AUTOENTUSIASTA NA TV



Sei que alguns leitores não apreciam, mas este que vos escreve apareceu em uma das reportagens do programa Auto Esporte, da TV Globo, neste último domingo.

Para a produção do programa havia a necessidade de um motorista que tivesse o hábito de carregar uma mini-oficina no porta-malas do carro. Para mim, foi uma oportunidade e um prazer em participar.


E entre as duas pontas, o amigo autoentusiasta Alexandre Murad, muito conhecido no meio de carros antigos, que permitiu este encontro.

A produção queria originalmente um personagem "super-prevenido", termo que não foi usado na versão final da reportagem. A ideia partiu de uma estatística da Ecovias, mostrando que mais de 95% dos atendimentos por pane mecânica feitos pelo socorro da concessionária das rodovias do sistema Anchieta-Imigrantes, no Estado de São Paulo, eram causados por problemas menores, que poderiam ser resolvidos com ferramentas e peças bem simples.

O "super-prevenido" seria a antítese dessa grande maioria de motoristas desprevenidos. O problema para a produção foi achar esse motorista.

A maioria dos conhecidos do programa que ainda possuem esse hábito eram donos de carros antigos, cheios de manhas, e que invariavelmente pedem uma intervenção no meio da rua. Estes, a produção não queria., mas alguém com um carro mais normal, e uma pessoa com este hábito é cada vez mais rara de ser encontrada. Contataram o Alexandre, e ele passou meu contato para a produção.

A gravação foi feita há bastante tempo, pouco antes da Copa do Mundo, e o resultado está aqui.

Antes que alguém me pergunte, não tenho tanto receio do meu carro quebrar no meio da rua. Minha velha perua é uma princesinha tratada com todo carinho, como merece qualquer carro de alguém que se considera um autoentusiasta.

Muito do que tenho o hábito de carregar é para ajudar conhecidos que entram em dificuldades exatamente por não terem alguma peça ou ferramenta apropriada à mão. E como isso é comum!

Também é possível ver, em dois pontos do vídeo, que pego um FlexCalc do porta-luvas. O FllexCalc é uma iniciativa do Bob Sharp e minha. Quem quiser conhecer o produto, veja o site aqui.

Espero não tê-los decepcionado.

AAD

Obs: Alexandre, obrigado pela indicação. Foi um prazer participar. Fico te devendo essa.

41 comentários :

  1. AAD,

    Ficou legal para caramba. Voce leva jeito de artista.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Hahaha!

    Minha Belina já precisou de uma "ajuda" desta "mini oficina" carregada na traseira da Ipanólia. Episódio da troca da bobina. Logo depois que instalei o turbo nela, lembra? Você, o Over, Led e eu, no estacionamento do Bob's...

    :D

    Legal, André! Verei o vídeo agora.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Dois anos atrás o RJTV fez uma reportagem comigo, falando de carros antigos malconservados que andavam pelas ruas, o meu exemplo foi de como se podia ter um antigo sem ser relaxado com a manutenção.

    Na época tinha acabado de fazer uma viagem até Salvador com meu Fsca 76 (pra quem conhece sabe que o carrinho tira isso de letra), então a mala tava cheia de "repuestos", a idéia que passou na reportagem é que os donos de automóveis atualmente, mesmo os novos, não se preocupam com a manutenção, deixando por conta do acaso, torcando que quando enguiçarem o bendito do celular tenha sinal pra chamar o guincho da seguradora.

    Prevenido morreu de velho... hehehehe

    Aqui o link da reportagem, gravei e salvei no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=ndAGH-AIiiI

    ResponderExcluir
  4. Por acaso os carros antigos são anormais?

    ResponderExcluir
  5. Carros com carburador e distribuidor as vezes nos deixam na mão, mas com umas ferramentas basicas quase sempre da pra dar um jeito e prosseguir, mas carros com injeção eletrônica ai o bicho pega, mas um kit básico com duas chaves de fenda + alicate , fita isolante alguns fusíveis e principalmente um cabo chupeta pode resolver grande parte dos defeitos,meso nos modernos e ocupa pouco espaço no porta malas, isto se voce é daqueles que fazem manutenção regularmente, se não so no celular mesmo !

    ResponderExcluir
  6. Dantas,

    Vi sua Ipanema, muito legal.

    Pena que a matéria tenha dado a impressão de que levar ferramentas no porta malas seja inútil nos dias de hoje...

    Quando faço longas viagens a malinha de ferramentas e garrafinha d´agua são elementos principais.


    Muita coisa pode ser feita em carros com injeção eletrônica. Deviam mudar esta imagem...

    Parabéns!

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  7. O Auto Esporte tem melhorado muito, sei que é muito comercial, mas isso é normal, afinal eles custam caro mesmo.

    Sobre a matéria, achei muito bacana, se algumas pessoas procurassem conhecer o mínimo necessário e tivesse o básico de ferramentas, evitaria muitos problemas como os citados na matéria.

    ResponderExcluir
  8. AAD
    O repórter ter dito que os cabos auxiliares para interconectar baterias em caso de a do carro estar descarregada e assim poder dar partida no motor, é para carregá-la, é brincadeira...Lamentável. Esse programa é assistido por milhões de pessoas.

    ResponderExcluir
  9. Eu assisto de quando em vez, só para rir das besteiras que falam.

    ResponderExcluir
  10. Francisco V.G.03/11/10 12:34

    AD
    Bacana. Gostei da sua Ipanema, agora, esse programa AE... Uma piada. Nem perco meu tempo nisso.

    ResponderExcluir
  11. Legal André, bom mesmo ver gente conhecida por lá.

    ResponderExcluir
  12. Legal, eu nunca mais vi esse programa depois de ver tanta matéria paga só elogiando os carros apresentados, mas coincidentemente meu pai estava aqui em casa e queria assistir, então assisti depois de muito tempo.
    Legal saber que é um autoentusiasta, pena que o comentário que eu ouvi foi "mas também, com essa ipanema velha tem mais é que andar com ferramentas"... ah... mal sabia que era apenas mais um autoentusiasta que cuida bem de seu carro independente de quantos anos ele tem.

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Legal o fato de ter participado. gostei da Ipanema. Estrou planejando fazer uma maletinha simples para a "frota", cada ferramenta que compro, compro triplicado. Uma pra casa e uma pra cada carro.
    E não sei se o apresentador é mais burro ou mais irritante com aquela voz... Uma vez ele pegou o trem no canal da mancha e para desembarcar o bólido do mesmo saiu segurando o volante ordenhando vaca.

    ResponderExcluir
  15. Kit básico para carros com Injeção Eletrônica:

    1.Maleta de Ferramentas (ao menos com as mais utilizadas);
    2.Cabo "Chupeta";
    3.Lâmpada com ganchos, para conectar à bateria;
    4.Fusíveis e relés;
    5.Multímetro;
    6.Manual da Mecânica 2000 (ou similar) do seu próprio carro.

    Tudo isso não ocupa muito espaço e, sabendo usá-los, as chances de ficar no meio da rua diminuem consideravelmente.

    ResponderExcluir
  16. A cultura do "faça você mesmo" está cada vez mais fraca no Brasil. Incrível como as pessoas dirigem a mais de 100km/h uma máquina cujo funcionamento ignoram, mesmo que hoje seja obrigatório aulas de mecânica básica (bem básica) pra tirar CNH. É a cultura do "ignoro o que não gosto", eu chamo de "é bonito ser topeira".

    ResponderExcluir
  17. Esse André parece ser gente boníssima. Valeu a matéria. Bob, se o cabo não é pra carregar a bateria, pra que é? Boss MRM

    ResponderExcluir
  18. Marcelo Augusto03/11/10 20:11

    Não levo peso morto no carro, acho uma bobagem essa obrigatoriedade de andar com estepe e macaco, extintor nem se fala. A engenharia se mata para perder uns quilinhos, aí põe-se tudo a perder no Brasil.

    ResponderExcluir
  19. Anônimo/Boss MRM
    Os cabos servem para alimentar o sistema elétrico do carro que está com a bateria descarregada, para isso usando a energia de outra, de outro carro, por exemplo. Isso possibilita dar partida no motor, com o quê o gerador de corrente imediatamente se encarrega de alimentar todos os sistemas do carro. Os cabos podem então ser retirados e o motor se mantêm em funcionamento. Um cuidado a tomar é sempre ligar positivo com positivo e negativo com negativo. Caso contrário, positivo com negativo e vice-versa, haverá grande aumento de tensão, podendo haver queima de itens importantes como o módulo de comando eletrônico do motor. Primeiro liga-se o positivo e depois o negativo. Ao retirar os cabos, ordem inversa, primeiro o negativo.

    ResponderExcluir
  20. Marcelo Augusto
    É importante a questão do peso morto. Isso envolve até andar com o tanque com muito combustível. Um litro de etanol pesa 0,8 kg.

    ResponderExcluir
  21. Bob, se entendi então a bateria descarregada serve somente como passagem para a energia da bateria carregada. E portanto não é carregada pelo cabo. Obrigado pelas informações. Boss MRM

    ResponderExcluir
  22. Ficou show de bola a reportagem André! Os jornalistas sempre distorcem um pouco as coisas e sempre tem um "vacilo" na parte técnica.
    Não existe "orçamento" para revisão técnica.

    Você e o bob aceitam uma idéia sobre o flexcalc? Quero
    10% heim!!! KKKK
    Me manda um e-mail q eu te passo.
    lawrencejorgers@yahoo.com.br
    Se vc aceitar a minha idéia pode ficar rico! Abraços

    ResponderExcluir
  23. Anônimo/Boss MRM
    Exatamente.

    ResponderExcluir
  24. Marcelo Augusto04/11/10 01:55

    Bob,

    O senhor sabe explicar porque o manual de alguns carros indica instalar o negativo do cabo no ponto terra ou outro ponto metálico distante da bateria do carro sem carga?

    ResponderExcluir
  25. Marcelo Augusto
    Talvez seja para não haver possibilidade de confusão, dentro do que falei sobre inversão. Tanto faz ligar o cabo negativo no borne negativo da bateria descarregada quanto em algum ponto metálico do veículo.

    ResponderExcluir
  26. Legal mesmo o vídeo, apesar do comentário equivocado do repórter.

    Eu tenho meu kit de ferramentas básicas para eventuais emergências, mas o do André é completíssimo!

    Mas Bob/André, uma dúvida (desculpe, mas é que sou "tapado" para eletrônica/eletricidade...): deixando ambas as baterias conectadas, não haveria passagem de "carga" (elétrons) da bateria carregada para a descarregada, mesmo que lentamente? Se não, como funciona então o sistema de carga via gerador? Se o assunto for extenso, não se preocupe com detalhes, basta um sim ou não que me dou por satisfeito (não adianta detalhar muito, devo ter bloqueio mental para eletrônica, só pode ser!)

    Abraço!

    ResponderExcluir
  27. Road Runner,

    Ligar os cabos positivo com positivo e negativo com negativo ligará as baterias em paralelo.

    Isto fará os elétrons da bateria boa passarem para a outra bateria num sentido que irá carregá-la. Para isso, a bateria boa terá que ter maior tensão que a ruim.

    Mas é muito melhor, até para não descarregar a bateria do carro auxiliar, usar a bateria boa para dar a partida e deixar o alternador do próprio carro carregando a bateria descarregada.

    Acredito que carregar uma bateria descarregada usando outra em bom estado demoraria um bom tempo, pois uma bateria descarregada tem muito pouca tensão a menos que uma carregada. O alternador fornece 14 volts, contra 12 da bateria boa.

    ResponderExcluir
  28. Patrick,

    Obrigado pela explicação.

    É fato que não é nada inteligente usar uma bateria para carregar outra, sem haver um gerador funcionando (por exemplo, se uma bateria está com 8V e a outra com 12V, ao final da estabilização teríamos as duas com 10V, ou seja, problema dobrado...) Mas minha dúvida era somente se haveria mesmo corrente da bateria mais carregada para a outra, com menos carga. Como isso é o básico da eletricidade, se não fosse fato desistira de vez de entender eletrônica e afins!

    Abraço,

    RR

    ResponderExcluir
  29. Por falar em bateria, duas dicas que a maioria já deve saber.

    Caso não tenha cabo de chupeta, pode se retirar a bateria ruim do carro com problemas e colocar a bateria boa de outro carro só para dar a partida. Depois, com o carro já funcionando, retira-se a bateria boa e coloca-se a velha no lugar. Haverá um intervalo de tempo que o motor funcionará sem bateria. Deve se tomar cuidado com os cabos, principalmente com o positivo (vermelho) não encostar em nada.

    Outra técnica é fazer pegar no tranco. Empurre o carro o mais rápido que puder, engate uma segunda marcha e solte a embreagem de em um tranco.

    Se seu carro for carburado não há maiores problemas.

    Se for à injeção, verifique se a bomba de combustível funciona (deve haver um zumbido quando se liga a chave). Caso contrário será necessário injetar um pouco de combustível no coletor. Quanto a preocupação com o catalizador não vejo fundamento, ele é resistente o suficiente para aguantar este procedimento.

    Mas de qualquer forma, tendo o cabo de chupeta fica tudo mais fácil.

    Um abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  30. Patrick
    Obrigado também por esclarecer a dúvida do Road Runner.

    ResponderExcluir
  31. Road Runner
    Nos carros com alternador não se pode retirar a bateria enquanto o motor está fucionando, pois haverá um aumento de tensão que invariavelmente danificará os retificadores do alternador. Tentar fazer pegar no tranco será infrutífero no carros a injeção, pois é preciso um mínimo de 10 volts para a bomba elétrica funcionar. Já o alternador necessita de corrente elétrica para alimentar o campo do rotor e poder gerar corrente. Nos carros atuais o pegar no tranco só tem efeito se houver defeito no motor de partida apenas, estando bateria e sistemas de alimentação e injeção em ordem. Ter no carro um jogo de cabos para conectar outra bateria - de um carro parado ao lado ou de uma bateria isolada - é uma boa providência para ajudar a si próprio ou aos outros.

    ResponderExcluir
  32. Meu carro não é antigo nem velho mas carrego sempre um estojo com ferramentas básicas, fita isolante, abraçadeiras plásticas, fuzíveis, cabo de chupeta e uma cópia do manual.
    Hábito adquirido com carros antigos.
    E, com o eventual auxílio de um guincho da seguradora, nem precisaria de nada. Mas gosto de eu mesmo mexer onde der, delicioso vício...

    ResponderExcluir
  33. Bob,

    Legal sua explicação.

    Pena que teoria e prática não caminham juntas.

    Um abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  34. Bob,

    Obrigado pela complementação da explicação. Agora compreendi porque, quando criança, certa vez não foi possível que meu pai fizesse um Opala pegar no tranco. O carro passou a noite com as lanternas acesas e, pela manhã, mal se acendiam as luzes espia no painel.

    Mesmo "jogando" o carro ribanceira abaixo nada do motor funcionar. Provavelmente a carga da bateria estava tão baixa que o alternador não era capaz de gerar energia. Lembro que veio um eletricista, fez a tradicional "chupeta" e o carro pegou de pronto. Foi preciso trocar a bateria do Opala, pois a antiga não pegava mais carga de forma alguma.

    Abraço!

    RR

    ResponderExcluir
  35. André Dantas, parabens pela participação!

    A grande verdade é que, apesar de terem se tornado descartáveis no longo prazo, os veículos atuais exigem cada vez menos manutenção principalmente quando novos.

    A maioria dos sistemas mecânicos de alto desgaste e baixa confiabilidade como o dínamo, platinado, distribuidor, o próprio carburador e até mesmo cabos de vela vêm sendo substituídos em prol de alternativas mais robustas e que não sofram tanto com regulagens e intempéries.

    E os fabricantes estão certos, afinal o automóvel vem se tornando mundialmente cada vez mais barato e acessível, sendo portanto crescente a quantidade de motoristas sem quaisquer habilidades mecânicas a utiliza-los como meio de transporte (e não apenas objetos de diversão ou adornos de masculinidade).

    Com disso, normas e padrões de segurança e qualidade cada vez mais exigentes tornam esses novos equipamentos sujeitos a um desenvolvimento cada vez mais voltado à praticidade de uso por um leigo.

    Mesmo equipamentos insuspeitos como pneus evoluiram um bocado.. vocês lembram da última vez que tiveram um pneu furado?

    Quanto ao programa: Será que o programa Auto Esporte está voltando a honrar o nome da publicação da qual pega o nome emprestado?

    Porque eu já tinha desistido de assisti-lo, se quiser ver propaganda e press release da Hyundai eu vou no site deles...

    Aliás pra quem ainda não conhece, tem um programa muito legal na Rede TV chamado AUTOMAIS, esse sim um programa reconhecidamente entusiasta - mesmo que como qualquer programa de automóveis de TV aberta, acabe pecando pela abordagem simplista, eles pelo menos testam veículos interessantes, mesmo os clássicos ou fora de catálogo. Todo domingo a partir das 14h - um ótimo horário, dá pra acordar tarde sem o risco de perdê-lo, e se vou pra praia cedo dá tempo de chegar em casa.

    Que fique claro que não tenho qualquer relação com a RedeTV ou quaisquer envolvidos no programa, é apenas uma dica aos amigos.

    []'s!

    ResponderExcluir
  36. Quanto ao "Kit de Primeiros socorros" acredito que além de chave de roda e macaco, uma chave phillips de cabo longo (preferencialmente com ponta magnética), um alicate tamanho grande (que consiga desatarrachar porcas tamanho entre 8 e 11, os mais comuns) e alguns fitilhos (tambem conhecidos como zip ties) já dão conta de 90% dos problemas.

    Aproveitando as dicas, segue outra muito boa: Dificilmente alguem anda com cabo de chupeta no porta-malas, certo?

    Caso o AUTOENTUSIASTA pare pra ajudar um carro com a bateria zerada, minha dica é: Retire a bateria (boa) do seu veículo e use as CHAVES DE RODA de ambos os carros para conectar diretamente os bornes de sua bateria à do outro veículo.

    Com uma pessoa dando a partida no veículo, enquanto uma segunda deixa os terminais da bateria boa em contato com os terminais da bateria ruim (+ com + e - com -) certamente haverá ignição, e caso não haja problemas na geração de corrente, o alternador do veículo "paciente" acaba dando conta de carregar a bateria ruim.

    Só não se assustem com as faíscas!

    Alternativamente podem ser usadas chaves de fenda compridas ou mesmo os ganchos de metal para reboque que vêm junto do macaco, mas a chave de roda costuma ter o tamanho e formato ideal pra esse tipo de tarefa.

    Aun,

    Minha experiência com carros com bateria zerada (devido a falha de motor de arranque) é que não é possível um veículo com injeção eletrônica continuar funcionando sem bateria, mesmo que por alguns segundos.

    Afinal, não apenas as velas dependem de energia, mas a bomba de combustível e os próprios bicos injetores são elétricos, dependendo portanto de alguma fonte de tensão.

    Nesse caso, caso não seja possível fazer a chupeta, o ideal é trocar a bateria zerada por uma nova (de outro veículo), que, mesmo que não seja novamente carregada, permitirá ao veículo avariado andar mais alguns km's até que seja completamente depletada.

    Nessa ocasião, caso seja uma bateria doada por outro veículo, é só dar um tranco no "saudável" que a bateria zerada volta a se carregar. Já percorri alguns Km's dessa forma, alternando bateria ruim de outro carro com a do meu que estava boa.

    Porém isso depende de diversos outros fatores, e vale o teste (afinal, em uma situação de emergência todas as opçoes devem ser considerada)

    ResponderExcluir
  37. Errata: na parte final do post acima, por favor considerem "bateria zerada devido a falha de ALTERNADOR" e não de motor de arranque como escrevi.

    ResponderExcluir
  38. Transeunte,

    Quando li seu primeiro post imaginei o que queria dizer.

    Muitas vezes o problema no alternador é facílimo de resolver. Vale a pena tentar trocar o regulador de tensão antes de qualquer coisa. É uma peça que custa pouco e geralmente tem vida útil menor que o próprio alternador.

    Tirar a bateria de um carro em funcionamento não deveria ser problema tanto em um modelo carburado quanto injetado.

    Sabemos que a bateria é um armazenador de energia. Depois que ela girou o motor de arranque e o motor funcinou em marcha lenta, ela deixa de ser um elemento ativo para ser um elemento passivo, ou seja, só recebe carga para a próxima partida.

    Em muitos carros antigos, a marcha lenta não é suficiente para carregar a bateria por conta do desgate natural do alternador. As vezes, quando se liga um farol ou som de alta potência a bateria entra auxiliando na falta de "força do alternador."

    Ponto.

    Para comprovar isso, o cabo que vem da alternador para recarregar a bateria é o mesmo ligado a caixa de fusíveis que vai alimentar consequentemente todo o sistema elétrico do carro

    Retirar a bateria não fará diferença se o alternador estiver trabalhando e alimentando o sistema elétrico do carro como: bomba de combustível, injeção eletrônica, velas, etc...

    Agora se o alternador já está baleado e a bateria descarregou por conta disso não há muito o que fazer. Mas se o problema no alternador é leve, basta manter o giro um pouco mais alto e fazer a troca.

    Em uma situação de emergência deve funcionar para a maioria dos casos na falta de um cabo de chupeta.

    Até a chave de roda comentada antes funciona, mas acho um pouco perigoso. Como sabem é um improviso que pode, mas não deve ser usado.

    Um abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  39. O link da repotagem nao esta mais funcionando.... tem no youtube nao?

    ResponderExcluir
  40. Lukinhas.killer10/12/11 15:09

    meu pai é mecanico então erdei isso dele, sempre uma caixa na mala, com varias chaves, alicates, um fio grande, parafusos e etc....
    além do cabo de chupeta!

    a questão tbm não é só levar as ferramentas, mais na auto escola ensinarem um basico de pelo menos identificar possiseis causas e como reparar!
    ------------------

    outra coisa quanto a baterias, é preigoso tirar a bateria com o carro em funcoinamento pois a bateria serve de referencia pro alternador.... tirando a bateria o alternador não tem um valor "base" e pode passar dos 16v ou mais!

    []s





    []s

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.