Novo AUTOentusiastas. Nova casa, com a mesma essência!

Caros leitores,

A grande maioria de vocês nos acompanha desde 2008. Muitos que nos conheceram no meio do caminho nos enviam mensagens dizendo que voltaram no tempo lendo todos os posts até o início. Isso é muito gratificante, pois todo o conteúdo do Ae sempre foi feito com dedicação e carinho, além da seriedade, rigor técnico, veracidade das informações e uso correto da nossa língua nativa, elementos que nos nortearam desde o início.

E com grande satisfação anunciamos que a partir de hoje, dia 1º de julho, estamos esperando todos vocês na nossa nova casa, o site autoentusiastas.com.br.

Mas antes de falarmos do site gostaríamos de dividir com vocês algumas informações sobre o Ae.


Como surgiu o Ae

No final dos anos 1990, um grupo de apaixonados por automóveis com grande experiência em diversos setores do mundo automobilístico, incluindo jornalismo especializado, engenharia, comunicação, marketing, Direito, fotografia e muita experiência prática, formaram um grupo fechado para discussão, debates e troca de conhecimento sobre diversos temas relacionados ao mundo do automóvel. Em agosto de 2008, depois de anos acumulando experiências, o grupo percebeu que o conteúdo gerado nas discussões seria de grande interesse para outros apaixonados por carros e decidiu tornar o seu conteúdo público. Assim, surgiu o blog AUTOentusiastas ou simplesmente Ae , na sua forma abreviada.

Nosso objetivo principal sempre foi, e continuará sendo, o compartilhamento de um conteúdo único e diferenciado, para alimentar a paixão comum entre os editores e os leitores.


O que significa entusiasmo

A palavra ‘entusiasmo’ vem do grego e significa "ter um deus dentro de si". Os gregos acreditavam em vários deuses. A pessoa entusiasmada era aquela "preenchida" por um dos deuses e por isso poderia transformar a natureza e fazer as coisas acontecerem. Assim, se você fosse entusiasmado por Deméter (deusa da Agricultura), você seria capaz de fazer acontecer a melhor colheita, e assim por diante. Segundo os gregos, só as pessoas entusiasmadas eram capazes de vencer os desafios do cotidiano, criar uma realidade ou modificá-la. Portanto, era preciso entusiasmar-se, ou seja, abrigar um deus em si! Por isso, as pessoas entusiasmadas acreditam em si, agem com serenidade, alegria e firmeza. E acreditam igualmente nos outros entusiasmados. Não é o sucesso que traz o entusiasmo, é o entusiasmo que traz o sucesso.


Quem faz o AUTOentusiastas

O AUTOentusiastas é feito por um time de vários editores, especialistas em diversos assuntos, que têm características e personalidades únicas, trazendo uma grande diversidade sobre o tema automóvel e unidos por uma paixão que também envolve os leitores. Os editores têm liberdade para escolher os temas e abordagens, o que proporciona um caráter pessoal e muitas vezes emocional, baseados na vivência de cada editor. O editor-chefe do Ae é o experiente Bob Sharp, que é responsável por garantir a qualidade, tanto no conteúdo quanto na escrita, e o rigor técnico além da assiduidade e pontualidade de todo conteúdo publicado. O corpo de editores, em ordem alfabética, compreende: Alexander Garcia, André Dantas, Arnaldo Keller, Bob Sharp, Carlos Maurício Farjoun, Carlos Meccia, Felipe Madeira, Josias Silveira, Juvenal Jorge, Marco Antônio Oliveira, Marco Aurélio Strassen, Milton Belli, Paulo Keller, Portuga Tavares, Rex Parker, Roberto Agresti, Roberto Nasser e Wagner Gonzalez.


Desde 2008, se tornando referência

O AUTOentusiastas tem o compromisso de colocar no ar pelo menos um post por dia, que atualmente entra as 12:00. Todos os editores têm o Ae como uma atividade paralela e não como um meio de vida, embora nosso editor-chefe, o Bob Sharp, se dedique quase que integralmente não só aos seus posts próprios mas também garantindo a qualidade e pontualidade de todo o conteúdo do AUTOentusiastas.

Aos poucos o Ae foi conquistando seu espaço e hoje é reconhecido tanto pelos leitores como pelos fabricantes de automóveis e motos, além de outras publicações do gênero, como uma das referências no assunto. Tanto é que já faz um bom tempo que somos convidados para os principais lançamentos e eventos de prestígio.

Vejam alguns números:
  • 3.720 postagens
  • 159.000 comentários
  • mais de 270 testes de lançamentos
  • 4,6 milhões de visitantes únicos
  • 8,2 milhões de visitas
  • 16,6 milhões de pageviews


O que o AUTOentusiastas representa

Recentemente fizemos duas pesquisas com leitores, uma no Facebook, mais simples e direta e que nos motivou a fazer uma segunda, mais aprofundada, com 450 leitores. Os resultados dessas pesquisas nos mostraram que estamos no caminho certo em termos de conteúdo. E também que nosso leitores são maduros, com alto nível de educação e cultura, um excelente nível profissional, possuem muito conhecimento no assunto e são referências em seus círculos de amizade. Também notamos o caráter de degustação do nosso conteúdo que é esperado diariamente.

E por isso nos orgulhamos do prestígio que temos junto aos leitores, que nos brindam com comentários de alto nível que nos proporcionam uma troca de conhecimento inigualável. 




O AUTOentusiastas nas mídias sociais

Desde o início de 2014 decidimos expandir um pouco mais os meios de acesso ao Ae através de uma participação mais ativa nas mídias sociais e com isso temos reforçado o conteúdo nos principais canais.




Evolução

Em agosto de 2013, quando completamos cinco anos, tomamos a decisão de mudar o AUTOentusiastas de blog para site. Sabemos que o caráter de blog, com muita independência e num ambiente bem descontraído e próximo dos leitores, é algo muito apreciado.

No entanto, a plataforma do blogger, onde estivemos desde o início, apresenta algumas limitações. Além disso, como o AUTOentusiastas tomou grandes proporções e requer investimentos para continuar evoluindo e atendendo a demanda dos leitores.


O novo site autoentusiastas.com.br

A partir de hoje já estamos na nossa nova casa. Foram meses de discussões e com alguns acidentes de percurso para chegarmos a um formato que atendesse a alguns critérios. Nossa idéia foi mudar o mínimo possível a aparência geral e manter a leitura dos posts limpa e agradável. E principalmente não perder o nosso caráter único. A nova casa do Ae foi desenhada para continuar a agradar os leitores.


Logotipo

Uma das grandes dificuldades que tivemos foi a mudança do logo/testeira original, que apesar de muito simples, era a cara do Ae e todo mundo sempre gostou. Mas como a intenção era realmente demarcar uma nova fase decidimos mudar. O novo logo foi desenhado como o emblema ou identificação de um carro. Simples e direto.




Inicialmente seria aplicado sobre um fundo com aparência de fibra de carbono. Mas achamos que faltava uma conexão mais direta com o blog e decidimos manter a imagem do Corvette.




Coluna central

É aí que está o conteúdo do Ae. Também optamos por fazer algo simples e direto e mantendo a dinâmica atual com novos posts entrando sempre no topo da página, sem rotação de destaques, pois cada novo post é um destaque.

A novidade está no campo últimas notícias. Já faz algum tempo que estamos selecionando e comunicando notícias relevantes que antes entravam na seqüência dos posts. Porém o conteúdo das notícias é diferente do conteúdo mais elaborado dos posts feitos pelos editores, sendo estes o nosso foco principal. Diferente de quase todas as publicações, não temos a intenção de bombardear os leitores com repetição do que é publicado massivamente em toda a internet. Esse é um caminho fácil para se obter muitos pageviews, mas certamente não é o nosso caminho.

Logo após esse bloco de notícias temos mais cinco posts. Ao todo são 7 posts na página inicial, uma semana, além de quatro notícias recentes. Como sabemos que os leitores consultam o Ae diariamente ou com uma frequência no máximo semanal, o conteúdo da página inicial é suficiente para que os leitores não tenham que ficar mudando de página para buscar o conteúdo mais recente.


Os posts/comentários

Decidimos manter a formatação praticamente igual a utilizada no blog. Tivemos um ganho significativo na exibição das fotos, que agora podem ser vistas em tamanho grande, dependendo do tamanho da foto original postada, e em slideshow. Ainda levaremos um tempo até que todos editores se familiarizem com as formatações e com a adição de legendas nas fotos exibidas em slideshow. Mas logo acertaremos isso.

Um ponto importantíssimo para nós e para os leitores são os comentários. Como não há como fazer testes antes do site ir à rede, possivelmente teremos que fazer ajustes relativos à dinâmica e moderação dos comentários. Por isso pedimos que sejam pacientes nas primeiras semanas e não deixem de comentar, pois só assim poderemos corrigir eventuais problemas.

Ainda com relação aos comentários, durante a migração de todos os posts anteriores, uma de nossas maiores preocupações, alguns comentários não foram importados. Principalmente os feitos nos posts mais recentes. Estamos trabalhando para trazê-los para o site também mas contamos com a sua compreensão.


Coluna da direita 

Aqui também tentamos manter a simplicidade. A grande novidade são os espaços publicitários, um no topo dessa coluna e mais dois menores mais abaixo (além do espaço no formato horizontal no início da página).

Como destaque temos um bloco com os últimos testes. Nesse espaço teremos sempre as dez últimas avaliações, quer sejam testes feitos durante os lançamentos de novos modelos, como os tradicionais "No uso", que têm feito muito sucesso.

Logo depois de um pequeno espaço publicitário temos um bloco com os posts mais lidos nos últimos 30 dias. É interessante tanto para os leitores quanto para os editores saber o que está fazendo sucesso.

Descendo, passamos por mais um espaço publicitário e entramos no bloco das mídias sociais.

No primeiro bloco temos o link para o Facebook, que julgamos ser uma maneira muito boa de se manter atualizado e também de compartilhar o conteúdo do Ae com seus amigos entusiastas. Aproveite e curta nossa página!

Atendendo a pedidos e sugestões dos leitores, estamos investindo em melhorias dos nossos vídeos. E com isso também na manutenção do nosso canal no YouTube. Agora os últimos vídeos publicados no nosso canal podem ser acessados diretamente do site. Também sugerimos a inscrição no nosso canal!

E por fim o bloco com nossas fotos no Instagram, uma maneira divertida de compartilhar imagens relacionadas ao nosso mundo. Também gostaríamos de tê-los como seguidores.

Todas as mídias sociais também podem ser acessadas pelos seus respectivos links no topo da página a direita.


Coluna da esquerda

Aqui está talvez a principal novidade que atende a pedidos de muitos leitores. São dois blocos. O primeiro com os principais assuntos, que facilita as pesquisas de posts de mesma natureza e de maior interesse. O segundo o acesso aos posts referentes aos seus respectivos editores.

Aqui também tivemos muitos problemas na importação. Na importação dos mais de 3.700 post do Blogger não há como atribuir o conteúdo importado a diversos usuários (no caso os editores do Ae). Depois de importados fizemos uma distribuição com base na assinatura dos posts. Mas há muitos posts sem assinaturas ou elementos que possam ser atribuídos unicamente ao seu respectivo editor. Então muitos posts foram atribuídos ao usuário administrador do site que é nomeado como AUTOentusiastas.

A mesma dificuldade ocorreu para a classificação dos assuntos. Em ambos os casos estamos verificando se há uma maneira de fazer isso que não seja braçal. E se não descobrirmos, vamos aos poucos fazer as correções.

Houve também muita discussão sobre se deveríamos lançar o site faltando esses pequenos ajustes. Mas por fim, decidimos duas coisas. Lançar o site e fazer as correções ao longo do tempo, e deixar todo o conteúdo do blogger também disponível. Apenas lembramos que a partir de hoje não haverá novos posts no blog.


Uma nova etapa

Com o lançamento do site iniciamos uma nova etapa no Ae e temos muitos planos. Alguns deles só serão viáveis a medida em que tivermos sucesso com o espaço publicitário, que a partir de agora está disponível de maneira profissional. Trata-se de espaços muito atraentes para os anunciantes e que certamente serão revertido em melhorias e novidades para o site.

Vale a pena destacar que a disponibilidade desses espaços em nada interfere, como não poderia deixar de ser, na nossa linha editorial, que segue isenta, respeitando as opiniões dos editores, e principalmente, feita para os leitores.

Bem, a partir de agora temos uma grande satisfação de recebê-los na nossa nova casa. E quando dizemos nossa, é nossa, dos editores e, claro, de vocês.

Sejam bem-vindos!

Um forte abraço,
Equipe do AUTOentusiastas
www.autoentusiastas.com.br
Foto: autor


A placa acima encontra-se na rodovia RJ 157, um trecho pequeno que sai da Via Dutra (BR 116) na altura de Barra Mansa (RJ) e que na divisa com o Estado de São Paulo emenda na SP 064, que leva a Bananal (SP). Mais do que curiosa ou mesmo engraçada, a mensagem entristece, ao mostrar que temos um longo caminho a percorrer para sermos classificados como nação avançada. Usar o acostamento como depósito de qualquer coisa, ou até mesmo como lixeira, é inconcebível. Entretanto, acontece, obrigando a colocação de uma placa como essa.

Ainda está fresca na memória de muitos a cena de um grupo de torcedores japoneses recolhendo lixo deixado na área da platéia da Arena Pernambuco — cresci sabendo que arena era local para touradas, mas, tudo bem, é "muderno" — após o jogo contra a seleção da Costa do Marfim dia 14 último. Que exemplo de educação e civilidade.

Japonês recolhe lixo após o jogo (foto uol.com.br)



Uma das afirmações sobre o motor flexível em combustível (conhecido como "flex") é que ele é um "pato". Por que a associação do motor com nosso simpático amigo emplumado, que já inspirou toda uma família de personagens do Walt Disney, além do esquentado Patolino da Warner Bros.? É porque a ave em questão consegue transitar pelos três ambientes: terrestre, aquático e aéreo. O pato anda, nada e voa, embora não consiga fazer nenhum dos três com excelência. Ele simplesmente funciona nas três modalidades, sem ser excelente em nenhuma.

Este termo, "pato", é usado para vários objetos que se propõem a ser multi-uso, mas que não conseguem fazer muito bem cada um destes usos separadamente. A culpa disso, em grande parte, é ter que abrir mão da otimização em nome do compromisso: se o pato fosse otimizado para voar (como uma águia), não nadaria. Se fosse otimizado para nadar (como um peixe), não voaria. E por aí vai. Do jeito que é, justamente por não ser otimizado para nada é que ele consegue fazer as três coisas. Foi a melhor solução que a natureza encontrou para fazer um bicho "multi-uso".

Foto: itu.com.br
Rodovia SP 280 Castelo Branco


Em 17 de novembro de 2007 foi publicada no Best Cars Web Site a minha coluna semanal "Do banco do motorista", sob  o título "Salve-se quem puder", na qual relatei o que se passou com um amigo, Luiz Henrique Alves, ex-colega de General Motors, engenharia do produto, fato acompanhado de omissão de socorro por parte da ViaOeste, concessionária da Rodovia dos Bandeirantes. Contei que o Luiz Henrique saíra de Sorocaba (SP) no dia  2 de agosto bem cedo, às 5h40, rumo a São Paulo em seu carro particular. Ainda na SP 75 "Castelinho", trecho que liga Sorocaba à rodovia SP 280 Castelo Branco, ele começou a sentir um mal-estar no estômago, que evoluiria para dores no peito e formigamento da mão esquerda.

Fac-simile da minha coluna no Best Cars Web Site

No começo ele até julgou se tratar de um simples mal-estar e resolveu seguir em frente, até à praça do pedágio no km 74 da Castelo Branco. Se o sintoma persistisse, raciocinou, pediria ali socorro, pois como usuário habitual da estrada ele sabia haver lá uma unidade de emergência disponibilizada pela concessionária. Um raciocínio dentro de toda lógica de engenheiro que é.
Corvette C7.R e Ferrari 458 Italia

O primeiro Corvette, o original de 1953, com seu anêmico motor seis-cilindros Blue Flame de 150 cv de potência bruta, não era mesmo grande coisa em termos de desempenho. Quando Zora Arkus-Duntov tomou as rédeas do programa, logo colocou um V-8 no pequeno esportivo e o sucesso foi meteórico.

Não demorou para que o Corvette emplacasse também nas pistas, com carros espetaculares e resultados que até os europeus se surpreenderam. Vendo os últimos anos, um dos grandes representantes da dinastia foi o C6.R, modelo que até o ano passado competia de igual para igual com Ferrari, Aston Martin e Porsche.

Vencedor na sua classe em Le Mans e campeão da categoria em 2012, o C6.R além de rápido mostrou-se resistente, com a confiabilidade de um V-8 Chevrolet mais do que conhecida e renomada. Criado pela Pratt & Miller, empresa americana de preparações e projetos especiais, o modelo não deixava nada a desejar em termos de tecnologia frente aos concorrentes europeus.

O Corvette C6.R da Larbre Competition em Interlagos

O V-8 de um único comando alojado no meio do "V" e válvulas acionadas por varetas e balancins é a prova de que a simplicidade ainda é o forte para provas de longa duração. Quanto mais complicados, mais peças, maior a chance de um problema ocorrer. Nos primeiros modelos de 2005, o motor era um 7-litros derivado do LS7 para a categoria GT1, depois passou para 6 litros e até o 5,5-litros da última geração, já no que era a GT2.

Neste ano, com o lançamento da nova geração do Corvette Stingray de rua, o carro de corrida também tinha que ser atualizado, e nasceu o C7.R com a nova carroceria que remete ao carro de produção. O motor manteve-se similar ao do carro anterior, 5,5-litros “varetado”, mas agora com injeção direta de combustível e sem o sistema de comando variável disponível no carro de produção.




Coluna 2614  26.junho.2014          rnasser@autoentusiastas.com.br        

Do bom Encontro de Antigos em Araxá
Encerrado o XXI Encontro Nacional de Veículos Antigos, adequadamente realizado no arquitetonicamente imponente Grande Hotel de Araxá, MG, a dúvida sobre a concorrência com outro evento em Águas de Lindóia, SP, dissipou-se. Araxá, como usualmente chamado, mostrou sua fórmula correta: veículos de qualidade; esforço para apresentar novidades; público qualificado; leilão de antigos. Dos veículos relevantes, Ferrari 212 Barchetta, restaurada no Ferrari Classiche, departamento desta fábrica para cuidar dos antigos; Bugatti 1938 carroceria Grangloff Stelvio; Alfa Romeo 2500 carroceria Boneschi, de 1950; Cadillac V-16, 1939 e, curioso e raro Cadillac 1958, sedã 4-portas sem coluna, versão Brougham, teto em aço escovado, de aparência incrivelmente leve sobre a carroceria com linhas bolhosas e excessos típicos do final dos anos 1950.

Ferrari 212 Barchetta

Alfa Romeo 2500 Boneschi

Vista do evento



A Continental aplicou no pneu ContiPowerContact (foto acima) o que classifico como o maior avanço em prol da segurança ativa, a marca TWI Wet. Como muitos sabem, a marca TWI (tread wear indicator, indicador de desgaste da banda de rodagem), em número de quatro e dispostas a 90° uma da outra, estão a uma altura correspondente a uma profundidade de sulco de 1,6 mm. Quando um pneu ultrapassa esse desgaste é considerado ilegal e leva tanto à apreensão do veículo quanto à recusa das seguradoras em saldarem um sinistro.

Só que tal profundidade de sulco, 1,6 mm, é completamente inservível em piso molhado por não drenar água, motivo para recomendarmos aqui no Ae trocar os pneus quando chegarem a 4 mm de profundidade de sulco, a metade de um pneu novo, se o objetivo é minimizar o mais possível a possibilidade de perigosa aquaplanagem. Inclusive, essa questão foi parte do polêmico post "Pneus novos na dianteira, por favor", de 3 de janeiro de 2010 (leia), uma vez que os fabricantes de pneus recomendam pneus novos atrás e os usados na frente em caso de troca de apenas dois pneus, omitindo — irresponsável e criminosamente, eu diria — o fato de que um pneu na dianteira tendo chegado à TWI ou perto dela é um sério risco à segurança pelo alto risco de aquaplanagem.

O que a Continental fez, e merece todo o aplauso do AUTOentusiastas e de quem preza a segurança ativa foi aplicar uma segunda TWI, a TWI Wet (molhado), que corresponde a uma profundidade de sulco de 3 mm. Seguindo essa valiosa orientação, os proprietários de automóveis terão noção exata da profundidade de sulco que garanta um mínimo de drenagem de água, reduzindo drasticamente, se observada, as possibilidades da perigosa aquaplanagem. Muitas vidas certamente serão poupadas.

Parabéns, Continental! Que seja imitada logo.

BS



O Jeep novinho em folha no jardim do Centro de Pesquisas da Ford em São Bernardo do Campo

O Jeep, um dos mais famosos veículos fora-de-estrada da história, foi usado intensamente pelo exército dos Estados Unidos e pelas forças aliadas durante grande parte da Segunda Guerra Mundial. Desenvolvido inicialmente pela empresa Bantan, seu projeto foi repassado para a Willys-Overland que, após o final da guerra, percebeu que o utilitário também era cobiçado pela população civil pelo que se conheceu de seu desempenho nos campos de batalha através dos noticiários. 

Para isso registrou para si o nome Jeep e lançou o CJ (civilian Jeep), uma vez que a Ford fora a maior fabricante do Jeep no conflito, graças ao seu poderio industrial, e poderia eventualmente querer produzir um veículo com as mesmas aptidões, dando-lhe o já popular nome.

Em nossa terra, o Jeep foi lançado pela Willys-Overland do Brasil em 24 de fevereiro de 1954 já o CJ-3B.

Em um país que se ressentia da qualidade das suas estradas, o Jeep topava qualquer desafio em qualquer terreno. Sua tração nas quatro rodas e reduzida tornaram-no o veículo ideal para o Brasil nos anos 1950, quando a esmagadora maioria dos caminhos não tinham pavimentação, eram em terra. Isso explica o por que a Willys vendeu mais de 50.000 Jeeps no Brasil, no período de 1954 a 1960.

De 1954 a 1957 o Jeep era ainda equipado com o motor 4-cilindros F-134 Hurricane e câmbio de três marchas com primeira não sincronizada (134 era a cilindrada em polegadas cúbicas).  A partir de 1958 um novo motor passa a equipar o Jeep, o BF-161 (pol³), de 6 cilindros e 2.638 cm³, fundido e fabricado no Brasil na fábrica de Taubaté (SP). O seu índice de nacionalização chegava perto dos 80%, um feito para a época de início da indústria de automóveis no Brasil. Agora era o CJ-5.

Motor BF-161 Hurricane

Fotos: autor

BMW 2002 ti Alpina 1969

Eu tive o prazer de visitar o XXI Encontro de Automóveis Antigos que foi uma das atividades Brazil Classics Fiat Show 2014 em Araxá (MG). Como prometido, as fotos do encontro foram postadas no Instagram e Facebook duarante a visitação do encontro. 

Sei que muitos leitores acompanharam em tempo real, mas outros não seguem as mídias sociais. Como são mais de 300 fotos feitas com o celular e mais 300 com câmera fotográfica ainda não foi possível montar um álbum completo. 

No entanto, para não deixar passar muito tempo, resolvi postar os destaques que mais me atraíram.

20 detalhes interessantes

"Spirit of Ecstasy", um dos ornamentos mais famosos de todos os tempos em um versão de joelhos

A Toyota Motor Corporation apresentou nesta quarta-feira, 25 de junho, o desenho externo de seu sedã movido a pilha a combustível a hidrogênio. O modelo, que foi apresentado pela primeira vez como carro-conceito no Salão de Tóquio de 2013, será lançado no primeiro semestre de 2015, no Japão. Além disso, a fabricante também já está com os preparativos em andamento para a fase de lançamento nos mercados americano e europeu.

No Japão, o sedã será vendido ao preço de cerca de 7 milhões de ienes (aproximadamente US$ 68 mil, livre de impostos). Inicialmente, as vendas serão limitadas apenas para as regiões onde a infraestrutura de abastecimento de hidrogênio está sendo desenvolvida. Os preços para os mercados dos EUA e Europa ainda não foram definidos. No futuro próximo, além do preço, a Toyota irá divulgar também informações mais detalhadas, tais como especificações e metas de vendas.



Liberdade é um sonho que acompanha o ser humano desde sempre. Ainda que não tenhamos asas como os pássaros, maior símbolo da tão sonhada liberdade, um par de rodas é capaz de dar conta do recado, principalmente se elas fizerem parte de uma respeitável estirpe de motocicletas cujo nome (mesmo em inglês) exprime perfeitamente seu espírito para o qual foi criada: Adventure!



A primeira das BMW a ganhar o Adventure estampado no tanque de combustível foi a R 1150 GS, em 2001. Tratava-se de um modelo adaptado para encarar longas viagens pelos mais inóspitos caminhos. Para isso ela trazia reservatório de combustível com a generosa capacidade de 30 litros, um pára-brisa maior, banco em peça única — o da GS normal era dividido em dois —, suspensões com 20 mm a mais de curso e câmbio com a primeira marcha mais curta e a sexta convencional, em vez de overdrive. Outro diferenciador do modelo, obtido com a mudança dos sensores que gerenciavam a ignição, era capacidade de aceitar combustível de péssima qualidade, algo enfrentado por viajantes que rodam por lugares onde nem sequer há água potável, o que dizer de gasolina de boa qualidade... Desde então, a versão Adventure sempre esteve presente como a topa-tudo da família GS e agora, para nossa alegria, também na linha F 800... mais fácil de pilotar e mais ace$$ível!