A MENINA DA GARAGEM

Fotos: autor
Este é o novo brinquedo da garagem, uma F-100 V-8 1976, cor turquesa Laguna

Meus carros têm nome. Sim, eu confesso, sou um daqueles malucos que dá nome aos automóveis e se pega conversando com o veículo. Concordo com a maioria das pessoas "um automóvel é só um amontoado de peças, lata, vidro, borracha...", mas pertenço a minoria maluca que acredita que essa junção de peças carrega sentimentos.

Já citei isso antes, em postagens mais antigas aqui mesmo no AUTOentusiastas, mas agora o motivo é nobre. Depois de muito tempo caçando uma F-100, enfim consegui uma do jeito que queria, a última safra das V-8. Há alguns anos tive uma dos anos tive uma 1962, primeira série com a cabine "bolinha" e a caçamba grande (os modelos mais belos na minha opinião) e também uma 1965, modelo passeio, uma versão luxo da época, mas as duas tinham um item que me desagradava: a suspensão dianteira.

Minha ex caminhonete F-100 Passeio 1965, carro que necessitava de restauração
A última série das F-100 de cabine redonda com a caçamba quadrada, o conjunto que mais admiro.

Usava pouco as caminhonetes porque tinham o sistema de suspensão do tipo eixo rígido com feixes de mola, o popular "queixo duro", como também precisavam de restauração aproveitei os modelos para conseguir veículos que fossem mais do meu agrado, mas a vontade de ter uma picape F-100 permaneceu. Coloquei em mente que seria uma V-8 pós-1967 fase II, as famosas Twin-I-Beam, ou seja, com suspensão dianteira independente, molas helicoidais, que é muito semelhante às caminhonetes modernas e trazem relativo conforto, bom para viagens mais longas.

F-100 Twin-I- Beam com suspensão moderna e mais confortável
Estava com três Galaxies, decidi que ficaria com dois deles, o outro seria moeda de troca para a compra da caminhonete. O LTD 1976 turquesa Laguna é um carro interessante pela raridade da cor e por ser o primeiro modelo da nova dianteira do modelo, mas como tinha alguns detalhes de funilaria a fazer foi o eleito para ser negociado. Dizem que não existem coincidências, então não sei qual substantivo usar para o fato de ter encontrado uma F-100 na mesmíssima cor e fabricada no mesmo ano, neste caso uma representante das últimas com motor V-8 produzidas no Brasil.


Galaxie LTD 1976, cor turquesa Laguna, carro elegante, mas com trabalho pela frente
Os fundos de porta e a pintura necessitavam de um bom trato
Carro bom de andar, mas com alguns "dodóis" na carroceria.
O azul que puxa levemente para o roxo sempre esteve entre as cores que mais admirei na linha Ford dos anos 1970, ao mesmo tempo tem classe e não é nada sóbria. Nos anos 1980 muitos veículos dessa cor foram repintados por cores mais "modernas" para que tivessem uma sobrevida e um respiro de valorização de mercado. O motor já era determinante para a queda do preço, ninguém queria "os beberrões", então um jeito de dar uma valorizada era trocar cores psicodélicas por outras com valor de mercado melhor. Seria uma aberração do tipo substituir a cor berrante do amarela de um Corsa série Nélson Piquet por um tom de prata ou preto.

A cor turquesa Laguna, um tom de azul que puxa para o roxo

Contrasta bem com o teto na cor branco Nevaska II, que puxa levemente ao amarelo, apelidado de encardido
Se você quer ter histórias para contar, acostume-se com o fato de que nem tudo pode ser fácil na vida de um antigomobilista, a picape estava no norte do Paraná e foi encontrada por um amigo que achou a jóia nas mãos do seu primeiro proprietário, um agricultor de origem japonesa que adquiriu a caminhonete para a lida em seu sítio. Comprou uma versão standard porque era mais em conta, depois de dois anos retornou com ela na concessionária e mandou instalar todo o interior da versão confortável, a "Cabina Luxo". Nos anos 1980 percebeu que colocando um motor Diesel ela ficaria mais econômica e com uma carroceria de madeira teria mais espaço para carga. Por sorte o agricultor guardou a caçamba e o motor, peças originais do veículo.

Retirada do motor Diesel para a volta do original V-8
Com retrovisores grandes, dos caminhões, e caçamba de madeira

Aos poucos a F-100 foi retomando as formas originais.
Por um lado, o fato dela ter sido sempre da lida campestre me desanimava, porque vai-se lá saber o estado de conservação da estrutura e o quanto ela pode ter sido castigada. Por outro ponto de vista, existia a possibilidade de um dono que tivesse se preocupado em guardar os componentes originais e "melhorado" o veículo pudesse também ter cuidado bem de sua trabalhadora de lata. Por sorte o amigo que encontrou a caminhonete queria um Galaxie e assim começou a negociação. Volta o espaço de carga original para a traseira do utilitário e o coração 272 a gasolina para a dianteira, coisa de verdadeiro e reconhecido irmão. Ele ainda me trouxe a F-100 até Sorocaba e me encarreguei de enviar o LTD para fazermos a troca.

O "terrão vermelho" que dominava o cofre do motor e também dentro do veículo denunciavam a vida no sítio
O primeiro dono da F-100, a bordo do seu ex-carro depois de um trato na aparência
A volta do motor V-8 e o cofre totalmente limpo, assim realmente dá gosto de admirar
Então a menina chegou, mostrou-se boa de andar. Os escapamentos diretos, pois é, para a montagem a opção provisória foi por dois canos de descarga diretos, então dá para imaginar o tamanho do ronco, grosso e encorpado, algo que ao mesmo tempo ensurdece quem fica para trás e estimula o pé esquerdo a descer um pouco mais. Direção sem assistência, câmbio de três marchas com alavanca na coluna, freios a tambor, incrível como todos os itens originais que muitos descaracterizam foram mantidos intactos em seus lugares, exatamente como eu queria que a caminhonete estivesse. Acho que tive sorte.

Momento da troca da F-100 pelo LTD, em Sorocaba, a 100 km de São Paulo
O assoalho se mostrou muito integro e não precisou de nenhum trabalho; os escapamentos diretos reproduzem o ronco grosso
O interior da F100 foi transformado para "Cabina Luxo", mas voltarei a Standard.
Depois de alguns "marmanjos" na garagem, agora uma "menina" chegou para dividir a atenção, sempre dou nome de comediantes ou humoristas e não quis fugir à regra. Por causa do ronco grosso me veio à mente Nair, uma homenagem a Nair Bello e sua inconfundível "voz rouca de bizorro" (como o saudoso Ronald Golias se referia à companheira).

Nair Bello, atriz e comediante, uma de suas características era a voz rouca.
Companheira de cena e amiga pessoal de Ronald Golias, que dizia "A Nair tem voz de bezorro".
PT



57 comentários :

  1. Lindíssima pick-up... sempre achei, sabe-se lá por que, que o nome F-100 tivesse sido abolido quando da adoção desse estilo de carroceria.

    E nunca havia visto um LTD nessa cor, minha mente só registra o Azul Clássico (é esse o nome?) do Landau... baita de uma raridade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leonardo,
      Obrigado pelo elogio. O nome F-100 ficou na ativa até 1985, as F-1000 existem desde 1980, porém o nome era usado só na versão Diesel.

      Os 500 e LTDs sempre teve cores mais "ousadas" que os top-de-linha Landau. Além do Azul Clássico (disponível a partir de 1980) também havia o Azul Gemini e Azul Jamaica, para os modelos Landau.

      Excluir
  2. Rafael Ribeiro05/10/13 12:39

    Bela aquisição Portuga!

    Não é nada fácil achar utilitários em bom estado, a maioria é usada "até o talo" e muitas vezes "engatilhadas" a torto e a direito, exceto por aqueles poucos que sabem como esses carros são valentes e que vale a pena mante-los com boa manutenção.

    Dizem que a Nair Belo também gostava de beber (socialmente), portanto o nome combina mesmo! Por coincidência, já tive um Galaxie 500 1976 da mesma cor, além de um LTD 1978 vermelho, ou seja, nada discretos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Ribeiro,

      Também acho mais difícil encontrar utilitários em bom estado de conservação e originalidade, porque são usados até o último suspiro e para a concepção que a fábrica imaginou (trabalhar).

      Você teve uns belos Galaxies hein, sobre a Nair, realmente ela, a Hebe e o próprio Golias (grande e saudoso amigo) eram bons de copo.

      Excluir
  3. Bela pickup. Com o passar do tempo, desenvolvemos uma espécie de sextosentido que nos permite ver que determinado veículo, apesar da aparência às vezes não tão boa, possui um bom potencial para restauração, e muitos outros carros, mesmo causando uma impressão melhor, não possuem esse mesmo potencial.
    Na oficina onde trabalho estamos repintando um Dodge Dart 72, estamos usando tintas da PPG que proporciona ótimos resultados, e a cor original está sendo feita em laboratório de tinta próprio. Essa sua pickup merece uma pintura e uma funilaria artesanal, e aqui temos um funileiro que é um verdadeiro mestre, além de extremamente caprichoso, pois mesmo sabendo que seu serviço ficará "invisível" depois de pronto, não deixa de caprichar. É incrível o que o cara consegue fazer para recuperar certos carros. Fica aqui o convite para conhecer a oficina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ArkAngel,
      Gostaria muito de conhecer sua oficina, poderia me passar em PVT os contatos? Segue meu e-mail: portugatavares@autoentusiastas.com.br

      Excluir
  4. Deixa ela com a cabine luxo. Afinal é parte da história dela e uma customização de época!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anonimo e Marcelo R.

      Concordo que esse item faz parte da história desse veículo, mas se eu deixar o interior "Cabina Luxo" deveria deixar também a caçamba de madeira e o motor Diesel, estou - por enquanto - com a ideia de devolver sua originalidade, explico meu motivo: Sobraram poucas unidades STD, ou seja, peladinhas.

      Excluir
  5. Portuga Tavares;

    Parabéns pela F-100!!! Sou literalmente apaixonado por caminhonete Ford, pena que ela tenha acabado com as verdadeiras picapes em 2012! Sou particularmente suspeito para falar de picapes Ford pois eu ando de F-1000 4x4 98, picape que comprei literalmente para satisfazer um sonho de adolescente de carta fresca e vê uma caminhonete e tem vontade de ter.

    Aqui na minha cidade tem uma F-100 que daria uma bela recuperação: Pertence a uma oficina mecanica, segunda dona. Pena que ela esteja tão descaracterizada com a grade de 4 farois, motor MWM TD-229, mas a cor branca continua.

    Em uma cidade proxima (Piratininga) tem um colecionador que reformou uma F-100 identica a essa mas amarela. Esá impec ável como a sua.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel S. de Araujo,

      Obrigado pelos comentários e parabéns por ter satisfeito seu sonho e também por ter sua pick-up.

      Sobre a minha caminhonete ela - ainda - não é impecável, quem sabe um dia.

      Excluir
  6. Fantastica. É uma das pick ups mais lindas que a Ford ja fez, na minha opinião. Parabens pela aquisição

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aeroman,

      Obrigado pelo comentário, também gosto muito desses modelos "quadrados" da última leva.

      Excluir
  7. Parabéns para (e pela) Nair!
    Naquela época também tive uma destas, só que (infelizmente) com o motor Georgia 4 cilindros.
    Como era só pela curtição e para transportar pequenas cargas caseiras, considerei aceitável o motor teoricamente mais econômico.
    Fiz apenas uma pequena alteração para que ela ficasse mais confortável para ser dirigida, reduzi em alguns centímetros o comprimento da coluna de direção, aproximando-a do painel, e afastando-a do meu robusto tórax...
    Consegui que esta alteração fosse feita pelo próprio fabricante da coluna, a TRW, evitando assim cortes e soldas improvisados numa peça de segurança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. BlueGopher,

      Interessante hein, penso em fazer para essa pick-up dois jogos de roda e pneu, um aro 15 mais largo e as originais também.

      Gostei das suas alterações, um amigo tem uma Super Série 4cil, conduzi uma vez e achei um carro muito bom de usar.

      Excluir
  8. Claudio Fischgold05/10/13 14:14

    Na nova constituição brasileira, que estou escrevendo, o primeiro artigo vai dizer : "É proibido o dono de um carro antigo se desfazer dele para adquirir outro. Num pais como o Brasil, falta de espaço não pode ser argumento para se desfazer de um carro destes".



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em Cuba essa lei é válida!

      Excluir
    2. Claudio Fischgold e Lucas,

      Infelizmente, na cidade onde vivo, um prefeito tiranista está pensando exatamente oposto a isso, está diminuindo os números de vagas nas novas construções, as faixas de rolagem dos veículos nas vias públicas, infelizmente vivo em São Paulo, um lugar onde os novos administradores tem deixado paulistanos como eu com vontade de sair daqui e não ver mais políticos fazendo na vida publica o que deveriam fazer, só, na privada.

      Excluir
  9. Barbaridade.. queria uma dessas pra passear e levar minhas tranqueiras pra cima e para baixo.., é macia ou dura como uma carroça??? admiro picapes grandes mas com um bom molejo como as F1000 tinham na década de 90.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Juliano Nunes,

      As F-100 fabricadas a partir da segunda série de 1967, as Twin I Beam, tem suspensão identica as F-1000 e F-250, portanto, confortáveis de usar.

      Excluir
  10. Portuga, me amarro em uma F-100 (já desta fase, pois a cabine redonda acho feia), bem como na C-10, na raríssima Dodge D-100, e até (menos que as outras) na F-75, mas para o meu gosto, você dispensou a que eu não dispensaria de jeito nenhum: a 1965, he, he! Aliás, dispensaria sim, mas só por uma das primeiras Twin-I-Beam. Mesmo uma dessas camionetes "pequenas" já é meio que um trambolho para uma cidade grande, infelizmente, mas volta e meia penso em ter uma das pequenas mesmo, tipo Ford Pampa, Fiorino, Chevy 500 (de preferência, pois já são "antigas"), ou quem sabe até um Corsa pick-up.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, a F-100 1965 era um carro muito legal, apaixonante, mas tinha suspensão - ainda - queixo duro e precisava de restauração completa. Torquei aquela caminhonete no meu atual Galaxie 500 1972, "personagem" da postagem sobre o Galaxie Night e contando a história do carro que foi do Eng. Ari Fernandes, acredito que fiz bom negócio rsss...

      Excluir
  11. Para que voltar o interior para standard? Pelo que eu entendi, foram usadas peças originais da versão luxo, no que está bem feito não se deve mexer. Deixe a Nair Belo em traje de festa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas,

      Heheh, penso em deixar a Nair mais simples, como a atirz também era, hehehe...

      Excluir
  12. Parabéns Portuga... Belíssima aquisição... Aqui no bairro tem uma dessas verde, recém restaurada, que é uma loucura!!!

    Eu uso nome de mulher nos meus carros... Atualmente são apenas duas: Esmeralda (um Peugeot 205 1997 verde esmeralda) e Rochelle (um suzuki swift 1992)... Sou fã de hatch! rsrsrs... Não são tão antigas assim, mas trazem muitas alegrias!!!! Cada uma com sua "personalidade"!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guersoni,

      Muito bom saber que não o único "maluco" (no melhor dos sentidos) com a mania de dar nome aos automóveis.

      Excluir
  13. UAI Portuga, estas bichas não usaram o 292 ?????????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Embora um monte de especialistas grite por ai em alto e bom som que as F-100 eram equipadas com o mesmo motor do Galaxie, o que é correto, eles esquecem que o Galaxie teve mais d eum Y-Block (Rocket) e lembram-se só do 292 (mais comum), ai a origem da confusão.

      As F-100 só sairam com motor 272 (na versão V-8, claro). Poderia ser o 272 "comum" (bloco cinza) ou HD (amarelo). Os primeiros Galaxies (500 1967, 500 1968, 500 1969 e Standard 1970) eram equipados com o 272 "comum" com outros coletores de admissão e escape, por isso era adotada a cor azul (para os 1967 com tampas de valvulas e filtro de ar em tom de azul mais claro).

      Excluir
  14. Parabéns pela aquisição, Portuga! A menina é linda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo R., obrigado pelo elogio, ainda deixarei a menina melhorzinha.

      Excluir
  15. A minha, diesel, ano 90, cinza tornado, já está quase virando clássica, tamanha a destruição que foi promovida à essas picapes. Saíram milhares mas restam poucas em ótimas condições, já que é carro de trabalho. Se você usá-las como automóvel, duram pro resto da vida e apesar das opiniões contrárias, eu adoro dirigi-la. Não vendo, não dou e não empresto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante que as F- foram bem arrebentadas e apesar da destruição promovida a esses veiculos, entretanto são picapes ainda bem comuns mesmo pessimamente conservadas usando carroceria de madeira e com os chassis tortos. Tem muita F-100 circulando por ai com grade de 4 farois e motor MWM diesel (e já vi atee adaptação com Perkins - uma heresia em se tratando de F-)

      As Chevrolets séries 10 e 20 (e seus derivados - Veranieo e Bonanza) no entanto, literalmente sumiram. Credito isso ao sistema de suspesão dianteira de braços sobrepostos e pivôs, um tanto frageis para o pesado Perkins 4.236/Q20/Maxion S4T

      Excluir
    2. Quer encontrar as series 10 e 20? Vai lá na região da quase quadrupla divisa entre os estados de SE, PE, BA e AL. Muitas dessas picapes rodam no transporte precario de pessoas nessa região (pouquissimos onibus, poucas vans e estradas precarias). Nestes locais quem tem uma boa D20 tem um cheque em mãos, pois é um veículo de extrema liquidez e baixa manutenção. Na epoca que trabalhei nesta região, achei interessante em não ver F1000 e nem silverados para fazer o transporte de pessoas, conversando com alguns proprietarios de D20 da quadrupla divisa, fiquei sabendo que eles acham a manutenção da Ford mais pesada ($$$) e quanto a silverado... segundo os proprios, é um carro que se desmancha e é muito inferior as velhas D20.
      Nesse sertão vi várias D20´s e derivadas rodando (vi varias D10 também), com as mais absurdas cargas e nos mais variados estados de conservação. Tb vi muitos toyotões (jipes bandeirantes alongados para o transporte de cargas e passageiros). Quem quiser encontrar uma boa quantidade desses carros e realmente quiser comprar, taí o local. (Tb vi muitas d20 no interior de goias e na parte central da Bahia).
      Taí um teste interessante, ver o Bob Sharp testando um toyotão.... kkkk

      Excluir
    3. Galera,
      quando era garoto sonhava com uma D20 transformada em Mangalarga, achava aquele "quase onibus" lindo, hoje meu gosto mudou um pouco hehe

      Excluir
    4. Também adimirava as Mangalarga, quando era mais novo um conhecido da família teve uma, trocou por uma Suburban importada e teceu elogios ao grande GM. Sempre fui fascinado por esses veículos, pela versatilidade e grande capacidade. Viajar com a família toda deve ser ótimo!
      Sou fascinado em F-100, idênticas ao modelo 1956 americano, são lindas demais!
      Parabéns pela sua Portuga, tá bonita!

      Excluir
  16. Bela aquisição. Parabéns! Mas não deu uma dor no coração ver o LTD 76 ir embora?

    Meu pai teve uma C10 1973 amarela, 6 cilindros, câmbio na coluna, que vivia encavalando as marchas, chamada de Catarina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. FontesL78,

      Sinceramente deu dó de ver o LTD indo, mas eu tenho outros dois Galaxies, infelizmente não dá para ter muitos carro, se pudesse nunca teria vendido qualquer automóvel que já tive.

      Excluir
  17. Eu aprendi a dirigir em uma picape Ford F-100.

    A empresa onde eu trabalhava tinha várias delas, inclusive, adquiri uma 62 caindo aos pedaços e que devido ao alto consumo, vendi logo depois.

    Mas tinham duas que eram as minhas preferidas. Uma amarela 66, modelo para o trabalho e uma verde e branca Passeio, ano 65, como essa vermelha da foto.

    A Passeio era de uso exclusivo do "Grande Chefe", mas às vezes ele permitia que eu a utilizasse.

    Das duas, seria difícil eu escolher a preferida. Ora eu preferia a amarela 66, ora a Passeio 65.

    E como gostos são gostos, a que eu menos gosto são as de cabines "redondinhas" com as caçambas "quadradas".

    E para terminar, quero dizer que eu também já guiei uma dessas que você está reformando. E ela também era azul.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande CCN 1410,

      Que legal, por acaso você tem fotos desses modelos citados? Se tiver e puder me passar agradeço, sempre que posso vou armazenando fotos e informações de época para inserir em posteriores matérias conforme for possível.

      Excluir
    2. PT,

      Eu tenho uma foto onde elas aparecem de frente com mais duas F-100 e outros veículos.

      Tem a 65, Passeio, a 66, amarela e mais duas. Uma é a 62 que descrevi acima e a outra acredito que seja 64, mas não tenho certeza.

      Caso você tenha interesse, eu posso pedir ao meu filho para que no final de semana ele faça uma cópia com sua câmera, porque eu tentei com a câmera do celular e não deu certo.

      Excluir
    3. Eu gostaria muito, se for possível e não atrapalhar.

      Excluir
  18. Respostas
    1. Este concordo, era para o Anônimo 05/10/13 12:44, hehehe...

      Excluir
  19. Eu adoro as F. Meu sonho é um pouco mais moderno, F 1000 XLT cabine estendida 4.9i da frente cromada já. Parabéns PT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mrvechi,
      Também gosto muito dessas 4.9i com a dianteira cromada, gostaria de ter uma dessas para uso - digamos - mais constante.

      Excluir
  20. Cara, se essa daí é Nair, então em breve teremos uma matéria com o Didi, Dedé, Mussum e Zacarias!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TallWang,

      Sobre o Mussum já tivemos, contando a história, é nome que dei ao Galaxie 500 1972. Todos os meus carros sempre tiveram nome de humoristas, comediantes ou personagens de humor. É uma das minhas manias, hehe

      Excluir
  21. Nobre Portuga, parabéns pela F-100! Muito capricho na restauração. Dá gosto de ver o resultado! Se possível conte-nos, em post separado, os detalhes da restauração. Chassi, trem de força, carroceria etc... Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nícolas,
      Não chamaria o que foi feito na caminhonete de "restauração", está mais para uma leve reforma, ou um "reativamento de originalidade", a partir de agora tudo o que precisará ser feito na pick up não depende de deixa-la parada por muito tempo, podemos fazer o que for e usa-la ao mesmo tempo.

      Excluir
  22. Caro Portuga parabéns pela aquisição, é um veículo pra lá de robusto e muito confortável, trabalha durante a semana e passeia aos domingos. Possuo dois modelos dessa série, uma 1974 (V8 luxo) chamada de Nena, e uma 1976 (V8 Standard) chamada Vera Fischer, pois todo mundo que olha gosta, além de beber um pouco rsrsrs...

    A 76 considero curiosa pois tem motor V8 mas acabamento peladão, o que pra mim é uma incoerência, mas o visual clean é bem contemporâneo, principalmente na parte interna. Cor Verde Capri, com os para-choques pintados da mesma cor, rodas R15 cinza fosco e espelho idem, tudo de fábrica, é muito rara pois nunca vi outro modelo, nem em fotos.

    Estou a disposição para qualquer dúvida em relação ao modelo.

    Fabio Braga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fábio Braga,

      Você poderia me enviar algumas fotos de detalhamentos das suas pick-ups? Só para eu poder restaurar a minha com o máximo de exatidão. Poderia ser?

      Meu e-mail: portugatavares@autoentusiastas.com.br

      Excluir
  23. Portuga Tavares,
    Não sabia que até 1976 ainda haviam sido fabricadas as F-100 V8. Imaginava que o "canto do cisne" dessa versão tivesse sido o modelo anterior. Muito legal ter encontrado um modelo de único dono e com todos os componentes originais guardados. Coisa típica de japonês mesmo! (também sou descendente de japonês e faço exatamente a mesma coisa...)

    Por acaso também moras em Sorocaba? Se sim, temos mais alguma coisa em comum, pois o SS que comprei para reformar também veio do Paraná. E nem me fale das dificuldades de ser antigomobilista, levei 6 meses só para regularizar o cadastro do motor no documento do SS...

    Grande abraço!

    RR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Road Runner,

      Sou de São Paulo, SP. Mais precisamente da zona sul, nascido e (mal) criado em Santo Amaro. O ex-dono da pick up é do norte do Paraná e em nossa negociação ficou acertado que ele traria o carro até S.Paulo, mas ele tinha medo de vir até a capital paulista e seu transito infernal. Então ficou acertado que ele traria a F-100 até Sorocaba e eu me comprometi a levar o LTD até lá.

      O ano de 1976 foi o último ano onde era oferecido o motor V-8, provavelmente porque ainda deveriam ter sobrado alguns do ano anterior. Portanto temos para os veículos F-100 76/76 as duas opções de motor V-8 272 (4.8l) e 4 cil ohc (2.3l), sendo que a opção de motor saiu de cena neste mesmo ano, para os modelos 76/77 ficou somente o motor menor, mais econômico e portanto melhor aceito pelo mercado do pós-crise do petróleo.

      Excluir
    2. Caro Portuga, sobre a motorização das F100, a informação que tenho é que os V8 estavam disponíveis até 1979, confere?

      Fabio Braga

      Excluir
    3. Fabio,
      Até onde sei as V-8 foram até 1976, a partir de 1977 só 4cil e em 1980 chegaram os Diesel, além do Álcool.

      Excluir
  24. Uma joinha a venda
    http://m.bomnegocio.com/anuncio?ad_id=21831704&xtor=EPR-9-%5BA&ca=&w=

    ResponderExcluir
  25. Um dúvida,em que ano saiu a primeira F100 com grade de 4 farois?Ou somente saiu 4 farois na F1000 a Diesel?

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.