JAC J6, UM CHINÊS DE CARA NOVA

Fotos: autor


Na frente, tudo novo: pára-choque, grade, faróis, capô.

Senhores, em primeiro lugar preciso compartilhar com vocês minha promoção: de agora em diante não sou apenas mais um blogueiro do AUTOentusiastas. O Bob me promoveu a Especialista em JAC. Não sei bem se é realmente uma promoção ou vingança, já que (lá veio o trocadalho...) fui chefe do Bob um bom tempo. Agora que é meu chefe aqui no AE, o Bob me agracia com este título honorífico. O pior, gostei.
 
JAC J6 concorre com Honda Fit, Fiat Idea e Chevy Spin

Carro diferente é minha praia. E os chineses são diferentes, pelo menos por enquanto. A JAC, considerada a melhor chinesa que atua no Brasil, também é a mais esforçada. Tanto que já fez um “face and ass lift” no monovolume J6, pouco mais de dois anos dele ter entrado em cena. Apesar de não ser o ator principal da JAC — titulo ostentado pela dupla J3, hatchback e J3 Turin, sedã — o J6 também começou com boas perspectivas de mercado. Mas, a JAC até exagerou um pouco na entrada no Brasil, fazendo grande alarde, sempre calçada no argumento “preço”. Com isso, muito arautos do apocalipse começaram a bradar contra a “invasão chinesa”, que mal representou 2% ou 3% de mercado, e o governo fez o que sabe melhor: tacou mais 30 pontos porcentuais de IPI nos importados que não do México, Argentina incluída, além de ter sido "ajudado" pela valorização dólar em 30%. Isso, se não quebrou, pelo menos machucou as pernas da JAC, que teve de rever seus conceitos.
 
Versões de cinco ou sete lugares, com bancos rebatíveis

Aí vem a longa novela que inclui Inovar-Auto, que premia (ou seja, tira impostos) quem montar fábrica no País. E assim, no segundo semestre do próximo ano teremos o primeiro sino-baiano do mundo saindo da fábrica de Camaçari: segundo Sérgio Habib, o míster JAC no Brasil, um carro derivado do J3, só que projetado especialmente para a nacionalização. Enquanto o J3Br não chega, a empresa vai atualizando sua linha, como acontece agora com o monovolume J6, que ganhou frente completa nova (pára-choque, faróis com projetores, capô..tudo. A traseira também mudou, com novo pára-choque, lanterna e vidros laterais, atualizando bem o visual. Talvez o mais importante seja o interior, que tem agora novo painel (foi trocado todo o painel, volante inclusive, não apenas o quadro onde ficam os instrumentos) e ainda as laterais de porta. Inclusive, surgiu uma correção nas portas dianteiras, que tinham uma solução sino-lusitana: os puxadores ficavam muito à frente, perto das dobradiças, e se o carro fosse parado em uma descida, era um exercício de musculação para fechar a porta. Agora há um puxador adicional no centro da porta, bem mais inteligente.

Também no painel, tudo novo: design, instrumentos, volante

O novo painel (com ponteiros) ficou esteticamente bem agradável, mas novamente a engenharia sino-lusitana atacou: durante o dia é muito difícil de ler a marcação de velocidade. Os números são quase ilegíveis. A JAC promete rápida correção com a troca dos LEDs por outros mais potentes. No entanto, parece que falta na empresa um “pentelho de plantão”, aquele engenheiro crica que só sabe achar defeitos. Apesar de o carro ser bem acabado, recheado de acessórios (agora tem até monitoramento da pressão dos pneus), pequenos detalhes desmerecem o conjunto. Por exemplo, o vidro das portas dianteiras não desce completamente, deixando uns 5 ou 7 mm de vidro para fora dos frisos da porta. A solução não pode ser complexa, mas falta o pentelho para bater o pé e fazer escândalo com detalhes.

Com 4.550 mm de comprimento, o monovolume chinês oferece bom espaço interno

Me lembra certa vez que eu e minha mulher entramos num hotelzinho em Key West, a paradisíaca ilha no extremo sul do Estados Unidos. Era tudo perfeito, lindo, super-arrumado, toalhas rendadas milimetricamente acertadas nas mesas...Falei para minha esposa: “Que mulher caprichosa que arrumou tudo isso”. E ela, sabiamente, respondeu: “Isso não é coisa de mulher, uma arrumação dessas só pode ter sido feito por gays”. Ela acabou de disser isso e entraram dois rapazes, claramente um casal, cheio de gentilezas para nos atender. Enfim, na JAC falta um engenheiro gay (no bom sentido), detalhista e pentelho para caçar pequenos detalhes de projeto e acabamento. Aliás, não é só na JAC: pare para olhar detalhes de carros nacionais, principalmente os mais baratos. (Nota do redator: sou apenas detalhista e pentelho, minha opção sexual é a mais antiga possível, dos tempos de Tio Adão e Dona Eva).

Traseira mudou bastante, do pára-choque ao vigia com extensões

Voltando de Key West e do Jardim do Paraíso, o J6 está bem bonitinho e correto para andar. Não chega a ser brilhante, uma vez que o motor é um pouco limitado para carregar uma tonelada e meia (exatos 1.500 kg de peso). O 2,0 16V, DOHC, rende 136 cv a 5.500 rpm e 19,1 m·kgf a 4.000 rpm, o que é pouco para quem gosta de alegria ao acelerar. Mas, dá para o gasto, sendo inclusive bastante pão-duro. Rodamos 220 km, ida e volta no Guarujá com algumas “perdidas” de rota, gastando apenas um quarto de tanque. Só que o J6 — concorrente de Fit, Idea, Spin e similares — tem versão para sete lugares e a de cinco tem porta-malas para 720 litros, “o maior da categoria”, segundo a empresa. Coloque cinco marmanjos, 720 litros de cacarecos no porta-malas e vá subir a serra: 19 “quilos” de torque não puxam nem os engradados de cerveja (vazios, é claro) serra acima.

O motor 2,0 16V é atual, mas poderia ser mais potente

Outra mudança sutil foram nas rodas: saem os aros de 17 polegadas e chegam os de 16. Segundo Habib, as rodas 17 geravam muitas reclamações dos consumidores. Como sempre digo, o Brasil ainda é país para aro 13 e com pneus “ombrudos”. É muito buraco para rodas veadas (quero dizer, gays, no bom sentido). São lindas, ajudam em ótimas estradas, mas amassam só de olhar para estrada ruim. A JAC jura que nada fez na suspensão do J6 que focinhava após lombadas e raspava a frente, graças a amortecedores com pouca carga e um grande balanço (massa à frente do eixo dianteiro). Mas, esta tendência de “cumprimentar” a lombada com uma raspada no asfalto quase desapareceu. Como disse no começo, a JAC sofre com o IPI a mais, que só vai melhorar com a nacionalização da linha em Camaçari. Assim, o preço do J6 não chega a ser uma pechincha, mesmo considerando ser um monovolume full de equipamentos: R$ 58 mil para o cinco-lugares e R$ 60 mil para o sete-lugares. E continua faltando uma versão com câmbio automático, já bastante requisitado nesta categoria.
Os novos faróis contam com projetores de luz
Sobre a fábrica de Camaçari, já surgem alguns fatos curiosos, revelados por Sérgio Habib. Inicialmente se acreditava que o primeiro produto baiano seria o caminhãozinho T140, para três toneladas de carga. Mas Habib afirma que o melhor é começar com um produto de maior escala e aí vem o J3Br, com nova carroceria e linhas “feitas para agradar os brasileiros”. Ou seja, um carro inédito, que possivelmente vai ser feito depois na China, e que vai usar boa parte da mecânica do J3 atual, que em alguns meses será flex. Até agora, apenas o J3 S JetFlex, o esportivinho da linha com motor 1,5 do J5, tinha esta particularidade de queimar gasolina e/ou álcool. Mas o JetFlex anda meio sumido. E a fábrica baiana vai ter inclusive estamparia, por um motivo muito simples: custo. Claro que uma peça estampada na China tem preço menor. Lá na China. Mas, quando se tem de colocar óleo para proteção contra maresia (são semanas no mar), embalar direitinho e mandar para o Brasil, o panorama é outro. Quando chega aqui, a peça deve ser desembalada, o óleo retirado com capricho (para não atrapalhar soldas e pintura) e tudo com o maior cuidado para não amassar o componente estampado antes de montar o carro: aí o custo é outro e daí que fica mais barato estampar no Brasil. 

Antes disso, mais no final deste ano, deve chegar a van T8, uma concorrente da Kia Carnival e Chrysler Town and Country. A T8 (chamada de Refine na China) é mais voltada para transporte executivo, tipo hotel–aeroporto, com oito lugares, e deve custar entre R$ 90 e 100 mil, bem menos que as concorrentes, que começam nos R$ 140 mil.

Van T8 chega no final do ano: entre R$ 90 e 100 mil

Além de entender muito de mercado e dos consumidores (ele anda pelas concessionárias só para escutar os “fregueses”), Habib adora gráficos e números. Ele acredita que o mercado vai crescer 2% em 2013 principalmente devido a dezembro, teoricamente último mês de IPI reduzido, o que deve motivar os consumidores com os bolsos mais recheados pelo 13º salário. E quando perguntado sobre qual o carro mais vendido no Brasil, a resposta de Habib é "Não é Gol, é o carro usado”. Enquanto nosso mercado deve fechar 2013 com 3,7 milhões de carros 0-km vendidos, no mesmo período vão ser comercializados 11 milhões de usados, 2,7 vezes mais que os novos.

Vocês sabiam disso? Eu, não.

JS


FICHA TÉCNICA JAC J6 2014

MOTOR
Tipo
2,0 DOHC, correia dentada, 16 válvulas
Número e disposição dos cilindros
 Quatro em linha
Instalação
 Transversal
Material do bloco/cabeçote
 Ferro fundido/alumínio
Diâmetro dos cilindros
85 mm
Curso dos pistões
88 mm
Cilindrada
1.997 cm³
Taxa de compressão
10:1
Potência máxima
136 cv a 5.500 rpm
Torque máximo
19,1 m·kgf a 4.000 rpm
Formação de mistura
Injeção no duto
Tanque de combustível
68 litros
Combustível
Gasolina
TRANSMISSÃO
Tipo
Transeixo manual de cinco marchas, tração dianteira
Relações das marchas
1ª 3,615:1; 2ª 2,053:1; 3ª 1,39:1; 4ª 1,031:1; 5ª 0,837:1
Relação do diferencial
4,294:1
SUSPENSÃO
Dianteira
Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira
Independente, McPherson, braços simples transversais paralelos, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
FREIOS
Dianteiros
A disco ventilado
Traseiros
A disco
Controle
ABS e EBD
RODAS E PNEUS
Rodas
Alumínio, 6J x 16
Pneus
205/55R16V
DIMENSÕES E PESOS
Comprimento x largura x altura
4.550 x 1.775 x 1.660 mm
Distância entre eixos
2.710 mm
Capacidade do porta-malas
720/2.200 L
Peso, ordem de marcha
1.500 kg
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h
13,1 s
Velocidade máxima
183 km/h
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 5ª
32,2 km/h
Rotação a 120 km/h em 5ª
3.700 rpm
Rotação à velocidade máxima, 5ª
5.700 rpm
MANUTENÇÃO E GARANTIA
Revisões
10.000 km
Troca do óleo do motor
10.000 km
Garantia
6 anos


 

EQUIPAMENTOS JAC J6 2014

Abertura interna da portinhola do tanque
Acendedor de cigarros
Ajuste de altura do banco do motorista
Alarme antifurto
Alças de teto dianteiras e traseiras
Antena impressa no pára-brisa
Apoios de cabeça dianteiros com ajuste de altura
Ar-condicionado digital
Banco central com apoios de cabeça
Banco traseiro com fixação Isofix (versão 5 lugares)
Bancos em veludo
Bancos intermediários individuais (2ª fileira)
Bancos intermediários rebatíveis 60/40 e removíveis
Bancos traseiros individuais (3ª fileira)
Bancos traseiros rebatíveis e removíveis
Barras longitudinais no teto
Bolsas infláveis frontais
CD player com entrada USB
Chave com destravamento remoto das portas
Cintos dianteiros com pré-tensionador
Cintos dos bancos da 3ª fileira de 3 pontos
Cintos traseiros laterais de 3 pontos
Desembaçador traseiro
Direção assistida hidráulica
Espelho retrovisor elétrico com desembaçador
Faróis com regulagem elétrica de altura do facho
Faróis de neblina
Iluminação azul no quadro de instrumentos
Iluminação do porta-malas
Lâmpadas de farol halógenas
Limpador traseiro com temporizador
Luzes de leitura
Luzes de neblina traseira
Luzes de segurança nas portas
Pára-sóis com espelho e iluminação
Porta-copos
Porta-objetos entre os bancos dianteiros, com tampa e função de descansa-braço
Porta-revistas
Portas com barras de proteção lateral
Protetor de cárter
Repetidoras dos indicadores de direção nos espelhos externos
Retrovisor interno antiofuscante
Retrovisores externos com ajuste elétrico
Seis alto-falantes
Sensor crepuscular
Sensor de estacionamento traseiro
Sistema de monitoramento da pressão dos pneus
Terceira luz de freio
Tomada de energia 12 V
Travamento automático das portas a 15 km/h
Travamento central das portas
Vidros elétricos dianteiros e traseiros
Volante com comandos multifunção
Volante com regulagem de altura
Volante revestido em couro



66 comentários :

  1. Sendo "detalhista", por seu porte e motorização, não vejo o J6 como concorrente de Fit e Idea.

    Spin? Pode ser, mas o velho motor GM Família I 1.8 de 108 CV não é páreo para o JAC 2.0.

    Incluiria como concorrente o Grand Livina, com um motor 1.8 de desempenho assemelhado ao JAC, mas que hoje é disponível apenas com transmissão automática, salvo engano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engano seu. Faça as contas:
      Jac J6 (cambio manual) - 1500kg/136cv;
      Gran Livina (cambio manual) - 1293kg/126cv;
      Spin LTZ (cambio manual) - 1255kg/108cv.

      Por aí já dá para se ter uma pista de como seria um embate entre esses três. Na verdade o chinês anda meio emparelhado com o GM enquanto o japonês enxerga apenas a parte dianteira das outras pelo retrovisor. Se não for bem assim é quase isso.

      Excluir
    2. Caros, um comparativo entre carros está muuuuiiiiito longe de ser apenas relação peso/potência. É preciso saber como os cavalos foram adestrados e como é feita a alimentação deles, para saber seu rendimento. Em uma pista o Livina deverá ficar muito atrás, já que o J6 é o único que tem suspensão traseira independente e faz curvas em maior velocidade. Sem falar nos freios e distribuição de peso.

      Excluir
    3. Anonimo 16/10 12:46, vendedor da JAC. Quem foi que disse que relação peso/potencia é o único fator num comparativo? É apenas um deles, e muito importante por sinal, principalmente num veículo com a pretensão de levar toda a família mais a bagagem. E de onde você tirou que uma Livina fica bem atrás de uma J6 só por causa da suspensão traseira? Existem vários carros com suspensão traseira por eixo de torção que são muito bons de chão, viu!

      Excluir
    4. A Grand Livina é incrivelmente estável e boa de curva. A ponto de colocar alguns hatches no chinelo rs

      Excluir
  2. Compre uma e gere emprego na China.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho certeza que o equipamento que você utilizou para postar seu comentário foi feito no Brasil, no Maranhão provavelmente.

      Excluir
    2. Piolho
      Boa! Na mosca!

      Excluir
    3. O piolho acertando na mosca. kkkk mto bom!!

      Excluir
    4. Eu to com o Piolho.
      Com certeza nossos PC.s e SmartPhones sao feitos fora do Brasil, o que ja é demais ..
      Mas um carro como esse.... encontra-se bons produtos no mercado nacional.
      Com preço semelhante, qualidade compátivel e rede de assistencia maior. e gerando empregos no país.
      Saudacoes a voces

      Excluir
    5. Piolho, o equipamento que eu usei é de marca nacional, montado no Brasil, obviamente com componentes importados, mas montado aqui, gerando emprego aqui.
      Sempre que compro algum produto, dou preferência para os nacionais, isso é usar a lógica. Só compro importado se não existir similar nacional, por exemplo, um carro de categoria premium (de verdade), como um Mercedes-Benz classe E ou um Porsche qualquer.
      O que não é coerente, ao meu ver, é comprar porcarias chinesas, a preço de nacional e sem NENHUMA VANTAGEM, técnica ou financeira.

      Abraços.

      P.S: Bob, já colou o adesivo Aécio 2014 no seu carro?

      Excluir
    6. E quem disse que vai ser o Aécio pelo PSDB, petralha?

      Excluir
    7. O adesivo do meu carro não será Aécio, ou Marina ou quem quer que seja. Será "FORA PT!".

      Excluir
  3. Rafael Ribeiro15/10/13 12:44

    O carro parece ser bem razoável mas, com preços parecidos com seus concorrentes mais diretos, fica difícil uma marca ainda por comprovar seu valor conseguir conquistar mercado. Aliás, nem acho que Fit e Idea sejam concorrentes diretos, estes são menores. Creio que Spin e Livina sejam os alvos, que aliás são mais feios, no quesito estilo o J6 leva a melhor... O que falta ao Jac só o tempo poderá trazer: credibilidade.

    ResponderExcluir
  4. Gostei do porte dessa van T8, exceto pela grade algo exagerada.

    Esse é um nicho que está totalmente vazio. 7, 8 ou 9 lugares (máximo permitido para a habilitação categoriaB) com espaço decente e preço mais razoável.
    Roberto Mazza

    ResponderExcluir
  5. Parece que em termos de comportamento dinâmico, só o que realmente faltava nos JACs aqui no Brasil é um melhor comportamento de suspensão. J3 veio fraco na distensão dos amortecedores e a J6 também parece ter um comportamento um pouco fora do ideal. Nada que diminua muito o carro, já que parece bem acertado em vários quesitos, mas nada que um "engenheiro chato" não resolva.

    Mendes

    ResponderExcluir
  6. Para a JAC fazer sucesso definitivamente no Brasil, ela precisa, além da fábrica local (para ter uma carga tributária compatível), "europeizar" o desenho de alguns de seus modelos, como o T8 da foto aí acima e o caminhãozinho. Estas grades cromadas gigantes devem agradar apenas ao chineses.

    ResponderExcluir
  7. Eurico Jr.15/10/13 13:46

    Josias, é sempre um prazer ler as suas divertidas e informativas matérias. E quando a saudosa revista Oficina Mecânica volta às bancas? Está fazendo MUITA falta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eurico.
      Está muito difícil voltar com a Oficina Mecânica impressa. Revista são, cada vez mais, um mau negócio. Alguma editora grande precisaria bancar. Num pacote com muitos títulos, o custo fica mais razoável. O mais provável é a volta de OM como site.

      Excluir
    2. Josias, se quiser republicar algumas das reportagens de lá, tenho certeza de que ajudariam muito. Pelo menos eu uso muito aquelas sobre carburação, coxins, lubrificação, ignição, e até os testes da época (teve um camarada que cismava que a rotação alta quando ligava o monza à álcool era um defeito na injeção...). Elas realmente tornaram o divertido trabalho de fuçar no carro (meu próprio e de uns destemidos e desesperados camaradas...) em algo muito mais eficaz!

      Excluir
  8. “Face and ass lift” e solução e engenharia sino-lusitana foram as melhores... kkkk

    Bem que ela merecia mais motor. Será que uma possível J6 nacional, viria com esse "pequeno" detalhe solucionado, juntamente com um câmbio automático?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Segundo a JAC, a limitação para o uso de cambio automático é o volume. Seriam poucos carros, o que deixaria o custo do automático muito elevado. Por enquanto não há planos para a nacionalização do J6, só do J3.

      Excluir
  9. Corsário Viajante15/10/13 13:48

    Faltou informar o consumo de forma real, pois "um quarto de tanque" para mim não quer dizer nada, tinha que ter enchido e feito a média.
    Enfim, se o tal engenheiro chato estivesse lá, já teria implicado logo de cara com a solução porquíssima de colar dois plásticos na traseira para esconder o recorte das lanternas anteriores. Se até num elemento externo a marca adota soluções bizarras como essa, o que pensar das entranhas.
    Para mim ainda não, ainda mais com o preço que tem, nada convidativo para os riscos. Minha visão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário.
      Realmente "um quarto de tanque" é apenas uma noção de que o J6 não é beberrão. Neste test drive de apresentação não havia condições para medir consumo. No modelo anterior do J6, com a mesma mecanica, fiz em torno de 10 km/litro rodando na Castelo, entre 120 e 130 km/h. O Bob, em viagens por estradas piores, conseguiu entrre 8,5 e 9,0 km/litro.

      Excluir
  10. Realmente, um PP (pentelho de plantão) faz falta em todo tipo de indústria (e comércio, e serviço, e etc).
    É só dirigir por uma ou duas horas um automóvel, que já podemos listar uma série de cochiladas básicas dos seus engenheiros e projetistas.
    Ou então comprar um simples ventilador ou circulador de ar para descobrir que por alguma economia besta eliminou-se a útil alça usada para transportá-lo.
    Reduzir custos, tudo bem.
    Agora, eliminar utilidades já entra no rol das burrices.

    ResponderExcluir
  11. Resumindo, é um carro destinado a uma família grande que só anda bem vazio, se cheio emula uma Kombi carregada em comportamento dinâmico.
    Possui detalhes de acabamento que deixam a desejar e tem um painel de leitura precária.
    O preço que seria uma vantagem que por hora não existe, portanto caro pelo que oferece.
    Concordo com o que foi dito pelo Josias e acrescento para ficar mais claro evitem os JAC, recado dado.
    Acosta

    ResponderExcluir
  12. Uma dessas entrou aqui na CCS, dada como parte da troca de um 308 2.0.

    Não sei por quanto o dono comprou mas, 5 meses depois da compra, ele entregou o carro pra nós por R$ 28.000,00 pra - palavras dele - "me livrar logo dessa p...!"
    Entrei no carro pra dar uma olhada, me pareceu um produto até interessante, mas que precisava de algumas correções (achei o painel muito pobre).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leonardo.
      Realmente o painel anterior era meio pobre e até antiquado. Melhorou bastante com o novo painel que acompanha o face lift.

      Excluir
  13. Eu acho que daria um ótimo "engenheiro gay", pois sou muito sistemático e perfeccionista, inclusive nos detalhes. Ótimo texto. Particularmente eu não gostei da traseira nova.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas eu faria melhor que voce para "engenheiro gay"
      Garanto que sou mais chato e "crica" que voce.
      E tenho um diferencial decisivo:
      Sou gay com forca!

      Excluir
    2. Rafael Ribeiro15/10/13 20:25

      Você não daria um bom "engenheiro gay". Esses gostam de qualquer traseira...

      Excluir
    3. Allan
      Porque voce nao vem para o nosso lado?
      Também ja tive como voce , mas me libertar foi ótimo
      Um mundo novo o espera, muito mais alegre e muito mais feliz

      Excluir
    4. Allan Hellman
      Eu entendi bem seu comentário. Ha muita coisa nas entrelinhas!
      Mas se é uma opcao sua, vá sem medo de ser feliz.

      Excluir
    5. Minha opção sexual é como a do autor do texto. Obrigado pela "oportunidade".

      Excluir
  14. Geralmente não sou muito fã dos posts com carros novos, mas este me surpreendeu pelo jeito divertido. Gosto da coisa mais pessoal, orgânica. Ficha técnica tem pra todo lado.

    Parabéns pelo trabalho e pela promoção no AE!

    ResponderExcluir
  15. JS Parabéns pela "Promoção", rssss; é a JAC esta se esforçando em fazer a lição de casa.

    Abraço,

    Marco Antonio

    ResponderExcluir
  16. Pois é pessoal, tive a oportunidade de fazer o teste drive nesse modelo novo que é apresentado no blog. Realmente, deram uma geral no carro, que melhorou muito em design e acabamento. Tem black piano para todo lado. No painel observei que ainda falta o computador de bordo e que o mostrador de velocidade precisa de um arranjo para melhorar a visibilidade. Andei pouco, aproximadamente 10 km, mas deu para sentir o carro. Ao colocar em movimento, a primeira coisa que se percebe é a falta de potência. Dá aquela impressão de carro lotado e porta-malas cheio, e não adianta reduzir. Acho que é por isso que alguns donos de JAC-6 reclamam do consumo, pois tem que andar com o pé embaixo. Mas de resto me agradou, a suspensão funcionou bem e a direção achei boa. Se o preço fosse igual a "fora de linha" Mégane Grad Tur, (48-49) iria vender melhor. As CCS ainda tem o modelo 2012 0 km nas lojas.Um detalhe que se deve prestar atenção antes da compra é o seguro. O modelo antigo deixei de comprar por este motivo. No meu perfil, pediram r$ 3.800,00 reais o que é alto considerando que num C4 Picasso 2012 paguei r$ 2.300,00. Nesse modelo novo não fiz cotação ainda. Me parece que um dos ingredientes levados em conta pelas companhias seguradoras, é o indice de reparabilidade, cesta de peças etc. Estas são as minhas impressões do carro.

    Marcos B.

    ResponderExcluir
  17. Um cara "cri-cri" para achar possíveis correções é muito bom. Esse tipo de funcionário também está em falta (e muita) na Fiat, Ford, Chevrolet, Volkswagen, Peugeot, Renault...

    ResponderExcluir
  18. O que me surpreende é um fabricante chinês conseguir um desenho mais agradável aos olhos que a GMB. Não sei qual o estúdio responsável pelo J6, o fabricante diz ser "design italiano", de todo modo, Carlos Barba deveria se envergonhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo plenamente! agile,onix, prisma e spin forçaram a barra.

      Excluir
    2. Discordo de Onix e Prisma. O Agile, sim, aquilo é uma afronta. E a Spin só precisa de uma (grande) reforma naquela frente e enfiar, no mínimo, uns 30 cavalos mais no motor. Mas o maior problema dela é que todo mundo que a vê acaba se lembrando da Meriva e Zafira. Aí complica a coisa. Missão ingrata essa.

      Excluir
  19. Quando, bem depois das pioneiras VW, Ford, e GM, a Fiat (esta agora já faz muito tempo, é verdade), Renault, Peugeot, Citroën, Honda, e Toyota vieram ao Brasil, eram novidade, precisavam ganhar a confiança do consumidor tupiniquim, mas suas marcas já contavam com fama e tradição fora daqui, em mercados conceituados e sabidamente exigentes, como os da Europa, Estados Unidos, e Japão. Não fiquei com o "pé atrás" com nenhuma delas, e mesmo quando recém-chegadas, compraria seus carros sem medo. Com os chineses é diferente: terão que começar do zero absoluto uma longa trajetória de construção de imagem e confiabilidade, até que eu pense na possibilidade de ter um carro chinês. E contra essa idéia, falando sério, pesam até minhas convicções ideológicas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns
      Acho que faltam idealistas no mundo atual
      Quse todos vão ao sabor do vento ou puxados a reboque

      Excluir
  20. Não entendi a engenharia 'sino-lusitana', como se chineses e portugueses fossem todos burros. Talvez eles digam o mesmo dos engenheiros brasileiros...

    Aliás, existe neste país uma 'lusofobia', como se todos os problemas tupiniquins fossem gerados epla herança colonial. Não creio que os indianos tenham saudade da colonização britânica, da mesma forma que os argelinos execravam os franceses no pós-guerra.

    A JAC evolui a olhos vistos: inclusive, em matéria publicada na 'Quatro Jantes' - por que não ser lusófono? - teve a resistência do modelo J3 elogiadíssima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João Guilherme.
      Apesar de todo o policiamento em favor do politicamente correto, me sinto muito a vontade para falar dos portugueses, como já afirmei inclusive em meu livro Sorvete de Graxa. Meu sobrenome é Silveira, e sou neto de lusos. "Purtanto",um semi-luso, ou um luso-descendente. A idéia era reforçar um quadro no qual as vezes o bom-senso não vence a lógica pura. E, pela sua reação, acho que consegui. E acredito que, nós brasileiros, conseguimos gerar problemas maiores que sugerem nossa herança colonial.

      Excluir
  21. Gostaria de ver o depoimento de algum proprietário de carro desta marca, que esteja pelo menos com 80.000 kms rodados. Será que aguentam ????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sugiro que reveja seus conceitos. Carros hoje são globais. Como tenho dito aqui no AE, não existe mais carro ruim.

      Excluir
    2. Bob,

      o tempo dirá, vamos aguardar .....

      Excluir
    3. Tenho minhas dúvidas... meu vizinho de vaga aqui no prédio possui um JAC J5, àquela lazanha do tamanho de um Fusion... é um carro muito novo, pouco rodado... logo que o motor entra em funcionamento, já escuta - se o barulho de algum rolamento trabalhando feio... o carro, pelo porte, aparenta ser algo semelhante à Passat ou Fusion, mas é virar a chave e perceber que não tem nada a ver.. o isolamento acústico do motor, o acabamento interno de gosto para lá de duvidoso, o cluster que parece de neon azul... para mim não vira....... jamais vou ter um carro chinês......

      Com relação à carros ruins, o tempo sempre dá a resposta.... a QR mesmo encerrou prematuramente o teste de uma picapinha Chinesa (não me recordo o nome) pois a mesma com 30000km não oferecia segurança para que o teste fosse à diante.... QQ, Tata Nano (este eu vi na FEI), não tem como achar um carro daqueles bom....

      Abs,

      Excluir
    4. Gonzales
      Mas tem gente que sente prazer em sofrer. só para ser diferente. ... sao os mazoquistas em busca de status.
      Eles tem que aprender.... e o tempo e um otimo professor

      Excluir
    5. Status comprando JAC!!!! Para que eu quero descer.

      Excluir
    6. Claro que ainda existem carros ruins Sr. Sharp. É só se lembrar o Effa 100. Não só carros são globais, tudo hoje o é. Não é por causa disso que não existem carros ruins, celulares ruins, calçados ruins. Acho que o Sr. é quem deveria rever os conceitos. É legitima a dúvida se o produto de uma fabricante novata, sem histórico no mercado será durável ou não.

      Excluir
    7. Só para lembrar: os chineses têm programa espacial, nós temos programa de buscapé e um "astronauta" que deu vexame ao tentar desfraldar a bandeira brasileira sob gravidade zero.. A dúvida acerca de produtos chineses é exatamente a mesma em relação aos carros japoneses da década 1980 e aos veículos sul-coreanos da década seguinte. O caso que você citou, o Effa 100, é exceção da exceção. Portanto não sou eu que preciso rever meus conceitos, mas você e, novamente, ninguém compra carro sob ameaça de arma de fogo.

      Excluir
  22. Josias, parabéns pela avaliação! Artigo muito agradável de ler, abordando de forma bastante descontraída (sua marca registrada desde a Duas Rodas) os prós e contras do veículo. AUTOentusiastas está melhor a cada dia!

    ResponderExcluir
  23. Gostei das rodas 16 ao invés de 17. Mas acho que não deve ser uma questão tão nacional assim: Há versões com pneus "ombrudos" de vários carros importados por aqui só com uma fitinha ao redor da roda. Acho que o problema todo foi tentar imitar os alemães mais uma vez: Deu muito certo no Fusca, resulta em produtos agradáveis em diversas áreas, mas é inegável que cruzar uma estrada esburacada com pneus feitos para manter o carro estável a mais de 250 km/h não é necessariamente uma boa idéia...
    Sem contar que minivan com pneu fita ficava mesmo com cara de "tuning xing-ling", daqueles que a pessoa tem mais vontade que bom-senso ou dinheiro para mexer no carro. Corrigida a roda (na verdade, como será que ela ficaria com aro 15"?), os chineses fizeram essa traseira. Um bom lembrete de que nem tudo é como gostaríamos.
    Sobre os engenheiros gays, não há dúvidas, faltam cursos de engenharia, já que gays têm sido produzidos em grande escala. Na verdade, há uma falta de interesse na área de exatas em geral, o que produz poucos engenheiros, matemáticos, físicos, muito pouca gente com espírito científico ou senso prático, e acaba desembocando até na falta de bom-senso que vemos acometer a sociedade como um todo. GLS ou não (saudades de quando GLS designava os modelos intermediários da GM!).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Braulio
      Bela lembrança nostálgica. Bons tempos qdo GLS era apenas Gran Luxo Super, ou algo do tipo.

      Excluir
  24. Qualquer coisa por 60 mil... Menos esse pão de forma sino-paraguaio.

    Torro 60 mil no póquer mas não levo essa geladeira pra casa por nada neste mundo.

    Alguém aí mencionou a megane gran tour... É tão difícil saber onde torrar o cobre, como o exemplo do colega? A comparação entre 2 carros de vocação familiar e que levam malas, levando-se em conta a geladeira chinesa e o renault 12 mil dilmas mais barato não deveria sequer provocar duvidas... Para o mundo que eu quero descer.

    ResponderExcluir
  25. Josias, sensacional a avaliação!
    Seus textos são demais!
    E quando vem o livro novo? Um Sorvete de Graxa 2? Rs...

    ResponderExcluir
  26. O Habib podia entrar de cabeça logo na JAC e deixar as concessionárias Citroen para alguém que respeita o cliente. Deixei a marca após 2 carros pelo péssimo atendimento. Aqui em SP acho que todas as concessionarias são do Habib. A gota d'água foi quando fui trocar de carro e fiz uma negociação em uma concessionaria Citroen, parti para 2 outras para ver se conseguia negocio melhor e descobri que meu usado teria a mesma avaliação em todas as concessionárias. Meu carro estava "travado" no sistema deles, quer dizer a negociação que fiz na primeira concessionária foi jogada no sistema e ninguém poderia me fazer negocio melhor. Um absurdo. A Citroen (marca) perdeu um cliente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É por essas e outras que o pessoal nao suporta carro frances!

      Excluir
  27. A Jac vai produzir carros em uma fábrica secreta em 2014, pois a que esta sendo feita na bahia, nao fica pronta em menos de um ano, nem com ajuda de 10 mil operários chineses. Passo pela fabrica ( ou grande terreno vazio) sempre e so vejo eles movendo terra de um lado para o outro.

    ResponderExcluir
  28. Tenho uma Jac J6 2012, já comprei o modelo novo e estou apenas aguardando a entrega. Interessante que qualquer matéria sobre carros da Jac sempre dá motivo a polêmica sobre o fato de ser chinês. O que deveria interessar são as qualidades e defeitos de um carro, e não o país onde é produzido. Não acho que nenhum país fabrique carros perfeitos, muito menos o Brasil. Sob este aspecto, de minha experiência como proprietário considero que no caso da J6 as qualidades superam muito os defeitos, sendo que estes já foram em grande parte aperfeiçoados no modelo 2014. Pelo que oferece, considero a J6 um produto de custo-benefício imbatível; um carro bonito, seguro, espaçoso, moderno, de desempenho adequado e de boa qualidade mecânica. Incomparávelmente superior a Livina e Spin.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, aqui no AE nunca houve polêmica quanto a ser chinês ou japonês, alemão, etc. Não compartilhamos as opiniões de todos os comentaristas, incluindo aí a sua, mesmo assim nos cabe publicá-las.

      Excluir
    2. Arnaldo, ao que parece você não entendeu o que eu quis dizer com o meu comentário. Considerei a matéria excelente e isenta, assim como todas as demais, e é exatamente por isso que sou um entusiasta do blog. Ao mencionar que o fato de um carro ser fabricado na China não deveria, por si só, gerar polêmica sobre a qualidade do mesmo, o que me parece preconceituoso, eu me referia apenas a alguns comentários publicados, jamais à matéria ou ao blog. Forte abraço!

      Excluir
    3. É Arnaldo, quem dera a realidade fosse igual ao discurso, jé tive vários comentários previamente censurados aqui, mesmo que não tivesse nenhum conteúdo impróprio ou agressivo., só por discordar do status quo vigente.

      Excluir
  29. Josias por acaso eu sei onde as duas primeiras fotos do seu post foram tiradas... O Sr. mora nessa cidade PC?

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.