COLEÇÃO DO OG

Em 20 de março passado eu, BS, MAO, JJ e JLV tivemos a grande felicidade de visitar a coleção do Og. O convite e a organização do grupo veio do JLV.
Que Og? - alguém me perguntou.
Tem outro? - respondi.
Og Pozzoli!
Bom, como dá pra perceber, o Og é uma figura carimbada no meio dos automóveis antigos. Na verdade ele é um dos pioneiros em colecionar carros antigos no país e um dos fundadores dos primeiros clubes de antigos, em 1968. Por isso, no meio, ele é chamado de patriarca do antigomobilismo.
Eu ainda não o conhecia pessoalmente. Tive a grata surpresa de encontrar uma pessoa simples, acessível e prestativa. Ele mesmo nos recebeu no portão de sua propriedade e nos guiou por toda a coleção de mais de 170 carros.
É claro que eu me autoincumbi de fazer as fotos. MAO e JJ guardaram sua câmeras rapidinho! E qual o problema disso? O Og contou a história, curiosidades e passagens importantes dos principais carros. Enquanto ele contava isso, o BS e o JLV ainda acresentavam mais alguns detalhes. O JJ e o MAO só absorvendo tudo como duas esponjas sorridentes. E eu tentando fazer milagre para fotografar praticamente no escuro em alguns ambientes e achar ângulos minimamente interessantes no aperto geral entre os carros. Os carros estão divididos em vários salões. Resultado disso: um post visual. O que de fato não é tão ruim para um feriado.
Fiz uma seleção das melhores fotos dos carros que mais gostei.
Pelo que eu pude ver acho que o carro mais novo da coleção é um Cadillac azul 1959 e o mais antigo um Hupmobile 1925. Talvez exista algum Ford T mais antigo, mas não registrei.
No post do JJ sobre a Motor 3 está a capa da edição número 1 com um Chrysler Imperial 1928, da coleção do Og.
De longe escutei o Og dizer que a Graham Paige foi comprada pela Mitsubishi dando origem aos primeiros carros da marca japonesa.
O Mestre Mahar, vendo as fotos, de todos os carros da coleção disse que levaria pra casa o Buick Sedanette 1941 dourado e preto, "um sonho de veículo" segundo ele. Os 160 hp são produzidos por um motor oito em linha de dois carburadores, em que o de trás só funciona com o pé no fundo. Imaginem a mistura do pobrezinho do cilindro oito normalmente...claro que isso nunca deu certo, mas é Harley Earl em seu melhor momento.
Um dos que mais gostei foi um Lincoln Continental 1938. Sua frente/grade é simplesmente espetacular e muito diferente do que existia na época.
Havia poucos europeus, mas o Mercedes 1939 se destacava no meio do salão entre tantos americanos.
Na próxima vez tenho que agendar duas visitas. Uma de reconhecimento, ou enriquecimento, e a outra só para as fotos.
PK
























31 comentários :

  1. Aproveitando a visita ao Og, queria lembrar outro pioneiro, o saudoso Roberto Lee, e pergunto, o que foi feito de seu museu (um dos primeiros museus de veículos clássicos no Brasil), se não me engano em Caçapava. Voces sabem alguma coisa? Lembro-me me que ele tinha uma Alfa 8C Monza, mesmo não tendo o motor original (tinha mecânica Continental) era uma coisa fantástica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. parte do acervo do roberto lee, precisamente o que restou, quaze sucateado, foi doado a prefeitura de cacapava para recuperaçao.vamos torcer para ser verdade

      Excluir
  2. Emocionante! Lindas fotos, belos exemplares.

    ResponderExcluir
  3. E pensar que coleção de carro antigo hoje é ter Opala, Fusca e Puma na garagem...

    ResponderExcluir
  4. Este Mercedes 1939 tem 2 ou 3 eixos?

    ResponderExcluir
  5. Achille: para maiores informações sobre o Museu do Roberto Lee, visite http://carrosantigos.wordpress.com/vest_posts/o-segundo-assassinato-de-roberto-lee-e-seu-museu/

    É de fazer chorar. Entre outros, um raríssimo Tucker Torpedo. Tudo virando sucata, e, imagino, sendo saqueado, até. Um crime. Antes tudo fosse doado a um grande colecionador interessado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tem um tucker sem motor, pertencente ao museu do lee, agora com a prefeitura de caapava sp

      Excluir
  6. Sem sombra de dúvidas um das maiores e mais suntuosas coleções de automóveis do país, se não for a maior!

    Parabéns pela matéria, e obrigado por compartilhar um pouco dessa visita com nós leitores.

    abs.

    Alysson Prado "Balo"

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Olá, genial tudo isso. Na Enciclopedia do Automovel, da editora Abril, seus carros já estavam lá. A capa da primeira Motor 3, com aquela grade tambem. Ps. só troquem ano do Cadillac. Deve ser 52 ou 53.

    De resto, gostei das fotos...

    ResponderExcluir
  9. Olá anônimo, obrigado pelo endereço que voce me passou, o que vi me deixou tremendamente decepcionado, como puderam deixar isso acontecer?
    Sugiro aos Autoentusiastas e ao Paulo Keller que façam um raid por lá, e documentem o descaso e o abandono com que são tratados esse veículos. Não dá para fazer alguma coisa?

    ResponderExcluir
  10. O cadillac nao eh 1946 e sim 1953 coupe DeVille, e se nao me engano esse carro é 100% original. É uma verdadeira coleção de carros, sorte dos poucos que tiveram a chance de conhece-la. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  11. O cadillac nao eh 1946 e sim 1953 coupe DeVille, e se nao me engano esse carro é 100% original. É uma verdadeira coleção de carros, sorte dos poucos que tiveram a chance de conhece-la. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  12. Bera Silva03/04/10 10:38

    Parabéns ao sr. Pozzoli.
    Cuidar de um carro já é dureza, imagine então de uma coleção de clássicos!

    ResponderExcluir
  13. Em vez de leiloar os carros que estavam no extinto Museu da Ulbra, a GM deveria tê-los DOADO ao Sr. Og Pozzoli.

    ResponderExcluir
  14. Simplesmente Fantastica !!!

    Att,

    Juliano Dalla Rosa
    Clube do Fusca de Poços de Caldas - MG
    www.fuscapocos.com.br

    ResponderExcluir
  15. Nem todas as placas refletem o ano dos carros, pois alguns já as tinham quando foram incorporados.
    Uma curiosidade: o Pai do colecionismo francês se chamava SERGE POZZOLI..... O Sr MAO e o Sr JJ ceviam ter feito um diceo desse momento histórico de JLV, BS e OP....
    Infração ao Art 18: Vacilação e Bobeira...Eu sou um privilegiado: Tive o Og só pra mim e para um jovem amigo por uma tarde inteira...mostrou prega por prega o acervo. é a POZZOLÂNDIA.

    ResponderExcluir
  16. Achille,

    A Alfa de caçapava é apenas uma colcha de retalhos, não é uma Monza.

    O carro foi emprestado ao museu pelo Dr. Paulo Pestana, antigo diretor do Detran de São Paulo. A rigor o carro pertence ao Governo do Estado de São Paulo que não sabe.

    Apesar do carro ser uma colcha de retalhos, o mesmo deve ter alguma história e mereceria ser preservado e não largado como está nas ruínas do museu de caçapava.

    ResponderExcluir
  17. Obrigado Zullino pela informação.
    Há muito tempo não vejo esse carro, foi num salão, deve ter sido do automóvel, mas faz muito tempo... Fiquei maravilhado com o veículo. Meu irmão lembra de um evento em Interlagos, devia ser 1970. Havia um encontro de carros antigos (ainda não era a febre que é hoje), o Lee estava lá e deu uns cavalos de pau com a Alfa no paddock (aquele lugar onde construiram um estacionamento de shopping center...). Uma vez me disseram que era o carro da Hellé Nice, voce sabe se é verdade?

    ResponderExcluir
  18. Achille,
    Supostamente seria o carro de mademoiselle Delange, aka "Elle est nice", "ela é legal" em uma tradução de pé quebrado para o português ou finalmente Helle Nice, nome de diversas avós cujos pais devem ter sido inspirados pela figura da medemoiselle. Era uma moça alegre que vivia na Riviera Francesa, mas como gravitava em um ambiente de ricos e de automobilistas, se interessou em aprender a pilotar e pode-se dizer que era boa piloto, ainda mais se pensarmos nas traquitanas da época.
    O carro não era dela, mas sim de um de seus namorados, o argelino Gaston Leroux e do irmão Marcel, Gaston foi um corredor de muita fama nos anos 30.
    Ela teve um acidente aqui em São Paulo na Av. Brasil causando a morte de vários espectadores e de um garboso guarda civil que amparou a mademoiselle quando a mesma foi atirada do carro, um garboso sacrifício do agente da lei em nome da beleza.
    As más línguas e as boas também creditam a causa do acidente ao Manoel de Teffé que teria dado um totó na mademoiselle para não perder de uma mulher, em um episódio de misogenia explícita, mas como foi nos anos 30, acho que podia. De qualquer forma jamais se provou nada contra o Teffé, ficando a versão apenas nas bocas das "matildes", apenas fofoca.
    Ela se quebrou toda, mas sobreviveu, bonitinha ainda.
    O carro semi-destruído foi apreendido para o inquérito e ai começa a história.
    Deve ter ficado jogado e as coisas acontecem, ainda mais que estamos falando de meados dos anos 30.
    Finalmente, o que se supunha ser o carro de mademoiselle foi emprestado ao museu, mas isso já no início dos anos 60.
    Quando menino eu morava no Jardim Paulista e ia muito ao Ibirapuera de bicicleta e cheguei a ver esse carro mais uma Bugatti no antigo páteo do Detran, apenas um capinzal mais ou menos cercado de arame, qualquer um entrava. Estavam ambos bem destruídos e jogados ao tempo, mas um menino de 10 ou 12 anos não tem condições de avaliar se a sucata era uma Alfa legítima ou uma imitação para constar.
    Nesses anos todos muita coisa deve ter acontecido, mas minha opinião pessoal é que já nos anos 30 trocaram o carro por um monte de peças. Pode ser que a carroceria ou partes dela sejam legítimas, afinal, não valeria a pena recuperar já que tinha sido muito amassada. O carro do museu tem uma carroceria endireitada, mas ainda com muitos amassados, o que indicaria que pode ser parte da carroceria original.
    O carro de mademoiselle está muito bem na Alemanha com seu feliz proprietário, é um carro absolutamente provado como legítimo.
    O que se tem no museu? um monte de peças juntadas, uma carroceria de Alfa ou uma imitação e a história.
    Pelo que me lembre a Alfa do museu não tem os dois diferenciais e os dois cardãs, mas acho que apenas as P2 tinham essa configuração, as Monzas tinham diferencial normal, mas não sou especialista em Alfa dos anos 30.
    Mereceria uma atenção maior das autoridades estaduais no sentido de tomar posse do mesmo, iniciar um estudo para que se identifique o que é o quê no carro e o que é o carro.
    No entanto, acho que haveriam muitos interesses feridos se fosse feito um trabalho de levantamento histórico dos fatos e do carro.

    ResponderExcluir
  19. Anônimo que corrigiu o ano do Caddy e todos.

    Uma das coisas mais bacanas do AE, que sempre comentamos entre os colunistas, é o nível dos nossos leitores.

    É sempre uma grande troca entre todos onde o autoentusiasmo se multiplica!

    Obrigado!
    Abraço a todos!

    ResponderExcluir
  20. Sr. Og é antigomobilista até em seus veículos "Daily Drive":

    *Mercedes-Benz 280 Sedan 1974;
    *Mercedes-Benz 500 SL 1980;
    *Mercedes-Benz 280 TE 1984.

    ResponderExcluir
  21. Já encontrei o Sr. Og dirigindo um BMW 2000, preto e prata, com a placa preta do ano 1974, indo buscar peças que havia mandado cromar ou cromear aqui na região onde moro.

    Parabéns pelas fotos PK!

    Abraços
    AB

    ResponderExcluir
  22. Nós vimos os Mercedes e esse BMW citados acima lá na garagem dele!

    PK

    ResponderExcluir
  23. "Na próxima vez tenho que agendar duas visitas. Uma de reconhecimento, ou enriquecimento, e a outra só para as fotos."

    PK, na linha dessa sua frase, li outro dia aqui no jornal local o comentário do reporter sobre a postura do público durante um show da Nelly Furtado: as pessoas da plateia quase não se movimentam preocupadas que estão em "documentar" tudo nos celulares, câmeras etc.

    Ou seja, pagam ingresso e deixam de curtir o show ao vivo pra depois reverem em casa algo que possivelmente já houvesse de graça no youtube. :-)

    Na próxima, deixe a câmera em casa, ponha o MAO e JJ pra trabalhar e aproveite. Abração.

    ResponderExcluir
  24. Espetacular! O Og é de fato uma lenda, não o conheci mas o vi quando fui ao encontro de Araxá em 2002. Um rapaz de uns 30 anos veio cumprimentá-lo com inesgotável respeito e admiração, chamando-o de "Mestre Og". Me pareceu de fato ser uma figura muito simpática.

    Aqui em BH existem algumas coleções de peso. Creio que não tão extensas quanto essa, mas ainda assim muito relevantes. Aproveito para convidá-los a vir a BH em qualquer primeiro sábado do mês para o encontro de antigos do Alphaville. Perguntem ao seu amigo Boris Feldman o nível das raridades que aparecem por lá (ele próprio comparece regularmente com as suas).

    ResponderExcluir
  25. Obrigado Zullino pela explicação sobre a Alfa, acho que se fosse mesmo uma P2 alguém de fora já tinha dado um jeito de levar embora, mas como voce disse, independentemente de qualquer coisa o veículo mereceria um pouco de atenção.

    ResponderExcluir
  26. Achille,
    Na realidade eu queria me referir às P3, as P2 eram são carros do final dos anos 20, as P3 já eram mais sofisticadas embora seguissem o mesmo lay-out de motor. As P3 tem dois cardãs saindo da caixa de câmbio para caixas de diferencial perto das rodas, acho que para diminuir a altura que o piloto sentava. o dia que achar uma transparência coloco no meu blog. É um carro muito interessante, notadamente porque enfiou o Nivola enfiou um sabugo nas flechas de prata no GP alemão de 35, e em ambas, Mercedes e AutoUnion e isso com um carro bem mais velho. Se bem que o Nivola tinha um motor aumentado para 3200 cc.
    Perguntei a um amigo inglês que é um dos maiores, se não o maior jornalista de carros antigos, e ele me respondeu basicamente o seguinte.
    A Alfa de mademoiselle era uma Monza chassis 2311213, vendido a Mariette Helene Delangle, aka Hellenice.
    A Alfa foi adquirida pelo franco argelino Marcel Leroux após ter feito algumas corridas pela equipe de fábrica, Scuderia Ferrari na época.
    Marcel vendeu o carro à Mademoiselle, mas não se sabe de maneira foi pago.
    Mademoiselle correu com o mesmo no GP de Pau e teve um acidente quebrando o braço.
    Após se recuperar aceitou vir ao Brasil correr no GP de São Paulo, talvez a Gávea também fizesse parte do pacote junto com alguma temporada argentina, isso era normal em corridas e companhias de ópera. Aí houve o acidente e a coisa virou confusão.
    Ocorre, que em 1938 um senhor de nome Benedito Lopes deu uma entrevista a um jornal no dia 25 de julho do referido ano dizendo que era o dono do carro da Hellenice, mas não sabemos a continuação dessa história do senhor Benedito.
    Ao mesmo tempo aparece um senhor de nome Braga que também anunciou ser o possuidor do carro de Hellenice. Como vemos, o carro já deu cria em 1938.
    O senhor Braga foi forçado a dar o carro em pagamento de dívida a um tal senhor Cassini que vendeu o carro a Luis Canhedo que correu o GP da Gávea em 1938. Alguns jornais noticiaram que correram duas Monza, uma com o senhor Braga e outra com Luis Canhedo. Como assim?
    Cassini chegou em quinto lugar no GP do Rio de 1949 com uma AR Monza, durma-se com um barulho desses, mas qual seria o carro? Se é que eram dois.
    O que se acredita é que o carro de Mademoiselle foi canibalizado para fornecer peças a outro 8C 2300 que existia aqui e que poderia ser a chassis 2211135 que foi adquirida pelo anglo-luso Frederico Abecassis, primo de George Abecassis que foi piloto oficial da Aston Martin e fundador da HWM, uma fabrica inglesa de carros de GP, mas de F2 acho. O carro era dirigido por Vasco Sameiro. Algumas fontes dizem que Frederico tinha duas Monzas, o que aumenta a confusão.
    Também existem rumores que um terceiro carro, chassis 2511128 tenha arribado a estas plagas.
    No início dos anos 80 um "mercador" de carros, um inglês bem conhecido no mercado, alegou ter comprado uma P3/Monza da coleção de Roberto Lee. Mas falou isso na Europa. Teriam vendido o carro? Mistério. Teria o mercador inventado a história para justificar a posse de outro carro?
    Não vou nomear o nome do caranguejo, mas quem é do ramo sabe quem é, já foi até dono de equipe de f1 e levou um monte de carros daqui, da argentina e do leste europeu, inclusive o que estão pensando, um Auto Union mais falso que nota de 3.
    O que quer que o mercador tenha comprado ou não, parecia muito com a Monza de Abecassis, mas evidentemente foi juntado com um monte de peças, as usual. Foi repassado a um tal senhor Stern que o repassou a um alemão de nome Ibing e o carro foi reconstruído como uma Monza Stradalle por Paul Grist e ainda pertence ao senhor Ibing.
    Depois dessa confusão toda acredito que o que exista no museu seja apenas um monte de ferro que de Alfa tem a água do radiador e o distintivo, mas valeria a pena uma investigação.

    ResponderExcluir
  27. belas fotos Paulo

    Parabens amigo ! tudo de bom

    abraços

    Fernando GEnnaro

    ResponderExcluir
  28. Olá Paulo, como vai?
    Desejo levar meu namorado para visitar a coleção, ele é super apaixonado por carros e tem o Og como ídolo, se possível você poderia me enviar algum e-mail ou telefone para que eu pudesse tentar agendar uma visitar como presente de aniversário?
    Muito obrigada, meu e-mail é abisposouza@gmail.com

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.