DE CARRO POR AÍ




End. eletrônico: edita@rnasser.com.br                           Fax: +55.61.3225.5511 Coluna 4313 23.out.2013_____________________________________________

Novo Sentra apresenta a nova Nissan
Esqueça o que você sabe sobre a Nissan no Brasil. A empresa renasce, geometriza sua operação industrial, deixa de pegar carona em galpões curitibanos da Renault, e terá fábrica para 200 mil unidades anuais no Rio de Janeiro. É a soma da produção de Toyota e Honda.
A Nissan marcou-se por fugacidade em gestoria e na curta vida de produtos nacionais ou importados. Quando ordem do comando de sua união com a Renault a ambas definiu ter 15% do mercado brasileiro, demarraram-se ações: Renault mudou o foco de produtos, centrando-se na linha jogo duro, com romenos Dacia: Logan, Sandero e Duster; Nissan mudou administração, chamou François Dossa, tropicalizado banqueiro francês, investe na fábrica em Resende, RJ, forma equipe contratando o melhor no mercado — da Fiat tirou Sérgio Ferreira, condutor da operação Chrysler, e João Veloso, ex-relações com a imprensa continental, e mais três executivos — ver abaixo.
Sentra
Novo carro, revisto em estilo, decoração e motorização, gosto e exigências brasileiras — o original, a mercado mexicano e estadunidense é 1,8. Aqui, 2,0.
Sedãs são como o terno preto ou o avental branco para recém-formados advogados e médicos. Integram o figurino do crescimento profissional, e no usual agregam dupla função — uso em cidades e em viagens familiares. Daí, apenas evoluem na composição entre aumento de conteúdo e continência nos preços. Caso do único câmbio com polias variáveis — opera como automática, sem devorar potência ou cobrar consumo.
A sétima geração é slogan visual da marca em seu novo momento: mudar para crescer, conteúdo maior por preço menor — de R$ 61 mil a R$ 72 mil.
Há ganhos em todos os setores do automóvel, desde a nova plataforma — aparência, habitabilidade, instrumentação, espaço interno, confortos tecnológicos, segurança e prazer de conduzir. Epicuristas, os de conduzir em vez de serem conduzidos, cobram posicionar as imaginárias marchas no console para funcionar como freio-motor. O novo Sentra exibe esforço de equipe para configurá-lo a mercado e cliente nacionais, situando Alexandre Clemes, ex-GM, e Murilo Moreno, ex-Fiat, como definidores do produto.
Estilo supera em emoção os usuais japoneses, corretos mas insossos, marca o Sentra com ótimo coeficiente de arrasto — 0,29. Coisas prática, ampliou o porta-malas a 503 litros — maior seria não utilizasse amplas dobradiças curvas.
No interior busca sugerir maior espaço, e nova plataforma contribui, com entreeixos de 2,70 m. Portas abrem quase 90 graus facilitam entrar e sair.
Move-se por motor dianteiro, transversal, bloco e cabeçote em alumínio, 16 válvulas, 140 cv e 20 m·kgf de torque. Trocou o tal de tanquinho para partida fria por lanças aquecedoras Bosch. A força vai às rodas frontais por câmbio com polias continuamente variáveis, evoluída pela própria Nissan, com aumento da faixa da mais alta à mais baixa relação. Sistema é mais curto e mais longo em relação às demais caixas manuais ou automáticas com tal número. Freios a disco e suspensão frontal independente — McPherson — e por eixo de torção atrás.
A combinação motor/transmissão do Sentra, manual 6V ou por polias, recebeu nota “A” do programa de etiquetagem do Inmetro. Suspensão tratada aos pisos nacionais: reforço na barra estabilizadora traseira, nos rolamentos, amortecedores mais fortes — ZF-Sachs das linhas superiores. Antes o Brasil era apenas outro mercado para o Sentra. Agora o produto é cuidado para os rigores das evidências do que se imagina a pior engenharia de pavimentação e conservação do mundo.
Poucas cores: preto Premium – sólida; prata Classic e azul Grafite — metálicas; branco Diamond – perolizada. Revestimento escuro e partes em couro preto — deveria ter opção clara. O comprador local demorou 20 anos para livrar-se da ditadura do preto e do prata estofados em couro preto. Agora, educado, deveria ser auxiliado em cores e materiais para o clima tropical.
Garantia de três anos sem limite de quilometragem, dois com programa de assistência 24h, e preços tabelados para revisão.
Em resumo
Passo à frente dos concorrentes, mais conteúdo por preço idêntico ou menor. Tecnologia avançada, redução de consumo como meta mundial, Sentra anuncia a nova fase da Nissan no Brasil. Manter-se-á mexicano. Coluna resume a grande lista de conteúdo do novo produto.

Quanto custa?

2.0 S  - R$ 60.990
Ar, direção elétrica, câmbio manual seis marchas, duas almofadas de ar, engates isofix para cadeiras infantis, rodas leves, ampla lista de equipamentos.
2.0 SV - R$ 65.990
S + câmbio XTRONIC, ar-condicionado digital, rádio/CD com tela de 4,3”
2.0 SL - R$ 71.990
SV +: couro preto, almofadas de ar laterais e de cortina, teto solar, espelhos rebatíveis, sensor de iluminação e estacionamento, câmera traseira, GPS.

Novo Sentra apresenta a nova Nissan

-----------------------------------------------------------------------------------------------
Roda-a-Roda     
Novidade – O acordo operacional entre a PSA Peugeot Citroën e a GM e dando economia em compras e gerando projetos de desenvolvimento de veículos comuns, incluindo motor comum para os carros de entrada de ambas as marcas, enfrenta dificuldades.
Os Xing – Ante queda de vendas e lucros, a Peugeot buscou fazer caixa, vendendo ações para a chinesa Dongfeng Motors. Mas outra, a SAIC, sócia da GM, obstou. Questão numérica, a GM tem 7% da PSA e a Dongfeng quer assumir 30%. A recapitalização da PSA projeta aporte pelo governo francês, já acionista da Renault.
Surpresa – Ao projetar vendas de 50 mil Maseratis em 2015, partindo de meras 6.300 em 2012, analistas sorriram giocondamente. Porém balanço de trimestre exibe, a marca da Fiat vendeu 22.500 unidades até setembro.
Produto – Fez novos modelos. Sedã Quattroporte — 10 mil unidades, a US$ 150 mil — uns R$ 350 mil, porta da fábrica. SUV, Levante, para 2015, projeta vender entre 20 e 25 mil unidades — e superar as então incríveis previsões.
Mais – Em projeto de ampliar vendas a Porsche quer 15 novos mercados até o final da década. Inclui o norte da África, e lançar o Macan, SUV de menor porte, dividindo plataforma MQB e partes com VW Tiguan e Audi Q3.
Esforço - No projeto de liderança mundial da Volkswagen, todas as 10 marcas sob a lucrativa árvore, de Scania a motos Ducati, a Porsche, lucrativa, é 25%, terceiro lugar. Mais rentável é Audi. Na prática, luxo é o lucro.
Vitrine – Europeus tendem flexibilizar níveis de emissões, seguindo a reeleita Angela Merkel. Emissões/km são hoje a angústia econotecnológica às marcas européias. Acusa-se, a alemã Merkel tornou-se dúctil por doação eleitoral de 690 mil euros de dona Johanna Quandt, detentora de 47% da BMW.
Caminho – Grupo Gandini diversifica: tenteia o negócio Kia em contração, e monta no Uruguai chinesa marca Geely para evitar impostos de importação, e o IPI acrescido em 30 pontos porcentuais. São os responsáveis pela queda de vendas Kia, de 77 mil unidades em 2011 a previstas 28 mil em 2013.
Xing Ling – Será capaz de produzir 20 mil u/a, entre sedã médio EC7, motor 1,8, 138 cv, e hatch 1,0 e 68 cv. Lançamento janeiro, rede em formação.

EC7, sedã Geely, janeiro

 ----------------------------------------------------------------------------------
Enfim – Câmbio automático 6V chegou ao Peugeot 308. Permeou do sedã superior 408, e agora se casa com o motor 2,0 de 151 cv. Outras opções são o motor 1,6, 122 cv, e o superior 1,6 HTP, 16V, injeção direta, turbo, 165 cv sociedade com a BMW, um dos responsáveis pelo retomar da marca.
Composição – O 1,6 flex dispensa tanquinho, fazendo pré-aquecimento do álcool, e tem câmbio manual 5 marchas. O 2,0 é flex, cinco marchas manuais ou 6 automáticas. O motor turbo não bebe álcool e sua caixa é exclusivamente automática seqüencial 6V.
Aumento – Ata do Copom, Banco Central, prevê 5% de aumento nos combustíveis. Petrobrás queria 13%. Em novembro. Campanha eleitoral nas ruas, Presidente sem fixar a imagem de gestora, Oposição crescendo, melhor segurar os preços, dar prejuízos à Petrobrás, criar clima de eufórico de tudo bem.
No clima – Além das numerosas e variadas bolsas-benesses, disse o ministro Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a redução de IPI aos veículos deve ser prorrogada até março.
Alegria – Faz a alegria de indústria e comércio, ante a queda de 6% nas vendas de setembro. E explica o quase todas as fábricas absorverem os juros de financiamento, anunciando aos consumidores prestações a juro zero.
La Bengell - Acresço ao curriculum da atriz – primeiro nu frontal do cinema brasileiro em “Os Cafajestes” -, cantora e produtora Norma Bengell, 1935-2013, recém-passada: deu nome a protótipo de história e estória nebulosas. Dele ninguém sabe porque surgiu, porque não se viabilizou, e onde foi parar.
Ventania – Chamavam-no Ventania, derivado do Simca Tufão, V-8, 2,5 litros, esportivo, linhas limpas, e esteve com a atriz no filme “As Cariocas”, de Sérgio Porto. Tal exposição batizou-o. A Coluna, pétrea em foco, é firme, não exibirá o famoso nu, mas o quase desconhecido automóvel.

O e a Norma Bengell (esq.), com a sra. e piloto Lula Gancia

---------------------------------------------------------------------------------------------------
Gente – Fiat e Ford destacam-se no fornecer de mão de obra de reconhecida qualidade. OOOO Líder cedeu Sérgio Ferreira e João Veloso à Nissan. OOOO Chegante gostou e buscou Pedro Chaves para diretor de vendas, Renato Dienes, gerente de vendas diretas e Edson Kruger, administração de vendas e Distribuição. OOOO Da Ford, ex-presidentes Ivan Fonseca e Silva e Antonio Maciel Neto, agora presidem respectivamente a operação Geely , do Grupo Gandini, e o intrincado grupo Caoa. OOOO


A coluna "De carro por aí" é de inteira responsabilidade do seu seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas. 

17 comentários :

  1. Corsário Viajante25/10/13 10:10

    Nâo deixa de ser irônico que o Sentra, marco de uma nova fase da Nissan no Brasil, não seja fabricado aqui, mas sim importado do México.
    Espero com cautela, pois a Nissan até hoje aqui foi a Rainha das idas e vindas, com pouca consistência em produtos e na sua imagem.
    Vamos ver se será uma "nova fase" ou apenas mais um capítulo dos desencontros da "deretoria".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Suzuki tambem se esforca para bater a Nissan nessa historia de idas e vindas....

      Excluir
    2. Essa de idas e vindas me fez lembrar a da "Filha do Caipira":
      A filha do caipira sai com um boyzinho da cidade e volta gravida.
      O Caipira pergunta : Mas minha filha... oce engravidou na ida ou na vorta??
      A menina responde: Ai pai..., sei nao ... era um "vai e vorta" ; "vai e vorta" ; "vai e vorta" ; que nao parava mais uai...
      Jorjao

      Excluir
    3. Jorjao
      Essa e ótima! E voce e muito louco!

      Excluir
  2. É, vivendo e aprendendo: "analistas sorriram giocondamente" ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Mona Lisa também conhecida como A Gioconda (em italiano, La Gioconda, "a sorridente"...)"

      Pois é, vivendo e aprendendo...

      Excluir
    2. Nissan. Carros bons ela tem, falta trazer os bonitos para cá. Tomara que a fábrica local resolva isso.

      Excluir
  3. Dirigi por 10 dias o Nissan Altima da geração anterior. Muita decepção, foi o carro mais sem graça que dirigi em toda minha vida. É meio de transporte construído para quem precisa se mover de um ponto à outro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser ruim , mas melhor que andar nos onibus do Haddad.
      Ha ha ha ha !

      Excluir
    2. Eu aluguei um e preferiria uma caixa automática convencional, o CVT é estranho, com a sua rpm que não corresponde à velocidade. De resto é muito bom.

      Excluir
    3. Aliás, como todo carro japonês.

      Excluir
    4. "Anônimo25/10/13 15:45", Ayrton Senna discordaria.

      Excluir
  4. Simca Ventania.. lindissimo eu nunca tinha lido nada sobre esse carro
    No link um trecho do filme "As Cariocas" onde aparece esse belo conversivel

    http://www.youtube.com/watch?v=pam55nKy05I&feature=youtu.be

    ResponderExcluir
  5. É isso aí, Nasser: bata sempre na tecla dos interiores clarinhos que fazem questão de NÃO oferecer para os consumidores tupiniquins. Quem sabe uma hora dessas, resolvam ouvir nossos apelos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compre um Jetta com interior claro
      Coisa mais linda!
      Mas nao sei se e opcional ou todos saem assim

      Excluir
    2. Anônimo25/10/13 20:44

      Deve ser a mesma conversa da oferta de caixa manual para certos modelos: quem exige não vai comprar. Esse pessoal das fábricas faz pesquisa de mercado.

      Excluir
  6. Pergunta de repórter: por que "intrincado grupo Caoa"? (Ingênuo mode on)

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.