CARS E DOR





O programa do governo americano, visando estimular a compra de carros novos, é conhecido como Cash for Clunkers. Significa dinheiro pelas máquinas decrépitas, as tranqueiras.
O nome oficial, porém, é CARS ( Car Allowance Rebate System ). O valor pago por qualquer carro usado, de até 25 anos, é de 4.500 dólares. Se imaginarmos que existem muitos carros que podem ser lá comprados dentro de uma faixa de 1.000 a 4.500 dólares, qualquer coisa que valha menos de 4.500 significa um lucro para o proprietário.
Funciona mais ou menos assim: você leva seu carro a um concessionário que tenha um carro que você quer comprar. Se seu carro velho consome mais combustível que o novo, pronto, você compra o novo e recebe um desconto de 4.500 dólares, menos 50 dólares de despesas administrativas do concessionário. Um espetáculo, não? Eu não acho.
O governo americano gastou oficialmente, como aparece no site do programa, US$ 2.853.668.500 por 678.024 carros, pick-ups, furgões e outros não especificados, até a data de 2 de novembro de 2009. Quase 3 bilhões de dólares para acabar com uma quantidade inimaginável de carros, muitos deles seguramente em boas condições e que poderiam ssr usados por muito tempo ainda. Agora serão matéria-prima para outras coisas, outros bens.
A destruição obrigatória do carro usado é cruel. Ouvimos a história de uma pessoa que entregou um Maserati Quattroporte em bom estado para comprar um carro novo. E o carro velho TEM que ser destruído, não pode ser vendido para colecionadores, mercado de usados, nada. Sabem como? A primeira ação é acabar com a vida do motor, retirando-se óleo e água e acelerando-o até que quebre, funda, exploda ou algo similar. Depois disso, o carro está morto, sem coração e deve ser desmanchado e encaminhado a uma estação de reciclagem. Tudo documentado, sem tramóias excusas.


Nada de jeitinho brasileiro com a carroceria sendo usada parcial ou completa, peças sendo vendidas, ou regulamentar um carro legalmente morto para poder rodar de novo. Lixo, scrap, finito.
Consigo imaginar a dor de um entusiasta ao presenciar uma cena dessas ou, pior, ter que efetuar essa ação. Sim, há muitos entusiastas trabalhando com carros nos EUA, muito mais do que aqui, basta ver revistas e sites sobre qualquer tipo de antigo. Muitas vezes o perfil dos donos mostra-os como mecânicos, autônomos ou de concessionárias.
Dá para se imaginar drenando-se um cárter e o radiador de um V-8 , ligar o motor e deixar trabalhar até tudo travar? Ou pior, acelerar até o fundo, escutando aquele som maravilhoso, para cessar de vez em poucos minutos ou segundos?


Eu consigo, minha imaginação é fértil para isso. Garanto que dói, de verdade.
Mas como tudo tem o lado positivo, esse holocausto automobilístico poderá gerar incríveis histórias no futuro, quando alguns carros aparecerem restaurados, e for dito que ele foi, de alguma forma, um sobrevivente do programa. Isso pode demorar 20, 50 anos para começar acontecer, mas vai acontecer, sem dúvida.
E será maravilhoso.

JJ

36 comentários :

  1. Mister Fórmula Finesse10/11/09 12:04

    Juvenal, te garanto que esse processo de "matar" o coração do carro é realmente uma agonia para o entusiasta: sem frescuras ou licenças poéticas, é ruim mesmo ver ou ter que colocar fim em um mecanismo tão complexo e que exigiu tantas horas de engenharia e dedicação ao mais alto nível...o estalo final é algo quase que tenebroso, uma violência - mesmo que com algo inanimado - ruim de presenciar!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Já vi um video no Youtube de uns carros sendo destruidos nos estados unidos. Além de tudo isso que o Juvenal falou eles ainda jogaram areia dentro do motor. E os babacas ainda davam risada ao ver as explosões.
    Não sei se é irracional de minha parte pensar assim, mas tenho raiva de americano até hoje quando me lembro desse video.

    ResponderExcluir
  4. Li num outro site que é colocado no lugar do oleo uma substancia conhecida como "vidro liquido" (acho que é silicato de sodio) - depois de acionado o motor ele sela todas os dutos de oleo impedindo o reaproveitamento de qualquer peca alem de fundir o motor.

    ResponderExcluir
  5. Se quiserem olhar alguns videos, no youtube tem aos montes. Mas já vou avisando que é só pra passar raiva, ver um video desses pra mim é como ver algum covarde batendo em animais, crianças ou idosos.

    http://www.youtube.com/watch?v=Qg6nub3RE34
    http://www.youtube.com/watch?v=QdiFqSSkIvM
    http://www.youtube.com/watch?v=2l6OKUMT_c0
    http://www.youtube.com/watch?v=3DEDRU3vI1U

    ResponderExcluir
  6. Amigos,
    eu vi que haviam videos no youtube, mas não tive coragem de abrir nenhum deles. E acho que continuarei sem essa coragem por muitos anos.

    ResponderExcluir
  7. Ainda melhor que essa bobagem acabou, pelo menos por enquanto. Os US$3 bilhoes dedicados ao programa ja foram gastos.

    Os objectivos do programa foram complicados; coisas que so um governo poderia inventar. Alem de gerar vendas de carros novos, a base do programa era de abaixar o consumo -- em vez de abaixar as emissoes. Com isso, carros em bom estado que consumiam mais eram mais alvos que carros em pior estado que poluiam mais. E uma fartura e um desgate tal que pode derrubar imperios. Imagine as pessoas em qualquer outra parte do mundo que sacrifcariam tudo para obter um desses carros ainda viavel e util.

    E quem beneficiou? Nao necssariamente as marcas americanas, sendo que esses carros geralmente consumam mais. Os que realmente venceram foram as marcas japonesas e koreanas, que geralmente consumam menos. Alem disso, os koreanos tinham um excesso de inventorios no inicio do programa, e com isso poderiam fornecer carros numa epoca em que os outros nao tinham carros suficientes em inventorio.

    Tudo, mas tudo, completamente torto!

    Abracos a todos ai de nos aqui em Huntington Beach. California, USA!

    ResponderExcluir
  8. O grande problema, é que temos chegado a um ponto em que se vê mais carro do que gente na rua.

    Uma hora isso tinha que acontecer, sendo feito dessa forma "tenebrosa" ou não.

    Desde que não se torne uma obrigação,nem levem certos modelos a extinção,eu acho válido.

    ResponderExcluir
  9. O pior de tudo é saber que isso não salvou em nada a industria americana...

    Sejamos justos: Por incompetência deles, pois não se prepararam para vender nessa época. Deveriam ter, pelo menos, baixado o preço dos carros para competir com os asiáticos.

    ResponderExcluir
  10. Tiozinho da marreta10/11/09 16:58

    Deixando de lado qualquer comentário sobre quem esse programa beneficiou, mesmo que seja difícil ver os carros serem destruídos, tal ação era necessária. Afinal de contas, se desmontassem as peças do motor, da carroceria, de acabamento e as colocassem no mercado, outros usuários de outros carros já de idade iriam se beneficiar com isso. Traduzindo, além de tirar de circulação os carros mais velhos o intuito com a destruição destes é esvaziar o mercado de peças destes mesmos veículos, forçando no futuro os proprietários a trocar seu carro velho por um mais novo devido à dificuldade de se encontrar peças. É um tema complexo, é difícil deixar a razão falar mais alto que o coração, mas penso que é uma atitude correta. Espero pelo menos que reservem um Mustang 69 para mim para daqui uns anos, rsrsrs.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Não é segredo para ninguém que muitos colecionadores brasileiros compram carros "velhos" nos Estados Unidos que após restaurados se transformam em antigos por aqui e será que no momento tal tipo de negócio não seria lucrativo?
    Não estou advogando a entrada de mil tranqueiras como aconteceu anos atrás graças a um incontável números de liminares que, ainda permitia a omissão do pagamentos de impostos de importação, mas algo feito oficialmente as claras.
    O acervo tupiniquim bem que poderia crescer!

    ResponderExcluir
  12. Marcelo Teixeira10/11/09 18:15

    Carro em mau cuidado deve ir para o lixo mesmo, seja novo ou velho. Já ficou num engarrafamento atras de um mendigo que comprou um carro zero e passou a gás? É insuportável o cheio e a poluição disso. E os idiotas que transformam carro a gasolina em álcool, vc fica bêbado atras deles.

    Quem não tem dinhieor para manter o carro com su combustível original que ande de ônibus, a pé ou de bicicleta. Quem tem carro carburado e não o regula corretamente por falta de grana para o mecanico, mesma coisa.

    ResponderExcluir
  13. Isto foi a primeira coisa em que pensei: a enorme quantidade de carros ainda bem conservados ou passíveis de fácil restauração, e que no futuro poderiam ser parte da coleção de algum aficcionado do modelo. Imbecilidade total, uma vez que como podemos observar, grande parte deles não eram verdadeiras sucatas ambulantes como acontece aqui no Brasil, até mesmo pelo rigor da lei por lá, onde uma lanterna quebrada já é motivo o bastante para um guarda parar um motorista, e lhe aplicar uma multa. Esse programa seria muito mais válido no Brasil, para tirar, de fato, muitas sucatas de circulação.
    Mr.Car.

    ResponderExcluir
  14. Não vou nem usar minha imaginação para visualizar como seria um V8 explodindo de forma tão trágica e despropositada assim... Isso poderia gerar um surto psicótico com consequências desatrosas para o resto da vida!

    ResponderExcluir
  15. Agradeçam ao Obama, aquele idiota.

    ResponderExcluir
  16. pow, fundir o motor é sacanagem.....

    ResponderExcluir
  17. Não sei porque tanta viadagem...
    acho a medida interessante, estimula e muito o sujeito mais pão duro que tem uma bucha na mão e que, agora, tem a oportunidade de trocá-la por um carro mais moderno, eficiente, seguro, etc, etc.
    Mal contada a história do Quattroporte, a troco de que o dono iria moer um por causa de US$4.500,00?
    Sei que carro nos EUA é mais barato, mas também não é pra tanto. Ou o cara é o mais otário do mundo, ou quem engoliu essa história é...

    ResponderExcluir
  18. Rex, bom saber a opinião de um entusiasta aí dos USA, achei mesmo uma bobagem esse programa, e acho que acertei minha opinião.

    Stig, não foi mal contada o caso do Maserati não. O valor do carro era pequeno mesmo, e o dono quis se livrar dela rápido.

    ResponderExcluir
  19. O governo norte americano gastou US$ 2,8bi para fazer isso. Esse dinheiro veio da onde? Ora, dos impostos. Então o cidadão que recebeu os seus US$4500 contribuiu para todo um aumento de impostos sobre a população. O Estado deve se manter no lugar dele. Programas desse tipo só servem para justificar aumentos de impostos que recaem sobre toda a população. Deixem o mercado se auto regular.

    ResponderExcluir
  20. É, se autoregular e criar essas bolhas que aparecem de vez em quando e detonam o mundo inteiro..

    O governo americano já fez programa parecido p/ eletrodomésticos e conseguiu uma efetiva redução no consumo de energia elétrica.

    Esse programa atual, além da renovação da frota, é óbvia a intenção de incentivar a industria americana, que passava por uma recessão devido a crise mundial. Todas as marcas tiveram aumento nas vendas, o carro mais vendido foi o Focus e o Corolla, ambos fabricados nos EUA, onde dão empregos para americanos...

    Esse modo ai de destruir os carros faz parte da cultura megalomaníaca deles, de transformar tudo em show.

    E digo mais:
    Bem que o Brasil podia lançar programa parecido. Seria ótimo pra tirar a frota PODRE de carros que temos nas ruas.

    ResponderExcluir
  21. Luiz Fernando,

    basta apreender quem está atrasado no imposto ou licenciamento e não haverá mais trânsito em nenhuma cidade brasileira.

    Justos pagando por pecadores.

    Mas NINGUÉM faria isso na periferia cheia de eleitores.

    ResponderExcluir
  22. Mais que o Cash for Clunkers, sempre me dá um aperto no coração ao ver aqueles Destruction Derbies. Sei que normalmente são usados carros em mau estado e a brincadeira deve ser muito divertida para quem participa, mas que me dói ao ver os caras destruindo carros "quase-clássicos" daquele jeito, ah dói!

    ResponderExcluir
  23. Me consola o coração saber que lá eles tem um pouquinho mais de apreço à história do que nós, então um proprietário de um clásscio talvez saiba o que tem em mãos. Vamos combinar, um dono de um Ford Mustang 64 é diferente de um dono de Ford Pinto, e esse tem mais é que ir pro cacete mesmo.
    Só fico triste pelo Corvair, que não merece a má fama que ganhou, e que deve ter sido frito aos borbotões por esse programa.
    Agora bem que poderiam doar alguns desses carros para países de 3° mundo, ou pelo menos ter algum tipo de tratamento diferenciado para carros com relevância histórica. Já imaginaram se um capiau redneck leva um Porsche 356 speedster escondido em um celeiro qualquer "porque tá véio"?
    Me veio a mente o protótipo do Fusca descoberto na Lituânia esse ano, imagina se fosse nos states...

    ResponderExcluir
  24. Sempre quis encontrar um estudo serio sobre o que polui mais (ou gasta mais combustivel):
    Deixar um carro velho (em boas condicoes, com um mercado de pecas de reposicao) rodando, ou o custo (ambiental e economico) de destrui-lo, e de construir outro para substitui-lo...
    Retirar metal da terra, fundi-lo, molda-lo, montar o carro.
    Na minha cabeca, esta conta nao eh tao simples quanto querem nos fazer acreditar...
    "Troque seu carro de 10 km/l por um de 13 km/l e voce estarah ajudando a salvar o planeta!"
    Tao simples assim?

    ResponderExcluir
  25. Essa Quattroporte com certeza deve ser dos anos 70 ou 80.

    ResponderExcluir
  26. Acabo de encontrar o video do Maserati, é um BiTurbo, não Quattroporte como eu havia escrito.
    Vejam:
    http://www.youtube.com/watch?v=jiORhKnwXF4&NR=1

    ResponderExcluir
  27. Na segunda foto, à esquerda, tem um carro branco com aerofólio, que tenho quase certeza ser um Mustang "fox body" (aqui no BR conhecido como escortão). R.I.P

    ResponderExcluir
  28. Eu havia assistido uma reportagem na tevê sobre esse programa de incentivo. O programa de tevê não mostrou as cenas mais fortes e chocantes, então procurei na net e achei uns vídeos. Que arrependimento em ter visto, deveria ter ignorado a existência dessa prática bizarra... Dá vontade de chorar...

    ResponderExcluir
  29. Juvenal, na verdade não tá muito bem contada não.
    Dei um Google e fiquei sabendo de um Maserati BiTurbo que acabou indo pro vinagre.
    Não que eu aprove, até porque sou fã de Maserati´s (se me dessem esse BiTurbo...), mas o Jeremy Clarkson detonou o mesmo carro em um episódio do Top Gear (acho que eles jogam uma caçamba de material de construções em cima), e ninguém ficou metendo o pau na BBC...

    ResponderExcluir
  30. Foi mal, Juvenal. Respondi sem ler os novos comentários...
    My bad...

    ResponderExcluir
  31. Isso é para vermos como não há limites para a imbecilidade humana.

    Percebam que não existem carros podres sendo destruídos pelo programa, simplesmente porque carros podres não conseguem licenciamento.

    Portanto, quem foi beneficiado? Quem não precisava trocar de carro e não quis aceitar valores ridiculamente baixos que o mercado paga.

    É o resultado do extremo materialismo e consumismo. Nada vale nada, e topa-se tudo por dinheiro.

    ResponderExcluir
  32. Nossa, DA vontade de MAtar esses caras e fazer um arrastão nesses carangos... Mto Tristes Estão novissimos... Sou apaixonado por carros anos 90 quase chorei ao ver... Estou sem palavras

    ResponderExcluir
  33. Seu Buce,
    seus comentários de pouca educação são dispensáveis, apesar de agradecermos seu tempo gasto conosco.

    ResponderExcluir
  34. não tem por onde Juvenal. farei questão de em todos os seus posts deixar uma lembrança pra vc.

    ResponderExcluir
  35. Vá para a faculdade despido que tu ganharás seus minutos de fama, seu Buce.
    Como dizem: Maldita inclusão digital.

    ResponderExcluir
  36. Nico acima da lei15/11/09 12:34

    Tremendo desperdicio. Pra que estragar algo que está bom? É dinheiro jogado fora! Não tem argumento que convença.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.