim o fiz. Tudo em paz. Tranquilidade. Somente um pouco mais atento ao transito. Mas ela chega e me diz que no GPS está marcando 125 km/h. Respondo que tudo ok, mas que agora vamos andar a 135 REAIS utilizando o bom senso argentino. 145 indicados no velocímetroe fomos embora. Tudo tranquilo. Os carros da esquerda saiam e íamos embora. Sossegados. E ao mesmo tempo espantados.

    Conseguem perceber o quão estamos afastados da realidade nesse tocante? Conseguem perceber que um cidadão pode andar a quase 150 indicados sem ser taxado de criminoso? Conseguem perceber como estamos nos tornando uma pátria de imbecis automotivos?

    Sinceramente, muito me entristece ao ver a velocidade como a causadora de todos os males do transito....E o pior de tudo, e que a sociedade está acreditando nesse falácia que os Detrans tanto insistem. Sob esse aspecto, o Detran -DF é impecabilíssimo.

    Um, dessa vez, triste abraço.

    Lucas CRF

    ResponderExcluir
  35. Bob eu vi esses dados no noticiário que faz festa anti-automóvel no horário nobre antes da novela e pensei imediatamente o seguinte:
    -102 acidentes - OK
    -Que durante o dia não se consegue sequer chegar aos 50km/h - OK
    Então destes 102 acidentes, quantos foram durante esse período que os carros ficam impossibilitados de chegar aos 50km/h?
    Ou TODOS os acidentes ocorreram fora desse horário de <50km/h?
    Se a maioria ocorreu dentro desse horário de trânsito <50km/h, reduzir a velocidade vai resolver o que?????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem contar motocicletas trafegando a mais de 60 km/h entre os veículos e com o trânsito parado. Para isso fazem vista grossa. A estatística aponta essas aberrações também?

      Excluir
  36. Bom, brevemente falarei um pouco sobre os dois lados da tal i (?) mobilidade urbana. Moro na região norte da cidade de São Paulo trabalho na região Sul. A empresa para qual trabalho estava localizada próxima à estação Morumbi da CPTM, utilizava o transporte público diariamente, 1 km de caminhada 2 metrôs e 1 trem apesar do caos, em 1h era possível fazer o trajeto. A empresa mudou-se para o bairro jurubatuba. O transporte público ineficiente na região fez com que o tempo de deslocamento aumentasse em 01h por dia. Ok, passei a utilizar o veículo para me deslocar no corredor norte-sul. Usar bike, fora de cogitação. Mudar, de casa, custa caríssimo. A culpa é de quem? Melhor abandonar o trabalho e me inscrever em algum programa social. Infelizmente o convívio na cidade está cada vez pior. As coisas são feitas porque alguém mandou. Sem planejamento sem o menor respeito pelo próximo. Agora você se locomove de carro, é fruto da burguesia e provoca desequilíbrio social e causador da desgraça social, logo deve ser banido da cidade. Tenho essa sensação a respeito do tema. Estou pagando por querer trabalhar e ter nascido em São Paulo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito. Não seria mais inteligente a prefeitura promover o desenvolvimento equitativo da cidade para que você não tivesse de sair da zona norte para a zona sul? Deixam as empresas se instalarem em bairros sem infraestrutura para depois ver que a situação é insustentável. Já trabalhei muito tempo na zona sul e também moro na zona norte, sei bem do que você fala.

      Excluir
    2. Outro ponto se refere à divisão de linhas de ônibus. Atualmente são necessárias aproximadamente 2h 20min para ir somente de ônibus para o trabalho. As pessoas que se utilizam dos ônibus tem que mudar de ônibus em terminais de transferência, perdendo tempo em filas e disputando um novo lugar no próximo coletivo. "Peloamordedeus", que i(?)mobilidade urbana é essa? Para efeito de comparação (não digam "- Vá morar na Coreia já que lá é tão bom", adoro meu país e devemos aprender com os casos de sucesso) Pude vivenciar em Seul, Coreia do Sul (24 milhões de habitantes em uma área menor do que a da cidade de S.Paulo e que nos anos 80 vivia em condições precárias, comparando se com S. Paulo na mesma época). As avenidas são bastante largas, existem ônibus e principalmente, muito metrô. O trânsito é pesado, porém você tem alternativas, pode usar um metrô ou trem a qualquer momento. Basta dar uma olhada no mapa ferroviário. http://www.korea-hotel-reservations.com/seoul_subway_map.html . Não adianta ficar pintando faixas e reduzindo velocidade das vias o que precisamos é planejamento e integrar, carros, trens ônibus e bicicletas, cada um no seu lugar e com suas peculiaridades. Adoro bicicleta, infelizmente devido à distância entre casa-trabalho e condições viárias, não é possível realizar o trajeto diariamente. O que não dá é para continuarmos criando esse fanatismo e rivalidade entre as modalidades. Cada um com suas características deve ser valorizado. Utopia ou necessidade básica? Paulo, as pessoas podem se perguntar: " - Mas que cara preguiçoso... 1 hora por dia não é nada." Quando colocamos na balança, 1 hora por dia a mais representa sair de casa 6:10 da manhã e chegar de volta em torno de 19:50. Para que viver, para que família, para que saúde, para que, jantar, para que tomar café da manhã??? Isso tudo se resume no famoso Maslow. Vamos empurrando as necessidades básicas, base da pirâmide, para segundo plano, gerando stress e perda de saúde. Esses aspectos são desconsiderados pela grande maioria.

      Excluir
    3. Gostei da malha metroviária de Seoul. Parabéns para eles!

      Enquanto isso, aqui (cuja malha começou a ser construída quase 20 anos antes)...

      http://mapa-metro.com/pt/Brasil/S%C3%A3o%20Paulo/S%C3%A3o%20Paulo-Metro-Mapa.htm

      Excluir
    4. Ouvi no rádio que a prefeitura vai desativar mais algumas linhas obrigando a mais baldeações... mas o automóvel é que é o problema.

      Excluir
  37. Eu disse que vinha mais aí, mas fiquei surpreso por vir tão rápido. Vejam isso:

    http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2013/10/29/mais-vias-perto-da-av-paulista-terao-limite-de-50-kmh.htm

    Até na Faria Lima!!!!!!!!!!!

    Vejam mais absurdos:

    Ao todo, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) terá seis radares-pistola para monitorar o excesso de velocidade nas ruas da capital paulista. Parte desses aparelhos móveis será empregada na avenida Paulista para flagrar os veículos que excederem o novo limite --a via não conta com radares, uma dificuldade que só deve ser corrigida no fim do ano ou no início de 2014, quando um novo lote de equipamentos passará a ser instalado por toda a capital. "Até lá, vamos usar os equipamentos portáteis", diz o diretor de Planejamento da CET, Tadeu Leite Duarte.

    De acordo com Duarte, a avenida deverá ganhar ao menos dois radares por sentido. "Aqueles totens [dos semáforos] não permitem a fixação de aparelhos grandes, e são tombados. Estamos pedindo [na licitação] para termos equipamentos mais compactos, menores." Eles também vão captar as placas dos veículos que furam o sinal vermelho.

    "Qualquer trecho que tiver essa característica poderá ter a velocidade reduzida para 50 km/h." A avenida Faria Lima, por exemplo, está nessa lista. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

    E quem anda de ônibus também vai pagar caro por ter elegido essa DESGRAÇA para prefeito de SP, afinal, serão removidas 400 linhas de ônibus!

    André.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O detalhe é que a Faria Lima tem em seu canteiro central uma senhora ciclovia, totalmente segregada da via principal. Logo, isso é mais uma para nunca mais se votar no PT. Ainda dá para reverter o quadro e o exemplo recente da derrota de Cristina Kirschner nas eleições legislativas da Argentina é só um incentivo a mais.

      Excluir
  38. Bob, mais trombos sendo formados: depois da Paulista, serão Dr. Arnaldo, Heitor Penteado, Jabaquara e Cerro Corá. Além disso, teremos mais seis radares-pistola para acertar o motorista que esteja notando que trombos estejam sendo formados.
    Uma sugestão que dou é a de se criar um adesivo que seja colado no vidro traseiro do carro e no qual esteja escrito algo como "Está achando que o trânsito piorou? É porque você elegeu o PT".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da sua ideia. Estava pensando justamente isso enquanto voltava p/ casa no metrô ontem.... Vamos seguir com isso adiante? É uma ideia melhor do que as pichações e depredações que alguns vândalos vêm fazendo ultimamente.

      Eu nunca gostei de usar adesivos no carro, mas acho que esse é por uma boa causa. Eu me lembro que em Santo André os motoristas usavam um: "Visite Santo André e ganhe uma multa". Sem dúvida, sua sugestão é um bom método para buscar a consicientização e expor essa administração medíocre ao ridículo. Vamos criar um adesivo, podem contar comigo.

      André.

      Excluir
    2. Colegas. Desculpe, fiz o comentário anterior, mas em seguida tomei conhecimento de que é proibido colocar adesivos em vidros e que por isso, até por vingança, podem começar a multar. Portanto, vamos ter que pensar em outra coisa.

      André.

      Excluir
    3. Coloca na lata então. Lataria não é vidro.

      Excluir
    4. Pelo que vi da lei, é permitido que se ponha adesivo em um carro, desde que não seja em área essencial à visibilidade do veículo (sendo proibidos adesivos no para-brisa ou vidro traseiro, salvo selos de fábrica ou adesivos de aprovação em inspeção, uma vez que são pequenos). Logo, uma área bem tranquila de se pôr um adesivo é no vidro lateral traseiro esquerdo, uma vez que este é um enorme ponto cego. Que seja um adesivo pequeno, adaptável a diversos veículos. Em carros de quatro portas, dá para montar:

      1) Naquele vidrinho fixo que fica depois da janela que desce, em caso de carros que usem tal solução e não tenham janelinha depois da porta (Civic, Corolla, Jetta, Gol e Voyage da atual geração e outros);

      2) Naquele vidrinho que fica depois da porta (no caso de carros que tenham janelinha depois da porta, como é o caso dos modelos da Audi, só para dar um exemplo bem claro. Outro exemplo bem conhecido é o Classic);

      3) No topo do vidro que desce, caso o vidro da porta seja inteiriço, não desça completamente nem haja janelinha depois da porta (Prisma de primeira geração, por exemplo).

      Como é algo que ficaria mais direcionado a motoristas que estão na faixa ao lado esquerdo (uma vez que estamos falando de algo que ficaria propositadamente em uma área que é desde sempre ponto cego), acabaria impactando bastante o trânsito em si. Outra opção seria a de se fazer algum adesivo que ficasse na lataria, esse podendo ser visto por motoristas, pedestres, passageiros de ônibus e outros. Observe-se que dá perfeitamente para criar adesivos sem haver qualquer violação às leis.

      Excluir
    5. Entendido. Interessante o que você(s) anônimo(s) acima coloc(ou)((aram).
      Sugiro estudarmos melhor esta e outras ideias que também possam ajudar na conscientização, se é que o povo ainda sabe o que é consciência. O ruído sobre as trabalhadas da administração atual está aumentando, ao menos é o que tenho observado. Estou disposto a fazer qualquer coisa, mínima que seja, mas que possa contribuir para a melhora da situação.

      André.

      Excluir
  39. Eixo Monumental de Brasília, considerada a avenida mais larga do mundo com seis faixas de rolamento de cada lado. Velocidade máxima? 60 Km/h.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já vi isso. Caça-níqueis federal.

      Excluir
  40. "ô tempo duro no ambiente, ô tempo escuro na memória, o tempo é quente e o dragão é voraz. Vamos embora de repente, vamos embora sem demora, vamos pra frente que pra trás não dá mais. Pra ser feliz num lugar, pra sorrir e cantar, tanta coisa a gente inventa, mas no dia que a poesia se arrebenta, é que as pedras vão cantar"

    ResponderExcluir
  41. Cheguei hoje do litoral norte de SP, basicamente BR, em Ubatuba vários radares de 40 Km/h. Mas aí não tinha mais radar, só "quebra-mola", mas entre dois destes um radar de 30 Km/h, sim um de 30Km/h. Resultado uma freada brusca, um verdadeiro susto. Mas vamos em frente: muitas curvas e enfim uma reta de uns 600m, um radar, velocidade? Não sei. Nenhuma placa indicando... Voltei mesmo trecho e conferi: nenhuma placa indicando a velocidade, só o radar.
    Muitos radares tem sim a função de evitar e reduzir acidentes, mas alguns (e isso está aumentando) tem a função de arrecadar, só estão no orgão errado, deveriam ser da Receita Federal.
    O correto era fazer uma ciclovia ao longo do trecho urbano da BR em Ubatuba, uma calçada para os pedestres, uma passarela para transpor a faixa de rolamento: mas isso GASTA, então não fazem. Não irão fazer.
    Agora radar é melhor: arrecada, gera $$$ e é rápido, fica pronto em dias....
    Onde vamos parar: já estamos parados.

    ResponderExcluir
  42. Só para refrescar a memória, antes da 1ª entrada de uma prefeita com essa mentalidade, no início dos anos 2000 a Av. 23 de maio tinha como velocidade máxima, 90 km/h. Falta muita conscientização e preparo para os motoristas. Mais uma vez estamos nivelando tudo por baixo. Viva o espírito do "brasileirinho médio". Nesse ritmo teremos 23 de maio com velocidade máx. de 40km/h em pouco tempo e radares escondidos em cada uma de suas pontes. Acho legal a ideia do adesivo. "Visite São Paulo e ganhe uma multa" Mais uma vez virão com as estatísticas mirabolantes: Baixamos a velocidade para 10km/h e chegamos ao índice 0 de acidentes, exceto pelo pedestre que tropeçou num buraco e bateu a cabeça da guia. Acorda, são perfeitos manipuladores da massa.

    ResponderExcluir
  43. Somente um último comentário, na cidade de São Paulo: CET = Companhia Engarrafa Trânsito.

    ResponderExcluir
  44. Bob, venho acompanhando seus posts há um bom tempo. Se permite, sugiro a leitura desse ótimo artigo! http://revista.webmotors.com.br/opiniao/ensinar-antes-de-punir/1333467327421

    ResponderExcluir
  45. Bob, vêm aí mais faixas de ônibus na Sumaré, na Lins de Vasconcelos, na Vergueiro e em mais uma série de vias da capital paulista. E já que rir pouco é bobagem, dizem agora os petistas que em 2011 se quis instalar um corredor na Sumaré foi amplamente criticada (você se lembra de ter ouvido algo assim? Eu não me lembro) e que por isso resolveram não fazer tal estrutura. O mais engraçado de tudo é que durante a gestão da Marta Suplicy enfrentaram meio mundo para fazer o corredor Consolação-Francisco Morato (e aqui é aquele tipo de enfrentamento ao qual daríamos toda a razão, pois o referido corredor funciona muito bem e não desvalorizou nem um pouco a área), mas agora dizem que não. Isso aumenta cada vez mais a crença de que irão mesmo tornar a vida do motorista um inferno, conforme disse o senhor Jilmar Tatto, que é amiguinho de gente do transporte público, pois se quisessem fazer a coisa no capricho teriam estendido corredores. E isso porque que a Sumaré apresenta potencial de fazer parte de um hipotético corredor gigantesco que sairia da Ordem e Progresso (que já apresenta um minicorredor), passaria pela Antártica, Sumaré, Paulo VI, Henrique Schaumann, Brasil e com potencial para unir com Pedro Álvares Cabral e República do Líbano. Além disso, olhando o mapa da cidade, temos outros lugares com potencial para corredor:

    1) O eixo República do Líbano-Indianópolis;

    2) O eixo Gastão Vidigal-Fonseca Rodrigues-Pedroso de Morais-Faria Lima-Hélio Pellegrino-Inhambu;

    3) O eixo Escola Politécnica-Jaguaré-Queiroz Filho (com possibilidade de uma ramificação para a continuação da Politécnica que vai até a Marginal);

    4) O eixo Heitor Penteado-Dr. Arnaldo-Paulista-Bernardino de Campos-Vergueiro-Domingos de Morais-Jabaquara-Hugo Beolchi-Armando de Arruda Pereira (o que na prática seria estender um corredor, pois já há um nessa última avenida).

    E isso porque só peguei alguns exemplos. Porém, fazer as coisas direito é mais difícil.

    ResponderExcluir
  46. Gabriel F Tomass02/11/13 23:42

    Bem, uma coisa eu posso dizer:
    Não é a estupidez o motivo para essas reduções no limite de velocidade. Há sim, muitos interesses escusos por trás disso.
    Aliás, vi um vídeo há poucos dias, que se encaixa perfeitamente no assunto:

    http://www.youtube.com/watch?v=2BKdbxX1pDw

    ResponderExcluir
  47. Bob, por favor, falar em engenharia?
    Veja o que esse "prefeito" fez quando era da educação... Você quer esperar o que?

    ResponderExcluir
  48. Caro Bob Sharp:
    Quando o leitor Daniel S. de Araujo disse que São Paulo parece um tumor devido ao crescimento desordenado, tocou no ponto nevrálgico.
    Incrivelmente, quase não se fala nisso. Parece uma cegueira coletiva.
    Mas a coisa vai além: O crescimento, mesmo que ordenado e no mais alto padrão, precisa ter um limite.
    E não é só em SP que já passamos do limite, ainda que fosse num padrão nórdico.

    Tentar acompanhar o crescimento com obras de infra-estrutura, ainda mais aqui, é tentar consertar um carro em movimento.
    Nunca ouvimos falar em redução, redistribuição e limite de crescimento da população.
    Vemos nos jornais idéias de criar cidades flutuantes, verticais, colonizar outros planetas.
    Parece trocar a lâmpada girando a escada não é?
    Mas são poderosos os que ganham muito com o crescimento, enquanto criam um mundo que será(?) insuportável.

    Kenneth Boulding – economista 1910 – 1993 (Conselheiro Ambiental do presidente Kennedy 1966)
    “Qualquer um que acredite em crescimento indefinido de qualquer coisa física num planeta fisicamente finito, ou é um louco ou um economista.”

    Abraços,
    Antonio Tostes Jr.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.