CONCURSO DE ELEGÂNCIA SCHLOSS BENSBERG KLASSIK 2012

O "Best in Show" Ferrari Dino 166 P/206 P 1965. Levou tambem a categoria Carros de Corrida e Grã-Turismo

Em continuação ao post de ontem sobre o Schloss Bensberg Klassik 2012, é hora de falar do Concurso de Elegância propriamente dito. A começar pelo júri, pessoas da mais alta expressão no meio do antigomobilismo europeu e mundial. O presidente foi o Dr. Ing. Franz-Josef Paefgen, 65 anos, presidente da Bentley Motors até 2011 e hoje comanda a Bugatti, lembrando que ambas as fabricantes pertencem hoje ao Grupo Volkswagen.

Depois vem Fabrizio Giugiaro, filho de Giorgetto Giugiaro, o Estilista do Século, e que dirige a Italdesign, também do Grupo Volkswagen desde o final do ano passado. São desenhos de Fabrizio o Lamborghini Gallardo, o Chevrolet Matiz, o Maserati 3200 GT e o Fiat Idea. Outro membro do júri foi Jacky Ickx, excepcional piloto de competição, com oito vitórias na Fórmula 1 e seis em Le Mans, além de conquistar o Paris-Dacar de 1983.

O quarto membro foi Bernd Ostmann, editor-chefe da revista alemã Auto Motor und Sport, da editora Motor Press Stuttgart que tem filial no Brasil, a Motor Press Brasil, que publica vários títulos, entre eles Carro, Carro Hoje e Racing, em que trabalho para a primeira como editor técnico. O quinto integrante do júri foi Christian Philippsen, embaixador da comunidade automobilística Louis Vitton e presidente do júri do prêmio Louis Vitton Classics. Até 2009 foi editor do famoso anuário Automobile Year/L'Année Automobile.

O sexto foi Stefan Sielaff, chefe do Centro de Estilo Volkswagen em Potsdam, próximo a Berlim, que começou sua carreira em 1990 na Audi na divisão de desenho de interiores. Antes de chegar ao atual cargo passou pela DaimlerChrysler em 2003, também chefe de Interiores, até voltar para a Audi em Ingolstadt.

Wim Oude Weernink, holandês, jornalista, começou a carreira na revista de seu país Autorevue, para mais tarde fundar a sua própria, a Autoselekt, em 1980, onde permaneceu como editor-chefe até 1996. Depois disso passou a atuar como freelancer para várias revistas, entre elas a conhecida Automotive News, e escreveu o livro "La Lancia" e, mais recentemene, outro sobre a marca pioneira Spyker.

Finalmente, Andrea Zagato, que junto com a esposa Marella dirige a companhia que tem seu sobrenome. No final dos anos 1980 começou a trabalhar para fabricantes introduzindo a tecnologia CAD-CAS para acelerar o processo de prototipagem, começando pelo Alfa Romeo S.Z. Hoje dedica-se a produzir carros sob encomenda em edições bastantes limitadas.

Os melhores da Bensberg Klassik 2012

O "Best in Show", mostrado na foto de abertura do post, foi escolha do júri, mas o público também elege o seu, que foi o Mercedes-Benz 300 SC Roadster 1957. Foi também o escolhido entre os Carros de Luxo de Pós-Guerra pelo júri.

Mercedes-Benz 300 SC Roadster 1957, escolha do público

Na categoria de Carros de Luxo de Pré-Guerra o título ficou para o Mercedes-Benz 608 S Sindelfingen Tourer 1928, com todo o mérito.

Mercedes-Benz 680 S Sindelfingen Tourer 1928

Nos Carros Esporte de Pré-Guerra venceu o Alfa Romeo 8C 2600 Monza 1933, um carro que impressiona por sua beleza e por sua mecânica. O cavalinho rampante indica: já era a equipe de competição liderada por Enzo Ferrari.

Alfa Romeo 8C 2600 Monza 1933

Nos Carros Compactos Lendários a vitória coube o Toyota Sport 800 1965, um belo pequeno carro esportivo com motor de dois cilindros horizontais opostos arrefecido a ar.

Toyota Sport 800 1965



Carros Esporte de Pós-Guerra: mais um Alfa Romeo, desta vez o Giulietta Sprint Zagato 1960. Merecido.

Alfa Romeo Sprint Zagato 1960

Na categoria Conversíveis e Cupês, outro nome italiano não menos famoso, Lamborghini. É o 400 GT 2+2 1967.

Lamborghini 400 GT 2+2 1967 (carbuild.com)

Houve a categoria Carros Únicos, vencida pelo Bentley Mk VI Cresta Pininfarina 1948.

Bentley Mk VI Cresta Pininfarina 1948 (bildata.dk)

Houve também premiação para Categorias Especiais. Na carro Aberto da Pré-Guerra o laurel ficou para o Opel Admiral Cabriolet 1938.

Opel Admiral Cabriolet 1938 (en.wikipedia.org)

Na Especiais, Fechado da Pré-Guerra, o prêmio foi para o Swallow SS 1 1935.

Swallow SS  1 1935

Ainda na Especiais, Aberto de Pós-Guerra, o melhor foi o Bentley S1 DHC J.L. Mulliner 1958.

Bentley S1 DHC J. L. Mulliner 1958 (madle.org)

Especiais, Fechados de Pós-Guerra, um Citroën, o DS 19 Le Dandy 1962.





Na Condição de Melhor Restaurado, o Jaguar E-type "Lindner" Lightweight Low Drag 1963.

Jaguar E-tyoe "Lindner" Lightweight Low Drag 1963 (extravaganzi.com)

Já o melhor em CondiçãoNão Restaurado foi o Talbot Lago T26 Grand Sport 1948.

Talbot Lago T26 Grand Sport 1948

O Prêmio Especial Paul Pietsch, fundador da Motor Press International falecido este ano, foi para o Ferrari 250 GTO 1963.

Ferrari 250 GTO 1963

Finalmente, o prêmio especial para o carro que veio de mais longe para atender ao evento, Delahaye 135M Guilloret Cabriolet 1949.

Delahaye 135M Guilloret Cabriolet 1949


Para autoentusiastas, estes são mesmo momentos de puro enlevo. Com fundo musical de Bach e Vivaldi e tudo.

BS

20 comentários :

  1. Carros simplesmente incríveis! Se por fotos impressionam, imagino ao vivo.

    Maravilha esse Talbot Lago T26 Grand Sport 1948, não restaurado. Sobre o Ferrari 250 GTO não vou comentar, pois esse carro mexe muito comigo...

    ResponderExcluir
  2. Rafael Ribeiro15/09/12 17:12

    Fantástico! Numa próxima edição, caso seja convidado e esteja enjoado de coisas tão entediantes, pode me chamar que vou em seu lugar...

    ResponderExcluir
  3. Alfa Romeo com símbolo da Ferrari , nunca tinha visto. Pensei que fosse uma Ferrari das antigas.
    Deve ser por isso que dizem que a Ferrari nasceu da Alfa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ora imagine que besteira!
      A Ferrari tem muito mais tradicoa e tempo de vidauauá a Alfa
      A Alfa e uma marca italiana que produziu aqui só um tipo de carro há muitos anos chamado 2300
      Apesar de ter produzido alguns carros de rua na Itália a Alfa nunca teve grande sucesso nas pistas como a Ferrari teve e tem!

      Excluir
    2. caramba...pesquise antes de sair digitando...quanta besteira...

      Excluir
    3. Esse anônimo das 13:00 só pode estar de brincadeira.

      Anônimo 15/09/12 20:46, um resumo (bem resumido, mesmo) da história, Enzo Ferrari dirigia o departamento de competições da Alfa Romeo, quando este foi fechado em 1929, fundou a Scuderia Ferrari que passou a preparar e correr com os carros da marca, logo depois essa se tornou a representante oficial da Alfa em competições, até 1939, quando Dom Enzo deixa a Alfa para montar seus próprios carros.

      Excluir
    4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    5. Anonimo 16/09/12 13:00hs
      Voce parece ser muito novo.. e ainda nao tem uma cultura minima sobre automoveis
      Por favor de uma pesquisada (pode ser Wikpedia a principio) , mas a historia da Alfa e Ferrari estao intimamente ligadas como muito bem expilicou o Delfino Mattos. Alfa tem uma historia muito rica e repleta de conquistas em corridas muito antes da Ferrari existir.

      Excluir
    6. Gostaria de saber porque meu comentário foi removido?! Por caso esse blog é tendencioso e está puxando sardinha pra Ferrari ou é impressão minha?!

      Excluir
  4. "Em compensação havia outro inferno, que só diminuía quando nos afastávamos do Giulia: os gases de escapamento "sujos", hidrocarbonetos em excesso, nauseantes"

    Em corridas - na sua época ou hoje - também havia esse fato?

    ResponderExcluir
  5. Anônimo 15/9/12 21:46
    Havia o efeito. só que não se ficava tanto tempo atrás de outro carro quanto numa estrada.

    ResponderExcluir
  6. Bob, esse Delahaye que venceu o prêmio de "carro que veio de mais longe" tinha vindo de onde, vc sabe? Achei que o 300SL vindo de Dubai era o mais distante! Abs.

    ResponderExcluir
  7. Belíssimas macchinas!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  9. Espetáculo!!!

    MFF

    ResponderExcluir
  10. Esse motor da Ferrari Dino 166P foi amansado e veio a equipar o carro de rua , em sua primeira versao: Dino 206 com pequena producao . Posteriormente substituida pela Dino 246.
    A Dino 206 era muito nervosa seu V6 chegava a 180cv a 8.000rpm e seu torque maximo ocorria la em cima a 6.500giros.
    Mais leve , quanto bem tocada, andava mais que 246 apesar de seus 192cvs.

    ResponderExcluir
  11. Excelente e maravilhosa postagem!! Fiquei impressionado com aquele Talbot Lago de '48: Sobrevivente mesmo? No duro? Fenomenal é pouco!!
    Merecia uma matéria só para ele!

    ResponderExcluir
  12. Bob,
    veja a foto de outro Alfa muito parecido com esse 8C que você viu, aqui nessa página:
    http://www.classicdriver.com/uk/magazine/3700.asp?id=16356&utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_content=readmore&utm_campaign=goodwoodspecial
    Tem até roda dianteira fora do solo, e os pneus dobrando. No limite !

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.