A MOLA


Quarenta anos de AMG
Foto: benzinsider.com

Bastante interessante o anúncio sobre uma cooperação técnica entre a AMG, divisão esportiva da Mercedes-Benz e a Ducati, conhecida como Ferrari de duas rodas.

Ao longo do tempo, sempre houve um trabalho conjunto entre Ducati e Ferrari, Bologna e Modena, vermelho e vermelho.

O que será que aconteceu?

Seria uma percepção por parte da Ducati que algo não vai bem na Ferrari, após o final do campeonato de Fórmula 1? Ou apenas uma forçada de barra como estratégias de marketing (seja lá o que isso queira dizer ) dos alemães?

Será que Valentino Rossi, que irá correr de Ducati em 2011, pode ter alguma influência nessa decisão? A Mercedes-Benz não terá Schumacher como piloto por muitos anos mais, Rossi já andou de F-1, apenas treinando, e sabe que não será jovem para sempre para ficar pendurado em cima de uma moto. Estaria a AMG planejando um novo emprego para esse impressionante piloto, e já se aclimatando a um esquema de trabalho latino?

Devemos lembrar que por muitos anos a AMG conviveu com a latinidade de Domingos Piedade, que foi presidente da subsidiária. O português foi empresário de Emerson Fittipaldi, e mais tarde representante europeu do empresário de Ayrton Senna, sendo o pivô principal para a ida do piloto brasileiro para a Lotus.

O fato é que está começando a acontecer uma parceria ítalo-germânica, coisa difícil de imaginar quando se conhece um pouco dos dois povos.

O comunicado para a imprensa da AMG diz que inicialmente apenas na publicidade e eventos para divulgação e vendas, com a AMG sendo um dos patrocinadores do time Ducati no MotoGP já em 2011.

Se funcionar bem (e isso já deve estar planejado), trabalhos de desenvolvimento técnico podem ocorrer.

Com a Ferrari, o trabalho principal era de combustíveis e lubrificantes, junto com a Shell.  É de se imaginar que os regimes de rotação atingidos por superesportivos como o 458 Italia tenham sido possíveis com a experiência de um fabricante de motos. Tá bom, eu sei, a Ferrari faz motores de Fórmula 1 há 60 anos, mas nada impede de melhorar a experiência com as lições aprendidas por um fabricante de motos, correto?

Seria por aí a intenção da AMG? Fazer motores menores e que funcionem em rotações médias mais altas, para obter melhores resultados de consumo e emissões de poluentes?

Teria a AMG, e claro, a Mercedes-Benz, a intenção de retornar com os comandos de válvulas desmodrômicos para automóveis, tecnologia dominada pela Ducati e usada em produção há anos? A Mercedes utilizou esse conceito de comando de válvulas sem molas para fechamento nos carros de corrida dos anos 50, o último e mais famoso deles o 300 SLR, que ao ser transformado para uso de rua como 300 SL perdeu essa característica.

São muitas perguntas que fazemos, e poucas respostas, que só virão com o tempo.

O interessante é esse óbvio complemento de culturas, carro e moto, italianos e alemães. De não se acreditar que seria ao menos pensado, há alguns anos. Mas o tempo nos faz ver coisas inacreditáveis mesmo.

E depois de ver um MG chinês, eu acredito em qualquer coisa no mundo da mobilidade. Aliás, em qualquer coisa, em qualquer mundo. O ser humano endoidou de vez, guiado pela " Grande Mola", o dinheiro. Ou não endoidou, é apenas o curso normal do aprendizado humano, em busca da perfeição?

Será que tudo se resumiria a acabar com as molas nos comandos de válvulas? Ou é apenas a Grande Mola monetária o motivador ?

Vamos acompanhar de perto, o resultado deverá ser bom e entusiasmante, para duas e quatro rodas. Assim esperamos.


foto: wallpaper4me.com

JJ

6 comentários :

  1. Olá Juvenal !

    Acredito que somente é a grande mola(dinheiro) que gira o mundo mesmo.

    Mas vendo por outro lado, se essas marcas passam para mãos tão "diferentes", mas se conseguirem manter suas características e tradições da própria marca, tá valendo, não importa quem é o dono.

    Só acho que a Ducati com um V8 supercharger AMG não cairia muito bem...rs

    ResponderExcluir
  2. Ferrai já não anda bem das pernas, não faz mais carro bom na F1 já a algum tempo, os de rua andam dando muito problemas e pegando até fogo aos montes, acho que a casa de Maranelo não durará muito desse jeito. Ruim assim para quem associar a marca a Ferrari hoje em dia, até os primos de casa, como a Ducati.

    ResponderExcluir
  3. Gostei da notícia quando li.

    Seráque agora a Ducati fará uma moto 6 cilindros pra competir com a BMW 1600 GT e a AMG fará um carro leve e com motor girador?

    ResponderExcluir
  4. Muito interessante. Como ficaria o patrocínio de Fiat e AMG juntos na Ducati? Ou o Rossi não mais tera patrocínio FIAT?

    ResponderExcluir
  5. AMG C63 DESMO

    Ducati 1098 Kompressor

    aiai...

    ResponderExcluir
  6. Acho que eh pura e simplesmente parceria comercial.
    O patrocinio da Fiat com a Yamaha foi por causa de Rossi, nao ha duvida. Mas continua por causa de Ben Spies, que eh americano.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.