LE MANS P1 - AS REGRAS


Como sugestão de um de nossos leitores, aqui temos alguns detalhes curiosos do regulamento da Le Mans Series, mais especificamente a LMP1, categoria onde correm os protótipos a diesel da Audi e Peugeot.
Há uma clara tentativa de igualar o desempenho dos carros movidos a gasolina com os a diesel, em diversos pontos do regulamento técnico, até com parâmetros bem interessantes e rigorosos. Um ponto interessante é a abertura para os híbridos já prevista em regulamento. Os carros dotados de sistemas de regeneração por frenagem ou calor do escape só podem tracionar as rodas traseiras, eliminando assim a instalação de motores elétricos na dianteira para gerar um 4x4. O sistema elétrico só pode ser comandado pelo pedal de acelerador, assim não é permitido um botão tipo push-to-pass do KERS da F-1 do ano passado.
Um item do regulamento diz que para um carro ser considerado híbrido deve ser capaz de percorrer todo o pit lane (400 m) a 60 km/h somente com o motor elétrico. A Peugeot já anunciou o desenvolvimento de um híbrido, baseado no 908, mas ainda não mostrou nada concreto.

Aqui temos alguns detalhes importantes de distinção das categorias, e entre os a diesel e os a gasolina.
- Para os LMP (Le Mans Prototype) não é necessário a fabricação de 'X' unidades para homologação, como é necessário na GT.
- Os P1 movidos a gasolina têm peso mínimo de 900 kgf, enquanto que os movidos a diesel pesam no mínimo 930 kgf. Os P2 pesam no mínimo 825 kgf.
- Os carros a gasolina possuem tanque de 90 litros, enquanto que os a diesel possuem tanque de 81 litros. A diferença no volume do tanque é para tentar compensar a maior economia dos motores Diesel, que faziam menos pit stops para reabastecimento ao longo das provas.
- A distância entre eixos é livre, porém os balanços dianteiro e traseiro são restritos, o comprimento máximo é de 4.650 mm com asa traseira e a largura máxima é de 2.000 mm.
- As tomadas de ar devem ter no máximo 150 mm de altura em relação à região da carroceria onde estão fixadas. Desta forma, restringe-se a facilidade de captar fluxo de ar limpo para freios e admissão.

- ABS é proibido.
- Motores Diesel podem ter no máximo 5.500 cm³ de cilindrada, enquanto que os a gasolina aspirados são limitados a 7.000 cm³. Os turbos são limitados em 4.000 cm³. (P1)
- Todos os motores devem utilizar restritores de ar de acordo com o número de válvulas por cilindro e a  cilindrada total.
- A pressão máxima de funcionamento na admissão de motores turbo ou com compressor é regulamentada de acordo com a cilindrada do motor, seguindo uma progressão em função da rotação do motor.

- Os motores não podem emitir fumaça visível, e o barulho não pode passar de 112 dbA.
- O carro deve ser ligado de dentro, pelo piloto, sem assistência externa, como um motor de partida auxiliar móvel usado em carros de fórmula.
- Não é permitido nenhum auxílio eletrônico no carro, como controle de altura, transmissão semi-automática ou automática, amortecedores eletrônicos, embreagem e esterçamento das quatro rodas (4WS).
- O câmbio pode ter no máximo seis marchas para frente e obrigatoriamente uma ré. A embreagem só pode ser acionada por pedal, não é permitido uso de alavancas ou sistema eletrônico.
- Não são permitidos sistemas 4x4.
- Nos freios, seis pistões é o máximo permitido por roda.
- Sistema de controle de tração é permitido se aplicado somente ao gerenciamento do motor. Curioso, o ABS ser proibido e o TCS, não...
- O assoalho deve seguir rigorosas especificações de medidas, conforme o desenho abaixo. Curioso ver como é limitado o uso de apêndices e aberturas na parte inferior do carro, pois é um dos principais locais a se obter melhoras em downforce.

Há muitas outras características controladas pelo ACO (Automobile Club de L'Ouest), responsável pela organização do evento, mas não precisam ser citadas aqui. É interessante ver que em muitos aspectos, os carros mais avançados do mundo na categoria protótipo não são espaçonaves com tecnologias alienígenas. São carros de conceitos conhecidos por todos, sem quase nenhum auxílio eletrônico.
Nisso vemos o grande talento dos engenheiros que os criaram, que com diversas restrições conseguem fazer carros tão velozes quanto um F-1. A aerodinâmica é sempre o grande trunfo dos carros, mas lembrando que não somente velocidade é importante nesta categoria, os carros devem suportar no mínimo 24 horas de corrida. Impressionante.
MB

19 comentários :

  1. Obrigado MB, agora entendi porque os diesel estão se saindo tão bem nestas corridas.
    O regulamento puxa sardinha pra eles!!! Discretamente, mas puxa.

    ResponderExcluir
  2. E como funciona a questão da embreagem em protótipos que têm câmbio no volante, com borboletas, estilo F1? É automática ou não?

    ResponderExcluir
  3. Muito bom MB, agora deu para entender um monte de coisas. Obrigado.

    ResponderExcluir
  4. Excelente post.Tenho a mesma dúvida do Julio Cezar,ou não é permitido o câmbio no volante.

    E que carros expetaculares,os engenheiros tiveram que aliar desempenho e durabilidade.Um F-1 não aguenta uma prova dessa,certamente..

    ResponderExcluir
  5. Juilo e Pedro, é permitido que o comando de troca de marchas seja feito no volante sim.

    Há uma diferença entre uma transmissão automática ou semi-automática e trocar as marchas pelas borboletas. No caso de uma semi/auto, há um módulo de controle eletrônico que utiliza parâmetros do motor e da transmissão para adequar o conjunto para ter a melhor troca. No da borboleta, é penas um sistema eletro-pneumático que atua no garfo de seleção de marcha. É a mesma coisa que uma transmissão de moto, mas no lugar de um cabo ou pedal para fazer o acionamento mecânico, é uma solenóide, sem ligação com o gerenciamento do motor.

    Existe um sistema chamado 'power-shift', que é permitido, onde a troca de marcha para cima (aumentando marcha) pode ser feito sem o uso do pedal de embreagem e com o acelerador todo pressionado. Também não é semi-automático, é só um sistema eletro-mecânico para passar as marchas.

    abs,

    ResponderExcluir
  6. Obrigado pelo post, eclarecendo algumas duvidas do pessoal. Agora posso sugerir outro? Poderia falar um pouco sobre qual modelo usa qual especificação, pois fiquei curioso pra saber se a maioria está no Diesel e se os que estão na gasolina estão no 7.0 aspirado ou no 4.0 turbo.

    ResponderExcluir
  7. eu acompanho sempre a Le mans !!!

    abraços

    Fernnado Gennaro

    ResponderExcluir
  8. MB,

    Excelente post. Sempre quis saber tudo isso mas nunca fui atrás.

    Seus post sobre motorsports são muito bons.

    PK

    ResponderExcluir
  9. PK, obrigado!

    Fla3d, apenas o Audi R15+ e o Peugeot 908 usam motores diesel, todos os outros seguem o tradicional ciclo Otto.

    abs,

    ResponderExcluir
  10. Prezado MB,

    Obrigado pela clareza do tópico.

    Uma dúvida ficou pra mim.

    Kgf trata de unidade de força, pois quando me utilizo de 1 Kgf, utilizo o peso associado a massa de 1 Kg numa posição e num local onde a aceleração da gravidade é padrão.

    Se fosse indicar a massa aí sim poderia colocar apenas Kg.

    Seria isso?

    Abraço
    MRA

    ResponderExcluir
  11. excelente post... lembrando o post do PK... fiquei com vontade de jogar uma "partidinha" de GT no PS.
    jogatina... kkkk
    Abs

    ResponderExcluir
  12. MB, obrigado novamente pelo esclarecimento. E entre os turbos e aspirados? Alguns ainda se aventuram com o turbo?

    ResponderExcluir
  13. Fla3D, os carros diesel são turbo. Dos demais, a maioria vai mesmo de motor aspirado. O Lola B06/10 andou já com diversas configurações, uma delas um V-8 biturbo.

    O Lola B09/86 corre com um 4 cilindros turbo de 2-litros e mais de 500 cv.

    abs

    ResponderExcluir
  14. Em finais dos 80 e início dos 90 tinham P2 com motores Peugeot e VW turbinados e mais de 500cv!!
    Inclusive o recorde de velocidade na antiga Mulsanne sem chicanes é de um WM-Peugeot PRV V6 que bateu em 950cv e 405km/h...

    http://www.wikinoticia.com/images/motorfull-es/es.motorfull.com.files.2009.12.PeugeotWMLemans88.jpg

    ResponderExcluir
  15. MB,

    Obrigado pela confirmação.

    Tive o prazer de ver em Interlagos o Peugeot 908 HDi FAP em ação, mas naquele ano, não sei por qual motivo, os AUDI Diesel não vieram a etapa brasileira. A Peugeot acabou vencendo não só a prova na cidade (com larguíssima vantagem) como o campeonato.

    Sabe se ainda está polarizada a disputa entre os dois fabricantes? Do que me recordo, os 908 andavam muito mais que qualquer outro na pista, ainda está assim?

    Abraço
    MRA

    ResponderExcluir
  16. Li em algum lugar que os Audi estão dominando este ano, confere?

    ResponderExcluir
  17. MRA, o 908 foi meio segundo mais rápido que o R15+ no qualify, mas na corrida o R15+ foi mais rápido.

    Desde os anos passados, o 908 era um carro mais rápido mesmo que os Audi, mas menos confiável. Isso numa corrida longa é um assassinato, pois não adianta nada ser mais rápido e perder todo o tempo nos boxes consertando carro.

    abs,

    ResponderExcluir
  18. Fabio, o Audi só andou uma corrida até agora, e ganhou.

    abs,

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.