FERRARI WORLD


Já estou de volta à minha querida terra natal e agora, com um pouco mais de calma, pude selecionar algumas fotos do Ferrari World e relatar minhas impressões. Confesso que ainda não consegui definir minha visita como exatamente entusiasta, o que me fez pensar em alguns pontos.


O Ferrari World é uma iniciativa voltada para o entretenimento! E isso é muito estranho considerando que o comendador Enzo Ferrari via os carros de rua como meros instrumentos para financiar as atividades nas pistas. Outro ponto é que a Ferrari não faz propaganda de seus carros. Alguém já viu uma propaganda de Ferrari? Propagandas da Porsche são facilmente encontradas. Além disso, a Ferrari produz apenas aproximadamente 6.000 carros por ano, uma pequena fração dos quase 2 milhões produzidos pela sua dona Fiat (que tem 90% da Ferrari), tem um lucro de 400 milhões de dólares contra 800 milhões da Fiat e é avaliada por pouco mais que a Fiat. Ou seja, a Ferrari não precisaria de uma papagaiada como esse "parque de diversões".

Mas o fato é que o sucesso da Ferrari tanto nas pistas como nas ruas criou uma aura ao seu redor e uma legião de fãs. E apenas uma insignificante fração deles passarão ao status de clientes. Isso deve alimentar as vendas da Ferrari por anos e anos. É para esses fãs que a Ferrari tem quase 40 lojas espalhadas pelo mundo vendendo desde bonés, canecas, camisetas até computadores, telefones e para mim o mais estranho, pranchas de surf. Além de potenciais clientes o consumo de toda essa legião contribui para estimados 30% das vendas da Ferrari. Nada mau como negócio!

Mas além dos fãs e dos clientes ainda existe uma classe chamada entusiastas. E estes estão sempre interessados em algo muito mais sério que entretenimento. Gostamos de desempenho, tecnologia, engenharia, processos produtivos, história, estilo, tudo com um pouco mais de profundidade. E que me desapontou muito no Ferrari World é a superficialidade com que tudo isso é tratado. Ou seja, o parque temático é para fãs!


Um pequeno fã, que se der sorte pode se tornar um entusiastas e até um cliente


Abu Dhabi é o emirado mais rico dos Emirados Árabes.Unidos Fica a pouco mais de uma hora de Dubai, por uma estrada reta que começa na principal avenida da cidade. Facílimo de chegar de carro. Me disseram que de táxi, indo em três ou quatro pessoas, não custa tanto. Lembro que para alugar um carro em Dubai é necessário ter uma PID - Permissão Internacional para Dirigir, ou como eu fiz, alugar um carro em uma locadora local, indicada pelo hotel onde fiquei (Ibis).

A estrada é excelente, mas se eu tivesse alugado um Ferrari para fazer essa viagem seria outra frustração pois o limite é de 120 km/h com radares a cada dois quilômetros. O Ferrari World fica na Yas Island, uma ilha artificial que também abriga o circuito Yas Marine, onde é realizado o Grande Prêmio de Abu Dhabi de Fórmula 1. Futuramente haverá outras atrações na ilha, que é um pólo de entretenimento, como em Orlando, na Flórida. Agora é totalmente fora de temporada e a ilha parecia uma cidade fantasma.


Estacionamento completamente vazio
O ingresso para adulto custa por volta de 100 reais e pode ser comprado na bilheteria que abre às 12h00. Cheguei lá com uma empolgação enorme e logo que vi os dois carros que enfeitam a entrada, um monoposto com motor quatro-cilindros do início da década de 1950 , e o famoso 250 GTO de 1962, ambos  eram réplicas mal feitas. Já dei uma esfriada. Levei algum tempo para ajustar minhas expectativas de entusiasta para me deixar levar pelo entretenimento, com algumas pitadas de entusiasmo, como na Galleria Ferrari.


O Ferrari World estava completamente vazio. Acho que não havia mais de 100 pessoas visitando o parque. Com isso nem pensei em fazer uma visita planejada. Eu e meus acompanhantes simplesmente fomos andando e parando nas atrações conforme elas iam aparecendo. Há atrações para todos os gostos e muitas delas para crianças. Não dá para descrever todas nesse post. Mesmo porque algumas nem merecem ser visitadas, a menos que se esteja com crianças.

Vou começar com as que eu não gostei. A atração chamada V12 é uma viagem a bordo de um barquinho que passa por dentro de um motor e no final tem uma queda. Pensei que seria algo interessante, mas é tudo tão sem graça e sem detalhes. E a outra bem fraquinha é a Made in Maranello, que simula uma visita ao centro de desenvolvimento e à fábrica. Mas é muito superficial e não gera empolgação ou informação alguma.

Duas que gostei foram The Racing Legends e Cinema Maranello. Na primeira um carrinho nos leva numa viagem pela história da Ferrari no automobilismo. Mas é muito rápido. Tenho certeza que os entusiastas prefeririam fazer esse percurso pausadamente num museu. Mas a atração é legal.



Já o Cinema Maranello eu acho imperdível. É um filme feito especialmente para o parque que reproduz uma das primeiras corridas de Enzo Ferrari na década de 1920. Ele pilotava um Alfa Romeo que bateu o Bugatti na Coppa di Sicilia. Lembrei o tempo todo do primo Arnaldo Keller, qua adora os carros de corrida dessa época.



O Alfa Romeo de Enzo Ferrari

Para quem gosta de montanha-russa o parque tem simplesmente a mais rápida do mundo, a Formula Rossa, e a mais normalzinha, Fiorano GT Challenge. Na Formula Rossa o carrinho é catapultado, como os lançamento de aviões em porta-aviões e atinge 240 km/h em 4,9 segundos. Diz-se que isso gera uma aceleração similar a de um carro de Fórmula-1. Se for isso mesmo, é algo incrível.


No final do retão se inicia a subida. Na primeira ida eu sentei na segunda fila. O rosto fica protegido pelo encosto do banco da frente. No lançamento Inclinei a cabeça para o lado para ver à frente e rapidamente tive que baixar a cabeça para proteger meus olhos do “vento”. Já no início da subida eu simplesmente não consegui levantar a cabeça tamanha a força que a empurrava para baixo durante a subida. Impressionante.


Há várias subidas e descidas, mas as curvas com inclinação de quase noventa graus e muito próximas do chão também são eletrizantes. Ao sairmos do carrinho vejo a camisa branca do meu colega que foi na primeira fila repleta de mosquitinhos esmagados pelo impacto. Na segunda rodada fui na primeira fila, que requer uso de um óculos especial, e mantive a cabeça apoiada no encosto. Sem dúvida uma das montanhas-russas mais empolgantes em que já andei.


Depois fomos no Fiorano GT Challenge, que ficou até sem graça a pesar dos dois trilhos que correm lado a lado.


Outra atração interessante são os simuladores. Dois deles são mais realistas, pois incluem a carroceria dos carros, um F-1 e um F-430. E uns dez mais simples, onde todos participam de uma mesma corrida, cada um com o nome de um piloto da Ferrari. Os dois mais realistas tinham uma fila de espera, além de necessitarem de ingressos adicionais. Optamos pelos mais simples. A corrida é no circuito de Yas Marine, mas inexplicavelmente não se completa a volta inteira!



Simulador, corri com o nome Barrichello, cheguei em segundo, é claro!

Para as crianças a mais legal é a Bell’Italia em que se percorre uma pista a bordo de um 250 Calfornia em miniatura passando por dezessete pontos turísticos da Itália. Muito bem feitinho.


Onde eu gastei um bom tempo foi na Galleria Ferrari. Apesar de poucos carros, a seleção dos modelos é excelente. Pelo que pude observar é uma exposição rotativa em que os carros são trocados de tempos em tempos.


Logo na entrada um 166 MM (Mille Miglia) de 1948 com motor V-12 de dois litros (166 cm³ por cilindro) e com carroceria Touring Superleggera num azul "Ferrari" maravilhoso que eu nunca tinha visto antes.


Ao lado um outro modelo pouco comum, um Superamerica 400 com motor V-12 de quatro litros e com carroceria Pininfarina no estilo saia e blusa com alumínio escovado na parte de baixo. Esse Superamerica apesar de elegância não é tão bonito assim.


Também há um GTB 275/4 de 1966 com motor V-12 de 3,3 litros e quatro comandos de válvulas, com desenho Pininfarina e carroceria fabricada por Scaglietti. Sucedeu o 250 GTO que, na minha opinião, é muito mais esportivo e bonito.


Mais um dos carros de rua que está lá é o 212 Export de 1951, também com motor V-12, 2,56-litros e uma linda carroceria feita por Vignale.


Além dos modelos de rua há vários carros F-1 que foram pilotados por Schumacher, Prost, Berger e Alesi. Essa Galleria Ferrari é altamente entusiasta.


Em resumo, mesmo achando o parque desnecessário para a Ferrari e constatando que ele é mais voltado para o entretenimento e para os fãs da marca, eu gostei muito e recomendo a visita ao Ferrari World para quem estiver na região. Saí de lá mais feliz do que quando entrei!

Eu tive a oportunidade de visitar o parque por uma feliz circunstância. Mas tenho plena certeza que um programa muito mais entusiasta e envolvente é visitar a Ferrari em Maranello incluindo uma passagem por Modena e Fiorano. Que ainda não conheço!

Ah! Quase me esqueci. Para os fãs consumistas, na saída há a maior loja da Ferrari do mundo. Além das miniaturas há muitas peças usadas como válvulas, virabrequins, pistões, volantes, e até uma motor inteiro. Mas tirando as bugigangas como canetas e imãs de geladeira, é tudo muito caro.


PK


Outras fotos

12 comentários :

  1. Ufa!!!!!!!!!!!!!!!!!

    he he...

    Avanti Ferrari.

    O duro é ter que torcer pro toureiro...

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo tour PK!

    O filme é maravilhoso, muito bem produzido e altamente entusiasmante, uma verdadeira viagem no tempo.

    Essa montanha russa também deve ser espetacular, apesar que - matreiramente - inflacionaram os números de aceleração dos F1 para ficarem iguais aos do brinquedo. (0 a 200 em apenas 5,5 segundos nos motores de três litros segundo informações que busquei)...

    Museu bonito, carros maravilhosos...mas claro que tudo em um ambiente meio lascado dos novos ricos. Ferrari, tradição esportiva em meio a dunas, land cruiser's e Nissan patrol, gente com aquelas roupas esquisitas, tudo muito deslocado enfim!

    mas, mesmo assim, deve ser uma grande visita.

    MFFinesse

    ResponderExcluir
  3. Antonio Filho-

    PK - Deve ser muito interessante esse tal "emirados árabes da parte rica", e com esse parque temático ai com certeza é visita obrigatória.

    Não gosto muito de Ferraris, se pudesse teria talvez um F335 alguma GTO com 288 ou F40(hehehe).

    Agora sobre a Ferrari não fazer propaganda, só se for na TV pois, o que mais ela faz é isso no mundo todo, com os postos Shell e por ai vai, o que para mim é uma áurea meio que fantasiosa e exagerada, pois os resultados nas pistas não são lá essas coisas em números finais, que até a Nissan ganhou mais com exemplo, só uma poucas época da F1 teve bom exito, para mim só um romantismo fantasioso de um ícone dos novos ricos.

    ResponderExcluir
  4. Sei lá...
    Acho que é endeusar demais a marca. Tirando as exposições, os simuladores e as montanhas russas , tudo soa meio afrescalhado.

    João Paulo

    ResponderExcluir
  5. PK,
    gostei dos carros antigos e dos Formula 1.

    Ferrari azul é bem legal, essa mania de vermelho é totalmente sem graça.

    ResponderExcluir
  6. PK,
    Belissima materia !!
    Deve valer pela visita a galeria dos carros antigos da Ferrari, (acho linda a 275 GTB de 1966 ) realmente um sonho !
    Interessante notar que a "Pedra Fundamental" e Mae de toda essa saga automotiva tbm foi mencionada: nossa querida Alfa Romeo.
    E como sempre suas fotos sao um show a parte !
    PS : Iria me esbaldar na montanha russa !
    Ciao!

    ResponderExcluir
  7. Eu lembro bem de uma propaganda da Ferrari em uma revista, na época da 355, onde tinha a foto da traseira do carro e uma frase mais ou menos assim: "transforma os outros carros em aspiradores de pó".

    ResponderExcluir
  8. Caio Cavalcante22/03/11 14:51

    Paulo,
    Confesso que o início do post foi um banho de água fria, até por conta da expectativa criada pelos seus últimos textos.
    Mas foi só até ver as fotos tiradas na Galleria, ótimas como sempre.
    Acho que faria a visita do parque "de trás para frente".
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  9. As fotos "padrão PK" fazem muito para aumentar o apelo visual desse lugar, mas não tem jeito: no fundo, é uma grande papagaiada.

    E já que a exposição dos carros da Galleria (que é a única coisa que realmente interessa) é rotativa, prefiro vê-los em Maranello. Até porque lá é possível comer um tortellini feito na hora em vez da versão congelada que servem no restaurante do Ferrari World.

    ResponderExcluir
  10. Samuca - Puma GTI22/03/11 18:17

    O PK começa com a visita bem morna, para esquentar no final ! Vou pra lá em maio, e já reservei toda uma tarde para passar no Ferrari World, principalmente na Galleria. Faltou falar da comida, PK ! do Ferrari World e dos Emirados também...

    ResponderExcluir
  11. Essa réplica do mítico 250 GTO na entrada chega ser uma ofensa, de tão mal feita! A começar pelos faróis "máscara negra total"...

    ResponderExcluir
  12. Excelente a matéria!!! uma análise completa, crítica, imparcial e bem ilustrada, como entusiastas gostam... Meus Parabéns!!!!!

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.