DIGA-ME COM QUEM ANDAS...

Lombadas ajudarão a evitar atropelamento de animais (foto: Fernando de Lima Favaro)
                                  
A primeira coisa que me vem à cabeça quando passo por um quebra-molas (ou lombada) é uma ambulância com um paciente em estado grave em seu interior. O que fazer, passar à toda velocidade e massacrar o paciente ou frear a cada obstáculo e perder preciosos minutos no trajeto para o hospital?

Mesmo considerando nosso dia-a-dia, sem emergências, o tal obstáculo nos faz um mal danado. Dia desses fiz uma medição, entrei em um condomínio de casas aqui no Rio e zerei o computador de bordo do carro. Fui até a última rua, tendo que transpor mais de uma dezena desses dejetos viários. Fiz meia volta e ao chegar onde tinha zerado o computador, simulando o trajeto de saída e chegada em casa, conferi o computador: 8,8 km/l de consumo médio e 25 km/h de velocidade média.

Aproveitei que já passava das 9 da noite, e com as ruas mais vazias, fiz uma medição comparativa, ou seja, percorri a mesma distância que a anterior, só que dessa vez sem obstáculos, mantendo 40 km/h constantes no velocímetro, em 3ª marcha. Dessa vez os dados foram 15 km/l de consumo médio e 35 km/h de velocidade média.

Percorri a mesma distância mais rápido e gastando menos gasolina. É verdade que, sendo o percuros curto, a economia deve ter ficado em torno de 150 ml de gasolina, o que daria uns 150 reais ao final de um ano, valor médio para encher um tanque. Um carro mais pesado e com motor maior gastaria mais, ainda assim um valor baixo individualmente. Infelizmente, se multiplicarmos isso por centenas de milhares de veículos, vamos chegar a números expressivos de combustível indo pelo ralo.

Mas as lombadas não estão ali à toa, têm a função de forçar o motorista a reduzir a velocidade em locais onde se julga necessário, e aí entra o xis da questão, o cidadão motorista.

É instintivo, basta uma retinha livre que o pé pesa no acelerador e as marchas vão sendo trocadas. Nessa hora o animal homem não tem muito de racional, eu presencio diariamente pessoas passando a 2ª marcha e acelerando dentro de uma garagem fechada e escura, onde a chance de um carro dar ré para sair de uma vaga ou mesmo uma criança correr entre os carros e entrar na via de circulação é grande.

No trajeto onde fiz a medição, dentro de um condomínio de casas, deseja-se velocidade baixa, pois é comum crianças andando de bicicleta e pessoas praticando exercícios (caminhada, corrida), mas é quase certo que o mesmo indivíduo que pratica o exercício andando e se assustaria com um carro passando rápido de seu lado, quando no seu carro, apressado, acabaria imprimindo velocidade mais alta do que a razoável se os obstáculos ali não estivessem. Concordo que andar a 30 km/h em via sem obstáculos nos dá a sensação de estarmos muito mais devagar do que realmente estamos, mas é aí que entra a capacidade de raciocínio do homem.

O resultado é que, como a maioria não gosta muito de raciocinar, somos obrigados a demorar mais para cobrir o trajeto e gastar mais combustível, quando poderíamos apenas obedecer a velocidade indicada e cobrir o trajeto sem solavancos. Imaginem um caminhão de 40 toneladas tendo que frear a cada lombada e depois acelerar a pleno para retomar velocidade. Quanto não se gasta de freios e combustível?

Tem um ditado que diz: "Diga-me com quem andas e eu te direi quem és". Podemos adaptar para: "Diga-me se suas estradas têm lombadas e eu te direi o quão desenvolvido é seu país"

AC

95 comentários :

  1. Com os buracos que temos hoje nas ruas a tecnologia das lombadas está praticamente obsoleta.

    ResponderExcluir
  2. Sobre a lombada.

    Entre frear forte e afundar a frente do veículo na lombada, é melhor passar acelerando em alta velocidade mesmo. O “tranco” será menor. Quem nunca se deparou com uma lombada não sinalizada, normalmente em via que é um breu total?

    Quanto à questão do paciente, sei que não é o objetivo do texto (que trata da educação), mas pode-se dizer os mesmos dos buracos, valetas. Já tive inúmeras discussões com colegas de trabalho, inclusive, sobre a falta de qualidade da pavimentação em praticamente todas as cidades brasileiras. Muitos me falam: “buracos incomodam sim, mas o poder público tem coisas mais importantes para se preocupar do que com o custo da suspensão de seu carro”. Sempre rebati dizendo que além do poder público não ter o direito de destruir o meu veículo, imagine um médico naquelas UTIs móveis tentando dar uma injeção, que seja, ou fazendo outro procedimento no paciente, com o veículo chacoalhando todo. O mesmo se aplica aos ônibus. Ao passar por uma lombada, dependendo do local em que estiver sentado (se forem os últimos bancos), você “voará” por alguns segundos.

    Talvez o “ideal” seja aquela lombada bem larga, com pouca altura, que várias cidades tem adotado como faixa de pedestres. Reduz-se um pouco a velocidade e passa-se numa boa.


    Marco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marco, as lombadas da minha cidades são intrasponíveis em alta velocidade, o carro voa. Elas tem no minimo 20 cm de altura, e muitas vezes são curtas em extensão, então o impacto é de uma vez, já via alguns carros voarem e se quebrarem nelas. Mas os tachões são facilmente transponíveis em alta velocidade. Por isso investem mais em lombadas,
      apesar de muitas delas não estarem pintadas

      Excluir
    2. Corsário Viajante04/02/13 17:37

      Esta lombada "ideal" que vc descreve é a única, se não me engano, permitida pelo código de trânsito. Pena que as Prefeituras ignoram isto.

      Excluir
  3. O pior é que as ruas que não tem lombadas acabam por ser pista de corrida, a minha por exemplo, uma rua residencial com idosos, a única sem lombadas da região, serve de desafogo para a molecada irresponsável, ou seja, vamos acabar tendo que pedir as terríveis lombadas para acabar com essa farra, visto que nossa rua possui muitos idosos que a utilizam vagarosamente para ir, a pé, cumprir as obrigações diárias.

    A velha lei dos bons pagarem pelos ruins.

    ResponderExcluir
  4. Corsário Viajante04/02/13 12:19

    Infelizmente a forma como dirigimos é um reflexo de nossa educação, e sabemos bem como as pessoas são educadas no Brasil. Então funcionam como animais, ou bota um obstáculo (radar ou lombada) ou vão encher o pé.
    Pior agora com os "aventureiros", o pessoal ignora lombada e passa com tudo... Canso de ver gente fazendo isso em frente à escola, rua estreita e outros lugares incompatíveis.
    Porém, acho que aos poucos vão substituir as lombadas por radares, pois as lombadas custam dinheiro para fazer e pintar, enquanto que os radares dão lucro.
    Outro lugar em que todos viram animais é no SemParar, ignoram as placas de velocidade, colam, dão farol, xingam, depois reclamam quando ocorre engavetamento. Detalhe: isso na pista do SemPArar à direita...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente deve encarar o SemParar como se estivéssemos nos boxes onde a velocidade é controlada. E quando saímos dele, aí sim, é pé embaixo.

      Excluir
    2. Corsário Viajante04/02/13 17:40

      ANõnimo das 15:52, exatamente, e é curioso pois o que vejo é o contrário: antes do SemPArar, quando estou reduzindo para chegar aos 40km/h, colam e xingam, e após liberarem a passagem, quando piso fundo para retomar velocidade de cruzeiro, o apressado fica bem para trás... E nunca mais aparece, ou seja: corre onde não devia e depois fica atrapalhando o tráfego rodoviário.
      E ainda vão reclamar quando colocarem radares (como já tem no RouboAnel) nas passagens do SemParar... Mas o povo faz por merecer!

      Excluir
  5. Bom, aqui em Curitiba agora a moda é colocar lombada na frente do semáforo... o semáforo fica na via preferencial, e a transversal recebe a placa PARE apenas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fora o fato de boa parte dos semáforos de Curitiba serem pessimamente posicionados e te obrigarem a olhar para cima ou para o lado para saber quando dá o verde.

      Excluir
  6. Acho que já é hora de infiltrarmos alguém de bem, com bom jogo de cintura, no meio político brasileiro.

    Chega de blábláblá, queremos nomes, pessoas, seres racionais dispostos e (principalmente) PREPARADOS pra acabar com essa bagunça que está o Brasil!

    A culpa dos dejetos viários não é do povo, é de quem rege o povo e não sabe discipliná-los como convém.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EU sugiro o Bob Sharp para vereador. Eu votaria nele e faria até campanha.

      Excluir
  7. Interessante observar que num veículo de motor Diesel essa diferença de consumo entre os trajetos (travado e livre) seria bem reduzida.

    ResponderExcluir
  8. Já pensei que seria muito mais negócio para o governo e para os motoristas se trocassem todas lombadas fisicas por eletronicas, mas como o brasileiro é ixperto e Gerson, uns 30 por cento anda na total clandestinidade sem licenciamento ou qualquer documentação em dia, e para estes lombada eletronica é um enfeite urbano sem utilidade, dessa forma vida eterna as lombadas fisicas. Antes repudiava qualquer tipo de lombada mas depois que mudei para uma rua larga em descida sem lombadas vi que o brasileiro não esta preparado para esta liberdade.

    ResponderExcluir
  9. Lombadas são agradáveis (sendo irônico) perto dos redutores de velocidades tipo "tartarugas", aqueles tijolos amarelos. Ao passar aquilo a sensação é de uma pancada em cada eixo. Em uma minúscula cidade no interior do Ceará, a ignorância fez por colocar nada menos que 8 na entrada da mesma, isso foi véspera de eleição, duvido que não tenha entrado um troco pra campanha com isso.

    O governo nos faz aceitar os ignorantes, ao invés de educa-los.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada vez que passo nesses tijolinhos, xingo até a última geração de quem os inventou.
      É verdade, os quebra-molas tradicionais ficam até agradáveis se comparados com os quadradinhos infernais.

      Excluir
    2. Sou de Recife, mas vivo viajando para o interior do Ceará, mais especificamente a região do Cariri (sul do CE). Lá está cheio dessas tartarugas.
      Mandei uma reclamaçào via ouvidoria... Segue a transcrição abaixo, simplesmente inacreditável.


      Prezado cidadão, segue a resposta de sua manifestação criada no SOU - Sistema de Ouvidoria com o protocolo de nº : .



      Resposta .

      Prezado Senhor , em atenção a sua manifestação, a Ouvidoria agradece a demanda,ao mesmo tempo esclarece que os órgãos executivos de trânsito, como o DETRAN-CE, utilizam instrumentos para reduzir velocidade nas rodovias, com o objetivo de proteger vidas. No caso específico da rodovia estadual, a instalação de tachões foi uma alternativa provisória, enquanto o DETRAN-CE finaliza o projeto de implantação de um novo equipamento de redutor de velocidade. No trecho onde os tachões foram instalados há solicitação de moradores das proximidades para que a velocidade seja reduzida para evitar mortes. As políticas públicas priorizam o coletivo, para que suas ações beneficiem a sociedade. Por isso, esperamos a compreensão por parte da senhora.Agradecemos a sua participação.

      Excluir
    3. Criaram uma resolução somente para proibir isso e corrigir o texto da resolução que trata das lombadas: http://www.denatran.gov.br/download/Resolucoes/RESOLUCAO_CONTRAN_336_09.pdf

      Excluir
  10. 'Dize- me...'

    muito bem- agora vou ler o resto; parece saboroso

    ab.

    ResponderExcluir
  11. Acho que muitas das lombadas são instaladas como ultimo recurso, pois o motorista brasileiro não tem o bom senso de saber quando deve diminuir a velocidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse bem. O brasileiro ao volante somos conhecidos como mautoristas.

      Excluir
  12. Tamém acho, mais infelismente as pessoa num respeita as velocidade. Deveria respeita, é verdade, mais faze o que né?!? Tipo numa rua que é de 40, anda a 70 e aí por aí adiante. E pior faz uma mau danado pro carro.

    ResponderExcluir
  13. AC,
    são males necessários, já que há uma infinidade de pessoas que não sabem dirigir com velocidade adequada, dando uma margem de segurança. Tipo aquele cara que entra na garagem de um edifício passando marcha, como se estivesse na rua. Só um exemplo, há centenas.
    Os bons pagam pelos maus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é o meu caso. Eu não entro na garagem e muito menos saio dela passando marcha. Entro e saio sim de lado.

      Excluir
    2. Corsário Viajante04/02/13 13:29

      Vale lembrar que muitas vezes estes que adoram "pilotar" nas garagens e nas ruas cheias de gente são aqueles que vão "desfilar" vagarosamente pela esquerda, ou que brecam para assistir à um acidente, causando outros acidentes ou trânsito. São a pior praga do trânsito: andam rápido quando é para ir devagar e devagar quando é para ir rápido.
      Também são muito vistos nos acostamentos quando tem engarrafamento.

      Excluir
    3. Anonimo 04/02/13 13:25
      Antes entrar e sair de lado que de ré!
      Jorjao

      Excluir
  14. Alexandre, não me leve a mal, mas prefiro as lombadas "físicas" as eletrônicas. Para mim o que realmente educa os motorista quanto a redução de velocidade em determinados pontos é só mesmo o tranco(salto melhor dizendo) quanto o motorista passa sobre eles.
    Aqui em BH por exemplo no Anel Rodoviário em que carretas e caminhões descem a ladeira a mais de 100km/h só mesmo quebra molas para educar esse povo. Já cansei de ver estes veículos passarem pelas lombadas que estão há anos desligadas e depois atropelar os carros a sua frente e matar muita gente...

    Então se for para evitar mortes, prefiro parar toda hora e gastar mais gasosa de 3 conto do que morrer esmagado por caminhão.

    Carlinhos BH

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que daí o problema é ter as lombadas eletrônicas desligadas mais do que qualquer coisa não?

      Excluir
    2. Carlinhos,

      infelizmente são um mal necessário aqui no .br, as pessoas não querem pensar.

      Talvez lombadas eletrônicas visíveis, no lugar certo e funcionando surtissem efeito.

      É difícil, veja, basta chover que 'falta freio' em tudo quanto é ônibus e caminhão. É a desculpa que todo motorista dá quando bate em piso molhado.

      Excluir
    3. Lombada, assim como radar, não para caminhão. Não é esse o problema do anel rodoviário e não será essa a solução.

      Excluir
  15. Aléssio Marinho04/02/13 13:35

    Viajei para o Chile ano passado, andei metade do país de carro e ônibus e vi apenas UMA ondulação.
    Já aqui, num trecho urbano de 6 km, temos 13 coisas dessas espalhadas no asfalto...
    Pior é quando os moradores resolvem fazer "justiça" por conta própria, como acontece em muitos lugares. Um exemplo é uma rua de 400 m de extensão e que teve 7 quebra molas, mas daqueles feitos pra quebrar de verdade.

    ResponderExcluir
  16. Na minha opinião o melhor seria instalar as lombadas eletrônicas, pois assim manteriamos a velocidade desejada na via sem prejudicar o bolso (combustivel e amortecedores) de ninguem. Isso sim educa, e não pardais escondidos q só arrecadam a grana e depois chega a multa que o sujeito nem sabe onde cometeu a infração muitas vezes. Agora lombadas completamente fora de padronizaçao e valetas que cada vez que fazem reparos em asfalto ficam mais profundas só servem pra arrebentar o carro mesmo ou até causar acidentes por causa de guinadas ou freadas subitas pra fugir desses obstaculos.
    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente, porém pq que não é assim? Simples, a manutenção de uma lombada eletrônica é bem maior que de uma lombada física, e por serem visíveis, as multas que elas arrecadam não são suficientes para a manutenção da mesma, muito menos para o lucro tão desejado pelos governos, já que para eles os radares e afins são maquinas de fazer dinheiro, e não instrumentos de educação, e como qualquer outro instrumento educativo haverá custo. Quando esses equipamentos atingem seu objetivo eles não dão mais lucro, e como os governantes vão ganhar propína em contratos com as empresas privadas que administram eles, já que muitas vezes no próprio contrato há comissão por multa aplicada?

      Excluir
  17. O problema é que a lombada acaba "emburrecendo" mais o motorista, porque as placas são automaticamente ignoradas.

    O cabra deve pensar o seguinte: "sem tem só uma placa, sem lombada, é porque não é preciso ir devagar, senão haveria uma lombada, física ou eletrônica".

    Culpa também da sinalização caduca que povoa nossas estradas. Exemplo: na BR 381, duplicada entre São Paulo e Belo Horizonte, com limite de 110km/h, nos postos da Polícia Rodoviária Federal a sinalização indica 40 km/h. Além de irreal, essa velocidade é perigosa e pode até acarretar acidentes.

    Concluindo, a sinalização vertical também é responsável por sua própria falta de crédito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante04/02/13 17:58

      É o mesmo problema da Lei Seca, quando exageram demais perde o crédito.
      Na Bandeirantes é ridículo, vc vem a 120km/h, daí tem placa: "Obras À frente - reduza para 100km/h". Beleza, vc tira o pé e reduz. Daí vem outra placa "80km/h" e vc já estranha, aí "60km/h" e finalmente a clássica "40km/h"... Aí como vc não vai andar a 40km/h vc faz o que? VOlta pros 120km/h.

      Excluir
  18. Lucas dos Santos04/02/13 13:53

    Aqui na minha cidade não se instala mais lombadas desde 1998, quando o CTB e a resolução 39 entraram em vigor.

    As lombadas antigas permanecem, uma ou outra foi removida, mas lombadas novas não são instaladas, pois são consideradas "ilegais". Não é raro a população de algum bairro solicitar a colocação de lombadas em vias com alto índice de colisões ou atropelamentos. Todas as solicitações são negadas, justamente por conta da tal "ilegalidade" da colocação de lombadas.

    Diante de relatos de que continua-se instalando lombadas nas vias de outras cidades, e do fato delas estarem previstas no CTB, resolvi pesquisar o porquê delas serem consideradas "ilegais" aqui.

    Encontrei um artigo, publicado em um jornal local, o qual chama a atenção para o Artigo 5º da Resolução 39 do Contran que diz:

    "Art. 5º As ondulações transversais são:

    I - TIPO I: Somente poderão ser instaladas quando houver necessidade de serem desenvolvidas velocidades até um máximo de 20 km/h, em vias locais, onde não circulem linhas regulares de transporte coletivo;

    II - TIPO II: Só poderão ser instaladas nas vias:

    a) rurais (rodovias) em segmentos que atravessam aglomerados urbanos com edificações lindeiras;

    b) coletoras;

    c) locais, quando houver necessidade de serem desenvolvidas velocidades até um máximo de 30km/h
    ".

    Apenas lembrando que as ondulações "Tipo I" referidas na resolução são o que conhecemos por "lombadas" ou "quebra-molas" e as ondulações "Tipo II" são o que conhecemos por "travessia elevada".

    Ao lermos o Artigo 5º da referida resolução, vemos que lombadas só deveriam existir em vias locais, cujo limite de velocidade seja inferior a 20km/h e que não passe ônibus. Ou seja, lombadas só são admitidas em vias situadas dentro de condomínios, estacionamentos e afins, pois são vias locais. Para todos os outros tipos de vias - exceto arteriais e rápidas - deve-se utilizar travessias elevadas.

    Enfim, se formos levar em consideração o que diz a Resolução do Contran, a utilização de lombadas em vias coletoras, arteriais, rápidas ou rurais é PROIBIDA! Aqui na minha cidade as autoridades tentam fazer a sua parte não instalando novas lombadas há mais de uma década, mas ainda falta remover as antigas. Se na cidade de vocês ainda estão instalando lombadas em vias que não sejam locais, vocês têm todo o direito de reclamar, pois está errado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois aqui em BH adooooram o tal de quebra-molas.É a panaceia para resolver todos os problemas de trânsito. Primeiro o pessoal pede para asfaltar aquela rua de transito local com calçamento em ótimo estado, pra depois pedir pra colocarem o quebra-molas pois o povo começou a "correr demais". Aí a BHTRANS rapidamente instala um, nuca ví tanta presteza! É a única solicitação que conheço que esse empresa sempre atende e com uma rapidez assustadora. :(

      Excluir
  19. AC, é surpreendente como as pessoas acham a lombada necessária. É como se estivesse acima da capacidade do brasileiro aprender a dirigir de forma civilizada.

    ResponderExcluir
  20. Ou, talvez, "diga-me 'como' andas", e te direi quem és.

    Realmente — e eu nunca havia parado para pensar nisso —, acelerar e frear entre uma sucessão de lombadas é bobagem. E aqueles dispositivos, que não são lombadas, mas fazem o carro "tremer" ao passar sobre eles, não seriam igualmente eficazes?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz,

      já me ocorreu que poderiam ser redutores de velocidades tipo 'chicanes', estreitamentos que obrigassem a reduzir a velocidade sem solavancos.

      Bota um nó cego qualquer desses que dirige por aí para andar com pouco espaço entre as rodas e o meio-fio, em um caminho estreito, que na mesma hora andam bem devagarinho.

      Excluir
  21. Caro Alexandre

    Um ponto chave na questão é o "onde julgar necessário". Aqui onde eu moro julgaram necessário uma lombada transversal numa ladeira íngreme de paralelepípedo. Dá vondade de descer, pegar meu carro no colo e transpor a parede, de tanto que o bichinho sofre.
    Isso se falar nas lombadas irregulares, dublês de paredes. Ou lombada que o morador julga necessário, caso no qual uma rua acaba tendo um quebra molas a cada dez metros.

    Isso acaba gerando o efeito contrário, "não tem lombada? Oba, posso correr!". Mas é aquela discussão, no final das contas, as medidas são draconianas porque o cidadão é rebelde, ou o cidadão é rebelde porque as medidas são draconianas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, falta bom senso também.

      Dia desses fui me meter a subir uma rua muito íngreme, de paralelepípedos, e no meio dela um quebra-molas. Reduzi com medo de passar a toda e, resultado, tive que descer de ré, pois o carro não saía da imobilidade com aquela inclinação. Ora, uma pirambeira que você sobe de primeira marcha (ou desce engrenado e devagarinho) precisa da lombada para que ?

      Excluir
  22. Quanto mais lombadas, mais gente que não sabe conduzir. É um ciclo vicioso, uma bola de neve, pois onde não há lombada o sujeito acredita que está autorizado a acelerar.

    ResponderExcluir
  23. Eu entendo que isso poderia ser feito utilizando as lombadas eletrônicas, como são chamadas aqui em Porto Alegre. Nelas, normalmente a velocidade é de 40 km/h e a redução de velocidade é muito menor do que nas lombadas físicas. Quem quer ou precisa andar rápido, como no exemplo do texto as ambulâncias, paga uma multa depois ou justifica neste mesmo caso das ambulâncias com algum documento comprovando o atendimento de urgência.
    Preservaríamos nossos automóveis, não só em consumo, mas também nos desgastes desnecessários provocados nas suspensões e pneus.
    Seelig.

    ResponderExcluir
  24. Disse tudo, JJ

    Os bons pagam pelos maus!

    Precisamos urgentemente que o país invista em educação e fiscalização de qualidade!!!

    ResponderExcluir
  25. Já foste a ilha de Santa Catarina? É um inferno em se falando de quebra molas! Já aqui no RS, chegando na praia de Imbé, tem um trecho de menos de 100m com 7 quebra-carros! É um absurdo!

    ResponderExcluir
  26. Já pensou no respeito à placa PARE, então? Quantos semáforos seriam evitados?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que isso não vem ao caso. Uma placa "PARE" devidamente funcional implica em duas conseqüências incompatíveis com a fluidez do tráfego:
      - Faz com que todos os carros obrigatoriamente parem no cruzamento com a preferencial, gerando uma onda de paradas (houve até uma postagem sobre o tema aqui no AE) consecutivas e inevitavelmente causando congestionamentos em vias movimentadas.
      - Se a via preferencial interseccionada fosse de grande fluxo de automóveis, dificilmente os intersectantes teriam qualquer oportunidade de travessia, novamente causando congestionamento.
      O semáfaro ainda é o (segundo) meio mais eficiente de controlar as preferenciais sem causar perda de fluidez desnecessária. O primeiro é o guarda de trânsito, que ainda consegue ponderar os tempos de abertura em proporção ao fluxo das vias que se cruzam.

      Excluir
    2. Claro que não estou me referindo a vias de grande fluxo. Nas ruas de bairro, por exemplo, seria muito indicada sim. Já percebi claramente que quando alguns semáforos quebram, o acúmulo criado por ele deixa de existir. Ou seja, forçosamente quem deseja entrar tem que esperar sua vez, mas não tanto quanto teria devido ao semáforo. Sem contar os semáforos para pedestres sem ninguém passando, outra coisa que não consigo entender. Carros esperando um pedestre 'fantasma' atravessar.

      Excluir
    3. Mas você está certo, não vem ao caso mesmo. Foi só uma observação, não pretendia começar um debate.

      Excluir
  27. Lorenzo Frigerio04/02/13 15:28

    Da porta do meu condomínio até a Raposo Tavares, são 6 km com 19 lombadas. Sendo que, no caminho, há uma escola (onde vou justificar meu voto em dia de eleições) com uma passarela para cobrir uma via de uns oito metros... e três lombadas embaixo!

    ResponderExcluir
  28. Ouvi falar que um motorista com um Maverick placa preta morreu no sábado em São Paulo. Alguém tem informações sobre o ocorrido?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante04/02/13 18:03

      Sim:
      http://www.jalopnik.com.br/acidente-fatal-com-maverick-preparado-em-sao-paulo/

      Excluir
    2. Eu nao ouvi nada a respeito!

      Excluir
    3. Foi um certo Wagner "Waguinho" Boro, como consta neste link:
      http://taubateautoshow.com.br/acidente-com-maverick-gt-bate-e-arranca-poste/

      Excluir
    4. Rodrigo Abreu04/02/13 23:58

      Gostaria de saber como um Maveco com nitro e rodas de Ranger pode ter placa preta...

      Excluir
    5. Júlio Bomfim05/02/13 11:29

      Desta vez quem morreu (se matou) foi o tal do Waguinho arrebentando o poste... mas este poste poderia ser seu carro, sua moto... poderia ser você andando à pé na calçada, sua família, seus filhos. A irresponsabilidade de um pode significar a morte (ou a invalidez) de outros.

      Excluir
  29. Cara, pra mim, lombada é um câncer nas ruas. Já contei, da minha casa até a saída da minha cidade tem 1.600 m e 29 lombadas. Sério, quase não dá pra por nem 3ª marcha dentro da cidade.
    Não existe UMA RUA SEQUER onde moro que não tenha lombada.
    Incrível.

    ResponderExcluir
  30. Alexandre, moro em um condomínio, ficou famoso ao ser noticiado como o primeiro a utilizar radar particular, mas as lombadas permaneceram http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/55363-condominio-poe-radar-para-multar-morador.shtml). As lombadas aqui no condomínio acabam por provocar um dano enorme às ruas (normalmente pavimentação de baixa qualidade prevendo pouco tráfego). Seja pela solicitação de aproximadamente 1.000 veículos por dia mais o tráfego de caminhões pesados que circulam para entrega de materiais de construção e movimentação de terra, pode-se reparar frequentemente que antes e depois das lombadas surgem buracos ou nota-se que a pavimentação toda afunda (cede) tornando a lombada ainda mais alta para se transpor. Ou seja, além dos gastos de combustível os condôminos se punem mais uma vez com gastos de manutenção de pavimentação! (E no meu caso aluguel de radar!). E tudo isso por não respeitar os vizinhos! Seguindo o seu raciocínio "Diga-me quantas lombadas tem o condomínio que te direis qual o nível de educação (ou cidadania)dos condôminos"

    ResponderExcluir
  31. Todos
    O volume e o teor dos comentários sobre esse post do Alexandre mostra, reiterando o que eu disse sobre a lei seca ontem, que o Brasil está mesmo doente. Só mentes doentias são capazes de engendrar a colocação obstáculos nas ruas e estradas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pela foto acima, eles podeiram poupar o acostamento de lombadas, para a polícia e carros de socorro/ambulância passarem rápido. O pessoal não está pensando.

      Excluir
    2. Bob,
      Já soube de dois casos em que passageiros de ônibus urbanos acabaram feridos após passarem por lombadas e serem arremessados para o alto. Em um deles, o passageiro sofreu traumatismo na coluna vertebral ao cair sentada no assento. O outro caso foi mais grave: ao cair, o passageiro bateu em uma das barras de apoio existentes a bordo e teve o abdome perfurado, vindo a falecer.
      Lombadas não são apenas burras. Elas também podem ser assassinas.

      Excluir
    3. Antônio Martins04/02/13 22:21

      Repararam quem era o Ministro Da Justiça no rodapé da Resolução 39?

      Ninguém Merece

      Excluir
    4. Alexandre Zamariolli
      Esses são casos conhecidos. Deve haver um número muito maior deles. Tem que ser doente mental para colocar esses dejetos viários ou concordar com eles.

      Excluir
  32. Sempre é bom lembrar: Lombada é um obstáculo, o qual só serve para animais irracionais, que não seria o caso do homem. Porém, visto que a escumalha ignara escolhe o seu representante á dedo, nossos legisladores e autoridades se sentem no direito (com razão e conhecimento de causa, me parece!) de nos tratar como quadrúpedes, ato que além de ser mais barato do que educar ( cujos resultados além de longinguos são ainda duvidosos! ), travestem os doutores com títulos de honoris causa, simulando uma resposta enganosa as aspirações da dita sociedade no curto prazo...Estamos f.....!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante04/02/13 18:57

      acostamento no Brasil = pista livre para us ixpertus
      COm a conivência da Polícia Rodoviária que NUNCA fiscaliza, mesmo TODO DIA acontecendo na mesma hora e lugar.

      Excluir
    2. Corsário
      Já disse aqui e repito: aumente-se a severidade da medida administrativa para quem for apanhado rodando no acostamento. Primeira vez, sem dirigir um ano. Na reincidência, a qualquer tempo, cassação da carteira para o resto da vida. Não me chamo mais Bob se esse péssimo hábito não for erradicado da vida brasileira.

      Excluir
    3. Corsário Viajante05/02/13 17:23

      É Bob, seria bom... Quando me mudei para Campinas foi a coisa que mais me deixou chocado, as pessoas utilizam rotineiramente os acostamentos, mesmo quando o trânsito flui mais lentamente... E sempre nos mesmos pontos, mesmos horários... Daí um dia tem um coitado andando de bicicleta ou um pedestre, é atropelado, e daí já sabemos: vão instalar duzentas lombadas, radares, encher de polícia, fazer campanha, multa de um milhão de reais e pena de morte... Mas só depois que alguém morrer, e por três semanas até acontecer outra tragédia.

      Excluir
  33. Onde eu moro existem várias vias locais pavimentadas com paralelepípedos e acho que o ruído gerado pelos pneus já ajuda bastante a conter a velocidade da maioria dos que passam por lá. Apesar de provocarem mais desgaste de pneus e de requerer uma atenção a mais para dias com chuva, acho que para vias locais é algo que ajuda.

    Já vi várias vezes esses malucos que "pilotam" nas garagens de shoppings e aeroportos. E, se você estiver dirigindo na velocidade correta, grudam na traseira como se o "devagar" fosse o incorreto. Vai entender...

    Como já dito várias vezes por aqui, o problema maior está mesmo na peça que fica entre o banco e o volante. Para isso, ainda estamos longe da solução.

    ResponderExcluir
  34. O Brasileiro tem tanto amor por obstáculos na pista que até Interlagos possui uma chicane novinha na " curva " do café.



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexei
      Não acredito no que estou lendo. Colocaram chicane lá??? Tá vendo? O país está mesmo doente.

      Excluir
    2. Das vezes que participei do rali organizado pelo Jan Balder, havia essa chicane no lado esquerdo, pouco antes da curva do café, mas a curva original permanecia normal. Espero que não tenham tornado definitiva essa chicane, pois, em caso afirmativo, acabaram de vez com o pouco que restou de Interlagos original...

      Excluir
  35. Gostaria de saber quanto nós munícipes pagamos por cada lombada, além é claro do desgaste do carro?
    Tendo trabalhado na Comissão de Compras do Exército em Washington, tive a oportunidade de conhecer 48 paises, o único que vi lombada foi o Brasil.
    Quanto será que cada prefeito desse país ganha por lombada?.
    Coronel Anônimo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antônio Martins04/02/13 22:25

      O ganho é indireto, pois é o povo que pede lombada, e é atendido, sobretudo em bairro de pobres.

      Nos bairros de ricos elas são construidas pois estes acham que fica com cara de "rua de condomínio".

      Ou seja: burrice não é medida pela conta bancária...

      Excluir
  36. oskrmarinho04/02/13 20:42

    Recentemente estive hospitalizado por 15 longos dias e após incontáveis exames, nos quais, felizmente, só não me esmiuçaram o fiofó, os doutores constataram que não tenho nenhum defeito de funcionamento digno de nota, o qual viesse a causar a falha que motivou meu recolhimento à garagem. Esqueceram, porém, de anotar no prontuário, que vivo estressado, odiando com todas as forças esse trânsito amaldiçoado de Fortaleza, com suas ruas cheias de buracos e incontáveis obstáculos, entre êles lombadas, buracos, bocas-de-lobos de bueiros em nível muito inferior ao asfalto adjacente, flanelinhas, camelôs com bancas invadindo a pista de rolamento, ônibus malditos que não trafegam pela direita e sim fazendo lindos zigue-zagues e firulas, e, as onipresentes e sempre muito queridas motocicletas, sabiamente conduzidas por verdadeiros ases, devidamente formados em engenharia de tráfego, pois criam a todo momento pistas entre os carros, ou à sua esquerda, direita, pelas calçadas e, às vezes, para nosso raro deleite, por debaixo deles, ocasião em que são bastante aplaudidos por consquistarem o merecido prêmio de se retirarem dessa vida de lutas tão inglórias!

    ResponderExcluir
  37. Ricardo - Vitória ES04/02/13 21:08

    Alexandre e Bob, então o que fazer diante de bossais que nem estes do vídeo:

    https://www.youtube.com/watch?v=kewIXCi9xgU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ricardo
      Anotar a placa e denuciar à polícia para que dê um jeito nele.

      Excluir
    2. Conheço bem essa raça, na estrada fica na esquerda amarrando o trânsito na velocidade máxima da via com medo de radar, e eu de GPS passo eles usando a velocidade real kkkkkk



      Excluir
    3. Denunciar à Policia, BOB?

      Assista o vídeo! Ele passou ao lado de uma viatura da civil!!!!!!!!!!!!!

      Excluir
    4. Júlio Bomfim05/02/13 11:20

      Passou ao lado da viatura... é como já sabemos: a polícia só age quando é solicitada ou enviada para alguma tarefa específica. Nada de "servir e proteger" como vemos em países sérios. Ficar parado sem fazer nada (fazer cumprir a lei) e ganhar salário até eu queria né? Lamentável.

      Excluir
  38. O problema todo nao e' educacao, escolaridade ou nivel de desenvolvimento do pais... O problema e' que no Brasil nao ha' policiamento..... se existisse a possibilidade de haver um policial escondido na proxima esquina e pronto para flagar os motoristas em excesso de velocidade, ninguem iria acelarar como um idiota, e lombadas nao seriam necessarias, nem radares carissimos.
    Em varias cidades americanas e europeias, e' possivel cruzar com viaturas policiais fazendo patrulhamento em qualquer hora do dia ou da noite, com suas sirenes e luzes desligadas, e com seus radares operando. E por isso, e somente por isso, as leis sao obedecidas.
    Aqui no Brasil, quando cruzamos com uma viatura policial, normalmente eles estao com suas luzes "giroflex" ligadas e avisando a todo infrator que a "otoridade" esta' chegando, dando tempo para que o infrator deixe de cometer a infracao, e comporte-se como manda a lei, ou com tempo do delinquente fugir.
    Portanto eu defendo que nao precisavamos dessa Lei Seca mais severa como o Bob escreveu ontem, e muito menos tantas lombadas, bastasse que a policia voltasse a ter o seu poder de policia, podendo apontar, advertir, multar e prender quem estivesse fora da lei... Bastasse uma lei que dissesse que as leis existentes devem ser obedecidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante04/02/13 22:55

      BOa opinião, realmente a fiscalização faz falta.

      Excluir
    2. Verdade, puliça adora um giroflex ligado, devem sentir algum tipo de tesão comm isso, só pode!

      Excluir
  39. Do jeito que a coisa vai, ainda vão criar uma lei exigindo o uso obrigatório de rodas quadradas.

    ResponderExcluir
  40. Parece que liberdade consciente realmente não funciona. Aqui na pequena cidade onde eu moro, por exemplo, tem uma avenida que praticamente atravessa a cidade cujo limite de velocidade é 60 km/h. Eu sempre procurei respeitar este limite pois considero que ele é até alto demais para o local. Porém cansei de ver veículos bem acima do limite, inclusive caminhões carregados. As vezes dava até medo de ver carros pasaando em alta velocidade e em plena aceleração, uma verdadeira atrocidade. E foi assim durante muitos anos.
    Resultado: Há aproximadamente um ano encheram a dita cuja de lombadas ou quebra-molas, que obrigam a reduzir a velocidade para uns 20 ou 30 km/h. Agora todos tem que pagar o pato por causa dos imbecis que não tem o mínimo de bom senso e muito menos respeito pelo próximo.
    LAMENTÁVEL !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sergio S.
      É o que sustento: desse jeito o motorista brasileiro nunca adquirirá noção de responsabilidade. Para resolver esse problema basta fiscalizar com câmeras. Em São Caetano do Sul, onde fica a fábrica 1 da GM, a avenida Goiás, a principal, era cheia de lombadas, um inferno. Até que um dia um cara vinha rápido e freou para sinal meio tarde: havia uma lombada, o carro perdeu um pouco de contato com o solo e não parou. Resultado: mãe e três filhos atropelados e mortos. Em seguida tiraram todas as lombadas e hoje há câmeras em profusão lá.

      Excluir
    2. A "avenida" da "pequena cidade" é um trecho urbano de rodovia federal ou estadual, em cujas margens se expandiu a cidade? Só um chute.

      Excluir
  41. Na Argentina e no Uruguai as estradas são equipadas com uma série de elevações transversais com 5 cm de altura dispostas a intervalos decrescentes. A vibração estimula o motorista a aliviar o acelerador sem causar dano excessivo. AGB

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio05/02/13 17:45

      Que nem na chegada da Raposo Tavares a São Paulo? Onde a estrada acaba num semáforo?

      Excluir
  42. Caro Sr. Bob,

    Precisamos do Sr. no Contran. Ou sei lá, tente se candidatar a deputado. Para representar-nos.

    Atenciosamente,

    ResponderExcluir
  43. "...como a maioria não gosta muito de raciocinar...

    Infelizmente, a frase acima encerra a causa única dessas mazelas medonhas que somos obrigados a nos sujeitar dia-a-dia nesta terrinha tupiniquim, trânsito inclusive. Perdeu-se o bom senso, a responsabilidade pelo atos. A esmagadora maioria, quando erra, sempre tem alguém ou algo para culpar, nunca foi erro próprio, por imperícia, imprudência ou mesmo fatalidade. A coisa no trânsito brasileiro ficando tão feia que nem mesmo lombadas (aquelas poucas construídas dentro da lei) estão sendo 100% eficazes para reduzir velocidade onde necessário. Tenho observado que o volume de imbecis que passam a toda por elas têm aumentado assustadoramente.

    ResponderExcluir
  44. AC

    Eu trabalho em uma empresa que trata de resíduos sólidos (lixo) e temos contrato para puxar plástico inutilizado de uma indústria de papel até o seu aterro sanitário.

    Neste percurso, os caminhões trafegam com 12 toneladas de carga na caçamba e fazem um trecho dentro da cidade de aproximadamente 11 km, onde existem nada menos que 21 lombadas, sendo que duas delas estão há 12 metros uma da outra.

    O que piora a situação é que em mais da metade do percurso o estado do asfalto é simplesmente inoperável, lastimável, só se enxerga a camada original de asfalto nas bordas, junto ao meio fio. Na pista de rolagem há uma miscelânea, uma verdadeira lazanha de piche, a variedade de cores, texturas e tamanhos de tampões é digna de um catálogo.

    Não há paciência que aguente bater caixa por 11 km em uma pista que, se fosse de terra batida, seria mais suave.

    É o Brasil lutando contra a felicidade dos motoristas.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não é de Telêmaco Borba (Paraná)? Pela descrição da cidade se encaixa bem...

      Se for, é bom contar que esse trecho de estrada está isolado do resto da cidade por duas avenidas marginais, há passarelas para a travessia de pedestres e é uma subida interminável. O caminhão subindo carregado tem de reduzir marcha para passar lombada.

      Excluir
    2. Eu fico pensando, se nossos políticos tivessem vergonha na cara e amor ao país, sentiriam-se humilhados ao visitar países de primeiro mundo e outros bem mais pobres que o Brasil e constatar que mazelas que aqui são tratadas como normais ou inevitáveis, inexistem (ou são raras) lá fora e tentariam resolver quando voltassem.

      Mas daí me lembro que nossos políticos são uma essência piorada do nosso povo "maravilhoso, educado, inteligente, honesto e republicano" e percebo que terei que conviver com vias da pior qualidade, cheias de lombadas e radares e que posso me tornar um criminoso se resolver apenas experimentar alguma bebida antes de dirigir.

      Excluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.