O PRAZER DE GUIAR

Texto de Arnaldo Keller

Fotos: Autor

Outro dia guiei bastante um Alfa Giulia GT Sprint Veloce ano 1967; guiei-o por mais de 150 km em estrada boa e sinuosa. Postei até um filminho de uma voltinha que nele demos, o Carlão e eu. Esse Giulia está muito bem acertado de chão. Está justinho.

O dono é piloto dos bons, é um alfista antigo e sabe quando um Alfa está mostrando seu potencial. Merece o carro que tem. Digo isso porque tem gente que tem carro esporte antigo e não sabe quando o carro está acertado ou não, já que não manja nada e comprou o carro só por boniteza.

Por sinal, abrindo um parênteses, há coisa de dois meses fui à loja da Aston Martin, que estão espetaculares. Fucei até que encontrei um com câmbio manual. Ufa! Seis marchas. Sentei e estava tudo no lugar certo. Uau!



Nisso chegaram dois mocinhos muito bem arrumadinhos, com tênis social e calças que já se compram rasgadinhas e cabelinho de lambida de vaca. Os dois vieram em dois Porsche com vidros filmados, certamente blindados. Coitados dos engordados Porsche que a fábrica teve tanto trabalho pra aliviar peso... Logo os dois centímetros sexuais vieram chiar que o “meu” carro tinha câmbio manual. Isso não dá pra guiar na cidade, disseram. Não dá pra ir pro trabalho, objetaram. E eu fiquei momentaneamente boquiaberto, chocado.

Quando recobrei a compostura lhes disse que aquilo era um carro esporte e como tal não fora feito pro sujeito ir pro trabalho, mas sim pra ir pra diversão, tipo botar uma gata do lado e deitar o cabelo por estradas sem fim.

Eles não entenderam nada e na certa me acharam um maculelé perigoso da vida e eu me consolei por saber que a grana fácil poderia lhes dar um Aston – certamente outro, com brabuletas – mas eles nunca conheceriam o seu espírito, e limpei com a palma da mão a baba que já me escorria pelos cantos da boca. 

O Giulia GT é um carro simples, cujas únicas sofisticações estão no motor, que tem dois comandos de válvulas e câmaras hemisféricas. Fora isso é simples. Pouco mais de 120 cv. Nada de mais. Elástico e não muito virador. Mas o conjunto ali tem coisa. Ali, sutilmente, tem prazer de guiar. O piloto que orientou os engenheiros tinha cancha e sabia o que queria, e sua opinião foi respeitada.

O Giulia GT faz curva que é uma perfeição. Não é só a boa aderência que importa; é o modo como faz a curva, o seu balanço, a sensação que passa, o modo como se mexe. Num certo momento, em plena curva, tive que meter o pé no freio, pois o carro da frente o fez de supetão por causa de um buracão – e olhe que vínhamos andando bem fortinho, uns 80% do que daria para tocar. E as reações do Giulia foram perfeitas. Acertou tudo só com pouca ajuda minha, praticamente sozinho, sempre sob pleno controle. Gamei ainda mais no bicho.

Hoje está fora de moda dançar colado com as moças – mais uma estupidez moderna num mundo cada vez mais virtual e amortecido – mas lembro bem quando a gente tirava uma moça pra dançar e ela vinha e se encaixava na gente ou não. Se ela encaixasse e tivesse o dom de se mexer como uma boa fêmea, uau!, a gente pirava, gamava e imediatamente passava a precisar dela para poder respirar.

The way she moves... E ela estar vestida assim ou assado era irrelevante, e ela ser a mais linda do ambiente ou não era irrelevante, ou seja, os acessórios eram irrelevantes; o que importava era o the way she moves. E quando naquela noite os rapazes deitavam para dormir, infelizmente longe da nova amada, o que sobrava e revirava nossas entranhas era o balanço que ficara do the way she moves e do jeito que ela se encaixava na gente. 

Carro tem disso também. Ou encaixa e se mexe direito ou não.



Aquele carro que na hora do leão você manda ir prum lado e ele vai a contragosto, atrapalhado, com leves movimentos inesperados indicativos de que ele pode aprontar alguma a qualquer momento, hum, hum, nananinanão. Sorry, baby, mim não gama. A farra nóis não dispensa, mas gamar, sorry, nóis aqui não gama.

E pra gamar não precisa muito. Basta que nos receba encaixando certinho o nosso corpo e se mexa bem. O Giulia GT não tem mais potência que tem qualquer carrinho de hoje. O eixo traseiro é rígido, e daí? É certo que em piso ruim sua traseira dá umas quicadinhas, porém, logo assenta e fica agarradinha. A frente está sempre bem plantada e, como um bom marujo, sem discussão obedece à risca nossas orientações.

Não, não precisa muito mesmo.

Ar-condicionado? Nem sonhar. Direção assistida? No, thanks, tenho muque. Vidro elétrico? Não, o vidro sobe e desce na boa manivelinha. Câmbio automatizado com EBDFRDG e abecedários e abecedários de controles antiidiotices? Nadareco.

Precisa, sim, de tração traseira. Isso é essencial. Deixemos que os pneus dianteiros façam o serviço de direcionar a frente e deixemos algum serviço pros traseiros. Quando temos o recurso da tração traseira podemos dosar a aderência da traseira e isso ajuda a controlar o equilíbrio do carro durante a curva. Além do mais é gostoso pacas carcar o pé e rabear fazendo powerslide.

O Giulia sai um pouquinho de frente, bem pouquinho. Ele cria uma pequena resistência para entrar, mas só até o ponto em que o puxamos mais um pouquinho pra dentro e aí ele se equilibra e vai fazendo a curva igualmente apoiado na traseira e dianteira. No ponto. É ruim um carro que ao ser puxado para a curva entra muito forte com a frente. Com isso a traseira é arremessada pra fora, fazendo-nos contraesterçar cedo demais, perdendo tempo e equilíbrio. O Giulia GT, não. É no ponto.

E não é só o Giulia GT que nos dá esse prazer de curvar na medida. Outros bons também o fazem. Jaguar E-type, Ferrari, todos, Corvette Sting Ray pra frente, Triumph TR4 IRS, MGB, BMW dos 325 pra frente etc... quem sabe, sabe, pra não falar do chuchuzinho-mór Lotus Exige, o que se mexe além da imaginação.

Não, não precisa muito. Bastaria que alguém fizesse um carrinho simples, que nem tivesse tanta potência, que não tivesse miles de recursos estrambólicos nem linhas angulosas e agressivas. Que tivesse linhas harmônicas, de bom gosto, simples e discretamente aerodinâmicas. E um teto solar basta.

Mas esse carro teria que nos sorrir, e nele teríamos que nos encaixar como uma mão na luva, e ele teria que se mexer como deve um cupezinho inteligente se mexer.

Aí muitos cairiam eternamente gamados.

Pena que a suposta arte da sedução dos carros tenha ficado tão chula. Tão cara, requintadamente brega, e chula.

Um brinde ao Alfa Giulia GT Sprint Veloce, o meu docinho.

Portanto, prezados fabricantes, deixem um pouco de lado pesquisas idiotas de opiniões idiotas e façam aqui pros autoentusiastas um carro que saiba seduzir com o puro e simples prazer de guiá-lo.

Yes, you can.

Veja outras fotos aqui.


AK

34 comentários :

  1. Maravilha, Arnaldo. Vai bem ao encontro da idéia de que o menos é mais, correto?

    Quanto ao Aston Martin, chegou a ver o Rapide? No Salão, um cabra o ligou e deu umas boas aceleradas. Que sinfonia! Mas precisa custar 900 paus? Exagero...

    Abraço

    Lucas crf

    ResponderExcluir
  2. http://www.youtube.com/watch?v=csK-vWV-dUI

    ResponderExcluir
  3. Post delicioso, Arnaldo.
    Traduz muito bem o verdadeiro prazer em dirigir.
    Prazer esse, só proporcionado pelos carros antigos.
    Eu acredito que dê pra contar nos dedos de uma mão, os carros esportivos que transmitam tanto prazer em dirigir esportivamente, mesmo após mais de 40 anos, como a Alfa Giulia GT.
    O carro não se desatualiza nunca.
    E sem sofisticação ou invenções, tem um comportamento altamente esportivo, seguro, eficientee principalmente prazeroso.
    Voce dirigiu essa Alfa GT por mais de 150 quilometros e saiu em êxtase, com o comportamento do carro e o prazer oferecido.
    Bem ao contrario dos "descartaveis" esportivos de hoje, com suas traquitanas elétricas, eletronicas, automáticas, automatizadas e robóticas.
    Os esportivos ideais para a turma da "ejaculação precoce", ou como aquela piada em que o coelhinho fala para a coelhinha: "Tá gostoso, num tava?
    Romeu

    ResponderExcluir
  4. Arnaldo,
    Maravilha de post. Muito bom ler um texto com tanta qualidade e que consiga descrever de maneira tão deliciosa o prazer que é dirigir.
    Muito obrigado!

    F250GTO,
    Cara, eu ri muito dessa piada do coelhinho. Muito engraçada!

    Abs,

    ResponderExcluir
  5. Arnaldo, dançar colado com as moças só é fora de moda se o que estiver na crista da onda for salsa ou samba-rock, duas danças em que se dança pegando as mãos da parceira, e ainda assim com alguns momentos em que se fica juntinho (como é o caso do passo chamado backspot turn, na salsa).
    Já outras danças nunca estiveram mais vivas do que nos tempos atuais, como forró pé-de-serra, samba de gafieira e por aí vai. O que se vê de gente jovem nesses lugares não está no gibi.

    OK, claro que tem o pessoal que prefere dançar sozinho, e ultimamente esses estão mais em festas de música eletrônica e, vez ou outra, em bailes black quando toca aquele balanção, ainda que neste caso não se dance exatamente sozinho, mas em grupo e acompanhando a coreografia desenvolvida na hora. A grande sorte dos tempos de hoje é justamente o pessoal ter maior acesso a uma série de ritmos que em outros tempos ficariam bem escondidos ou difíceis de se achar. Também temos de levar em consideração a autonomia que se ganhou nos últimos tempos para fazer movimentos culturais irem adiante, mesmo que na base do fenômeno silencioso.
    Isso aconteceu dos anos 2000 para cá. Pena que, por ora, os fabricantes de carro ainda hoje ajam muito como agiriam as gravadoras até o fim do século passado, impondo gostos ao grande público, forçando a barra para que aquilo que a elas não interessa seja tirado de circulação e visto como ruim ou perigoso (quem não se lembra da campanha antitração traseira que víamos em muitas revistas nacionais e que gerou no público a ideia equivocada de que isso fosse ruim per se?) e por aí vai. Depois do MP3, as EMI e Sony Music da vida estão bem pianinho. Já os autoentusiastas estão aguardando um "MP3 sobre rodas" para dizer aos fabricantes tradicionais o mesmo que o público normal já disse à ditadura das gravadoras.

    ResponderExcluir
  6. AK,

    é por essas e outras que, cada dia mais, sou autoentusiasta e corro contra amigos, pais, namorada e todos que reclamam das minhas paixões.

    Uma salva de palmas à boa indústria automobilística que está adormecida.

    Um viva ao espírito de grandes mestres da arte de construir obras maravilhosas sobre rodas.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  7. Excelente texto para um carro perfeito.

    ResponderExcluir
  8. Bah, deu água na boca. 120 e poucos cv para um carro de uma tonelada ou nem isso já garantem um monte de diversão. Aliás, a leveza é algo que está ficando no passado. Acho ótimo ter um carro espaçoso, seguro, confortável etc., mas os projetos recentes estão cada vez mais altos e pesados. Mantida essa tendência, junto com a modinha de tentar criminalizar quem gostaria que a boiada andasse mais rápido onde há condições para isso, e em pouco tempo os carros acessíveis ao cidadão comum serão tão excitantes quanto uma geladeira.

    ResponderExcluir
  9. Li isso lembrando do meu 4º GM/Tigra... sim, estou no 4º já... o carro é maravilhoso de se guiar, encaixou perfeito para mim, pequeno, 108cv, 1096kg... e barato, muito barato, nada de R$900.000,00 com só R$20.000,00 dá pra andar num carrinho de 0-100km/h em 10s, com 200km/h de velocidade final, com 0,98g de aceleração lateral... isso tudo com ele original... já rodadinho, mais solto, com molas Eibach e etc ele fica uma delícia... tomadas as devidas proporções ler o AK falando do Giulia me lembrou eu andando no Tigra...

    ResponderExcluir
  10. Arnaldo, esse texto é antológico por dois motivos: ele capta a essência daquilo que faz a gente se apaixonar por um carro, e ele é uma delícia de ler.

    Além disso, o parêntese sobre os"centimetrossexuais" na revenda Aston vale por toda uma crítica de costumes. Dez!

    ResponderExcluir
  11. Belíssimo texto como sempre Arnaldo!

    Deve ser difícil, mas com um pouquinho mais de calma e paciência com os milímetrosexuais ficaria ainda melhor!

    E se eu fosse você não ficaria esperando as montadoras construirem o carro dos seus sonhos... Quem tem grana para comprar um bom carro médio ou grande pode muito bem desenvolver um "Atom" da vida por aqui mesmo por um preço competitivo. Pelo pouco q vi na internet, melhor só os monopostos.

    O Musa FCC4 é um ótimo exemplo mesmo que não seja baseado em chassis tubular.

    E nada impede que uns 2 ou 3 amigos se reunam e construm o carrinho já que não é mesmo um carro para o dia-a-dia.

    Se não o jeito é mesmo investir nesses vintage racers. Pq modernos feitos por grandes montadoras Zero Km desse jeito que você quer nem mesmo os Lotus, q estão modernizando e sofisticando os seus bólidos.

    Existem empresas no Brasil q desenvolvem bons chassis tubulares... Coloca um bom motor 4 cilindros... Com vento no rosto deve ser ainda mais gostoso!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Arnaldo Keller21/11/10 17:42

    Lucas,

    O que eu queria dizer é o que eu disse mesmo várias vezes: que não precisa muita maromba pra um carro ser realmente bom de guiar.
    Não sou gourmet nem nada, mas imagino que em comida seja o mesmo caso. Precisa ter amor ao fazer a comida. Precisa ter amor ao fazer o carro. Mas em ambos os casos é preciso saber muito para sair uma coisa simples e indiscutivelmente boa.
    Não guardei nome de Aston nenhum. Só acabei gostando mais do que tem motor V-8. O com V-12 era muito grandão.

    Anônimo do youtube,

    Esse cara aí do filminho é meio voyeur. Fica mais alisando o carro do que tocando a lenha. Imagino que quem projetou o Alfa ficaria chateado. Esse carro não foi feito pra isso.

    Anônimo mestre da dança,

    Fico contente em saber que dançar colado está voltando à moda. Legal!
    Concordo com vc, acho ótimo que a tecnologia que vem aparecendo, tipo internet e tal, esteja libertando as consciências. Talvez esteja acontecendo um fenômeno de "desmassificação", o que seria ótimo. Tomara.

    Eduardo Zanetti,

    Êta rapaz rebelde que vc é! Seus pais dirão que vc anda lendo blog errado e andando em más companhias...
    Nóis aqui não é muito certinho, não. Olha lá, hein! Não sou responsável por nada do que escrevo.

    FCardoso,

    Esse lance de pesquisa idiota é uma idiotice tremenda. Veja que a GMB só trará o Camaro V-8 automático. Sabe porque? Porque a pesquisa indicou isso.
    Quem sabe não precisa de pesquisa pra decidir.
    A pesquisa diz, faça uma frente assim, uma altura assado, um lance aqui e outro ali, e sai, e sai... um Ágile.

    Paulo,

    O Tigra é um tesãozinho mesmo. Ainda não guiei um, mas dá pra sacar a do bicho. Não é à toa o seu sucesso na Europa, terra de quem sabe guiar. Faça bom proveito.

    Paulo Levi,

    é uma crítica aos mal acostumados. Tem gente que se acha pacas. Mas isso sempre houve e nem é culpa dos garotos. Tem pais que estragam os filhos e o pior é que ficam irremediáveis.

    ResponderExcluir
  13. Lawrence,

    Eu não quero um carro só pra mim. Não viu quantos autoentusiastas querem o mesmo?
    Era só fazerem um Mustanguinho, um Camarinho...
    Pras fábricas seria moleza. mas tem aquele lance: grandes carros, grandes lucros.

    ResponderExcluir
  14. Guilherme M.21/11/10 18:01

    Concordo com o Lawrence, com a quantidade de empresas que constroem chassi tubulares por ai, e com toda a indústria de preparação que há para os motores nacionais, é relativamente fácil (nas devidas proporções) fazer um carro como o Atom.
    É só uma pena, que quando alguém ousado lança um carro assim, sempre tem aquele idiota que diz que por tal preço, comprariam um Azera, um Fusion, um C5. Carros confortáveis e imponentes, mas que filtram qualquer interação entre motorista e carro.

    ResponderExcluir
  15. Arnaldo, faz um para você... Todo mundo vai querer guiar o brinquedo! Não vai ser só seu, garanto! KKKK

    Além do mais vai aparecer 20 ofertas de venda!!!!

    Se fizer o primeiro, não para mais!

    Mas por favor, sem réplicas... Pq se não fica-se muito preso e não tem pq se atar a conceitos mecânicos e aerodinâmicos antiquados em 2010.

    Nem de longe ache q é uma crítica pessoal, falando por alto, o Brasil tem esse "problema", falta de empreendedorismo.

    Como você tem milhares de pessoas com esse mesmo desejo mas ninguém faz nada.

    Cata uns caraminguás de uns amigos e faz 1 carrinho como vc gosta! Lotus Seven é um bom exemplo, até hj tem vários clones ainda em produção e não vai parar tão cedo. Detalhe, na Europa aonde é impraticável vários meses do ano devido ao Inverno.

    Faz um concurso para escolher o desenho da carroceria, dá um prêmio simbólico q vc vai se animar! Rs

    Não vais se arrepender!

    ResponderExcluir
  16. Arnaldo,

    Seu texto é tão apaixonante quanto o Giulia 67.

    Sou mais um dos seus fãs.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  17. Na oficina de um amigo chegou um Sprint Speciale 1961 que está sendo desmontado para restauração. É um Alfa bem exclusivo, poucas unidades foram fabricadas. O motor me parece ser o mesmo que você citou, AK, ele tem dois carburadores também?

    ResponderExcluir
  18. Arnaldo,

    obrigado pelo texto... e um viva ao romantismo!

    ResponderExcluir
  19. Arnaldo, parabéns, ótimo texto! Quanto aos milimetrossexuais, é isso mesmo, não sabem diferenciar um Corolla para ir trabalhar de um Aston Martin para se divertir. Se bobear ainda "dirigem" o Aston negociando ações pelo celular com bluetooth.
    Para completar o "ciclo das trevas", agora a Lotus vai fabricar esportivos pesadões, que Allah nos proteja...
    Abraço!

    ResponderExcluir
  20. Muito bom Arnaldo,

    Já estava sentindo falta de um texto como este.

    Um abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  21. Raphael,

    O Giulia tem dois Weber duplos, uma boca pra cada cilindro. Parecem ser os 40.

    Bianchini,

    mesmo assim creio que os Lotus continuarão a ser dos mais leves. O Elise reergueu a marca e eles não se esquecerão disso tão já.

    ResponderExcluir
  22. Ótimo texto.

    Também me ressinto da falta de um carro como esse... que fosse "simples" e prazeroso de guiar, e que custasse relativamente pouco, mesmo que sendo despojado.

    ResponderExcluir
  23. Arnaldo, o mundo está "perdido" mesmo...

    Saiu o novo Audi S3!!! Com motor do TT RS... Gostou? Tomara, pq esqueça câmbio manual e carroceria 3 portas...

    Quem tem os seus clássicos na garagem que os guardem com carinho...

    ResponderExcluir
  24. Simplesmente poético!

    Mandou muito bem!

    ResponderExcluir
  25. Olá AK,
    Belo texto! aliás, normalmente seus textos sao excelentes, transmitem como poucos a sensaçao de "tocar" um carro...
    Tenho a impressão de que, quando , um dia, num sonho, puder pilotar uma alfinha destas, já estarei em casa! Isso aí! Obrigado!
    abraço
    Bento

    ResponderExcluir
  26. O Revoltado!22/11/10 21:19

    Me atrapalhei todo ...
    Como no filminho do ultimo post da Alfa GT , fui tentar fazer esse tal de "punta taco" (alguem pode me explicar para que serve?) na Kombi.
    Meu pe enroscou na barra de direcao , acelerei demais e a perua quase parou na valeta!
    Mas o pior ainda estava por vir: tbm estava descalco e descobri que tenho o pe muito, mas, muito mais feio que do AK... Se alguem conhecer um podologo que me indique!
    Barrabás!

    ResponderExcluir
  27. AK, o meu tigra ainda esta a sua disposição aqui em Campinas, quando passar por aqui é só me avisar que a gente dá umas voltas com ele. Apesar de ele ainda ser apenas uma jovem máquina já sabe andar bastante,a idade vai cada vez trazendo mais experiencia e força pra ele, e cada dia que passa mais o tigra se adapta ao asfalto, ele aprende rápido. pesfaria@gmail.com

    P.S. Se lembra do convite para a volta no meu tigra em CDJ? Era eu mesmo...

    ResponderExcluir
  28. q texto, q texto!!!!!!

    ak, vc é foda!!!!!

    ResponderExcluir
  29. Revoltado,

    Não se preocupe com os seus pézinhos. Os cisnes também têm esse problema de pé feio. Até uma fábula já foi escrita a esse respeito.
    Vc precisava ver o pá do Bitu. Ele calça uns 47, por aí. Uma verdadeira chanca.
    Bom, não vejo como enroscar o pé na coluna de direção da Kombi ao fazer o punta-tacco, pois ela fica entre o pedal da embreagem e do freio e vc trabalha entre o do freio e do acelerador. Já guiei muito a Kombi e foi nela que aprendi a dirigir e gosto muito dela.
    Essa manobra serve para elevarmos o giro do motor mesmo durante a freada. Fazemos isso para que o giro atinja a rotação certa para a marcha menor, assim ela entra sem trancos. Devemos evitar tudo quanto é tranco e todos os comandos que temos, sempre, e principalmente quando andarmos forte, já que trancos provocam perda de aderência e danos mecânicos.
    E obrigado por elogiar a beleza dos meus pés. Fiquei envaidecido.

    Paulo,

    Lembrei sim de vc. Eu já estava desconfiado. Veja aí quando vc vier a SP. Escreva e avise arnaldokeller@yahoo.com.br; aí a gente rala teu carro fazendo uma matéria pro autoentusiastas.

    Leandro,

    menas, Leandro, menas... Legal que gostou. Fico contente mesmo. Obrigado.

    ResponderExcluir
  30. Não tenho um carro esportivo por natureza, mas meu Cliozinho RT 2001 (apelidado de Tartaruga Francesa) com escapamento 4x1 bem barulhento e filtro esportivo tem se tornado um grande amigo, principalmente em noites desertas..rs. Não tem tração traseira, eu sei, mas não deixa de ser divertido... Só que cada vez que leio um texto como esse aumenta a vontade de comprar um carro que não paga IPVA... To vendo que vou mudar de animal de estimação, vou mandar a Tartaruga passear e talvez pegue algum felino..rs..

    ResponderExcluir
  31. C E Sato,

    Dos compactos, acho o Clio o mais gostosinho de curva, o mais acertadinho.
    Cuide bem dele e não economize nos pneus, use bons pneus.
    Divirta-se, mas cuide de sua pele e das dos outros. Divirta-se com responsabilidade.

    ResponderExcluir
  32. Esse é o cara, sabe como escrever um bom texto sobre um bom carro! Bom carro não, excelente carro! Os Alfa Giulia GT Sprint Veloce são um primor, começando pelo baixo peso e terminando na tração traseira. E tudo isso passando por um ronco apaixonante, deixando de lado firulas desnecessárias ao prazer de dirigir (direção hidráulica, vidros elétricos e muletas eletrônicas).

    Falta mesmo um carro realmente entusiasta no mercado, voltado exclusivamente ao prazer de condução. Um carro compacto, leve e de tração traseira faria a alegria de muitos. E tudo isso pode ser feito a um precinho camarada, sem exagerar na "mordida".

    ResponderExcluir
  33. RR, pensei exatamente nisso. Tá faltando um carro com uma pimentinha, o algo a mais. Outro dia me perguntaram qual seria meu segundo carro, aquele para as voltinhas de fim de semana. Respondi sem pensar: Opala, Maverick ou Chevette. Só não defini motor. Me olharam com cara de espanto, com aquele desdém - Cheveeeeetteeee???? Aí perguntei o que os três tinham em comum. Óbvio que não souberam responder. Falta um carro assim na vida desses pobres coitados...

    ResponderExcluir
  34. AK,
    Quando vi a foto do Giulia pensei, vou deixar este post pra ler em casa e não deu outra... manero demais! Legal que eu não li no trabalho.

    Vc falando sobre como o Giulia faz curva, lógico que não estou comparando nada, mas lembrei do meu Uninho, porque também tem esta tendência de sair de frente, que saudade gostosa! Era 1.5 e poooo... como eu deixei gente falando na Rio-Santos com aquele bichinho... hehehe

    Ainda vou ter um carro tração traseira AK! Praticamente não tenho experiência com esta configuração, mas sei que eu vou gamar... hahaha

    Estou cansado de um carro lá de casa e hoje li o tópico sobre opções de R$ 30k e não consigo tirar o 156 da cabeça, inclusive eu acho que meu sogro tem dois amigos que me poderiam vender um carro deste, bem tratado, o que vc acha da idéia? Eu sempre namorei a 156 do cara na garagem do prédio... hahaha

    Abs

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.