CARROS PARA O TERCEIRO MUNDO




No início da década de 1990, a Fiat tomou uma decisão: Lançaria 2 carros pequenos: Punto e Palio. O primeiro seria destinado aos mercados "desenvolvidos" (Europa, basicamente), enquanto que o segundo seria feito para o terceiro mundo e seria desenvolvido na maior fábrica da Fiat fora da Itália, situada em Betim, MG. Sendo assim, o Palio foi projetado pensando diretamente nas condições brasileiras, com toda a sua buraqueira. Deu certo, desnecessário descrever a robustez do carrinho, um dos fatores de sua boa fama no mercado que determinou seu sucesso de vendas, podendo ser facilmente constatado ao se olhar a quantidade de Palio e seus derivados rodando pelas ruas brasileiras.

A GM fez a sua parte, ao lançar aqui o Corsa Sedã em fins dos anos 90, versão que nunca existiu na Europa. Simplesmente não existiu por lá porque o Corsa foi concebido para ser um carro urbano ("citycar"), feito para ser pequeno e estreito, com o objetivo de andar com desenvoltura nas apertadas ruas das milenares cidades do velho mundo, construídas numa época em que nem se sonhava que um dia poderiam existir veículos que se movessem sozinhos (auto-móveis). Para um citycar, um porta-malas saliente não serve para nada, apenas atrapalha para estacionar nas exígüas vagas.

Já no Brasil, de renda familiar média muito inferior e que por isso a grande maioria das famílias pode ter apenas um automóvel, o carro tem que ser "pau pra toda obra": Levar o pai ao trabalho, a mãe ao supermercado, as crianças à escola e ainda cair na estrada no final de semana levando todos e mais a sogra, o cachorro e o papagaio para irem à praia. Neste contexto, um sedã faz muito mais sentido do que um hatch. Talvez este tenha sido um dos fatores do sucesso do Chevette sedã, enquanto que o hatch que havia sido lançado depois acabou ficando pelo meio do caminho em 1988.

Porém, o Corsa sedã continuava sendo um derivado de um apertado citycar, apenas oferecendo um porta-malas. Era, portanto, uma adaptação de um carro que tinha um propósito totalmente distinto às necessidades do nosso mercado.

A GM continuou nesta linha de criar carros para o terceiro mundo ao lançar Celta e Prisma, que se traziam um design mais inovador do que o Corsa de quem derivavam, por outro lado eram versões simplificadas destes, mais baratas de serem construídas. Além de termos citycars com função desvirtuada, eles ainda são depenados para custarem menos para serem feitos.

A Ford fez aqui também o Fiesta sedã de primeira geração, de traseira um tanto quanto esquisita, pensando neste mercado. Vendeu muito pouco, hoje é raro vê-lo nas ruas. A VW deu a sua contribuição com o Fox, que nada mais é do que uma versão simplificada (e mais alta) do pequeno e caro Polo.

Até então, os carros destinados ao Brasil, com a exceção do Palio, eram versões adaptadas e/ou simplificadas de citycars europeus. Parece que a família que só podia comprar um carro do segmento inferior do mercado estava condenada a andar num carro pequeno e apertado, que na Europa serviria apenas como carro urbano e que normalmente não é o único carro da família. 

O que lá era urbano e só servia para ir ao trabalho durante a semana, aqui teria que servir para tudo. A família que quisesse um carro com mais espaço teria que partir para um sedã luxuoso, isso SE pudesse pagar.

Uma interessante evolução neste mercado chegou por aqui em 2007, quando a Renault lançou o Logan. Este havia sido lançado na Romênia alguns anos antes e foi um carro feito pensando na necessidade de países mais pobres, em que as famílias têm que ter um carro só. O Logan foi feito pensando no mercado da Europa Oriental, que, por ter renda familiar média similar à nossa, acaba tendo necessidades bem parecidas com as daqui. O Logan tem tudo a ver com nosso mercado.

Interior espaçoso, como convém a um carro familiar...

As medidas do Logan não deixam dúvidas quanto à pretensão de ser um carro para toda a família:

Comprimento: 4.250 mm
Largura: 1.730 mm
Entreeixos: 2.630 mm
Porta-malas: 510 L

Apesar do design pouco elogiado (para ser politicamente correto, porque o colunista que aqui escreve acha o Logan feio mesmo), ele foi pensado para não apenas custar pouco para ser construído, mas também para ser o pau para toda obra da família. Acabou que ele é um carro que tem espaço interno e porta-malas dignos de um carro classe C (médio), mas tem acabamento e preço de classe B. 

Além disso, é feito para ser robusto e ter manutenção barata. E isso tudo gastando pouco combustível, porque o orçamento da família é apertado. Quer mais? Ainda é pequeno por fora, para não ser um trambolho na hora de estacionar.

...porém espartano típico de carro classe B, para reduzir custo de produção


Um carro barato de comprar, barato de manter, com um bom espaço de sedã familiar (a proposta não é para ser um sedã para a família mesmo?), com acabamento simples para um público menos exigente, que também não exige grandes mimos. Na Europa, o Logan tem fama de carro muito resistente, como convém aos países do leste europeu e a famílias com o dinheiro contado.

Foi uma sacada e tanto da Renault, é justamente o que um país em desenvolvimento precisa. Citycars são feitos para serem o segundo carro de uma família que já tem outro carro maior, não para ser o único carro.

Por 4 anos, o Logan reinou sozinho. Porém, a concorrência não dormiu: Neste ano foram lançados dois concorrentes que apresentam a mesma proposta: O Nissan Versa e o recém-saído do forno Chevrolet Cobalt. Curiosamente, um deles é do mesmo grupo da Renault (o Nissan).

As medidas destes carros são as seguintes:

Nissan Versa:

Comprimento: 4.470 mm
Largura: 1.700 mm
Entreeixos: 2.600 mm
Porta-malas: 460 L



Chevrolet Cobalt:


Comprimento: 4.470 mm
Largura: 1.730 mm
Entreeixos: 2.620 mm
Porta-malas: 563 L


Os três têm dimensões dignas de carros de segmentos bem superiores. Para um termo de comparação, Vectra B tinha 2.640 mm de entre-eixos e 1.710 mm de largura, Monza tinha 2.574 mm e 1.670 mm, ambos eram considerados carros médios grandes ao seu tempo (classe D). Para ficarmos nos atuais, Corolla tem 2.600 mm de entreeixos e 1.760 mm de largura.

Porém, pelas fotos podemos ver que os interiores não seguem o padrão de carros mais luxuosos, se assemelhando com carros mais baratos, não escondendo a intenção de ser um carro simples, porém espaçoso.

Pelo visto, os carros médios econômicos vieram para brigar de vez. E o consumidor da faixa dos 30 a 40 mil só tem a comemorar, pois finalmente ele tem a opção de ter um carro cujo preço está mais ao seu alcance sem ter que submeter a família ao aperto de um citycar. 

Principalmente quando for à praia no final de semana, levando esposa, filhos, sogra, cachorro e papagaio, agora tem espaço para todo mundo e lugar de sobra para a bagagem, que não tem mais que ir no colo dos meninos e nem no pé da sogra.

CMF

P.S.: Antes que venham as pedras: Quando falo "barato", estou dizendo que é barato relativamente ao superfaturado mercado nacional. Não que um carro de 40 mil reais seja barato, mas se considerarmos que aqui no Brasil os carros como um todo são muito caros, 40 mil não é tão caro comparado ao que o mercado nos oferece.

(Atualizado em 10/11/11 às16:50, correção de dado, entreixos do Monza; erro de edição)

64 comentários :

  1. O bom é que os três carros são uma "gracinha", um primor do design mundial...(!)

    Post bem pertinente.

    ResponderExcluir
  2. Estou muito curioso para conhecer o Versa e o Cobalt ao vivo. O Logan eu conheço bem (tenho um) e para quem quer que me pergunte, recomendo fortemente. Tirando a feiura (agora, menos um pouco) e a simplicidade do interior (agora, também menos um pouco), temos um carro espaçoso de verdade, com todo o conjunto mecânico muito bem acertado, econômico, gostoso de dirigir, resistente, e de manutenção barata. Dentro de sua proposta, é extremamente honesto, e até agora, era imbatível. Vamos ver ao que vieram o Versa e o Cobalt, embora pelo que eu tenha visto, o Cobalt está com preços mais salgados que o Renault e o Nissan.

    ResponderExcluir
  3. Alexandre - BH -10/11/11 12:45

    Alegrai-vos, irmãos! Espaço já temos. Agora só falta beleza, porque esse "trio calafrio" é de dar medo!

    ResponderExcluir
  4. Ainda assim, prefiro um hatch pequeno com motor 1,6 16V.
    Será o March? Talvez, mas o acabamento é pobre...

    ResponderExcluir
  5. Excelente e pertinente post!

    Em 2008 fiz um post no meu blog sobre sedans compactos.

    http://penseaovolante.blogspot.com/2008/03/sedans-compactos-versteis-para-um-pais.html

    ResponderExcluir
  6. O problema é quando junta um carro desse porte lotado de gente e bagagem a um motor de baixa potência, como sempre aconteceu com os outros sedanzinhos.

    ResponderExcluir
  7. Alexandre - BH -10/11/11 13:35

    Farjoun,

    Nosso primeiro Fiesta sedã era importado do México.

    ResponderExcluir
  8. Comparando o Cobalt com o Logan, dá para ver que a GMB pensou em cada detalhe no qual o Logan falha. No Chevrolet há banco traseiro rebatível, ainda que o pneu estepe seja de uso temporário (OK, estepe é para ser usado temporariamente mesmo, mas daria para ter feito uma caixa para estepe normal sem perder tanto espaço, imaginando-se que o porta-malas tenha mesmo 563 l).
    Porém, preocupa-me o fato de o Cobalt ter 4,48 m. Daria para sossegadamente ter o mesmo comprimento do Logan com tanto espaço quanto ou mais. Fora isso, o diâmetro de giro do Chevrolet é de 10,9 m, 0,4 m a mais que o Logan, o que significará que esse carro é só 0,1 m menos trambolhoso para manobrar do que a média dos modelos médios de mesmo tamanho, que está na casa de 11 m (que por si só já trambolhizam bem um carro que não é grande).

    ResponderExcluir
  9. Negócio é comprar carro usado, meu pai comprou um Focus 2004 1.6 por 24 mil, muito mais carro.

    ResponderExcluir
  10. Que saudade dos anos 80 e inicio dos 90... tinhamos carros e eramos felizes....
    .
    Quero de volta: monza, opala, quantum, omega, parati gls, voyage gls, etc...

    ResponderExcluir
  11. Negócio é comprar carro usado[2]

    ResponderExcluir
  12. jackie chan10/11/11 13:54

    Parece que o Etios da Toyota também está a caminho do mercado brasileiro. O curioso é que, ao meu ver, o Logan é o menos feio da turma, justamente por ter visual ultrapassado, dando a impressão de ser apenas um carro mais antigo. Os demais são feios mesmo... Quanto a questão da suposta robustez (mecânica) dos carros feitos no Brasil (Palio, Mille, Gol...), acredito que é mais lenda do que fato, já que muitos carros importados décadas atrás, de varias origens, têm apresentado igual ou superior robustez sob as nossas condições de rodagem.

    ResponderExcluir
  13. E com R$ 30.000 dá para comprar uma ratoeira dessas?!!

    ResponderExcluir
  14. jackie chan10/11/11 13:57

    Negócio é comprar carro usado. [+1]

    ResponderExcluir
  15. Tem mais um fator que conspira a favor do Logan e assemelhados: o processo de "obesificação" dos consumidores brasileiros,especialmente dentro do público alvo. Por sinal, a Renault já explorou isso de forma mais ou menos explícita na sua propaganda.

    ResponderExcluir
  16. CCN1410: o Versa vem com motor 1.6 16v, e o Logan (infelizmente, só no caso do automático) pode vir também, embora o 1.6 8v seja o bastante (eu garanto) para a condução segura (inclusive em rodovias) de um veículo familiar que seja usado como tal. Se você quer dirigir mais esportivamente, aí o hatch é mais apropriado mesmo, he, he! Quanto ao "interior pobre" do March, creio que você esteja mais querendo dizer "interior simples". Um interior simples mas bem cuidado (que me pareceu ser o caso quando fui conhecer o March), até acho aceitável quando um carro se propõe a ser "barato". Só não dá para aceitar acabamento porco, com encaixes mal feitos, rebarbas, coisas assim.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  17. Augusto Filho10/11/11 14:39

    Para mim, essas luzes traseiras no formato de L invertido tal qual no Versa, Pallas, Palio, Sandero já deu o que tinha de dar... Que coisa mais feia!

    Alquém concorda?

    ResponderExcluir
  18. Obrigado a todos pelos comentários.

    Não sabia que aquele primeiro Fiesta Sedan, que aqui foi vendido como Fiesta Street, era mexicano. O fato é que não teve sucesso, pois competiu com o já estabelecido Corsa Sedan e mesmo seu irmão maior, o novo Fiesta Sedan, baseado no Fiesta de 2002.

    Gosto é gosto, mas eu pessoalmente não gostei do design de nenhum dos três. O Cobalt é até bonitinho da coluna A pra trás, mas a frente eu achei muito feia também. Caramba, parece até enfeiada de propósito pro carro não ter apelo de design! O Logan então é totalmente quadradão e sem sal, lembra até o jeitão antiquado do Mille. Apesar de que essas linhas quadradas são ótimas para o espaço interno (vide como o Mille sempre conseguiu ter um bom espaço interno quando considerado seu tamanho externo). O Versa também não me pareceu um primor de design, suas linhas angulosas são no mínimo esquisitas.

    Talvez isso seja proposital, para que ninguém mais sensível a design ou a apelo emocional deixe de comprar um carro mais caro para ficar com os espaçosos baratos.

    Antes de tudo, estes carros são compras racionais, parece até que são feitos para propositalmente não darem nenhum status (quem quer status que pague mais caro por carros que o dêem), mas sim para serem comprados por quem precisa de um carro para a família e compara racionalmente as opções do mercado para escolher o que mais lhe atende.

    PS: As afirmações referentes a "bonito" e "feio" SÃO AS MINHAS PERCEPÇÕES PESSOAIS. Outros colunistas deste blog podem ter opinião diferente.

    ResponderExcluir
  19. bem off-topic, porém de grande valia. Quem reclamava de autoesporte e afins tá aqui um início de programa bem bacana
    http://www.youtube.com/watch?v=M24kevj7m-U

    ResponderExcluir
  20. Prefiro um Focus Ghia Sedan 2008 por 30k do que qualquer um destes monstrengos.

    ResponderExcluir
  21. Chega de sertanejo universitário. Chega de sedan popular monstruoso. Chega de operação abafa em favor de ministros e governadores corruptos. #prontofalei###

    ResponderExcluir
  22. Mr. Car: Eu ainda não fui ver o March, mas li em algum lugar que o acabamento era pobre.
    Mas se for simples e bem acabado, é o que procuro.

    ResponderExcluir
  23. Sedã é um carro sem sentido. Um pedaço grudado la atrás e todo aquele vazio sobre ele. Carro de família é perua!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente!

      Excluir
  24. Posso até estar enganado, mas tenho visto muitos Logan em estadionamentos de faculdades de exatas, lugar em que ser associado a algo que não prioriza aparência, mas praticidade e racionalidade dá um certo status. Disso eu tiro que:
    -O Logan dá, sim certo status;
    -Não existe carro errado, e sim consumidor certo para cada carro.

    ResponderExcluir
  25. A briga na categoria ta "feia" mesmo.

    E o segmento que mais cresce no Brasil é o segmento de carros feios.

    ResponderExcluir
  26. O negócio é comprar carro usado [4]

    ResponderExcluir
  27. O negócio é comprar Astra e Focus usados.

    ResponderExcluir
  28. Muito bom post.
    Porém se me permite, com todo o respeito, gostaria sim de atirar algumas pedras.
    Primeiramente, o primeiro Fiesta Sedan era importado do México, e não nacional. De qualquer forma, creio que a realidade mexicana não seja muito diferente da nossa.
    Em segundo lugar, me parece, e pode ser que eu esteja redondamente enganado, que o carro que tem como público-alvo a família com dinheiro contado, ainda é e por muito tempo vai ser o carro usado. E por que não dizer, o carro velho mesmo. A realidade econômica da população em geral, apesar de ter melhorado muito nos últimos 20 anos (antes não sei, ainda está muito, mas muito longe mesmo, da realidade dos países desenvolvidos.
    Digo isso fundamentado numa observação pessoal minha: raramente vejo carros "populares novos" (esses carros fabricados às centenas de milhares e vendidos através de financiamentos atrativíssimos) ocupados por mais de uma ou duas pessoas. Parece-me que os solteiros e jovens casais são seus maiores compradores.
    Além disso, creio que a economia de custos almejada pelas montadoras não justifique as aberrações estilísticas que temos visto nos últimos 5 ou 6 anos. Dá para reunir design inovador de bom gosto com baixo custo, e o atual Uno é um forte exemplo disso. Muitos vão querer me enforcar, mas também o Fusca, a seu tempo, conseguiu essa proeza. Neste azo, é importante não confundir design com bom acabamento.
    E para finalizar, na minha humilde opinião não cabe a comparação do Cobalt com o Logan, pois o Chevrolet é um carro de dimensões maiores e creio eu, de preço superior, o que conta muito nessa categoria.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  29. Aléssio Marinho10/11/11 18:40

    CMF;

    Tive um Fiesta Sedan Street, 2002, mexicano. Era 1.6 Rocam e comprei-o usado, mas conhecia o carro desde a concessionária. Fiquei com ele por pouco tempo, e foi um dos melhores carros que tive. Muito bom de estrada, provocador e com um bom porta malas, mas o espaço interno, principalmente no banco traseiro era uma lástima. O único defeito do carro.
    Tenho um Logan 1.0 a 2 anos. E estou muito satisfeito com ele. Cabe tudo e todos que preciso carregar nele, e gasta muito pouco combustível, mesmo com o ar ligado todo o tempo.
    O carro te conquista pelo uso, pela sua simplicidade, praticidade e robustez. A suspensão trabalha muito bem, graças ao chassis robusto, transmitindo segurança e conforto difíceis de se ver mesmo em carros maiores. E isso é uma coisa que me agrada muito nele. As reações que a suspensão e a direção transmitem parece de um carro de maior porte.
    Não acho o Logan feio. Me lembra muito o primeiro Tempra 16v, que era um carro de desenho simples, mas muito equilibrado, como o Logan. Dessa simplicidade que vem a sua beleza.
    Mas falta mesmo é algum requinte na cabine. Um pouco mais de tecido nas portas, como um veludo, um plástico de outra textura e os bancos do Clio, elevariam ele a uma outra categoria.
    O Cobalt me chamou a atenção pelo desenho do interior, que me agradou. Espero que ao vivo seja de tão bom aspecto, qualidade e requinte que faltam ao Logan.
    Tem que ser barato, mas não parecer tanto...

    ResponderExcluir
  30. Fausto Silva10/11/11 18:42

    JAC Motors lança versão "Brasil" para o J3

    "Modelo especial trará película protetora dos vidros"


    Sim, até as chinesas estão entrando na onda de carros para o terceiro mundo.

    http://revista.pensecarros.com.br/especial/rs/editorial-veiculos/19,521,3553240,JAC-Motors-lanca-versao-Brasil-para-o-J3.html

    ResponderExcluir
  31. o meu fiesta 1.0 sedão corre muito na dessida da sera em curitiba eu pegei nele 180 nao sei porke vosses reclama dos mil nao é todo cerumano ke pode paga um altomovel 1.8

    ResponderExcluir
  32. Anônimo das 18:47, carro 1.0 é perfeito para a cidade mas desde que tenha a devida a relação entre peso e potência bem resolvida. O Mille é o mais fraco dos nacionais e também não é um exemplo de segurança passiva mas tem uma boa "estilingada" na saída de semáforo, se o carro estiver vazio será digna de 1.6.

    Numa estrada o que muitos reclamam é justamente da potência para andar a 120km/h constantes pois o motor estará moendo a 4000 giros por segundo ou mais e com muito barulho dentro. Nem vou comentar sobre as ultrapassagens pois sempre que fazia isto todos pensavam que o Mille iria explodir.

    ResponderExcluir
  33. Concordo que o carro de muitas famílias é o usado. Porém, fabricantes não produzem carros usados, apenas os produzem novos. O objetivo do post é falar sobre esta iniciativa de desenvolver um carro para a nossa realidade, em vez de ficar simplesmente adaptando carros de mercados mais abastados.

    E muita gente mais humilde hoje em dia está entrando no 0 km, dando o usado de entrada e financiando o saldo a perder de vista.

    Pessoalmente, também sou fã de usados, só compro carros com pelo menos 3 anos de uso, justamente para não incorrer na fase de depreciação mais pesada. Mas, novamente, fabricante não fabrica carro usado.

    ResponderExcluir
  34. O jackie chan falou uma verdade, o Logan é o menos feio dos três por parecer um projeto antigo. Os outros são desengonçados. Eu pensava em trocar meu hatch 1,0 por um Focus 2002 ou 2003, mas pensando nos custos de manutenção, comecei a pensar seriamente no Logan, além de comprar um carro alguns anos mais novo.

    Queria saber a opinião do Aléssio Marinho sobre o desempenho, na estrada, de seu 1,0 cheio e com ar ligado. E a opinião dos demais sobre se o custo de manutenção de um Focus de quase 10 anos pode pesar pra alguém que não tem aqueeele salário e ainda tem outras necessidades e compromissos financeiros no momento.

    ResponderExcluir
  35. O Logan tem um visual da primeira metade dos anos 90. Já os outros têm um visual estranho, mas não exatamente feio.

    Não compraria nenhum deles, até porque prefiro hatches, mas não exitaria em recomendá-los para quem precisa de um sedã barato e com bom espaço.

    E o público-alvo desses carros está longe de poder escolher carro pelo visual, é um público que precisa mais de funcionalidade e preço do que aparência. É por isso que o Classic continua vendendo bem, apesar de ser um modelo que já deveria ter sido aposentado há anos.

    ResponderExcluir
  36. Não é por nada não, mas se a VWB retomasse a produção de Fusca, teria comprador !

    ResponderExcluir
  37. Carlos, eu gostava bastante do Fiesta Sedan. Naquela época tínhamos 2 carros, entre eles um Fiesta GL hatch comum completo, zetec rocam 1.0, carrinho valente e gostoso de dirigir como se esperava num Ford: bom de curva sem ser duro, bem confortável. Procurei muito um Fiesta Sedan 1.6 completo dessa mesma linhagem do Street, aquele até 2003 antes da primeira grande "maquiagem" ou face lift. Em suma: bom carro, honesto, manutenção pífia (nem correia dentada tem!) e só peca num ponto chato: a embreagem hidráulica que vive vazando fluido! :D

    ResponderExcluir
  38. Que coincidência! Descobri hoje que o meu Fiesta Sedan também está vazando fluido da embreagem hidráulica. Deu vontade de trocar de carro logo, para não começar a gastar muito em manutenção pesada (meu carro já tem quase 80.000km). Após ler este post fiquei com vontade de trocar meu Fiesta num Logan... O que vc acha, Carlos?

    Gabriela Cavalcanti - Brasília

    ResponderExcluir
  39. Anonimo das 13:48;

    Saudades desses carros mesmo!

    Um Del Rey carburado que gastava tanto (ou quem sabe menos) álcool que qualquer "sedanzinho" flex 1.6...Ou quem sabe um Voyage, duro como um tijolo de volante mas com um apelo mais esportivo com motor 1.8 do que qualquer modelo mais recente....

    Color disse que os carros nacionais eram "carroças"

    Hoje, os carros nacionais são "Carroças flex de design Europeu moderno"

    ResponderExcluir
  40. Se a VW relançasse o Fusca, mas cobrasse um preço BEM camarada, acho que seria uma opção viável de transporte para muitas pessoas que, ou usam ônibus e metrô, ou tem moto básica.

    Se a GMB retomasse a produção do Chevette (de preferência o "tubarão"), com as devidas atualizações possíveis (como motor moderno, econômico e eficiente, por exemplo), por um preço JUSTO, eu compraria. Até porque tração traseira em carro "zero", hoje em dia, é pra poucos.

    Se tantos carros clássicos, raros e caros (ou nem tanto) são replicados por pequenos construtores ou tem carrocerias completas disponíveis para montagem (como os da Dynacorn), por que não disponibilizar versões atuais dos clássicos populares?

    ResponderExcluir
  41. Lorenzo Frigerio11/11/11 00:27

    A opção de um motor um pouco mais potente faria bem ao Logan, tipo um 1.8, cilindrada que estranhamente caiu em desuso. Falo de um 1.8 de verdade, como o velho AP, não um 1.4 aumentado para 1.8 com bielas curtas.

    ResponderExcluir
  42. Aléssio Marinho11/11/11 01:18

    Anônimo, 10/11/11 20:12

    O 1.0 16V aceita uma boa esticada sem problemas. Corta a injeção com 6500 rpm. O ronco do motor na alta incomoda, mas dá um temperinho..rsrrs
    Viajo bastante pra praia com o meu. Geralmente vamos 3 adultos e uma cadela, mais a bagagem e mantimentos para 10 pessoas, pois na Idea do meu cunhado, mal cabem as bagagens de sua família de 4 pessoas.
    Ajudado pelo relevo plano das estradas do norte, sigo em estrada de mão dupla numa média de 120/140 sem nenhum problema, mais forte que os domingueiros de feriado e suas filas. Ultrapasso todo mundo numa boa, explorando o cambio, e com muita segurança. Muita gente acha que o meu tem motor 1.6.
    Como todo carro 1 l, tem que cambiar, sem preguiça. Em estrada, gosto de trocar as marchas em torno de 4/5000 rpm, pra deixar o motor cheio. Em cidade, dificilmente passo dos 2500 rpm.
    Andando assim, faz média de 12,5 na estrada e 10 no tráfego pesado da cidade. Mas já fiz 14,5 em viagem andando sem pressa.
    O chato é que o compressor do ar liga e desliga toda hora em cidade, por conta do anda e pára, normal pra um milzinho.
    Prefiro viajar com ele do que com o Meriva Easytronic, pois a suspensão é mais macia e o porta malas é só o dobro da minivan,
    além de me cansar menos.
    Até hoje desembolsei o valor das revisões programadas e um jogo de pastilhas aos 35 mil km. Teve uma falha na bobina, trocada em garantia aos 38 mil km, e toda a caixa evaporadora do ar condicionado aos 35000 km, também em garantia, pois estava vazando liquido refrigerante, problema que afetou os anos 2009/2010.
    Atualmente ele está com uma dificuldade na primeira partida do dia. Só pega com o acelerador pressionado a fundo. O diagnostico é que precisa trocar o canister, o que está agendado para o dia 16.
    Na garantia.
    Fiz alinhamentos aos 20 e 40 mil km e rodízio dos pneus a cada 10 mil. Semana que vem vai ganhar um jogo de pneus e trocar uma bucha da balança direita para ficar todo alinhado.
    Ah e hoje virou 50 mil km...

    ResponderExcluir
  43. Kelvin Felipe11/11/11 04:21

    Essa alcunha de carro para o terceiro mundo é bem pejorativa, mas fazer oq? A gnt "semos" terceiro mundo MERMO!

    ResponderExcluir
  44. Away de Petrópolis11/11/11 09:31

    O Aléssio Marinho já trocou o carro todo com 50.000km e ainda acha que o carro é bom.....

    pelamordedeus

    O problema do Brasil é o brasileiro

    ResponderExcluir
  45. Como já citado anteriormentem, o Logan óderia ser melhor com algumas mudanças: banco traseiro rebatível (ou será que o mesmo faz parte da estrutura?), mais material fonoabsorvente (será que custa tão mais ?) e motor 1.6 16 V (o usual, de 8 válvulas dá conta do recado , mas só, além de ser barulhento - parece motor velho. De resto, um carro equilibrado, espaçoso e robusto (está cheio de taxis por aqui no RJ). Não o acho feio. Já o Versa creio que vai vender bem, pois o seu antecessor, o Tiida sedan é horroroso e tem sido bem recebido. É a tal percepção do custo x benefício. Já o Cobalt, com esta máquina de costura 1.4 (com preço de 1.6) e um visual inacreditávelmente horroroso faz juz ao nome. Vou me afastar dele, pois é radioativo.

    Agenor Souza

    ResponderExcluir
  46. O carro mais feio da atualidade, na minha opinião, até mais que o Logan é o 207 Passion, que carrinho feio !!!

    ResponderExcluir
  47. O Logan é lindo perto do Cobalt!


    Marco

    ResponderExcluir
  48. O Logan é o carro do mão-de-vaca! Grande, barato e econômico, imbatível na relação custo/benefício, mas sem luxo algum. É o carro que o Brasil não soube valorizar.

    ResponderExcluir
  49. Devo ser o único aqui que acha o Logan bonito!
    Aliás, aposto que se Versa e Cobalt custassem três vezes mais caro e fossem vendidos como sedans médios, todos achariam lindos.
    Porém, voltando ao logan (e aos renaults em geral) o que decepciona é o acabamento, muito pobre, mas isso é normal, não sou o público dele, pois prefiro trocar "espaço", que uso pouco, por um pouco mais de conforto ou sofisticação.
    De qualquer forma, boa análise, estes carros, muitas vezes, são queimados aqui no Brasil justamente por serem honestos e econômicos, o que aqui é visto como "carro de pobre" e portanto não dá status, afinal brasileiro compra carro por status e para o próximo dono, não para seu uso e gosto.
    Mas acho legal que exista, hoje, uma categoria "low cost", mto comum lá fora e aqui ainda inovadora. A Renault definitivamente adotou esta postura por aqui.

    ResponderExcluir
  50. Pior é quando a gente ainda ganha a "casca" de um carro moderno mas por dentro é aquela coisa feita pra 3º mundo, nesse ponto eu gosto do logan por ele ser mais honesto, não tentando aparecer algo que não é.
    A Fiat por exemplo trouxe o Punto mas sem a plataforma e motores europeus, e fez o uno com a cara do panda mas só a cara mesmo. Como disse um executivo da fiat: "O Panda e o Uno nasceram juntos no design e compartilharam do mesmo conceito de criação, mas não têm nada em comum na parte mecânica”
    Fonte: http://carros.ig.com.br/salaodefrankfurt/panda+seria+um+carro+interessante+no+brasil+diz+fiat/3621.html

    E tem gente jurando de pé junto que os novos Uno e Palio usam plataforma do Panda...

    ResponderExcluir
  51. Na Europa, o Logan é considerado um carro inseguro.

    ResponderExcluir
  52. Citando o Uno. Só mesmo no Brasil que uma plataforma de 1996 (Palio) dá tantos filhotes...partes dela foram aproveitadas no Idea, Punto e Linea. Também partes dela foram para o novo Uno...que virou novo Palio. Na natureza automotiva brasileira, nada se perde....

    ResponderExcluir
  53. Gabi,
    Imagine o Cobalt e Logan nacionais com tanquinho de combustível no cofre do motor?

    Bomba em potencial.

    ResponderExcluir
  54. Gabi, qual dos nossos populares de entrada não seriam considerados inseguros na Zoropa?

    ResponderExcluir
  55. Os carros baratos estão fazendo sucesso na Europa também. A Dacia é a fábrica que mais cresceu nos últimos anos, justamente como Logan. E lá tem versões muito bacanas, como furgão e pick-up, além do Duster que nós já recebemos. Os franceses que investiram para atacar os alemães nos carros premium amargam os piores resultados, na frente só dos japoneses que tomaram muito prejuízo por causa de Fukushima.

    Um carro que faltou lembrar foi o Clio sedã, que veio da Turquia, e era muito feio. Uma curiosidade é que meu pai viu o carro e mandou: "Esse carro parece um Gordini". Como é que ele adivinhou???

    ResponderExcluir
  56. Aléssio Marinho

    Obrigado pela sua resposta detalhada. Quando eu for trocar, vou de Logan mesmo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  57. Aléssio Marinho12/11/11 01:06

    Anônimo 11/11/11 23:51;

    Disponha.

    ResponderExcluir
  58. Acho que o pessoal ainda não se ligou, mas o Cobalt é apenas um Agile sedan, ou seja, bomba.

    Quanto ao Logan, ouvi dizer que o modelo novo melhou bastante em acabamento e nível de ruído. E ficou menos feinho também. Aliás o Logan mais bonito é o Sandero, só tem um pouco menos de porta-malas, mas é basicamente o mesmo carro (mas pouco, porque é grande para um hatch e como tal aproveita melhor o espaço).

    ResponderExcluir
  59. Aléssio Marinho14/11/11 11:39

    Anônimo 13/11/11 20:48;

    O Sandero possui entreeixos menor que o do Logan. O espaço interno diminuiu apenas no banco traseiro.

    ResponderExcluir
  60. anônimo, 13/11/11 20:48

    Gostos e preferências à parte o Cobalt nem de longe é um Agile sedan. Trata-se de outra plataforma. Pelo menos é o que dizem... só indo na concessionária e dar uma espiada por suas partes baixas para constatar.

    ResponderExcluir
  61. O Cobalt tem cara de agile sedan, mas é na verdade um Sonic sedan que GMB conseguiu deixar ele mais feio que o americano. Pelo menos usa a plataforma atual do corsa D europeu.

    ResponderExcluir
  62. Todos tres bem bunitim! Tão quereno o que? Carro de luxu, bunito e barato? Até hoje inda num posso comprar ninhum dos tres novo!

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.