GENERAL MOTORS HERITAGE CENTER















fotos: GM Media e particular.
O Heritage Center da General Motors, localizado em Sterling Heights, próximo a Detroit, é algo de espetacular, porém inacessível para a maioria dos entusiastas das marcas da GM.
Foi inaugurado em junho de 2004, mostrando não apenas carros, mas também o que os americanos chamam muito apropriadamente de memorabilia, que entende-se como tudo que lembra o assunto em questão.
Temos alguns amigos que visitaram a coleção restrita a funcionários GM, escolares, pesquisadores e convidados.
Infelizmente, ainda não há notícias de tornar essa coleção de acesso público, o que, sem dúvida, reforçaria a imagem da empresa e lhe permitiria ganhar algum dinheiro.
Após a crise de setembro de 2008, que atingiu a GM na pior fase possível de sua história, o Heritage Center continuou sendo mantido, mas cerca de 300 veículos foram leiloados em janeiro e abril de 2009, arrecadando cerca de US$ 5 milhões. Não eram todos raridades de valor inestimável, como os conceitos únicos e históricos Firebird I, II e III, por exemplo, mas apenas carros já existentes nas mãos de colecionadores particulares e alguns conceitos "leves", como séries especiais, que entraram em produção ou foram apenas propostas.
Mesmo assim, foi triste constatar que uma empresa desta importância pode tomar a decisão de se desfazer de carros que contam parte de sua história, apenas para incrementar o caixa.
Voltando à melhor parte do assunto, um lugar como esse é um sonho tornado realidade, para usar um bordão tipicamente americano, muito bem empregado, pois não vejo outra forma de descrever um ajuntamento de carros como estes.
As palavras da maior patente do Design da GM, o vice-presidente Ed Welburn, quando da inauguração, explicam de forma simples o que esse acervo representa.
Great ideas are timeless, and that is nowhere more apparent than at the General Motors Heritage Center. The remarkable vehicles and artifacts showcased there provide vivid reminders of a passion for creativity and design that mirror the Corporation's strength. As GM prepares for its Centennial in 2008, these milestones serve as the inspiration for future accomplishments."
Ed Welburn, GM Vice President, Global Design.
Traduzindo:
"Grandes idéias são atemporais, e em nenhum outro lugar isso é mais aparente do que no Heritage Center da General Motors. Os importantes veículos e artefatos mostrados aqui proporcionam um lembrete vivo da paixão pela criatividade e desenho que espelham a força da corporação. Com a GM se preparando para o centenário em 2008, esses marcos servem como inspiração para futuras realizações."
Um acervo que não é de brincadeira. Dos cerca de 1.000 carros de antes da crise, baixou-se para 700, podendo ser expostos dentro do grande galpão mais ou menos 175 por vez. Deste total, 350 são considerados fundamentais para entender a evolução da General Motors.
Os leilões, comandados pela festejada empresa Barrett-Jackson, venderam modelos interessantes da GM. Segundo o diretor do Heritage Center na época, muitos deles eram exemplares em duplicata dentro da coleção, como um Corvette 1978 Pace Car de Indianápolis e um Pontiac GTO 1967, utilizado no filme "XXX." (Triple X).
Para muita gente, como nós, é muito mais importante e agradável possuir uma parte da história da GM ou de qualquer outra marca importante, do que um belo quadro na parede, ou uma escultura. Por isso esses leilões foram muito concorridos, mesmo sendo de conhecimento público que muitos carros não poderiam ser dirigidos nas ruas, já que por serem conceituais, não possuem nem ao menos registro do Departamento de Transportes dos Estados Unidos. Mesmo assim, nada impede de serem usados dentro de propriedades privadas, ou levados a exposições em carretas.
Isso gerou uma certa confusão com o NHTSA (National Highway Traffic Safety Administration), o órgão que zela pela segurança de tráfego nos Estados Unidos, que não queria liberar vários modelos para a venda, pois não haviam documentos de registro oficiais. Após alguns dias de diálogo, tudo foi explicado, e as condições de não-circulação em vias públicas de carros sem homologação governamental foram aplicadas aos carros conceituais. Sem decisões autoritárias. Prova que os americanos são extremamente evoluídos no que se refere a preservação da sua história, e com a sapiência de colocar os automóveis dentro dessa ótica.
Com a recuperação das vendas de veículos novos agora em 2010, esperamos que a GM não se desfaça de mais nenhum item desse acervo maravilhoso, digno de ser visitado por todo entusiasta dos automóveis ou da história americana.
Esperamos conseguir passar por lá, com a coleção aberta ao público, em um futuro próximo.
JJ

19 comentários :

  1. Realmente espetacular. Pensar que se desfizeram de alguns desses veículos (tudo bem que menos importantes, mas mesmo assim...) para arrecadar míseros 5 milhões de dólares (para um empresa do porte da GM é troco para um cafezinho), nos dá indicações sombrias quanto ao futuro desse museu. Pela sua relevância histórica e técnica esse museu deveria ser incorporado ao Smithsonian ou coisa que o valha. Obrigado pelas fotos e parabéns pelo artigo.

    ResponderExcluir
  2. JJ,

    Meus parabéns pelo belo texto, mas gostaria de lembrar aos amigos a verdadeira "pataquada" que a filial tupiniquim acabou fazendo no ano passado: por conta do fim do magnífico Museu da Ulbra, em Canoas/RS, a GMB retirou todo o seu acervo que era cedido em comodato à instituição, e o que fez com ele ???
    Simplesmente criou um leilão virtual, onde somente concessionários "classe A" (uns 40 deles no país, mais ou menos) poderiam dar lances aos carros clássicos nacionais, muitos deles DOADOS por ex-funcionários e admiradores da marca, e acabaram vendendo esse sensacional acervo a PREÇO DE BANANA para seus revendedores, que também não perderam tempo, e repassaram esses veículos ao mercado com lucros superiores a 200 % !!!!
    E a alegação oficial foi exatamente essa, de que "nós devemos também dar o exemplo, se a matriz está leiloando os clássicos de seu acervo, faremos o mesmo", etc., etc. e talz...
    Puxa vida, se era pra RIFAR toda essa história, porque então não organizar um leilão onde qualquer fã da marca pudesse participar, diretamente ??
    Pra que fazer média com concessionária, dando um lucro absurdo a eles, vendendo raridades absolutas como o primeiro e o último Omega fabricados por uma ninharia ???
    Sinceramente, eu peguei NOJO dessa marca. Fui fiel consumidor da GM por décadas, sempre defendi os seus produtos com unhas e dentes, e fui "apunhalado" pelas costas com esse incidente...
    Vendi todos os meus clássicos GM que possuía, e hoje tenho um Dodge maravilhoso na garagem, e um Ford novinho em folha para uso no dia-a-dia...

    ResponderExcluir
  3. Lembrou bem Mário César. A parte o absurdo que é o demantelamento do museu da Ulbra, o que a GMB fez com seus veículos é facilmente explicável: acontece que nas montadoras o porcentual de pessoas que gostam realmente de veículos é ínfimo; nesse caso que vc citou não vou falar nem de possíveis "por fora" que ocorreram entre concessionários e "gerentes" da GM, acho que é mesmo ignorância. Uma empresa que trata assim seu patrimonio histórico merece mesmo é ir para o buraco.

    ResponderExcluir
  4. Ao ler esse post, fiquei triste diante da miopia (ou mesquinharia, não sei)da GM em leiloar uma parte do acervo desse museu. Perto do buraco em que a empresa se enfiou, US$5 milhões é "peanuts"!

    Também não pude deixar de pensar no extinto Museu da Ulbra - uma parte do patrimônio cultural deste país que foi liquidada de maneira criminosa - e conjecturar sobre o que teria acontecido com os modelos da GM que lá estavam em comodato. Depois, lendo o comentário do Mário César Buzian, tomei conhecimento, enojado, dessa vergonhosa rifa promovida pela montadora.

    Ora, até mesmo o Ahmadinejad e os outros doidos varridos que hoje mandam no Irã souberam preservar a coleção que pertencera ao Xá Reza Pahlevi, transformando-a no primeiro museu nacional de automóveis daquele país.

    Concordo integralmente com o Achille e o Mário César: com uma cabeça desse tamanhinho, a GM não deixa antever boas perspectivas para o seu futuro.

    ResponderExcluir
  5. Que triste ficar sabendo dessa noticia do que a GMB fez com os carros que estavamo no museu da Ulbra... deve ser pras pessoas pararem de olhar pro passado e ver os grandes carros que a GMB ja fez, muito melhor do que as porcarias que ela coloca no mercado hoje.

    ResponderExcluir
  6. E o mais incrível dessa história da GMB é que eles continuam a fazer de conta que não aconteceu com eles esse ocorrido !!!!
    Lá dentro ninguém comenta o assunto, eu tenho a relação completa com todos os preços alcançados e os carros que já não estão com a empresa, nem vou divulgar nada para não entristecer ainda mais os amigos desse grande espaço...Só vou dar mais um exemplo: uma picape Chevrolet Brasil, ano 1962, com pintura e funilaria prontas e feitas pela Ulbra, com alguns detalhes de montagem faltantes (mas com todas as peças dentro dela), com o motor fora do carro, foi vendida a exorbitantes CINCO MIL REAIS !!!!
    Se a GMB faz leilão de Prisma na internet para ajudar entidades sociais, então porque leiloar jóias como essas somente a poucos privilegiados donos de concessionárias ??
    Eu ouvi um deles comentar que a fábrica deveria ter guardado mais raridades dessas, "assim a gente vendia todas elas e "lavava a égua" com muita folga..."
    E lá no acervo da Ulbra, o único Opala que não pertencia ao acervo da GMB foi a leilão: um raro Opala Especial, cupê de quatro cilindros, vermelho, totalmente básico de configuração, com pouco mais de 30 mil km. rodados (estava na exposição, tenho várias fotos dele), e saiu por 25 mil reais, preço esse que considero bem justo pelo estado de conservação e raridade de se encontrar tal veículo sem restuaro, todo original...
    É ou não é revoltante esse descaso da GMB ??
    Como foi dito acima, talvez eles queiram apagar o passado, quando faziam produtos que davam orgulho, e eram feitos para durar...

    ResponderExcluir
  7. Pois é Mario, parece que a GMB gosta mesmo é de fazer de conta que nada está acontecendo. Como trocar o ótimo vectra B por um astra esticado... trocar o corsa pelo agile... manter os velhos motores... aí quando jornalistas sérios como o Fabricio do Best Cars Web Site poe o dedo na ferida eles começam a boicotar o site e não fornece mais carro pra teste nem os inclui em lançamentos para a imprensa.
    É lamentavel isso, não parece a mesma empresa mesmo...

    ResponderExcluir
  8. 5 Mill ?!?!?!?!?!?!?!?!?!
    Com 5 mil vc não compra nem os frisos da Chevrolet Brasil.
    É por isso que esse mundo está perdido

    ResponderExcluir
  9. Essa do Museu da Ulbra eu já sabia e apesar de ter ficado P%t0, não me surpreende. A GMB nos desrespeita há muitas luas já.

    Esse museu é maravilhoso!
    Que coupé é aquele prata que aparece em pimeiro plano na quarta foto? Eu sei que é um conceito com motor central...

    ResponderExcluir
  10. Imagens lindíssimas, estórias tristíssimas!
    Uma pena desmantelarem o Museu da Ulbra, desta forma...
    MH

    ResponderExcluir
  11. JJ, uma curiosidade sobre a bomba de combustível, acho que funcionava asim:
    Pedia-se 20 litros. Bombeava-se manualmente até a marca de 20 lts. Uma vez lotado, esvaziava-se o vidro pela mangueira, por depressão.
    Prático, não?
    MH

    ResponderExcluir
  12. Por isso tudo que eu digo: sou fã da Chevrolet, mas daquela Chevrolet da gravatinha azul, não essa chevrolet de gravatinha dourada comandada por contadores e pseudo administradores de empresa que nem sabem trocar um pneu.

    ResponderExcluir
  13. Mario César,

    Agora fiquei curioso, posta essa lista de preços. Sou um grande admirador da GM classica, possuo 2 carros dessa epoca e estou muito satisfeito com ambos.

    E alguem consegue me explicar o que é aquela pick-up na segunda foto ?

    Abraço

    ResponderExcluir
  14. Francisco Neto05/04/10 14:01

    Eu também, JJ. :D

    ResponderExcluir
  15. Ricardo,
    A pick-up em questão é a Chevrolet El Camino SS, um conceito baseado nos últimos Impala SS de tração traseira (1994-1996) e que não chegou a entrar em produção. Dá para ver que os para-lamas dianteiros e as rodas são os mesmos do sedã.
    Mais informações (em inglês) e fotos no endereço abaixo: http://blog.cardomain.com/2008/03/18/gm-never-forgot/

    ResponderExcluir
  16. uma maravilha este lugar!

    Abraços

    Fernando GEnnaro

    ResponderExcluir
  17. Na foto em que se destaca um Camaro Pace Car branco, vê-se ao fundo duas bravas pick-ups Chevrolet Brasil que foram rodando aos EEUU e parece que doadas ao GM Heritage Center. Serah que tbm jah foram ou serão vendidas?

    ResponderExcluir
  18. Na foto em que se destaca um Camaro Pace Car branco, vê-se ao fundo duas bravas pick-ups Chevrolet Brasil que foram rodando aos EEUU e parece que doadas ao GM Heritage Center. Serah que tbm jah foram ou serão vendidas?

    ResponderExcluir
  19. Luiz André,
    realmente não sei se as pick-ups brasileiras foram vendidas. Se descobrir, coloco um texto rápido no blog.
    Obrigado.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.