MOTOR DO OPALA V-8


Por que começar pelo motor? Porque o projeto começou assim, comprei o motor sem ter o carro. Encontro o AG no banco e ele me fala: "Xará, consegui um motor barato, um 350 encamisado mas inteiro, virabrequim bom, e ainda vem com coletor de admissão e um carburador quádruplo. Oitocentos dólares". Nessa época (olhem o ano do catálogo) o dólar estava pouco acima de 1 real, achei bem razoável e paguei o motor. Já poderíamos começar.

A internet ainda estava engatinhando e o que ainda funcionava bem eram os catálogos, e o da PAW era do porte de uma lista telefônica das boas. Já folheei esse catálogo incontáveis vezes, é impressionante a variedade de material de performance que os americanos têm à disposição para os motores mais tradicionais deles. O AG, nessa época, já contava ter feito uns 100 motores V-8, e a orientação era de um carro forte, mas sem exageros, até porque o Opala é um carro bem mais leve do que as barcas americanas.

Nesse meio tempo, o AG, que sempre devorou as principais revistas americanas de performance, recebeu um exemplar da Chevy Performance onde uma matéria mostrava uma receitinha de orçamento barato para o small block 350. Medido em dinamômetro, o motor da matéria passava um pouco de 300 cv. Resolvemos fazer daquele jeito.

Encomendamos um Deluxe Master Rebuild Kit para 350, opção com pistões fundidos (mais barata), já que pensávamos em um redline por volta de 5.000 rpm. O kit vem bem recheado, pistões, anéis, bronzinas, tuchos, corrente do comando e árvore de comando, além do jogo de juntas, tudo zero bala.

Pedimos frete aéreo para adiantar o serviço e um mês depois fui buscar a encomenda em uma agência dos Correios. Deu um probleminha, o pedido foi feito por telefone e o americano não entendeu bem o meu nome. Veio escrito na caixa Alex Carzlao, meio diferente de Alexandre Cruvinel, mas felizmente o funcionário dos Correios teve bom senso e liberou a encomenda. Afinal, como eu ficaria sabendo qual o conteúdo da encomenda se não fosse eu mesmo o destinatário?


O tal kit permitia escolher uma entre várias opções de pistões e comandos de válvulas, achamos interessante usar uma taxa mais alta por conta do álcool contido em nossa gasolina. Encomendamos esse aí do lado, sobremedida (0.030 pol., ou 0,762 mm), que combinado com os cabeçotes de câmara grande, daria uma taxa de compressão por volta de 10:1. Para chegar aos 11:1 publicados, só usando os cabeçotes com câmaras menores. 

O comando de válvulas, para uso com tuchos hidráulicos, foi o 10310 aí da tabela ao lado, um 280/290° com 0,443/0,465 pol. (11,25/11,81 mm) de levantamento, o primeiro com classificação 3 numa tabela de "brabeza" que vai de 1 a 5. Escolha acertadíssima, o motor ainda tem lenta e força em baixa, não embaralha nada, e sobe liso a mais de 5.000 rpm. Menos comando ficaria molenga em alta, um mais bravo provavelmente resultaria em um motor mais áspero, já meio recalcitrante em baixas rotações. Para fechar o pacote, uma admissão Edelbrock Performer de alumínio, também com perfil para uso entre 1.000 e 5.500 rpm, e um carburador Holley quadrijet 600 CFM double pumper, segundo estágio mecânico. Coletor de descarga original, de ferro fundido e uma descarga feita pelo AG soldando tubos de 2 polegadas, dupla até lá atrás, onde se juntam em um abafador. Sabemos que o gargalo hoje são os coletores de descarga, e assim que sobrar uma graninha, vou em uma loja de escapamentos aqui perto de casa, a Scap Turbo, e encomendo uns coletores dimensionados para o motorzinho expirar melhor.

Tabela 'escolhendo o comando certo'

Assim que o carro voltar a funcionar como deve, marcarei uma sessão de dinamômetro para medirmos a potência antes da troca dos coletores de descarga. Depois que fizer a troca, marco outra e vamos saber quantos cavalos vamos ganhar com a troca.

AC

23 comentários :

  1. abaixo o comentário anônimo!

    ResponderExcluir
  2. Aléssio Marinho22/11/11 12:37

    AC,

    800 obamas hoje não compra nem a foto desse motor. Em 95/96 era o preço do carro, e em estado impecável!
    Esse post merece um pronunciamento do AG!

    ResponderExcluir
  3. Alexandre - BH -22/11/11 12:40

    Cruvinel,

    Aguardamos o resultado. Parece que vai ficar muito bom. E esse projeto aqui, você já deve conhecer, não?

    http://www.vrum.com.br/app/301,12/2006/07/23/interna_nostalgia,1279/possuido-por-um-v8.shtml

    ResponderExcluir
  4. Nessas horas é sempre bom lançar bom do alfabeto fonético. Charlie-Romeo-Uniform-Victor-India-November-Echo-Lima :)

    ResponderExcluir
  5. Outro dia procurei o site da PAW e ele remete ao e-bay, os preços deles sempre foram melhores que os da Summit.

    ResponderExcluir
  6. Esse tempo todinho para colocar esse motor em um Opala? E ainda não está acertado!

    ResponderExcluir
  7. Isso é que é "long term project"...

    ResponderExcluir
  8. Alguém tem idéia de quanto custa pra montar um motor desse nível ou um pouco mais bravo hoje? Penso que deve custar uma pequena fortuna.

    Vendo esses posts começam a passar idéias malignas na minha cabeça e na de muita gente aqui. 300 cv é diversão garantida sem motor quebrando o tempo todo!

    ResponderExcluir
  9. agora sim um post descente...

    ResponderExcluir
  10. O carro saiu da mão do AG acertadíssimo, enchia da lenta a 6 mil rpm liso. Vieram os filhos, mais trabalho e o carro ficou muito parado. Agora, com o incentivo e ajuda de amigos, colocamos o carro para andar. Falha por conta de algum defeito, talvez alguma zica de cabeçote. Vamos descobrir qual o galho.

    ResponderExcluir
  11. Para quem não sabe, eu e o Cruvinel trabalhamos junto no BB na mesma dependencia, no mesmo setor e na mesma função durante uns anos. Foi api que começou nossa amizade. Como o cara é um entusiasta de carteirinha, resolvi ajudar a ee a realizar um sonho, o opaloito.
    Como o cara é meu camarada e colega de trabalho, passei direto a ele tudo o que era necessário e suficiente para tornar o sonho realidade. No fim, montamos o motor. Depois, compramos o carro e um dia, numa oportunidade, montamos a mecanica nele. E depois, não bastasse o já feito, trocamos o cambio por um de dodge, close ratio e o diferencial por um dana 44.
    O lance do motor foi simples, queriamos algo de rua, mas com poder e vigor inquestionaveis. Lendo a reportagem, achei que o combo utilizado por eles era perfeito pra nossa aplicação.O motor em si não tem nada demais, nem de menos, foi MUITO barato mesmo na época da compra, por ter sido encamisado, uma pratica censuravel, mas que na situação, era o encamisado por 800 ou um não encamisado por 5 mil. O carburador final, um holley 600 double pumper, até mais para pequeno que para certo no motor em questão, ajudou muito no resultado final. Bura sempre se erras para menos, nunca para mais. Ignição original GM HEI, eletronica, descarga indutiva, cabos de silicone 7mm, nada demais, os cabeçotes usados foram de 350 mesmo, fundido 882, camaras de 76cc, valvulas 1.94" e 1.50, sem nada além disso. Estavam na minha caravan e como eu tinha conseguido um par de 441, com camara de 69cc e dutos de escape mais legais, troquei e passei os 882 pro Cruvinel.
    Hoje, respondendo a quem perguntou, o valor de um motor 350 equivalente ao dele, mas num bloco sem camisas, original fica entre 12 e 14 mil reais, dependendo de algumas escolhas do comprador e pronto para instalar em um opala, completo com bura, ignição, carter, bombas, volante e ministarter. E claro, garantia de ter sido feito pelo mecanico mais facinora do planalto.

    ResponderExcluir
  12. luizborgmann22/11/11 19:45

    Olá meus caros,
    Acompanho com atenção e curiosidade, ainda mais quando a matéria é muito boa e recheada de detalhes como esta. Sabemos que hoje o Detran registra o n° do motor ao documento. No entanto, ao tentar o registro de um motor mais potente ao veículo, o Contran/Denatran já dispõe de resoluções que limitam a potência excedente a não mais que 10% à potência original do veículo, sob a fiscalização técnica e homologação do Inmetro. Também não podemos usar o expediente de utilizar o veículo sem o registro do novo motor, à revelia, pois as blitz tem curiosidade em saber o que há debaixo do capô.
    luiz borgmann

    ResponderExcluir
  13. Alexandre - BH -22/11/11 20:16

    Extra! Extra! Ford Ka e Nissan March tomam bomba!

    http://quatrorodas.abril.com.br/noticias/ka-march-sao-reprovados-crash-test-307900_p.shtml

    ResponderExcluir
  14. A cada vez q leio os posts dos Alexandres vejo que já fui vizinho e um e hoje do outro rs. Capaz de já ter esbarrado.
    O carro além de bonito por fora, tem um baita motor, e o mais legal é que foi tudo DIY.

    ResponderExcluir
  15. Paulo Ferreira23/11/11 12:14

    Uma pergunta um pouco offtopic aos colegas autoentusiastas. Quanto a mudança de motor, é possível legalizá-la sem problemas? Uma vez que está na resolução 292 de forma bem ambígua que só são permitidas alterações de potencia/cilindrada em até 10% além dos valores originais.

    ResponderExcluir
  16. Cruvinel,

    Agradeço por você escrever sobre esse assunto ultra-mega-legal-auto-entusiasta.

    Aguardo os dados do dinamômetro antes e depois da instalação dos coletores de admissão dimensionados.

    ResponderExcluir
  17. Paulo Ferreira,

    Também tenho esta dúvida pois se colocar um turbo em qualquer carro com certeza irá aumentar mais do que os 10% da potência original. Por outro lado, vejo carros turbinados regularizados com a palavra "turbo" na parte de modificações do documento. Um deles foi um Uno Turbo com 1.6 Sevel + Turbo rendendo muito mais do que os 130 cv permitidos (118 + 10% = 129,8).

    Outra vez ví no programa Lata Velha do Luciano Huck um Chevette modificado que recebeu um 6 cilindros de Opala. Antes o carro estava turbinado e o DETRAN-SP falou que não regularizaria carros com este equipamento, assim eles resolveram colocar um 4.1.

    Sinceramente não entendo, para mim era como se falasse: "Você está com uma doença incurável mas pode ficar tranquilo que em uma semana você estará completamente curado".

    ResponderExcluir
  18. Ao Alexandre - BH, 22/11/11 20:16:

    E, enquanto os carros "nacionais" passam vergonha nos testes simples do LatinNCAP, até os chineses já estão conseguindo 4 estrelas no rigoroso EuroNCAP:

    http://carplace.virgula.uol.com.br/mais-seguros-veiculos-chineses-recebem-quatro-estrelas-nos-testes-da-euroncap/

    ResponderExcluir
  19. Alexandre - BH -24/11/11 01:52

    Pois é, anônimo das 19h32, pra você ver como os chineses são ágeis. Os caras não entraram nesse negócio pra perder. Recentemente tentaram empurrar seu lixo automotivo nos EUA e Europa, mas voltaram com o rabo entre as pernas. Agora, em pouquíssimo tempo, alguns modelos praticamente se igualam a marcas tradicionais no item segurança. Só espero que os chineses não tenham dois padrões de qualidade: Carro “Vip” vai para países ricos; carro “Vamp” vai para países pobres (Brasil e Cia.), para sugar nossa vida em qualquer batidinha a 40 km/h.

    ResponderExcluir
  20. AC,

    Naquele dia do primeiro post, por acaso levei meu jipe com motor de opala até a oficina de um amigo para resolver um problema. Eis que ao chegar lá me deparo com o dito opaloito....parabens pelo carro. Realmente vai ficar um canhão quando resolver esses problemas.

    abs

    ResponderExcluir
  21. 6 não era mais que 8?

    ResponderExcluir
  22. Nunca. O Clifford dizia que 6=8, mas sabemos melhor que não é bem assim.

    ResponderExcluir
  23. 6 é mais que 8 o quê? Mais comprido? Só se for!

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.