ANTIGOS EM NOVA PETRÓPOLIS


Fim de semana muito especial para os autoentusiastas. Feriado prolongado com Dia das Bruxas, Finados, post número 1000 dos autoentusiastas, coroado pelo teste do Audi A8 a 10 mãos, feito pelo BS, AK, PK, MAO e JJ. Mas não terminara aí.

No sábado, embarco logo cedo de avião rumo à Porto Alegre, na companhia do entusiasta Carlos Mauricio Farjoun. Chegando lá, encontramos um velho amigo dos entusiastas, o Márcio Campos.
Nosso objetivo era visitar o 18o Encontro de Veículos Antigos, em Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul.

Alugamos um Celta básico, e este carro nos surpreendeu em desempenho e estabilidade nas estradinhas sinuosas que nos levaram até Nova Petrópolis. E mesmo bastante solicitado, ainda foi muito econômico.

Nem bem chegamos à cidade, e os paralelos com Águas de Lindóia já aparecem. A estrada estreita e sinuosa denuncia o relevo acidentado da cidade, em muito semelhante à sua correspondente paulista.

Mal nos instalamos no hotel, e já corremos para a exposição. A proximidade do local do evento foi decisivo para irmos à pé, mesmo sob sol forte. Valeu a pena. A caminhada foi recheada de boas surpresas ao longo do caminho.



O local da exposição é pequeno, um armazém adaptado. Os carros ficavam dispostos lado a lado muito juntos, difucultando boas fotos das laterais, e quase sem possibilidades de fotos das traseiras, o que é uma pena. Detalhe para a organização rever para a próxima edição.

Se por um lado não havia quantidade, se esbanjava qualidade, com veículos representativos da história do automóvel em impecável estado de conservação. Ver carros diferentes dos habituais das mostras paulistas já fazem valer a viagem toda.

Como sempre, excelentes representantes da indústria nacional e importados.




Não sou um especilista ne história dos modelos de automóveis, como o MAO, mas reparo muito em detalhes tecnológicos que escapam da maioria dos especialistas. É a troca de informações com amigos e outros visitantes que tornam o passeio memorável.

Um exemplo disto é esta caixa, montada ao lado do motor de um Ford T. O que seria ela?


Esta estranha caixa é, nada mais, nada menos que a bobina de ignição!!!


Este é um dos exemplos do que podemos aprender sobre a evolução tecnológica indo a estas exposições.

Outra curiosidade é o "meio" V8 do Pontiac Tempest LeMans.

"Meio" V8 porque o motor de projeto original V8 teve eliminado o banco esquerdo de cilindros para montar um 4 em linha aproveitando ao máximo as peças à disposição. Esta é uma história que o MAO já contou aqui.

Já este carro é para os dogeiros de plantão fazerem referência. É um Dodge Brothers 1920, da primeira fase da Dodge. Sem ele, não haveiram outros ícones mais modernos hoje tão cultuados.


Há muitas outras referências, como a bicicleta motorizada da NSU, à caminho para a criação da verdadeira motocicleta, do coupê Fiat que recentemente foi foco de um artigo do colega FB, a foto de um sinal de "PARE" junto a uma placa de rotatória como a que destacou recentemente o colega BS, os Porsches a ar tão amados do MAO, da cultura automobilística que se respira no mercado das pulgas. Mas fica difícil descrever tudo e colocar aqui tudo.

Mas, para uma apreciação das melhores fotos que tirei do evento, criei dois álbuns de fotos online.
Eles estão aqui:



Espero que apreciem.

Terminamos com um passeio por Gramado e Canela, onde desfrutamos da deliciosa cozinha e hospitalidade gaúchas. Cidades belíssimas, que valem a pena conhecer.

Se compararmos este evento com Águas de Lindóia, ele ficaria francamente em desvantagem pelo volume de carros apresentados. No entanto, o espírito do evento de antigos, que se perdeu em Águas de Lindóia quando o evento se popularizou e o fluxo de dinheiro cresceu, permanece intocado em Nova Petrópolis.
Evento movimentado, mas não tumultuado pela multidão como em Águas de Lindóia. Alí o público era mais seleto, interessado no assunto. Felicito os organizadores e desejo longevidade ao evento, sem que ele se descaracterize.

Agradecimentos especiais a nossos amigos de Porto Alegre, Carlos Alberto Marcon Júnior, Henrique Masson Vidal e suas respectivas noivas Naizé e Grasiella, pela hospitalidade e companhia nesses dias de viagem.

AAD

12 comentários :

  1. belos exemplares expostos.....parabéns pela cobertura...espero um dia poder ir visitar este evento.

    Abraço

    Fernando Gennaro

    ResponderExcluir
  2. Pois é, Seu André!

    Vez ou outra vou até a casa daquele meu amigo de moto, que foi algumas vezes na casa do Vyko, lá em São Leopoldo.

    Tive a oportunidade de visitar o então Museu da Ulbra. Pena que o museu não existe mais... Era BEM bacana.

    Mas uma coisa que me impressionou, foi uma pequena feira de antigos em Novo Hamburgo ou Estância Velha (Acho. Não me recordo ao certo...)

    Haviam alguns nacionais em excelente estado de conservação e um carro que imaginei existir "só um" no Brasil. Um Hudson "Steel Body" 1938(ou 32?) com seu 8 cilindros em linha e RODANDO normalmente.

    Encontrei também um Opel Kadett A nas ruas. Já BEM acabado, mas andando "normalmente" na BR.

    O "pequeno Chevy" então parece possuir uma legião de fãs por lá. Um dos amigos de lá possui um 78 mais inteiro que muito carro 2005. E o utiliza quase todos os dias.

    Vi também uma moto Norton e uma Indian da época das vovós mocinhas...

    Enfim.

    Eventos ultra simples, mas com um conteúdo muito bacana. Muito bacana MESMO! E sem esse "show business" que muitos eventos na nossa região, parecem possuir.

    Bacana! Congrats mais uma vez!!!

    Abs!

    ResponderExcluir
  3. Pena que não sabia do evento, tinha uma viagem programada que não saiu, e fiquei de bobeira em casa, poderia ter ido até la.
    Gosto muito de Nova Petropolis, mas achei que estaria lotada no feriado e não me animei a ir so passar o dia.

    ResponderExcluir
  4. André,

    Como todos nós, além de auto-entusiasta sou antigomobilista de coração, e como atualmente moro a 40 km. daonde aconteceu o evento, reitero suas palavras...Tive exatamente a mesma sensação quando comparamos Lindóia com o Sul Brasileiro, e também outros encontros que acontecem nessa região.
    Alguns são bem amadores, mas acabam reunindo não só um público mais seleto, mas também gente que gosta do que faz, e se orgulha muito disso !!
    Prova é que eu fui no domingo, e retornei na segunda-feira, e vi boa parte dos carros expostos voltando aos seus lares rodando normalmente em direção à serra.
    Muito bom saber que o amigo também aproveitou bem o seu feriado...
    E que venham mais encontros como esse !!!
    Forte quebra-costelas do pessoal do Sul,

    Mário Buzian - Ivoti/RS

    ResponderExcluir
  5. Obrigado a todos.

    É bom saber que o pessoal do Rio Grande do Sul lê os autoentusiastas.

    Chiavalone, passamos pela Ulbra pra saber se ainda dava pra visitar o que restou do museu, mas infelizmente ele está realmente fechado.
    É uma perda irreparável para a memória automobilística nacional.

    O defeito de Águas de Lindóia é que ele "profissionalizou". Virou atração turística para o público em geral, perdendo o foco.
    Eventos amadores são feitos mais na base da paixão, e por isso carregam um espírito que faz a diferença no final. Esse é o ponto do encontro de Nova Petrópolis.

    ResponderExcluir
  6. Chiavalone, sou de Novo Hamburgo, e realmente já vi algumas vezes o velho Opel Kadett rodando, cheio de marcas e sinais de que não só o tempo passou, mas que ele passou pelo tempo rodando e servindo ao seu dono. A placa dele tem o ano de 1934 se não me engano.
    Pelos horários e locais em que já o vi rodando, acredito que seja de Estância Velha.

    André, represento o Rio Grande como leitor mais do que assíduo se mais ninguém se manifestar, embora não tenha tempo e nem muita inspiração pra comentar...

    Abraços,

    ResponderExcluir
  7. andré, você se referiu a bobina de ignição, no singular. é plural: são 4, tendo na parte superior dois discos com platinas, fixos na extremidade, na bobina. no extremo das platinas, parafuso, mola e porca para regulagem. à frente da engrenagem de comando há uma tosca mesa, com um rolamento natural que gira fazendo contato com a tampa metálica e quatro isolantes. quando fecha contato com as quatro partes metálicas, envia o sinal à bobina respectiva, que recebe a o impulso elétrico, processa e faz passar a corrente pelas platinas.
    a regulagem é feita por calibrador ou, para quem do ramo, pela cor da centelha ou, ainda, pela intensidade do som.
    os pós doutores regulam por método curioso: ligam o automóvel, colocam um dedo sobre as platinas.
    abrem o macacão, expõem o penis, e o aproximam do paralamas. a centelha colhida nos dedos cruza o corpo,saltando da glande contra o preto paralamas, através do novo e insuspeitado instrumento de alegada precisão. dizem, dá mais contraste, permitindo regulagem mais acurada.
    pode parecer grande demonstração de conhecimento técnico e de coragem mas, dono de fords t, nunca me atrevi a arriscar tal solitária e preciosa ferramenta para aferior o método, tendo-me incluído fora deste método. nasser

    ResponderExcluir
  8. Ainda não tive a oportunidade de conhecer os eventos do sul, mas depois deste post sensacional, espero não perder os próximos.

    Concordo que Águas de Lindoya está "avacalhado" infelizmente, e quem já o acompanha a vários anos, percebe que a "coisa monetária" é mais importante do que a paixão pelo automóvel antigo e pela história intrinseca a ele.

    Todos os preços ficaram exorbitantes, seja para o colecionador que tenta buscar aquela pecinha "rara", ou para a família que vai passar um final de semana diferente e se depara com valores absurdos de estadia ou alimentação.

    Sem contar o trânsito que para a estrada que dá acesso à cidade e região...

    ResponderExcluir
  9. Há 2 anos atrás eu estava em Gramado e fui no encontro do Fusca Clube de N Petrópolis, fui muito bem recebido, tinham bons exemplares lá, fora o fato dessa região ser lindíssima e deveras aprazívelum amigo meu esteve nesse encontro agora e tb gostou muito ....Pqp,Gtx,imagina fazer isso na hora do serviço sujo,seria um sexo eletrizante,hahahahahaha....

    ResponderExcluir
  10. Rafael - RMT06/11/09 12:54

    A todos,

    GTX disse "à frente da engrenagem de comando há uma tosca mesa". Ufa! Por alguns instantes acreditei estar vendo um Ford A sem distribuidor, assim como os injetados novos.
    Nada melhor do que poder rodar esse país indo aos belos encontros que são organizados todos os anos.
    Já tive essa oportunidade, hoje o estudo e trabalho povoam minha vida, a espera de dias onde viajar de antigo ocupe um espaço maior na minha rotina.
    Obrigado pela luz!

    Abs,

    RMT

    ResponderExcluir
  11. AD, hoje passou no programa maquinas da Ulbra TV, um especial sobre esse encontro em NP.

    Muito legal mesmo, carro muito legais e muito bem conservados.

    Me chama a atenção nesses encontros é as diferentes cores, cores vibrantes! Visto de cima chama bastante a atenção.

    Imaginem como será um encontro de carros antigos daqui a 50 anos, só preto e prata. Sad bue true.

    ResponderExcluir
  12. Tinha um modelo que tinha até o radio original VALVULADO ainda!

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.