BRANCO, MAIS UM POUCO

A felicidade está nas coisas simples, como, por exemplo, chegar em casa do trabalho e encontrar na porta uma nova edição da revista que assinamos, como aconteceu óntem. Eu assino a americana Automobilie.

Logo que bati o olho na capa algumas coisas me chamaram a atenção.

Primeiro a chamada bem forte: "Satanic Lexus" E segundo a importância da chamada, pois não há mais nada na capa além do novo LFA. Difícil ver uma capa assim, com apenas uma chamada.

Se a Toyota queria fazer barulho, conseguiu. Esse novo Lexus LFA está realmente causando algum alvoroço no meio automobilístico. O primeiro supercarro da Toyota, lançado no meio da crise, sob a marca de luxo do fabricante. Um carro puro, sem exageros tecnológicos, feito para entusiastas. O MAO já falou bastante sobre ele aqui.

E o terceiro ponto que chama a atenção é a cor do Lexus: branco!



O Bob Sharp notou que a tendência do branco está chegando por aqui, como no lançamento do novo Fox. Mas nos esportivos essa tendência já vem acontecendo há algum tempo, como comentado num post antigo.

De fato, o branco é uma cor muito bacana nos esportivos e em outros carros. Pelos comentários no post do Bob a grande maioria acha a mesma coisa.

O dono do quiosque onde tomo café é um autoentusiasta e todos os dias falamos sobre carros. Toda quarta-feira ele compra o JT com o Jornal do Carro e papeamos sobre as notícias. Sem dúvida, é um dos melhores momentos dos meus dias.

No Jornal do carro de hoje há uma matéria sobre cores com alguns dados da PPG (que fornece tintas para os fabricantes). As três cores predominantes no mercado brasileiro em 2009 são o prata com 34% de participação, o preto com 26% e o cinza, com 15%. Mas a matéria não fala quanto corresponde ao branco. Só diz que em 2010 o branco terá 18% de partcipação.

Fiquei um pouco intrigado com o assunto e encontrei alguns dados da própria PPG, porém de 2006, mas que acredito não estarem muito defasados. Contrariando a percepção de que a ditadura do preto e prata (e cinza) é coisa de brasileiro esperto, essa três cores mais o branco são as mais vendidas em quase todo o mundo. Ou seja, fora do Brasil, não temos um lindo arco-íris nas ruas. Interessante que a preferência muda de acordo com os diferentes segmentos.

Na América do Norte o branco aparece em segundo na preferência. Mas isso se explica pela alta participação em picapes e SUVs, que correspondiam aproximadamente a 50% do mercado americano. No entanto azul e vermelho também tem alguma participação expressiva.



Na Europa a tendência se repete com o prata, preto e cinza, mas o azul também se destaca um pouco.



No Japão o branco é realmente forte em todos os segmentos e não há destaque para outras cores "mais vivas".



Na China o pessoal gosta um pouco mais de azul.




Na Coréia do Sul, aparece o branco mais forte em sedãs e o vermelho nos compactos. Mas no geral a ditadura continua.




E aqui na nossa casa, juntando com os vizinhos, já sabemos o resultado. Vale destacar que o vermelho aparece em quinto. Sei que na Argentina o vermelho é muito bem aceito. Aqui no Brasil, ou pelo menos em São Paulo, o vermelho se destaca em carros pequenos. Trabalho num andar alto, com vista para a Marginal Pinheiros e quando o trânsito para fico olhando os carros e já notei que todos os vermelhinhos são carros pequenos.




Portanto, cores mais vivas acabam de fato ficando mais restritas a nichos, ou segmentos menores, que acabam atraindo pessoas mais predispostas a ser diferente da massa.

Mas uma coisa é fato, o branco é bacana!

15 comentários :

  1. Muito bom esse estudo.
    Antigamente havia uma variedade maior de cores disponiveis, Não éra qualquer um que tinha carro então os privilegiados escolhiam a cor que queriam.
    Hoje em dia eu tenho a impressão de que as pessoas querem ser iguais as outras, seguir o rebanho, sentem medo de serem diferentes ou taxados de seja lá o que for.

    Acho que essa questão de cor está mais relacionado com a auto-estima, pessoas bem resolvidas se preocupam mais com o que eles mesmos acham, e não com o que os outros pensam.

    ResponderExcluir
  2. Vai ver um desses vermelhinhos era eu que o estava conduzindo, hehe. Quanto ao branco, que seja muito bem vindo.

    ResponderExcluir
  3. Alexandre Zamariolli25/11/09 19:43

    Hoje, na concessionária VW de que sou cliente, havia um New Beetle (ou será só Beetle, porque ele já não é tão new assim?) branco, com estofamento de couro bege, teto solar e rodas esportivas aro 17, simplesmente lindo.

    Conversando com o gerente da loja, disse a ele que estou curioso para ver um Jetta branco (com exceção de uma Wagon azul, todos os Jetta que rodam em minha cidade são pretos - inclusive o meu -, prata ou cinza).

    O melhor foi a resposta dele: "Já tenho uma encomenda..."

    ResponderExcluir
  4. Puxa, então meu pai está mais de um quarto de século à frente. Ele tem carros brancos em casa, sem interrupções, desde 1984.
    Nota: não é motorista de taxi.

    ResponderExcluir
  5. Preto, em um pais quente e com vias publicas mal iluminadas na maioria das vezes, é a pior cor que alguem poderia escolher para um automovel

    ResponderExcluir
  6. Adoro carro preto, mas nunca mais terei um...

    Só de olhar pro carro já aparece um risco... rs

    ResponderExcluir
  7. Muito interessantes, essas estatísticas. No caso dos três países asiáticos (China, Japão e Coréia), há uma peculiaridade cultural: o branco é uma cor tradicionalmente associada à morte e ao luto. De onde podemos tirar duas conclusões: 1) é por isso que o pessoal de lá gosta tanto do branco para sedãs grandes e carros de luxo (é o equivalente do preto por estas bandas); e 2)lá, o branco não é uma cor tão viva assim...

    ResponderExcluir
  8. Passei a curtir o branco por "culpa" de um Karmann Ghia...
    Estou fazendo minha parte: vermelho perolizado, verde Marselha e bege Nevada (vulgo "branco pérola")..

    ResponderExcluir
  9. Curiosamente o branco Gioioso é a cor mais cara disponível para o Fiat 500: R$ 1238,00.

    Faria questão de ter um nessa cor.

    FB

    ResponderExcluir
  10. Bela explicação PK!
    Já havia notado que a preferência não era nacional, ao visitar alguns sites de fabricantes na Europa e EUA.
    Curioso, o da BMW veio removendo as opções de verde e azul ao longo do tempo e hoje, parece que faz carros para o Brasil...
    Depois que tive um new Civic azul, aguentei bom tempo gozação de amigos, chamando de carro Carbex (quem é muito jovem não vai entender que é uma marca de papel carbono), hoje já vejo mais azuis por aí. Meu próximo será branco.

    CZ
    CZ

    ResponderExcluir
  11. Agora, nesses gráficos de barra (muito bonitos, por sinal), as cores são "meramente ilustrativas". Os percentuais correspondentes ao azul abarcam toda a gama de tons dessa cor. Isso quer dizer que estão aí computados azuis tão escuros que chegam a se aproximar do preto. Talvez isso explique a maior incidência mundial do azul em relação às demais cores ditas "vivas", exceção feita à América do Sul.

    ResponderExcluir
  12. Antônio Silva26/11/09 13:34

    Muito interessante. O problema que eu vejo é o fato de algumas regiões do país adotarem a cor branca em seus táxis. Aqui em BH, por exemplo, carros brancos são imediatamente associados a táxi o que é uma pena pois é uma cor bonita e cai muito bem em alguns veículos.

    ResponderExcluir
  13. Não sei bem que termo utilizar para a definição dos tupiniquins...

    Mas que de uma forma geral a massa "é burra", isso é fato.

    Essa história de associar a cor do veículo aos taxis, é absurda ao meu ver. Burrice crônica.

    Décadas de 70 e 80. Carros com quatro portas eram igualmente associados a carro para taxista.

    Precisou virem os Monza e Santana já do meio para o fim da década para o brasileiro descobri os benefícios das portas adicionais.

    Hoje em dia, muitos modelos são até mal vistos se não tiverem estas...

    Vai entender...

    ResponderExcluir
  14. Carro branco que abriu meus olhos de jovem entusiasta na época: Kadett GSi.

    Depois de alguns anos soube de um colega de escola que ganhou um Vectra GSi tb branco, outro carro lindíssimo.

    Essa ditadura do preto,prata é dose pra leão...ainda prefiro o saudoso tempo de minha infância e os coloridos fusquinhas da época...

    Quanto mais o povo tenta se diferenciar, mais se aproximam de um padrão comum.

    ResponderExcluir
  15. No Japão (eu estive lá e tive alguns carros), a cor mais cara para se arrumar é o branco. Mas uma explicação é o tom do branco. É um branco pérola bem distinto, muito bonito que tem um tom diferente quando a luz solar bate. Eu pretendo comprar um carro branco, sólido mesmo mas mais por gostar da cor e sentir que há mais contraste e beleza no conjunto com as lanternas vermelhas e faróis com máscara negra. Acho muito bonito.
    Abraços

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.