SHELL E FERRARI


Já estou preparando um longo e ilustrado post sobre o Ferrari World,  em Abu Dhabi, que deve ir à rede amanhã. Mas enquanto não o termino, adianto apenas um aperitivo sobre uma das coisas que vi por lá.

No parque temático há um pequeno espaço para a Shell, um forte parceiro tecnológico da Ferrari, desde 1950,  para mostrar como são desenvolvidos o combustível e óleos utilizados pela Ferrari.

Além do desenvolvimento, há outras importantes atividades realizadas a cada Grande Prêmio.

Depois de cada treino e da classificação são retiradas amostras de óleo do motor que são analisadas quanto à quantidade de partículas de metais como ferro, magnésio, titânio, cobre, zinco e outros que são componentes de várias partes do motor. De acordo com a quantidade de cada metal encontrada nas amostras de óleo é possível determinar a condição de desgaste ou anomalia em cada peça interna do motor sem a necessidade de desmontá-lo. Isso é vital para a equipe saber o quanto pode exigir do motor na corrida, especialmente na temporada de 2011, em que cada carro só dispor de oito motores até o final.

Outra curiosidade interessante é que o combustível é resfriado a 10 °C abaixo da temperatura ambiente antes de ser enviado ao tanque. Dessa maneira, mais denso, é possível abastecer com mais combustível em massa, para um mesmo volume. Amostras de combustível também são colhidas e verificadas, quanto a qualidade e especificações, a cada treino, na classificação e na corrida.

Nas fotos há amostras de óleo e combustível cos carros do Massa e do Alonso.





PK

10 comentários :

  1. Edu Novelletto20/03/11 17:06

    Muito interessante, PK! Legal a iniciativa deles de abrirem um espaço a Shell, que sem dúvida contribui e muito pro sucesso da equipe.
    Se me permite, acho que você cometeu um pequeno engano sobre a temperatura do combústivel. Na 'plaqueta', diz que ele tem sua temperatura reduzida em 10ºC abaixo da temperatura ambiente, e não para 10ºC.
    Show de post! Aguardando o completo do Ferrari World.
    []'s

    ResponderExcluir
  2. Isso mesmo Edu. Obrigado pela correção. O texto já está acertado.
    O post completo está quase pronto e só não foi para o ar devido a demora para subir um longo vídeo.
    Abraço. PK

    ResponderExcluir
  3. Lembro-me de ter lido um teste sobre as gasolinas aditivadas comercializadas aqui. A única que mostrou efetiva vantagem em desempenho foi a V-Power.

    ResponderExcluir
  4. Muito legal!
    Na expectativa da matéria completa...

    ResponderExcluir
  5. Pouca gente sabe, mas boa parte do rendimento dos motores Ferrari são possíveis graças a essa mega empresa petrolheira...

    O mais interessante é que isso não acontece "apenas" na F-1, mas sempre que é possível.

    Eu trabalhei na Shell 2 anos e pouco ajudando no controle de frotas de ônibus de clientes desta mesma pretrolheira aqui no Rio de Janeiro; e fiz a mesma coisa: retirava amostras de óleo de motor, caixa-de-marchas e diferencial além de monitorar o abastecimento e os cubos dianteiros que na maioria dos chassis usados no transporte urbano de passageiros é lubrificado com graxa.

    Analisando a amostra sabia-se com exatidão quais veículos estavam com funcionamento deficiente e cruzando com outros dados da manutenção como troca de peças e consumo de combustível nunca erramos; sempre q um veículo tinha uma revisão minuciosa solicitada; em 100% dos casos algum problema grave foi sanado ANTES que houvesse falha grave nos componentes.

    Também se faziam testes... Me lembro claramente que um ônibus urbano com o motor mais comum no mercado sem qualquer preparação rodou entre 3 e 4X a quilometragem de outros lubrificantes sem perdas de perfomance... Vale lembrar que a operação de ônibus urbano em uma cidade como o Rio de Janeiro é uma das mais exigentes para os veículos... Impressionante!

    O chato é que esse trabalho normalmente era feito na garagem de madrugada porque de dia a frota está faturando... Sem as modelos lindas e o glamour da F-1... Mas o frasquinho de plástico era o mesmo e tinha a rapaziada da manutenção para animar o trabalho de madrugada!!!

    ResponderExcluir
  6. Lawrence
    Muito legal seu comentário!
    Valeu
    PK

    ResponderExcluir
  7. Petrolheira, porque produz "olhos"... ou petroleira, porque vem de petróleo? Tô em dúvida.

    ResponderExcluir
  8. PK, as ordens; sobre esse processo eu conheço um pouco mais q a maioria... Claro que na F-1 o esquema é pesadíssimo... Mas era praticamente o mesmo processo. Precisando é só perguntar q eu responderei se souber! Abraços

    ResponderExcluir
  9. óleo da Petrobras é melhor.

    ResponderExcluir
  10. Engraçado que no texto em inglês sobre o resfriamento do combustível, tem um erro: Lá fala que o combustível é resfriado para ABAIXAR sua densidade e, portanto, o volume.
    Incoerente... É para AUMENTAR sua densidade e, portanto, DIMINUIR seu volume.
    Maior densidade é MAIS massa com MENOS volume, que é o que eles querem.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.